Your SlideShare is downloading. ×
Administracao icms
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Introducing the official SlideShare app

Stunning, full-screen experience for iPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Administracao icms

11,275
views

Published on


0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
11,275
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
113
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. pág.:1 pág.:1 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHO Olá alunos! Em primeiro lugar, quero dizer que é um prazer tê-los conosco nesses encontros onde estaremos falando sobre a administração geral e pública, formatado especialmente para o concurso de Agente Fiscal de Rendas do Estado de São Paulo (ICMS/SP), cuja banca examinadora será a Fundação Carlos Chagas. Meu nome é José Carlos Oliveira de Carvalho. Sou mestre em Ciências Contábeis pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro – UERJ (área de concentração: Auditoria) e Doutorando em Administração pela Fundação Getúlio Vargas - FGV. Especialista em Docência Superior pela FABES, graduei-me em Ciências Contábeis pela Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ. Atualmente, sou auditor-geral e diretor do Departamento de Fraudes Contábeis do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro, cedido pelo Tribunal de Contas do Rio de Janeiro, onde sou auditor (concursado). Já ocupei os cargos de auditor-fiscal (concursado), de oficial do exército e de técnico em contabilidade (concursado) na Prefeitura do Rio de Janeiro. Leciono na Fundação Getúlio Vargas - FGV, no Conselho Regional de Contabilidade do Rio de Janeiro – CRCRJ e em diversos cursos preparatórios para concursos no Rio de Janeiro, Espírito Santo, Amazonas, São Paulo e Brasília. Também sou auditor independente e consultor de empresas no Rio de Janeiro e no Espírito Santo. Nosso curso terá, além desta aula, mais cinco aulas, onde abordaremos de maneira simplificada e direta o conteúdo programático constante do edital e, ainda, incluiremos questões de concursos anteriores relativas aos temas apresentados com o respectivo gabarito. A formatação foi preparada para que você se sinta apto e estimulado a compreender e aproveitar da maneira adequada tudo o que lhe for apresentado, sentindo-se confiante a fazer uma boa prova sem nervosismos. É importante que você não sinta vergonha em expor suas dúvidas no nosso “fórum de debates”, uma vez que a dúvida de hoje pode aparecer em forma de questão no dia da prova! Ao contrário do que muitas pessoas imaginam, os professores gostam muito de responder às dúvidas dos alunos, porque provam que eles estão estudando e se esforçando para fazer o seu melhor. Antes de começar a estudar, você precisa realmente querer estudar. Isso faz toda a diferença. Dedique seu tempo, atenção e concentração e não se preocupe em ser apenas mais um entre milhares de pessoas que estão se inscrevendo para a prova do concurso. Faça a sua parte. Se você quiser, você pode e será um grande vitorioso! E então? Aceita o desafio? Então comece agora mesmo seus estudos e faça parte do nosso time de vencedores! www.pontodosconcursos.com.br 1PDF processed with CutePDF evaluation edition www.CutePDF.com
  • 2. pág.:2 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOO material apresentado a seguir refere-se a um resumo da evolução dopensamento administrativo ao longo dos anos. Neste nosso primeiroencontro, estudaremos parte das diversas Teorias de Administração, acontribuição de cada uma delas para a Ciência da Administração, seuenfoque e variáveis, baseados na obra do autor Idalberto Chiavenato.Vale ressaltar que se trata de material de uso pessoal, não podendo serrepassado a terceiros, em caráter gratuito ou oneroso, seja impresso,por e-mail ou qualquer outro meio de transmissão sob risco de violaçãodo estabelecido na Lei n. º 9.610/1998 e no Código Penal. Desde jáagradecemos a compreensão e estamos abertos para qualquer dúvidaou pendência, tanto sobre o material quanto para qualquer outroassunto relacionado ao concurso em questão. AULA ZERO: INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO GERALVamos começar nossos estudos conversando sobre as Teorias Gerais deAdministração, que correspondem à Natureza e evolução doConhecimento Administrativo constante em nosso edital do ICMS/SP.Grande parte do restante do conteúdo programático está incluso noestudo destas Teorias, mesmo encontrando-se descritos separadamenteno edital. Os outros assuntos referem-se à Gestão de Pessoas,Comportamento Organizacional, Administração Pública e atualidades daabordagem administrativa moderna.Como o conteúdo programático é muito extenso, eu entendo que vocêspodem ter alguma dificuldade para recordar todos os tópicos dasmatérias que iremos estudar, por isso, durante o curso, vou mostrandoalgumas dicas de pontos que vocês não podem esquecer no dia daprova, e, a partir daí, fica mais fácil deduzir a resposta de questões quevocês não conseguirem se lembrar na hora.O estudo da Administração não é difícil, mas tem muitos nomes depersonagens que marcaram época, princípios de cada abordagem,inovações... Enfim, felizmente tudo isso tem uma seqüência lógica e quese vocês conseguirem entender (e não decorar!) os principais pontos, émuito possível que consigam responder às questões com o seu bomsenso, porque, excluindo as abordagens que fizeram parte da História,os assuntos atuais nós estamos vivenciando, estamos lendo nos jornaistodos os dias, nas revistas, nos jornais internos das empresas quetrabalhamos, e, principalmente, no nosso dia-a-dia. www.pontodosconcursos.com.br 2
  • 3. pág.:3 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOOutra dica importante é ler e responder a prova inteira antes de passaras respostas para o cartão definitivamente, isso porque, o enunciado dealguma questão pode te ajudar a lembrar a resposta de outra que vocêestava em dúvida.Nós que somos professores especializados em concursos estamossempre estudando as provas, as questões abordadas, tudo com o intuitode preparar aulas que sejam mais voltadas para os assuntos quecostumam se repetir, já que temos pouco tempo e muita matéria paraestudar. Nossa grande missão é facilitar a vida dos alunos, de forma queeles estudem a coisa certa e da maneira certa. ADMINISTRAÇÃO GERALEm uma época de complexidades, mudanças e incertezas como a queatravessamos hoje, a Administração tornou-se uma das maisimportantes áreas de atividade humana. Vivemos em uma civilizaçãoonde o esforço cooperativo do homem é a base fundamental dasociedade. Sendo assim, a tarefa básica da Administração é a de fazercoisas por meio de pessoas. Administrar significa interpretar osobjetivos propostos pela organização e transformá-los em açãoorganizacional, por meio do planejamento, organização, direção econtrole de todos os esforços realizados em todas as áreas e em todosos níveis da organização, a fim de alcançar tais objetivos da maneiramais adequada (eficiente).A Administração, tal como a encontramos hoje, é o resultado histórico eintegrado da contribuição comunicativa de numerosos precursores,filósofos, físicos, economistas, estadistas e empresários que, no decorrerdos tempos, foram cada qual no seu campo de atividades,desenvolvendo e divulgando suas obras e teorias.Assim, como combinamos no início, a fim de efetuarmos umaabordagem completa, a evolução do pensamento administrativo,estudaremos as diversas Teorias de Administração. A contribuição decada uma delas para a Ciência da Administração, seu enfoque evariáveis. www.pontodosconcursos.com.br 3
  • 4. pág.:4 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHODica: Esse quadrinho abaixo é de extrema importância para sua prova!!É um resumo do mínimo que você precisa saber para começar a pensarem fazer uma prova de administração! Ênfase: Teorias Administrativas: Principais enfoques: Nas tarefas Administração Racionalização do trabalho no Científica Nível Operacional Teoria Clássica Organização formal. Teoria Neoclássica Princípios Gerais da Administração Funções do administrador. Na Teoria da Burocracia Organização Formal Burocrática. estrutura Racionalidade Organizacional. Teoria Estruturalista Múltipla abordagem: Organização formal e informal Análise Infra-Organizacional Análise Interorganizacional Teoria das relações humanas Organização Informal. Motivação, liderança, comunicações e dinâmica de grupo. Nas Teoria do Comportamento Estilos de Administração. pessoas Organizacional Teoria das decisões. Integração dos Objetivos Organizacionais e Individuais. Teoria do Desenvolvimento Mudança Organizacional Planejada. Organizacional Abordagem de Sistema Aberto. Teoria Estruturalista Análise Infra-Organizacional e No Teoria Neo-estruturalista Análise Ambiental ambiente Abordagem do Sistema Aberto Teoria da Contingência Análise Ambiental (imperativo ambiental) Abordagem de Sistema Aberto Na Teoria da Contingência Administração da Tecnologia tecnologia (imperativo tecnológico)(Tabela 1.1 – As Principais teorias administrativas e seus principais enfoques, pág.07 – retiradado livro do Prof. CHIAVENATO, Idalberto. Introdução à Teoria Geral da Administração.Edição Compacta – 3a. Edição. Editora Campus).Considerando a complexidade das organizações nos dias de hoje, atarefa de administrar (condução racional das atividades de umaentidade) requer um aparato de pessoas estratificadas em diversosníveis hierárquicos que se ocupam de incumbências diferentes. Nessesentido, três são as habilidades necessárias para que o administradorpossa trabalhar eficazmente:• Habilidade técnica: consiste em utilizar conhecimentos, métodos, www.pontodosconcursos.com.br 4
  • 5. pág.:5 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOtécnicas e equipamentos necessários para a realização de tarefasespecíficas, por meio da experiência.• Habilidade humana: consiste na capacidade e discernimento paratrabalhar com pessoas, comunicar, compreender suas atitudes emotivações e desenvolver uma liderança eficaz.• Habilidade conceitual: consiste na habilidade para lidar com idéiase conceitos abstratos. Esta habilidade permite que a pessoa façaabstrações, desenvolva filosofias e princípios de ação.A combinação dessas habilidades varia à medida que a pessoa sobe naescala hierárquica, de posições de supervisão a posições de alta direção.À medida que se sobe para os níveis mais elevados da organização,diminui a necessidade de habilidades técnicas, enquanto aumenta anecessidade de habilidade conceitual. Nos níveis inferiores, ossupervisores precisam de habilidade técnica para lidar com as tarefas.Nos níveis mais altos, os executivos precisam de habilidadesconceituais para decidir sobre os destinos de sua organização. INFLUÊNCIA DOS FILÓSOFOSPlatão (429 a.C.-347 a.C.), filósofo grego, discípulo de Sócrates,preocupou-se com os problemas políticos e sociais inerentes aodesenvolvimento social e cultural do povo grego. Em sua obra, ARepública, expõe o seu ponto de vista sobre a forma democrática degoverno e de administração dos negócios públicos.Aristóteles (384 a.C.-322 a.C.), discípulo de Platão, deu enormeimpulso à Filosofia, abrindo as perspectivas do conhecimento humanona época. No seu livro, Política, estuda a organização do Estado edistingue três formas de administração pública, a saber:1. Monarquia ou governo de um só (que pode redundar em tirania).2. Aristocracia ou governo de uma elite (que pode descambar emoligarquia).3. Democracia ou governo do povo (que pode degenerar em anarquia).René Descartes (1596-1650), filósofo, matemático e físico francês, é ofundador da Filosofia Moderna. Criou as coordenadas cartesianas e deuvalioso impulso à Matemática e Geometria da época. Na Filosofia,celebrizou-se pelo livro, “Discursos do Método”, onde descreve o“método cartesiano”, cujos princípios são:1. Princípio da Dúvida Sistêmica ou da Evidência: Consiste em nãoaceitar como verdadeira coisa alguma, enquanto não se souber com www.pontodosconcursos.com.br 5
  • 6. pág.:6 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOevidência – ou seja, clara e distintamente – aquilo que é realmenteverdadeiro. Aceita-se apenas como certo aquilo que seja evidentementecerto.2. Princípio da Análise ou de Decomposição: Consiste em dividir edecompor cada dificuldade ou problema em tantas partes quantas sejampossíveis e necessárias à sua melhor adequação e solução, e resolvê-lascada uma separadamente.3. Princípio da Síntese ou da Composição: Consiste em conduzirordenadamente os pensamentos e o raciocínio, começando pelosobjetivos e assuntos mais fáceis e simples de se conhecer, para passargradualmente aos mais difíceis.4. Princípio da Enumeração ou da Verificação: Consiste em fazerrecontagens, verificações e revisões tão gerais que se fique seguro denada haver omitido ou deixado de lado. INFLUÊNCIA DA ORGANIZAÇÃO MILITARA primeira contribuição da organização militar é a hierarquia (escalahierárquica, cadeia hierárquica ou cadeia escalar), cujas principaiscaracterísticas são:1. Princípio da Unidade de Comando (pelo qual cada subordinado sópode ter um superior).2. Variação dos Níveis de Autoridade e Responsabilidade (de acordocom a posição ocupada na hierarquia).3. Centralização do Comando (decisões são tomadas em sua maioria nacúpula da organização).4. Descentralização da execução.Vale ressaltar que o Estado-Maior (Staff, órgãos de assessoramento)também tem sua origem na organização militar (Frederico II, O Grande,a criou para aumentar a eficiência de seu exército). Marechal Aspirante a oficial Sub-Tenente 1º Sargento 2º Sargento 3º Sargento Cabo Soldado www.pontodosconcursos.com.br 6
  • 7. pág.:7 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOIniciaremos agora o estudo da Teoria da Administração, começando pelaabordagem clássica. Sua origem remonta às conseqüências da revoluçãoindustrial, podendo ser resumida em 2 fatos:1. O crescimento acelerado e desordenado das empresas e;2. A necessidade de aumentar a eficiência e competência dasorganizações.É nesse momento pós-revolução industrial que surge a divisão dotrabalho entre os que pensam e os que executam. O panoramaindustrial vigente (variedade de empresas em tamanhos diferenciados,problemas de baixo rendimento, concorrência intensa, elevado volumede perdas, insatisfação dos operários, decisões mal formuladas etc.),inspirou a criação de uma Ciência da Administração, que substituísse oempirismo e a improvisação, até então dominantes. Administração Ênfase nas Científica Taylor Tarefas Abordagem Clássica da Administração Teoria Ênfase na Fayol Clássica Estrutura(Figura III.1 – Desdobramento da abordagem clássica, pág. 28 – retirada do livro do Prof.CHIAVENATO, Idalberto. Introdução à Teoria Geral da Administração. Edição Compacta –3a. Edição. Editora Campus). ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICAA abordagem típica desta escola é a Ênfase nas Tarefas. O nome é dadoà tentativa de aplicação dos métodos da ciência nos problemas daAdministração, a fim de alcançar eficiência industrial. Frederick Taylor,seu fundador, propunha uma repartição da responsabilidade. Aadministração (gerência) fica com o planejamento (estudo do trabalhodo operário) e a supervisão (assistência ao trabalhador), enquanto otrabalhador fica com a execução. Isso se deve ao fato de Taylorconsiderar o trabalhador como um ser sem capacidade, formação oumeios para analisar cientificamente seu trabalho.A substituição de métodos (de execução das tarefas) empíricos e www.pontodosconcursos.com.br 7
  • 8. pág.:8 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOrudimentares por métodos científicos recebeu o nome de OrganizaçãoRacional do Trabalho, cujos princípios são os seguintes:1. Estudo de Tempos e Movimentos (Motion-Time Study) – consiste naanálise do trabalho, divisão e subdivisão dos movimentos necessários àexecução de uma tarefa. Através da observação metódica e paciente,Taylor decompunha cada tarefa em uma série de movimentos,eliminando aqueles desnecessários e racionalizando os demais. Comisso, uma economia de tempo e esforço era proporcionada ao operário,além da padronização do método de execução de uma tarefa.Como decorrência do Motion-Time Study surge um medidor de eficiênciautilizado no processo produtivo: o tempo-padrão. Entende-se portempo-padrão o tempo médio necessário para execução de uma tarefa,de uma maneira pré-estabelecida (teoricamente, a melhor – the bestway), adicionados os tempos-mortos (necessários à satisfação dasnecessidades fisiológicas, por exemplo).2. Divisão do trabalho e especialização – contrapondo-se ao método deexecução pré-revolução industrial (onde todos participavam de todas asfases do processo produtivo), a divisão do trabalho resultou em umaestruturação das operações industriais, onde cada operário passou a serespecializado em uma única tarefa. A idéia básica era de que a eficiênciaaumenta com a especialização. Quanto mais especializado for, maiorserá sua eficiência.3. Desenho de cargos e tarefas – consiste na definição eestabelecimento racional dos cargos e tarefas de uma organização.Desenhar um cargo é especificar seu conteúdo (tarefas), os métodos deexecução e as relações com os demais cargos existentes.4. Conceito de Homo Economicus – baseia-se em uma estreita visão danatureza humana. Segundo Taylor, o homem é motivado a trabalharpelo medo da fome e pela necessidade de dinheiro para viver. Sendoassim, o homem trabalha não porque gosta, mas pelo salário que otrabalho proporciona.5. Incentivos salariais e prêmios de produção – analisado o trabalho,racionalizadas as tarefas e padronizado o tempo para sua execução,restava fazer com que o operário colaborasse com a empresa. Dentro davisão do homem econômico, os autores da Administração Científicadesenvolveram incentivos salariais como forma de motivá-lo. Na medidaem que o operário produzia acima do padrão estabelecido, ao seusalário era acrescido um plus (prêmio de produção).6. Supervisão funcional – A especialização do operário deve seracompanhada da especialização do supervisor, em vez de umacentralização de autoridade. A supervisão funcional corresponde àexistência de diversos supervisores, cada qual especializado em www.pontodosconcursos.com.br 8
  • 9. pág.:9 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOdeterminada área, e que tem autoridade funcional (relativa somente asua especialidade).A supervisão funcional é a aplicação da divisão do trabalho eespecialização no nível de supervisores e chefes.O outro “ícone” da Administração Científica chama-se Henri Ford. Seusucesso deve-se aos princípios aplicados em sua fábrica, a Ford MotorCo., que continuam sendo utilizados, no todo ou em parte, até os diasde hoje. Vamos a eles:1. Concentração vertical – Corresponde à presença da companhia emtodas as fases do processo produtivo, produzindo desde a matéria-primaaté o produto final acabado. Hoje em dia, temos uma tendência queaponta para outra direção, por exemplo, com a terceirização de algumasatividades da empresa. Um outro exemplo seriam as empresasautomobilísticas, que são, na verdade, muito mais montadoras queprodutoras.2. Concentração horizontal- significa um monopólio a nível horizontal,em determinado nível, apenas. Ford comercializava seus automóveisapenas através de agências próprias.3. Linha de produção – são os três aspectos que suportam o sistema:• A progressão do produto de forma planejada, ordenada e contínua;• O trabalho é entregue ao trabalhador em vez de obrigá-lo a ir buscá-lo(o que era uma novidade na época), e;• As operações são analisadas em todos os seus elementos.4. Princípio da intensificação – emprego imediato da mão-de-obra ematéria-prima, com a rápida colocação do produto no mercado.5. Princípio da economicidade – Reduzir ao mínimo o volume deestoques da matéria-prima em transformação. A velocidade de produçãodeveria ser rápida.6. Princípio da produtividade – aumentar a capacidade de produçãoatravés da especialização do operário e da linha de montagem.7. Princípio da exceção – corresponde à técnica de administração onde oadministrador deve basear-se não no desempenho médio, mas nasexceções ou desvios dos padrões normais. Sendo assim, somente osdesvios positivos e negativos deveriam ocupar a atenção daadministração, não devendo ater-se àquilo que ocorre dentro dospadrões normais. www.pontodosconcursos.com.br 9
  • 10. pág.:10 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHO CRÍTICASAs seguintes críticas podem ser feitas à Administração Científica:1. Teoria mecanicista – assim ficou conhecida, pois concedia aorganização como um arranjo estático e rígido de peças, uma máquina.Em nenhum momento considerou a organização informal (comoveremos mais adiante);2. Abordagem incompleta – na medida em que ignorou a vida social dosparticipantes , atendo-se somente aos aspectos formais da organização,ao trabalho no nível de execução.3. Abordagem de sistema fechado – a Administração Científica visualizaas empresa como se estivessem no vácuo, autônomas, hermeticamentefechadas. Ela não considera as variáveis extrínsecas (ambientais,econômicas, políticas e sociológicas). SUMÁRIOA Administração Científica, fundada por Taylor e seus seguidores,constitui a primeira tentativa da Teoria da Administração. A preocupaçãoem criar uma Ciência da Administração começou com a experiênciaconcreta e imediata do trabalho de operários e com a ênfase nastarefas. No primeiro período de sua obra, Taylor voltou-se para aracionalização do trabalho dos operários, estendendo-se no segundoperíodo à definição de princípios de administração aplicáveis a todas assituações da empresa. A organização racional do trabalho sefundamenta na análise do trabalho operário, no estudo dos tempos emovimentos, na fragmentação das tarefas e na especialização dotrabalhador. Busca-se a eliminação do desperdício, da ociosidade e aredução dos custos de produção. A forma de obter a colaboração dosoperários foi o apelo aos planos de incentivos salariais e de prêmios deprodução, com base no tempo padrão (eficiência = 100%) e naconvicção de que o salário constitui a fonte de motivação para otrabalhador (homem econômico). O desenho de cargos e tarefasenfatiza o trabalho simples e repetitivo das linhas de produção emontagem, a padronização e as condições de trabalho queassegurassem a eficiência. Verificou-se que não adiantava racionalizar otrabalho do operário se o supervisor e o chefe continuavam a trabalhardentro do mesmo empirismo anterior. Para envolver os escalões maiselevados, os engenheiros se preocuparam com os princípios da www.pontodosconcursos.com.br 10
  • 11. pág.:11 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOadministração para balizar o comportamento dos gerentes e chefes.Contudo, inúmeras críticas podem ser feitas à Administração Científica:o mecanicismo global e universal da empresa, inaugurando umaabordagem anatômica e estrutural que rapidamente suplantou aabordagem analítica e concreta de Taylor.Dica: Palavras-chaves importantes sobre a Administração Científica:Frederick Taylor, ênfase nas tarefas, estudos dos tempos e movimentos(ORT), “The best way”, “homo econômicus”, linha de montagem. TEORIA CLÁSSICA DA ADMINISTRAÇÃONa medida em que a Administração Científica de Taylor tomava contados E.U.A., a Teoria Clássica se desenvolvia na Europa através de HenriFayol. Fayol, assim como Taylor, percebeu a ineficiência entãodominante e elaborou uma ciência administrativa, só que sob umenfoque diferente de Taylor. Fayol acreditava que a eficiênciaorganizacional seria alcançada através da análise da estrutura daempresa, dos órgãos que a compõem. Nesse sentido, a Teoria Clássicatem ênfase na estrutura, correspondendo a uma abordagem clássicaestruturalista.Para Fayol, seis são as funções básicas de qualquer empresa:1. Funções técnicas – relacionadas com a produção de bens ou deserviços da empresa.2. Funções comerciais, relacionadas com a compra, venda epermutação.3. Funções financeiras – relacionadas com a procura e gerência decapitais4. Funções de segurança – relacionadas com a proteção e preservaçãodos bens e das pessoas.5. Funções contábeis – relacionadas com inventários, registros,balanços, custos e estatísticas.6. Funções administrativas – relacionadas com a integração das outrascinco funções. As funções administrativas coordenam as demais funçõesda empresa, pairando acima delas. www.pontodosconcursos.com.br 11
