Psicologia
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Like this? Share it with your network

Share
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
No Downloads

Views

Total Views
2,443
On Slideshare
2,381
From Embeds
62
Number of Embeds
1

Actions

Shares
Downloads
83
Comments
0
Likes
1

Embeds 62

http://mundusesportivus.wordpress.com 62

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. PSICOLOGIA
  • 2. PSICOLOGIA O que é Psicologia? Psicologia é uma ciência que estuda o comportamento humano e os processos mentais (razão, pensamento, emoção e comportamento). Os primeiros pensadores a se envolver com questões relacionadas à psicologia foram os filósofos gregos clássicos, por volta de 200 anos A.C. Como marco simbólico, tem-se 1879, ano em que foi criado um laboratório de pesquisas em psicofísica na Alemanha. No Brasil a psicologia teve dois caminhos de entrada: no início do século XX pelos cursos de formação de professores e de pedagogia; alguns anos mais tarde pela "psicologia industrial", como a maior industrialização dos centros urbanos. O Psicólogo, dentro de suas especificidades profissionais, atua no âmbito da educação, saúde, lazer, trabalho, segurança, justiça, comunidades e comunicação com o objetivo de promover, em seu trabalho, o respeito à dignidade e integridade do ser humano.
  • 3. PSICOLOGIA Contribui para a produção do conhecimento científico da psicologia através da observação, descrição e análise dos processos de desenvolvimento, inteligência, aprendizagem, personalidade e outros aspectos do comportamento humano e animal; analisa a influência de fatores hereditários, ambientais e psicossociais sobre os sujeitos na sua dinâmica intrapsíquica e nas suas relações sociais, para orientar-se no psicodiagnóstico e atendimento psicológico; promove a saúde mental na prevenção e no tratamento dos distúrbios psíquicos, atuando para favorecer um amplo desenvolvimento psicossocial; elabora e aplica técnicas de exame psicológico, utilizando seu conhecimento e práticas metodológicas específicas, para conhecimento das condições do desenvolvimento da personalidade, dos processos intrapsíquicos e das relações interpessoais, efetuando ou encaminhando para atendimento apropriado, conforme a necessidade.
  • 4. PSICOLOGIA Participa da elaboração, adaptação e construção de instrumentos e técnicas psicológicas através da pesquisa, nas instituições acadêmicas, associações profissionais e outras entidades cientificamente reconhecidas. Realiza divulgação e troca de experiência nos eventos da profissão e comunidade científica e, à população em geral, difunde as possibilidades de utilização de seus recursos.
  • 5. PSICOLOGIA O psicólogo desempenha suas funções e tarefas profissionais individualmente e em equipes multiprofissionais, em instituições privadas ou públicas, em organizações sociais formais ou informais, atuando em: hospitais, ambulatórios, centros e postos de saúde, consultórios, creches, escolas, associações comunitárias, empresas, sindicatos, fundações, varas da criança e do adolescente, varas de família, sistema penitenciário, associações profissionais e/ou esportivas, clínicas especializadas, psicotécnicos, núcleos rurais e nas demais áreas onde as questões concernentes à profissão se façam presentes e sua atuação seja pertinente.
  • 6. PSICOLOGIA TEORIA DA APRENDIZAGEM “Nenhum tópico é mais próximo da essência da psicologia que a aprendizagem, uma mudança relativamente permanente no comportamento de um organismo em decorrência da experiência (Myers, David 1998)”. O que é passível de ser aprendido pode, potencialmente, ser ensinado. A psicoterapia acredita que o que foi aprendido pode ser mudado por uma nova aprendizagem. Aristóteles por volta 343 a.C. afirmou que a aprendizagem é o resultado de associação, ou seja, nossas mentes ligam eventos que ocorrem em sequencia.
