Zoonews Edição 3
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

Zoonews Edição 3

on

  • 532 views

 

Statistics

Views

Total Views
532
Views on SlideShare
532
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
9
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Zoonews Edição 3 Document Transcript

  • 1. jornal do 29˚ congresso brasileiro de zoologia 7 de março de 2012 – n. 3 – salvador /ba BUROCRACIA NA CIÊNCIA Medida provisória, que legisla sobre acesso ao patrimônio genético brasileiro, não faz distinção entre pirataria e trabalho científico N os últimos anos, Contudo, qual é a real genético brasileiro, micos, que dependem a importância das situação da propriedade alguns entraves têm de troca mútua deO impedimento coleções zoológi- do material zoológico acontecido. “Apesar da material. de trocas de cas tem sido evidenciada no país? Quais são os boa intenção, a MP trou- devido à crise ecológica principais entraves para xe muitos problemas à Marinori critica o exces- materiais e em que o mundo se a coleta? Estas e outras ciência em biodiversida- so de zelo na MP em encontra. Em todo o questões serão aborda- de no Brasil. Por outro tentar evitar a biopirata- de coletas fez planeta, apenas um das na mesa-redonda lado, sua instituição ria, que não fez distin- com que o quarto das espécies são Propriedade do Material é importante para a ção, naquele momento, conhecidas. Zoológico, no dia 7 de economia e soberania entre trabalho científico e crescimento março, das 8h às 10h, no nacionais”, analisa. crime ambiental. das coleções Desta forma, as cole- Auditório Iemanjá. ções – além de docu- Embora esteja em Ela informa que, atualmen- zoológicas mentar a biodiversidade De acordo com a coor- constante discussão e te, a comunidade científica sofressem e serem registros, tanto denadora do Programa reformulação, a medida se esforça junto a algumas da atualidade como do de Pós-graduação em resultou no aumento áreas do governo para um atraso passado, sendo muitas Entomologia da Uni- da burocracia para a que as coleções possuam vezes o único conheci- versidade Federal do coleta, armazenamento destaque nas instituições que nunca mento sobre espécies Paraná, Luciane Mari- e transporte de animais, que as abrigam e sejam poderá ser extintas e raras – re- noni, que irá presidir a principalmente em nível reconhecidas pelo valor de presentam importantes mesa-redonda, após a internacional. Segundo seu material. “Há uma ten-dimensionado bancos genéticos para instituição, em 2001, da a pesquisadora, na tativa de instituir políticas a realização de análises Medida Provisória 2186- época, a instauração da próprias de gerenciamento moleculares e para a 16, que legisla sobre medida foi um desastre e utilização da informaçãoLUCIANE MARINORI biotecnologia. acesso ao patrimônio para os estudos taxonô- depositada”, finaliza.
  • 2. editorial artigo Na continuidade do 29º CBZ, o EDUCAÇÃO E MUSEUS: DA terceiro dia do congresso traz uma diversa programação científica com o intuito de fornecer a todos COLEÇÃO PARA O PÚBLICO os congressistas muitas opções As exposições e as co- objetos, ao serem expostos, das exposições, apresen- de mesas redondas e simpósios. leções dos Museus de passam por transformações tar a dimensão processual As duas mesas redondas tratarão História Natural podem as quais implicam na sim- da ciência, fornecendo aos de “Pesquisa e Pós-Graduação” ser consideradas testemu- plificação, na reorganização visitantes informações so- e de “Propriedade do Material nhos do desenvolvimento e na produção de novos bre as controvérsias que das Ciências Naturais e conhecimentos, necessá- caracterizam a produção do Zoológico”, assuntos de grande através delas podem ser rios para levar o público conhecimento científico. importância a todos os estudantes compreendidas suas his- a compreender a ciência As parcerias entre