  • 12. pág.:12 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHO Funções Administrativa Funções Funções Funções Funções de Funções Técnicas Comerciais Financeiras Segurança Contábeis(Figura 4.1 – As seis funções básicas da empresa, pág. 56 – retirada do livro do Prof.CHIAVENATO, Idalberto. Introdução à Teoria Geral da Administração. Edição Compacta –3a. Edição. Editora Campus).A função administrativa, segundo Fayol, se reparte por todos os níveisda hierarquia da empresa, não sendo privativa da alta cúpula. Há,contudo, uma proporcionalidade em relação às demais. À medida que sesobe na hierarquia, mais importante ela se torna.A fim de aclarar a função administrativa, Fayol reparte em cincosubfunções, ou elementos do processo administrativo, a saber:1. Prever – visualizar o futuro e traçar o programa de ação.2. Organizar – constitui o duplo organismo material e social daempresa.3. Comandar – dirigir e orientar o pessoal.4. Coordenar – ligar, unir, harmonizar todos os atos e todos os esforçoscoletivos.5. Controlar – verificar que tudo ocorra conforme as regrasestabelecidas e as ordens dadas.Dica: Esses elementos do processo, ou também chamados de princípiosgerais de administração são geralmente cobrados em prova. Guarde-osem sua cabeça!!Como toda ciência, a Administração também deve se basear em leis.Nesse sentido, Fayol elencou os “14 Princípios Gerais de Administração”,dos quais destacamos os seguintes:1. Divisão do trabalho – consiste na especialização das tarefas e daspessoas para aumentar a eficiência.2. Autoridade e responsabilidade – autoridade é o direito de dar ordense o poder de esperar obediência. A responsabilidade é uma www.pontodosconcursos.com.br 12
  • 13. pág.:13 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOconseqüência natural da autoridade e significa ter o dever de prestarcontas. Ambas devem estar equilibradas entre si.3. Centralização – refere-se à concentração da autoridade no topo dahierarquia da organização.4. Cadeia escalar – é a linha de autoridade que vai do escalão mais altoao mais baixo.Vale ressaltar que Fayol se interessou pela organização linear (a mesmautilizada pelo exército). Nesse modelo de organização ocorrerá asupervisão linear, baseada na unidade de comando, que é o oposto dasupervisão funcional utilizada por Taylor. Na organização linear osórgãos de linha dedicam-se exclusivamente às suas atividadesespecializadas. Nesse sentido, tornam-se necessários outros órgãosprestadores de serviços especializados estranhos às atividades dosórgãos de linha. Chamamos esses órgãos de Staff ou Assessoria. Taisórgãos não estão no organograma da empresa, nem possuemautoridade de comando sobre os órgãos de linha. Sua finalidade éfornecer conselhos, recomendações, assessoria e consultoria, que osórgãos de linha não tem condições de prover por si próprios. CRÍTICASAs críticas são as mesmas feitas à Administração Científica,diferenciando-se, apenas, o enfoque do trabalho. Fayol Taylor Administração Teoria Científica Clássica Ênfase nas Ênfase na Tarefas Estrutura www.pontodosconcursos.com.br 13
  • 14. pág.:14 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHO Aumentar a Aumentar a eficiência da eficiência da empresa por meio da forma empresa por meio do e disposição das órgãos componentes da aumento de organização e das suas eficiência ao nível inter-relações estruturais. operacional Confronto das teorias de Taylor e Fayol(Figura 4.6 – Confronto das teorias de Taylor e Fayol, pág. 68 – retirada do livro do Prof.CHIAVENATO, Idalberto. Introdução à Teoria Geral da Administração. Edição Compacta –3a. Edição. Editora Campus). SUMÁRIOO pioneiro da Teoria Clássica, Henri Fayol, é considerado, juntamentecom Taylor, um dos fundadores da moderna Administração. Preocupou-se em definir as funções básicas da empresa, o conceito deadministração (prever, organizar, comandar, coordenar e controlar),bem como os princípios gerais de Administração como procedimentosuniversais a serem aplicados a qualquer tipo de organização ouempresa. Para Fayol, existe uma proporcionalidade da funçãoadministrativa que se reparte proporcionalmente por todos os níveis daempresa.A Teoria Clássica formulou uma Teoria da Organização, tendo por base aAdministração como uma ciência. A ênfase na estrutura faz com que aorganização seja entendida como uma disposição das partes (órgãos)que a constituem, sua forma e o inter-relacionamento entre essaspartes. Essa teoria da organização restringe-se à organização formal.Para tratar racionalmente a organização, esta deve se caracterizar poruma divisão do trabalho e correspondente especialização das partes(órgãos) que a constituem. A divisão do trabalho pode dar-severticalmente (níveis de autoridade) e horizontalmente(departamentalização). À medida que ocorre divisão do trabalho eespecialização, deve ocorrer coordenação para garantir a harmonia doconjunto e, conseqüentemente, a eficiência da organização. Além do www.pontodosconcursos.com.br 14
  • 15. pág.:15 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOmais, existem órgãos de linha (autoridade linear) e órgãos de staff(autoridade de staff para prestação de serviços e consultoria).Para conceituar Administração, os autores utilizam o conceito deelementos da Administração (ou funções do Administrador), que formamo chamado processo administrativo.A abordagem normativa e prescritiva da Teoria Clássica é visualizadapor meio dos princípios de Administração, uma espécie de receituário decomo o administrador deve proceder em determinadas situações.Entretanto, várias críticas podem ser atribuídas à teoria Clássica: aabordagem extremamente simplificada da organização formal, deixandode lado a organização informal; a ausência de trabalhos experimentaiscapazes de dar base científica às suas afirmações e princípios; omecanismo de sua abordagem que lhe valeu o nome de teoria damáquina; a abordagem incompleta da organização e a visualização daorganização como se esta fosse um sistema fechado. Contudo, todas ascríticas feitas à Teoria Clássica não chegam a empanar o fato de que aela devemos as bases de moderna teoria administrativa.Dica: Palavras-chaves importantes sobre a Teoria Clássica: Henry Fayol,ênfase na estrutura, divisão do trabalho e especialização dos órgãos,princípios gerais (prever, organizar, comandar, coordenar e controlar),organização formal, sistema fechado e mecanicista, separação da funçãoadministrativa das demais.Cuidado que algumas questões de concurso tentam induzir o aluno aoerro alternado a ordem e as ênfases entre Taylor e a AdministraçãoCientífica e Fayol e a Teoria Clássica... Fique de olho, tá???Estão percebendo como os temas seguem uma lógica?? Tentem lembrarde filmes antigos, novelas de época, quando mostram os trabalhadoresnas grandes fábricas, as condições de trabalho, etc... Se tiver umtempinho, vale à pena assistir ao filme “Tempos Modernos” de CharlinChaplin, é uma maneira divertida e diferente de sair da rotina deestudos maçantes e ao mesmo tempo, também estar estudando. ABORDAGEM HUMANÍSTICAOcorre com a Teoria das Relações Humanas, a partir da década de 30,graças ao desenvolvimento das ciências sociais. A crise mundial causadapela grande depressão provoca uma verdadeira reelaboração deconceitos e uma reavaliação da Administração. Nesse sentido, o enfoquedesta nova abordagem recai sobre os aspectos humanos no processoprodutivo: a organização informal. www.pontodosconcursos.com.br 15
  • 16. pág.:16 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOO grande marco desta teoria foi a chamada experiência de Hawthorne.Em 1927, foi iniciada uma pesquisa na fábrica da Western EletricCompany, cujo objetivo era traçar uma relação a intensidade dailuminação e a eficiência dos operários. Seu coordenador, Elton Mayo,formou 2 grupos de trabalho, teoricamente de igual capacidadeprodutiva. Na 1ª fase, Mayo colocou lâmpadas de maior capacidade emum dos grupos, ansiando pelo aumento da produtividade. Um mêsdepois, nada aconteceu. Insistiu. Trocou as lâmpadas por outras maisfortes, ainda sem avisar aos participantes. Mais um mês, e nada. Énesse momento que “cai a maçã em sua cabeça”. Mayo inverte oprocesso. Troca as lâmpadas por outras maiores, de mesmaintensidade, só que desta vez, comunica aos participantes. Um mêsdepois, Eureca! A produção aumenta em mais de 20%. Mayo descobre,então, a influência do fator psicológico sobre a produtividade, mudandoo enfoque de seu trabalho. Na 2ª fase, coloca junto ao grupoexperimental uma supervisora (democrática) escolhida pelos membrosdo grupo. Seu intuito era descobrir mais sobre a influência do aspectopsicológico no trabalho. Passados alguns meses Mayo descobre aexistência de algo que iria revolucionar as teorias até então existente: aorganização informal.Decorrências da experiência de Hawthorne:1. Nível de produção é resultante da integração social, e não de suacapacidade física. São as normas sociais e expectativas que orientamsua eficiência.2. Comportamento social dos empregados – os trabalhadores não agemisoladamente, mas como membros de grupos. Nesse sentido, sua quotade produção é estabelecida e imposta pelo grupo.3. Recompensas e sanções sociais – constatou-se que os operários queproduziram acima ou abaixo da norma socialmente determinadaperderam o respeito aos colegas, ou seja, as pessoas passam a seravaliadas pelo grupo em confronto com essas normas e padrões decomportamento. O homo economicus dá lugar ao homem social.4. Grupos informais – enquanto os Clássicos se preocupavam com osaspectos formais da organização, os pesquisadores de Hawthorne seconcentravam nos informais (comportamento social, crença,expectativas etc). A empresa passou a ser vista como uma organizaçãocomposta de diversos grupos informais, cuja estrutura nem semprecoincide com a organização formal. Chamamos de organização informala reunião dos grupos informais. www.pontodosconcursos.com.br 16
  • 17. pág.:17 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHO Teoria Clássica Teoria das Relações Humana * Trata a organização como uma * Trata a organização como grupo de máquina. pessoas. * Enfatiza as tarefas ou a * Enfatiza as pessoas. tecnologia. * Inspirada em sistemas de psicologia * Autoridade centralizada. * Delegação plena de autoridade. * Linhas claras de autoridade. * Autonomia do emprego. * Especialização e competência * Ênfase nas relações humanas entre técnica. as pessoas. * Acentuada divisão do trabalho * Confiança nas pessoas. * Confiança nas regras e nos * Dinâmica grupal e interpessoal regulamentos. * Clara separação entre linha e staff(Quadro 5.1 – Comparação entre Teoria Clássica e Teoria das Relações Humanas, pág. 83 –retirada do livro do Prof. CHIAVENATO, Idalberto. Introdução à Teoria Geral da aAdministração. Edição Compacta – 3 . Edição. Editora Campus). SUMÁRIO1. As origens da Teoria das Relações Humanas remontam aalgumas décadas antes de seu aparecimento nos Estados Unidos, berçoda democracia, do pragmatismo e da iniciativa individual. Efetivamente,porém, esta teoria surgiu como a Experiência de Hawthorne.2. Sem o pretender, a Experiência de Hawthorne marca o início deuma nova teoria calcada em valores humanísticos, deslocando apreocupação voltada para a tarefa, para a estrutura e para apreocupação com as pessoas.3. Com as conclusões iniciais tomadas a partir da Experiência deHawthorne, novas variáveis são acrescentadas ao já enriquecidodicionário da Administração: a integração social e o comportamentosocial dos empregados, as necessidades psicológicas e sociais e aatenção para novas formas de recompensas e sanções não-materiais, oestudo dos grupos informais e da chamada organização informal, o www.pontodosconcursos.com.br 17
  • 18. pág.:18 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOdespertar para as relações humanas dentro das organizações, a ênfasenos aspectos emocionais e não-racionais do comportamento daspessoas e a importância do conteúdo dos cargos e tarefas para aspessoas que os realizam e executam.4. Dentro dessa abordagem humanística, um quadro maior sedepara aos olhos dos pesquisadores: a própria civilização industrializadaque leva as empresas a uma preocupação exclusiva com suasobrevivência financeira e necessidade de eficiência para o alcance delucros. Assim, os métodos convergem para a eficiência e não para acooperação humana e, muito menos, para objetivos humanos. Daí oconflito industrial (objetivos das organizações versus objetivosindividuais dos seus participantes) merecer um tratamento profilático epreventivo.5. Assim, torna-se indispensável conciliar e harmonizar as duasfunções básicas da organização industrial: a função econômica (produzirbens ou serviços para garantir o equilíbrio externo) e a função social(distribuir satisfações entre os participantes para garantir o equilíbriointerno).Dando continuidade à abordagem humanística, estudaremos algumasteorias que surgiram como decorrência da Teoria das RelaçõesHumanas. TEORIA DE CAMPO DE LEWINLewin, ao explicar a importância da motivação do comportamentohumano, nos diz que ele não depende somente do passado ou do futuro,mas do campo dinâmico atual e presente. Esse campo é o espaço devida que contém a pessoa e seu ambiente psicológico, ou seja, ocomportamento é dado em função da interação entre a pessoa e oambiente que a rodeia. Se o ambiente é percebido pelo indivíduo comouma possibilidade de satisfação de suas necessidades, ele assumiriauma valência positiva, gerando um comportamento positivo. C = comportamento C = f (P,M) f = função P = Estrutura Psicológica M = Ambiente www.pontodosconcursos.com.br 18
  • 19. pág.:19 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHO TEORIA DAS NECESSIDADESSegundo essa teoria, para compreendermos a motivação docomportamento humano faz-se necessário compreendermos suasnecessidades. Tais necessidades são divididas em três grandes grupos,sendo que o homem procurará satisfazê-las sempre seguindo umahierarquia.A – Necessidade primária – aquelas relacionadas com a sobrevivência doindivíduo. São inatas ou intuitivas. Como exemplo de necessidadesfisiológicas temos a alimentação, o sono, a satisfação sexual etc.B – Necessidades secundárias (psicológicas) – são adquiridas eaprendidas no decorrer da vida, representando um padrão maiselaborado e complexo. Necessidade de afeto, participação e segurançasão alguns exemplos.C – Necessidades terciárias (auto-realização) – são provenientes daeducação e da cultura. É o impulso de realizar o próprio potencial, deestar em contínuo autodesenvolvimento. CICLO MOTIVACIONALA motivação é a tensão persistente que leva o indivíduo a algumcomportamento visando à satisfação de uma ou mais necessidades.Podemos entendê-lo da seguinte forma: o organismo humanopermanece em estado de equilíbrio psicológico (equilíbrio de forçaspsicológicas, segundo Lewin), até que um estímulo o rompa e crie umanecessidade. Essa necessidade provoca um estado de tensão emsubstituição ao anterior estado de equilíbrio. A tensão conduz a umcomportamento ou ação capaz de atingir alguma forma de satisfaçãodaquela necessidade. Se satisfeita a necessidade, o organismo retornaao seu estado de equilíbrio inicial, até que outro estímulo sobrevenha.Toda satisfação é basicamente uma liberação de tensão, uma descargatensional que permite o retorno ao equilíbrio anterior. www.pontodosconcursos.com.br 19
  • 20. pág.:20 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHO Equilíbrio Estímulo ou Incentivo Necessidade Compensação Satisfação Tensão Frustração Comportament o ou ação(Figura 6.1 – As etapas do ciclo motivacional, envolvendo a satisfação de uma necessidade, pág.93 – retirada do livro do Prof. CHIAVENATO, Idalberto. Introdução à Teoria Geral daAdministração. Edição Compacta – 3a. Edição. Editora Campus). LIDERANÇAÉ a influência interpessoal exercida numa situação e dirigida por meiodo processo de comunicação humana à consecução de um ou diversosobjetivos específicos. È dada em função das necessidades existentes emuma determinada situação e consiste numa relação entre um indivíduo eum grupo. O líder (natural) corresponde ao indivíduo percebido pelogrupo como possuidor dos meios para a satisfação de suas necessidades(do grupo).Sendo assim, três são os estilos de liderança:• Liderança autocrática – o comportamento dos grupos mostrou fortetensão, frustração e agressividade, de um lado, e nenhumaespontaneidade, iniciativa, ou formação de grupos de amizade. Nãodemonstraram satisfação com relação à situação. O trabalho somente sedesenvolvia com a presença física do líder. Quando este se ausentava,as atividades paravam e os grupos expandiam seus sentimentosreprimidos, chegando a explosões de indisciplina e de agressividade.• Liderança liberal – embora a atividade dos grupos fosse intensa, aprodução foi simplesmente medíocre. As tarefas se desenvolviam aoacaso, com muitas oscilações, perdendo-se muito tempo com discussões www.pontodosconcursos.com.br 20
  • 21. pág.:21 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOmais voltadas para motivos pessoais do que relacionadas com o trabalhoem si. Notou-se forte individualismo agressivo e pouco respeito comrelação ao líder.• Liderança democrática – houve formação de grupos de amizade ede relacionamentos cordiais. Líder e subordinados passaram adesenvolver comunicações espontâneas, francas e cordiais. O trabalhomostrou ritmo suave e seguro, sem alterações, mesmo quando o líderse ausentava. Houve um nítido sentido de responsabilidade e decomprometimento pessoal além de integração grupal, dentro de umclima de satisfação.Dica: Os estilos de liderança são muito cobrados em prova.Os três estilos de liderança. Autocrática Democrática Liberal (Talssez- tálre)* Apenas o líder fixa as diretrizes * As diretrizes são debatidas e * Há liberdade completa para decididas pelo grupo, estimulado e as decisões grupais ou assistido pelo líder individuais, com participação mínima do líder.* O líder determina as providências e * O próprio grupo esboça * A participação do líder notécnicas para execução das tarefas, providências e técnicas para debate é limitada,cada uma por vez, na medida em que atingir o alvo, solicitando apresentando materiaisse tornam necessárias e de modo aconselhamento técnico ao líder variados ao grupo,imprevisível para o grupo. quando necessário. As tarefas esclarecendo e fornecendo ganham novas perspectivas com informações quando os debates. solicitados.* O líder determina qual a tarefa que * A divisão das tarefas fica a * Tanto a divisão das tarefascada um deve executar e qual o seu critério do grupo e cada membro como a escolha doscompanheiro de trabalho. tem liberdade de escolher seus companheiros fica totalmente companheiros de trabalho. a cargo do grupo. Absoluta falta de participação do líder.* O líder é dominador e é “pessoal” * O líder procura ser um membro * O líder não tenta avaliar ounos elogios e nas críticas ao trabalho normal do grupo, sem encarregar- regular o curso dosde cada membro. se de tarefas. O líder é “objetivo”e acontecimentos. O líder faz limita-se aos “fatos” em suas comentários irregulares críticas e elogios. sobre as atividades dos membros quando perguntado.(Quadro 6.1 – Os três estilos de liderança, pág. 99 – retirada do livro do Prof. CHIAVENATO, Idalberto.Introdução à Teoria Geral da Administração. Edição Compacta – 3a. Edição. Editora Campus). www.pontodosconcursos.com.br 21
  • 22. pág.:22 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHO CRÍTICAS1. Oposição cerrada à Teoria Clássica.2. Concepção ingênua e romântica do operário: seus autoresimaginavam um trabalhador feliz, produtivo e integrado no ambiente detrabalho, imagem essa que não foi confirmada por pesquisasposteriores.3. Abordagem incompleta, pois considerou apenas a organizaçãoinformal. SUMÁRIO1. A partir da Experiência de Hawthorne, desenvolveu-se umanova concepção a respeito da natureza humana: o homem social.Concomitantemente, verificou-se que a formação e os processos degrupos podem ser manipulados por meio de algum estilo de liderança ecomunicação.2. Com os primeiros estudos sobre a motivação humana (Teoriade Campo e o levantamento das necessidades humanas básicas),chegou-se à noção do ciclo motivacional e suas resoluções em termosde satisfação, frustração ou compensação. Com isso, chegou-se à noçãode objetivos individuais e sua influência sobre o moral e a atitude daspessoas e grupos.3. Experiências pioneiras sobre liderança e seus resultados quantoao desempenho dos subordinados mostraram a excelência da liderançademocrática. Outros estudos passaram a envolver outras variáveis alémdas características pessoais do líder e concluíram que o padrão deliderança deve ser escolhido em função de variáveis (forças noadministrador, nos subordinados e na situação)4. Também os estudos sobre as comunicações indicaram aimportância da comunicação sobre os relacionamentos entre as pessoase o seu desempenho.5. A organização informal passou a ser pesquisada, tanto nas suascaracterísticas como nas suas origens. Os autores humanistas deixarama organização formal de lado para se concentrarem unicamente naorganização informal.6. A dinâmica de grupo e o interesse sobre os grupos informaisforam outro aspecto típico da Escola das Relações Humanas. www.pontodosconcursos.com.br 22
  • 23. pág.:23 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHO7. Como corrente de oposição, esta teoria apresentou distorções elimitações – uma visão inadequada dos problemas de relaçõesindustriais, limitação no campo experimental e parcialidade nasconclusões levaram gradativamente essa teoria a um certo descrédito.A concepção ingênua e romântica do operário e a ênfase exagerada nosgrupos informais colaboraram rapidamente para que esta teoria fosserepensada e criticada acerbamente. O seu enfoque manipulativo ecertamente demagógico não deixou de ser descoberto e identificadopelos operários e seus sindicatos. Recebendo tantas pedradas, a Teoriadas Relações Humanas precisou passar por uma reelaboração sendo,contudo, inegável sua colaboração.Dica: Palavras-chaves importantes sobre a Teoria das RelaçõesHumanas: Ênfase nas pessoas (romantismo), Experiência de Hawthorne,Elton Mayo, homem social, liderança, motivação, comunicação (comofenômeno social, enfatizando grupos e não o comportamentoindividual), organização informal, dinâmica de grupos (objetivos comunsentre os grupos).Prontos para responderem algumas questões de concursos járealizados?? Acredito que sim... Caso você queira se aprofundar nosassuntos que estudamos hoje, sugiro a leitura dos capítulos 01 ao 06 dolivro “Teoria Geral de Administração, sétima Edição, do ProfessorIdalberto Chiaventao – Editora Campus”.As questões apresentadas a seguir, e também as que serãoapresentadas nas próximas aulas, são questões da ESAF, do INPI, daFundação Carlos Chagas, da Unicamp, Proderj, Funesp, PCI, UFRJ,Granjeiro, CESP, AFTN, e algumas elaboras por mim.Seja sincero com você mesmo e com seus estudos e não olhe o gabaritoantes de responder às questões. Concentre-se e use todos os seusconhecimentos, aprendidos aqui, e os conhecimentos que você já trazconsigo ao longo da vida...Nas questões de 01 a 08, coloque “V” para Verdadeiro, e “F” para Falso.1. Podemos definir administração como:( ) prever e prover a organização dos recursos necessários aconsecução de seus objetivos, com base exclusivamente emestatísticas históricas.( ) interpretar os objetivos propostos pela organização e transformá-losem ação por meio do planejamento, comunicação, direção, controle eavaliação, somente. www.pontodosconcursos.com.br 23
