• Like
Aula 11   pontuação
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Aula 11 pontuação

  • 6,812 views
Uploaded on

 

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
No Downloads

Views

Total Views
6,812
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
343
Comments
0
Likes
5

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. CURSOS ON-LINE – PORTUGUÊS – CURSO REGULAR PROFESSORA CLAUDIA KOZLOWSKI PONTUAÇÃONa comunicação oral, o falante lança mão de certos recursos da linguagem, como aentoação da voz, os gestos e as expressões faciais para denotar dúvida, hesitação,surpresa, incerteza etc.Quando se constrói a comunicação por meio da escrita, quem passa a ter essaincumbência é a pontuação. Por isso, tanta gente associa indevidamente o emprego devírgula a uma pausa da respiração. Isso não tem sentido. Se assim o fosse, tínhamos decolocar vírgula a cada palavra escrita. Ou você, por acaso, fica sem ar ao escrever umaoração sem vírgulas? Já pensou...rs...Afinal, qual é a utilidade de colocarmos sinais de pontuação no texto?Além de estabelecer na escrita aquelas denotações expostas acima, também se digna aeliminar ambigüidades que poderiam surgir em um texto sem pontuação ou a destacarcertas palavras, expressões ou frases.O texto que reproduzimos abaixo, cuja autoria é desconhecida, já foi usadorecentemente até por Ana Maria Braga (acredite!) e exemplifica bem as funções dapontuação. Para quem não assistiu ao programa (espero, pois deveria estar estudando),segue o material. “Um homem rico estava muito mal, pediu papel e pena. Escreveu assim: ‘Deixo meus bens à minha irmã não a meu sobrinho jamais será paga a conta do alfaiate nada aos pobres.’ Morreu antes de fazer a pontuação (até parece que isso seria possível...). A quem ele deixou a fortuna? Eram quatro concorrentes. 1) O sobrinho fez a seguinte pontuação: ‘Deixo meus bens à minha irmã? Não! A meu sobrinho. Jamais será paga a conta do alfaiate. Nada aos pobres.’ 2) A irmã chegou em seguida. Pontuou assim o escrito: ‘Deixo meus bens à minha irmã. Não a meu sobrinho. Jamais será paga a conta do alfaiate. Nada aos pobres.’ 3) O alfaiate pediu cópia do original. Puxou a brasa para a sardinha dele: ‘Deixo meus bens à minha irmã? Não! A meu sobrinho? Jamais! Será paga a conta do alfaiate. Nada aos pobres.’ 4) Chegaram os descamisados da cidade. Um deles, sabido, fez esta pontuação: ‘Deixo meus bens à minha irmã? Não! A meu sobrinho? Jamais! Será paga a conta do alfaiate? Nada! Aos pobres.’Cabe a nós, redatores, empregar a pontuação de modo que a mensagem por nós escritachegue ao leitor no sentido exato que gostaríamos de transmitir.Para fazer isso com correção, devemos conhecer suas regras.A pontuação depende da estrutura sintática da oração. Para começar, é interessantenotar que a ordem direta das orações é a seguinte: www.pontodosconcursos.com.br 1
  • 2. CURSOS ON-LINE – PORTUGUÊS – CURSO REGULAR PROFESSORA CLAUDIA KOZLOWSKI SUJEITO + VERBO + COMPLEMENTOS + ADJUNTOSPara colocar a oração nessa ordem direta, devemos partir do verbo (e não do sujeito,como alguns podem pensar), perguntando a ele quem o comanda, ou seja, quem é o seusujeito.A partir daí, sabendo o sujeito e o verbo, identificaremos os complementos verbais(predicativos, objetos).Por “adjuntos”, entendem-se as condições em que a ação expressa pelo verbo seestabelece – tempo, lugar, modo, intensidade, dúvida, negação. Essas circunstâncias sãoapresentadas pelos advérbios. É lógico que, se uma dessas circunstâncias (como a denegação) estiver acompanhando um termo específico (como, por exemplo, um verbo), oadvérbio irá se posicionar próximo ao esse termo, e não no fim da oração (Eu não saireidaqui).Os complementos, além de verbais, podem ser nominais, quando completam o sentidode um nome: necessidade de carinho. Também aos nomes ligam-se elementos pararestringi-los ou designá-los (adjuntos adnominais). Esses termos regidos devem ficarpróximos de seus termos regentes, onde quer que estejam (seja no sujeito, seja nopredicado). Seu amor à pátria era imenso.O nome AMOR faz parte do sujeito (é o seu núcleo), bem como os complementos SEU(pronome possessivo) e À PÁTRIA (complemento nominal = idéia passiva = a pátria éamada). Não há necessidade de chorar.O nome DE CHORAR faz parte do predicado.Esses conceitos são fundamentais para compreendermos alguns casos de proibição.Os sinais de pontuação são: ponto, ponto-e-vírgula, vírgula, ponto de exclamação, pontode interrogação, travessão, parênteses, aspas, reticências.Eles indicam entoação ou pausa.Nas palavras de Celso Cunha (Nova Gramática do Português Contemporâneo), “estadistinção, didaticamente cômoda, não é, porém, rigorosa. Em geral, os sinais depontuação indicam, ao mesmo tempo, a pausa e a melodia.”.O sinal mais explorado em questões de prova é, sem dúvida, a vírgula.Por isso, começaremos por ela. Para fins didáticos, iremos estudar o assunto a partir dasproibições e das situações especiais para o seu emprego.VÍRGULACASOS PROIBIDOS:1 - Separar por vírgula elementos inseparáveis na ordem direta: 1.1 – sujeito do verbo; 1.2 – verbo do complemento verbal; 1.3 – termo regente do termo regido (complemento nominal, adjunto adnominal); 1.4 – verbos que compõem uma locução verbal; www.pontodosconcursos.com.br 2
  • 3. CURSOS ON-LINE – PORTUGUÊS – CURSO REGULAR PROFESSORA CLAUDIA KOZLOWSKIA maior parte dos erros de pontuação das provas envolve casos de proibição. Por isso,fique atento – apareceu uma vírgula separando elementos inseparáveis, “xis” nele!!!POLÊMICA: Alguns autores admitem, modernamente, a separação do sujeito do verboem certas construções, como em adágios.Por exemplo, “Quem avisa, amigo é.” – o sujeito do verbo ser é a oração Quemavisa. Contudo, isso se justifica, segundo eles, somente em casos especiais,normalmente por questão de estilo, já que, na fala, costumamos pausar após o verbo(Quem avisa – pausa – amigo é.). Se observarmos a norma culta, iremos eliminar essesinal de pontuação (Quem avisa amigo é.).Observe que, se a oração não estiver na ordem direta, o deslocamento doscomplementos deverá ser indicado por vírgulas, sem que isso constitua erro: “Dos seusconselhos , não preciso mais”.Se surgir uma vírgula após um desses elementos “inseparáveis”, verifique se não se tratade alguma intercalação de elementos. Nesse caso, para a correção do período, devehaver duas vírgulas nessa intercalação, uma abrindo o período e outra, fechando, e nãoapenas uma. É o que se vê no próximo item.2 – Colocar apenas uma das duas vírgulas obrigatórias para isolar termos ouexpressões deslocados de sua posição original na oração (exceto, obviamente,se estiver no início do período).Desse jeito, o período deslocado fica “capenga”, faltando uma das vírgulas. Se abriu, temque fechar. Portanto, são necessárias duas vírgulas, mesmo que alguma delas estejaexercendo dupla função (por exemplo, no caso de DOIS ou mais termos deslocados eadjacentes).Hoje, às duas horas da tarde, próximo ao supermercado, houve um grave acidente.Temos, nesse exemplo, três elementos circunstanciais – dois de tempo (Hoje, às duashoras da tarde) e um de local (próximo ao supermercado). As duas primeiras ocorrênciasde vírgula separam elementos de mesma função sintática (adjuntos adverbiais). Já avírgula após supermercado, serve tanto para encerrar essa enumeração, quanto paraindicar o deslocamento desses elementos adverbiais.SITUAÇÕES ESPECIAIS- elipse de algum termo pode ser indicada por uma vírgula, como em : “Fui à festa levando muitos presentes; João, somente a boca.”- adjuntos adverbiais deslocados, desde que PEQUENOS E DE FÁCIL ENTENDIMENTO, dispensam a vírgula. Caso contrário, longos, em orações adverbiais extensas, ou, mesmo curtos, para dar ênfase ao adjunto, devem ser isolados por vírgula. Hoje (,) irei embora. Embora tenha me mantido distante das negociações, precisarei comparecer à reunião de acionistas. Infelizmente (,) não poderei aceitar o convite.- em relação a algumas conjunções, a vírgula tem tratamento especial: www.pontodosconcursos.com.br 3
