Programa de governo mpla 2012-2017

14,986 views
14,842 views

Published on

1 Comment
3 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total views
14,986
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
5,834
Actions
Shares
0
Downloads
126
Comments
1
Likes
3
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Programa de governo mpla 2012-2017

  1. 1. PARA ANGOLA CRESCER MAIS E DISTRIBUIR MELHOR Friday, April 20, 12 PARA ANGOLA CRESCER MAISA distribuir melhor Angola A crescer mais e E DISTRIBUIR MELHOR PROGRAMA DE GOVERNO DO MPLA PARA 2012 - 2017Friday, April 20, 12 ENERGIA / Água AGRICULTURA HABITAÇÃO ENSINO www.mpla.ao SAÚDE Programa de Governo 2012-2017 1
  2. 2. 2 Programa de Governo 2012-2017 www.mpla.ao
  3. 3. PARA ANGOLA CRESCER MAIS E DISTRIBUIR MELHOR Friday, April 20, 12 PARA ANGOLA CRESCER MAISA distribuir melhor Angola A crescer mais e E DISTRIBUIR MELHOR Friday, April 20, 12 “Vamos trabalhar juntos para o desenvolvimento. Todos somos necessários para erguer a nova Angola, moderna, próspera e democrática”. Presidente José Eduardo dos Santos em 04/04/2012, durante as comemorações dos 10 Anos de Paz.www.mpla.ao Programa de Governo 2012-2017 3
  4. 4. PARA ANGOLA CRESCER MAISA distribuir melhor Angola A crescer mais e E DISTRIBUIR MELHOR PROGRAMA DE GOVERNO DO MPLA PARA 2012 - 2017 Friday, April 20, 12 Índice O GRANDE COMPROMISSO DO MPLA PARA COM AS ASPIRAÇÕES DO POVO ANGOLANO . . . 9 BREVE BALANÇO DA ACTIVIDADE GOVERNATIVA NO PERÍODO 2009-2012 . . . . . . . . . . . . . . . . 13 OBJECTIVOS GERAIS DA GOVERNAÇÃO PARA O PERÍODO 2012-2017 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18 1. CONSOLIDAR A PAZ, REFORÇAR A DEMOCRACIA E PRESERVAR A UNIDADE . . . . . . . . . . . . . . . . . E A COESÃO NACIONAL . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21 1.1. AUMENTAR A CREDIBILIDADE DO ESTADO E DO SISTEMA POLÍTICO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21 1.1.1. NO DOMÍNIO DA JUSTIÇA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22 1.1.2. NO DOMÍNIO DA REFORMA TRIBUTÁRIA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30 1.1.3. NO DOMÍNIO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32 1.1.4. CONSOLIDAR A DESCONCENTRAÇÃO ADMINISTRATIVA E A DESCENTRALIZAÇÃO . . . . . . . . . . POLÍTICO ADMINISTRATIVA (AUTARQUIAS) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33 1.2. FOMENTAR A EDUCAÇÃO PATRIÓTICA DOS CIDADÃOS, VALORIZAR A FAMÍLIA, PROMOVER . . . A IGUALDADE DE GÉNERO E O RESPEITO PELOS VALORES MORAIS DA CIDADANIA . . . . . . . . . 35 1.2.1. NO DOMÍNIO DA EDUCAÇÃO PATRIÓTICA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35 1.2.2. NO DOMÍNIO DA FAMÍLIA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35 1.2.3. NO DOMÍNIO DA PROMOÇÃO DA IGUALDADE DE GÉNERO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36 1.2.4. NO DOMÍNIO DA EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36 1.2.5. NO DOMÍNIO DOS VALORES MORAIS E CULTURAIS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37 1.3. GARANTIR O ACESSO DOS CIDADÃOS A UMA INFORMAÇÃO CADA VEZ MAIS OBJECTIVA, RIGOROSA E ISENTA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37 1.3.1. NO DOMÍNIO DA COMUNICAÇÃO SOCIAL . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37 1.3.1.1. A NÍVEL INSTITUCIONAL . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37 1.3.1.2. A NÍVEL DOS ÓRGÃOS PÚBLICOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38 1.3.1.3. A NÍVEL DOS ÓRGÃOS PRIVADOS E PARCEIROS SOCIAIS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39 1.3.1.4. A NÍVEL DA FORMAÇÃO DE QUADROS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39 1.3.1.5. A NÍVEL DA IMPRENSA COMUNITÁRIA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40 1.3.1.6. A NÍVEL DA PROMOÇÃO NO PAÍS E EXTERIOR . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40 1.4. MELHORAR E MODERNIZAR O SISTEMA DE DEFESA E SEGURANÇA NACIONAL . . . . . . . . . . . . 404 Programa de Governo 2012-2017 www.mpla.ao
  5. 5. PARA ANGOLA CRESCER MAIS E DISTRIBUIR MELHOR Friday, April 20, 12 1.4.1. DEFESA NACIONAL . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40 1.4.1.1. DEFESA E FORÇAS ARMADAS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40 1.4.1.2. INTERIOR . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41 2. GARANTIR OS PRESSUPOSTOS BÁSICOS NECESSÁRIOS AO DESENVOLVIMENTO . . . . . . . . . . . . 45 2.1. PRESERVAR A ESTABILIDADE MACROECONÓMICA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45 2.2. PROMOVER UMA POLÍTICA NACIONAL DE POPULAÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49 2.3. PROMOVER UMA POLÍTICA ACTIVA DE EMPREGO E VALORIZAÇÃO DOS RECURSOS . . . . . . . . . . HUMANOS NACIONAIS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50 2.4. TRANSFORMAR, DIVERSIFICAR E MODERNIZAR A ESTRUTURA ECONÓMICA DO PAÍS . . . . . . . 52 2.4.1. AGRICULTURA, PECUÁRIA E SILVICULTURA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53 2.4.2. PESCA E AQUICULTURA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55 2.4.3. INDÚSTRIA TRANSFORMADORA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57 2.4.4. INDÚSTRIA EXTRACTIVA NÃO PETROLÍFERA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58 2.4.5. INDÚSTRIA PETROLÍFERA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59 2.4.6. ENERGIA E ÁGUAS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61 2.4.6.1. ENERGIA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61 2.4.6.2. ÁGUAS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63 2.4.7. CONSTRUÇÃO E HABITAÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 64 2.4.8. COMÉRCIO E OUTROS SERVIÇOS MERCANTIS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 66 2.4.8.1. COMÉRCIO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 66 2.4.8.2. TURISMO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68 2.4.9. TRANSPORTES . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69 2.4.10. TELECOMUNICAÇÕES . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70 2.4.11. O DESENVOLVIMENTO DOS CLUSTERS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71 2.4.12. PROMOVER O AVANÇO CIÊNTIFICO E TECNOLÓGICO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 72 2.4.13. PROMOVER O DESENVOLVIMENTO EQUILIBRADO DO TERRITÓRIO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73 www.mpla.ao Programa de Governo 2012-2017 5
  6. 6. 3. MELHORAR A QUALIDADE DE VIDA DOS ANGOLANOS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 77 3.1. CONTINUAR A DESENVOLVER E CONSOLIDAR AS ACÇÕES QUE VISAM UMA MELHOR . . . . . . . . REPARTIÇÃO DO RENDIMENTO NACIONAL . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 77 3.1.1. APOIAR OS PROGRAMAS MUNICIPAIS DE DESENVOLVIMENTO INTEGRADO E COMBATE À POBREZA 77 3.1.2. MELHORAR A IMPLEMENTAÇÃO DE FORMA INTEGRADA DOS PROGRAMAS DE RENDIMENTO . MÍNIMO E OUTRAS FORMAS DE PROTECÇÃO SOCIAL . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 79 3.1.3. AMPLIAR E MELHORAR SIGNIFICATIVAMENTE A QUALIDADE DOS SERVIÇOS DE SAÚDE . . . . . 80 3.1.4. PROMOVER ACÇÕES QUE VISEM À GESTÃO SUSTENTADA DOS RECURSOS NATURAIS . . . . . . . . E DO AMBIENTE . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 85 3.1.5. CONTINUAR A EXPANDIR E MELHORAR SIGNIFICATIVAMENTE A QUALIDADE . . . . . . . . . . . . . . . DO SISTEMA DE EDUCAÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 87 3.1.6. AMPLIAR E MELHORAR OS SERVIÇOS DE CULTURA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 90 3.1.7. CONTINUAR A PRESTAR UMA ATENÇÃO ESPECIAL AOS ANTIGOS COMBATENTES E VETERANOS DA PÁTRIA, BEM COMO A REINSERÇÃO SOCIAL DOS EX- MILITARES. . . . . . . . . . 95 4. ELEVAR A INSERÇÃO DA JUVENTUDE NA VIDA ACTIVA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 97 4.1. NO DOMÍNIO DA JUVENTUDE . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 97 4.1.1. PROMOÇÃO DE SOLUÇÕES PARA OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA JUVENTUDE E EFECTIVAÇÃO DOS GRANDES OBJECTIVOS DE DEMOCRACIA PARTICIPATIVA E DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL . 97 4.1.2. FORMAÇÃO DAS NOVAS GERAÇÕES, TRANSFORMANDO-AS EM ENTIDADES AUTÓNOMAS, . . . PROFISSIONALMENTE COMPETENTES, EMPREENDEDORAS E CAPAZES DE CONSTRIBUIR . . . . . . PARA O PROGRESSO SOCIAL . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 99 4.1.3. IMPLEMENTAÇÃO DE POLÍTICAS DE ESTADO PARA A JUVENTUDE INTEGRADAS NOS PLANOS DE DESENVOLVIMENTO GLOBAL A FIM DE FACILITAR A PARTICIPAÇÃO ACTIVA DOS JOVENS . . . 99 4.2. NO DOMÍNIO DO DESPORTO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 100 4.2.1. FOMENTAR A PRÁTICA DOS DESPORTOS NAS ESCOLAS E COMUNIDADES GARANTINDO . . . . . AS CONDIÇÕES NECESSÁRIAS (MATERIAIS, INFRAESTRUTURAIS E HUMANAS) PARA . . . . . . . . . . O ACESSO DOS CIDADÃOS A UMA VIDA SAUDÁVEL . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 100 5. APOIAR O EMPRESARIADO NACIONAL . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105 5.1. CARACTERIZAÇÃO GERAL DO ESTADO ACTUAL DO DESENVOLVIMENTO DO SECTOR . . . . . . . EMPRESARIAL PRIVADO NACIONAL . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105 5.2. A REFORMA DO CLIMA GERAL DO INVESTIMENTO PRIVADO EM ANGOLA . . . . . . . . . . . . . . . 106 5.2.1. OS PRESSUPOSTOS DA REFORMA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 106 6 Programa de Governo 2012-2017 www.mpla.ao