  • 24. pág.:24 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHO( ) prever, comandar, coordenar, controlar e aplicar o uso dos recursosa fim de alcançar os objetivos propostos.( ) a função mais importante enunciada por Henry Fayol (TeoriaClássica) , pairando sobre as demais funções organizacionais(técnicas, comercias ,financeiras , contábeis e de segurança).( ) gerir recursos materiais e humanos objetivando o cumprimento dasmetas estabelecidas pela organização.2. Segundo Taylor :( ) o “Motion – Time Study” baseia-se na análise do trabalho operáriocom vistas a descobrir a melhor maneira de se desempenhar umatarefa;( ) o tempo padrão, calculado após o “estudo de tempos e movimentos”corresponde ao tempo médio de execução de uma tarefa, adicionados ostempos mortos;( ) alguns dos objetivos do “Motion-Time Study” são a eliminação dodesperdício do esforço humano, a especialização do operário e oestabelecimento de normas de execução do trabalho;( ) a eficiência pode ser definida como a relação entre o desempenhoreal e desempenho ideal representado, por exemplo, pelo tempopadrão;( ) a divisão do trabalho conduz, inevitavelmente, à especialização dooperário e maior eficiência3. Sob a ótica da administração científica:( ) o “desenho de cargo” significa especificar seu conteúdo (as tarefas)somente;( ) os incentivos salariais e prêmio de produção são necessário esuficientes para o incremento da produtividade;( ) a supervisão funcional baseia–se no princípio da unidade de chefia;( ) a supervisão funcional corresponde à aplicação da divisão dotrabalho e especialização no nível de supervisores e chefes.( ) a linha de montagem, que permite a produção em série, foidesenvolvida por Henry Ford .4. Julgue os itens abaixo.( ) a produção em massa baseia-se na simplicidade, sendo 3 (três) osaspectos que suportam o sistema: a progressão dos produtos demaneira planejada, ordenada e contínua; a entrega do trabalho ao www.pontodosconcursos.com.br 24
  • 25. pág.:25 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOoperário, em vez dele ir buscá-lo e a divisão do trabalho.( ) são características da administração de Ford: concentração vertical,horizontal e política de estoques.( ) de acordo com o principio da exceção, o administrador deve ater-sesomente aos desvios negativos, que fogem à região de normalidade.( ) a administração científica ficou conhecida como “teoria da máquina”pois concebia a organização como um arranjo rígido e estático depeças.( ) podemos considerar a teoria clássica da administração e aadministração científica como dois baluartes da moderna administração,devido a sua abordagem completa sobre os preceitos organizacionais;5. A teoria clássica, embora caminhe lado a lado com a administração científica, volta-se para outro aspecto: a organização, segundo Fayol:( ) a empresa possui 5 (cinco) funções básicas, a saber: administrativa,técnica, comercial, financeira e de segurança.( ) a proporcionalidade da função administrativa significa que, emborahavendo preponderância dela na cúpula da empresa, ela se reparte portodos os níveis hierárquicos.( ) são princípios gerais da administração: a divisão de trabalho,unidade de comando, cadeia escalar, disciplina e outros.( ) a divisão de trabalho pode dar-se em duas direções: verticalmente ehorizontalmente.6. Marque “v” ou “f” nas questões abaixo:( ) a divisão de trabalho horizontalmente é conhecida comodepartamentalização, podendo ser feita por função, processo, clientelaou localização geográfica.( ) na organização linear de Fayol mostrou-se imperiosa a existência deórgão de apoio, de assessoria; chamamos esses órgãos de “órgãos delinha”;( ) a teoria clássica, assim como a administração científica, descuidou-se da organização informal;( ) a abordagem da teoria clássica é considerada “abordagem desistema fechado” pois não considera as influências do “mundo exterior”;( ) possibilitaram uma abordagem diferente, a partir da década de 30,dentre outros aspectos, a experiência de Hawthorne, o desenvolvimentodas ciências humanas e a necessidade de se humanizar a administração. www.pontodosconcursos.com.br 25
  • 26. pág.:26 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHO7. De acordo com a teoria das relações humanas.( ) a produtividade, ao invés do que preconizava a teoria clássica, édeterminada em função de normas sociais e expectativas;( ) espera-se que a administração seja capaz de compreender aorganização informal;( ) o homem social “dá lugar ao “homus economicus”;( ) segundo Lewin, o comportamento de operário é dado em função decomo o indivíduo percebe o ambiente em que esta inserido;( ) as necessidades psicológicas abrangem as de auto-realização.8. Julgue os itens abaixo:( ) para o indivíduo voltar ao estado de equilíbrio, é necessário que hajao “mecanismo” da satisfação, segundo o ciclo motivacional de maslow;( ) a liderança é dada em função das necessidades de um grupo emdeterminada situação, e consiste numa relação entre um indivíduo eesse grupo.( ) a liderança democrática caracteriza-se por forte individualismo dosmembros do grupo e participação muito limitada do líder.( ) a liderança autocrática caracteriza-se por ser a que apresenta maiorprodutividade se comparada com os demais tipos.( ) são características da organização informal: relação de coesão/antagonismos, status e colaboração espontânea.A partir de agora, marque as respostas de acordo com o solicitado noenunciado:9. Embora a Escola de Relações Humanas tenha surgido para secontrapor à Escola Clássica, em algumas variáveis, seus estudosapresentam semelhanças.Pode-se afirmar que as duas escolas tinham posições semelhantes emrelação a:a) a concepção de organização;b) como administrar os grupos informais;c) como motivar melhor os empregados;d) o conflito existe entre administração e empregado;e) a concepção da natureza humana.10. Uma das críticas formuladas à Teoria da Administração Científica deTaylor, deve-se:a) à abordagem simplificada da organização formal; www.pontodosconcursos.com.br 26
  • 27. pág.:27 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOb) ao apego exagerado a regras e regulamentos;c) à ênfase demasiada nos grupos informais;d) à tendência à superespecialização do operário;e) à inexistência de métodos de trabalho previamente estabelecidos.11. Segundo Fayol, uma das funções básicas da empresa é a:a) motivacional;b) organizacional;c) comercial;d) orçamentáriae) produtiva12. O processo de departamentalização, tanto em sentido vertical –determinado o aumento de níveis hierárquicos – quando em sentidohorizontal – significando aumento de órgãos especializados e oreagrupamento mais eficiente das atividades em um mesmo nível –marcou durante décadas o formato e a estrutura das organizações. Esseprocesso vem sendo substituído por novas formas de organização doprocesso de trabalho nas organizações. Indique a opção abaixo quemelhor retrata o desenho das organizações nesse final de século.a) Informalidade de relações hierárquicas, aumento da participação dosfuncionários nos lucros e na definição da estratégia organizacional,inexistência de um sistema de sanções e recompensas dada a ausênciade hierarquia.b) Reforço das linhas hierárquicas departamentais com a incorporaçãoda departamentalização por cliente; planejamento, avaliação e controlecentralizados e execução descentralizada.c) Extinção do processo de departamentalização e sua substituição porestruturas virtuais que se moldam a cada cliente e a cada processo detrabalho, de forma interativa e completamente autorizada.d) Descentralização e terceirização de todas as atividades daorganização, que passaria a contar exclusivamente com uma unidademultifuncional de planejamento e controles de projetos multiuso.e) Inexistência de unidades estanques, trabalho em equipesmultidisciplinares e multiareas, integração de atividades deplanejamento, implantação, avaliação, controle e correção deprocedimentos no cotidiano de todas as unidades.13. A questão da resistência a mudanças acompanha todas asdiscussões a respeito da maior ou menor capacidade que têm asorganizações de atuarem de modo pró-ativo, antecipando-se eadaptando-se às alterações em seu ambiente interno e externo. Em seuentendimento, essa resistência a mudanças poderiam ser explicadascomo: www.pontodosconcursos.com.br 27
  • 28. pág.:28 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOa) as pessoas submetidas a processos intensivos de treinamentoconvencem-se de certos princípios e, ao defendê-los, impedem odesenvolvimento de novas idéias;b) apenas os indivíduos insatisfeitos e os que ocupam posições de chefiaou direção costumam resistir às inovações;c) a mudança organizacional ou institucional é sempre um processocomplexo e custos, pois, entre outras coisas, tende a geral receios einseguranças variadas entre os membros das organizações;d) organizações sem conflito e dirigidas por grupos reduzidos de chefesaderem com maior facilidade às mudanças;e) os membros de uma organização costumam sempre reagirpositivamente à mudanças nas rotinas do trabalho, mas resistem aalterações nos vencimentos.14. A organização formal é, classicamente, definida como aquela ondesão determinados os padrões de inter-relação entre órgãos ou cargos,definidos logicamente através de diretrizes, normas e regulamentosvisando ao alcance de seus objetivos.Em outras palavras, a organização é percebida como um conjunto deencargos funcionais e hierárquicos orientados para o objetivo daprodução de bens e serviços. Suas principais características são:a) flexibilidade, padronização e comunicação;b) divisão do trabalho, especialização e hierarquia;c) integração horizontal e vertical, descentralização e autonomia das partes;d) competitividade, integração sistêmica e avaliação por resultados;e) interdependência operacional, desconcentração decisória e comandos horizontalizados.15. Na estrutura linear ou militar, prevalecem a hierarquia e asubordinação do indivíduo a um só chefe.Segundo Henry Fayol, este tipo de subordinação chama-se:a) supervisão funcional;b) unidade de direção;c) unidade de comando;d) ordem;f) divisão do trabalho16. A questão da liderança ocupa lugar de destaque na discussão arespeito do comportamento organizacional, seja no que se refere àcapacidade de influenciar pessoas, seja no que se refere aoentendimento das estruturas de poder vigentes em cada organização.De qualquer modo, trata-se de uma questão multifacetada e repleta deaspectos particulares. As opções abaixo relacionadas representam idéias www.pontodosconcursos.com.br 28
  • 29. pág.:29 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOa respeito da liderança em organizações complexas. Indique aquela queoferece a visão mais rica, abrangente e acertada.a) Em uma organização complexa, o líder distingue-se pela capacidadede comandar pessoas, resolver conflitos internos e interpretarcorretamente as regras procedimentais vigentes; deve, por isso, possuiras qualidades do talento, da energia e do carisma.b) A liderança não é uma função revestida necessariamente deinvestidura formal e apoia-se sempre em uma compreensãoaprofundada na missão e da cultura das organizações, caracterizando-sepela capacidade de fixar metas claras, prioridades e diretrizes.c) A liderança é uma função sempre exercida por indivíduostecnicamente preparados que dispõe de uma sólida estrutura de poder,identificando-se, neste sentido, com as atribuições da chefiaadministrativa.d) Toda liderança está cercada de prestígio e privilégios, fatores que sãoempregados pelo líder para obter a adesão ou a obediência dos demaismembros das organizações.e) O líder eficiente deve dividir êxitos, erros e responsabilidades com osliderados, buscando ao mesmo tempo estar bem informado sobre todosos aspectos da organização, e, particularmente, sobre a movimentaçãofinanceira.17. Os primeiros teóricos da Administração preocupavam-se,principalmente, com a:a) Humanização das rotinas de trabalho;b) Integração do homem à organização;C) Racionalização do trabalho para aumentar a produção;d) Realização de estudos profundos sobre a natureza humana;e) Implantação de um sistema único de produção e vendas.18. O objetivo imediato é fundamental de toda e qualquer organizaçãoformal é produzir algo. Para ser eficiente, a produção deve basear-se nadivisão do trabalho, processo pelo qual o trabalho de produção de bense serviços é decomposto em uma série de pequenas tarefas, executadascoordenadamente por trabalhadores especializados. A divisão e aespecialização do trabalho são ás peças-chave da modernaadministração de organizações formais e apresentam as seguintesvantagens:a) Padronização e simplificação das atividades em todos os níveis;b) Fragmentação e automatização doa processo produtivos;c) Melhor aproveitamento da força de trabalho pela organização;d) Aumento da eficiência e diminuição dos custos de produção; www.pontodosconcursos.com.br 29
  • 30. pág.:30 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOe) Eliminação do desgaste e desperdício de recursos humanos emateriais.19. É uma das conclusões da “ Experiência de Hawthorne”:a) Um maior detalhamento das tarefas proporciona aumento deprodutividade;b) O nível de produção é resultante da integração social;c) A supervisão funcional facilita a centralização da autoridade;d) A disposição da autoridade em níveis hierárquicos é essencial para seconseguir melhor utilização dos recursos humanos;e) A retribuição financeira individual é fator preponderante para amotivação dos empregados.20. Como toda ciência, a ação de administrar requer conhecimentosacerca de matérias específicas, o que faz com que aquele queadministra, isto é, o administrador, tenha que estar capacitado, porexemplo, através de conhecimentos variados hauridos em diversasleituras e permanente instrução; o que diferencia a administração dasdemais ciências é que ela é uma corrente de vários pensadores, ondecada autor aborda a administração sob um aspecto, não permitindo aformação de uma filosofia única. Considerando a dinâmica dasmudanças do mundo atual, que requer contínuo aperfeiçoamentonaquilo que hoje é verdade, julgue as opções abaixo:( ) A administração científica de Taylor é aquela que dá prioridade aosaspectos teóricos da administração, tais como métodos de tomada dedecisões e estabelecimento de um curso de ação.( ) A arte de administrar refere-se especificamente à prática deadministração, os conceitos atuais de administração são o produto deum processo de evolução longo e complexo, que ainda está emandamento e revolucionando a teoria e as práticas de administração; ateoria tradicional da administração ainda é largamente utilizada nomundo empresarial, e seus efeitos refletem de modo positivo, naperformance das empresas, razão pela qual não há necessidade demudança, até porque, em time que se está ganhando não se mexe.( ) É pensamento já há algum tempo de muitos autores que astradicionais teorias e conceitos devem subordinar-se às mais novasteorias comportamentais de administração, assim como às teorias dossistemas e da contingência, que são as mais novas; a alegação é paraver se elas se mantêm sob os descobrimentos mais novos feitos pelasciências do comportamento e pela ciência quantitativa que estudam ocomportamento das organizações, uma vez que a administraçãoenquanto ciência está se desenvolvendo com grande desenvoltura,podendo ser aplicada em um futuro próximo sem nenhuma restrição, www.pontodosconcursos.com.br 30
  • 31. pág.:31 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOpois estaremos diante de uma ciência “perfeita, não havendonecessidade de novas adaptações”.( ) O desenvolvimento de técnicas “científicas” realistas aplicáveis aoestudo, bem como à administração do comportamento social e humanotambém foi uma grande contribuição de administração mecanicista, cujamotivação envolvia variáveis múltiplas e não era unicamente umafunção de satisfazer as necessidades econômicas, mas acima de tudoque a informações desenvolvidas nesse campo eram mais precisas queas obtidas pelos meios científicos.( ) Muitas das técnicas desenvolvidas cientificamente ainda não foramtestadas ao longo do tempo, fazendo com que cresça de importância aexperiência passada do administrador; como resultado podemos dizerque essas experiências servem de parâmetros para implementação deprogramas em qualquer empresa.21. Há uma série contínua das possíveis abordagens ao comportamentogerencial em uma organização. Elas se baseiam principalmente napreocupação do administrador com a produção e seu uso de autoridadepara consegui-la, em oposição à preocupação com os subordinados e osrelacionamentos humanos; no início do século XX, o objetivo daorganização era produzir mais e com maior eficiência para que o lucrofosse maior; sendo assim, podemos dizer que:( ) As abordagens mecanicistas procuravam desenvolver operaçõeseficientes e consideravam os trabalhadores como apenas um outro fatorde produção, do mesmo modo que a terra ou o equipamento.( ) O movimento de administração científica procura aumentar aprodução ao mesmo tempo em que melhora as condições de trabalhodos empregados e eleva seus ganhos; seus primeiros conceitos foramintroduzidos nos Estados unidos por Frederick Taylor.( ) O movimento humanístico enfatizava o tratamento favorável aosempregados e não a sua produção ou desempenho. Os experimentos deHawthorne dão início ao movimento, desviando o objeto de estudo paraas relações humanas.( ) A reação a estes movimentos de administração científica ehumanístico, resultou em uma abordagem de síntese racional que usaos melhores elementos de cada um deles.( ) A teoria da administração desenvolveu-se muito rapidamente pordiversas razões importantes, uma das quais era que a época erafavorável à disseminação de idéias, implementação e execução daspolíticas de estímulo e desenvolvimento.22. A administração científica tornou-se possível a partir de 1889,principalmente porque a administração não tinha entre outras coisas: www.pontodosconcursos.com.br 31
  • 32. pág.:32 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOum claro conceito de responsabilidade, não eram aplicados padrões dedesempenho, não eram usados sistemas de incentivo, e queprincipalmente, as decisões gerenciais eram baseadas em experiênciaspassadas, ou o que era ainda pior, por intuições. Assim Taylor além depreocupar-se com a eficiência, também preocupou-se com ocomportamento do trabalhador, criando o que ele chamou de “Princípiosda Administração Científica”. Sendo assim:( ) Os administradores deveriam desenvolver um método científicopara cada elemento do trabalho de uma pessoas que substituísse oantigo método das velhas regras.( ) Os administradores deveriam selecionar, treinar, ensinar edesenvolver cientificamente os trabalhadores, ao invés do trabalhadorescolher seu próprio trabalho e definir o método de execução.( ) O programa de incentivos salariais e prêmios era a molapropulsora do negócio.( ) O tempo-padrão foi adotado como medidor de eficiência em cadafase do processo produtivo.( ) Os administradores deveriam executar tarefas para as quais sãomais indicados, entre elas a de planejar.23. É de fundamental importância para se compreender a relaçãoentre motivação e desempenho, entender que o comportamento dohomem:( ) É marcadamente diferente do comportamento da mulher ou dacriança.( ) Apresenta variações substanciais de acordo com a idade mental.( ) Caracteriza-se por um elevado padrão de racionalidade objetiva.( ) Pode ser analisado em função das necessidades que ele sente.( ) Não poderá jamais se pautar por limitações de qualquer ordem.24. Quando o líder se omite e deixa a decisão por conta do grupo, oestilo de liderança por ele utilizado é do tipo:( ) Democrático.( ) Autoritário.( ) Participativo.( ) Consultivo.( ) Laissez-faire25. A Escola de Relações Humanas revolucionou a teoria geral daadministração da época ao mostrar que:(A) o desempenho dos trabalhadores não seria determinado apenaspelos métodos de trabalho propostos pela administração científica, mastambém pelo efeito do sistema social no comportamento dos indivíduos. www.pontodosconcursos.com.br 32
  • 33. pág.:33 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHO(B) o desempenho dos trabalhadores não seria determinado apenas pelaqualidade dos gerentes, mas também pelo desenvolvimento tecnológicoda empresa.(C) o desempenho dos trabalhadores não seria determinado apenaspelas técnicas de aumento de produtividade propostas por Taylor eFayol, mas também pelas normas e regras da organização.(D) o desempenho dos trabalhadores não seria determinado somentepela cultura organizacional, mas também pelo efeito das relações sociaismais gerais em cada indivíduo.(E) o desempenho dos trabalhadores não seria determinado apenas peloambiente, mas também pelas técnicas de aumento de produtividade.26. O “pai fundador” da administração científica é(A) Woodrow Wilson.(B) Frederick Taylor.(C) Henry Ford.(D) Max Weber.(E) Elton Mayo.27. A Escola de Relações Humanas foi fundada a partir de trabalhobaseado(A) nos estudos de Wiener sobre as motivações dotrabalhador.(B) na experiência de Hawthorne, realizada na WesternEletric.(C) na experiência acumulada de professores de Harvard na área derecursos humanos.(D) em estudos centrados no enfoque sistêmico da administração.(E) na experiência do cálculo dos tempos e movimentos dostrabalhadores.28. Entre os principais teóricos da Administração Científica, Henry Fayoldestaca-se por ter sido o pioneiro(A) no reconhecimento de que o poder dentro da empresa é umavariável estratégica para a área de recursos humanos.(B) no reconhecimento de que a administração deveria ser vista comofunção separada das demais funções da empresa.(C) no reconhecimento de que a formação de lideranças é fundamentalpara o aumento da produtividade.(D) no reconhecimento de que o principal objetivo da administração éestudar o funcionamento da linha de montagem.(E) no reconhecimento de que os sistemas culturais são fundamentaispara definir o comportamento dos trabalhadores. www.pontodosconcursos.com.br 33
  • 34. pág.:34 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOPróxima semana:Na próxima aula continuaremos nosso estudo sobre as próximasabordagens administrativas, que serão a Abordagem Estrutural daAdministração (Teoria Estruturalista e Modelo Burocrático), AbordagemNeoclássica (Teoria Neoclássica e Administração por Objetivos – APO) ea Abordagem Comportamental (Teoria Comportamental e a Teoria doDesenvolvimento Organizacional – DO). Pensamento da semana: “Nossas dúvidas são traidoras, E nos fazem perder o bem que sempre poderíamos ganhar, Por medo de tentar.” ShakespeareGabarito:Tem certeza que já tentou responder às questões??? Só leia o gabaritopara fins de correção, e mande suas dúvidas pelo “fórum de discussões”que terei o maior prazer em respondê-los.1. v, v, v, v, v2. v, v, v, v, v3. F, v, F, v, v4. v, v, F, v, F5. F, v, v, v6. v, F, v, v, v7. v, v, F, v, F8. v, v, F, v, v9. d10. d11. c12. e13. c14. b15. c16. b17. b18. d19. b www.pontodosconcursos.com.br 34
  • 35. pág.:35 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHO20. F, F, F, F, F21. v, v, v, v, v22. v, v, v, v, v23. d24. e25. a26. b27. b28. bE então??? Como foram seus acertos??? Se não foram bons, recomendoque estude a aula novamente, e com mais concentração.Até semana que vem! Bons estudos! www.pontodosconcursos.com.br 35