  • 4. CURSOS ON-LINE – PORTUGUÊS – CURSO REGULAR PROFESSORA CLAUDIA KOZLOWSKIconjunção coordenativa aditiva “e” – a regra é a dispensa da vírgula antes daconjunção aditiva e. Somente é admitida em situações especiais:1) quando apresenta sujeitos diferentes e seu emprego tem por objetivo a clarezatextual;2) quando faz parte de uma figura de linguagem chamada polissíndeto (poli =vários + síndeto = elemento de ligação – vários elementos de ligação. O conceitode síndeto já foi objeto de comentário na aula sobre CONECTIVOSCONJUNÇÃO). O uso excessivo de vírgulas e de conjunções tem a funçãoestilística de fazer supor um fim que nunca chega – com isso, enfatiza-se cadaoração introduzida pela conjunção e: Soneto da Fidelidade – Vinícius de Moraes De tudo ao meu amor serei atento Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto Que mesmo em face do maior encanto Dele se encante mais meu pensamento.Também por clareza textual, é possível uma vírgula anteceder a conjunção emesmo que as orações apresentem o mesmo sujeito. Verifica-se isso, porexemplo, quando a primeira oração do período for tão extensa que exija aretomada do sujeito. Isso é feito a partir da pausa, indicada com a vírgula.conjunções coordenativas adversativas – a conjunção mas faculta a vírgulaantes de si e não admite outra posição que não seja a de início da oraçãosindética: A vida é dura(,) mas nada me tira a vontade de viver.As demais conjunções (porém, entretanto, contudo, etc.) devem serantecedidas por vírgula e, se deslocadas para o meio da oração, ficam, nestecaso, isoladas por duas vírgulas ou, no fim do período, entre a vírgula e o pontofinal: A vida é dura, nada me tira, porém, a vontade de viver. A vida é dura, nada me tira a vontade de viver, porém. (* veja observação acerca do ponto-e-vírgula)Caso tenha havido entre as duas orações uma ruptura do período (indicada peloponto), a vírgula pode vir após a conjunção: A vida é dura. Entretanto, nada me tira a vontade de viver.conjunções coordenativas conclusivas – a conjunção pois deverá sempre virposposta a um termo da oração sindética a que pertence e isolada por vírgulas: Ela não respeita ninguém. É, pois, uma rebelde.As demais conjunções conclusivas (logo, portanto, por conseguinte) podeminiciar a oração ou vir no meio dela. Do mesmo modo que as adversativas, sãoescritas, respectivamente, com uma vírgula anteposta ou entre vírgulas. Ela não respeita ninguém, é, portanto, uma rebelde. (* veja observação acerca do ponto-e-vírgula) www.pontodosconcursos.com.br 4
  • 5. CURSOS ON-LINE – PORTUGUÊS – CURSO REGULAR PROFESSORA CLAUDIA KOZLOWSKI Caso entre as duas orações tenha havido uma ruptura do período (ponto), a vírgula pode vir após a conjunção. Ela não respeita ninguém. Portanto, é uma rebelde. conjunções coordenativas explicativas – a conjunção pois, quando explicativa, deve iniciar a oração sindética. As demais seguem a mesma regra das conjunções conclusivas e adversativas no que tange à colocação de vírgula de acordo com a posição na oração. É comum uma vírgula ser colocada antes da conjunção explicativa, para representar a pausa que normalmente se dá na fala. Essa é uma das características que diferenciam a conjunção coordenativa explicativa porque da subordinativa causal homônima. Consideram-na uma rebelde, pois não respeita ninguém.Veja uma questão de prova. (FGV/PREF.ARAÇATUBA/2001) A alternativa correta quanto à pontuação é A. O aspirador, que não funciona, é este. B. Alice nossa amiga, parece feliz. C. Creio, porém, que estava adormecido. D. O livro, disse o autor é ilustrado.Está correto o emprego da conjunção “porém” entre vírgulas, já que está no meio daoração.Tanto na opção b quanto na d, a vírgula separa o sujeito (Alice / o livro,respectivamente) do verbo correspondente (parece / é) – CASO DE PROIBIÇÃO.Na opção a, a oração adjetiva “que não funciona” tem valor restritivo, e não explicativo.Não pode haver vírgulas. Essa explicação virá a seguir.- expressões denotativas ou de realce, como “ainda”, “mesmo assim”, “porexemplo”, “isto é”, que servem para introduzir argumentos, retificações oudesenvolvimento do assunto a ser explorado, ficam isoladas por vírgulas.- orações subordinadas adjetivas podem ser restritivas ou explicativas: restritivas - como o nome sugere, restringem o conceito dos substantivos e, a exemplo do que ocorre com adjetivos simples, não poderão ser separadas dos substantivos a que se refiram. “Vou pintar meu quarto com a cor azul.” CASO 1.3 DAS PROIBIÇÕES - não se separa o termo regido (azul) do termo regente (cor), já que o valor do adjetivo é restritivo (não é qualquer cor, mas somente a cor azul). Por isso, se, em vez de um adjetivo simples, houver uma oração adjetiva restritiva, ela também não poderá ser separada do substantivo por vírgula: Vou pintar o meu quarto com a cor de que eu gosto. Então, em orações adjetivas restritivas, a vírgula é PROIBIDA! www.pontodosconcursos.com.br 5
  • 6. CURSOS ON-LINE – PORTUGUÊS – CURSO REGULAR PROFESSORA CLAUDIA KOZLOWSKI Os políticos que se envolveram no escândalo do mensalão deveriam ser expulsos da vida pública. Quem deveria ser expulso da vida pública: todos os políticos ou somente os que se envolveram no escândalo de corrupção (por favor, atenha-se ao texto...rs...)? Segundo a oração, somente aqueles envolvidos no escândalo. E, com base nesse último exemplo, se colocássemos a oração adjetiva entre vírgulas, o que aconteceria? Ela passaria a ser explicativa. explicativas – sua função é somente explicar; por isso, como qualquer elemento de função meramente explicativa, deverão ser colocadas entre vírgulas. Se após a oração houver o encerramento do período, em vez de colocar a segunda vírgula, coloca-se o ponto final. “A vida do ex-presidente Juscelino Kubitschek, que foi o responsável pela mudança da sede da capital para Brasília, foi contada na série JK.” Essa oração sublinhada tem valor explicativo e, por isso, foi colocada entre vírgulas. Então, em orações adjetivas explicativas, a vírgula é OBRIGATÓRIA! De volta àquele exemplo do mensalão, segundo a construção “Os políticos, que se envolveram no escândalo do mensalão, deveriam ser expulsos da vida pública.”, todos os políticos (provavelmente já enumerados anteriormente no texto) deveriam ser expulsos da vida pública, pois agora a oração adjetiva é explicativa. Mais um teste para fixação desse conceito: indique a pontuação adequada nas duas estruturas abaixo:“O presidente do BACEN ( ) Henrique Meirelles ( ) e o ministro do STF ( ) SepúlvedaPertence ( ) compareceram à cerimônia.” Se a vírgula é obrigatória em termos e orações de valor explicativo e proibida em termos e orações de valor restritivo, primeiro vamos definir o que é explicativo e o que é restritivo. Quantos presidentes o BACEN possui? Somente um. Quando se diz “o presidente do BACEN”, uma pessoa informada já sabe quem é, pois só existe UM! Então, o termo tem valor explicativo – “O presidente do BACEN, Henrique Meirelles, e...”. Com vírgulas. Quantos ministros o STF possui? Onze! Então, o termo tem valor restritivo – “... e o ministro do STF Sepúlveda Pertence compareceu à cerimônia.”. Sem vírgulas. Agora você percebe por que não foram colocadas vírgulas em “ex-presidente Juscelino Kubitschek”? Porque são vários os ex-presidentes da República. E qual é o caso de vírgula facultativa em orações adjetivas? Resposta: NENHUM!!!!! Ou a vírgula é proibida (orações adjetivas restritivas), ou a vírgula é obrigatória (orações adjetivas explicativas).Veja, agora, uma questão de prova que abordou esse tema. (FUNDEC / TRT 2ª Região / 2003) www.pontodosconcursos.com.br 6
  • 7. CURSOS ON-LINE – PORTUGUÊS – CURSO REGULAR PROFESSORA CLAUDIA KOZLOWSKI A governadora eleita, Rosinha Matheus, que recebeu um voto de esperança nesses bolsões de carência e pobreza, pode iniciar por aí um programa de governo que recoloque nos trilhos os serviços essenciais à população. No último período do texto (acima transcrito), há duas orações subordinadas de idêntico valor sintático as quais receberam distinta forma de redação: a primeira está separada por vírgulas e a segunda não. Essa diferença na forma de redação justifica- se por: A) ter a primeira sentido restritivo e a segunda, explicativo; B) ter a primeira um sentido explicativo e a segunda, restritivo; C) ser a primeira um aposto e a segunda, um adjunto adnominal; D) estar a primeira iniciada por pronome relativo e a segunda, por conjunção integrante; E) ter a primeira verbo no modo indicativo e a segunda, no modo subjuntivo.O gabarito é a opção b. As virgulas são obrigatórias em orações adjetivas explicativas,enquanto que nas orações adjetivas restritivas são proibidas.A primeira oração adjetiva está isolada por vírgulas dado seu caráter explicativo, aopasso que a seguinte, por ter função restritiva, ou seja, por definir o programa degoverno (um programa de governo que coloque nos trilhos os serviços essenciais),não admite tal pontuação.PONTOÉ a pausa máxima. Representa a ruptura do período, seja ele composto ou simples(oração absoluta). Quando os períodos se sucedem nas idéias que expressam, o pontosimples é usado para separá-los. Quando a ruptura é maior, representando, inclusive, amudança de um grupo de idéias a outro, marca-se essa transposição maior com o“ponto-parágrafo”.O ponto também é usado em abreviaturas (V.Sa./ Dr.Fulano/etc.). Quando o pontoabreviativo coincide com o fim de um período, emprega-se somente um, que passa aacumular as duas funções: Ele foi à feira e comprou verduras, frutas, legumes etc.Em relação à vírgula antes do “etc.”, encontramos divergências no tratamento. Há os quebuscam na etimologia motivo para dispensá-la, uma vez estar presente, em seusignificado, a conjunção e (etc. = et cetera = e as demais coisas.). Há os que ajustificam como mais um elemento da enumeração, o que legitima essa pontuação. Porisso, dificilmente isso seria objeto de questão de prova. Se alguma banca vier a adotarum desses posicionamentos, deverá receber uma enxurrada de recursos comargumentação consistente para a anulação da questão.PONTO-E-VÍRGULADizer que é um sinal intermediário entre o ponto e a vírgula não ajuda muito, não é? Masessa é a melhor definição para o ponto-e-vírgula.Trata-se de uma pausa de duração suficiente para denotar que o período não se encontraencerrado totalmente mas que, também, não pertence à oração anterior. www.pontodosconcursos.com.br 7