  7. 7. PARA ANGOLA CRESCER MAIS E DISTRIBUIR MELHOR Friday, April 20, 12 5.2.2. POLÍTICA FISCAL . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 107 5.2.3. POLÍTICA MONETÁRIA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 107 5.2.4. POLÍTICA CAMBIAL . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 108 5.2.5. ELIMINAR PRÁTICAS COMERCIAIS NÃO EQUITATIVAS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 108 5.3. PROTECÇÃO AO DESENVOLVIMENTO E FORTALECIMENTO DA COMPETITIVIDADE DO SECTOR PRIVADO NACIONAL . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 109 6. REFORÇAR A INSERÇÃO COMPETITIVA DE ANGOLA NO CONTEXTO INTERNACIONAL . . . 113 6.1. ESTRATÉGIA JUNTO DAS ORGANIZAÇÕES FINANCEIRAS INTERNACIONAIS (BANCO MUNDIAL, FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL, BANCO AFRICANO DE DESENVOLVIMENTO) . . . . . . . . E ORGANIZAÇÕES MULTILATERAIS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 114 6.2. REFORÇO DO POSICIONAMENTO DE ANGOLA NO CONTEXTO INTERNACIONAL . . . . . . . . . . E REGIONAL . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 114 6.3.1. RELAÇÕES BILATERAIS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 115 6.4. REFORÇO DO PAPEL DE ANGOLA NAS ORGANIZAÇÕES INTERNACIONAIS . . . . . . . . . . . . . 119 6.4.2. COMISSÃO DO GOLFO DA GUINÉ (CGG) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 119 6.4.3. CPLP – COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 119 6.4.4. A COMUNIDADE ECONÓMICA DOS ESTADOS DA ÁFRICA OCIDENTAL (CEDEAO) . . . . . . . . 119 6.4.5. IGAD – INTERGOVERNAMENTAL AUTHORITY ON DEVELOPMENT . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 120 6.4.6. ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS (ONU) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 120 6.4.7. UNCTAD E OMC . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 120 6.4.8. ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS (OEA) E MERCOSUL . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 121 www.mpla.ao Programa de Governo 2012-2017 7
  8. 8. PARA ANGOLA CRESCER MAISA distribuir melhor Angola A crescer mais e E DISTRIBUIR MELHOR PROGRAMA DE GOVERNO DO MPLA PARA 2012 - 2017Friday, April 20, 12 8 Programa de Governo 2012-2017 www.mpla.ao
  9. 9. PARA ANGOLA CRESCER MAIS E DISTRIBUIR MELHOR Friday, April 20, 12 O GRANDE COMPROMISSO DO MPLA PARA COM AS ASPIRAÇÕES DO POVO ANGOLANOO MPLA é um Partido Nacional, independente, progressista e moderno, ideo-logicamente assente no Socialismo Democrático. É o maior Partido de Angolacom mais de 5 milhões de militantes e desde a sua fundação, a 10 de Dezem-bro de 1956, tem sido, indiscutivelmente, a força política nacional que maistem marcado a história do País.Para além de ser o maior Partido nacional é também o que está melhor pre-parado e o que se tem apresentado com mais competência na interpretação esatisfação dos mais profundos anseios e aspirações do povo angolano ao longodos 55 anos da sua existência. Aqui reside a essência da força, da glória e dasvitórias deste grandioso Partido, que combina a sua vocação de Partido de mas-sas com a integração e participação activa de quadros e intelectuais de todos ossectores da vida nacional que aceitem e cumpram o seu Programa e Estatutos.O MPLA é, por isso, um Partido dinâmico, um Partido em constante trans-formação, sempre no sentido de melhor se ajustar a evolução do País e domundo. O MPLA- Movimento foi a forma organizativa adoptada na etapada Luta de Libertação Nacional terminada com a conquista da independên-cia nacional em 1975. Com o MPLA – Partido do Trabalho vivemos a etapapós-independência, de democracia popular e, presentemente, com o PartidoMPLA estamos a desenvolver a etapa multipartidária.O MPLA é um Partido profundamente enraizado no seio do Povo. Foi como povo que depois de 14 anos de luta armada, sob a condução do MPLA, osangolanos conquistaram a independência nacional num contexto interno einternacional adverso caracterizado pela Guerra fria entre os dois blocos ideo-lógicos existentes na altura.Foi com o povo que o MPLA lutou contra a agressão de países estrangeiros econtra as forças internas ao seu serviço, defendendo a integridade das nossasfronteiras, preservando a soberania nacional e garantindo, mesmo em situaçãode guerra, as condições mínimas para o funcionamento das instituições doEstado e para o desenvolvimento da vida económica do País. www.mpla.ao Programa de Governo 2012-2017 9
  10. 10. A confiança do povo no MPLA manifestou-se novamente em 1992 com a clara vitória do nosso Partido nas eleições de Setembro de 1992 e o total envolvi- mento do povo angolano no enfrentamento das forças rebeldes apostadas na desestabilização do País, na sequência da rejeição pelos mesmos dos resultados eleitorais. A paz obtida em 2002 é seguramente o maior bem público que os angolanos conquistaram sob a condução do MPLA. Tem um valor que não pode ser quantificado e é o resultado, acima de tudo, da confiança do povo angolano no MPLA e no seu líder o Camarada Presidente José Eduardo dos Santos que, de modo inteligente, firme, equilibrado, com grande visão estratégica e também com muita serenidade, conduziu o povo angolano para a paz definitiva. Com a obtenção da Paz foram dados passos significativos no sentido da con- solidação da estabilidade política, do reforço da democracia, da reconciliação e coesão nacionais, ao mesmo tempo que foram feitos avanços notáveis no sentido da consolidação da estabilidade macroeconómica e do estabelecimento das bases para um crescimento e desenvolvimento económico impetuoso e robusto.10 Programa de Governo 2012-2017 www.mpla.ao
  11. 11. PARA ANGOLA CRESCER MAIS E DISTRIBUIR MELHOR Friday, April 20, 12www.mpla.ao Programa de Governo 2012-2017 11
  12. 12. 12 Programa de Governo 2012-2017 www.mpla.ao
  13. 13. PARA ANGOLA CRESCER MAIS E DISTRIBUIR MELHOR Friday, April 20, 12 BREVE BALANÇO DA ACTIVIDADE GOVERNATIVA NO PERÍODO 2009-2012Nas eleições legislativas de Setembro de 2008 mais de 81% dos eleitores angolanosescolheram, de modo inequívoco, o MPLA como o caminho certo para uma Angolamelhor. Esta vitória expressiva do nosso Partido constitui uma prova irrefutável daexistência de uma relação de grande intimidade entre o MPLA e o povo.O Programa de Governo com que o MPLA se apresentou as eleições legislativas de2008 foi elaborado tendo como base os grandes anseios e aspirações do povo ango-lano e a vitória expressiva obtida nessas eleições representa, mais uma vez, a grandeconfiança do povo angolano no MPLA e no seu líder, o Camarada Presidente JoséEduardo dos Santos.A implementação deste Programa foi seriamente constrangido pela crise económicae financeira internacional que, em 2009, afectou severamente a economia nacional.Nesse ano caiu não só a demanda por petróleo dos principais parceiros internacio-nais, como também caiu de modo mais acentuado o preço deste produto.As receitas fiscais em 2009 sofreram, assim, uma redução de 45% face a 2008. Nomesmo período a receita petrolífera contraiu-se 55.23%. Do lado da despesa houveuma redução global de 10.9%, com a despesa corrente a contrair-se 8%.As medidas tomadas pelo Executivo para fazer face à crise mostraram-se oportunas eeficazes, tendo permitido que os principais programas, projectos e promessas eleito-rais do nosso Partido não fossem interrompidos, embora nem todas as metas tenhamsido cumpridas na sua plenitude.Regista-se uma consolidação da reconciliação e coesão nacionais e da estabilidade po-lítica do País e Angola tem-se afirmado, cada vez mais, como um Estado democráticoe de Direito, funcionando de acordo com a Constituição e demais leis ordinárias. Foiaprovada uma nova Constituição que adopta um sistema político e de Governo queconfere não só maior estabilidade política e institucional ao País como também umamaior estabilidade ao seu processo de desenvolvimento.A estabilidade macroeconómica, mormente no que diz respeito à garantia da esta-bilidade monetária e cambial e à redução da inflação, bem como as acções do Exe-cutivo respeitantes ao crescimento económico através do relançamento da produçãonacional e da diversificação da nossa economia, são factos assinaláveis no âmbito daimplementação do Programa de Governo do Partido.A taxa de crescimento real do PIB em 2007 foi de 23.2%. Em 2008 esta taxa foi de13.8%. Em 2009, como consequência da crise económica e financeira internacional,a taxa de crescimento real do PIB caiu significativamente para 2.41%. Em 2010 a www.mpla.ao Programa de Governo 2012-2017 13
  14. 14. mesma subiu ligeiramente para 3.41%. Em 2011 a taxa de crescimento do PIB foi de 3.4% e para 2012 prevê-se uma taxa de crescimento mais robusta de 8.9%. Numa altura em que o mundo inteiro vivia uma situação de recessão ou de forte retracção económica, nos anos universalmente difíceis de 2009 e 2010, Angola lo- grou alcançar taxas de crescimento não muito distantes da taxa anual de crescimento populacional do País que é de 3%, o que significa que, em termos per capita médios reais, o País não terá ficado mais pobre. É também importante assinalar que se tem mantido a tendência iniciada em 2006 em que o sector não petrolífero tem evidenciado taxas de crescimento superiores às do sector petrolífero, sendo este um indicador importante do sentido positivo do processo de diversificação da economia angolana. A taxa de inflação acumulada anual foi de 11.8% em 2008, 13.99% em 2009 e 15.31% em 2010. Em 2011 registou-se uma queda significativa deste indicador ten- do a mesma se situado em 11.38%. Para 2012 prevê-se uma taxa de 10%. É notó- ria a tendência decrescente da taxa de inflação em Angola, com efeitos positivos na economia do País e no aumento da confiança do público na moeda nacional e, por conseguinte, no aumento do poder aquisitivo do Kwanza. Como consequência desta importante evolução, tem sido significativo o aumento do papel da moeda nacional como meio de troca e também como reserva de valor, sendo estes dois indicadores relevantes do processo de desdolarização da economia nacional. Tendo consciência de que as causas da inflação em Angola não são apenas monetárias, têm sido adoptadas medidas tendentes a incidir sobre os factores não monetários que afectam a inflação no País, como as taxas alfandegárias e os custos portuários sobre- tudo sobre os produtos da cesta básica, bem como medidas tendentes a melhorar a organização dos circuitos de distribuição do País. Depois do ano difícil de 2008 em que as Reservas Internacionais Líquidas (RIL) atingiram a cifra de USD 12.62 mil milhões, em 2010 iniciou-se um proceso de recuperação deste indicador de grande importância da posição externa do País. Com efeito, as RIL em 2010 situaram-se em USD 17.67 mil milhões e em 2011 subiram significativamente para USD 26.86 mil milhões e prevê-se que este indicador ultra- passe o montante de USD 30 mil milhões em 2012. Em consequência da crise económica e financeira internacional, o programa nacional de habitação foi revisto, tendo-se identificado acções concretas no domínio do realo- jamento das populações, das novas centralidades, da auto-construção e da edificação de casas sociais. Está em curso a edificação em todo o País de 350.091 fogos de diferentes tipologias, que alojarão uma população estimada em 2.100.546 habitantes. Estão concluídos 3.180 apartamentos na nova centralidade do Kilamba em Luanda e até 2012 serão entregues 16.822 apartamentos.Estão em curso os grandes projectos de requalifica- ção do Sambizanga e do Cazenga, bem como a edificação das novas centralidades de Malange, Dundo e Cabinda. Está igualmente em curso em Luanda a construção, no regime de casas evolutivas, de 3.000 fogos e a edificação até ao ano de 2012 de mais 5.000 fogos, numa área infraes-14 Programa de Governo 2012-2017 www.mpla.ao