  • 36. pág.:36 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOOlá alunos!Como estamos em nossos estudos? Estão se dedicandoverdadeiramente? Já fizeram todas as questões da aula “Zero”?Preparados para os próximos tópicos?? Então vamos lá!!Conforme combinamos aula passada, hoje vamos conversar sobre aspróximas abordagens administrativas, que são a Abordagem Estruturalda Administração (Teoria Estruturalista e Modelo Burocrático),Abordagem Neoclássica (Teoria Neoclássica e Administração porObjetivos – APO) e a Abordagem Comportamental (TeoriaComportamental e a Teoria do Desenvolvimento Organizacional – DO).Dica: O Estudo de todas as Teorias são importantes para o Concurso,mas, no caso da prova do ICMS/SP que possui no ConteúdoProgramático o tópico “Administração Pública”, o estudo do ModeloBurocrático deve ter sua atenção redobrada, uma vez que é hoje oModelo adotado pela Administração Pública no Brasil.Voltamos a enfatizar que a principal parte do material apresentadoneste curso refere-se a uma sinopse das obras do grande autorIdalberto Chiavenato, principalmente do Livro Introdução à Teoria Geralda Administração, Sétima Edição, Editora Campus.Vale ressaltar que se trata de material de uso pessoal, não podendo serrepassado a terceiros, em caráter gratuito ou oneroso, seja impresso,por e-mail ou qualquer outro meio de transmissão sob risco de violaçãodo estabelecido na Lei n. º 9.610/1998 e no Código Penal. Desde jáagradecemos a compreensão e estamos abertos para qualquer dúvidaou pendência, tanto sobre o material quanto para qualquer outroassunto relacionado ao concurso em questão. AULA UM: ABORDAGEM ESTRUTURAL DA ADMINISTRAÇÃONo início do século XX, Max Weber, um sociólogo alemão, publicou umabibliografia a respeito das grandes organizações da sua época. Deu-lhes www.pontodosconcursos.com.br 1
  • 37. pág.:37 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOo nome de burocracia e passou a considerar o século XX como o séculodas burocracias, pois achava que essas eram as organizaçõescaracterísticas de uma nova época, plena de novos valores e de novasexigências.As burocracias surgiram a partir da época vitoriana como decorrência danecessidade que as organizações sentiram de ordem e de exatidão e dasreivindicações dos trabalhadores por um tratamento justo e imparcial. Omodelo burocrático de organização serviu como uma reação contra acrueldade, o nepotismo e os julgamentos tendenciosos e os parcialistas,típicos das práticas administrativas desumanas e injustas do início daRevolução Industrial.Rapidamente, a forma burocrática de Administração alastrou-se portodos os tipos de organização e o século XX representa o século daburocracia.Weber estudou as organizações sob um ponto de vista estruturalista,preocupando-se com sua racionalidade, isto é, com a relação entre osmeios e os recursos utilizados e os objetivos a serem alcançados pelasorganizações burocráticas. A organização por excelência, para Weber, éa burocracia.Com o aparecimento, crescimento e proliferação das burocracias, ateoria administrativa – até então introspectiva e voltada apenas para osfenômenos internos da organização – ganhou uma nova dimensão pormeio da abordagem estruturalista: além do enfoque intra-organizacional, surgiu o enfoque interorganizacional. A visão estreita elimitada aos aspectos internos passou a ser ampliada e substituída poruma visão mais ampla, envolvendo a organização e suas relações comoutras organizações dentro de uma sociedade maior. A partir daqui, aabordagem estruturalista se impõe definitivamente sobre a AbordagemClássica e a Abordagem das Relações Humanas. Embora predomine aênfase na estrutura, a visão teórica ganha novas dimensões e novasvariáveis.Dica: O Modelo Burocrático de Max Weber é um dos mais cobrados emconcursos, juntamente com Abordagem Clássica de Taylor e Fayol.Assim, muita atenção ao próximo tópico que vamos começar a estudaragora.I. MODELO BUROCRÁTICO DE ORGANIZAÇÃOA Burocracia, Teoria Burocrática de Administração ou Modelo Racional-Burocrático, surge como resposta à necessidade de um modelo www.pontodosconcursos.com.br 2
  • 38. pág.:38 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOorganizacional que considerasse todas as variáveis envolvidas(processo, comportamento humano, estrutura etc.), e que pudesse seraplicada a todos os tipos de organização (não se restringindo àindústria). Corresponde a uma forma de organização que se baseia naracionalidade, isto é, na adequação dos meios aos fins (objetivos)pretendidos.Para compreender a Burocracia, Max Weber estudou os tipos desociedade e autoridade:A – Sociedade tradicional, onde predominam as característicaspatriarcais (a família, por exemplo);B – Sociedade carismática, onde predominam características místicas,arbitrárias e personalísticas (grupos revolucionários), e;C – Sociedade legal, racional ou burocrática, onde predominam normasimpessoais e racionalidade na escolha dos meios e dos fins (grandesempresas, exércitos). Tipologia de sociedade e de autoridade e suas características segundo WeberCaracterísticas Exemplos Tipos de Caracterís- Legitimação autoridade ticasPatriarcal e Clã, tribo, Tradicional. Não é Tradição,patrimonialista. família, racional. hábitos, usosConservantismo sociedade Poder e costumes. mediaeval. herdado ou delegado. Baseada no “senhor”.Personalista, Grupos Carismática Não é Característicamística e revolucionários, racional, s pessoaisarbitrária. partidos nem (heroísmo,Revolucionária. políticos, herdada, magia, poder nações em nem mental) revolução. delegável. carismáticas Baseada no do líder. “carisma”.Racionalidade Estados Legal, Legal, Justiça da lei.dos meios e dos modernos, racional, racional, Promulgaçãoobjetivos. grandes impessoal, impessoal, e empresas, formal. formal. regulamentaç exércitos. Meritocrática. Meritocrática ão de normas legais previamente definidas. www.pontodosconcursos.com.br 3
  • 39. pág.:39 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHO(Tabela 11.1 – Tipologia de sociedade e de autoridade e suascaracterísticas segundo Weber, pág.226 – retirada do livro do Prof.CHIAVENATO, Idalberto. Introdução à Teoria Geral daAdministração. Edição Compacta – 3a. Edição. Editora Campus).Suas principais características são:1 – Hierarquia da autoridade, herdada das organizações militares (cujascaracterísticas foram estudas na aula zero;2 – Caráter legal das normas e regulamentos – assim como a tradiçãolegitima a autoridade patriarcal, a autoridade burocrática fundamenta-seem normas e regulamentos. É como se cada empresa possuísse umaconstituição própria;3 – Caráter formal das comunicações – na burocracia todas ascomunicações são feitas por escrito, com vistas à comprovação e àpadronização;4 – Impessoalidade nas relações – a administração nas burocracias éefetuada sem considerar as pessoas como pessoas, mas comoocupantes de cargos e funções. A obediência é impessoal; não éprestada em consideração à pessoas do chefe, e sim do cargo queocupa;5 – Rotinas e procedimentos padronizados – a burocracia é umaorganização que fixa regras e normas técnicas para desempenho docargo, reeducando a conduta de seus membros;6 – Meritocracia – a admissão, transferência e remoção dos funcionáriossão baseadas no mérito e na competência técnica, e não em critériosparticulares e arbitrários.7 – Especialização da administração – o que se deseja é aprofissionalização de todos os membros, com distinção das atividades degerência das de execução. A burocracia é Conseqüências Objetivo: baseada em: previstas: 1. Caráter legal das normas. 2. Caráter formal das comunicações. Previsibilidade do 3. Divisão do comportamento Máxima eficiência da trabalho. humano. organização. 4. Impessoalidade no Padronização do relacionamento. desempenho dos 5. Hierarquização da participantes. autoridade. 6. Rotinas e www.pontodosconcursos.com.br 4
  • 40. pág.:40 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHO procedimentos. 7. Competência técnica e mérito. 8. Especialização da administração. 9. Profissionalização. 10. Previsibilidade do funcionamento.(Figura 11.1 – As características da burocracia segundo Weber, pág.231– retirada do livro do Prof. CHIAVENATO, Idalberto. Introdução àTeoria Geral da Administração. Edição Compacta – 3a. Edição.Editora CampusDica: Costumamos pensar em burocracia apenas como regras,formalismo e excesso de papelório, entretanto, para Weber, o termoburocracia significa a Organização por Excelência, ou seja, o melhor dosmundos! O que costumamos pensar sobre a palavra burocracia, é naverdade, o que deu errado, ou seja, suas disfunções, o que veremoslogo adiante. Lembre disso!!!Vantagens da burocraciaWeber viu razões para explicar o avanço da burocracia sobre as outrasformas de associação.As vantagens da burocracia, para Weber, são:1. Racionalidade em relação ao alcance dos objetivos da organização;2. Precisão na definição do cargo e na operação, peloconhecimento exato dos deveres;3. Rapidez nas decisões, pois cada um conhece o que deve ser feito epor quem e as ordens e papéis tramitam através de canaispreestabelecidos.Disfunções (“defeitos”) da burocracia1 – Internalização das regras e apego aos regulamentos - existequando: cumprir as normas passa a ser mais importante que atingir osobjetivos. A atividade-meio passa a ser o resultado a ser alcançado. Ofuncionário se torna um especialista em normas;2 – Excesso de formalismo e papelório – a necessidade de documentartodas as comunicações conduz à tendência ao excesso de papelório; www.pontodosconcursos.com.br 5
  • 41. pág.:41 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHO3 – Resistência a mudanças – como tudo é padronizado e previsto comantecipação, o funcionário se acostuma a uma estabilidade,proporcionando-lhe segurança a respeito de seu trabalho. Qualquermudança tende a ser interpretada como algo que desconhece, tornando-se indesejável.4 – A base do processo decisorial – quem toma decisões é aquele queocupa o posto hierárquico mais alto, mesmo que nada saiba sobre otema. A “co-gestão” passa longe...5 – Superconformidade às rotinas – com o tempo, as regras tendem ase tornar absolutas, sagradas, conduzindo a uma rigidez nocomportamento do burocrata que restringe-se ao desempenho mínimo.Perde iniciativa, criatividade e inovação.6 – Dificuldade no atendimento a clientes – todos os clientes sãoatendidos de forma padronizada, seguindo normas e rotinas internas,fazendo com que o público se irrite com a pouca atenção e o descaso. Aburocracia fecha-se em si mesma.Dica: As disfunções são muito cobradas em concursos. É importante quevocê lembre na hora da prova que não existe organização totalmenteracional, que o homem não é totalmente previsível, que a burocraciagerou excesso de formalismo e papelório, gerou grande resistência àsmudanças e conflitos com o público. DIMENSÕES DA BUROCRACIANão há um único tipo de burocracia. Existem graus de burocratização,variando em um continuum que vai do excesso à escassez. O grau édeterminado pelas dimensões da burocracia (divisão do trabalho,hierarquia etc...), conforme quadro abaixo:Escassez de Burocratização Excesso de Burocratização Apadrinhamento Excesso de Seleção e promoção de pessoal Exigências Falta de especialização, Divisão do trabalho Superespecialização Bagunça, confusão Responsabilidade Liberdade Ordem e Excessiva Regras e regulamentos disciplina www.pontodosconcursos.com.br 6
  • 42. pág.:42 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOAusência de Excesso dedocumentos papelório Formalização das ComunicaçõesInformalidade FormalismoÊnfase nas Ênfase nospessoas Impessoalidade cargos Desordem Eficiência Rigidez(Figura 11.5 – Os graus da burocratização, pág. 238 – retirada do livrodo Prof. CHIAVENATO, Idalberto. Introdução à Teoria Geral daAdministração. Edição Compacta – 3a. Edição. Editora Campus). CRÍTICAS1- Indicada para situações que exigem pouca criatividade, rotineiras,pois devido à padronização das rotinas e à estrutura verticalizada, ofuncionário dispõe de pouca liberdade;2 - Aproxima-se do sistema fechado: na medida em que tenta eliminar ainfluência dos fatores extrínsecos, a burocracia tende a ser um sistemahermético, não os considerando;3 - É uma teoria mecanicista, na medida em que considera aorganização com um arranjo rígido e estatístico de peças,neglicenciando a organização informal. SUMÁRIO1 – A Teoria da Burocracia surgiu na Teoria Geral da Administração, porvolta da década de 40, quando a Teoria Clássica e a Teoria das RelaçõesHumanas lutavam entre si pela conquista de espaço na teoriaadministrativa e apresentavam sinais de obsolescência para sua época.2 – Embora as origens da burocracia remontem à Antigüidadehistórica, a burocracia, o capitalismo e a ciência moderna constituemtrês formas de racionalidade que surgiram a partir das mudançasreligiosas (protestantismo). Dentre as três formas de dominação – atradicional, a carismática e a burocrática -, esta última apresenta umaparato administrativo que corresponde à burocracia.3 – O modelo burocrático de Max Weber foi estudado e analisado emtodas as suas características, no sentido de se buscar a inspiração paruma nova teoria administrativa.4 – O modelo weberiano oferece vantagens, já que o sucesso dasburocracias em nossa sociedade se deve a inúmeras causas. Contudo,racionalidade burocrática, a omissão das pessoas que participam da www.pontodosconcursos.com.br 7
  • 43. pág.:43 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOorganização e os dilemas da burocracia, apontados por Weber,constituem problemas que a burocracia não consegue resolveradequadamente.5 – Merton definiu as disfunções do modelo burocrático weberiano enotou que, em vez da máxima eficiência, tais disfunções levam àineficiência da organização.6 – Selznick verificou a interação entre a burocracia e o seu ambiente,trazendo à tona a burocracia como um sistema em transaçõesambientais.7 – Igualmente, Goudner verificou graus de burocratização nasorganizações. Assim, o modelo proposto por Weber é um modelo idealde burocracia e não o modelo absoluto.8 – Uma apreciação crítica da burocracia leva-nos à conclusão de que,apesar de todas as suas limitações e restrições, a burocracia é uma dasmelhores alternativas de organização, provavelmente muito superior avárias outras alternativas tentadas no decorrer do século XX.Dica: Comparando o que estudamos até agora, percebemos que Taylorprocurava meios e métodos científicos para realizar o trabalho, e suamaior contribuição foi para a gerência; Fayol teve sua maiorcontribuição para a direção e Weber teve sua maior contribuição para aorganização como um todo. Vemos que, todos os três se preocupavamcom os componentes estruturais da organização.Dica: Palavras-chaves importantes sobre o Modelo Burocrático: MaxWeber, ênfase na estrutura, burocracia = organização por excelência,homem como ocupante de um cargo, rotinas e procedimentos,previsibilidade, hierarquização da autoridade.II. Teoria EstruturalistaJá sabemos, então, que a Teoria das Relações Humanas tentouintroduzir o comportamento na teoria administrativa, por meio de umafilosofia humanística a respeito da participação do homem naorganização. Entretanto, se de um lado combateu a Teoria Clássica, poroutro não proporcionou bases adequadas de uma nova teoria que apudesse substituir, e a Teoria da Burocracia não teve condições deultrapassar esse impasse. www.pontodosconcursos.com.br 8
  • 44. pág.:44 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOA Teoria estruturalista representa um desdobramento da Teoria daBurocracia e uma leve aproximação à Teoria das Relações Humanas.Representa uma visão crítica da organização formal.O estruturalismo está voltado para o todo e para o relacionamento daspartes na constituição do todo. A totalidade, a interdependência daspartes e o fato de que o todo é maior do que a simples soma das partessão as características básicas do estruturalismo.A Sociedade de OrganizaçõesO estruturalismo ampliou o estudo das interações entre os grupossociais para o das interações entre as organizações sociais. Da mesmaforma como os grupos sociais interagem entre si, também interagemsobre si as organizações.Etizioni visualiza uma revolução da organização com novas formassociais que emergem, enquanto as antigas modificam suas formas ealteram suas funções adquirindo novos significados. Essa evolução trazuma variedade de organizações, das quais a sociedade passa adepender mais intensamente.As organizações constituem a forma dominante de instituição damoderna sociedade: são a manifestação de uma sociedade altamenteespecializada e interdependente que se caracteriza por um crescentepadrão de vida. Cada organização é limitada por recursos escassos e porisso não pode tirar vantagens de todas as oportunidades que surgem:daí o problema de determinar a melhor alocação de recursos. Aeficiência é obtida quando a organização aplica seus recursos naquelaalternativa que produz o melhor resultado.As burocracias constituem um tipo específico de organização, que são aschamadas organizações formais. Dentre as formais, avultuam aschamadas organizações complexas. Elas são caracterizadas pelo altograu de complexidade na estrutura e processo devido ao grandetamanho (proporções maiores) ou à natureza complicada das operações(como hospitais e universidades).Os estruturalistas focalizam as organizações complexas por causa dosdesafios que essas impõem à análise organizacional.O homem organizacionalEnquanto a Teoria Clássica caracterizava o homo economicus e a Teoriadas Relações Humanas o “homem social”, a Teoria Estruturalista focaliza www.pontodosconcursos.com.br 9
  • 45. pág.:45 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOo “homem organizacional”: o que desempenha diferentes papéis emvárias organizações.O homem moderno, ou seja, o homem organizacional, para ser bem-sucedido em todas as organizações precisa ter algumas característicasde personalidade, como permanente desejo de realização, capacidadede adiar as recompensas, flexibilidade e tolerância às frustrações.As organizações sociais são conseqüência da necessidade que aspessoas têm de relacionar-se e juntar-se com outras pessoas a fim depoder realizar seus objetivos. Dentro da organização social as pessoasocupam certos papéis. Papel é o nome dado a um conjunto decomportamentos solicitados a uma pessoa. Como cada pessoa pertencea vários grupos e organizações, ela desempenha diversos papéis, ocupamuitas posições e suporta grande número de normas e regrasdiferentes.Análise das OrganizaçõesPara estudar as organizações os estruturalistas utilizaram uma análiseorganizacional mais ampla do que qualquer outra anterior. Assim, aanálise das organizações do ponto de vista estruturalista é feita a partirde uma abordagem múltipla que leva em conta os fundamentos daTeoria Clássica, da Teoria das relações Humanas e da Teoria daBurocracia.Essa abordagem múltipla envolve:1. Tanto a organização formal como a informal;2. Tanto as recompensas salariais e materiais como as recompensassociais e simbólicas;3. Todos os diferentes níveis hierárquicos de uma organização;4. Todos os diferentes tipos de organizações;5. A análise intra-organizacional e a análise interorganizacional.Objetivos OrganizacionaisAs organizações são unidades sociais que procuram atingir objetivosespecíficos: a sua razão de ser é servir a esses objetivos. Um objetivoorganizacional é uma situação desejada que a organização tenta atingir.É uma imagem que a organização pretende para o seu futuro. Se oobjetivo é atingido, ele deixa de ser a imagem orientadora e éincorporado à organização como algo real e atual.A eficiência de uma organização é medida pelo alcance dos objetivospropostos. A competência da organização é medida pelo volume derecursos utilizados para realizar a produção. www.pontodosconcursos.com.br 10
  • 46. pág.:46 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOAlgumas das funções dos objetivos organizacionais são a apresentaçãode uma situação futura, a constituição de uma fonte de legitimidade,servir como padrões e como unidades de medidas para verificação ecomprovação da produtividade da organização.Ambiente e Estratégia OrganizacionalAs organizações existem em um contexto que chamamos de ambiente.Ambiente é tudo o que envolve externamente uma organização. Para osestruturalistas, o ambiente é constituído pelas outras organizações queformam a sociedade.A organização depende de outras organizações para seguir o seucaminho e atingir os seus objetivos. Assim, passam a se preocupar nãosomente com a análise organizacional, mas também com a análiseinterorganizacional. A análise interorganizacional está voltada para asrelações externas entre uma organização e outras organizações noambiente.As organizações podem adaptar-se e mudar para cumprir requisitosambientais ou podem alterar o ambiente de forma que esse fiqueadequado às capacidades delas. A primeira alternativa é adaptativa,enquanto a segunda constitui um processo político de influenciar ounegociar com o ambiente externo em vez de reagir ao mesmo.O mercado recebe o nome de ambiente, como uma arena aberta paraabrir a negociação a uma gama muito mais ampla de agentes e forças.A estratégia organizacional é a maneira deliberada de fazer manobrasno sentido de administrar suas trocas e relações com os diversosinteresses afetados por suas ações.Para os estruturalistas essas estratégias podem ser de competição e decooperação. No fundo, a estratégia permite mapear a estrutura de poderexistente na organização.Dica: A interação entre a organização e o ambiente torna-sefundamental para a compreensão do estruturalismo.ConflitosConflito significa a existência de idéias, sentimentos, atitudes ouinteresses antagônicos e colidentes que podem se chocar.Para os estruturalistas, os conflitos, embora nem todos desejáveis, sãoelementos geradores das mudanças e da inovação na organização.Conflito e cooperação são elementos integrantes da vida de umaorganização. O propósito da administração deve ser o de obtercooperação e sanar conflitos, ou seja, criar condições em que o conflitopossa ser controlado e dirigido para canais úteis e produtivos. www.pontodosconcursos.com.br 11
  • 47. pág.:47 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOExistem tipos de situações dentro das organizações que provocamconflitos. Os conflitos envolvem aspectos positivos e negativos, emboraas possibilidades negativas e destrutivas do conflito – tanto internocomo externo – sejam mais visíveis. Não há melhor maneira decomprometer a saúde de uma organização do que promover um conflitointerno. Também o conflito externo, provocado por forças que vêm defora da organização pode exercer pressão fortemente desintegradora.Todavia, o conflito pode apresentar potencialidades positivas,permitindo o fortalecimento da coesão grupal e da organização informal,bem como o sentimento de pertencer à organização. CRÍTICAS1. No estruturalismo coexistem duas tendências teóricas marcantes:a integrativa e a do conflito. O estruturalismo conduz a uma ampla visãode que os conflitos e os antagonismos não podem ser relegados à esferade atritos interpessoais: sua compreensão exige uma atenção maior àsua base, que é a estrutura organizacional e societária.2. O estruturalismo trata sobretudo das organizações complexas e doestudo e da análise das organizações formais. O importante é que aanálise organizacional pode ser feita no nível de sociedade (oumacronível) no nível intergrupal ou ainda no nível interpessoal(micronível). As organizações fazem parte de uma sociedade mais geral,interagindo com ela e intercambiando influências recíprocas.3. As tipologias das organizações utilizadas pelos estruturalistas sãocriticadas pelas suas limitações quanto à aplicação prática e pelo fato dese basearem em uma única variável ou aspecto básico. Suaaplicabilidade e validade são problemáticas. As tipologias usadas sãosimples e unidimensionais, reduzindo as organizações a uma únicadimensão para poder comprá-las entre si.4. A Teoria Estruturalista é denominada “teoria da crise”, pois temmais a dizer sobre os problemas e patologias das organizaçõescomplexas do que com sua normalidade. Os autores estruturalistas sãocríticos e revisionistas, procurando localizar nas organizações o núcleode suas problemáticas. SUMÁRIO1. A Teoria Estruturalista surgiu por volta da década de 1950, comoum desdobramento das análises dos autores voltados para a Teoria daBurocracia que tentavam conciliar as teses propostas pela TeoriaClássica e pela de Relações Humanas. www.pontodosconcursos.com.br 12