  • 7. PSICOLOGIA PRINCIPIO DO REFORÇO Principio do Reforço é um tipo de aprendizagem que consiste em associar comportamentos com as consequências, a esse tipo de aprendizagem chamamos de Condicionamento Operante. Nele qualquer evento aumenta a frequência de uma reação precedente. A maioria das pessoas pensa no reforço como uma recompensa, mas na verdade há dois tipos: o positivo e o negativo. Enquanto o reforço positivo tende a aumentar o comportamento (ex. alimento aos animais de circo) o negativo fortalece uma reação ao diminuir ou remover um estímulo aversivo (ex. despertador). O reforço negativo NÃO é um evento punitivo; é a remoção do evento punitivo.
  • 8. PSICOLOGIA PUNIÇÃO O efeito da punição é o oposto ao do reforço. O reforço aumenta um comportamento enquanto a punição diminui, ou seja, uma punição é uma consequência aversiva que diminuí a frequência de um comportamento precedente. Há psicólogos que acreditam que esse comportamento não se extingue, somente há uma supressão temporária do mesmo.
  • 9. PSICOLOGIA TERAPIA COGNITIVA COMPORTAMENTAL A Terapia Cognitiva Comportamental é uma abordagem terapêutica desenvolvida por Aaron T. Beck no início da década de 60. “É conhecido como uma psicoterapia breve, estruturada, voltada ao presente, direcionada a resolver problemas atuais e a modificar os pensamentos e os comportamentos disfuncionais. (Beck, Judith S. 2007)”
  • 10. PSICOLOGIA A Terapia Cognitiva Comportamental se baseia em 10 princípios, são eles: 1. Formulação contínua do desenvolvimento do paciente e de seus problemas em termos cognitivos. (Ex. pensamento momentâneo e comportamentos seguintes). 2. Aliança terapêutica segura, empatia. 3. Colaboração e participação ativa. (Ex. dever de casa) 4. Criação de metas e foco nos problemas. 5. Foco no presente. Volta ao passado em 3 situação, 1. Quando o presente não funciona, 2. Quando há predileção nessa época pelo paciente, 3. Quando há a necessidade de se averiguar algo. 6. É uma terapia educativa, ou seja, visa ensinar ao paciente a ser seu próprio terapeuta e enfatiza a prevenção da recaída.
  • 11. 7. Visa um tempo limitado. 8. As sessões são estruturadas. 9. A TCC ensina o paciente a identificar, avaliar e responder seus pensamentos e crenças disfuncionais. 10. Utiliza uma variedade de técnicas para mudar pensamento, humor e comportamento. PSICOLOGIA
  • 12. MOTIVAÇÃO PSICOLOGIA A motivação é uma necessidade, um desejo que motiva um determinado comportamento e o orienta para um objetivo. É uma força interior que se modifica a cada momento durante toda a vida, onde direciona e intensifica os objetivos de um individuo. “A motivação é encarada como uma espécie de força interna que emerge, regula e sustenta todas as nossas ações mais importantes. Contudo, é evidente que motivação é uma experiência interna que não pode ser estudada diretamente”.(Vernon, 1973, p.11).
  • 13. PSICOLOGIA Segundo Abraham Maslow, o homem se motiva quando suas necessidades são todas suprimidas de forma hierárquica. Maslow organiza tais necessidades da seguinte forma:
  • 14. PSICOLOGIA MOTIVAÇÃO Nas salas de aula, no trabalho e nas quadras esportivas, há dois tipos de motivação. A motivação intrínseca e extrínseca. A motivação intrínseca, também chamada de motivação pessoal ou inconsciente, é a motivação que vem do prazer que alguém obtém da tarefa em si, da satisfação resultante de completar uma tarefa ou simplesmente de trabalhar nessa mesma tarefa. Por outro lado, a motivação extrínseca, também conhecida por motivação ambiental ou consciente, são os fatores motivacionais externos, traduzidos em recompensas como dinheiro ou ganhos em competições (no caso do esporte). Estas recompensas proporcionam a satisfação ou o prazer que a tarefa em si não proporciona.
  • 15. No que diz respeito ao comportamento do indivíduo, é difícil distinguir um tipo de motivação do outro, residindo a diferença essencialmente no motivo que leva a pessoa a agir. MOTIVAÇÃO PSICOLOGIA
  • 16. DIFERENCIANDO STRESS E ANSIEDADE NA PSICOLOGIA DO ESPORTE E PSICOLOGIA CLÍNICA PSICOLOGIA Stress Rodrigues (1997) traz uma definição de estresse como "uma relação particular entre uma pessoa, seu ambiente e as circunstâncias às quais está submetida, que é avaliada pela pessoa como uma ameaça ou algo que exige dela mais que suas próprias habilidades ou recursos e que põe em perigo o seu bem-estar" (op. cit., p.24). Esta é uma visão biopsicossocial do estresse, que considera os estímulos estressores provenientes tanto do meio externo (estímulos de ordem física ou social, como o trabalho), quanto do interno (pensamentos, emoções, fantasias e sentimentos, como angústia, medo, alegria e tristeza).