  15. 15. PARA ANGOLA CRESCER MAIS E DISTRIBUIR MELHOR Friday, April 20, 12truturada para 20.000 fogos. Estas moradias destinam-se às famílias que ainda vivemem tendas nos bairros de Cacuaco, Viana e Zango e o mesmo estender-se-a às po-pulações em situação idêntica das províncias da Huíla, Cunene, Huambo e Namibe.A meta geral do programa, contando com a auto-construção e com as parcerias públi-co privadas, é a de assegurar o alojamento e promoção da habitação social para umacifra de 564.000 familias, o que corresponde a cerca de 3.3 milhões de pessoas.O Caminho de Ferro de Luanda está concluído. O troço Lobito-Bié do Caminho deFerro de Benguela está igualmente concluído. Estima-se que o Caminho de Ferro deBenguela esteja completamente operacional em todo o seu percurso, isto é, de Ben-guela (Lobito) até ao Moxico em 2012. Os trabalhos do Caminho de Ferro de Moçâ-medes estão também em curso e a sua conclusão está igualmente prevista para 2012.Foram reabilitados e modernizados os aeroportos de Luanda, Cabinda, Catumbe-la, Malange, Ondgiva, Lubango, Huambo, Benguela e Ndalatando e reabilitadas aspistas dos aeroportos de Saurimo, Luena e Kuito. Está em curso o processo de reabi-litação dos aeroportos do Soyo, Dundo, Saurimo e Luena. Em 2012 será concluídaa primeira fase do novo Aereoporto Internacional de Luanda que terá, depois deconcluído, uma capacidade para 15 milhões de passageiros por ano.No período de 2002 a 2012 foram reconstruídas e construídas cerca de 12 000 kmsde estradas asfaltadas. Com isso mais de 80% das capitais de província estão ligadasentre si por estradas de alcatrão. A circulação de pessoas e bens tornou-se, assim,mais fácil, mais eficiente, mais rápida e, sobretudo, mais segura. Com isto, os custosde transacção inerentes à actividade económica no País tenderão a baixar, com im-plicações positivas nos níveis de produtividade e de competitividade da economianacional.O programa “Água para Todos” tem sido desenvolvido com sucesso, beneficiando jácerca de 1.200.000 de pessoas com água potável. Até ao ano de 2012 este programaassegurará o consumo de água potável a pelo menos 60% da população rural.Com vista a remover o deficit de energia eléctrica do País, está em curso a reabilirta-ção das barragens do Gove, Mabubas, Lomaum e Cambambe I, a concluir em 2012,e que aumentarão em 295.6 megawats a capacidade de energia eléctrica de Angola.Estes projectos, conjugados com a implementação dos projectos estruturantes noSoyo, Cambambe, Laúca, Caculo Cabaça e Keve a serem concluídos em 2016, e quegerarão uma capacidade adicional de 5.000 megawats, farão com que, a partir de2013, o abastecimenbto de energia eléctrica melhore significativamente no País e quea partir de 2017 os principais problemas do sector estejam resolvidos.No domínio da agricultura, com vista a apoiar as explorações agrícolas familares, estáem curso o Programa de Extensão e Desenvolvimento Rural (PEDR), cujo númerode famílas assistidas variou de 618.859 em 2005/2006 para 1.162.088 em 2009/10com destaque para o ano de 2007/8, onde se atingiu 1.512.609 familias camponesas.O maior impacto do PEDR reside no facto do mesmo ter conseguido estabilizara carência em meios de produção que existia no País para atender os 3 milhões dedeslocados que estavam sendo assentados nas suas zonas de origem, logo após a con-quista da Paz em 2002. www.mpla.ao Programa de Governo 2012-2017 15
  16. 16. De um modo geral, tanto as áreas cultivadas como as de produção aumentaram de, uma área cultivada de 3.054.863 hectares e de produção de 11.363.342 toneladas em 2005/2006, para uma área de 3.543.300 hectares e produção total de 16.010.271 toneladas em 2009/10. Em 2010/2011 a área cultivada foi 4.556.836 hectares e a produção total foi de 20.394.047 toneladas. Foi aberta uma linha especial de crédito para a agricultura com um montante equi- valente em Kwanzas a USD 350 milhões, sendo USD 150 milhões para o crédito de campanha e o restante para o crédito de investimentos. O crédito agrícola tem contado com uma forte aderência dos camponeses, tendo já beneficiado de forma directa cerca 24 mil pequenos camponeses, residentes em 68 municípios de 17 das 18 províncias do País. O crédito agrícola de campanha já dis- ponibilizou cerca de USD 47 milhões. Até ao ano de 2011 haviam sido criados mais de 700 mil novos empregos, sendo de destacar, por ordem decrescente, a constribuição dos sectores da Agricultura e Pescas, Urbanismo e Construção, Comércio, Energia e Águas e Hotelaria e Turismo. No âmbito dos rendimentos salariais, prosseguiram os ajustamentos dos salários da função pública em função da inflação anual esperada e o salário mínimo nacional foi aumentado de Kz. 8.500,00 para Kz. 25.000,00, valor este sujeito a isenção do imposto sobre o rendimento do trabalho (IRT). No domínio da educação há a realçar os grandes investimentos feitos no ensino se- cundário e técnico profissional que nos últimos 3 anos ascenderam a mais de USD 480.000.000,00. Tais investimentos permitiram a construção de 53 instituições esco- lares para o ensino secundário e técnico profissional. O número de alunos nos vários níveis de ensino que precedem o ensino superior, aumentou de modo considerável. Em 2002 o efectivo escolar não universitário era de 2.565.542, em 2008 de 5.658.993 e em 2010 de 6.168.454. Em 2011 este efectivo foi de 6.7 milhões. O corpo docente também registou uma evolução assinalável, tendo passado de 83.601 efectivos em 2002, para 179.928 efectivos em 2008 e para 215.412 efectivos em 2010. Em 2011 o efectivo docente não universitário foi de 218 mil. No domínio do ensino superior foram criadas 7 universidades públicas, sendo uma academia e 19 instituições públicas autónomas. As Universidades estão constituídas por 51 unidades orgânicas, integradas em 7 regiões académicas. O número de estudantes matriculados no ensino superior passou de 13.861 em 2002 para 95.000 em 2008, para 116.805 em 2010 e para cerca de 150 mil em 2011. Este subsistema de ensino conta com mais de dois mil docentes e tem formado uma média anual de mil e duzentos licenciados. Foi inaugurada a I fase do campus universitário da Universidade Agostinho Neto e estão igualmente em conclusão as infraestruturas para os campus universitários da Universidade 11 de Novembro em Cabinda e da Universidade Kimpa Vita no Uíge. Existem presentemente 22 instituições de ensino superior privadas, sendo 10 univer- sidades e 12 institutos superiores.16 Programa de Governo 2012-2017 www.mpla.ao
  17. 17. PARA ANGOLA CRESCER MAIS E DISTRIBUIR MELHOR Friday, April 20, 12No domínio da saúde é de destacar a descentralização da gestão dos serviços de saúdea nível municipal. Esta medida tem permitido um maior foco das administrações eequipas de saúde municipais na melhoria da gestão da saúde e do funcionamentodos serviços. O resultado tem sido o aumento do acesso universal das populações acuidados integrados de saúde no nível primário da atenção.No concernente ao género é de referir o aumentou da representação das mulheres noParlamento que passou de 16.4% em 2008 para 38.6% em 2010 e a representaçãodas mulheres no Executivo que passou de 13% em 2008 para 29.0% em 2010.Fruto do crescimento impetuoso que a economia nacional vem registando desde2002, associado às políticas sociais do Executivo visando o aumento da qualidade devida das populações, particularmenrte aquelas políticas que visam o combate à fomee à pobreza extrema, os níveis de incidência da pobreza em Angola conheceram umaqueda drástica, tendo passado de 68% em 2002 para 36.6% em 2009.Trata-se de um indicador encorajador e que, de modo objectivo, constitui uma de-monstração de que o MPLA está no caminho certo no que se refere a solução dosproblemas do Povo.Os elementos referidos acima não constituem um balanço exaustivo da actividadegovernativa dos últimos 5 anos, mas tão somente uma ilustração do enorme esforçoe trabalho realizado sob a condução do MPLA e do seu líder, o camarada PresidenteJOSÉ EDUARDO DOS SANTOS, no âmbito da reconstrução e desenvolvimentodo País, sempre baseados na necessidade de se dar satisfação às aspirações mais pro-fundas do povo angolano. www.mpla.ao Programa de Governo 2012-2017 17
