Your SlideShare is downloading. ×
0
Cinema marginal
Cinema marginal
Cinema marginal
Cinema marginal
Cinema marginal
Cinema marginal
Cinema marginal
Cinema marginal
Cinema marginal
Cinema marginal
Cinema marginal
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Cinema marginal

1,575

Published on

Published in: Education
0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
1,575
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
32
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Cinema Marginal Carlos Alexandre Henrique Fernandes Cine Clube Ybitu Katu “ O Terceiro Mundo vai explodir. Quem tiver de sapato não sobra” O Bandido da Luz Vermelha “ Alguma coisa se passa. Mas não se sabe ao certo. Eu não tenho nada a ver com isso.” Bang Bang
  • 2. Cinema Marginal Cinema udigrudi Cinema da Boca do Lixo <ul><li>Final da década de 60; </li></ul><ul><li>Cinema de ruptura social, política e cinematográfica; </li></ul><ul><li>Influências: Jean Luc-Godard; </li></ul><ul><li>Filmes B americanos (cinema underground); </li></ul><ul><li>Chanchadas (“às avessas”). </li></ul>
  • 3. Cinema Marginal <ul><li>Filmar a marginalização do brasileiro. Filmar um país subdesenvolvido. Fazer um filme subdesenvolvido: filmar como não se deve filmar. “É o que o Brasil atualmente merece”. </li></ul><ul><li>Filmar a marginalização do homem na sociedade atual, onde ele se isola dentro de si mesmo, indefeso diante de uma barreira erguida pelo contexto social. </li></ul>
  • 4. Cinema Marginal <ul><li>Nenhuma intenção de conversar ou conquistar o espectador. Muito menos explicar. O objetivo era apenas mostrar e fazer do público um cúmplice. Uma cumplicidade muda. </li></ul><ul><li>Discute a ação de fazer um filme. Sofre com a impossibilidade do cinema poder realizar alguma coisa maior. </li></ul>
  • 5. Cinema Marginal “ Um herói ou um bandido?” “ Sozinho a gente não vale nada. E daí?” “ Quando a gente não pode fazer nada, a gente avacalha... avacalha e se esculhamba.”
  • 6. Cinema Marginal <ul><li>Extremamente crítico em relação ao cinema novo, o marginal foi sufocado por ele e pela repressão da ditadura; </li></ul><ul><li>Alguns filmes com sucesso de bilheteria, outros exibidos apenas em cineclubes; </li></ul>
  • 7. Cinema Marginal <ul><li>Primeiros filmes: </li></ul><ul><li>O Bandido da Luz Vermelha (Rogério Sganzerla, 1968); </li></ul><ul><li>O Anjo Nasceu (Júlio Bressane, 1968); </li></ul><ul><li>Matou a família e foi ao cinema (Júlio Bressane, 1968). </li></ul>
  • 8. Cinema Marginal <ul><li>Filmes: </li></ul><ul><li>Hitler III Mundo (José Agrippino de Paula, 1968); </li></ul><ul><li>Meteorango Kid, Herói Intergaláctico (André L. Oliveira, 1969); </li></ul><ul><li>Orgia ou O Homem que deu cria (João Silvério Trevisan,1970); </li></ul><ul><li>Bang Bang (Andrea Tonacci, 1971); </li></ul><ul><li>Os Monstros de Babaloo (Elyseu Visconti, 1971); </li></ul>
  • 9. Cinema Marginal <ul><li>Belair (1970) </li></ul><ul><li>- Rogério Sganzerla; </li></ul><ul><li>- Júlio Bressane; </li></ul><ul><li>- Helena Ignez. </li></ul>
  • 10. Cinema Marginal <ul><li>Belair (1970) </li></ul><ul><li>- Rogério Sganzerla: </li></ul><ul><li>Sem essa aranha; </li></ul><ul><li>Copacabana mon amour; </li></ul><ul><li>Carnaval na lama (Betty Bomba, a exibicionista). </li></ul>
  • 11. Cinema Marginal <ul><li>Belair (1970) </li></ul><ul><li>- Julio Bressane: </li></ul><ul><li>A família do barulho; </li></ul><ul><li>Cuidado Madame; </li></ul><ul><li>Barão Olavo, o Horrível. </li></ul>

×