  • 48. pág.:48 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHO2. Os autores estruturalistas (mais voltados para a SociologiaOrganizacional) procuram interelacionar as organizações com seuambiente externo, que é a sociedade maior. Surge um novo conceito desociedade e um novo conceito de homem: o homem organizacional quedesempenha papéis simultâneos em diversas organizações diferentes.3. A análise das organizações é feita dentro de uma abordagemmúltipla e globalizante, que é facilitada com a utilização de tipologiasorganizacionais, assunto em que os estruturalistas são mestres: Etizioni,Blau e Scot sugerem tipologias simples e unidimensionais para analisare compreender as organizações.4. Para avaliar a realização das organizações, os estruturalistasestudam os objetivos organizacionais que representam as intenções dasorganizações. Seu alcance mostra até que ponto as organizações sãoeficazes e bem-sucedidas.5. A Teoria Estruturalista inaugura os estudos a respeito do ambientedentro do conceito de que as organizações são sistemas abertos emconstante interação com seu contexto externo.6. Existem conflitos e dilemas organizacionais que provocam tensõese antagonismos envolvendo aspectos positivos e negativos, mas cujaresolução conduz a organização à inovação e à mudança.Dica: Palavras-chaves importantes sobre a Teoria Estruturalista:Etizioni, Blau e Scot, ênfase na estrutura organizacional, nas pessoas eno ambiente, “o todo é maior que a soma das partes”, homemorganizacional, contexto ambiental e inclusão de variáveis externas,organizações como sistemas abertos.Quer ir beber uma água ou um café??? Pode ir dar uma voltinha rápidapela casa, olhar a janela, coisinha rápida para esfriar a cabeça, porqueainda temos muita coisa pela frente… ABORDAGEM NEOCLÁSSICA DA ADMINISTRAÇÃOI. TEORIA NEOCLÁSSICAA Teoria Neoclássica da Administração surge com o objetivo de dilapidaras teorias até então existentes: a Abordagem Clássica (AdministraçãoCientífica + Teoria Clássica) e a Abordagem Humanística, “quebrando”aparcialidade e as limitações de cada uma delas. Tem ênfase nosprincípios organizacionais e na administração teórica e prática. www.pontodosconcursos.com.br 13
  • 49. pág.:49 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOAdministração como Técnica SocialSegundo seus autores (Drucker, O’Donnell...), a Administração é umaferramenta utilizada pelos gestores para “conseguir fazer coisas (atingirobjetivos) através da condução dos esforços dos indivíduos”.Princípios básicos da organizaçãoSegundo O’Donnell, seriam princípios comuns a todas as entidades: InstitucionalA – Divisão do trabalho, segundo níveis de administração Intermediário OperacionalB – Especialização (significando a reunião de pessoas em torno de umatarefa, ou departamentalização);C – Hierarquia, atentando para a delegação e seus princípios (delegar atarefa inteira) à pessoa certa, atribuir autoridade e responsabilidade,avaliar e recompensar. Não há transferência da responsabilidade. Sehouvesse na delegação, teríamos transferência de atribuições esubstituição, em vez de delegação!D – Amplitude administrativa: diz respeito à quantidade desubordinados, sugerindo estruturas que variam de “altas” a “achatadas”,e:E – Centralização/descentralização, referindo-se ao nível onde asdecisões são tomadas. Processo administrativo ou ciclo administrativoObservação: O processo administrativo é um assunto amplo e deextrema importância nos concursos. Estaremos detalhando esse assuntona próxima aula.São quatro funções essenciais:A – Planejamento: caracteriza-se pelas perguntas: O quê? Como?Quando? Corres, onde a “definição” da situação futura (onde queremoschegar?), análise da situação atual (onde estamos?), levantamento dealternativas e o processo de tomada de decisões, culminando na www.pontodosconcursos.com.br 14
  • 50. pág.:50 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOelaboração de políticas/diretrizes e estratégias, materializado em planos(cursos pré-determinados de ação). Ele se dá em três níveis:I – Estratégico – longo prazo, objetivo global, abrangente, diretores;II – Tático – médio prazo, departamental, intermediário, gerentes;III – Operacional – curto prazo, nível de execução. Vale ressaltar que as demais funções ou fases são tambémdivididos em três níveis.B – Organização: integrar recursos humanos, materiais e órgãos; alocarrecursos; dividir o trabalho segundo a especialização;C – Direção: coordenar esforços, comunicar, motivar, liderar, e;D – Controle: tem a finalidade de manter as atividades dentro de cursopreestabelecido. Corresponde às seguintes sub-fases: definição depadrões, observação, comparação e correção. Decorrências da Teoria Neoclássica:1. Tipos de OrganizaçãoComo decorrência da abordagem neoclássica, definimos três tipos deestruturas organizacionais:A – Linear: a mais simples de entender e implementar. Esta estrutura éindicada para pequenas empresas e situações estáveis e quandocontrata-se assessoria externa. Suas características são: autoridadelinear ou única, centralização da decisão, formato piramidal ecomunicação formal linear. Organização Linear www.pontodosconcursos.com.br 15
  • 51. pág.:51 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHO(Figura 8.1 – As diferenças entre a organização linear e a organizaçãofuncional, pág. 164 – retirada do livro do Prof. CHIAVENATO, Idalberto.Introdução à Teoria Geral da Administração. Edição Compacta – 3a.Edição. Editora Campus).B – Funcional: aplica o princípio funcional ou especialização.Caracteriza-se pela autoridade diluída, comunicação direta,descentralização e supervisão técnica;Organização Funcional(Figura 8.1 – As diferenças entre organização linear e organizaçãofuncional, pág. 164 – retirada do livro do Prof. CHIAVENATO, Idalberto.Introdução à Teoria Geral da Administração. Edição Compacta – 3a.Edição. Editora Campus).C – Linha/staff: Corresponde a uma fusão das duas anteriores,prevalecendo a estrutura linear e combinando o que há de melhor nasduas. Conjuga hierarquia e especialização, linhas formais e diretas decomunicação e separação dos órgãos operacionais (linha) dos de apoio(staff).A outra decorrência da abordagem neoclássica corresponde àadministração por objetivos, que representou um marco no estudo dasteorias de administração. www.pontodosconcursos.com.br 16
  • 52. pág.:52 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHO Transição do estilo administrativo a partir da apo Período pré APO Período pós APO * Administração do cotidiano * Focalização no futuro * Visualização para dentro * Visualização para fora * Orientação para produtos * Orientação para pessoas * Orientação para a organização * Orientação para clientes * Orientação para as atividades * Orientação para resultados * Administração da rotina * Criação de inovações * Ênfase no “como”, * Ênfase no “para que” * Controle centralizado, funcional e * Iniciativa descentralizada dos tecnocrático subordinados * Estilo autoritário * Estilo participativo * Diretrizes e supervisão * Delegação e responsabilidade * Individualismo * Trabalho em equipe(Quadro 10.2 – A transição do estilo administrativo a partir da APO, pág.209 – retirada do livro do Prof. CHIAVENATO, Idalberto. Introdução àTeoria Geral da Administração. Edição Compacta – 3a. Edição.Editora Campus).2. DepartamentalizaçãoComo decorrência da Teoria Neoclássica, a Departamentalizaçãorepresenta um ponto geralmente cobrado em concursos públicos.No período pré-Revolução Industrial predominavam as manufaturas,“empresas” compostas na maioria das vezes por famílias inteiras, ondeo pai (autoridade patriarcal) era responsável pelo planejamento dasatividades, bem como participava diretamente do processo produtivo.Os novos modelos de organização advindos da Revolução Industrial,complexos e com grande número de trabalhadores demandaram aespecialização das atividades, como forma de garantir a eficiência.Nesse sentido, podemos entender a Departamentalização como umaespecialização no nível dos departamentos. A fim de cumprir o princípioda homogeneidade, atividades de mesma natureza eram ocupadas ealocadas juntas.O entendimento dominante é no sentido de que a Departamentalizaçãocorresponde a uma especialização horizontal, ou seja, agrupamento deatividades em órgãos que se situam em um mesmo nível hierárquico. www.pontodosconcursos.com.br 17
  • 53. pág.:53 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHO DIREÇÃO DEP. DEP. DEP. CONT COMERCIAL PRODUÇÃOPara esses autores, a especialização vertical (criação de órgãos comintuito de incrementar o controle, por exemplo) receberia o nome deProcesso Escalar. Entretanto, a posição minoritária (tanto aespecialização horizontal quanto a vertical são chamadas deDepartamentalização) foi adotada em uma das antigas provas da UnB.Atenção ao fazer a prova!Vale ressaltar que, embora a Departamentalização esteja “fora demoda” nos dias de hoje (há uma tendência à valorização de gruposmultifacetados), corresponde a um ponto do programa. Sendo assim,vamos estudar um pouco mais sobre ela.TIPOSA Departamentalização pode se feita das seguintes formas:A – por Função: corresponde à reunião de todos os especialistas emum único órgão. Cada departamento exerce uma função típica doselementos que o compõe. DIREÇÃO DEP. DEP. DEP. PROD SEGURANÇA COMERCIAL É indicado para empresas que desenvolvem atividades rotineiras,onde se exige pouco flexibilidade.VANTAGENS DESVANTAGENS• Menor custo; • Diminuição da cooperação interdepartamental;• Facilidade de treinamento; • Possibilidade de priorização dos objetivos departamentais www.pontodosconcursos.com.br 18
  • 54. pág.:54 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHO• Facilidade de coordenação; em detrimento dos objetivos globais.• Definição de competências.B – Por Produto ou Serviço: divide a empresa em unidades deprodução. Esse tipo é indicado para situações onde a flexibilidade éexigida. DEPARTAMENTO DE PRODUÇÃO PROD. PROD. PROD. A B CVANTAGENS DESVANTAGENS• Aloca responsabilidades do • Aumento do custo, na medida em que se fazproduto a necessária um departamento; a presença de especialistas da mesma área, “um por• O sucesso do produto é o Departamento”. Cada órgão tem seu setorsucesso do de departamento; Contabilidade, marketing etc.• Facilita a aplicação de mão-de-obra;• Facilita a atividade-fim e acooperação interdepartamental..C – por Área Geográfica: indicada para empresas que cobrem grandesáreas (multinacionais, por exemplo). HOLDING BRASIL CHILE VENZUELA www.pontodosconcursos.com.br 19
  • 55. pág.:55 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOVANTAGENS DESVANTAGENS• Encoraja executivos; • Dificuldades de coordenação.• Ajuste às condições demarcado; D – por Processo: a Departamentalização corresponde àseqüência do processo produtivo; Cada departamento é um centro deprodução. Indicada para situações onde o foco é a tecnologia, quedemandam grandes investimentos. DEPARTAMENTO DE PRODUÇÃO FASE 1 FASE 2 FASE 3 ENROLAMENTO PRÉ-MONTAGEM MONTAGEMREENGENHARIAA Reengenharia é uma espécie de reorganização onde a estruturaorganizacional é redesenhada, através da substituição de processosantigos por outros inteiramente novos e revolucionários. Caracteriza-sepor ser uma ação radical, sem preocupar-se com os limites impostos porórgãos/departamentos, baseando-se na tecnologia de informação.Conseqüências:1 - Desaparecimento dos departamentos – as equipes são orientadaspara os processos e para os clientes. Os antigos departamentos comsuas funções típicas são substituídos por uma complexa rede de equipesde processos;2 – Achatamento da estrutura, na medida em que órgãos deixam deexistir;3 – Trabalho multidimensional – a ênfase volta-se para aresponsabilidade global e coletiva;4 – Maior autonomia, favorecendo a criatividade e motivando otrabalhador;5 – Mudança na medida de avaliação, da atividade realizada para osresultados obtidos e o valor criado; www.pontodosconcursos.com.br 20
  • 56. pág.:56 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHO6 - Os gerentes passam a ser instrutores e educadores dotados dehabilidades interpessoais, em vez de supervisores de ação.E – por Projeto: indicado para empresas que produzem por“encomendas”, (estaleiros, construtoras etc.). Nessas empresas, cadaproduto é um projeto especializado, voltado para atender a necessidadedo requisitante. Geralmente exige grande concentração de recursos. DEPARTAMENTO DE PRODUÇÃO PROD. PROD. PROD. A B CA desvantagem é a angústia causada pela possibilidade de perda docargo, quando o produto fica pronto.FORÇA-TAREFAÉ uma variante de dimensões menores. Consiste no agrupamento derecursos materiais e humanos para resolução de problemas específicos.É composto por elementos-chaves de diversas especialidades. Ex.:“Comissão do orçamento”, onde são reunidos os Secretários dePlanejamento, Administração, elementos da Contabilidade e outros.Resolvido o problema, todos retornam às suas funções de origem.F – por outros critérios – utilizada quando os critérios apresentadossão insuficientes para o enquadramento das atividades (onde alocar osresponsáveis pelo “cafezinho”?). Nesses casos costuma-se alocar-se aórgãos que possuem maior afinidade ou menor carga de trabalho(podendo, então, absorvê-las). www.pontodosconcursos.com.br 21
  • 57. pág.:57 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHO Tipos de Características Vantagens DesvantagensDepartamen- talização FUNCIONAL Agrupamento por Utilização de Pequena atividades ou pessoas e recursos cooperação especializados. funções principais. interdepartament Adequada para Divisão do trabalho al. Contra- por especialidade.atividade indicada para Auto-orientação. continuada, circunstâncias Introversão. rotineira e ambientais estabelecida a imprevisíveis e longo prazo. mutáveis.PRODUTOS Agrupamento por Define EnfraquecimentoOU SERVIÇOS resultados quanto a responsabilidades da produtos ou por produtos ou especialização. Alto custo serviços. Divisão de serviços, facilitando trabalho por linhas a avaliação dos operacional pela de resultados. Melhor duplicação das produtos/serviços. coordenação especialidades. Ênfase nos interdepartamental. Contra-indicada produtos e Maior flexibilidade.para serviços. Facilita inovação circunstâncias Orientação para ideal para estáveis e resultados. circunstâncias rotineiras. mutáveis. Enfatiza a coordenação em detrimento da especialização.GEOGRÁFICA Agrupamento Ajustamento às Enfraquece aOU conforme condições locais ou coordenaçãoTERRITORIAL localização regionais. Fixa (seja o geográfica ou responsabilidade planejamento, territorial. Ênfase por local ou região, execução e na cobertura facilitando a controle) da geográfica. avaliação ideal para organização Orientação para o firmas de varejo. como um todo. mercado. Enfraquecimento Extroversão. da especialização.CLIENTELA Agrupamento Predispõe a Torna conforme tipo ou organização para secundárias as tamanho do cliente satisfazer as demais ou comprador. demandas dos atividades da www.pontodosconcursos.com.br 22
  • 58. pág.:58 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHO Ênfase no cliente. clientes. Ideal organização Orientação quando o negócio (como produção extroversiva mais depende do tipo ou ou finanças). voltada para o tamanho do cliente. Sacrifica os cliente do que Fixa demais objetivos parar si mesma. responsabilidade da organização por clientes. (como produtividade, lucratividade, eficiência etc.)PROCESSO Agrupamento por Arranjo físico e Contra-indicada fases do processo, disposição racional quando a do produto ou da dos recursos. tecnologia sofre operação. Ênfase Utilização mudanças e na tecnologia econômica da desenvolvimento utilizada. Foque tecnologia e do tecnológico. introversivo. processo. Ideal Falta de quando a flexibilidade e tecnologia e os adaptação a produtos são mudanças. estáveis e permanentes.PROJETOS Agrupamento em Ideal quando a Concentra função de saídas ou concentração de pessoas e resultados quanto a recursos é grande e recursos em um ou mais provisória e quando cada projeto projetos. Requer o produto é de provisoriamente. estrutura grande porte. Quando termina organizacional Orientada para um projeto, há flexível e adaptável resultados indefinição às circunstâncias concretos. Alta quanto a outros. do projeto. Requer concentração de Descontinuidade alto grau de recursos e e paralisação. coordenação entre investimentos, com Imprevisibilidade órgãos para cada datas e prazos de quanto a novos projeto. execução. projetos. Adaptação ao Angústia dos desenvolvimento especialista técnico. Ideal para quando ao seu produtos altamente próprio futuro. complexos.(Tabela 9.1 – Características, vantagens e desvantagens dos diferentestipos de departamentalização, pág. 193 – retirada do livro do Prof. www.pontodosconcursos.com.br 23
  • 59. pág.:59 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOCHIAVENATO, Idalberto. Introdução à Teoria Geral daAdministração. Edição Compacta – 3a. Edição. Editora Campus).A Departamentalização não é um fim, mas um meio de organizar aempresa para a consecução de seus objetivos. Entretanto, a separação,qualquer que seja o tipo adotado, cria problemas de coordenação dedifícil solução. 4 (quatro) são os princípios utilizados que tendem aminorar esse problema:a) Principio de Maior Uso: O departamento que mais uso fizer de uma atividade deve tê-la sob sua jurisdição.b) Princípio de Maior Interesse: O departamento que mais interesse tenha por uma atividade deve supervisioná-la, porque se torna proficiente nela.c) Princípio de separação do Controle: As atividades de controle devem ser autônomas, independentes e separadas das atividades que estão sendo controladas.d) Princípio da Supressão da Concorrência: Deve-se eliminar a concorrência entre departamentos, agrupando atividades diversas em um só departamento, para evitar a rivalidade interdepartamental.Dica: Na prática, a utilização de um ou outro tipo isolado deDepartamentalização é rara. O comum é encontrarmos a“Departamentalização combinada”. SUMÁRIO1 –A Teoria Neoclássica (Escola Operacional ou do ProcessoAdministrativo) surgiu da necessidade de se utilizar os conceitos válidose relevantes da Teoria Clássica, expurgando-os dos exageros edistorções típicos do pioneirismo e condensando-os com outrosconceitos válidos e relevantes.2 – É identificada por algumas características marcantes: a ênfase naprática da Administração, reafirmação relativa (e não absoluta) dospostulados clássicos, ênfase nos princípios Clássicos de Administração,ênfase nos resultados e objetivos, e sobretudo, o ecletismo aberto ereceptivo.3 - A Teoria Neoclássica considera a Administração como uma técnicasocial básica. Isso leva à necessidade de que o administrador conheça,além dos aspectos técnicos e específicos de seu trabalho, também osaspectos relacionados com a direção das pessoas dentro dasorganizações. www.pontodosconcursos.com.br 24
  • 60. pág.:60 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHO4 – Enfatiza as funções do administrador: planejamento, organização,direção e controle. No seu conjunto, as funções administrativas formamo processo administrativo.5 – A organização formal apresenta cinco características, a saber:divisão do trabalho, especialização, hierarquia, amplitude administrativae racionalismo da organização formal. Para atender a essascaracterísticas que mudam de acordo com as organizações, aorganização formal pode ser estruturada por meio de três tipos: linear,funcional e linha-staff.6 - A fim de responder às exigências internas e externas, a organizaçãopode desenvolver uma especialização vertical (proporcionando maiornúmero de níveis hierárquicos) e uma especialização horizontal(proporcionando maior número de órgãos especializados, ou seja,Departamentalização).7 – A Departamentalização constitui a combinação e/ou agrupamentoadequados das atividades necessárias à organização em departamentosespecíficos. Assim, a Departamentalização pode apresentar vários tipos:por funções, por produtos ou serviços, por localização geográfica, porprojetos, ou por ajustamento funcional.Dica: Palavras-chaves importantes sobre a Teoria Neoclássica: PeterDrucker, ênfase no ecletismo: tarefas pessoas e estrutura, funções doadministrador, Processo Administrativo, departamentalização, Tipos deOrganização, Reengenharia.II. ADMINISTRAÇÃO POR OBJETIVOSA Administração por objetivos (APO) ou Administração por resultadosconstitui o modelo administrativo identificado com o espírito pragmáticoe democrático da Teoria Neoclássica. Seu aparecimento ocorreu em1954, quando Peter F. Drucker publicou um livro sobre Administraçãopor Objetivos, sendo considerado o pai da APO.A APO é um processo pelo qual gerentes e subordinados identificamobjetivos comuns, definem as áreas de responsabilidade de cada um emtermos de resultados esperados e utilizam esses objetivos como guiaspara sua atividade.Embora tenha um passado autocrático, a APO funciona hoje com umaabordagem amigável, democrática e participativa. Ela serve de basepara os novos esquemas de avaliação do desempenho humano, www.pontodosconcursos.com.br 25
  • 61. pág.:61 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOremuneração flexível e, sobretudo, para a compatibilização entre osobjetivos organizacionais e os objetivos individuais das pessoas.A APO apresenta as seguintes características:1. Estabelecimento conjunto de objetivos entre o gerente e seusuperior.2. Estabelecimento de objetivos para cada departamento ou posição.3. Interligação entre os vários objetivos departamentais.4. Ênfase na mensuração e no controle de resultados.5. Contínua avaliação, revisão e reciclagem dos planos.6. Participação atuante das gerências e dos subordinados.7. Apoio intensivo do staff.Fixação de Objetivos:A APO é um modelo de administração por meio do qual as gerências deuma organização estabelecem metas para suas administrações, no iníciode cada período, de preferência coincidindo com o exercício fiscal daempresa, em consonância com as metas gerais da organização, fixadaspelos acionistas, por meio de uma diretoria.A importância dos objetivos pode ser avaliada pelos seguintes aspectos:a) Os objetivos proporcionam uma diretriz ou uma finalidade comum.b) Permitem o trabalho em equipe e eliminam as tendênciasegocêntricas de grupos existentes na organização.c) Servem de base para avaliar planos e evitam erros devido à omissão.d) Melhoram as possibilidades de previsão do futuro. A organizaçãodeve dirigir o seu destino, em vez de submeter-se às fatalidades ou aoacaso.e) Quando os recursos são escassos, os objetivos ajudam a orientar eprever a sua distribuição criteriosa.Ciclo da APOA APO envolve um processo cíclico de tal forma que o resultado de umciclo permite correções e ajustamentos no ciclo seguinte, por meio deretroação proporcionada pela avaliação dos resultados. www.pontodosconcursos.com.br 26