  • 8. CURSOS ON-LINE – PORTUGUÊS – CURSO REGULAR PROFESSORA CLAUDIA KOZLOWSKIBasicamente, usa-se o ponto e vírgula, a depender do contexto, para atribuir clareza aotexto.Por exemplo, quando, na oração, já existem elementos entre vírgulas, o ponto-e-vírgulaé usado para subdividir os períodos: OBSERVAÇÃO: (*) Agora, compare com as formas apresentadas anteriormente e veja como estas ficaram bem mais claras. A vida é dura; nada me tira, porém, a vontade de viver. Ela não respeita ninguém; é, portanto, uma rebelde.Transcrevemos, a seguir, uma questão de prova (ótima!) em que foi exigidoconhecimento acerca do emprego desse sinal de pontuação. Para isso, faz-se necessáriaa transcrição também do texto em que se baseia a questão.(CESPE UNB / AGU / 2002)O que a escravidão representa para o Brasil, já o sabemos. Moralmente, é a destruiçãode todos os princípios e fundamentos da moralidade religiosa ou positiva — a família, apropriedade, a solidariedade social, a aspiração humanitária; politicamente, é oservilismo, a desagregação do povo, a doença do funcionalismo, o enfraquecimento doamor à pátria, a divisão do interior em feudos, cada um com seu regime penal, o seusistema de provas, a sua inviolabilidade perante a polícia e a justiça; econômica esocialmente, é o bem-estar transitório de uma classe única, e essa, decadente e semprerenovada; a eliminação do capital produzido pela compra de escravos; a paralisação decada energia individual para o trabalho na população nacional; o fechamento dos nossosportos aos imigrantes que buscam a América do Sul; a valorização social do dinheiro,qualquer que seja a forma como for adquirido; o desprezo por todos os que, porescrúpulos, se inutilizam ou atrasam em uma luta de ambições materiais; a venda dostítulos de nobreza; a desmoralização da autoridade, desde a mais alta até à mais baixa.Observamos a impossibilidade de surgirem individualidades dignas de dirigir o país paramelhores destinos, porque o país, no meio de todo esse rebaixamento do caráter, dotrabalho honrado, das virtudes obscuras, da pobreza que procura elevar-sehonestamente, está, como se disse, “apaixonado por sua própria vergonha”.A minha firme convicção é que, se não fizermos todos os dias novos e maiores esforçospara tornar o nosso solo perfeitamente livre, se não tivermos sempre presente a idéia deque a escravidão é a causa principal de todos os nossos vícios, defeitos, perigos efraquezas nacionais, o prazo que ainda tem de duração legal — calculadas todas asinfluências que lhe estão precipitando o desfecho — será assinalado por sintomascrescentes de dissolução social.Joaquim Nabuco. O abolicionismo. In: Intérpretes do Brasil, v. I. Nova Aguilar, 2000, p.148-51 (com adaptações).Julgue o item que se segue.O texto exemplifica que as estruturas sintáticas construídas a partir deenumeração exigem sinais de ponto-e-vírgula quando no interior de algunsitens existem vírgulas. www.pontodosconcursos.com.br 8
  • 9. CURSOS ON-LINE – PORTUGUÊS – CURSO REGULAR PROFESSORA CLAUDIA KOZLOWSKIEssa afirmação está correta. É a própria definição de um dos empregos do ponto-e-vírgula.Quando já houver vírgulas no período, o sinal de ponto-e-vírgula deve ser usadoprincipalmente para que haja clareza textual.Isso pode ser observado na passagem do texto a seguir reproduzida: nos segmentos, éapresentado o que a escravidão representa para o Brasil (primeira oração).1º segmento:Moralmente, é a destruição de todos os princípios e fundamentos da moralidade religiosaou positiva — a família, a propriedade, a solidariedade social, a aspiração humanitária;No primeiro segmento, apresentam-se, a partir do travessão, os princípios efundamentos que foram aviltados sob o aspecto moral pela escravidão. Como naseqüência serão apresentados outros aspectos, em continuidade à argumentação, optou-se pelo ponto-e-vírgula, que emprega uma pausa maior que a vírgula (permitindo umaruptura branda) e menor que o ponto (que encerraria o período desnecessariamente).2º segmento:politicamente, é o servilismo, a desagregação do povo, a doença do funcionalismo, oenfraquecimento do amor à pátria, a divisão do interior em feudos, cada um com seuregime penal, o seu sistema de provas, a sua inviolabilidade perante a polícia e a justiça;No segundo segmento, enfoca-se o problema sob enfoque político.Note que o autor irá prosseguir na argumentação, apresentando os aspectos econômicose sociais (3º segmento).3º segmento:econômica e socialmente, é o bem-estar transitório de uma classe única, e essa,decadente e sempre renovada;Todos esses segmentos, por constituírem um só argumento, pertencem ao mesmoperíodo, devendo ser separados por ponto-e-vírgula, para a clareza do texto. É essa afunção desse sinal de pontuação bastante desprezado ou maltratado por aí, coitado.:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::Também é usado o ponto-e-vírgula para separar itens enunciativos de textos legislativos(leis, decretos, regulamentos) e acepções de uma palavra em dicionários: Art. 4° O interessado, pessoa física ou jurídica, somente poderá exercer atividades relacionadas com o despacho aduaneiro: I - por intermédio do despachante aduaneiro; II - pessoalmente, se pessoa física ou jurídica. Veja uma questão do NCE UFRJ, aplicada em 2002: “Polícia” Vigilância exercida pela autoridade competente para manter a ordem e o bem-estar públicos em todos os ramos dos serviços do Estado e em todas as partes ou localidades; corporação que engloba os órgãos e instituições incumbidos de fazer www.pontodosconcursos.com.br 9
  • 10. CURSOS ON-LINE – PORTUGUÊS – CURSO REGULAR PROFESSORA CLAUDIA KOZLOWSKI respeitar essas leis ou regras e de reprimir e perseguir o crime”. (Pequeno dicionário jurídico) No texto do dicionário acima há dois segmentos, separados por um ponto-e- vírgula(;); em relação a esses dois segmentos podemos dizer que: a) o segundo explica o primeiro; b) apresentam dois sentidos diferentes do termo “polícia”; c) o primeiro é a causa do segundo; d) o segundo contradiz o primeiro; e) mostram que a polícia atua na prevenção do crime.A função do ponto-e-vírgula nessa construção é apresentar as diferentes acepções dapalavra POLÍCIA, presentes no “Pequeno Dicionário Jurídico”. Por isso, a resposta foiopção b.DOIS PONTOSEsse sinal marca, na escrita, a suspensão de uma frase não concluída. Emprega-se, pois,para anunciar:- uma citação: Às margens do Ipiranga, gritou D.Pedro I: - Independência ou Morte!- uma enumeração: Após o levantamento do inventário, devemos tomar as seguintes providências: encerrar o balanço patrimonial, convocar uma reunião extraordinária, providenciar uma auditoria nas contas. (Esses elementos também poderiam estar separados por pontos-e-vírgulas, para maior clareza.)- um esclarecimento, um comentário, uma síntese ou uma conseqüência do que foienunciado: A razão é clara: achava a sua conversa menos cansativa que a dos outros homens.Observe a questão de prova que abordou o assunto. (FUNDAÇÃO JOÃO GOULART/ SMF – ANALISTA PLANEJAMENTO / 2005) Texto 2 Nunca as condições foram tão favoráveis para a adoção em grande escala do gás natural como propulsor dos ônibus que circulam pelas grandes cidades brasileiras. Do ponto de vista ambiental, já eram conhecidas as vantagens desse combustível em relação ao diesel, que predomina entre os veículos pesados. Esses benefícios motivaram diversas experiências anteriores de ônibus a gás, que desde os anos 80 circulam em capitais brasileiras como São Paulo, Rio e Recife. No entanto, os ônibus a gás mostraram pouca competitividade econômica e operacional, quando comparados com os movidos a diesel. Agora, o cenário político e www.pontodosconcursos.com.br 10