os e profissionais da Biologia. Os tórias, seus conteúdos e apresentada nos museus. museus e as escolas, por participantes também poderão procedimentos científicos. Esse processo ocorre por exemplo, devem ser pau- assistir aos simpósios que Além disso, os Museus variadas razões, entre elas tadas na perspectiva de abordarão a diversidade zoológica de História Natural são a valorização cada vez maior conhecer essas especifici- instituições fundamentais do visitante e da necessida- dades pedagógicas, além de tratando desde esponjas até para o estudo das políticas de de promover ações que reconhecer a importância do mamíferos por meio de muitas científicas e podem auxiliar garantam qualidade na sua acervo que possuem, pois é linhas de estudo, incluindo temas no entendimento da ciência relação com o conhecimen- especialmente na perspecti- sobre animais peçonhentos, como parte da cultura das to científico divulgado nas va da ampliação da cultura bioinvasões, museus e coleções sociedades. exposições. que os museus podem au- zoológicas. A preocupação educati- Nesse sentido, os mu- xiliar na alfabetização cien- va esteve desde muito tem- seus devem não só fazer tífica dos cidadãos. Como vice-coordenador do po presente nos museus. suas exposições contarem simpósio “Peixes Costeiros do No caso dos Museus de as histórias por detrás foto: divulgação Brasil: Diversidade e Estado da Arte História Natural, a pers- dos objetos das coleções, do Estudo de Peixes Estuarinos pectiva didática das expo- como desenvolver ativida- no Brasil”, tenho a satisfação sições surge, inicialmente, des educativas e culturais de convidar-lhes a participar como foco no ensino de que revelem não somente suas coleções para espe- os conceitos envolvidos, desse evento que reunirá, aqui cialistas. É no século XIX, mas também o processo de em Salvador, pesquisadores com o rompimento entre produção de conhecimen- representantes de várias regiões as coleções científicas e tos com base nos objetos. do Brasil dedicados ao estudo de sua apresentação pública, Acreditamos que as ex- peixes estuarinos. que estes museus assu- posições são estratégias Para hoje, ainda vale lembrar mem com maior ênfase ricas para o desenvolvi- a preocupação com seus mento de atividades educa- que teremos o segundo dia de visitantes, por meio de ex- tivas nos museus. Por meio apresentações de paineis e que, em posições temáticas. delas, por exemplo, é pos- seguida, às 18h, será realizada a Atualmente, a dimensão sível realizar comparações Assembleia da Sociedade Brasileira educacional vem se am- entre seres e ambientes, de Zoologia. pliando nesses museus, compreendendo suas re- Que todos tenhamos um bom dia junto com a incorporação lações, estudar comporta- das novas tecnologias de mentos, entender como os Martha Marandino de congresso! comunicação. Esta ênfase espécimes são coletados, Faculdade de Educação da USP tem caminhado no sentido conservados, pesquisa- marmaran@usp.br de perceber que o conheci- dos e classificados, tendo mento científico não é apre- acesso assim as informa- Texto adaptado do artigo sentado em seu estado puro ções de caráter teórico e Museus de Ciências, Coleções e André Luis da Cruz nas exposições e nas ações procedimental relacionado Educação: relações necessárias. Membro da comissão educativas desenvolvidas. às Ciências Naturais. É Museologia e Patrimônio. , v.2, organizadora do 29º cbz Os conceitos, ideias e possível também, através p.1 - 12, 2009. Zn Zoo News Informativo oficial do XXIX Congresso Brasileiro de Zoologia Tiragem: 1000 exemplares Endereço: Rua Barão de Geremoabo, 147, Campus de Ondina, Instituto de Biologia. Cep.: 40.170-290 – Salvador/BA Tel.: (71) 3283-6549 E-mail: imprensacbz2012@gmail.com Site: www.cbz2012.com.br Blog: cbznabahia2012.wordpress.com Foto Capa: www.sxc.hu Presidente: Rejâne Maria Lira da Silva Presidente da