Desafios da avaliação do desempenho docente

2,110 views
1,977 views

Published on

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
2,110
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
63
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Desafios da avaliação do desempenho docente

  1. 1. Novembro de 2011 – Torre da Aguilha
  2. 2. • A todos os professores que participaram neste estudo exploratório.• Aos professores que procederam à revisão de texto.
  3. 3. 1.A Pesquisa Realizada2.Desafios: a Supervisão e o Desenvolvimento da Profissionalidade Docente3.Notas Finais 3
  4. 4. • Reconhecer alguns constrangimentos gerados pela avaliação de desempenho.• Conhecer as mais-valias e os constrangimentos da avaliação de desempenho docente do ponto de vista da Direção da Escola segundo a perceção dos professores.• Conhecer os desafios da avaliação de desempenho docente.
  5. 5. • Elaboração de um questionário de resposta em escala de Likert e resposta aberta.• Aplicação a professores no exercício de funções que tivessem correio eletrónico ou que pertencessem a grupo numa rede social.• Obtivemos uma amostra aleatória e de conveniência constituída por 302 respondentes, maioritariamente do sexo feminino.
  6. 6. Assumimos as seguintes categorias:• Vertente profissional, social e ética;• Desenvolvimento do ensino e da aprendizagem;• Participação na escola e relação com a comunidade educativa;• Desenvolvimento e formação profissional ao longo da vida;• Processo avaliativo do ponto de vista da Direção da Escola segundo a perceção dos professores respondentes.
  7. 7. 1. Discordo Totalmente2. Discordo3. Moderadamente de acordo4. Concordo5. Concordo Totalmente
  8. 8. 1 2 Fi 3 4 5 Fi 1.Melhora a vida das pessoas 165 85 250 36 11 5 52 intervenientes. 2.Promove a dignidade profissional. 127 89 216 49 23 14 86 3.Melhora a compreensão das 83 96 179 81 34 8 123 experiências vividas. 4.Melhora o desempenho dos 80 91 171 72 44 15 131 professores. 5.Melhora a responsabilização. 75 72 147 89 45 21 155 6.Melhora a prestação de contas. 63 61 124 92 53 33 178 7.Favorece o mal-estar docente nas 9 27 36 41 61 164 266 escolas.• Todos os indicadores apontam para perceções de discordância à exceção dos indicadores que afirmam que a avaliação de desempenho melhora a responsabilização e a prestação de contas.
  9. 9. 1 2 Fi 3 4 5 Fi1.Melhora os resultados dos alunos. 127 82 209 58 28 7 932.Fomenta o desenvolvimento das 109 86 195 59 37 11 107aprendizagens dos alunos.3.Melhora a compreensão dos problemas do 90 103 193 71 27 11 109ensino e da aprendizagem.4.Fomenta a responsabilidade pela 81 89 170 72 48 12 132construção e reconstrução do currículo.5.Fomenta o aumento de criatividade porparte do professor avaliado e a criação de 56 65 121 81 76 24 181mais e melhores materiais pedagógico-didáticos.
  10. 10. 1 2 Fi 3 4 5 Fi1. Fomenta o término da inércia por parte dos 63 61 124 92 53 33 178professores.2.Fomenta a colaboração e a cooperação 80 91 171 72 44 15 131entre pares (docentes).• O indicador moda afirma que a avaliação de desempenho fomenta o trabalho docente mas não fomenta a colaboração e cooperação entre pares necessária à construção de novas aprendizagens.
  11. 11. 1 2 Fi 3 4 5 Fi1.Fomenta a formação contínua. 36 44 80 93 84 45 2222.Promove a autonomia profissional e a 83 87 170 76 38 18 132identificação das necessidades individuais.3.O professor participa efetivamente no seudesenvolvimento profissional através da 81 88 169 75 41 17 133avaliação de desempenho.
