teorias do desenvolvimento

13,889 views
13,520 views

Published on

sociologia - teorias do desenvolvimento

Published in: Education
0 Comments
4 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
13,889
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
212
Comments
0
Likes
4
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

teorias do desenvolvimento

  1. 1. CAP. 12 – As teorias do desenvolvimento: Do evolucionismo à hermenêutica.
  2. 2. <ul><li>Com o fortalecimento do capitalismo e das relações entre antigas colônias e metrópoles as antigas comparações científicas entre sociedades se tornaram ultrapassadas, pois: </li></ul><ul><li>os objetivos da burguesia em os mesmos (lucro) </li></ul><ul><li>os Estados tinham o reconhecimento internacional </li></ul><ul><li>as leis e a burocracia eram criadas a imagem dos países da Europa ocidental </li></ul><ul><li>Obs.: tais concepções não poderiam mais se adequar aos conceitos de sociedades “ primitivas ” ou “ selvagens ” . </li></ul>A sociologia passou a explicar as diferenças entre as sociedades não eram de ordem natural, mas de acordo com o grau de desenvolvimento.
  3. 3. As comparações desenvolvimentistas tinham por objetivo incentivar a racionalidade e os comportamentos direcionados ao desenvolvimento capitalista. obs.: trata-se de um novo evolucionismo, que não procurava mais as diferenças entre a sociedade e as sociedades arcaicas “condenadas” ao desaparecimento, mas tentava encontrar, nas novas nações, as instituições básicas capazes de garantir a continuidade e a reprodução das relações capitalistas. As nações que se firmavam como centros de dominação passaram a ser modelo.
  4. 4. <ul><li>Classificação: </li></ul><ul><li>“ desenvolvidas” </li></ul><ul><li>“ semi-desenvolvidas” </li></ul><ul><li>“ pré-capitalistas” </li></ul>
  5. 5. <ul><li>As ideias de William Wilber Rostow, do MIT ( Instituto de Tecnologia de Massachusetts) identifica os estágios do desenvolvimento econômico em etapas: </li></ul><ul><li>1ª - Sociedade tradicional – produção limitada, tecnologia rudimentar, subordinação do homem ao ambiente e inadequado aproveitamento dos recursos naturais; </li></ul><ul><li>2ª - sociedade em processo de transição – estágio em que aparece precondições para o desenvolvimento econômico – atitudes racionais adequadas ao controle e à exploração da natureza; </li></ul><ul><li>3 ª - Sociedade em início de desenvolvimento – inclui as sociedades nas quais são ultrapassados os primeiros limites das sociedades tradicionais – investimento de capital na produção, crescimento da manufatura e aparecimento de um sistema político, social e institucional – base da sociedade moderna. </li></ul><ul><li>4 ª sociedade em maturação – estágio em que as forças de expansão econômica passam a predominar na sociedade; </li></ul><ul><li>5ª sociedade em produção em massa – é estágio de desenvolvimento efetivo da produção em bases industriais e científicas e de um aumento significativo do investimento produtivo de capital. </li></ul>
  6. 6. Obs.: para sustentar essa classificação o pesquisador tem de desprezar todas as particularidades históricas de cada sociedade, tem de pressupor que todas tiveram uma mesma formação original, aqui chamada de maneira generalizante de “sociedade tradicional” - todos atravessaram as mesmas etapas de um único processo. Falha = o desenvolvimento das sociedades tem avanços e retrocessos As sociedades tem as suas particularidades não dá para comparar , por exemplo, o desenvolvimento brasileiro com o desenvolvimento de outros países...
  7. 7. <ul><li>Dentro dessa perspectiva desenvolvimentista existe uma visão preconceituosa de que a “culpa” pelo pouco desenvolvimento é atribuído aà composição da população e, em especial, às características étnicas e culturais dos povos nativos. Ex.: </li></ul><ul><li>o índio é “preguiçoso” </li></ul><ul><li>o negro era “incapaz” de atingir a civilidade. </li></ul><ul><li>até quem colonizou servia para “justificar” o “atraso”. </li></ul>
  8. 8. Abordagem dualista do desenvolvimento: “ Desenvolvida” – crescimento: urbano, industrial, do sistema de comunicação. Tem alta produtividade e avanço tecnológico. “ Subdesenvolvida”, “atrasada” – população reduzida, cidades pequenas, produção agrária, níveis de renda baixos, produtividade insuficientes e dispersão demográfica.
  9. 9. Para a abordagem dualista, o problema não se encontra na constituição étnica, cultural ou racial da população, mas na condução de políticas administrativas e econômicas, no comportamento das camadas dirigentes, na falta de estímulo para o progresso, na má orientação do governo. Tais obstáculos impedem o bom aproveitamento das forças produtivas e acabam estimulando uma economia “periférica”, isto é, setores econômicos tradicionais, de baixa produtividade, que se desenvolvem à parte ou na “periferia” dos setores “ desenvolvidos”. O conceito de periferia diz respeito ao que, em uma sociedade, é secundário, irrelevante e até anormal em relação ao que é central, desenvolvido.
  10. 10. Outro conceito importante é o de MARGINALIDADE. O setor tradicional ou marginal é aquele que fica excluído dos processos de desenvolvimento tecnológico e de rápido aumento da produtividade que caracterizam o modelo (capitalista dominante). As nações do Terceiro Mundo: 1- As regiões, populações e setores identificáveis como subdesenvolvidos, arcaicos, tradicionais ou atrasados são parte integrante das novas nações, o que significa que não estão em processo de transformação para formas sociais e econômicas “adiantadas” ou “evoluídas”; 2 – As regiões ou os setores “atrasados” são dominados pelo setor ou região capitalista desenvolvido, o qual se impõe nos processos de independência como representante de toda nação; 3 – Os setores ou regiões “atrasadas” tendem a permanecer como tais, desde que assegurem o desenvolvimento do setor dominante, fornecendo mão de obra barata por meio de migrações internas e imigrações...
  11. 11. 4 – As formas tradicionais de vida (economia de subsistência, artesanato, sub-emprego...) tendem a desaparecer quando não representam mais nenhum tipo de fluxo de capital ou mão de obra, como sociedades tribais brasileiras, em franco processo de extinção. 5 – Os setores “atrasados” são remanescentes de um processo de exploração colonialista, contribuindo para a acumulação de capitais nas metrópoles...

×