Comissão Científica: Carla Menegola Presidente de Honra: Tania Kobler Brazil Primeira Secretária: Favízia Freitas de Oliveira Segunda Secretária: Rita Farani Assis Primeira Tesoureira: Marlene Campos Peso de Aguiar Segundo Tesoureiro: André Luís da Cruz Assessoria: Maria Dulcinéia Sales dos Santos Design ZOOnews gráfico: David Lira Marques Assessoria de Comunicação/Imprensa Jornalista responsável: Mariana Alcântara DRT-BA 2962 Estagiária de Jornalismo: Mariana Sebastião Monitores: Fernanda Barreto e Gabriel Rocha Webdesign: Daniel Amorim Projeto Gráfico / Paginação: Jonas Santos Colaboração: Raíza Tourinho EXPEDIENTE2
  • 3. educaçãoExposição Museus e Animais promoveeducação científica e ambiental fotos: fernanda barretoA exposição Museus e Ani- ações são importantes paramais: Memória do Brasil já evitar perdas irreparáveisdespertou a curiosidade de como as ocorridas com omuitos participantes do 29º incêndio do Instituto Bu-CBZ. É a primeira vez que tantã, ocorrida em maio deo congresso abre as portas 2010, com a destruição dede parte de sua programa- cerca de 80 mil espécimesção para o público geral. de serpentes e cerca de 450No segundo piso do Centro mil aranhas e escorpiõesde Convenções, local onde reunidos por pesquisado-estão montados os acervos res e colaboradores nosde dezessete museus de ci- últimos 120 anos.ência e história natural das A presidente do 29º CBZcinco regiões do país, cir- informa que, na Bahia, osculam centenas de crianças museus universitários po-e adolescentes ávidos por deriam ser melhor explora-conhecimento. É um ver- dos, mas o entendimento dodadeiro show de educação conceito desses “museuscientífica e ambiental! científicos” parece ser mal O evento tem como ob- interpretado pelos órgãosjetivo despertar na socieda- responsáveis pela gestãode o entendimento sobre a da cultura, da educação e daimportância destas institui- ciência e tecnologia do esta-ções para a preservação do do. “Será que existe algumapatrimônio e da memória parceria entre as secretariasda biodiversidade nacio- de Educação, Ciência e Tec-nal, indispensáveis pra o nologia e Cultura para quedesenvolvimento científico possam pensar em umae tecnológico. política pública em comum Durante a visita à ex- para estas três pastas doposição, o público pode governo?”, questiona.conferir o universo macro Integrante da Comissãoe micro da fauna brasileira, Organizadora do 29º CBZ eanimais vivos e taxidermi- Precisamos uma das coordenadoras dazados como cobras, abe- exposição, a professora dolhas, borboletas, aranhas, preservar Ibio/Ufba, Favízia Oliveira,tartarugas, baleias, escor- também dá o seu recado:piões, macacos, aves, pei- nossos museus, “Já temos algumas iniciati-xes, crustáceos, esponjas e melhorando vas pontuais como os pro-corais. Jogos, brincadeiras jetos de popularização dae teatro de fantoches tam- seus acervos e ciência e semana de ciênciabém são atividades da ex- e tecnologia. Entretanto,posição e prometem fazer a instalações e precisamos de ações maisalegria de crianças e apren- as condições concretas. A verba dos es-dizes de todas as gerações. tados para educação e ciên- A professora do Ibio/ de trabalhos Foto destque: as curadoras da exposição, Favízia Oliveira e Rejâne Lira. cia, incluindo a manutençãoUfba e presidente do 29º Detalhe da coleção de borboletas do Museu de Zoologia do Ibio/Ufba dos museus, deveria serCBZ, Rejâne Lira, expli- dos cientistas maior”, diz. “Todos os es-ca que a exposição tem que trabalham divulgação das pesquisas acervos e instalações e as tados brasileiros deveriamo compromisso de valo- produzidas no âmbito condições de trabalhos dos ter seu Museu de Históriarizar os museus univer- neles” das universidades. “Pre- cientistas que trabalham Natural, a exemplo do quesitários como institui- cisamos preservar nossos neles”, afirma. acontece nos Estados Uni-ções prioritárias para a museus, melhorando seus Segundo ela, essas dos e na Europa”, finaliza. 3