  • 62. pág.:62 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHO Fixação dos objetivos globais da empresa Elaboração do planejamento estratégico Fixação dos objetivos departamentais para o ano Avaliação dos resultados alcançados em Elaboração do plano tático do departamento comparação com os objetivos departamentais Revisão nos planos ou alteração nos objetivos Desdobramento do plano tático em planos departamentais operacionais Avaliação dos resultados alcançados em comparação com os objetivos departamentais(Figura 10.1 – O ciclo da APO, pág. 200 – retirada do livro do Prof.CHIAVENATO, Idalberto. Introdução à Teoria Geral da aAdministração. Edição Compacta – 3 . Edição. Editora Campus). www.pontodosconcursos.com.br 27
  • 63. pág.:63 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOCogestão/ Gestão participativa Retorno Ação individual do gerente: Gerente Proporcionar apoio, direção Formulação e recursos conjunta de Avaliação objetivos de desempenho conjunta do Ação alcance dos individual do subordinado: objetivos e Subordinado Desempenhar reciclagem do as tarefas Retorno(figura 10.6 – O processo participativo e democrático de APO – retiradado livro do Prof. CHIAVENATO, Idalberto. Introdução à Teoria Geralda Administração. Edição Compacta – 3a. Edição. Editora Campus). CRÍTICASAlguns problemas com a APO: • Coerção sobre subordinados • Aprovação de objetivos incompatíveis • Papelório em excesso • Focalização sobre resultados mais facilmente mensuráveis do que sobre resultados mais importantes • Perseguição rígida de objetivos que poderiam ser abandonados. RESUMO1 – Cada autor desenvolve o seu modelo de APO. As características daAPO, apresar das diferenças de enfoque dos autores, podem serdefinidas genericamente: estabelecimento conjunto de objetivos entre ogerente e seu superior, estabelecimento de objetivos para cadadepartamento ou posição, interligação entre os vários objetivosdepartamentais, ênfase na mensuração e no controle de resultados,contínua avaliação, revisão e reciclagem dos planos, participação www.pontodosconcursos.com.br 28
  • 64. pág.:64 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOatuante das gerências e dos subordinados, apoio intensivo do staff,principalmente durante os primeiros períodos.2 – Como a APO se assenta sobre objetivos, os critérios para fixação deobjetivos são fundamentais para o sucesso do sistema.3 – A APO é desenvolvida por meio de ciclos que variam conforme osautores.Dica: Palavras-chaves importantes sobre a APO: Objetivos estabelecidosem conjunto entre gerente e subordinados, estabelecimento deobjetivos para cada departamento e sua interligação, avaliação dosresultados, revisão e reciclagem dos planos.Já estão cansados?? Espero que não…. Porque ainda falta umaabordagem para conversarmos… Esta aula é grande para que vocêpossamos adiantar os pontos do edital e ir consolidando seusconhecimentos. Prometo que vou dar um “refresco” na aula seguinte.Mas, por enquanto, vamos estudar mais um pouquinho… ABORDAGEM COMPORTAMENTAL DA ADMINISTRAÇÃO (BEHAVIORISTA)Surge em 1947 com o objetivo de democratizar a administração, comenfoque no chamado “comportamento organizacional”. Traz uma novaconcepção sobre organização: ela se constituiria em um sistema socialcooperativo. Partindo da premissa que o homem é social, ele se juntariaa outras pessoas para alcançar objetivos que sozinho não conseguiria,superando limitações e desenvolvendo habilidades e aptidões.I – TEORIA COMPORTAMENTAL DA ADMINISTRAÇÃOPara explicar o comportamento organizacional, a TeoriaComportamental fundamenta-se no comportamento individual daspessoas. Para poder explicar como as pessoas se comportam, torna-senecessário o estudo da motivação humana. Assim, um dos temasfundamentais da Teoria Comportamental é a motivação humana. Osautores behavioristas verificaram que o administrador precisa conheceras necessidades humanas para melhor compreender o comportamentohumano e utilizar a motivação humana como poderoso meio paramelhorar a qualidade de vida dentro das organizações. www.pontodosconcursos.com.br 29
  • 65. pág.:65 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOTeorias que a compõem:a) Pirâmide das necessidades de MaslowAbraham H. Maslow criou uma hierarquia, apresentada na forma depirâmide, onde ele explicita que as necessidades humanas sãoorganizadas e dispostas em níveis, em uma hierarquia de influenciaçãoe importância. Pirâmide das necessidades de Marlow * Trabalho criativo e desafiante Auto * Diversidade e autonomia realização * Participação nas decisões * Responsabilidade por resultados Estima * Orgulho e reconhecimento * Amizade dos colegas * Interação com clientes Sociais * Gerente amigável * Condições seguras de trabalho * Remuneração e benefícios Segurança * Estabilidade no emprego * Intervalos de descanço * Conforto físico Necessidades Fisiológicas * Horário de trabalho razoável(Figura 13.1 – A hierarquia das necessidades humanas e meios desatisfação, pág. 284 – retirada do livro do Prof. CHIAVENATO, Idalberto.Introdução à Teoria Geral da Administração. Edição Compacta – 3a.Edição. Editora Campus).b) Teoria dos Fatores de HerzbegFrederick Herzberg formulou a teoria dos dois fatores para explicar ocomportamento das pessoas em situação de trabalho. Pra Herzbergexistem dois fatores que orientam o comportamento das pessoas.1 – Fatores higiênicos ou fatores extrínsecos, são: o salário, osbenefícios sociais, o tipo de chefia ou supervisão que as pessoasrecebem de seus superiores, as condições físicas e ambientais de www.pontodosconcursos.com.br 30
  • 66. pág.:66 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOtrabalho, as políticas e diretrizes da empresa, o clima de relações entrea empresa e as pessoas que nela trabalham, os regulamentos internosetc. São fatores de contexto e se situam no ambiente externo quecircunda o indivíduo. Tradicionalmente apenas os fatores higiênicoseram levados em conta na motivação dos empregados: o trabalho eraconsiderado uma atividade desagradável, para fazer com que aspessoas trabalhassem mais, tornava-se necessário o apelo para prêmiose incentivos salariais, liderança democrática, políticas empresariaisabertas e estimuladoras, isto é, incentivos situados externamente aoindivíduo em troca de seu trabalho. Quando os fatores higiênicos sãoótimos, eles apenas evitam a insatisfação dos empregados. Porém,quando são péssimos ou precários, eles provocam a insatisfação dosempregados. Herzeberg chama-os de fatores higiênicos, pois sãoprofiláticos e preventivos: eles apenas evitam a insatisfação, mas nãoprovocam a satisfação. Seu efeito é similar ao de certos remédioshigiênicos: evitam a infecção ou combatem a dor de cabeça, mas nãomelhoram a saúde. Pelo fato de estarem mais relacionados com ainsatisfação, Herzberg também os chama de fatores insatisfacientes. Fatores Motivacionais Fatores Higiênicos ( Satisfacientes) ( Insatisfacientes)Conteúdo do Cargo Contexto do Cargo( Como o indivíduo se sente em (Como o indivíduo se sente emrelação ao seu CARGO) relação à EMPRESA)1. O trabalho em si 1. As condições de trabalho2. Realização 2. Administração da empresa3. Reconhecimento 3. Salário4. Progresso profissional 4. Relações com o supervisor5. Responsabilidade 5. Benefícios e serviço sociais(Quadro 13.1 – Fatores motivacionais e fatores higiênicos, pág. 287 –retirada do livro do Prof. CHIAVENATO, Idalberto. Introdução à TeoriaGeral da Administração. Edição Compacta – 3a. Edição. EditoraCampus). www.pontodosconcursos.com.br 31
  • 67. pág.:67 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHO O trabalho em si Responsabilidade Necessidades Progresso de autorização Crescimento Motivacionais Realização Necessidades Reconhecimento do ego Status (estima) Relações interpessoais Supervisão Colegas e subordinados Necessidades sociais Supervisão técnica; Políticas administrativas e empresariais Segurança no cargo Necessidades de segurança Condições físicas de trabalho Salário Vida pessoal Necessidades fisiológicas Higiênicos(Figura 13.7 – Uma comparação dos modelos de motivação de Maslow ede Herzberg, pág. 289 – retirada do livro do Prof. CHIAVENATO,Idalberto. Introdução à Teoria Geral da Administração. Edição Compacta– 3a. Edição. Editora Campus).2 – Fatores motivacionais ou fatores intrínsecos, pois estão relacionadoscom o conteúdo do cargo e com a natureza das tarefas que o indivíduoexecuta. Estão sob o controle do indivíduo, pois estão relacionados comaquilo que ele faz e desempenha. Os fatores motivacionais envolvem ossentimentos de crescimento individual, de reconhecimento profissional eas necessidades de auto-realização.O efeito dos fatores motivacionais sobre o comportamento das pessoasé profundo e estável. Quando são ótimos, eles provocam a satisfaçãonas pessoas. Porém, quando são precários, eles evitam a satisfação.Pelo fato de estarem ligados a satisfação dos indivíduos, Herzbergchama-os também de fatores satisfacientes.Herzberg salienta que os fatores responsáveis pela satisfaçãoprofissional das pessoas são totalmente desligados e distintos dosfatores responsáveis pela insatisfação profissional. Para ele, “o opostoda satisfação profissional não seria a insatisfação, mas sim nenhumasatisfação profissional e, da mesma forma, o oposto da insatisfaçãoprofissional seria nenhuma insatisfação profissional e não a satisfação”.C – Teoria do X e Teoria Y www.pontodosconcursos.com.br 32
  • 68. pág.:68 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOMc Gregor preocupou-se em comparar dois estilos opostos eantagônicos de administrar: de um lado, um estilo baseado na teoriatradicional, mecanicista e pragmática (a que deu o nome de Teoria X),e, de outro, um estilo baseado nas concepções modernas a respeito docomportamento humano (a que denominou Teoria Y).Pressuposições da Teoria X Pressuposições da Teoria Y* As pessoas são preguiçosas e * As pessoas são esforçadas eindolentes. gostam de ter o que fazer.* As pessoas evitam trabalho. * O trabalho é uma atividade tão natural como brincar ou descansar.*As pessoas evitam a * As pessoas procuram e aceitamresponsabilidade, a fim de se responsabilidades e desafios.sentirem mais seguras.* As pessoas precisam ser * As pessoas podem sercontroladas e dirigidas. automotivadas e autodirigidas.* As pessoas são ingênuas e sem * As pessoas são criativas einiciativa. competentes.(Quadro 13.2 – A Teoria X e a Teoria Y como diferentes concepções arespeito da natureza humana, pág. 293 – retirada do livro do Prof.CHIAVENATO, Idalberto. Introdução à Teoria Geral da aAdministração. Edição Compacta – 3 . Edição. Editora Campus).Desses estilos de administração surgem, respectivamente, liderançaautocrática e liderança democrática.Dica: As teorias X e Teoria Y de McGregor sempre caem em prova! Fiquede olho!!D – Sistemas de AdministraçãoLikert considera a Administração como um processo relativo, no qualnão existem princípios universais válidos para todas as circunstâncias.Ao contrário, a Administração nunca é igual e pode assumir feiçõesdiferentes, dependendo das condições internas e externas daorganização.Likert propõe uma classificação de sistemas de Administração, definindoquatro diferentes perfis organizacionais (Perfis Organizacionais deLikert). Sistemas de Administração 1 2 3 4 www.pontodosconcursos.com.br 33
  • 69. pág.:69 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHO Variáveis Autoritário- Autoritário- Consultivo Participativo principais Coercitivo BenevolenteProcesso Decisorial Totalmente Centralizado na Consulta aos níveis Totalmente delegado e centralizado na cúpula cúpula, mas inferiores, permitindo descentralizado. Nível da organização permitindo diminuta participação e institucional define delegação de caráter delegação políticas e controla rotineiro. resultados.Sistema de Bastante precário. Relativamente Procura-se facilitar o Sistemas deComunicações Apenas comunicações precário, prevalecendo fluxo no sentido comunicação verticais descendentes comunicações vertical (descendente e eficientes são carregando ordens. descendentes sobre as ascendente) e fundamentais para o ascendentes. horizontal. sucesso da empresa.Relações Provocam São toleradas, com Certa confiança nas Trabalho realizado emInterpessoais desconfiança. certa condescendência. pessoas a nas suas equipes. Formação de Organização informal Organização informal relações. A empresa grupos torna-se é vedada e considerada incipiente e procura facilitar o importante. Confiança prejudicial. Cargos e considerada como uma desenvolvimento de mútua, participação e tarefas confinam as ameaça à empresa. uma organização envolvimento grupal pessoas. informal sadia. intensos.Sistemas de Ênfase em punições e Ênfase em punições e Ênfase nas Ênfase nasRecompensas e medidas disciplinares. medidas disciplinares, recompensas materiais recompensas sociais.Punições Obediência estrita aos mas com menor (principalmente Recompensas regulamentos internos. arbitrariedade. salários). materiais e salariais Raras recompensas (de Recompensas salariais Recompensas sociais freqüentes. Punições cunho estritamente mais freqüentes. ocasionais. Raras são raras e, quando salarial). Recompensas sociais punições ou castigos. ocorrem, são definidas são raras pelos grupos.(Tabela 13.1 – Os quatro sistemas administrativos segundo Likert, pág.295 – retirada do livro do Prof. CHIAVENATO, Idalberto. Introdução àTeoria Geral da Administração. Edição Compacta – 3a. Edição.Editora Campus).E – Comportamento OrganizacionalComportamento organizacional é o estudo da dinâmica das organizaçõese como os grupos e pessoas se comportam dentro delas. É uma ciênciainterdisciplinar. Como a organização é um sistema coorporativo racional,ela somente pode alcançar algo que individualmente jamaisconseguiram. Por essa razão, a organização caracteriza-se por umaracional divisão do trabalho e por uma hierarquia. Da mesma forma queuma organização tem expectativas acerca de seus participantes, quantoàs suas aptidões, talento e potencial de desenvolvimento, também osparticipantes, têm suas expectativas em relação à organização. Aspessoas procuram ou formam uma organização porque esperam que sua www.pontodosconcursos.com.br 34
  • 70. pág.:70 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOparticipação nela satisfará algumas de suas necessidades pessoais. Paraobter essas satisfações, as pessoas estão dispostas a incorrer em certoscustos ou a fazer certos investimentos pessoais na organização. Poroutro lado, a organização procura pessoas na expectativa de que elastrabalhem e desempenhem suas tarefas. Assim, surge uma interaçãoentre pessoas e organização, a que se dá o nome de “processo dereciprocidade”: a organização espera que as pessoas realizem suastarefas e concede-lhes incentivos e recompensas, enquanto as oferecemsuas atividades e trabalho esperando certas satisfações pessoais. Aspessoas estão dispostas a cooperar desde que suas atividades dentro daorganização contribuam diretamente para o alcance de seus própriosobjetivos pessoais. CRÍTICAS1- Embora os autores da Teoria Comportamental marquemdefinitivamente a ênfase nas pessoas, em muitos aspectos pecam pela“psicologização” de certos aspectos. Esse exagero é passível de críticas,entretanto o importante é que para ela, as pessoas constituem o ativomais importante da organização.2 – Existe uma dificuldade na Teoria em ser normativa, os behavioristasdescrevem as características do comportamento organizacional mas nãodão tanta importância a construir modelos e princípios de aplicaçãoprática.3 – Maslow e Herzberg apresentam teorias de motivação relativas e nãoabsolutas.4 – Outro ponto é o fato da Teoria não levar em consideração asdiferenças individuais de personalidade das pessoas. Foram desprezadosos aspectos subjetivos e as diferenças de interpretações individuais darealidade. RESUMO1 – Mc Gregor, Maslow e Herzberg inovam nas proposições acerca damotivação humana. Quanto mais o administrador conhecer osmecanismos motivacionais das pessoas, melhor será a adequação desua gestão.2 – Os estilos de administração são apresentados por McGregor atravésdos dois extremos que são as teorias X e Y, enquanto Likert propõequatro sistemas organizacionais, variando desde um sistema autoritárioexplorador até um sistema participativo grupal eminentementedemocrático. www.pontodosconcursos.com.br 35
  • 71. pág.:71 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHO3 – A Teoria Comportamental enfatiza o Processo Decisório. Todoindivíduo é um tomador de decisão, baseando-se nas informações querecebe do seu ambiente, processando-as de acordo com suas convicçõese assumindo atitudes, opiniões e pontos de vista em todas ascircunstâncias.Dica: Palavras-chaves importantes sobre a Teoria Comportamental:Behaviorismo, ênfase nas pessoas, entretanto em um contextooperacional mais amplo, motivação humana, Hierarquia dasnecessidades de Maslow, Teoria dos dois fatores de Herzberg, Mc Gregore as teorias “X” e “Y” , Likert.II – TEORIA DO DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL (DO)A Teoria do Desenvolvimento Organizacional (DO) tem como objetivo oaumento da capacidade adaptativa à mudança. É um esforço a longoprazo com objetivo de renovar a entidade, com ênfase no trabalho emequipe, na cultura organizacional, na cogestão e no Empowerment(fortalecimento das equipes).Na prática o DO corresponde a estudos feitos em laboratórios com o TGroups (Training Group), dentro da nova concepção do homem (ohomem administrativo), que passa de ultra-simplificado a complexo.Nesse momento, visa-se a exploração de todas as suas faculdades ehabilidades. O desenvolvimento das habilidades interpessoais(humanas) é apontado como mecanismo de mudança. O que se desejaé que a empresa tenha capacidade inovadora, adquirida através damudança de sua cultura (modus vivendi; crenças, valores, hábitos etradições).Existem modelos de DO com processos e procedimentos distintos, sendotrês os principais:I – Managerial Grid ou DO tipo Grid: este modelo pressupõe que oadministrador sempre está voltado para dois assuntos: produção(resultado de esforços) ou pessoas (chefes, colegas ou aqueles cujotrabalho ele dirige). Essa “preocupação” do administrador é expressaatravés de uma grade composta de dois eixos, onde 5 estilos sãodestacados: www.pontodosconcursos.com.br 36
  • 72. pág.:72 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHO Alta 9 Estilo 1. 9 Estilo 9 . 9 Atenção concentrada nas pessoas pois O trabalho é conseguido através das pessoas 8 relacionamentos satisfatórios conduzem a comprometidas: a interdependência de um uma atmosfera confortadora e alto ritmo “interesse comum” no objetivo da organização de trabalho conduz a relacionamentos de confiança. 7 Preocupação 6 Com Estilo 5 . 5 pessoas 5 Um adequado desempenho organizacional através do equilíbrio entre conseguir que o trabalho seja executado e a manutenção do 4 moral das pessoas. 3 Estilo 1. 1 Estilo 9. 1 A aplicação de um esforço mínimo para A eficiência nas operações resulta de um 2 que o trabalho seja executado é adequada e arranjo das condições de trabalho de modo suficiente para se conservar a prerrogativa que os elementos humanos interfiram num Baixa 1 de membro da organização. grau mínimo. 1 2 3 4 5 6 7 8 9 Baixa Preocupação com Produção Alta(Figura 14.6 – O Managerial Grid (Grade Gerencial), pág. 343 – retiradado livro do Prof. CHIAVENATO, Idalberto. Introdução à Teoria Geral daAdministração. Edição Compacta – 3ª. Edição. Editora Campus).II – Modelo de Lawrence e Lorsch: a “Teoria dos Defrontamentos” indicaque a atenção do administrador deve estar voltada para os conflitos(defrontamentos) internos e externos, tais como grupo x grupo,indivíduo x organização x ambiente. O gerente é um administrador deconflitos;III – Teoria 3-D da eficácia gerencial de Reddin: nesse modelo, aeficácia seria alcançada através do desenvolvimento de três habilidadesgerenciais básicas:a) Sensitividade situacional: para diagnosticar situações e as forçasjogam na situação;b) Flexibilidade de estilo: para se adequar às forças em jogo, umavez analisadas e diagnosticadas; www.pontodosconcursos.com.br 37
  • 73. pág.:73 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOc) Destreza de gerência situacional: é a habilidade de gestãosituacional, ou seja, a capacidade de modificar uma situação, queprecisa ser modificada. CRÍTICA1- O DO dá ênfase na educação “emocional”, focaliza o treinamento de“habilidades” no relacionamento interpessoal, tendo por base as ciênciasdo comportamento. Ele não se preocupa com as habilidades de direção,mas apenas com as técnicas de Relações Humanas.2 – Muitas organizações se aproximam do modelo monocráticosustentado no direito da propriedade privada. Na medida em que alegitimidade baseada no direito de propriedade privada perdesubstância, os dirigentes recorrem a procedimentos para manter suapromoção pessoal. Em muitos casos, o DO tem sido usado comoinstrumento para assegurar tais objetivos e sua utilização decorre doefeito demonstração, visando muito mais à legitimação externa e seusefeitos sobre a imagem pública da organização do que propriamente àlegitimação interna. Nenhuma comprovação científica demonstrou queas técnicas de DO melhoram a capacidade da organização de alcançarseus objetivos. Apesar destas restrições, a DO afigura-se como a melhoropção humana de abordagem da teoria administrativa. RESUMO1- O DO tem sua origem na Teoria Comportamental e nos consultoresde dinâmica de grupo e comportamento organizacional. O DO ampliousua área de atuação chegando a abordar a organização como um todo eassumindo a abordagem sistêmica. Nesse ponto, passou a ganhar aresde teoria administrativa.2 – O DO apresenta novos conceitos de organização, de culturaorganizacional e de mudança organizacional dentro de pressupostos daTeoria Comportamental.3 – O processo de DO é constituído basicamente de três etapas: colheitade dados, diagnóstico organizacional e ação de intervenção.4 – Muito embora pareça uma moda passageira na teoria administrativa,o DO é uma alternativa democrática e participativa muito interessantepara a renovação e a revitalização das organizações que não se podedesprezar. www.pontodosconcursos.com.br 38
  • 74. pág.:74 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHODica: Palavras-chaves importantes sobre a Teoria do DO: Homemadministrativo, mudança organizacional planejada, etapas do DO:colheita de dados, diagnóstico organizacional e ação de intervenção.Prontos para responderem algumas questões de concursos járealizados?? Acredito que sim... Caso você queira se aprofundar nosassuntos que estudamos hoje, sugiro a leitura dos capítulos 07 ao 13 dolivro “Teoria Geral de Administração, sétima Edição, do ProfessorIdalberto Chiaventao – Editora Campus.As questões apresentadas a seguir, e também as que serãoapresentadas nas próximas aulas, são questões da ESAF, do INPI, daFundação Carlos Chagas, da Unicamp, Proderj, Funesp, PCI, UFRJ,Granjeiro, CESP, AFTN, e algumas elaboras por mim.Seja sincero com você mesmo e com seus estudos e não olhe o gabaritoantes de responder às questões. Concentre-se e use todos os seusconhecimentos, aprendidos aqui, e os conhecimentos que você já trazconsigo ao longo da vida...01) Assinale a opção em que se apresenta duas características doModelo Burocrático de Administração.a) Delegação plena de autoridade; ênfase nas relações humanas.b) Rotinas e procedimentos padronizados; previsibilidade de comportamentos.c) Avaliação do desempenho dos executivos em função dos resultados alcançados; busca de alta produtividade.d) Caráter formal das comunicações; processos decisório participativo.e) Solução de conflitos por meio de negociação; caráter informal das normas.02) Segundo Maslow, a motivação deixa de existir:a) Quando o indivíduo se aposenta do seu emprego;b) Se ocorre um problema grave na família;c) Toda vez que ás emoções tomam conta das pessoas;d) Uma vez satisfeito determinado tipo de necessidade;e) Sempre que acontece uma mudança na chefia. www.pontodosconcursos.com.br 39