  18. 18. OBJECTIVOS GERAIS DA GOVERNAÇÃO PARA O PERÍODO 2012-2017. Muito ainda há a fazer e o foco do Programa de Governação do MPLA para o período 2012-2017 continuará a ser o combate à fome e à pobreza extrema e o aumento da qualidade de vida do povo angolano de Cabinda ao Cunene, transformando a riqueza potencial que constituem os recursos naturais de Angola em riqueza real e tangível dos angolanos. Com efeito, o Programa de Governo do MPLA para o período 2012-2017 assen- tará nos seguintes eixos fundamentais: • Consolidar a Paz, Reforçar a Democracia e Preservar a Unidade e Coesão Na- cional; • Garantir os Pressupostos Básicos Necessários ao Desenvolvimento; • Melhorar a Qualidade de Vida dos Angolanos; • Elevar a Inserção da Juventude na Vida Activa; • Apoiar o Empresariado Nacional; • Reforçar a Inserção Competitiva de Angola no Contexto Internacional. O Programa de Governação do Partido para o quinquénio 2012-2017, estabelece que o centro da acção de governação é o Povo. Deste modo, desenvolve as formas de in- teracção entre o Executivo do MPLA com todas as forças vivas da nação, envolvendo os órgãos de soberania, as diversas confissões religiosas, os Partidos Políticos, as Or- ganizações Não Governamentais, os Órgãos de Imprensa e de Informação, o Sector Privado e Cooperativo nacional, todas as estruturas da Sociedade Civil organizada, o cidadão a título individual e as comunidades para, em conjunto e com a participação de todos, serem alcançadas as aspirações nacionais de desenvolvimento material e espiritual dos angolanos. O MPLA defende que a remoção das assimetrias regionais do País deve ser traduzida no aumento do nível de empregos, e que tal objectivo não pode ser alcançado sem uma forte parceria do Estado com o sector privado, em particular com o estímulo às micro, pequenas e médias empresas. Deste modo, um capítulo especial é dedicado a este tema e são definidas as formas em que se deverá desenvolver essa parceria e que metas deverão ser alcançadas nos próximos cinco anos a este respeito. Uma outra iniciativa visando a remoção das assimetrias regionais é a promoção do crescimento económico do País em rede, por meio do desenvolvimento de agrupa- mentos industriais (clusters) e de redes empresariais (networks) que potenciarão não só a criação de externalidades positivas para a economia, como serão igualmente um factor de promoção de círculos virtuosos de produção de maior valor acrescentado.18 Programa de Governo 2012-2017 www.mpla.ao
  19. 19. PARA ANGOLA CRESCER MAIS E DISTRIBUIR MELHOR Friday, April 20, 12Por este motivo, o Programa de Governação do MPLA, para além de detalhar as me-didas de promoção do desenvolvimento económico dos vários sectores da economianacional, apresenta igualmente medidas associadas ao início do processo de desen-volvimento dos clusters da água, da alimentação e agro-indústria, do habitat e dostransportes e logística.Tendo em conta a importância que o MPLA atribui à juventude angolana, que cons-titui a maioria da população economicamente activa do País e que é a maior riquezapotencial de Angola, um capítulo especial trata dos objectivos e metas a alcançar comvista a uma cada vez maior inserção da juventude na vida activa, visando a emanci-pação plena dos jovens, o desenvolvimento de todo o seu potencial de criatividade eempenho, para que possam assumir o papel de principal motor do desenvolvimentoe do bem estar social.O Programa de Governação do MPLA reconhece que o principal ingrediente paramelhorar a qualidade da governação é a transparência e o sentido de missão dos ser-vidores públicos. Por este facto, no domínio do aumento da eficácia e eficiência daadministração pública directa e indirecta, são desenvolvidos nos capítulos respectivosos aspectos centrais do combate à corrupção, ao desperdício de recursos públicosvisando o aumento da produtividade nos serviços públicos e do papel fiscalizador dasociedade através dos mecanismos estabelecidos pela Constituição da República deAngola e pelas leis ordinárias em vigor no País.Angola está a viver profundas mudanças e rápidas alterações na sua estrutura econó-mica e social. Tudo isto no meio de uma realidade internacional também envolta emprofundas mudanças e também em alguma turbulência.Apesar disso, o MPLA e o povo angolano estão convictos de que no meio de todasestas mudanças internas e externas a aspiração do bem-estar social para todo o povoangolano será alcançada, com reflexos num aumento da qualidade dos serviços deeducação e de saúde em todo o território nacional, num maior acesso das populaçõesà energia eléctrica, à agua potável, à habitação social, a um emprego condigno e auma melhor e maior aproximação dos serviços públicos aos cidadãos. O Programa de Governação do MPLA para os próximos cinco anos é uma compo-nente indispensável para tornar realidade os anseios dos angolanos. Neste Programaencontra-se a visão, o espírito de missão, a capacidade de adaptação, a abertura para acooperação e diálogo e a experiência de um Partido que não faz mais senão trabalharpara o bem do povo angolano, unindo há 55 anos de Cabinda ao Cunene um só Povoe uma só Nação.Temos a certeza que o MPLA, mais uma vez, irá corresponder às expectativas dosangolanos. www.mpla.ao Programa de Governo 2012-2017 19
  20. 20. 20 Programa de Governo 2012-2017 www.mpla.ao
  21. 21. PARA ANGOLA CRESCER MAIS E DISTRIBUIR MELHOR Friday, April 20, 121. CONSOLIDAR A PAZ, REFORÇAR A DEMOCRACIA E PRESERVAR AUNIDADE E A COESÃO NACIONALO MPLA tem plena consciência de que o esforço para a reconstrução, para o desen-volvimento e para a modernização de Angola não deve ser apenas do Estado. Nesteesforço o Estado tem de se fazer acompanhar pela iniciativa privada, pela sociedadecivil e beneficiar da cooperação internacional, numa lógica de parceria, sendo, noentanto, sua a competência de orientação estratégica, de modo a evitar-se vazios edisfuncionalidades no proceso de desenvolvimento do País.Com vista a aumentar a capacidade do Governo em formular e implementar políticasde grande impacto, o MPLA considera que se deve trabalhar no sentido do incremen-to da performance governativa, através da elevação da eficiência na governação e daqualidade da sua actividade de coordenação e regulação.Ao mesmo tempo que à sociedade civil é atribuído um papel cada vez mais prepon-derante, o Governo do MPLA apoiará o fortalecimento do aparelho institucional,assegurando o funcionamento de serviços públicos de qualidade e de um sistemajudicial dotado de independência e eficiência. Do mesmo modo, uma atenção muitoespecial será dada à melhoria da qualidade e ao funcionamento eficiente e transpa-rente da gestão pública.O MPLA considera que no âmbito da preservação da Unidade e da Coesão Nacioa-nal os órgãos de defesa, segurança e ordem interna desempenham um papel funda-mental, pois os mesmos garantem a satisfação da aspiração mais importante do povoangolano - a Paz e a Segurança em Angola.Forças armadas estáveis, organizadas e bem equipadas garantem não só a soberanianacional e a paz, mas são também um veículo importante de desenvolvimento, sejaatravés da acção directa na reabilitação de infraestruturas seja no apoio às populaçõesnas acções ligadas à saúde, à educação e à atividadade produtiva.1.1. AUMENTAR A CREDIBILIDADE DO ESTADO E DO SISTEMA POLÍTICOO MPLA considera ser de importância crucial para o desenvolvimento do País pros-seguir os esforços no sentido da consolidação das reformas do sistema de Justiça, dosistema Tributário, da Administração Pública, da Saúde, da Educação, do Poder Lo-cal, da Defesa e da Segurança Nacional, convertendo-os em verdadeiros instrumentosao serviço de uma plena cidadania. www.mpla.ao Programa de Governo 2012-2017 21
  22. 22. 1.1.1. NO DOMÍNIO DA JUSTIÇA O MPLA considera que neste domínio serão prosseguidas e aprofundadas as amplas reformas que têm sido levadas a cabo pelo Executivo, com base em estratégias perfei- tamente delineadas e estruturadas. Os objectivos estratégicos do MPLA para o Sector da Justiça residem na necessidade de se dar continuidade à política de modernização e de informatização assente nos princípios da desburocratização e simplificação de procedimentos, bem como na pro- ximidade dos serviços junto das comunidades, com base nos seguintes objectivos: • a) Estabelecimento de uma política criminal e de reforma da justiça penal, que contemple: • I) Respostas à grande, média e pequena criminalidade; • II) Combate à corrupção, criminalidade organizada e económico-financeira; • III) Justiça tutelar; • IV) Combate às drogas. • b) Reorganização judiciária e do mapa judiciário; • c) Um sistema integrado de acesso ao direito e à justiça; • d) Um novo paradigma do processo; • e) O sistema de justiça como factor de desenvolvimento económico e social; • f ) Um sistema de justiça ao serviço dos direitos humanos; • g) A universalização do registo civil de nascimento. O ESTABELECIMENTO DE UMA POLÍTICA CRIMINAL E DE REFORMA DA JUSTIÇA PENAL O MPLA defende que uma melhoria na eficácia do combate ao crime passa pela adopção de políticas orientadas para os factores da criminalidade, privilegiando-se a reintegração à exclusão, sendo fundamental garantir os meios de investigação e repressão adequados. Por outro lado, considera que o aumento da eficácia criminal não pode prejudicar as garantias de defesa consagradas constitucionalmente e próprias do Estado de Direito Democrático. O MPLA privilegiará a vocação humanista da sua política, tutelando os interesses das vítimas de crimes, a eficácia do combate ao crime, a salvaguarda dos direitos dos arguidos, a humanização do sistema prisional e a eficiência do sistema de reinserção social. Os aspectos ligados às medidas preventivas merecerão um especial cuidado do MPLA, devendo ser postos em prática os mecanismos que permitam a separação da popu- lação prisional de diferente perigosidade, com especial preocupação para os reclusos mais jovens que, excepcionalmente, devam ser objecto de medidas preventivas de privação de liberdade em Centros de Internamento próprios.22 Programa de Governo 2012-2017 www.mpla.ao