  • 17. PSICOLOGIA Para a Psicologia Clínica o estresse pode ser causado por qualquer situação ou sensação que o faz se sentir frustrado, irritado ou ansioso. O que é estressante para uma pessoa pode não o ser para outra. DIFERENCIANDO STRESS E ANSIEDADE NA PSICOLOGIA DO ESPORTE E PSICOLOGIA CLÍNICA A Psicologia do Esporte entende que o estresse ocorre quando há um desequilíbrio substancial entre as demandas físicas e psicológicas impostas a um indivíduo e sua capacidade de resposta. O estresse se manifesta no corpo, na mente, no comportamento e nas emoções do indivíduo. Dores de cabeça, irritações na pele, cansaço, dores musculares, dificuldade de tomar decisões, pensamentos negativos, pesadelos, diminuição da confiança, irritabilidade, insônia, diminuição da libido e do apetite são alguns dos sintomas que podem ser causados pelo estresse. No caso de um atleta, não é difícil imaginar que isso prejudique e muito o desempenho nos treinos e competições, o que, por sua vez, aumenta o estresse e a pressão sofrida por ele.
  • 18. PSICOLOGIA Ansiedade A ansiedade é uma sensação de apreensão, nervosismo ou medo. A origem desse desconforto nem sempre é identificada ou reconhecida, o que pode piorar a angústia. Gould (1996) acredita que a habilidade de manejar os fatores geradores de ansiedade no esporte é parte importante do atleta para conseguir apresentar bom rendimento nas competições. Grande parte dos estudos da ansiedade no esporte está relacionado com a influencia da mesma sobre o rendimento do atleta (Murphy, 1988).
  • 19. PSICOLOGIA A ansiedade é um estado emocional caracterizado por nervosismo, preocupações e apreensões que se manifestam fisiologicamente, gerando uma agitação no corpo da pessoa. Existe a ansiedade-traço, que faz parte da personalidade do indivíduo, e a ansiedade- estado, que, como o nome diz, é um estado emocional temporário. No primeiro caso, já faz parte da personalidade da pessoa perceber as circunstâncias como ameaçadoras ou preocupantes, mesmo que a princípio não sejam. No segundo caso, são os estímulos ambientais que geram, temporariamente, sentimentos de apreensão e tensão. É importante entender que a ansiedade, o estresse e mesmo o medo nem sempre são negativos para um atleta. Um certo nível de ansiedade é necessário para que aconteça a ativação física e psicológica do indivíduo, a qual permite que o atleta esteja preparado para apresentar um desempenho no nível ótimo.
  • 20. A ativação é uma mistura de atividades fisiológicas e psicológicas numa pessoa, e refere-se às dimensões de intensidade de motivação em um determinado momento. Fisiologicamente, ela varia em um continuum que vai do sono profundo à imensa agitação. Há um nível ótimo, ideal de ativação, e uma vez que o corpo e o cérebro da pessoa continuam recebendo estímulos e ficando mais agitados, passa-se ao estado de fadiga, no qual o atleta está tão agitado e ansioso que não consegue atuar adequadamente. PSICOLOGIA
  • 21. PSICOLOGIA BIBLIOGRAFIA: •Angelo, L. F. &Rubio, K. Instrumentos de avaliação em Psicologia do Esporte. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2007. • Barreto, J. A. Psicologia do esporte: para o atleta de alto rendimento. Rio de Janeiro: Shape, 2002. • Beck, Aaron. Terapia Cognitiva da Depressão. R.J. Ed. Zahar, 1982. •Beck Judith S. Terapia cognitiva: teoria e prática. Porto Alegre: Artmed, 1997. •Caballo, V. Manual de técnicas de Terapia e Modificação do comportamento. S.P. Ed. Santos, 1996. •Myers, David. Introdução à psicologia geral. Rio de Janeiro: LTC, 1995. •Range, B. Psicoterapia Comportamental e Cognitiva: pesquisa, prática, aplicações e problemas. S.P.Psy, 1995. •Range, B. Psicoterapia Comportamental e cognitiva: transtornos psiquiátricos. S.P. Ed. Psy, 1995. •Samulski, D.M.Psicologia do esporte: manual para a eduação física, psicologia e fisioterapia. Barueri, SP: Editora Manole, 2002.