  • 75. pág.:75 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHO03) Segundo o entendimento dos teóricos da administração, a açãoracional é:a) Resultante de um rigoroso planejamento científico;b) Logicamente derivada de análise da situação;c) Sinônimo para obtenção dos fins da organização;d) Voltada para a consecução de objetivos;e) Características das pessoas mais evoluídas.04) A eficiência, segundo Weber, é alcançada quando o administrador:a) Exige de todos o fiel cumprimento das normas;b) Exerce um estilo de liderança comportamental;c) Participa das tomadas de decisão, em todos os níveis;d) Utiliza adequadamente os insumos para obter produtos;e) Reduz os custos operacionais ao mínimo possível.05) Segundo Weber, são vantagens do modelo burocrático daorganização: a) Tradição, previsibilidade e precisão; b) Rapidez, precisão e eficiência; c) Unicidade, fidelidade e descontinuidade; d) Descontinuidade, precisão e univocidade; e) Rapidez, tradição e precisão.06) O modelo racional-legal de administração, tanto na área públicaquanto na empresarial, encontra no conceito de burocracia um de seuselementos principais. Neste modelo, a burocracia define-se,basicamente, como tipo de organização apta para realizar de modoeficiente e eficaz tarefas administrativas em grande escala, mediante otrabalho racionalmente organizado de muitos indivíduos. São numerososos estudos a respeito deste padrão organizacional. Em que pesem asdiferenças de abordagem e de pressupostos existentes entre eles, épossível alcançar uma visão de conjunto a respeito do fenômenoburocrático. Indique a opção que contém os princípios administrativostípicos da burocracia:a) Organização por departamentos, planejamento estratégico, disciplina e criatividade.b) Especialização dos níveis intermediários, alta remuneração dos escalões de base e restrição dos privilégios dos superiores hierárquicos.c) Horizontalização dos processos decisórios, participação permanente, rotinização normativa e liderança carismática.d) Flexibilidade gerencial, estruturação de carreiras e transparência orçamentária. www.pontodosconcursos.com.br 40
  • 76. pág.:76 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOe) Especialização, autoridade hierarquizada, sistema de regras normativas e impessoalidade.7) Ao lado das dificuldades apresentadas pela burocracia para seadaptar às rápidas mudanças culturais, políticas e econômicas dasúltimas décadas, o crescimento desmesurado do número e do poder dasorganizações burocráticas tem sido apresentado como um dos fatoresque levaram à ineficiência e inviabilizaram a reprodução do modeloracional-legal de administração. Indique a opção que fornece a melhorexplicação a respeito deste problema:a) A burocracia cresceu em tamanho e em número na proporção direta em que se deixou contaminar pela influência de fatores políticos irracionais e pela massificação do acesso às suas carreiras.b) A dificuldade crescente para estabelecer rotinas processuais e a politização excessiva dos procedimentos normativos acabaram por fazer com que as altas autoridades burocráticas perdessem o controle sobre seus subordinados.c) As organizações burocráticas cresceram por terem sido forçadas a reagir diante dos excessivos controles democráticos sobre elas exercidos pelas instâncias políticas do Estado.d) O espirit de corps e a oligarquização das cúpulas dirigentes acabaram por estimular a tendência à multiplicação artificial de órgãos como forma de reforçar o poder dos burocratas.e) O crescimento desmesurado das burocracias foi provocado pela aplicação descriteriosa de métodos intuitivos, num quadro marcado por uma acirrada competição entre os agentes econômicos.8) Originária das elaborações dos profissionais da área de tecnologia dainformação, a reengenharia tornou-se, nos anos 90, uma perspectivatécnica largamente aplicada no mundo da administração. De umacirculação inicialmente circunscrita ao universo das empresas privadas,a reengenharia passou a influenciar progressivamente o setor público.Concebida como uma intervenção estratégica para adaptar asorganizações às mudanças do ambiente em que atuam, converteu-senuma sugestiva abordagem dos processos e projetos de modernizaçãoadministrativa e organizacional. Aponte a opção que melhor sintetizaalguns dos principais pressupostos e características da reengenharia:a) A reengenharia parte da apreensão da cultura organizacional e apoia-se numa visão integrada das organizações, no acúmulo de conhecimentos, no planejamento e na vinculação das mudanças estruturais às mudanças humanas e culturais.b) A reengenharia privilegia a obtenção contínua de pequenas reduções de custos e da racionalização dos recursos humanos, com o objetivo de dar maior agilidade e competitividade às organizações. www.pontodosconcursos.com.br 41
  • 77. pág.:77 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOc) A reengenharia atua basicamente com o propósito de promover redefinições em departamentos ou unidades organizacionais, respeitando as fronteiras, os conflitos e as polarizações existentes entre eles.d) Entendida como sinônimo de reestruturação, a reengenharia privilegia as operações centralizadas e a especialização, procurando concebê-las como peças estratégicas de uma mudança de impacto.e) A reengenharia é um método operacional que concede lugar de destaque aos critérios e padrões quantitativos e parte do pressuposto de que a ação e o fazer têm prevalência sobre o pensar.9) Assinale a alternativa incorreta:a) No sentido popular, burocracia significa papelada, número excessivo de tramitações, apego excessivo aos regulamentos, ineficiência. Na verdade, o povo deu o nome de burocracia aos defeitos do sistema, ao que Robert K. Merton chamaria de suas “disfunções”.b) Mannheim define organização como “um tipo de cooperação na qual as funções de cada parte do grupo são precisamente reordenadas e estabelecidas e há uma garantia de que as atividades planejadas serão executadas sem maiores fricções”.c) Organização ou burocracia é um sistema social racional, ou um sistema social em que a divisão do trabalho é racionalmente realizada tendo em vista os fins visados. O gênero próximo é o fato de a organização ser um tipo de sistema social, de conjunto de indivíduos que mantêm entre si relações sociais. A diferença específica é o fato de ser racional a divisão do trabalho existente dentro deste sistema social.d) Um ato não será racional na medida em que represente o meio mais adaptado para se atingir um determinado objetivo, na medida em que sua coerência em relação a seus objetivos se traduza na exigência de um mínimo de esforços para se chegar a esses objetivos.e) Ato racional é aquele coerente em relação aos fins visados: ato eficiente ou produtivo é aquele que, não só é coerente em relação aos fins visados, como também exige o mínimo de esforços, o mínimo de custos, entendidos esses termos em seu sentido amplo, para um máximo de resultados.10) Assinale a alternativa incorreta:a) A dominação carismática é aquela que tem por origem o “carisma”. Esse termo foi usado anteriormente com sentido religioso, significando Dom gratuito de Deus, graça. O batismo confere o carisma; o Dom da sabedoria que Cristo deu aos apóstolos é um tipo de carisma. Modernamente, Weber e outros estudiosos usaram www.pontodosconcursos.com.br 42
  • 78. pág.:78 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHO esse termo com o sentido de qualidade extraordinária e indefinível de uma pessoa.b) A dominação carismática é um poder com base racional. É estável e dificilmente adquire características revolucionárias. Sua estabilidade deriva da fluidez de suas bases. O líder carismático mantém seu poder enquanto seus seguidores reconhecem nele forças extraordinárias e, naturalmente, esse reconhecimento não pode desaparecer a qualquer momento.c) A dominação carismática não pode ser delegada nem concedida em herança, como a racional-legal e a tradicional. É uma dominação essencialmente pessoal, intransferível. Sua arbitrariedade explica-se pela ausência de leis, estatutos e tradições que o regulamentem. É um poder cujos limites são dados pela sua própria personalidade. Por isso mesmo ele tende a ser um instrumento de transformação social.d) É fácil compreender por que a dominação carismática não é própria da burocracia. Sua irracionalidade, instabilidade e arbitrariedade chocam-se diretamente com as bases do conceito de organização.e) A dominação tradicional é aquela que se baseia no tradicionalismo, “na crença na rotina de todos os dias como uma inviolável norma de conduta”. O tradicionalista acredita na “santidade” da tradição. Tudo o que os nosso antepassados aceitaram como válido deverá continuar a sê-lo. Os usos e costumes são a fonte última de poder. É um tipo de dominação extremamente conservador. Opõe-se à mudança social, porque nada a legitima.11) Assinale a alternativa incorreta:a) As burocracias têm sua fonte de legitimidade no poder racional-legal ou no poder patriarcal, patrimonial ou carismático. Em seu tipo ideal, puro, as organizações são sistemas sociais racionais.b) O formalismo da burocracia expressa-se no fato de que a autoridade deriva de um sistema de normas racionais, escritas e exaustivas, que definem com precisão as relações de mando e subordinação, distribuindo as atividades a serem executadas de forma sistemática, tendo em vista os fins visados.c) A autoridade, em uma burocracia, deriva de normas legais, ao invés de tradicionais. Assim, as normas são válidas, não porque a tradição as legitime, mas porque sendo racionais, nos levam aos fins visados. Além disso, essas normas são legais . Elas conferem à pessoa investida de autoridade o poder de coação sobre os subordinados e coloca à sua disposição meios coercitivos capazes de impor disciplina. www.pontodosconcursos.com.br 43
  • 79. pág.:79 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOd) A autoridade burocrática é baseada no Direito, entendendo-se por Direito um sistema de normas cuja obediência pode ser imposta pela coação.e) Não seria possível definir todas as relações de autoridade dentro de um sistema, de forma racional e precisa, sem escrevê-las. A norma tradicional não precisa ser escrita porque ela pouco muda, é aceita e obedecida através das gerações. A norma racional, porém, precisa a todo instante ser modificada, adaptando-se aos fatores novos que surgem no ambiente, já que visa à consecução dos objetivos colimados da forma mais econômica e eficiente possível.12) Assinale a alternativa incorreta:a) A necessidade de escrever as normas burocráticas, de formalizá-las, acentua-se ainda mais devido ao caráter exaustivo que elas tendem a ter. Elas procuram cobrir todas as áreas da organização, prever todas as ocorrências e enquadrá-las dentro de um comportamento definido. Dessa forma, não só a alta administração mantém mais firmemente o controle, reduzindo o âmbito de decisão dos administradores subordinados, como também facilita o trabalho destes, que não precisam estar a cada momento medindo as conseqüências vantajosas e desvantajosas de um ato antes de agir.b) A burocracia se caracteriza pelo seu caráter hierárquico, ou seja, por “um sistema firmemente organizado de mando e subordinação mútua das autoridades, mediante supervisão das inferiores pelas superiores, sistema esse que oferece ao subordinado a possibilidade de apelar da decisão de uma autoridade inferior a uma autoridade superior”.c) Weber afirma que, em uma burocracia plenamente desenvolvida, a hierarquia de funções é “monocrática”, ou seja, existe apenas um chefe para cada subordinado, ao invés de comissões. Isto torna a “administração mais rápida e com diretrizes constantes, livre dos compromissos e variações da opinião da maioria”.d) Os sistemas sociais não-burocráticos, desde que atinjam uma certa dimensão, tendem também a apresentar-se em forma hierárquica. A hierarquia é tão bem definida como nas burocracias.e) A administração burocrática é realizada sem consideração a pessoas. Burocracia significa, etimologicamente, “governo de escritório”. É, portanto, o sistema social em que, por uma abstração, os escritórios ou os cargos governam.13) Assinale a alternativa incorreta:a) O nepotismo e o filhotismo fazem parte integrante dos sistemas sociais burocráticos e podem ser considerados aberrações dentro dos mesmos. www.pontodosconcursos.com.br 44
  • 80. pág.:80 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOb) O administrador profissional, antes de mais nada, é um especialista. Esta é uma característica fundamental. As burocracias são sistemas sociais geralmente de grandes dimensões, nos quais o uso do conhecimento especializado é essencial para o funcionamento eficiente.c) O administrador profissional tem em seu cargo sua única ou pelo menos principal atividade. Ele não é administrador por acidente, subsidiariamente, como o eram os nobres dentro da administração palaciana, ou como ainda o são os conselheiros e mesmo os diretores de um clube esportivo. O cargo não é uma honraria, embora possa envolver prestígio: é um meio de vida. É geralmente sua principal fonte de renda, e dele deriva fundamentalmente seu prestígio e posição social.d) O administrador burocrático não possui os meios de administração e produção. Ele administra em nome de terceiros: em nome dos cidadãos, quando se trata de administrar o Estado, em nome dos acionistas, quando se trata de administrar uma sociedade anônima, em nome dos sócios, dos crentes, dos contribuintes.e) O administrador burocrático desenvolve um espírito de “fidelidade ao cargo”, segundo a expressão usada por Max Weber. É o que modernamente é chamado de processo de identificação do funcionário com a empresa. Essa identificação é impessoal.14) Estão listadas abaixo quatro dimensões essenciais do modelo de burocracia idealizado por Weber e uma disfunção da burocracia. Assinale a disfunção:a) Despersonalização do relacionamento entre participantes.b) Autoridade hierárquica bem definida.c) Sistema de regras e regulamentos cobrindo todos os direitos e deveres dos ocupantes de funções.d) Divisão de trabalho baseada na especialização funcional.e) Promoção e seleção para emprego baseadas na competência técnica.15) Delegação é o processo pelo qual a autoridade é distribuídaatravés da organização, o que leva à descentralização. Assinale aafirmativa errada: Ao delegar, o dirigente:a) Distribui o poder formal para os níveis mais baixos da cadeia de autoridade.b) Transfere sua responsabilidade para quem recebe a delegação.c) Torna possível deslocar fisicamente os serviços e atividades para onde são executados.d ) Reparte o poder de tomar decisões entre os diversos níveis da organização.e) Distribui sua autoridade com outros membros da organização. www.pontodosconcursos.com.br 45
  • 81. pág.:81 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHO16) Quanto à organização informal, está correto dizer:a) Deve ser combatida frontalmente.b) É prejudicial à organizaçãoc) Contraria os objetivos da organização.d ) Reflete indisciplina e desobediência às normas.e ) Existe em qualquer organização.17) A reengenharia de processos envolve ou implica mudanças organizacionais:a) Nas estruturas organizacionais, que mudam de niveladas para hierárquicas.b) Nas medidas de desempenho, que mudam dos resultados para as atividades.c) Na preparação para o serviço, que muda de treinamento para educação.d) Na natureza do trabalho executivo, que muda de liderança para controle dos resultados.e) No critério para promoção, que muda de habilidade para desempenho.18) O tipo de estrutura organizacional representado por uma pirâmide,que demonstra claramente a unidade de comando e o princípio deescalonamento hierárquico, é chamado de:a) Estrutura matricial.b) Design funcionalc) estrutura lineard) Modelo holístico.19) Segundo a concepção de Max Weber, a burocracia é um tipo deorganização que:a) Torna as decisões muito demoradas.b ) Incentiva a autonomia decisória do indivíduo.c) É controlada por um pequeno grupo de funcionários.d) Corporifica a forma ideal de racionalidade.e ) Permite a expressão livre e desimpedida de idéias20) A autoridade racional-legal, identificada nas organizaçõesburocráticas, diferencia-se de outros tipos de autoridade, porque entreoutras características é:a ) Exclusiva da administração pública.b) Legitimada por um sistema de normas tradicionais. www.pontodosconcursos.com.br 46
  • 82. pág.:82 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOc ) Definida nos instrumentos normativos, com alto grau de impessoalidade.d) Própria de chefes com fortes personalidades.e) Muito dependente da pessoa do líder.21) O homem é um ser indolente, preguiçoso, não gosta de assumirriscos, tem aversão às mudanças e trabalha o mínimo que pode. Sãopressupostos sobre a natureza humana que identificam:a) Estilo gerencial 1.1 do Grid de Black e Mouton.b) Sistema 1 ou autoritário de Likert.c ) Teoria X de McGregor.d) Liderança autoritária de Lewin.e ) Gerente desertor de Reddin.22) O elemento básico, em todas as organizações, são as pessoas,podendo-se dizer que uma organização existe quando duas ou maispessoas interagem a fim de alcançarem eficazmente os objetivos, pormeio da combinação de suas capacidades e recursos pessoais comalguma espécie de estrutura de trabalho.Com base no enunciado acima, julgue os itens que se seguem:a) A interação humana determina os elementos formais da organização.b) O sucesso ou o insucesso das organizações é afetado pela qualidade das interações entre os seus membros.c) A qualidade das interações entre duas ou mais pessoas é o resultado das maneiras pelas quais as organizações se estruturam.d) A condição necessária para a existência de uma organização é a interação entre as pessoas.e ) Os processos de realização do trabalho determinam a natureza e a qualidade das interações entre os membros de uma organização.23) Assinale a alternativa correta no que se refere às característicasdas organizações pré-burocráticas e das burocráticas:a) A promoção nas organizações pré-burocráticas leva em conta a competência.b ) O tratamento ao cliente nas organizações burocráticas não é universal.c ) Tanto nas organizações burocráticas como nas pré-burocráticas existem regras.d) Nas organizações burocráticas o administrador é eleito.e ) Tanto nas organizações burocráticas como nas pré-burocráticas o tratamento ao cliente é impessoal. www.pontodosconcursos.com.br 47
  • 83. pág.:83 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHO24) Segundo a hierarquia das necessidades, de Maslow, sãoconsideradas primárias as necessidades:a) De estima e de auto-realização.b) De estima e as sociais.c) Fisiológicas, de segurança e as sociais.d) Fisiológicas, as de auto-realização e as de segurança.e) De segurança e as fisiológicas.25) A Teoria X e a Teoria Y de Douglas McGregor apresentam diferentesconcepções a respeito da natureza humana Um dos pressupostos daTeoria Y é que as pessoas:a) Evitam responsabilidades a fim de se sentirem mais seguras.b) Precisam ser controladas e dirigidas.c ) São fortemente motivadas por recompensas financeiras.d ) Procuram desafios e aceitam responsabilidades.e ) São disciplinadas porque temem punições.26) É um tipo de organização em que há pouca participação dos níveisinferiores nas decisões e onde existem prêmios e castigos paramotivar::a ) Gerência 1.9.b ) Sistema 1.c ) Teoria Yd ) Teoria Xe ) Sistema 227) Interessar-se por atividades fascinantes e desafiadoras é tãonatural nas pessoas como respirar ou comer. O homem está-seadaptando constantemente e adotando programas de mudanças,assumindo riscos e tomando decisões. Estes pressupostos identificam:a ) Teoria Y de McGregor.b ) Estilo gerencial 5.5 de Grid de Blake e Mouton.c ) Gerente relacionado de Reddin.d ) Liderança liberal de Lewin.e ) Sistema 2 ou benevolente de Likert.28) O elemento básico, em todas as organizações, são as pessoaspodendo-se dizer que uma organizações existe quando duas ou maispessoas interagem a fim de alcançarem eficazmente os objetivos, pormeio da combinação de suas capacidades e recursos pessoais comalguma espécie de estrutura de trabalho.Com base no enunciado acima, julgue os itens que se seguem:a) A interação humana determina os elementos formais da organização. www.pontodosconcursos.com.br 48
  • 84. pág.:84 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOb) O sucesso ou o insucesso das organizações é afetado pela qualidade das interações entre os seus membros.c) A qualidade das interações entre duas ou mais pessoas é o resultado das maneiras pelas quais as organizações se estruturam.d) A condição necessária para a existência de uma organização é a interação entre as pessoas.e) Os processos de realização do trabalho determinam a natureza e a qualidade das interações entre os membros de uma organização.29). De acordo com Max Weber, as três formas puras de dominaçãolegítima sãoa) a patrimonialista, a burocrática e a capitalista.b) a tradicional, a carismática e a racional-legal.c) a patrimonialista, a racional-moral e a carismática.d) a patrimonialista, a burocrática e a gerencial.e) a tradicional, a burocrática e a gerencial.30) Para garantir a impessoalidade e evitar o patrimonialismo, aburocracia weberiana orienta-se basicamentea) pela moralização do serviço público.b) por normas e procedimentos universais.c) pela avaliação dos resultados das políticas públicas.d) pela capacidade de liderança dos gerentes.e) pelo controle do sistema político democrático às decisões do corpoburocrático.31) Enquanto a organização formal é intencionalmente planejada, ainformal decorre da interação espontânea dos seus membros e doimpacto das suas personalidades sobre os seus papéis funcionais. Combase nessa afirmativa, assinale a opção correta.a) Os objetivos da organização formal são mais explícitos do que os da informal.b) Sem a organização formal é impossível existir a organização informal.c) É preciso impedir que os aspectos informais contaminem os formais.d) A organização formal causa impactos até mesmo nas personalidades.e) A organização informal é incompatível com a organização formal.32) Quando ocorre um conflito entre os interesses dos trabalhadores eos da administração, compete aos gestores:a) Garantir a harmonia mediante a repressão.b) Procurar aproveitar o seu potencial positivo.c) Aplicar as sanções disciplinares imediatamente. www.pontodosconcursos.com.br 49