  23. 23. PARA ANGOLA CRESCER MAIS E DISTRIBUIR MELHOR Friday, April 20, 12As políticas a definir neste domínio deverão dar resposta às seguintes questões: GRANDE, MÉDIA E PEQUENA CRIMINALIDADEPara o MPLA o combate à grande criminalidade, ao crime económico organizado,às associações criminosas, às redes de tráfico de crianças, de pessoas e de órgãos e àsdrogas deve constituir uma questão central da política criminal.A este respeito o MPLA considera que se devem adoptar as seguintes medidas depolítica: • a) Consagração do princípio da legalidade mitigada ou oportunidade mitigada; • b) Criação de mecanismos legais e/ou organizacionais que permitam uma maior coordenação entre o Ministério Público e as forças policiais e de investigação cri- minal envolvidas no combate à grande criminalidade; • c) Melhoria da formação dos agentes da polícia de investigação criminal; • d) Criação de um sistema de monitorização das medidas de combate à grande criminalidade com a apresentação de relatórios anuais; • e) Despenalização de toda a área das contravenções e transgressões, que deverão passar a contra-ordenações; • f ) Descriminalização das condutas correspondentes aos crimes de condução sob o efeito do álcool e de condução sem habilitação legal; • g) Introdução das medidas preventivas alternativas à privação provisória de liberdade; • h) Desenvolvimento do regime prisional domiciliário e hospitalar, o qual deverá ser estruturado de acordo com as boas práticas; • i) Combate aos vários problemas na execução da pena de prisão, dando concreti- zação prática ao princípio da ressocialização; • j) Desenvolvimento do processo de reforma do sistema prisional; • k) Criação das salas de execução de penas, junto dos Tribunais Provinciais exis- tentes; • l) Revisão do regime jurídico de execução de penas; • m) Estudar a possibilidade de alargamento da aplicação do processo sumário a todas as situações de detenção em flagrante delito, de modo a integrar aquelas em que a detenção não é realizada por uma autoridade de investigação criminal ou po- licial, mas a quem os detidos são entregues de imediato (situação que ocorre, com alguma frequência, no caso de furtos simples); • n) Estudar a possibilidade de medidas potenciadoras de uma maior utilização dos mecanismos de celeridade e consenso entre o Ministério Público e o arguido e, no caso de crime dependente de acusação particular, entre aqueles e o assistente; • o) Estudar a possibilidade de permitir ao arguido propor a suspensão provisória do processo, apresentando um plano de medidas ou obrigações a cumprir que seria sindicado pelo Ministério Público; www.mpla.ao Programa de Governo 2012-2017 23
  24. 24. • p) Criação de um programa de articulação integrada e adequada dos serviços ad- ministrativos dos assuntos prisionais com os tribunais. COMBATE À CORRUPÇÃO, À CRIMINALIDADE ORGANIZADA E ECONÓMICO-FINANCEIRA Tendo em conta os seus aspectos nefastos nos níveis de eficiência da economia e no desenvolvimento do País, o MPLA prosseguirá o combate à corrupção que exige, an- tes de tudo, uma distinção entre factores de política penal, de investigação criminal e de prevenção. Impõe-se, assim, reforçar a eficácia nos três domínios, designadamente os meios le- gais e institucionais de combate à corrupção, dando uma clara prevalência aos instru- mentos de prevenção, uma vez que só desse modo será possível criar instrumentos de detecção de riscos e de redução de perigos. Nessa linha, para além do reforço dos meios afectos ao combate à corrupção, importa criar nos serviços públicos, nos diversos níveis da Administração central e local e nas empresas públicas, códigos de conduta e medidas de prevenção de riscos, de modo a reduzir as circunstâncias propiciadoras da corrupção. JUSTIÇA TUTELAR Existe um conjunto de problemas e bloqueios de carácter normativo, cultural ou organizacional determinante para as disjunções existentes entre os princípios orien- tadores e os objectivos que enformam a reforma do direito dos menores e a sua con- cretização prática. Neste domínio, o Governo do MPLA prosseguirá os seguintes objectivos: • a) Avaliação da aplicação da Lei do Julgado de Menores (as crianças e jovens que entram no “sistema tutelar educativo” estão ou estiveram, na sua grande maioria, sujeitas a factores de risco que justificariam a intervenção mais cedo do sistema de protecção e promoção dos direitos das crianças ou uma intervenção mais eficaz); • b) Criação de Salas do Julgado de Menores e de Centros de Observação, de Semi- -Internamento e de Internamento em todas as Províncias do País; • c) Criação de um registo informático nacional que permita a consulta da situação processual do jovem em todos os tribunais do País; • d) Formação dos operadores judiciários para trabalhar nesta jurisdição; • e) Regulamentação e implementação da execução das medidas não institucionais; • f ) Criação e uniformização de boas práticas (benchmarking) de aplicação de me- didas tutelares educativas; • g) Reforço das estruturas sociais de acolhimento dos jovens com comportamentos desviantes; • h) Criação de um sistema de follow-up que siga durante algum tempo os jovens que já cumpriram a medida tutelar educativa; • i) Criação de respostas eficazes de acompanhamento e, quando necessário, de aco-24 Programa de Governo 2012-2017 www.mpla.ao
  25. 25. PARA ANGOLA CRESCER MAIS E DISTRIBUIR MELHOR Friday, April 20, 12 lhimento, para jovens que ainda não entraram no “sistema tutelar educativo”, mas que se dedicam já a comportamentos desviantes ou mesmo para-delinquentes. COMBATE ÀS DROGASO MPLA promoverá a implementação de uma política integrada e ambiciosa de lutacontra a droga, tendo em atenção, de modo especial, as acções preventivas, incluindoas dirigidas aos novos consumidores.As medidas de política a adoptar são as seguintes: • a) Relançar a política de prevenção do consumo de droga; • b) Associar a prevenção, tratamento em Centro específico, redução de riscos e mi- nimização de danos e reinserção social, num modelo que se baseie na articulação do sistema de prevenção primária no meio familiar, escolar, recreativo e de lazer, em articulação com a sociedade civil; • c) Desenvolver o sistema de prevenção em meio escolar que garanta o acesso di- ferenciado e específico à informação sobre tipos de substâncias e promova as resis- tências ao consumo de drogas; • d) Criar uma rede pública de tratamento às novas necessidades e tendências de consumo e implementar uma política de redução de riscos que garanta o decrésci- mo das doenças infecto-contagiosas associadas ao consumo; • e) Reforçar a prevenção, tratamento e redução de riscos e minimização de danos em meio prisional; • f ) Promover o combate integrado ao tráfico de drogas, implementando medidas alternativas ao cumprimento de penas de prisão, revendo e ajustando multas, arti- culando os agentes do sistema, clarificando a distinção entre indícios de consumo e de tráfico. REORGANIZAÇÃO JUDICIÁRIAO MPLA considera que a estrutura da organização judiciária deve ser repensada,devido a: (i) necessidade de um sistema integrado face às variáveis demográficas, so-ciais e económicas das regiões, assente em princípios como o respeito pela soberaniado poder judicial e (ii) pela necessidade de se garantir uma maior proximidade dosTribunais aos cidadãos, com a existência de Tribunais Municipais, o crescimento deuma maior litigação urbana e a necessidade de melhorar o acesso à justiça, tornando-amais célere e eficaz.As medidas de política a adoptar neste domínio são as seguintes. • a) Aumento dos Tribunais Municipais e sua implantação na maior parte dos Mu- nicípios do País; • b) Articulação da rede de tribunais com a política de justiça pública, aprofundan- do o sistema integrado de resolução de conflitos, não só com a implementação dos serviços de conciliação e de mediação (conflitos laborais, familiares, ou mesmo, penais) e de arbitragem (consumo, ambiente, conflitos civis e comerciais), mas www.mpla.ao Programa de Governo 2012-2017 25
  26. 26. também com o reconhecimento e implementação dos mecanismos de resolução de conflitos não-oficiais; • c) Densificação, a nível nacional, de uma justiça de base municipal, não judicial, assente em estruturas tais como os julgados de paz, centros de protecção de crianças e jovens em perigo, centros de arbitragem de conflitos ou “tribunais comunitários”; • d) Recentramento da justiça nas suas funções essenciais de promoção e garantia dos direitos com o desvio da “litigação de rotina e de certificação”, para procedi- mentos administrativos, bem como para meios alternativos de resolução de litígios; • e) Garantir um efectivo duplo grau de jurisdição em matéria de facto, através da implementação de Tribunais da Relação distribuídos por diversas regiões do País; • f ) Implementação de um programa de redefinição e requalificação do mapa judi- ciário, visando adequar as circunscrições judiciais ao volume da chamada «procura judicial»; • g) Aumento e requalificação do parque judicial existente; • h) Criação de mecanismos que libertem os juízes da prática de actos meramente burocráticos e reforço dos poderes procedimentais dos secretários judiciais; • i) Definição de critérios que permitam diferenciar tribunais de elevada complexi- dade de outros tribunais; • j) Instalação de assessorias jurídicas e secretariados de apoio aos juízes, com cria- ção de gabinetes de apoio aos juízes dos tribunais provinciais, para apoio técnico, administrativo e de secretariado, bem como de assessoria jurídica dos juízes (com- posto prioritariamente por juízes estagiários); • k) Informatização dos tribunais e a sua ligação em rede, entre si e aos restantes sistemas do sector da Justiça; • l) Desenvolvimento dos meios informáticos, no âmbito do processo de reorganiza- ção dos cartórios judiciais, de modo a facilitar, não só o trabalho relacionado com a tramitação dos processos, mas também a sua consulta; • m) Criação de gabinetes próprios (“quiosque de atendimento”), destinados ao atendimento ao público nos tribunais, por via pessoal e telefónica, fisicamente isolados da área de trabalho dos cartórios; • n) Aprovação de medidas legais e materiais de resposta à litigação de massa; • o) Adopção de medidas de emergência destinadas a reduzir o número de pendên- cias, através da criação de equipas de juízes destinadas a intervir pontualmente. SISTEMA INTEGRADO DE ACESSO AO DIREITO E À JUSTIÇA O MPLA pugna pelo desenvolvimento de um sistema integrado de acesso dos cida- dãos ao direito e à justiça através da existência de Defensores Públicos e de Advoga- dos no âmbito do patrocínio e assistência judiciária, mas igualmente de entidades, públicas e privadas que actuam fora do sistema judicial, enquanto facilitadores da informação jurídica, da consulta jurídica e até da prevenção e resolução de litígios.26 Programa de Governo 2012-2017 www.mpla.ao
