Your SlideShare is downloading. ×
Arquitecturas de Comunicação
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Arquitecturas de Comunicação

5,556

Published on

Published in: Technology
2 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
5,556
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
2
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Arquitecturas de Comunicação Curso: PTIC Marco Rodrigues [email_address] 2007/2008
  • 2. Agenda
    • Introdução
      • Normas, Modelos e Protocolos
      • Arquitecturas de Comunicação – Definição
      • Arquitecturas Abertas e Proprietárias
    • Arquitectura OSI
  • 3. Introdução
    • Normas, Modelos e Protocolos
      • O que são?
        • Regras ( não obrigatórias ) que devem ser adoptadas no fabrico de equipamento informático
      • Para que servem?
        • Definem padrões a nível internacional, de forma a tornar possível que os mais diversos equipamentos se liguem entre si e comuniquem, independentemente das suas diferenças (a nível de hw / sw).
  • 4. Arquitecturas de comunicação Uma arquitectura de comunicação (ou arquitectura protocolar) define e descreve um conjunto de conceitos, tais como, por exemplo, camadas, serviços, protocolos, modos de comunicação, identificadores, nomes e endereços) aplicáveis à comunicação entre sistemas reais constituídos por hardware, processos físicos, software de comunicação, processos de aplicação e utilizadores humanos. De uma forma lata, uma arquitectura de comunicação define a estrutura e comportamento da parte de um sistema real que é visível para outros sistemas ligados em rede, enquanto envolvidos na transferência e processamento de conjuntos de informação.
  • 5. Arquitecturas Abertas e Proprietárias
    • • Arquitecturas Abertas:
      • OSI (Open Systems Interconnection) da ISO
      • TCP/IP (Transmission Control Protocol/Internet Protocol) da IETF
    • • Arquitecturas Proprietárias:
      • SNA (Systems Network Architecture) da IBM
      • DNA (Digital Network Architecture) da Digital
      • XNS (Xerox Network Systems) da Xerox
      • Netware da Novell
      • Appletalk da Apple
      • NetBiOS (Network Basic Input/Output) / NetBEUI (NetBios Extended User Interface)
      • Outras arquitecturas (LAN Manager, Vines - Virtual Network System, Ungermann-Bass)
  • 6. Arquitectura OSI
    • Modelo de Referência OSI
      • Projecto de grande envergadura conduzido pelo ISO durante os anos 70 e 80
      • Objectivo : desenvolver o enquadramento que permitisse a elaboração de normas para a interligação de sistemas abertos, isto é, sistemas modulares totalmente independentes dos fabricantes
      • Razões :
        • Necessidade de interligação e inter-operação de diferentes sistemas de computadores, independentemente dos fabricantes, tipo e do local (sistemas abertos)
        • A interligação de sistemas abertos requer normas que cubram uma vasta gama de funções mais ou menos complexas e inter-relacionadas
  • 7. Arquitectura OSI
    • O Modelo de Referência OSI:
      • ... é um modelo de referência importante em toda a área de comunicações de dados
      • ... decompõe a complexidade do processo de comunicação de dados em camadas ou níveis (layers);
      • ... pretende ser uma plataforma de partida para uma política de abertura nas comunicações entre sistemas. (Open Systems Interconnection).
  • 8. Arquitectura OSI
    • O Modelo de Referência OSI:
      • Divide a comunicação de rede em 7 camadas
      • Cada camada trata diferentes actividades de rede, equipamentos ou protocolos
      • As camadas estão separadas entre si por limites chamados interfaces. Todos os pedidos são passados de uma camada, através do interface, para a próxima camada.
      • Cada camada desenvolve-se sobre os standards e actividades da camada por baixo dela
  • 9. Arquitectura OSI
  • 10. Arquitectura OSI
    • Aplicação
      • A camada de aplicação é o nível mais alto deste modelo e “ estabelece um interface entre o software de aplicação do utilizador e as camadas inferiores”
  • 11. Arquitectura OSI
    • Apresentação
      • A camada de apresentação efectua a conversão de formatos entre sistemas diferentes
      • Pense nele como se fosse um “tradutor de rede”
  • 12. Arquitectura OSI
    • Sessão
      • Permite que duas aplicações em computadores diferentes abram, usem e fechem uma ligação, chamada sessão .
      • Uma sessão é um diálogo altamente estruturado entre duas estações de trabalho
      • A camada de sessão é responsável pela gestão deste diálogo
  • 13. Arquitectura OSI
    • Transporte
      • A camada de transporte é responsável pelo controlo do fluxo de informação transmitido e recebido
      • Assegura-se que os pacotes são entregues sem erros, na sequência devida e sem perdas ou duplicações
  • 14. Arquitectura OSI
    • Rede
      • É responsável pelo endereçamento das mensagens e a tradução de endereços lógicos e nomes em endereços físicos
      • Define “o caminho, através dos nós da rede, para o percurso das mensagens até ao seu destino”, de acordo com a condições de rede, prioridade do serviço entre outros factores
  • 15. Arquitectura OSI
    • Lógica
      • A camada lógica controla o acesso aos meios físicos de transmissão e o fluxo de pacotes entre os nós da rede, fazendo também o controlo de erros
      • Controla os impulsos eléctricos que entram e deixam o cabo de rede
  • 16. Arquitectura OSI
    • Física
      • A camada física é responsável pela definição das características do meio físico de transmissão, como por exemplo, conectores, modulação dos sinais e outros
      • Disponibiliza a codificação de dados e sincronização dos bits que transmite, de um nó para outro, assegurando-se que se envia um bit 1, o outro nó recebe um bit 1 e não um 0.

×