  12. 12. 1 2 Fi 3 4 5 Fi1.Promove a dignidade profissional. 127 89 216 49 23 14 862.É uma mais-valia para a organização 75 107 182 62 43 15 1203.Melhora a sustentabilidade da 72 99 171 86 32 13 131organização4.Dá feedback e aconselhamento aos 74 97 171 84 31 16 131docentes sobre o seu desempenho.5. Proporciona um olhar panorâmico, 74 96 170 73 49 10 132mas simultaneamente focalizado dascompetências dos diferentesprofessores.6.Promove a autonomia profissional e a 83 87 170 76 38 18 132identificação das necessidadesindividuais.7.Melhora a articulação das atividades 63 101 164 70 51 17 138com os objetivos estratégicos da escola.8.Promove os objetivos organizacionais. 68 83 151 93 43 15 1519.Identifica as necessidades de 42 71 113 86 80 23 189formação.
  13. 13. 1 2 Fi 3 4 5 Fi1.Sente que os instrumentosutilizados para recolha de dados 10 12 22 50 20 3 73são promotores de 8 1 9desenvolvimento profissional.2.Os instrumentos utilizados naavaliação de desempenho 10 19 10 90 75 28 4promovem a reflexividade de 5 5 7todos os intervenientes.
  14. 14. • Foi realizada análise de conteúdo às questões de resposta aberta.• Verificámos que os constrangimentos e os desafios propostos são de forma global o reafirmar das opiniões emitidas nas questões de resposta em escala de Likert.• Entendemos que os constrangimentos sentidos são desafios à implementação de um modelo de avaliação.
  15. 15. Avaliação do Desempenho DocenteConstrangimentos e Desafios:• Supervisão;• Desenvolvimento Profissional. • Observação de aulas e de processos. • Reflexividade.
  16. 16. “Teoria e prática de regulação de processos de ensino e deaprendizagem em contexto educativo formal”, sendo a suafocalização a sala de aula (cf. Vieira e Moreira, 2011: 11).Existência do Ciclo Supervisivo:  pré-observação;  observação e  pós-observação. Realiza-se num processo continuo, interativo, inacabado, numa espiral de conquistas e de maturação do Saber.
  17. 17. Necessidades:• Recolher dados; Relações• Sistemática observação crítica; interpessoais;• Possuir skills comunicacionais capazes de proporcionar Formação reflexividade e metaconhecimento; conjunta.• Experiência pessoal contextualizada;• Assunção de papeis diversificados; Entrar na acompanhados de reflexividade ; black box (Black e Wiliam,• Partilha e trabalho colaborativo e 2001) cooperativo.
  18. 18. Tarefas do supervisor• Observar ;• Diagnosticar;• Inventariar necessidades formativas;• Harmonizar metodologias; Benefícios• Apoiar e orientar;• Tranquilizar;• Reforçar ;• Corrigir. a) Melhorar as performances e a gerar processos de autodesenvolvimento; b) Melhorar as aprendizagens dos alunos, a promoção do seu sucesso escolar e a sua formação cívica; c)Promover a qualidade da organização- escola e da comunidade.
  19. 19. Objetivo geral:Gerar competências reflexivas na compreensão dos processos de ensino e de aprendizagem.Processo: • Encontro Pré-observação. • Observação de aulas. • Encontro Pós-observação.
  20. 20. Encontro Pré-observação Objetivos específicos Questões a formularIdentificar as características da Quais as necessidades que considera mais relevantes?turma observada. Quais s estratégias que considera adequadas à forma de aprendizagem dos alunos? …Perceber oportunidades de Acha que é possível estabelecer a interdisciplinaridade?interdisciplinaridade. Com que disciplinas curriculares? …Conhecer a forma como realiza Descreva a forma como planificou a diferenciaçãodiferenciação pedagógica. pedagógica. …Conhecer a forma de Entende que a estratégia de motivação utilizada émotivação dos alunos para a impulsionadora de melhores aprendizagens dos alunos?aprendizagem dos conteúdos …lecionados.Conhecer o modo e os Como verifica que os alunos aprendem os conteúdos quemomentos de avaliação das ensina na aula? …aprendizagens dos alunos.Descrever as expectativas e Quais as expectativas que possui face às aprendizagens aconstrangimentos perante as realizar? …aprendizagens dos alunos.