  27. 27. PARA ANGOLA CRESCER MAIS E DISTRIBUIR MELHOR Friday, April 20, 12As medidas de política a adoptar são as seguintes: • a) Criação de um regime de acesso ao direito e à justiça que não deixe de conside- rar a rede de entidades prestadoras de serviços jurídicos de prevenção ou resolução de litígios; • b) Instituição de um novo figurino institucional e jurídico, consubstanciado na definição de uma entidade pública ou de fins e controle público para a gestão da defesa pública e apoio judiciário; • c) Recrutamento dos advogados por concursos públicos curriculares para as fun- ções do regime de defesa pública, salvaguardando-se o respeito pela independência constitucional da profissão dos advogados; • d) Tomar medidas com vista a diminuir a distância entre o sistema formal de justiça e as outras instâncias de resolução de conflitos que existem na sociedade, tendo em conta que em Angola a maior parte da população recorre ao “sistema informal de justiça” para resolver os litígios nos municípios, bairros, comunida- des, de modo que algumas destas formas de regulação possam ser reconhecidas e incentivadas; • e) Criação de uma estrutura de coordenação e de planeamento de políticas de administração dos recursos humanos e materiais afectos ao sistema de justiça com a participação dos Presidentes do Tribunal Supremo, Procurador Geral da República, Ministério do Interior e Ministério da Justiça, como ministério co- ordenador. INSTITUCIONALIZAÇÃO DE UM NOVO PARADIGMA PROCESSUAL CIVIL, ADMINISTRATIVO E PENALO MPLA reconhece a necessidade de reformulação da actual arquitectura processualem matéria cível, administrativa e penal, que deve ser estruturada de forma simpli-ficada e desburocratizada, para ultrapassar a complexidade dos normativos vigentese a burocracia, indutoras de morosidade e desadequadas às actuais expectativas doscidadãos e empresas.Para o efeito deverão ser adoptadas as seguintes medidas de política: • a) Reforma do Código de Processo Civil, com especial ênfase para a acção execu- tiva, submetendo-a a uma constante avaliação dos seus resultados; • b) Reforma do processo contencioso administrativo, acompanhada de uma ava- liação do seu impacto; • c) Abertura de salas do contencioso administrativo, dotadas de meios humanos e logísticos indispensáveis ao seu cabal e regular funcionamento; • d) Reforma do Código de Processo Penal, devendo ser precisadas as competências dos sujeitos e participantes processuais (Magistrados Judiciais e do Ministério Pú- blico, Advogados e órgãos de polícia criminal) na investigação e garantia dos direi- tos de vítimas e arguidos e clarificados, designadamente, os regimes do segredo de justiça, das escutas telefónicas, dos novos meios probatórios e da prisão preventiva, www.mpla.ao Programa de Governo 2012-2017 27
  28. 28. de modo a torná-los inequivocamente congruentes com os princípios e normas constitucionais; • e) Aperfeiçoamento e ajustamento do processo penal à diferente natureza e com- plexidade da criminalidade; • ) Consagração do princípio da oportunidade ou da legalidade mitigada, de f modo a que se definam as prioridades de política criminal em função dos meios existentes; • g) Desenvolvimento da intervenção dos mecanismos de consenso e do princípio da justiça restaurativa na solução e na “sanção” da pequena e média criminalidade. O SISTEMA DE JUSTIÇA COMO FACTOR DE DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E SOCIAL A este respeito, o MPLA considera que se devem desenvolver acções com vista à eli- minação da burocracia e práticas perniciosas estimuladoras de situações de abuso de poder, tráfico de influência e corrupção e a aprovação de legislação específica, no sen- tido de promover a competitividade das empresas e o funcionamento da economia. Para o efeito serão adoptadas as seguintes medidas de política: • a) Continuar o processo de desburocratização, simplificação de procedimentos, de diminuição dos custos de constituição de empresas e de outros actos da vida das empresas; • b) Elaboração de um regime jurídico relativo ao processo de falência e recuperação das sociedades comerciais, que assegure a rapidez da tramitação, a protecção das expectativas dos credores e dos interesses dos trabalhadores e consumidores; • c) Desenvolvimento e qualificação das experiências iniciadas com a Loja dos Re- gistos, Guiché do Imóvel e Guiché da Empresa, a nível nacional; • d) Prosseguimento do processo de informatização e microfilmagem dos registos actualmente existentes nos livros no sector de registos e notariado público; • e) Aprovação de um novo regime de responsabilidade do Estado por actos pratica- dos pelos seus órgãos, serviços ou agentes; • f ) Avaliação da possibilidade de realização de parcerias público-privadas na Justiça, desde que isso signifique um acréscimo na melhoria dos serviços ao cidadão e às empresas ou uma melhor gestão e financiamento do sector da justiça; • g) Consagrar uma particular atenção ao reforço da cooperação com outros serviços da justiça, no quadro do espaço da SADC e com os Estados membros dos PALOP e CPLP. UMA JUSTIÇA AO SERVIÇO DOS DIREITOS HUMANOS O MPLA compromete-se a implementar, em permanente parceria com a sociedade civil, acções e medidas de promoção dos direitos humanos, criando ou apoiando e aprimorando o funcionamento dos organismos indispensáveis à promoção dos direi- tos humanos.28 Programa de Governo 2012-2017 www.mpla.ao
  29. 29. PARA ANGOLA CRESCER MAIS E DISTRIBUIR MELHOR Friday, April 20, 12Para o efeito, serão adoptadas as seguintes medidas de política: • a) Promoção da interacção democrática entre o Estado e a sociedade civil, como instrumento de fortalecimento da democracia participativa; • b) Desenvolvimento de programas de educação para o respeito dos direitos hu- manos e observância dos deveres de cidadania, dirigidos às organizações estatais, organizações da sociedade civil e escolas; • c) Promoção de campanhas de sensibilização e formação sobre os direitos huma- nos nos órgãos de comunicação social, públicos e privados; • d) Celebração condigna dos dias mundiais e internacionais relativos aos direitos humanos; • e) Realização de encontros, reflexões, seminários e palestras sobre direitos huma- nos e direito internacional humanitário; • f ) Garantia da participação e do controlo social das políticas públicas em direitos humanos, em diálogo plural e transversal entre os vários actores sociais, através da dotação de recursos humanos, materiais e orçamentais para o pleno funcionamen- to da Comissão Nacional dos Direitos Humanos; • g) Ampliação da divulgação dos serviços públicos voltados para a efectivação dos direitos humanos; • h) Fortalecimento dos direitos humanos como instrumento transversal das políti- cas públicas e de interacção democrática; • i) Promoção dos direitos humanos como princípios orientadores das políticas pú- blicas e das relações internacionais, e articulando o reconhecimento do “status” constitucional de instrumentos internacionais de Direitos Humanos novos ou já existentes ainda não ratificados; • j) Fortalecimento dos instrumentos de interacção democrática para a promoção dos direitos humanos, que passa pela possibilidade de criação de um Observatório Nacional dos Direitos Humanos; • k) Estímulo e reconhecimento das pessoas e entidades com destaque na luta pelos direitos humanos na sociedade angolana; • l) Integração e ampliação dos sistemas de informação em direitos humanos e cons- trução de mecanismos de avaliação e monitoramento da sua efectivação; • m) Instituição e manutenção de um sistema nacional de indicadores em direitos humanos, de forma articulada com os órgãos públicos e a sociedade civil, para me- diar conflitos, monitorar, avaliar, reformular e propor acções efectivas; • n) Monitorização dos compromissos internacionais assumidos pelo Estado Ango- lano em matéria de direitos humanos, através da elaboração de um relatório anual sobre a situação dos direitos humanos em Angola. UNIVERSALIZAÇÃO DO REGISTO CIVIL DE NASCIMENTOO MPLA irá assegurar a cidadania plena, mediante a universalização do registo civil www.mpla.ao Programa de Governo 2012-2017 29