  • 11. CURSOS ON-LINE – PORTUGUÊS – CURSO REGULAR PROFESSORA CLAUDIA KOZLOWSKI econômico é outro, bem mais favorável: as reservas brasileiras de gás simplesmente triplicaram em 2003 (hoje são 600 milhões de m3). Além disso, o Brasil firmou um acordo no qual se compromete a comprar parte da produção da Bolívia, aumentando ainda mais a oferta de gás no mercado interno. A disponibilidade do combustível, no entanto, não basta: a operação dos ônibus a diesel continua sendo mais econômica. Para contornar esse obstáculo, a Petrobras entrou em ação e, numa opção clara pelo meio ambiente, decidiu subsidiar o gás natural. “Nos próximos dez anos, as empresas de ônibus poderão adquirir o gás nas distribuidoras a um preço fixado em 55% do valor do diesel”, garante Paulo Barreiros, coordenador do Programa Tecnológico de Gás Natural (Progas) do Centro de Pesquisa da Petrobras (Cenpes). Conforme o uso desse combustível comece a crescer, a fabricação de ônibus a gás em grande escala deve tratar de diminuir a diferença de preço que existe na sua produção, operação e manutenção. Outro estímulo para as empresas de ônibus adotarem o gás natural é a melhoria da rede de distribuição desse combustível no Brasil. A infra-estrutura de abastecimento evoluiu muito em relação aos anos 80, e isso pode facilitar a revenda dos ônibus a gás para a renovação da frota, o que nem sempre era fácil no passado. Aproveitando o cenário favorável, a Petrobrás quer medir na ponta do lápis o desempenho de um ônibus movido a gás natural em comparação com ônibus a diesel, para melhor avaliar sua performance em condições reais de trânsito. (A hora e a vez do gás natural. Superinteressante. Abril de 2004, p. 10.) “A disponibilidade do combustível, no entanto, não basta: a operação dos ônibus a diesel continua sendo mais econômica.” Os dois-pontos empregados nesse trecho exercem a mesma função dos que estão presentes em: A) Tínhamos decerto três preocupações: produção, distribuição e eficiência. B) Dentre as vantagens desse produto, uma é inegável: o baixo custo de produção. C) Aumentar a produção era primordial: esta providência inibiria o aumento de preços. D) Nenhum teste adicional foi feito antes de pormos o produto no mercado: um erro indesculpável.O gabarito foi letra C.A oração que vem após o sinal de dois pontos tem caráter explicativo, da mesma formaque o trecho em destaque (função de aposto explicativo). Nesta, informa-se o motivo denão bastar somente a disponibilidade do gás – a economia que se obtém com o uso dediesel na frota de ônibus é maior.Já no segmento da opção c, informa-se por que o aumento da produção era principal:haveria inibição do aumento de preços.Nas opções a e c, os apostos têm função enumerativa (três preocupações: produção,distribuição e eficiência / Dentre as vantagens ..., uma é inegável: o baixo custo deprodução).Já na opção e, faz-se um comentário acerca da informação da oração anterior.TRAVESSÃO www.pontodosconcursos.com.br 11
  • 12. CURSOS ON-LINE – PORTUGUÊS – CURSO REGULAR PROFESSORA CLAUDIA KOZLOWSKISegundo o Formulário Ortográfico, “emprega-se o travessão, e não o hífen, para ligarpalavras ou grupos de palavras que formam, por assim dizer, uma cadeia na frase: Otrajeto Mauá–Cascadura”.A esse conceito, Evanildo Bechara (Moderna Gramática Portuguesa) acrescentou que “otravessão pode substituir os parênteses para assinalar uma expressão intercalada”.Assim, uma expressão explicativa ou simplesmente acessória pode serapresentada entre vírgulas, entre travessões ou entre parênteses.Veja como isso foi apresentado em prova.(UnB CESPE/Banco do Brasil/2002)Julgue o item que se segueA substituição de todos os travessões do texto por vírgulas respeitaria as regras dossinais de pontuação da norma culta e manteria a função de isolar, em um contexto,palavras ou frases.Está correta a afirmação. Podemos substituir os travessões por vírgulas, pois ambos têma função de isolar elementos de natureza explicativa. Contudo, a recíproca não éverdadeira. Nem sempre a vírgula pode ser substituída por travessão. Ela pode, naoração, indicar um deslocamento, caso em que não cabe outro sinal de pontuação.E se o período se encerrar com uma expressão explicativa iniciada por um travessão:posso fazer isso com um ponto final sem usar o segundo travessão?Sim, se o período se encerra juntamente com essa expressão explicativa (iniciada porvírgula ou travessão), o segundo travessão ou a segunda vírgula pode ser substituídapelo ponto final. No horário eleitoral, podemos ver inúmeros parlamentares denunciados por corrupção tentando a reeleição – o que só depende de você, eleitor.Se a expressão indicada entre os travessões estiver dentro de uma outra construçãoindicada entre vírgulas, não constitui erro a indicação do segundo travessão e, emseguida, a vírgula que encerra o deslocamento. Apesar de seu tamanho, que causava terror a todos os que não o conheciam, a sua índole era de uma criança inocente.Nesse exemplo, além do deslocamento de uma oração adverbial (Apesar de seutamanho), elemento suficiente e necessário para o emprego de uma vírgula, ainda háuma oração de natureza explicativa (a respeito do tamanho), que poderia ser isoladapor vírgulas, travessões ou parênteses (optou-se pelas vírgulas). A segunda vírgula, após“conheciam”, tem dupla função – encerrar a oração explicativa e indicar o fim dodeslocamento da oração adverbial.E se a oração explicativa viesse isolada por travessões – como ficaria?Haveria duas possibilidades – a primeira, manter os dois sinais (o travessão encerra aoração explicativa, enquanto que a vírgula indica o fim do deslocamento): Apesar de seu tamanho – que causava terror a todos os que não o conheciam – , a sua índole era de uma criança inocente. www.pontodosconcursos.com.br 12
  • 13. CURSOS ON-LINE – PORTUGUÊS – CURSO REGULAR PROFESSORA CLAUDIA KOZLOWSKIOu, a segunda, apenas a vírgula, que, nesse caso, continuaria em “dupla jornada detrabalho” – ao mesmo tempo, encerra a explicação e o deslocamento: Apesar de seu tamanho – que causava terror a todos os que não o conheciam, a sua índole era de uma criança inocente.Veja um bom exemplo do emprego dessa pontuação em uma questão de prova. (FGV / Ministério da Cultura /2006) Sem saber ainda direito como vai sobreviver – "as reservas que acumulei em Nova York estão indo embora" –, ele planeja as próximas paradas pela América do Sul. O trecho entre travessões indica: (A) uma contradição. (B) uma exemplificação. (C) uma explicação. (D) uma explicitação. (E) um questionamento.Resposta: CO período isolado por travessões tem caráter explicativo. Reproduz literalmente (por isso,as aspas em: "as reservas que acumulei em Nova York estão indo embora") as palavrasdo sujeito em que se baseia a afirmação da oração anterior (Sem saber direito como vaisobreviver).Note como houve o emprego do segundo travessão, indicando o fim da explicação, para,após isso, ser empregada também a vírgula que finaliza o deslocamento da oraçãoreduzida de infinitivo, formando [– ,].:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::Finalmente, o travessão também pode ser usado no lugar dos dois pontos, quandorepresenta a síntese do que se vinha dizendo, dando maior realce a essa conclusão(recurso estilístico): “Deixai-me chorar mais e beber mais Perseguir doidamente os meus ideais E ter fé e sonhar – encher a alma.” (C.Pessanha)PARÊNTESESSão usados sempre em dupla e servem para intercalar qualquer informação acessória,como uma explicação, uma circunstância, uma reflexão, uma nota do autor.Em relação aos sinais de pontuação, indica o Formulário Ortográfico:“Quando uma pausa coincide com o início da construção parentética [entre parênteses],o respectivo sinal de pontuação deve ficar depois dos parênteses mas, estando aproposição ou a frase inteira encerrada pelos parênteses, dentro deles se põe acompetente notação.”. www.pontodosconcursos.com.br 13
