Your SlideShare is downloading. ×
Cibercultura e arte urbana
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Cibercultura e arte urbana

3,122

Published on

Trabalho final da disciplina "Cibercultura" ministrado pela Profa. Dra. Beth Saad e apresentado em grupo no curso de Gestão Integrada da Comunicação Digital (DIGICORP) da ECA-USP, em dezembro de 2010.

Trabalho final da disciplina "Cibercultura" ministrado pela Profa. Dra. Beth Saad e apresentado em grupo no curso de Gestão Integrada da Comunicação Digital (DIGICORP) da ECA-USP, em dezembro de 2010.

Published in: Education
0 Comments
11 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
3,122
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
4
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
11
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Cibercultura e arte urbana Reflexões sobre as intervenções artísticas dos gêmeos e a Cibercultura
  • 2. O grafite e a sociedade contemporânea
  • 3. O grafite e a sociedade contemporânea
    • Grafite – do italiano Graffito , termo usado desde o império Romano para inscrições feitas em paredes
    • É uma forma de manifestação artística em espaços públicos
    • Seu surgimento se deu na década de 1970 em Nova York
    • Está diretamente ligado a vários movimentos urbanos, em especial ao Hip Hop
    • Para este movimento, o grafite é a melhor maneira de expressar a opressão que a sociedade vive
  • 4.
    • Jean-Michel Basquiat é um dos mais conhecidos grafiteiros, usando prédios abandonados para deixar suas mensagens poéticas.
    • Basquiat foi considerado neo-expressionista e reconhecido como um dos artistas mais significativos do final do século XX
    O grafite e a sociedade contemporânea
  • 5.
    • O Grafite foi introduzido no Brasil em 1970 e foi sendo modificado. Hoje o estilo de grafite brasileiro é reconhecido como um dos melhores do mundo
    • Polêmicas: Qualidade artística, poluição visual, vandalismo, confusão com pichação
    O grafite e a sociedade contemporânea
  • 6. Os Gêmeos
  • 7. Os Gêmeos Otavio e Gustavo Pandolfo. Nascidos em 1974 em São Paulo.
  • 8.
    • Em 1986, aos 12 anos, quando a cultura hip hop começa a se fortalecer no país, começam a grafitar pelo centro de São Paulo.
    • Sem ter de onde tirar referências, criaram seu próprio estilo, sua linguagem.
    • Em 1993, aos 19 anos, a dupla começa a viver profissionalmente do Grafite.
    • Em 1995, fazem uma exposição no MIS, em São Paulo e ganham grande projeção no país.
    Os Gêmeos
  • 9.
    • Pouco tempo depois, ganham destaque internacional, realizando exposições pela Alemanha, Reino Unido, Itália, Japão, Estados Unidos, Cuba, entre muitos outros países.
    • Entre suas principais obras está a pintura realizada em um castelo escocês do século 13.
    • A obra fica em Glasgow e foi realizada pelos grafiteiros brasileiros, Nina, Nunca e Os Gêmeos .
    Os Gêmeos
  • 10.  
  • 11. O espaço urbano e a cibercultura
  • 12.
    • Grafite, arte urbana envolvida em uma manifestação cultural à margem dos conceitos mais eruditos de arte.
    • Ocorria em espaços urbanos visíveis e invisíveis: muros, grades, portões, galerias de esgotos, viadutos, escadas entre outros.
    • Com a Internet, o grafite começou a ganhar status, o alcance da arte foi ampliado, por meio de videologs, fotologs, blogs, entre outros.
    O espaço urbano e a cibercultura
  • 13.
    • Como os gemeos, muitos grafiteiros “eternizam” seus trabalhos na web, compartilhamento sua arte, trocando experiências estéticas, informações de estilo e técnica, e contatos.
    • O que antes estaria fadado a desaparecer com o tempo, pelo espaço (urbano) inerente, agora tem preservada sua memória e existência na web.
    O espaço urbano e a cibercultura
  • 14.
    • As mídias digitais não captam e preservam, em essência, o que a arte na rua é.
    • Em algum nível, há uma representatividade sígnica importante marcada ali. Um tempo único, singular.
    • Uma outra forma de extrapolar uma linguagem expressa de forma local, a permitir o alcance global.
    O espaço urbano e a cibercultura
  • 15. O espaço como parte da obra ou a obra como parte do espaço?
  • 16. O espaço como parte da obra ou a obra como parte do espaço?
  • 17. O espaço como parte da obra ou a obra como parte do espaço?
    • As obras e o espaço se fundem e camuflam tornando a expressão só possível com os dois elementos presentes
    • A exibição só se faz possível e perene através da fotografia e da distribuição online na internet
    • A obra existe fisicamente por instantes, naquele tempo e naquele espaço do túnel, mas eternamente num tempo e espaço virtual
  • 18. O espaço como parte da obra ou a obra como parte do espaço?