  21. 21. Objetivos específicos Indicadores de observaçãoVerificar se o professor promove Rigor científico.aprendizagens significativas. Clareza dos conteúdos e das instruções dadas. … Seleção e implementação de diferenciaçãoVerificar como o professor articula pedagógica.as estratégias planificadas e/ou Articulação das estratégias de aprendizagem e dareorganizadas. sequência das diferentes atividades. … Grau de aceitação por parte dos alunos dos diferentesObservar como o professor utiliza recursos utilizados.os diferentes recursos materiais Capacidade de utilização dos recursos disponíveis edisponíveis. seu grau de eficácia e eficiência no desenvolvimento das aprendizagens. … Relação pedagógica estabelecida entre professor eObservar a relação pedagógica aluno.estalecida. Relação entre pares. … Capacidade de monitorização, autorregulação doObservar o modo como monitoriza, processo de ensino do professor e de aprendizagemautorregula e avalia o processo de dos alunos.ensino e de aprendizagem. Uso de instrumentos de avaliação e feedback aos alunos dos dados recolhidos. …
  22. 22. Encontro Pós-observação Objetivos específicos Questões a formular Conseguiu que os seus alunos aprendessem osAnalisar o processo de conhecimentos planificados?ensino e de aprendizagem Como sabe que os alunos aprenderam?desenvolvidos. Quais as estratégias que alteraria, como e porquê?Saber se a comunicaçãoefetuada foi realizada com Como vê a relação pedagógica estabelecida entre professoresrigor e sentido de e alunos?interlocutor. Os indicadores de avaliação planificados foram úteis eAnalisar o processo de ajudaram a monitorizar o processo de aprendizagem dosavaliação desenvolvido. alunos? Sugestões de melhoria de pequenos passos concretos.Sugerir, incentivar e Elogio do desempenho nos aspetos considerados efetivamentemotivar o professor a bons.melhorar a sua Incentivo a prosseguir o processo de desenvolvimentoprofissionalidade. profissional.
  23. 23. Poderá ser elaborado ConstrangimentosPlano de Aperfeiçoamento Mais-valias Necessidades Formativas Objetivos Modalidades e instrumentos de Estratégias avaliação
  24. 24. Não foi nossa intenção: • Generalizar para a “grounded theory”; • Realizar uma amostra representativa das perceções dos professores portugueses.Trata-se de um estudo exploratório.
  25. 25. Ao analisarmos os dados recolhidos, parece-nos que :• ao nível do exercício da avaliação do desempenho docente há muito por fazer;• alguns professores não sentiram benefícios pelo facto de se encontrarem em processo avaliativo;• os objetivos definidos não conseguiram ser alcançados;• são os objetivos definidos que são apresentados como desafios do processo avaliativo.
  26. 26. Colocamos algumas questões que poderão servir depista a futuros estudos:• Quais as causas que conduziram a estas respostas?• Como foi realizado o processo de avaliação?• Porque é que os professores identificam como desafios a trilhar os indicadores que identificaram como constrangimentos?• Porque é que os professores não identificam a planificação rigorosa, integrando de forma coerente e inovadora propostas de estratégias como: – fatores de desenvolvimento profissional? – melhoria do seu desempenho profissional? – melhoria das aprendizagens dos alunos e dos seus resultados?
  27. 27. A avaliação de desempenho deverá ser capaz de proporcionar a tomada de consciência por parte do docente quanto ao seu desempenho profissional abrindo horizonte para a promoção da sua aprendizagem, da dos seus pares e da dos alunos.