  • 14. CURSOS ON-LINE – PORTUGUÊS – CURSO REGULAR PROFESSORA CLAUDIA KOZLOWSKI “Não, filhos meus (deixai-me experimentar, uma vez que seja, convosco, este suavíssimo nome); não: o coração não é tão frívolo, tão exterior, tão carnal, quanto se cuida.” (Rui Barbosa)O ponto-e-vírgula permaneceu após o fim da construção entre os parênteses, porpertencer à oração que se antecedia a construção parentética. “A imprensa (quem a contesta?) é o mais poderoso meio que se tem inventado para a divulgação do pensamento.” (Carlos Laet)O ponto de interrogação pertence à oração entre parênteses e lá deve ser empregado.Quer uma questão de prova? Então, aí está ela!(CESPE UNB/DEFENSORIA DA UNIÃO/2002)Pensar o corpo apenas como máquina — ou, no limite, a sua substituição por “máquinasinteligentes — é o mesmo que ver sem perceber. A máquina funciona, o homem vive,isto é, estrutura seu mundo, seus valores e seu corpo. O que acontece quando se pensaque as máquinas são equivalentes a seres vivos? Um pensamento artificialista (segundoo qual é preciso tudo refazer pelo artifício humano) é levado até um ponto em que opróprio pensamento desaparece. Os cultores do artificialismo não distinguem, porexemplo, cérebro e mente. Ao desvendarem certos mecanismos do cérebro, pensam terdescoberto o segredo do pensamento. É certo que a vida mental é muito mais complexa.Adaulo Novaes. A máquina do homem e da ciência. In: 0 homem e a máquina - ciclo deconferências. Rio e Brasília: CCBB (com adaptações).Julgue o item que se segue.Por constituir uma explicação do termo anterior, a oração entre parênteses (l.5-6) admite ter os parênteses substituídos por travessões ou por vírgulas.Essa questão serve como um reforço de tudo o que vimos sobre o emprego de vírgulas,travessões e parênteses.Podemos substituir parênteses por travessões ou por vírgulas. Também podemossubstituir os travessóes por parênteses ou por vírgulas. Esse “troca-troca” é válido paraisolar elementos de natureza explicativa.Contudo (já vimos), nem sempre a recíproca é verdadeira (trocar as vírgulas pelosdemais). Este sinal (vírgula) possui outras funções além de isolar explicação – serve paraisolar conjunções, indicar deslocamento etc.ASPASUsam-se aspas para indicar uma citação (em todas as nossas aulas, há exemplos desseemprego, inclusive aqui), para destacar uma expressão ou palavra a que se queira darrelevo na construção, ou realçar ironicamente alguma palavra ou expressão. A isso eu chamo de “hipocrisia burra”. Esse é o país do “jeitinho”.Celso Cunha alerta para o emprego da pontuação no emprego de aspas:“Quando a pausa coincide com o final da expressão ou sentença que se acha entre aspas,coloca-se o competente sinal de pontuação depois delas, se encerram apenas uma parte www.pontodosconcursos.com.br 14
  • 15. CURSOS ON-LINE – PORTUGUÊS – CURSO REGULAR PROFESSORA CLAUDIA KOZLOWSKIda proposição. Quando, porém, as aspas abrangem todo o período, sentença, frase ouexpressão, a respectiva notação fica abrangida por elas.”Ou seja, o mesmo tratamento dispensado pelo Formulário Ortográfico aos parênteses.PONTO DE INTERROGAÇÃOO ponto de interrogação é empregado para indicar uma pergunta direta, ainda que estanão exija resposta.PONTO DE EXCLAMAÇÃOO ponto de exclamação é empregado para marcar o fim de qualquer enunciado comentonação exclamativa, que normalmente exprime admiração, surpresa, assombro,indignação etc.O ponto de exclamação é também usado com interjeições e locuções interjetivas: Oh! Valha-me Deus!O ponto de exclamação, nesses casos, somente acompanha a interjeição, não valendocomo o fim da frase. Por isso, ele acumula a função de vírgula: Ai! que saudade da Bahia.Perceba que a vírgula foi dispensada, porque a exclamação a substituiu. Note tambémque o sinal de pontuação não encerrou a frase; simplesmente acompanhou a interjeição.Se quiser usar inicial maiúscula após esse ponto, tudo bem. Mais erudito, porém, é nãousá-lo.RETICÊNCIASAs reticências são empregadas para marcar a interrupção da frase:a) para assinalar interrupção do pensamento ou hesitação em enunciá-lo: - Bem; eu retiro-me, que sou prudente. Levo a consciência de que fiz o meu dever. Mas o mundo saberá... (Júlio Dinis)b) para indicar, numa narrativa, certas inflexões de natureza emocional (de alegria, detristeza, de raiva): Mágoa de o ter perdido, amor ainda. Ódio por ele? Não... não vale a pena... (Florbela Espanca)c) como forma de realçar uma palavra ou expressão, colocando-se as reticências antesdela: E teve um fim trágico... pobrezinho...já tão novo com tanta responsabilidade! www.pontodosconcursos.com.br 15
  • 16. CURSOS ON-LINE – PORTUGUÊS – CURSO REGULAR PROFESSORA CLAUDIA KOZLOWSKIComo sinal melódico, indica uma pausa maior quando associado a outros sinais, como avírgula, o ponto de interrogação ou de exclamação. Passai, ó vagas..., mas passai de manso! (C.Alves) Certas pessoas merecem punição severa! ... esbravejou a vítima.Muitos gramáticos recomendam o uso de reticências (inclusive entre parênteses), noinício, no meio ou no fim de uma citação, para indicar supressão no trecho transcrito, emcada uma dessas partes.“Do mesmo modo que a frase não é uma simples seqüência de palavras, o texto não éuma simples sucessão de frases. São elos transfrásicos, (...), que fazem do texto umconjunto de informações.” (Elisa Guimarães, “A Articulação do Texto”)Celso Cunha, no entanto, faz distinção entre as reticências, como sinal melódico depontuação, e os três pontos que marcam a supressão de palavras, expressões ou trechosde um texto."Modernamente”, continua o professor, “para evitar qualquer dúvida, tende ageneralizar-se o uso de quatro pontos para marcar tais supressões, ficando os trêspontos como sinal exclusivo de reticências."É isso. Vamos praticar um pouco.QUESTÕES DE FIXAÇÃO1 - (NCE UFRJ/ ANTT / 2005)Assinale a letra que corresponde à melhor redação, considerando correção, clareza econcisão.(A) Alguns sabem que certas coisas não têm preço;(B) Sabem alguns, que certas coisas não tem preço;(C) Certas coisas não têem preço, é o que sabem alguns;(D) Sabem alguns que certas coisas não têem preço;(E) Alguns sabem que, certas coisas não têm preço.2 - (FUNDAÇÃO JOÃO GOULART / ENGENHEIRO CIVIL / 2004)“Nos doentes mentais, as ilusões são devidas à perturbação da atenção, ainfluências emocionais e a alterações da consciência.”Reescreve-se essa frase do texto em cada alternativa abaixo. A que está mal construídano que diz respeito à pontuação é:A) As ilusões são devidas à perturbação da atenção, a influências emocionais e aalterações da consciência nos doentes mentais.B) As ilusões nos doentes mentais, são devidas à perturbação da atenção, a influênciasemocionais e a alterações da consciência.C) Perturbação da atenção, influências emocionais e alterações da consciência: a taisfatos são devidas as ilusões nos doentes mentais. www.pontodosconcursos.com.br 16
  • 17. CURSOS ON-LINE – PORTUGUÊS – CURSO REGULAR PROFESSORA CLAUDIA KOZLOWSKID) Nos doentes mentais, as ilusões são devidas aos seguintes fatos: perturbação daatenção, influências emocionais e alterações da consciência.3 - (ESAF/AFC SFC/2000) Assinale a opção em que a afirmação a respeito da pontuaçãoadequada para o texto está incorreta.Para medir o efeito de uma nova tecnologia é preciso avaliar em que medida ela dá maiseficiência aos processos de produção das empresas. A era do vapor deslocou a produçãodo lar para a fábrica(1) com a eletricidade(2) surge a linha de montagem. Agora(3) comcomputadores e Internet(4) a possibilidade de as empresas reformularem(5) seusprocessos é surpreendente(6) da aquisição de insumos à descentralização e àterceirização.a) É correto colocar um sinal de ponto e vírgula em (1).b) Em (2), (3) e (4) é correto colocar vírgulas.c) Pode-se optar por travessões, parênteses ou vírgulas em (3) e (4).d) Em (5) há exigência do uso de vírgula.e) Pode-se colocar vírgula ou travessão em (6).4 - (NCE UFRJ / ANALISTA FINEP / 2006)“Daqui a mais ou menos 1 bilhão de anos, a Terra não será mais habitável”; o empregoda vírgula nesse caso se justifica porque se trata:(A) de um aposto;(B) de um vocativo;(C) de um termo em ordem inversa;(D) de uma necessidade de evitar-se ambigüidade;(E) de uma oração antecipada.5 - (BESC / ADVOGADO/ 2004)"Esse lapso, é óbvio, também será preenchido, esperam o governo e os próprios bancos,com a adoção de medidas que tornem essa travessia menos arriscada." (L.19-21)Assinale a alternativa em que, alterando-se a pontuação, não se altere o sentido da fraseacima.(A) Esse lapso é óbvio, também será preenchido, esperam o governo e os própriosbancos com a adoção de medidas que tornem essa travessia menos arriscada.(B) Esse lapso - é óbvio - também será preenchido - esperam o governo e os própriosbancos, com a adoção de medidas que tornem essa travessia menos arriscada.(C) Esse lapso, é óbvio, também será preenchido - esperam o governo e os própriosbancos - com a adoção de medidas que tornem essa travessia menos arriscada.(D) Esse lapso, é óbvio - também será preenchido, esperam o governo e os própriosbancos - com a adoção de medidas que tornem essa travessia menos arriscada. www.pontodosconcursos.com.br 17