  30. 30. de nascimento e ampliação do acesso à documentação básica, como o bilhete de identidade. As medidas de política a adoptar serão as seguintes: • a) Ampliação e reestruturação da rede de atendimento para a emissão do registo civil de nascimento visando a sua universalização; • b) Interligação das maternidades e unidades de saúde às Conservatórias dos regis- tos, por meio de sistema manual ou informatizado, para emissão de registo civil de nascimento logo após o parto; • c) Implementação de campanhas de educação e sensibilização sobre a importância do registo civil de nascimento, por meio da rede de atendimento (saúde, educação e assistência social) e pelo sistema de justiça e de segurança pública; • d) Aperfeiçoamento das normas jurídicas e do serviço público notarial e de registo civil para garantia da gratuidade e da cobertura do serviço de registo civil ao nível nacional; • e) Promoção da mobilização nacional com intuito de reduzir o número de pessoas sem registo civil de nascimento e documentação básica; • f ) Instituição de comités de coordenação ao nível nacional, provincial e municipal com o objectivo de articular as instituições públicas e as entidades da sociedade ci- vil para a implantação de acções que visem a ampliação do acesso à documentação básica; • g) Realização de campanhas para orientação e consciencialização da população e dos agentes responsáveis pela articulação e pela garantia do acesso aos serviços de emissão de registo civil de nascimento e de documentação básica; • h) Organizar campanhas através de brigadas móveis para a emissão do registo civil de nascimento e documentação básica, com foco nas regiões de difícil acesso e no atendimento às populações específicas situadas em zonas rurais; • i) Desenvolver estudos e revisão da legislação para garantir o acesso do cidadão ao registo civil de nascimento em todo o território nacional; • j) Garantir o registo civil e a emissão gratuita de assentos de registo de nascimento até aos 18 anos e aos adultos comprovadamente pobres; • k) Inclusão no questionário do censo demográfico (populacional) de perguntas para identificar a ausência de documentos civis na população. 1.1.2. NO DOMÍNIO DA REFORMA TRIBUTÁRIA O Programa de Governo do MPLA, neste domínio, prosseguirá os seguintes ob- jectivos: • a) Diversificação das fontes de receita e o aumento da estabilidade financeira da República de Angola via implementação de medidas que aumentem a receita tri- butária não petrolífera;30 Programa de Governo 2012-2017 www.mpla.ao
  31. 31. PARA ANGOLA CRESCER MAIS E DISTRIBUIR MELHOR Friday, April 20, 12 • b) Promoção da sustentabilidade financeira e do desenvolvimento das Províncias, com a revisão das competências da Administração Tributária, a nível central e local; • c) Criação de um sistema tributário mais eficiente na arrecadação, mais simples e justo para o contribuinte, e ajustado ao actual desenvolvimento económico e social; • d) Introdução de mecanismos eficazes na cobrança, que salvaguardem os direitos da República de Angola e dos Contribuintes; • e) Implementação de um serviço de excelência ao contribuinte, através do inves- timento nas tecnologias de informação e comunicação, e da modernização das práticas, metodologias e processos; • f ) Melhoria da qualidade e eficiência da Administração Tributária, através do re- crutamento e selecção de pessoal qualificado e realização de acções de formação contínua, a nível nacional e local, devendo ser criado o Instituto de Formação Tributária; • g) Harmonização do sistema angolano com outras práticas internacionais, a nível regional e global, celebração progressiva de acordos de dupla tributação e realização de acordos de cooperação com instituições e organismos internacionais.As medidas de política a serem seguidas são as seguintes: NO CAMPO DA REFORMA DO SISTEMA TRIBUTÁRIO • a) Rever e aperfeiçoar os sistemas simplificados de tributação (incluindo aduanei- ra) para as actividades económicas de natureza familiar, bem como para as micro, pequenas e médias empresas; • b) Racionalizar e consolidar a legislação do Imposto Predial; • c) Elaborar um estudo sobre opções políticas de fundo, para a introdução de um novo modelo de tributação do rendimento das pessoas singulares e colectivas e implementar os respectivos diplomas resultantes. NO CAMPO DA REFORMA DA ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA • a) Criar os procedimentos administrativos e informáticos necessários à execução das alterações legislativas em curso; • b) Recrutar e formar novos técnicos para a administração tributária e aduaneira em todo o País; • c) Criar mecanismos institucionais de coordenação entre a Direcção Nacional de Impostos (DNI) e Serviço Nacional das Alfandegas (SNA) e compatibilizar a legis- lação dos dois organismos; • d) Apoiar a finalização do programa em curso de expansão e modernização das Alfândegas de Angola; • e) Definir e implementar o Instituto de Formação Tributária e elaborar um plano de formação com apoio das novas tecnologias, para responsáveis, técnicos da DNI e do SNA; www.mpla.ao Programa de Governo 2012-2017 31
  32. 32. • f ) Implementar novos sistemas de informação tributária; • g) Definir e implementar a futura estrutura da Administração Tributária. NO CAMPO DA REFORMA DA JUSTIÇA TRIBUTÁRIA • a) Rever o regime das execuções fiscais com a adopção de um Código Específico; • b) Criar um Tribunal Fiscal especializado para decisão das questões tributárias que não tenham natureza criminal; • c) Promover a unificação dos órgãos de Justiça administrativa tributária sob gestão da DNI e/ ou do SNA. NO CAMPO DA REFORMA DA TRIBUTAÇÃO INTERNACIONAL • a) Celebrar acordos de cooperação com instituições e organizações, visando o in- tercâmbio de informações para uma luta mais eficaz contra a fraude e a criminali- dade organizada fiscal e aduaneira (OMC); • b) Harmonizar a legislação angolana com as mais modernas práticas internacionais, estabelecendo progressivamente acordos de dupla tributação com os Países com os quais Angola tenha especiais relações socioeconómicas ou políticas (CPLP, SADC). NO CAMPO DA REFORMA DA PARAFISCALIDADE • a) Rever as taxas e outros encargos parafiscais que oneram gravosamente a activi- dade dos particulares e empresas; • b) Aprovar diplomas que regulamentem a criação e publicação de taxas e outras receitas parafiscais, pelos órgãos centrais e locais do Estado, mesmo que descentra- lizados. 1.1.3. NO DOMÍNIO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA O MPLA considera que neste domínio deve assegurar-se a implementação de planos e projectos que garantam a elevação contínua da qualidade dos órgãos e serviços da Administração Pública no que toca à prestação de serviço público ao cidadão e em prol da economia. A este respeito devem ser prosseguidos os seguintes objectivos: • a) Promover uma nova imagem da Administração Pública, estimulando a cultura da qualidade, eficiência e de simplificação de processos, que considere os cidadãos, as empresas e a sociedade civil mais utentes/clientes e menos beneficiários de um serviço; • b) Construir uma Administração Pública baseada em estruturas flexíveis e simpli- ficadas, diversificada quanto a soluções organizacionais, de acordo com a natureza do serviço a prestar; • c) Aperfeiçoamento das políticas públicas em matéria de educação, formação, em- prego e remuneração dos Recursos Humanos para a Administração Pública e para a economia; • d) Reforço do sentido de missão e comprometimento do servidor público para32 Programa de Governo 2012-2017 www.mpla.ao
  33. 33. PARA ANGOLA CRESCER MAIS E DISTRIBUIR MELHOR Friday, April 20, 12 com a prestação de serviços de melhor qualidade para o cliente, utente e consumi- dor; • e) Aperfeiçoamento dos procedimentos, bem como simplificação e aligeiramento dos circuitos e mecanismos da Administração Pública, em especial dos órgãos e serviços ligados à esfera económica e social; • f ) Implementar gradualmente as tecnologias de informação e comunicação nas diversas áreas da Administração Pública; • g) Elevação dos modelos de organização administrativa e dos sistemas de gestão dos recursos humanos de acordo com os princípios, valores e normas fundamentais vigentes no ordenamento jurídico, bem como com os imperativos ditados pela evolução da sociedade, da economia e da cultura angolana e universal.O MPLA propõe-se, assim, continuar o processo de reforma administrativa em cursoassente na defesa da soberania do Estado de modo a preservar a independência, e ofortalecimento da economia nacional através da melhoria da relação entre a adminis-tração e os agentes económicos e ainda na consolidação do exercício dos direitos edeveres de cidadania consagrados na Constituição e demais legislação.Para o efeito, devem ser adoptadas as seguintes medidas de política: • a) Organização e estruturação dos serviços, quer a nível da Administração Central como da Administração Local do Estado, tendo como base o princípio da raciona- lidade e da eficácia; • b) O investimento no capital humano como o principal recurso da administração com vista à procura da excelência dos serviços; • c) A revisão dos processos e procedimentos dos circuitos administrativos de modo a promover a celeridade e excelência dos serviços públicos; • d) Reforma do processo de recrutamento de pessoal, de provimento de cargos de direcção e chefia e de gestão de carreira na função pública; • e) Reforma do sistema de remunerações e subsídios dos funcionários públicos, visando adequá-lo aos critérios de produtividade, territorialidade e de desenvolvi- mento contínuo das capacidades técnicas e humanas do pessoal; • f ) Reforma do sistema de avaliação do desempenho dos funcionários públicos, visando a sua modernização à luz dos paradigmas mais recentes da gestão do de- senvolviemto dos recursos humanos.1.1.4. CONSOLIDAR A DESCONCENTRAÇÃO ADMINISTRATIVA E A DESCENTRALIZAÇÃO POLÍTICO ADMINISTRATIVA (AUTARQUIAS)O MPLA considera que se devem desenvolver políticas e acções para que os órgaõsde decisão estejam cada vez mais perto das populações e das situações a atender,dotando-as de mais capacidade institucional para exercerem com eficiência e eficáciaum serviço público de maior qualidade e oportunidade (autarquias locais). www.mpla.ao Programa de Governo 2012-2017 33