  • 19. O espaço como parte da obra ou a obra como parte do espaço?
  • 20. O espaço como parte da obra ou a obra como parte do espaço?
  • 21. Embasamento Teórico
  • 22. Embasamento teórico Consideramos o grafite um exemplo de arte urbana, em princípio envolvida em uma manifestação cultural à margem dos conceitos mais eruditos de arte, cuja inscrição ocorria até então em espaços urbanos visíveis e invisíveis no mobiliário urbano – muros, grades, portões, galerias de esgotos, viadutos, escadas – e que começaram a ganhar status não só pela sua expressividade, mas também pelas oportunidades que a web gera de ampliar o alcance da arte, dando publicidade a ela via videologs, fotologs, blogs. Estes ambientes virtuais ampliam no tempo e espaço a arte da rua, que poderia subir com a pintura de uma fachada, com a destruição de um prédio, sem falar da própria poluição visual. As redes sociais em torno do grafite, inicialmente circunscritas às tribos urbanas, se diversificaram na pós-modernidade, e viraram elemento estético de um modo de ser e ver o urbano na contemporaneidade.
  • 23. Embasamento teórico Como Osgemeos, muitos grafiteiros “eternizam” seus trabalhos na web, compartilhamento sua arte, trocando experiências estéticas, informações de estilo e técnica, e contatos – (re)conhecem uns aos outros, agora não só pelas assinaturas dos grafites no meio urbano, mas pelo trabalho exposto na rede, e dialogam com o mundo. O que antes estaria fadado a desaparecer com o tempo, pelo espaço (urbano) inerente, agora tem preservada sua memória e existência na web.   As conseqüências desse processo de hipertextualidade e transmídia atua fortemente na expansão do espaço da rua para o meio virtual. A interação não se dá apenas com quem passa no meio urbano: também se aplica a quem vê, viu e verá, por exemplo, a foto de um grafite. A cultura urbana do grafite já fora antes desterritorializada pelos meios de comunicação de massa – filmes, música, etc. – e agora se resignifica de forma muito mais veloz, dinâmica e conflituosa do que décadas atrás. A metrópole já não cabe mais em si mesma.
  • 24. Embasamento teórico Evidente que as mídias digitais não captam e preservam, em essência, o que a arte na rua é – a Indústria Cultural já nos ensinou sobre a reprodutibilidade da arte com Walter Benjamin – mas em algum nível, há uma representatividade sígnica importante marcada ali. Um tempo único, singular. Uma qualidade particular. Uma outra forma de extrapolar uma linguagem expressa de forma local, a permitir o alcance global.   Se outrora precisávamos caminhar ou transitar pelas ruas para ter com o grafite um contato mais físico, e complementado pelos aspectos locais – a rua, o bairro, a “tela” (muro, escadas, paredes, etc.), na web o fluxo é diverso: além da imagem sem o despertar dos sentidos no plano físico, a interpretação pode ser comentada, compartilhada, modificada – pode ser apropriada, e evolui como partes de um todo, sendo possível a esta parte, ser o todo.
  • 25. Embasamento teórico Castells descreveria este processo de reconstrução espacial do grafites e do tempo como espaço de fluxo e de não-tempo. Os lugares ocupados pelo grafite ganham novos significados da mesma forma como são memorizados (por meio da fotografia, vídeos, blogs e outras mídias. O espaço ocupado de torna um ponto de convergência da rede de comunicação que foi criado e pode ser recriado pelas pessoas. Castells diria ainda que se trata de uma nova dinâmica de sociabilidade em rede. O uso do espaço público, de fragmentos de informação estética d’Osgemos, a mobilidade da linguagem, o hibridismo no território faz do grafite uma produção cultural contemporânea complexa, um espaço da não-ordem e híbrida.
  • 26. Embasamento teórico O grafite, grosso modo, deve muito à questão do território como marca de uma tribo. Talvez a conquista de outros espaços, como museus, castelos, instalações, entre outros, além do meio digital, sejam uma nova realidade ou um novo contexto para a conquista de territórios, cujo espaço e tempo diferem do meio original, a rua.   Não se trata de uma substituição, mais um novo campo de diálogo, fora do espaço urbano, a novas formas de interação e fruição desta arte ao público. E o fato de buscar e ter novos espaços a expor a arte, também modifica e resignifica a forma como o próprio grafite ocupa o espaço, e ganha-se proporção, projeção e criatividade. Uma arte híbrida, pós-moderna e embarcada na cibercultura, de forma imprevista e indeterminada.   Sobre Wim Wenders -  Lugares, estranhos e quietos  
  • 27. Cibercultura e arte urbana André Martins Eduardo Villalba José Roberto Souza Marcus Vinícius Bonfim Nicolas Barcza Rodrigo Almeida

×