  • 18. CURSOS ON-LINE – PORTUGUÊS – CURSO REGULAR PROFESSORA CLAUDIA KOZLOWSKI(E) Esse lapso, é óbvio, também será preenchido, esperam o governo e os própriosbancos, com a adoção de medidas, que tornem essa travessia menos arriscada.6 - (FGV / ICMS MS - Fiscal de Rendas / 2006)O modo de produção capitalista não tem vocação suicida, e nada indica que ele esteja aponto de morrer de morte natural.No trecho acima, utilizou-se corretamente a vírgula antes da conjunção e. Assinale aalternativa em que isso não tenha ocorrido.(A) Você deve sair antes de anoitecer, e antes de acenderem as luzes, e antes defecharem o comércio.(B) Ele muito se esforçou para a realização daquele projeto, e acabou não sendo bem-sucedido.(C) Os irmãos compreendiam-se mutuamente, e, portanto, respeitavam-se.(D) A expedição encontrou um grupo perdido, e todos voltaram juntos.(E) A maioria dos estudantes aprovou a proposta, e seus pais acataram a decisão.7 - (FGV / ICMS MS – ATI / 2006)Os olhos empapuçados são os mesmos mas o cabelo se foi e a barriga só parou decrescer porque não havia mais lugar atrás do balcão.Assinale a alternativa que ofereça pontuação igualmente correta para o trecho acima.(A) Os olhos empapuçados são os mesmos, mas o cabelo se foi, e a barriga só parou decrescer porque não havia mais lugar atrás do balcão.(B) Os olhos empapuçados, são os mesmos mas o cabelo se foi e a barriga só parou decrescer, porque não havia mais lugar atrás do balcão.(C) Os olhos empapuçados são os mesmos, mas o cabelo, se foi, e a barriga só parou decrescer porque não havia mais lugar, atrás do balcão.(D) Os olhos empapuçados são os mesmos mas, o cabelo, se foi e a barriga, só parou decrescer, porque não havia mais lugar atrás do balcão.(E) Os olhos empapuçados são os mesmos, mas o cabelo se foi, e a barriga, só parou decrescer porque não havia mais lugar, atrás do balcão.8 - (CESGRANRIO / PREF.MANAUS / 2004)Assinale a opção em que a retirada da(s) vírgula(s) NÃO modifica o sentido da sentença.(A) João, desenha uma ave no caderno.(B) No dia 5 de outubro, comemora-se o Dia da Ave.(C) Chamei a menina, que estava sentada, e ela não se mexeu.(D) Ela falava sem parar – da festa, do fim de semana e das férias de verão.(E) A secretária, organizada, não deixa trabalho para o dia seguinte. www.pontodosconcursos.com.br 18
  • 19. CURSOS ON-LINE – PORTUGUÊS – CURSO REGULAR PROFESSORA CLAUDIA KOZLOWSKI9 - (UnB CESPE/Banco do Brasil/2002)A indústria armamentista movimenta anualmente cerca de 800 bilhões de dólares. É umaquantia equivalente a 2,5% do PIB mundial. Com um investimento de apenas 8 bilhõesde dólares — menos do que quatro dias de gastos militares mundiais —, todas ascrianças do planeta que hoje estão fora da escola poderiam freqüentar uma sala de aula.Aliás, a fabricação de um único tanque de guerra consome o equivalente à construção de520 salas de aula, e o custo de um avião de caça supersônico daria para equipar 40 milconsultórios médicos.“O desperdício da indústria da guerra”. In: Família Cristã, ano 68, n./ 795, mar./2002, p.12 (com adaptações).Julgue o item a seguir. ♦ Na linha 4, a ausência de vírgulas para isolar a oração “que hoje estão fora da escola” indica que ela constitui restrição a “crianças do planeta”.10 - (FCC / INSS MEDICO / 2006)A fragmentação dos objetivos intelectuais em compartimentos cada vez mais estreitosprovocou, na nossa época, uma verdadeira confusão de idiomas.Julgue a correção do item que se segue, em relação à pontuação. • No período acima, a elisão da vírgula aposta a provocou não prejudica a correção da frase, considerada a norma culta da língua.11 - (FCC / BANCO DO BRASIL / 2006)Está plenamente correta a pontuação do seguinte segmento:(A) Pode viver um homem sem acesso à civilização. Não pode: embora haja muitos quepensem o contrário. O que não é evidentemente, o caso do cronista.(B)) O poeta Álvares de Azevedo, no século XIX, parecia alimentar a mesma convicçãodo cronista. Embora fosse um romântico, o poeta ridicularizava os idealistas que,tendenciosamente, omitiam as agruras da vida natural.(C) O cronista é um dos maiores humoristas nossos, sem receio de ofender pontos devista alheios, costuma atacar o senso comum; no que este tem de vicioso e sobretudo,artificial.(D) Provavelmente se sentirão hostilizados, aqueles que defendem as delícias da vidanatural. Em compensação: os que relutam em aceitá-la, muito se divertirão com essacrônica.(E) Não se privaria o cronista, do conforto que oferecem instalações sanitárias, em nomede uma vida mais pura e mais rústica. Por que haveríamos de renunciar aos ganhos dacivilização, pergunta-se ele?12 - (ESAF/AFRF/2002.1)A revolução da informação, o fim da guerra fria – com a decorrente hegemonia de umasuperpotência única – e a internacionalização da economia impuseram um novo equilíbriode forças nas relações humanas e sociais que parece jogar por terra as antigas www.pontodosconcursos.com.br 19
  • 20. CURSOS ON-LINE – PORTUGUÊS – CURSO REGULAR PROFESSORA CLAUDIA KOZLOWSKIaspirações de solidariedade e justiça distributiva entre os homens, tão presentes nossonhos, utopias e projetos políticos nos últimos dois séculos. Ao contrário: o novomodelo – cuja arrogância chegou ao extremo de considerar-se o ponto final, senãoculminante, da história – promove uma brutal concentração de renda em âmbitomundial, multiplicando a desigualdade e banalizando de maneira assustadora a perversãosocial.Julgue se os itens a respeito do emprego dos sinais de pontuação no texto são falsos (F)ou verdadeiros (V) para, em seguida, assinalar a opção correta.( ) As duas ocorrências de duplo travessão demarcam intercalações e desempenham função análoga à dos parênteses.( ) As vírgulas que se seguem a “homens”(l.4) e “sonhos”(l.5) destacam uma explicativa restritiva e, por isso, seu emprego é opcional.( ) O emprego de dois-pontos após “contrário”(l.5) justifica-se por introduzir um esclarecimento sobre o que foi dito no período anterior.( ) A função das vírgulas que isolam a expressão “senão culminante”(l.6-7) é a de destacá-la sintaticamente e dar-lhe relevo estilístico.A ordem correta dos itens éa) V F V Fb) F F V Fc) V F F Vd) V F V Ve) F V V V13 - (ESAF/Fiscal do Trabalho/2003)A sociedade baseada na liberdade contratual será sempre, em grande parte, umasociedade de classes, cuja estrutura é defendida em vantagem dos ricos. Cumpreassociar o indivíduo no processo de autoridade, isto é, o trabalhador no poder industrial.A exclusão de alguém de uma parcela do poder é, forçosamente, a exclusão daquele dosbenefícios deste. Todos deviam e devem, portanto, ter direito a uma parte dos resultadosda vida social. E as diferenças devem existir somente quando necessárias ao bemcomum. Impõe-se, pois, uma igualdade econômica maior, porque os benefícios que umhomem pode obter do processo social estão aproximadamente em função de seu poderde consumo, o que resulta do seu poder de propriedade. Assim os privilégios econômicossão contrários à verdadeira sociedade democrática. O próprio conceito de liberdaderedefine-se através dos séculos, de acordo com as circunstâncias históricas e odesenvolvimento das forças econômicas. E a liberdade, no mundo atual, só existirá defato quando assentada na segurança e em função da igualdade. É que a verdadeirademocracia, já o disse Turner, “é o direito do indivíduo de compartilhar as decisões querespeitam a sua vida e da ação necessária à execução de tais decisões”. Para que aliberdade realmente exista, é preciso que a sociedade se estruture sobre cooperação enão sobre a exploração. E assim os homens serão livres. (João Mangabeira, Oração do Paraninfo, proferida em Salvador, BA, em 8/12/1944, com adaptações)Analise as seguintes afirmações a respeito do uso dos sinais de pontuação no texto. www.pontodosconcursos.com.br 20
  • 21. CURSOS ON-LINE – PORTUGUÊS – CURSO REGULAR PROFESSORA CLAUDIA KOZLOWSKII. O emprego da vírgula depois de “classes” (l.2) é opcional e, por isso, sua retirada nãocausa prejuízo gramatical ao texto.II. Devido ao valor explicativo do período iniciado por “A exclusão”(l.4), as regrasgramaticais permitem trocar o ponto final que o antecede pelo sinal de dois pontos,desde que se empregue o artigo com letra minúscula.III. Apesar de não ser obrigatório o emprego da vírgula depois de “Assim”(l.9), o valorconclusivo do advérbio recomenda que aí seja inserida.IV. Por se tratar de uma citação, as regras gramaticais admitem que o período entreaspas (l.14-15) seja precedido do sinal de dois pontos, em lugar de vírgula; e, nessecaso, as aspas podem ser retiradas.a) todos os itens estão corretos.b) nenhum item está correto.c) apenas o item II está correto.d) apenas os itens II e III estão corretos.e) apenas os itens II, III e IV estão corretos.14 - (ESAF/Técnico ANEEL /2006)Apesar das dificuldades, o Programa de Metas foi executado e seus resultadosmanifestam-se na transformação da estrutura produtiva nacional. O governo JK, quesoube mobilizar com maestria a herança de Vargas e elevar a auto-estima do povobrasileiro, realizou-se em condições democráticas, com liberdade de imprensa etolerância política. A taxa de inflação, que em 1956 foi de 12,5%, no final do governo JK,elevou-se para o patamar de 30,5%. A Nação, por sua vez, obteve um crescimentoeconômico médio de 8,1% ao ano. Apesar das pressões do Fundo MonetárioInternacional (FMI), que já advogava o “equilíbrio fiscal” e o Estado mínimo para o Brasil,e de setores conservadores da vida brasileira, JK conseguiu elevar o PIB nacional emcerca de 143%. E tudo isto ocorreu em um contexto marcado por um déficit detransações correntes que atingiu 20% das exportações em 1957 e 37% em 1960, o queampliava a fragilidade externa e fazia declinar a condição de solvência da economiabrasileira. No entanto, foi graças ao controle do câmbio e ao regime de incentivos criadosque as importações de bens de consumo duráveis foram contidas.(Rodrigo L. Medeiros, com adaptações)Em relação ao texto, julgue a assertiva. • As vírgulas após “JK” (l.2) e após “brasileiro”(l.4) isolam oração de natureza restritiva.15 - (FCC/TRE MG /2005)A supressão da(s) vírgula(s) implicará alteração de sentido na frase:(A) Ao longo das últimas décadas, as obras de Umberto Eco vêm ganhando mais e maisrespeitabilidade.(B) Umberto Eco homenageia os cientistas, que combatem o obscurantismofundamentalista. www.pontodosconcursos.com.br 21