  34. 34. NO DOMÍNIO DA DESCONCENTRAÇÃO ADMINISTRATIVA Nos termos da Constituição da República, no seu art. 8º, a República de Angola é um Estado unitário que respeita, na sua organização, os princípios da autonomia dos órgãos do poder local e da desconcentração e descentralização administrativas. No domínio da desconcentração administrativa, devem ser desenvolvidas tarefas que permitam garantir a eficácia governativa, principalmente o reforço da capacidade de iniciativa local. Neste domínio, devem ser reforçadas as condições jurídico-institu- cionais, humanas, materiais e financeiras que tendam para o reforço dos órgãos da administração local do Estado. Neste sentido, deve-se dotar os órgãos locais do Estado com recursos financeiros ade- quados a uma rápida e eficaz intervenção na resolução dos problemas urgentes que contribuam para uma melhoria do bem-estar das populações nos domínios da educa- ção, saúde e saneamento básico, energia, água, planeamento urbano e rural, ordena- mento do território e a gestão dos solos, o licenciamento e construção de obras, gestão de investimentos públicos locais e cobranças e retenção de determinadas taxas, multas e outras receitas locais, uma vez que se encontram mais próximos das populações e mais facilmente conseguem solucionar os problemas e carências vividas por elas. NO DOMÍNIO DA DESCENTRALIZAÇÃO POLÍTICO ADMINISTRATIVA O modelo de organização política e democrática consagrada na Constituição da Re- pública de Angola, artigo 213º, determina que “a organização democrática do Estado a nível local estrutura-se com base no princípio da descentralização político-adminis- trativa, que compreende a existência de formas organizativas do poder local”. A principal forma de organização do poder local consiste nas autarquias locais, que se organizam fundamentalmente nos municípios. Neste domínio, muitas das actuais funções dos Municípios passarão necessariamente para as autarquias locais. Neste sentido, devem ser desenvolvidas tarefas que permitam a institucionalização efectiva de um poder local autónomo e autárquico, adequado às especificidades do nosso País, no domínio histórico e cultural, geográfico, económico e social. A institucionalização das autarquias locais deverá obedecer ao princípio da transito- riedade funcional que envolve a transferência gradual das atribuições e competências dos órgãos desconcentrados (Governos Provinciais e Administrações Municipais) para as autarquias locais, eleitas pelas respectivas populações. Os órgãos competentes do Estado, nomeadamente a Assembleia Nacional, através da iniciativa política e legislativa do Executivo, devem desenvolver o processo de dis- cussão e aprovação dos diplomas legais conducentes à implementação das autarquias locais, para que sejam feitas as primeiras eleições autárquicas no decurso da próxima legislatura. A legislação a aprovar deve comportar um diploma básico do regime das autarquias locais, que funcionaria como esqueleto fundamental de sustentação do quadro legis- lativo autárquico a criar. Paralelamente, deve ser consagrado o alargamento gradual das atribuições e o doseamento da tutela administrativa.34 Programa de Governo 2012-2017 www.mpla.ao
  35. 35. PARA ANGOLA CRESCER MAIS E DISTRIBUIR MELHOR Friday, April 20, 12 1.2. FOMENTAR A EDUCAÇÃO PATRIÓTICA DOS CIDADÃOS,VALORIZAR A FAMÍLIA, PROMOVER A IGUALDADE DE GÉNERO E O RESPEITO PELOS VALORES MORAIS DA CIDADANIAO MPLA considera a educação patriótica dos cidadãos, a valorização da família e aigualdade do género, bem como o respeito pelos valores morais da cidadania, comopressupostos fundamentais para a consolidação da unidade e coesão nacionais e doEstado democrático e de direito. O amor à pátria e o respeito pelos símbolos nacio-nais devem constituir factor de união dos cidadãos angolanos independentemente dasua filiação partidária, a sua raça, crença religiosa ou etnia.Para o MPLA a educação patriótica dos cidadãos e o respeito pelos valores moraisda cidadania deve ser feito, essencialmente, através do apoio do Estado às acções dasFamílias, Instituições de Ensino, das Igrejas, das Formações Políticas e demais formasde Organização da Sociedade Civil.Assim, o MPLA considera que neste domínio devem ser adoptadas as seguintesmedidas de política: 1.2.1 NO DOMÍNIO DA EDUCAÇÃO PATRIÓTICA • a) Implementar projectos e programas que promovam a valorização dos símbolos nacionais no seio da família, escola e comunidade; • b) Promover acções de valorização de figuras históricas da luta de resistência anti- -colonial e da luta de libertação nacional e do processo de democratização e conso- lidação do Estado democrático de direito; • c) Promover e apoiar o surgimento de organizações sócio-comunitárias e de jovens que tenham como fins a educação patriótica. 1.2.2. NO DOMÍNIO DA FAMÍLIA • a) Assegurar a formulação e implementação de políticas e programas integrados visando a protecção e a assistência à família, bem como a melhoria das suas condi- ções de vida; • b) Refroçar a capacidade institucional das estruturas ligadas à família e melhorar os mecanismos de implementação das políticas, programas e projectos que visam a melhoria das condições de vida das famílias; • c) Criar um sistema de recolha, análise, difusão e armazenamento de dados con- cernentes ao domínio da família, de modo a possibilitar um melhor monitoramen- to dos aspectos essenciais ligados a vida das famílias; • d) Assegurar a sobrevivêncvia, o desenvolvimento, a protecção e a participação dos grupos vulneráveis, tais como as crianças, os jovens, as mulheres, os idosos, os portadores de deficiências e as famílias vivendo em situações difíceis; • e) Assegurar a redução da mortalidade e da morbilidade à maternidade com pro- gramas específicos que visem o aumento do papel das famílias neste domínio; www.mpla.ao Programa de Governo 2012-2017 35
  36. 36. • f ) Desencorajar as práticas tradicionais que atentem contra os direitos humanos, os direitos da mulher e da rapariga. 1.2.3. NO DOMÍNIO DA PROMOÇÃO DA IGUALDADE DE GÉNERO • a) Desenvolver campanhas de educação e sensiblização que tratem das questões relativas ao género, aos direitos humanos e ao respeito pelos direitos da mulher; • b) Promover a autonomia económica e financeira das mulheres, através do apoio ao empreendedorismo, ao associativismo, ao cooperativismo e ao comércio; • c) Promover a participação das mulheres rurais nos órgãos de decisão e nas asso- ciações do meio rural; • d) Assegurar o crescimento gradual da participação das mulheres em cargos de decisão a todos os níveis, respeitando as metas fixadas pelos compromissos inter- nacionais e regionais. 1.2.4. NO DOMÍNIO DA EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA • a) Elaborar políticas e programas, nos domínios da convivência social, da cultura democrática, obrigações tributárias, gozo e apropriação colectiva dos espaços ur- banos; • b) Criar formas de reconhecimento e incentivo para o cumprimento das normas de convivência social, pelos cidadãos, como etapas que antecedem a repressão ou punição dos actos contrários à lei; • c) Apoiar a criação de associações de cidadãos que possam funcionar como escolas de educação cívica nas comunidades e promover acções com as associações existen- tes e organizações não governamentais; • d) Reforçar o conteúdo dos programas de educação especial e cívica nas escolas e a abordagem da história da cidadania; • e) Apresentar formas para a promoção de actividades culturais recreativas, despor- to, segurança e ordem pública; • f ) Criar programas que visem melhorar a convivência social, a adequação dos espaços urbanos, a cultura democrática, a tributação, a massificação das manifesta- ções artísticas, desportivas e de lazer; • g) Realizar seminários a nível dos dirigentes e funcionários dos locais onde se abor- dem os conceitos de “Nova cidadania e cultura do cidadão” e a sua capacitação para a cabal implementação dos projectos e programas ligados a esta matéria; • h) Criar a nível de cada município ou comuna animadores ou agentes cívicos; • i) Fomentar a criação de empresas privadas de gestão de espaços públicos, o esta- belecimento de parcerias público-privadas para a conservação, manutenção e assis- tência técnicas de bens e equipamentos e infraestruturas.36 Programa de Governo 2012-2017 www.mpla.ao
  37. 37. PARA ANGOLA CRESCER MAIS E DISTRIBUIR MELHOR Friday, April 20, 12 1.2.5. NO DOMÍNIO DOS VALORES MORAIS E CULTURAIS • a) Resgatar e promover os valores culturais que não atentem contra os direitos humanos, a igualdade do género e os direitos da mulher; • b) Desencorajar as práticas culturais nefastas, tais como o casamento precoce, a mutilação genital feminina, a acusação de crianças de feiticeiras entre outras; • c) Promover a sã convivência entre os valores culturais e os valores da modernidade; • d) Formar agentes de educação moral e cívica; • e) Estabelecer parcerias com as instituições moralizadoras, mormente igrejas e as- sociações cívicas; • f ) Criar o Programa Angola Solidária, junto da sociedade com uso dos meios de comunicação social; • g) Consolidar os programas já existentes e conceber novos programas em matéria de resgate de valores morais cívicos e culturais e disseminá-los através dos meios de comunicação social; • h) Produzir desdobráveis, bandas desenhadas e folhetos informativos relativos às acções no âmbito do resgate dos valores morais; • i) Realizar diagnósticos e estudos nas diferentes regiões do País para determinação das causas da degradação dos valores; • j) Realizar debates nos meios de comunicação social públicos e privados; • k) Realizar palestras, peças de teatro e campanhas de divulgação dos valores morais nas comunidades; • l) Envolver a participação dos mais velhos quer em debates nos meios de comuni- cação quer nas comunidades. 1.3. GARANTIR O ACESSO DOS CIDADÃOS A UMA INFORMAÇÃO CADA VEZ MAIS OBJECTIVA, RIGOROSA E ISENTANeste domínio, o objectivo geral do Programa de Governo do MPLA será a materia-lização de uma política que amplie as conquistas alcançadas no que concerne aos di-reitos e garantias no capítulo das liberdades de expressão, assumindo o compromissode fortalecer e modernizar o sector da comunicação, posicionando-o como um agentecatalisador do desenvolvimento económico, social e político de Angola. 1.3.1. NO DOMÍNIO DA COMUNICAÇÃO SOCIAL 1.3.1.1. A NÍVEL INSTITUCIONAL • a) Reforçar a capacidade institucional e do papel reitor do sector de forma a levar os órgãos de comunicação social a exprimir o esforço colectivo da nação para a estabilidade sócio-política e económica e a vontade de afirmação internacional de www.mpla.ao Programa de Governo 2012-2017 37

×