  • 4. zoo dicas homenagem póstuma foto: jota freitas JESUS SANTIAGO MOURE Descendente de espanhóis, Jesus San- tiago Moure, o Padre Moure, nasceu em Ribeirão Preto, em 1912. É graduado em Filosofia e Teologia Pelo Seminário Maior Claretiano de Rio Claro, São Paulo. Teve contato, ainda nesta cidade, com textos entomológicos após conhecer pesquisa- dores do Museu Paulista. Seus principais estudos foram relacionados à taxono- mia de abelhas, resultando em mais de duzentas publicações no Brasil e exterior. Doutor honoris causa pela UFPR. Foi um dos pesquisadores mais antigos do CNPq, além de ter participado da funda- ção SBPC, Capes, Sociedades Brasileira de Entomologia e Zoologia. Faleceu aos 97 anos no dia 10 de julho de 2010, em Batatais/SP. Museu Náutico da Bahia revela histórias RENATO CONTIN MARINONI Nasceu dia 26 de março de 1939 em de naufrágios na Baía de Todos-os-Santos Curitiba. Graduou-se em 1962 no Curso de História Natural, oferecido, na época, Todo mundo que Santo Antônio da com a secular histó- pela Faculdade de Filosofia, Ciências e vem a Salvador quer Barra foi construí- ria do país e vivencie Letras da UFPR. A trajetória do professor conhecer o Forte de do antes mesmo da aspectos importantes Renato nesta universidade e na Zoologia Santo Antônio da própria cidade de da vida cotidiana dos teve início quando o Padre Moure o indi- Barra, popularmen- Salvador. Justamente primeiros brasileiros. cou como auxiliador do professor Hans te conhecido como pela sua localização, O local pode ser Jakobi, no Laboratório de Fisiologia Ani- Farol da Barra. Este de onde se tem uma visitado das terças- mal. Fez trabalhos, também, na área de é um dos principais linda vista do oceano feiras aos domingos, sistemática e taxonomia de Cerambyci- pontos turísticos da e principalmente das 8h30 às 19 horas. dae (Coleóptera). Foi presidente da SBZ capital baiana. Tam- pela beleza da sua O ingresso custa R$ e responsável pela informatização de bém é lá que está o arquitetura militar, 10,00. Estudantes, dados desta sociedade em sua vigência. Museu Náutico da o Farol chama a professores e idosos Faleceu dia 29 de junho de 2011. Bahia, que reúne atenção de todos que pagam meia entrada. um valioso acervo passam por perto. Se visitar este cartão SOLANGE PEIXINHO E SILVA de achados arque- Os objetos em postal da cidade já Solange Peixinho graduou-se no curso de ológicos submari- exposição no Mu- fazia parte de seu História Natural da Universidade Federal nos, uma coleção seu Náutico são roteiro turístico em da Bahia (UFBA) em 1970. Realizou mes- de instrumentos de resultado de uma Salvador, agora, não trado em Zoologia pela Universidade de navegação e sinaliza- pesquisa submarina faltam motivos! São Paulo, em 1973, e Doutorado em His- ção náutica, além de em embarcações tologia e Citologia da Université de Paris maquetes e miniatu- naufragadas. Grande VI, em 1980. Durante sua vida, enfatizou ras de embarcações. parte do acervo ficou o estudo dos Porífera com a finalidade O Museu Náutico é submerso por cerca ZOO DICA DO DIA de ampliar o conhecimento da biodi- o único do gênero na de trezentos anos: versidade de esponjas marinhas. Além Bahia. O seu acer- moedas, selos, boti- MUSEU NÁUTICO do legado científico, Solange também é vo apresenta uma jas, materiais bélicos, DA BAHIA reconhecida pela ocupação de cargos mostra da geografia, louças, dentre outros. Largo do Farol da Barra, administrativos de destaque no Instituto história e cultura da Estes objetos permi- S/N, Forte de Santo Antô- de Biologia da UFBA, onde atuou de Baía de Todos-os- tem que o visitante nio da Barra março de 1974 a março de 2007. Faleceu Santos. O Forte de tenha contato direto R$ 10 e R$ 5 (meia) dia 11 de novembro de 2010. REALIZAÇÃO: APOIO: ORGANIZADORA E OPERADORA DE TURISMO OFICIAIS:4