  28. 28. Bibliografia que Fundamentou esta ComunicaçãoAlarcão, Isabel e Roldão, Maria do Céu (2009), Supervisão. Um Contexto de Desenvolvimento Profissional de Professores, Mangualde, Edições Pedago.Alarcão, Isabel e Sá-Chaves, Idália (2007). “Supervisão de Professores e Desenvolvimento Humano: uma Perspetiva Ecológica”, In Idália Sá-Chaves, Formação, Conhecimento e Supervisão, Aveiro, Universidade de Aveiro.Black Paul e Wiliam, Dylan (2001), Inside the Black Box. Raising Standards Through Classroom Assessment, In http://weaeducation.typepad.co.uk/files/blackbox-1.pdf (acedido em Junho de 2011).Casanova, Maria Prazeres (1998), A Supervisão Pedagógica: Função do Orientador de Estágio, Tese de Mestrado Policopiada apresentada à Universidade Católica Portuguesa, Lisboa, Universidade Católica Portuguesa.Casanova, Maria Prazeres (2005), A Escola como Observatório de Diagnóstico de Necessidades de Formação Continua: Um estudo de Caso (Texto Policopiado). Évora, Universidade de Évora.Casanova, Maria Prazeres (2009), “Perfil do Avaliador no Contexto da Avaliação do Desempenho Docente”, In Jorge Bonito (org), Ensino, Qualidade e Formação de Professores, Évora, Departamento de Pedagogia e Educação da Universidade de Évora, (pp. 319-326).Danielson, Charlotte (2010), Melhorar a Prática Profissional, Um Quadro de Referência para a Docência, Lisboa, Ministério da Educação.Figari, Gérard (2008), “A Avaliação dos Professores. Entre o Controlo e o Desenvolvimento”, In Conceição Ramos (Dir.), Avaliações e Professores. Visões e Realidades, Lisboa, Ministério da Educação – Conselho Cientifico para a Avaliação de Professores, (pp. 17-26), In http://www.ccap.min- edu.pt/docs/Actas_Conf_Aval_Prof-2007.pdf (acedido em Agosto de 2011).
  29. 29. Hadji, Charles (1994), Avaliação, Regras do Jogo. Porto, Porto Editora.Nóvoa, António (1997), “Formação de Professores e Profissão Docente”, In António Nóvoa (Coord.), Os Professores e a sua Formação, Lisboa, Publicações D. Quixote e IIE, (pp. 15-33).Perrenoud, Philippe (2002), A Prática Reflexiva no Ofício de Professores: Profissionalização e Razão Pedagógica, Porto Alegre, Artmed.Reis, Pedro (2011), Observação de Aulas e Avaliação do Desempenho Docente, Lisboa, Ministério da Educação – Conselho Cientifico para a Avaliação de Professores, In http://www.ccap.min-edu.pt/docs/Caderno_CCAP_2-Observacao.pdf (acedido em Junho de 2011).Rodrigues, Ângela e Peralta, Helena (2008), Algumas Considerações a Propósito da Avaliação do Desempenho dos Professores. In http://www.dgrhe.min- edu.pt/DOCENTES/PDF/Docente/AvaliacaoDesempenho/TextosApoio_AvDesempe nho.pdf (acedido em Março de 2008).Sá-Chaves, Idália (2007), Formação, Conhecimento e Supervisão, Aveiro, Universidade de Aveiro.Schön, Donald (1997), “Formar Professores como Profissionais Reflexivos”. In António Nóvoa (Coord.), Os Professores e a sua Formação, Lisboa, Dom Quixote e IIE, (pp. 77-91).Trindade, Vítor (2003), “Uma Perspectiva Didáctica para o Ensino das Ciências”. In Org. António Neto et al, Didácticas e Metodologias de Educação, Percursos e Desafios, Évora, Universidade de Évora. Departamento de Pedagogia e Educação.Trindade, Vítor (2007), Práticas de Formação. Métodos e Técnicas de Observação, Orientação e Avaliação (em Supervisão), Lisboa, Universidade Aberta.Valdés Veloz, Héctor (2000), “Evaluación del Desempeño Docente”, In http://www.oei.es/de/rifad01.htm; http://www.oei.es/de/rifad02.htm; http://www.oei.es/de/rifad03.htm (acedido em Março de 2008).Vieira, Flávia e Moreira, Maria (2011), Supervisão e Avaliação do Desempenho Docente. Para uma Abordagem de Orientação Transformadora, Lisboa, Ministério da Educação – Conselho Cientifico para a Avaliação de Professores, In http://www.ccap.min-edu.pt/docs/Caderno_CCAP_1-Supervisao.pdf (acedido em
  30. 30. Normativos Aplicáveis Despacho n.º 14420/2010, de 7 de Setembro. Despacho n.º 16034/2010, de 22 de Outubro. Decreto-Regulamentar 2/2010, de 23 de Junho. Muito Obrigada!

×