  • 22. CURSOS ON-LINE – PORTUGUÊS – CURSO REGULAR PROFESSORA CLAUDIA KOZLOWSKI(C) O grande pensador italiano, Umberto Eco, homenageia em seu texto a atitude de umgrande cientista.(D) Na atitude de Stephen Hawking, há uma grandeza que todo cientista deveria imitar.(E) Não há como deixar de reconhecer, no texto de Humberto Eco, uma homenagem aStephen Hawking.16 - (FCC/TRE MG/2005) Atente para as seguintes frases:I. A preocupação do autor é com os jornalistas, cuja liberdade de expressão se encontraameaçada.II. Os jornalistas, que costumam cuidar de seus próprios interesses, não preservam suaindependência.III. O direito à livre informação é dos jornalistas e, também, da sociedade como um todo.A supressão da(s) vírgula(s) altera o sentido APENAS do que está em(A) I.(B) II.(C) III.(D) I e II.(E) II e III.GABARITOS COMENTADOS DAS QUESTÕES DE FIXAÇÃO1–AVimos que a vírgula não pode separar elementos inseparáveis, que são: sujeito do verbo,verbo do complemento, termo regido do termo regente, conjunção ou pronome relativoda oração correspondente.Se houver uma intercalação separando-os, deve haver DUAS VÍRGULAS e não apenasuma.A oração totalmente correta está na letra a.As demais apresentam os seguintes erros.b) O verbo saber está separado de seu complemento oracional (que certas coisas nãotêm preço) por uma vírgula após o termo que exerce a função de sujeito (alguns).Além disso, houve um erro de concordância verbal (“tem” no lugar de “têm”, que possuio substantivo “coisas” como núcleo do sujeito).c) Que coisa feia é essa de “têem”??? Cruzes!d) Olha essa feiúra aí de novo!!! Será que a banca imaginou que alguém ia marcar umacoisa dessas como CERTA?!?!?! SOCORRO!e) Nessa opção, a conjunção “que” está separada indevidamente do restante da oração aque pertence.2–B www.pontodosconcursos.com.br 22
  • 23. CURSOS ON-LINE – PORTUGUÊS – CURSO REGULAR PROFESSORA CLAUDIA KOZLOWSKIBusca-se a opção em que se verifica erro de pontuação. Vejamos a construção da opçãob:As ilusões nos doentes mentais, são devidas à perturbação da atenção, a influênciasemocionais e a alterações da consciência.Houve uma indevida separação do sujeito (As ilusões) do verbo correspondente (são) pormeio de uma vírgula isolada. Há duas formas de correção: elimina-se a vírgula (Asilusões nos doentes mentais são devidas...) ou coloca-se uma outra vírgula, isolando aexpressão “nos doentes mentais” (As ilusões, nos doentes mentais, são devidas...).3–DEm “a possibilidade de as empresas reformularem (5) seus processos”, a vírgula nãopode ser colocada nesse ponto, pois estaria separando o verbo reformular de seucomplemento verbal seus processos – um dos casos de proibição.Vamos analisar cada uma das demais propostas:a) Correta. Encerra-se a primeira passagem, mas o período seguinte segue a mesma linha argumentativa. Por isso, o melhor sinal é o ponto-e-vírgula: “A era do vapor deslocou a produção do lar para a fábrica; com a eletricidade [uma nova era]...”.b) Correta. Em (2), indica-se, com a vírgula, o deslocamento da expressão adverbial “com a eletricidade” para o início da oração. Por sua vez, a expressão “com computadores e Internet”, de valor adverbial, deve ser isolada por vírgulas em (3) e (4).c) Correta. Com o emprego de vírgulas, travessões ou parênteses, destaca-se o valor explicativo da expressão adverbial “com computadores e Internet”.e) Correta. Também de valor explicativo (justifica-se o fato de ser considerado surpreendente), é indicada a vírgula ou o travessão. Tendo em vista o fim do período com a expressão explicativa, no lugar do segundo sinal (que faria a “dobradinha” com o primeiro) é colocado o ponto que encerra todo o período.4–CO deslocamento da expressão circunstancial “Daqui a mais ou menos 1 bilhão de anos”(adjunto adverbial de tempo), por não ser curto, exige o emprego de vírgula. É um termodeslocado ou, nas palavras do examinador, em ordem inversa.Na ordem direta, a construção seria “A Terra não será mais habitável daqui a mais oumenos 1 bilhão de anos.”.5–CExpressões ou orações intercaladas, que apresentem comentários ou explicações, devemser isoladas por vírgulas, de modo a não interferir no restante da estrutura oracional.Note que na opção a houve uma alteração de sentido da expressão “é óbvio”, somentecom a retirada de uma das vírgulas que deveriam isolá-la. De acordo com a novaapresentação, o que “é óbvio” não é mais “o preenchimento do lapso” (“Esse lapso, é www.pontodosconcursos.com.br 23
  • 24. CURSOS ON-LINE – PORTUGUÊS – CURSO REGULAR PROFESSORA CLAUDIA KOZLOWSKIóbvio, também será preenchido”), mas o próprio “lapso”: Esse lapso é óbvio, tambémserá preenchido.Em outra construção igualmente errada (opção d), houve a separação do sujeito “lapso”da forma verbal passiva correspondente “será preenchido”, por meio de travessão.Outra expressão que deveria se manter isolada: esperam o governo e os própriosbancos. Contudo, isso não foi respeitado nas construções das opções a e d (abriu comtravessão e fechou com vírgula – um “samba do crioulo doido”...rs...).O erro da opção e foi separar uma oração adjetiva restritiva de seu antecedente porvírgula (“medidas que tornem essa travessia menos arriscada”).6–CNão está errado empregar uma vírgula antes da conjunção “e”. O problema é como fazerisso para não errar. O autor do texto fez com perfeição, já que os sujeitos das oraçõescoordenadas são diferentes (o primeiro – “o modo de produção capitalista”, e o segundo,“nada”).Quando o sujeito das duas orações for o mesmo, isso não será possível, a não ser emcasos muito especiais, por questões de clareza textual (quando, por exemplo, a primeiraoração for muito longa e houver a necessidade de se retomar o sujeito distante).Muita gente deve ter achado estranha a primeira construção (opção a). Contudo, emaula, vimos os casos de polissíndeto, em que podemos repetir a conjunção para darênfase aos elementos (lembra do poema de Vinícius?).Então, estaria correta a construção. Reforça-se, com a repetição, a necessidade de sesair cedo – antes de anoitecer, antes de acenderem as luzes, antes de fecharem ocomércio.Na opção b, a conjunção “e” tem valor adversativo. Vimos na aula sobre conectivos quesó podemos afirmar o valor da conjunção no período, lembra? Então, há entre a primeirae a segunda oração idéias contrárias – muito esforço na realização do projeto ≠projeto mal-sucedido. Por isso, está correta a pontuação.No período da opção d, os sujeitos são distintos, assim como o fez o autor do texto. Naprimeira oração, o sujeito é “A expedição”, enquanto que, na segunda, é o pronome“todos”.Por fim, também são diferentes os sujeitos do último período: “a maioria dos estudantes”e “seus pais”. Assim, é possível o emprego de vírgula antes da conjunção aditiva “e”.7–ATemos, nessa questão, vários dos casos de proibição. Vamos enumerar alguns deles. www.pontodosconcursos.com.br 24
  • 25. CURSOS ON-LINE – PORTUGUÊS – CURSO REGULAR PROFESSORA CLAUDIA KOZLOWSKIb) vírgula separando sujeito do verbo: “Os olhos empapuçados(,) são os mesmos”;vírgula antes de conjunção causal (é possível antes de conjunção explicativa):“a barriga só parou de crescer (conseqüência)(,) porque (causa) não havia mais lugar...”.c) vírgula separando sujeito do verbo: “o cabelo (,) se foi”; a expressão “atrás dobalcão” já está no fim do período, não havendo justificativa para uma pausa (indicadapor vírgula).d) vírgula após a conjunção adversativa “mas” (seria possível ANTES e nãoDEPOIS) + vírgula separando sujeito do verbo: “mas(,) o cabelo, se foi” e “abarriga(,) só parou de crescer”; vírgula antes de conjunção causal (é possível antesde conjunção explicativa).e) vírgula separando sujeito do verbo: “a barriga(,) só parou de crescer”; vírguladesnecessária antes de “atrás do balcão”.8–BAgora, a pontuação que envolve orações adjetivas. Lembre-se: não existe casoFACULTATIVO de vírgula com oração adjetiva. OU A VÍRGULA É PROIBIDA (ORAÇÃOADJETIVA RESTRITIVA), OU A VÍRGULA É OBRIGATÓRIA (ORAÇÃO ADJETIVAEXPLICATIVA).Vejamos caso a caso:a) João, desenha uma ave no caderno.Com a vírgula, isola-se um vocativo (João). Sua retirada tornaria esta uma oraçãoafirmativa (João desenha uma ave no caderno.). Ocorre, pois, alteração semântica.b) No dia 5 de outubro, comemora-se o Dia da Ave.A vírgula isola um elemento deslocado. Na ordem direta, seria: “Comemora-se o Dia daAve no dia 5 de outubro.”. Como o elemento é curto e de fácil entendimento, não haveriaprejuízo algum o deslocamento sem vírgula: No dia 5 de outubro comemora-se o Dia daAve. Assim, com a retirada da vírgula, não ocorre nenhuma mudança de sentido dafrase. Esta é a resposta correta.c) Chamei a menina, que estava sentada, e ela não se mexeu.A oração adjetiva, por estar isolada por vírgulas, tem valor explicativo. Com a retirada davírgula, ela se tornaria uma oração adjetiva restritiva. Haveria, assim, mudançasemântica na construção.d) Ela falava sem parar – da festa, do fim de semana e das férias de verão.Com a vírgula, pode-se entender que são três os temas de que ela falava: da festa, dofim de semana e das férias de verão. Com a ausência da vírgula, a expressão “do fim desemana” deixa de ser um complemento verbal (ela falava do fim de semana) e passa aser um complemento nominal, em relação a “festa” (“a festa do fim de semana”).Também ocorre aí alteração de sentido.e) A secretária, organizada, não deixa trabalho para o dia seguinte.Da mesma forma que na construção da opção c, haveria a transformação de valor dotermo isolado por vírgula: de explicativo (A secretária, por ser organizada, não deixa www.pontodosconcursos.com.br 25
  • 26. CURSOS ON-LINE – PORTUGUÊS – CURSO REGULAR PROFESSORA CLAUDIA KOZLOWSKItrabalho para o dia seguinte.), passaria a ser restritivo (Aquela secretária que éorganizada não deixa trabalho para o dia seguinte.).9 - Item CORRETOÉ exatamente essa a característica da oração subordinada restritiva – está ligada aotermo antecedente de forma direta, sem vírgula.10 – Item INCORRETOA retirada da vírgula após “provocou” provocaria uma separação entre esse verbo e seucomplemento, representado por “uma verdadeira confusão de idiomas”, em virtude damanutenção da vírgula após a palavra “época”.11 - BAs demais opções apresentam os seguintes erros.(A) O primeiro período, na verdade, deveria ser interrogativo (“Pode viver um homemsem acesso à civilização?”), apresentando-se a resposta no segundo período (“Nãopode”). A partir daí, uma vírgula o separa da oração subordinada concessiva (“Não pode,embora haja muitos que pensem o contrário”). Os dois pontos estão empregados deforma incorreta.Ademais, o verbo “ser” foi separado indevidamente de seu complemento “o caso docronista” por uma vírgula, e a expressão adverbial “evidentemente” deveria vir isoladapor DUAS vírgulas ou sem nenhuma delas, por ser um termo curto e de fácilentendimento. Somente uma vírgula implica erro de pontuação para o período.(C) O primeiro período se encerra em “nossos”. Deve ser indicada essa interrupção porum ponto. A seguir, está indevidamente empregado o ponto-e-vírgula, que separa overbo “atacar” de seu complemento (“atacar no que este tem ...”). Por fim, faltou aprimeira vírgula da série que isola o vocábulo “sobretudo” (“e, sobretudo, artificial.”).(D) O sujeito do verbo “sentir” é “aqueles”. Na ordem direta, isso fica mais claro(Aqueles [que defendem as delícias da vida natural] se sentirão hostilizadosprovavelmente.). Uma vírgula separa o sujeito (aqueles) do verbo correspondente,devendo ser retirada. No período seguinte, a expressão introdutória “Em compensação”deve ser seguida por uma vírgula, e não pelo sinal de dois pontos.Em seguida, mais uma vez a vírgula separa o sujeito, representado pelo pronomedemonstrativo “os” (em “os [que relutam em aceitá-la]”), do predicado “muito sedivertirão”, incorrendo em um dos casos de proibição (separar sujeito do verbo).(E) O complemento indireto do verbo bitransitivo privar foi separado deste por umaindevida vírgula (“Não se [objeto direto] privaria o cronista [sujeito] do conforto[objeto indireto]”).12 – DA ordem é V/F/V/V.1º item) VERDADEIRO www.pontodosconcursos.com.br 26
  • 27. CURSOS ON-LINE – PORTUGUÊS – CURSO REGULAR PROFESSORA CLAUDIA KOZLOWSKIVimos que os travessões se prestam para, assim como os parênteses, apresentarexpressões acessórias, como no caso das construções destacadas.2º item) FALSOQue doideira é essa “explicativa restritiva”?! As orações adjetivas podem ser explicativas(com vírgula obrigatória) ou restritivas (com vírgula proibida). Não existe caso de vírgulaopcional em orações adjetivas. A primeira, antes de “tão presentes...”, introduzconstrução adjetiva em relação a “antigas aspirações”; a segunda separa itens de mesmafunção sintática em uma enumeração – “tão presentes em sonhos, utopias e projetospolíticos”. Percebe-se, assim, que elas não têm relação entre si.3º item) VERDADEIROÉ exatamente essa a função dos dois pontos, podendo também ser usada a vírgula, queestabelece uma pausa mais breve. Se a intenção for de maior destaque, usa-se o ponto(“Ao contrário. O novo modelo...”).4º item) VERDADEIROEm lugar das vírgulas, poderiam também ser usados travessões ou parênteses.13 - EEstá incorreto apenas o item I.Como já vimos, a vírgula em orações adjetivas ou é obrigatória (explicativa) ou proibida(restritiva). Não há caso de vírgula opcional. Essa vírgula tem a função de iniciar umaoração subordinada adjetiva explicativa, em relação a sociedade de classes.Estão corretos os itens:II - A associação proposta na oração anterior será apresentada na oração iniciada por “Aexclusão”. Portanto, está correta a sugestão.III – Por ser curto o advérbio, houve a dispensa da vírgula. Contudo, devido ao seuvalor conclusivo, melhor seria mantê-la após Assim.IV – As aspas servem para indicar que as palavras não pertencem ao autor do texto,mas àquela pessoa mencionada por ele. A partir da colocação do sinal de dois pontos,essa distinção fica clara, passando o emprego das aspas a ser facultativo.14 - Item INCORRETO.Como vimos no início do nosso estudo e ao longo dessa aula, as orações adjetivasrestritivas NÃO PODEM SER ISOLADAS POR VÍRGULAS. O valor do segmento destacado éexplicativo, o que justifica a pontuação empregada.15 - BCuidado com o enunciado. O examinador não busca a opção em que haverá prejuízogramatical com a retirada da vírgula, mas a em que haverá alteração semântica(“sentido na frase”).Observamos que essa alteração ocorre com a retirada da vírgula que inicia a oraçãosubordinada adjetiva explicativa. Do modo com é apresentada na construção, a oração www.pontodosconcursos.com.br 27
  • 28. CURSOS ON-LINE – PORTUGUÊS – CURSO REGULAR PROFESSORA CLAUDIA KOZLOWSKI“que combatem o obscurantismo fundamentalista” indica essa prática por todos oscientistas a quem Umberto Eco presta homenagem.A partir da retirada do sinal de pontuação, haveria mais de uma “espécie” de cientista, esó aos cientistas que combatem o obscurantismo fundamentalista o pensadoritaliano só renderia homenagens.16 - DNa oração I, com a vírgula, afirma-se que o autor se preocupa com todos os jornalistas,pois eles (todos eles!) têm sua liberdade de expressão ameaçada. Após a retirada dosinal, a oração deixa de ter valor explicativo e passa a ser restritiva. Assim, de todos osjornalistas existentes no planeta, a preocupação do autor é em relação àqueles cujaliberdade de expressão se encontra ameaçada. Há, portanto, alteração semântica com aretirada da vírgula.O mesmo acontece na oração II – após a retirada da vírgula, afirma-se que, do universode jornalistas, aqueles que costumam cuidar de seus próprios interesses não preservamsua independência.Já na oração III, a retirada da vírgula não provoca nenhuma alteração no sentido dafrase. A expressão “também” admite ser colocada diretamente na oração, sem pausas:“O direito à livre informação é dos jornalistas e também da sociedade como um todo”.Assim, houve alteração somente nas orações dos itens I e II.Bons estudos e até a próxima - última aula chegando aí, pessoal!No próximo encontro, veremos alguns casos que envolvem interpretação detextos e ordenação textual, questão de prova típica da ESAF.Abraço e até lá. www.pontodosconcursos.com.br 28