  • 85. pág.:85 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOd) Encaminhar as partes conflitantes ao serviço médico.e) Esperar até que as pessoas se tranqüilizem.33) Nas organizações hoje existentes, pode-se encontrar uma enormegama de variações na distribuição da autoridade, indo desde uma fortecentralização até uma descentralização muito ampla. A questão dacentralização/ descentralização da autoridade é muito discutida, tantono mundo acadêmico quanto no contexto empresarial. O consenso atualindica as seguintes vantagens e desvantagens de uma e de outra:a) As decisões descentralizadas são mais consistentes com os objetivos globais da organização.b) As pessoas que vivem mais de perto os problemas são as mais indicadas para resolvê-los.c) A centralização evita a duplicação de esforços e reduz os custos operacionais da empresa.d) A descentralização pode causar variações nas políticas e nos procedimentos empresariais.e) As decisões centralizadas são sempre distorcidas pelo distanciamento dos fatos.34) A divisão do trabalho é a maneira pela qual:a) É possível garantir o atendimento das metas organizacionais.b) Se encontra o homem certo para o lugar certo.c) Se organiza uma empresa competitiva e inovadora.d) Se busca antecipar as tendências do mercado.e) Se pode decompor um processo complexo em uma série de tarefas.35) Dentre as principais características da Teoria Neoclássica, assinale aalternativa incorreta:a) Reafirmação dos postulados clássicos.b) Ênfase na prática da Administração.c) Ênfase nas relações pessoais e na estrutura administrativa.d) ênfase nos princípios gerais da administraçãoe) ênfase nos objetivos e resultados36) Segundo a teoria neoclássica, o processo administrativo é compostopor quatro funções básicas. São elas:a) Investigação, organização, coordenação e controle.b) Previsão, planejamento, designação e controle.c) Planejamento, coordenação, liderança e controle.d) Planejamento, organização, coordenação e controle.e) Planejamento, coordenação, motivação e controle. www.pontodosconcursos.com.br 50
  • 86. pág.:86 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHO37) A Teoria Comportamental nos apresenta, no contexto do processodecisorial, o conceito de Homem Administrativo. Assinale a alternativaque melhor descreve o conceito de homem administrativo:a) Busca soluções satisfatórias e não ótimas.b) Não segue regras padronizadas de decisãoc) Redefine regras quando toma decisõesd) Ouve as pessoas e anseios da organização.e) Está focado na estrutura e eficácia das ações.38) Os autores da Teoria de Desenvolvimento Organizacional adotamuma posição antagônica ao conceito tradicional de organização,salientando as diferenças fundamentais existentes entre os sistemasmecânicos e os sistemas orgânicos. Assinale a alternativa que não podeser considerada característica do sistema orgânico:a) Confiança e crença recíprocas.b) Participação e responsabilidade multigrupal.c) Descentralização na tomada de decisão.d) Rígida adesão à delegação e a responsabilidade dividida.e) Interdependência e responsabilidade compartilhada.39) Segundo a teoria, o desenvolvimento organizacional consiste emtrês etapas:a) Desenvolvimento estrutural, ação de intervenção e mensuração deresultados.b) Estabelecimento de metas, diagnóstico de problemas organizacionaise avaliação de resultados.c) Diagnóstico estrutural, intervenção comportamental e controle deresultados.d) Estabelecimento de metas, coordenação estrutural e intervenção emproblemas para correçãoe) Colheita de dados, diagnóstico organizacional e ação de intervenção.Próxima semana:Na próxima aula encerraremos nosso estudo sobre as abordagensadministrativas, que serão a Abordagem Sistêmica da Administração(Tecnologia e Administração, Teoria Matemática e Teoria dos Sistemas),Abordagem Contingencial da Administração (Teoria da Contingência) eestaremos tratando mais detalhadamente sobre os ProcessosAdministrativos, que é um assunto muito cobrado em provas deconcursos). www.pontodosconcursos.com.br 51
  • 87. pág.:87 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHO Pensamento da semana:"Uma poderosa ferramenta para nos ajudar a gerir com habilidade nossa vida é perguntar antes de cada ato se isso nos trará felicidade." (Dalai Lama)Gabarito:Tem certeza que já tentou responder às questões??? Só leia o gabaritopara fins de correção, e mande-nos suas dúvidas pelo “fórum dediscussões que teremos o maior prazer em respondê-los”.1. b2. d3. d4. d5. b6. e7. d8. a9. d10. b11. a12. d13. a14. a15. b16. e17. c18. c19. d20. c21. c22. b23. c24. e25. d26. b27. a28. b29. b30. b31. a www.pontodosconcursos.com.br 52
  • 88. pág.:88 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHO32. b33. b34. e35. c36. d37. a38. d39. eE então??? Como foram seus acertos??? Se não foram bons, recomendoque estude a aula novamente, e com mais concentração.Até semana que vem! Bons estudos! www.pontodosconcursos.com.br 53
  • 89. pág.:89 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOComo estão meus amigos??? (já poso chamá-los assim?)Sobreviveram à pesadíssima aula passada? Lembre-se que só estouelevando o nível dos assuntos para o seu próprio bem! Quanto maisdetalhamento você tiver dos temas mais importantes, você terá umdiferencial em relação aos outros candidatos… e mesmo que você nãoconsiga se lembrar de tudo o que está estudando, somente pelo fato dejá ter ouvido falar do assunto já vai te ajudar a formar um raciocínio.Conforme combinamos aula passada, hoje vamos conversar sobre aAbordagem Sistêmica da Administração (Tecnologia e Administração,Teoria Matemática e Teoria dos Sistemas), Abordagem Contingencial daAdministração (Teoria da Contingência) e estaremos tratando maisdetalhadamente sobre os Processos Administrativos, que é um assuntomuito cobrado em provas de concursos.Voltamos a enfatizar que a principal parte do material apresentadoneste curso refere-se a uma sinopse das obras do grande autorIdalberto Chiavenato, principalmente do Livro Introdução à Teoria Geralda Administração, Sétima Edição, Editora Campus, além do livroAdministração nos Novos Tempos, Segunda Edição, também doprofessor Idalberto Chiaventao – Editora Campus.Vale ressaltar que se trata de material de uso pessoal, não podendo serrepassado a terceiros, em caráter gratuito ou oneroso, seja impresso,por e-mail ou qualquer outro meio de transmissão sob risco de violaçãodo estabelecido na Lei n. º 9.610/1998 e no Código Penal. Desde jáagradecemos a compreensão e estamos abertos para qualquer dúvidaou pendência, tanto sobre o material quanto para qualquer outroassunto relacionado ao concurso em questão. AULA TRÊS: ABORDAGEM SISTÊMICA DA ADMINISTRAÇÃODesenvolvida a partir de 1950, essa abordagem surge como decorrênciados estudos do biólogo alemão Von Bertalanffy, com o intuito de criar www.pontodosconcursos.com.br 1
  • 90. pág.:90 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOuma ciência que transcendesse aos problemas exclusivos de cadaciência; uma teoria interdisciplinar que proporcionasse princípios geraisaplicáveis a todas as ciências.Essa abordagem explicita um momento de transição da TGA, onde trêsnovos princípios (de certa forma antagônicos) passam a vigorar no“pensamento administrativo”, em detrimento de três postuladosclássicos.Os princípios do reducionismo, do pensamento analítico e domecanicismo passam a ser substituído pelos princípios opostos doexpansionismo, do pensamento sistêmico e da teleologia.O Expansionismo é o princípio que sustenta que todo fenômeno é partede um fenômeno maior. O desenvolvimento de um sistema depende decomo ele se relaciona como todo maior que o envolve e do qual fazparte.O Pensamento Sistêmico é o fenômeno visto como parte de um sistemamaior e é explicado em termos do papel que desempenha nesse sistemamaior.A Teleologia ressalta a importância de estudarmos a relação entre aspartes que compõem um todo (pois o todo é “maior” que a soma daspartes), o fato de que cada sistema está inserido em outro maior e queestudo das variáveis externas é de fundamental importância para quepossamos compreender o funcionamento de um sistema.Com esses três princípios a Teoria Geral de Sistemas (TGS) permitiu osurgimento da Cibernética e desaguou na Teoria Geral de Administraçãoredimensionando totalmente suas concepções.Dica: A teoria administrativa passou a pensar sistemicamente.A abordagem sistêmica será desenvolvida em três partes:I – TECNOLOGIA E ADMINISTRAÇÃOSabemos que o desenvolvimento tecnológico sempre construiu aplataforma básica que impulsionou o desenvolvimento das organizaçõese permitiu a consolidação da globalização, principalmente depois dainvenção do computador.Cibernética a AdministraçãoA Cibernética surgiu com o objetivo de estabelecer relação entre asvárias ciências, preenchendo os espaços vazios interdisciplinares não-pesquisados por nenhuma e permitindo que cada uma utilizasse os www.pontodosconcursos.com.br 2
  • 91. pág.:91 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOconhecimentos desenvolvidos pelas demais, abrangendo comunicação,processamento e transferência de informação.Dica: A Cibernética compreende os processos e sistemas detransformação da informação e sua concretização em processos físicos,fisiológicos, piscicológicos, etc. Entradas Saídas Dados Informação Energia Energia Matéria MatériaSeu campo de ação são os sistemas, cujas características são:I – Entradas (inputs) – aquilo que o sistema recebe do exterior;II – Saídas (outputs) – o resultado exportado para o meio ambiente;III – Retroação (feedback) – é um sistema de comunicação de retornoproporcionado pela saída do sistema à sua entrada. Funciona como ummecanismo regulador. Pode ser positiva (se aumenta a entrada) ounegativa.IV – Homeostasia – é um equilíbrio dinâmico obtido através da auto-regulação, ou seja, através do auto-controle. É a capacidade que tem osistema de manter certas variáveis dentro de limites, mesmo quando osestímulos do meio externo forçam essas variáveis a assumirem valoresque ultrapassam os limites da normalidade (como é o caso do pilotoautomático em aviação). Entradas Sistema Saídas Feedback(Figura 17.2 – Os parâmetros de um sistema, pág. 397 – retirada dolivro do Prof. CHIAVENATO, Idalberto. Introdução à Teoria Geral daAdministração. Edição Compacta – 3a. Edição. Editora Campus).V – Sinergia – significa literalmente “trabalho conjunto”. O conceito desinergia também é controvertido. Existe sinergia quando duas ou maiscausas produzem, atuando conjuntamente, um efeito maior do que a www.pontodosconcursos.com.br 3
  • 92. pág.:92 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOsoma dos efeitos que produziriam atuando simultaneamente produzemum efeito febrífugo multiplicado. As organizações são exemplosmaravilhosos de efeito sinergístico. Assim, a sinergia constitui o efeitomultiplicador das partes de um sistema que alavancam o seu resultadoglobal. A sinergia é um exemplo de emergente sistêmico: umacaracterística do sistema que não é encontrada em nenhuma de suaspartes.VI – Entropia – refere-se a perda de energia em sistemas isolados,levando-os à degradação, à desintegração e ao desaparecimento. Aentropia significa que partes do sistema perdem sua integração ecomunicação entre si, fazendo com que o sistema se decomponha,perca energia e informação de degenere. Se a entropia é um processopelo qual um sistema tende à exaustão, à desorganização, àdesintegração e, por fim à morte, para sobreviver o sistema precisaabrir-se e reabastecer-se de energia e de informação para manter a suaestrutura. A esse processo reativo de obtenção de reservas de energia ede informação dá-se o nome de entropia negativa ou negentropia.Dica: No mundo dos negócios, a tecnologia é conhecida comoinformática e aparece sob a forma de processamento de dados ou deredes descentralizadas e integradas de computadores.Por meio da informática, as organizações implementam bancos dedados, sistemas de informação e redes de comunicação integradas.As principais conseqüências da informática na Administração são:a) automação: ultramecanização, super racionalização, processamentocontí9nuo e controle automático. É a substituição do homem pelamáquina.b) Tecnologia da Informação (TI): é o principal produto da cibernética,representa a convergência do computador com a televisão e astelecomunicações. A TI modifica o trabalho das organizações dentro efora delas. A internet é um grande exemplo disso.c) Sistemas de Informação: As decisões tomadas nas organizaçõesbaseiam-se necessariamente nas informações disponíveis. Assim, asempresas criam os Sistemas de informações gerenciais (SIG), que sãosistemas computacionais capazes de proporcionar informação comomatéria-prima para todas as decisões a serem tomadas.Dica: Quanto mais avançada e poderosa for a TI de uma organização,maior sua competitividade e chances de sucesso! www.pontodosconcursos.com.br 4
  • 93. pág.:93 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOd) Integração do negócio: Cada vez mais as organizações estãobuscando meios para alcançar o sucesso nos negócios tradicionais e nosvirtuais. Integração, conectividade e mobilidade são as palavras deordem no mundo atual. Incorporar a moderna TI à dinâmica daorganização se torna hoje imprescindível para o sucesso organizacional.e) E-business: É o motor da nova economia. São os negócios virtuaisfeitos pela mídia eletrônica (Web). As organizações estão precisando seadaptar a essa nova forma de negócios para se manter competitiva.A TI proporcionou a Internet, a rede mundiais de computadores, quepermite que se envie e receba informações de pessoas e negócios domundo inteiro, através de um simples micro, iniciando a “Era digital” .f) homo digitalis: É o homem digital, aquele cujas transações com omeio ambiente são efetuadas predominantemente por intermédio docomputador. CRÍTICAS1 – Os administradores tem uma visão limitada do que a TI podeproporcionar à sua organização. Acabam querendo reduzir custos etarefas, automatizando ou eliminando quase sempre as que envolvemcontato direto com o cliente.2- Em vez de apenas automatizar tarefas, a TI deveria estar preocupadaprincipalmente em informar pessoas.3 – A TI se transformou em mais uma função na organização, quandodeveria ser um recurso à disposição de todos. RESUMO1 – Embora seja uma ciência recente, a Cibernética proporcionouprofunda influência sobre a administração, não apenas em termos deconceitos e idéias, mas principalmente por seus produtos comomáquinas inteligentes e computadores.2 – Alguns conceitos da Cibernética ultrapassaram suas fronteiras eforam incorporados à teoria administrativa: o conceito de sistema e arepresentação de sistemas por meio de modelos. Outros conceitos,como entrada, saída, retroação, homeostasia e informação são usadoshoje na linguagem comum da teoria administrativa. A teoria dainformação proporciona uma visão ampla dos fenômenos de informaçãoe comunicação dentro das organizações.3 – Assim, a Cibernética trouxe uma série de conseqüências einfluências muito poderosas sobre a administração, como a automação e www.pontodosconcursos.com.br 5
  • 94. pág.:94 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOa informática.Dica: Palavras-chaves importantes sobre a Tecnologia e Administração:Von Bertanlanfly, Cibernética, entradas (imputs), saídas (outputs),feedback, homeostasia, sinergia, entropia, automação, TI, SIG, e-buniness, homo digitalis.Essa abordagem é mais fácil de estudar, vocês não acham? Faz parte donosso cotidiano atual. Você vai “tirar de letra”! E sabe o que é mais legalem tudo isso? É que essa parte sistêmica e contingencial está bem emfoco em nosso edital!II – TEORIA MATEMÁTICA DA ORGANIZAÇÃO (PesquisaOperacional)A matemática aplicada à Administração preocupou-se com a criação demodelos matemáticos capazes de proporcionar soluções para problemasempresariais/administrativos, que auxiliassem o processo decisório(definição do problema, levantamento das possíveis alternativas eescolha).ModeloOs modelos são simulações e servem para representar simplificações darealidade. Eis sua vantagem: manipular simuladamente complexas edifíceis situações reais através de simplificações da realidade, tratando econsiderando antecipadamente a principais variáveis a um custo menor.Técnicas de POA – Teoria dos jogos; propõe uma formulação matemática para análisede conflitos (oposição de forças, interesses ou pessoas), que originauma ação dramática. Os conflitos são chamados jogos, que envolvem adisputa interesses entre dois ou mais internientes, onde cada parceirotem uma variedade de ações possíveis, delimitadas pelas regras dojogo.A teoria dos jogos é aplicável em análises de concorrência em mercadoscompetitivos, como por exemplo:1 – na disputa de clientes ou consumidores quando há forte competição;2 – na disputa de recursos financeiros no mercado de capitais ou nomercado financeiro;3 – na disputa de recursos de produção no mercado de fornecedores oude matérias-primas etc. www.pontodosconcursos.com.br 6
  • 95. pág.:95 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOB Teoria das filas: refere-se a otimização de arranjos em condições deaglomeração e de espera, cuidando dos pontos de estrangulamento edos tempos de espera verificados em algum ponto do serviço.C – Teoria dos grafos: são técnicas de planejamento e programação porredes; identifica áreas críticas, coordenando e sincronizando asatividades, objetivando uma relação ótima entre os fatores.Even Evento Temp Evento Tempo Tempo Folga to (Descrição) (Dias) Pré- Otimist Pessimi(no.) requisito a sta Fim Fim Início Início 1. Obter informação sobre produto e 5 - 1 5 1 5 0 fabricação. 2. 20 1 6 25 6 25 0 Preparar planos e orçamentos de 3. 25 2 26 50 26 50 0 fabricação. 4. 13 3 51 63 51 63 0 Montar equipamentos e ferramentas de 5. 4 3 26 29 42 45 16 produção. 6. 20 5 30 49 46 65 16 Preparar local de produção. 7. 10 2 26 35 54 63 28 Comprar materiais e componentes de 8. produção. 2 4e7 64 65 64 65 0 9. Receber materiais e componentes. 1 6e8 66 66 66 66 0 10. Admitir ou transferir pessoal. 5 9 67 71 67 71 0 11. Treinar pessoal. 8 10 72 79 72 79 0 Produzir primeiras unidades. Corrigir operações de produção. Atingir.(Quadro 16.2 – Quadro preparatório para elaboração do gráfico PERT,pág. 383 – retirada do livro do Prof. CHIAVENATO, Idalberto.Introdução à Teoria Geral da Administração. Edição Compacta – 3a.Edição. Editora Campus). CRÍTICA:1 – Verifica-se que sua aplicação é voltada para os níveisorganizacionais próximos à esfera da execução e relacionada com asoperações e tarefas. www.pontodosconcursos.com.br 7
  • 96. pág.:96 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHO RESUMO:1 – A Teoria Matemática é uma abordagem recente no campo daAdministração. Há um enorme potencial dos modelos matemáticos deatuação.2 – A Pesquisa Operacional é uma das alternativas de métodosquantitativos de enorme aplicação dentro da Administração, por meio devariáveis técnicas, como a Teoria dos Jogos, Teoria das Filas, Teoria dosGrafos, Programação Linear, Análise estatística e Cálculo deProbabilidade e Programação dinâmica.3 – A Administração de Operações atualmente está voltada para asorganizações de manufatura e de serviços, utilizando intensamente acontribuição da tecnologia (Informática) e da matemática.Dica: Palavras-chaves importantes sobre a Teoria Matemática daOrganização: Processo Operacional(PO), Processo decisório, Teoria dosJogos, Teoria das filas, Teoria dos Grafos.III – TEORIA DOS SISTEMASEntendemos sistemas como um conjunto de elementosinterdependentes e interagentes ou um grupo de unidades combinadasque formam um todo organizado. O ser humano é um sistema queconsiste em um número de órgãos e membros que funcionam de modocoordenado. Similarmente, a organização é um sistema que consiste emum número de partes interagentes.Na realidade, sistema é “um todo organizado ou complexo; um conjuntoou combinação de coisas ou partes, formando um todo complexo ouunitário”.TipologiaSão classificadas quanto:A – À interação: abertos ou fechados, em função de seu intercâmbiocom o ambiente;B – À constituição: concretos (equipamentos, maquinarias, coisas reais,denominados hardware) e abstratos (conceitos, idéias, denominadossoftware), e;C – À natureza: sistemas vivos (organismos) e sistemas organizados(organizações).Dica: O sistema aberto é o que melhor permite uma análise ao mesmotempo profunda e ampla das organizações. www.pontodosconcursos.com.br 8
  • 97. pág.:97 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHO Sistemas Vivos Sistemas Organizados (organismos) (organizações)* Nascem, herdam seus traços estruturais. * São organizados, adquirem sua estrutura em estágios.* Morrem, seu tempo de vida é limitado. * Podem ser reorganizados, têm uma vida limitada, podem ser ressurgidos.* Têm um ciclo de vida predeterminado * Não têm ciclo de vida definido.* São concretos – o sistema pode ser * São abstratos – o sistema pode ser descrito em termos psicológicosdescrito em termos físicos e químicos. e sociológicos.* São complexos – parasitismo e simbiose são * São incompletos – dependem de cooperação com outrasexcepcionais. organizações – suas partes componentes são intercambiáveis e geralmente distribuíveis.* Doença é definida como um distúrbio no * Problema é definido como um desvio nas normas sociais.processo vital.(Quadro 17.1 – Sumário das principais diferenças entre sistemas vivos eorganizados, pág. 397 – retirada do livro do Prof. CHIAVENATO,Idalberto. Introdução à Teoria Geral da Administração. EdiçãoCompacta – 3a. Edição. Editora Campus).As organizações são abordadas como sistemas abertos, pois o seucomportamento é probabilístico; e não determinístico, as organizaçõesfazem parte de uma sociedade maior, constituídas de partes menores,onde, na realidade, existe uma interdependência entre as partes dasorganizações.A organização precisa alcançar uma homeostase ou estado firme,possuem fronteiras ou limites maiôs ou menos definidos e caracterizam-se pela morfogênese.Dentre os modelos que explicam a organização como um sistema abertodestacamos:a) Modelo de Katz e Kahn: A organização é vista como um sistemaaberto com as seguintes características: Importação (entradas),Transformação (processamento), exportação (saídas), os sistemas sãociclos de eventos que se repetem, entopia negativa, informação comoinsumo, retroação negativa e processo de codificação, estado firme ehomeostase dinâmica e diferenciação. www.pontodosconcursos.com.br 9
  • 98. pág.:98 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOb) Modelo de Tavistock: A organização é um sistema societárioestruturado sobre dois subsistemas: subsistema técnico e subsistemasocial. CRÍTICAS1 – A Teoria de Sistemas trouxe uma fantástica ampliação na visão dosproblemas organizacionais em contraposição à antiga abordagem dosistema fechado. Seu caráter integrativo e abstrato e a possibilidade decompreensão dos efeitos sinergísticos de organização são realmentesurpreendentes. Apesar do enorme impulso, a Teoria de Sistemas aindacarece de melhor sistematização e detalhamento, pois sua aplicaçãoprática é ainda incipiente. RESUMO1 – A Teoria de Sistemas é uma decorrência da Teoria Geral deSistemas desenvolvida por Von Bertalanffy e que se espalhou por todasas ciências, influenciando notavelmente a Administração.2 – A abordagem sistêmica contrapõe-se à micro-abordagem do sistemafechado.3 – O conceito de sistemas é complexo: para sua compreensão, torna-se necessário o conhecimento de algumas características dos sistemas –propósito, globalismo, entropia e homeostasia – bem como dos tipospossíveis e dos parâmetros dos sistemas: entrada, processo, saída,retroação e ambiente.Dica: Palavras-chaves importantes sobre a Teoria dos Sistemas:Sistemas abertos, sistemas concretos e abstratos, sistemas vivos(organismos) e sistemas organizados (organizações), Von Bertalanffy,Modelo de Katz e Kahn, Modelo de Tavistock. ABORDAGEM CONTINGENCIAL DA ADMINISTRAÇÃOEsta abordagem salienta que não se atinge a eficácia organizacionalseguindo um único e exclusivo modelo organizacional, e esta é suamaior contribuição: O relativismo (contingência) da administração, ouseja, não existe uma forma única que seja melhor e universal. Há, sim,princípios aplicados a determinadas situações em suma: a situaçãodefine a teoria e os princípios mais apropriados a serem aplicados. www.pontodosconcursos.com.br 10
  • 99. pág.:99 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHODica: A Teoria da Contingência está em busca da flexibilidade e daagilidade.A teoria da contingência preocupa-se com o desenho das organizações,devido a influência que sofrem do ambiente e da tecnologia.As origens da Teoria da Contingência remontam às pesquisas deChandler, Burns e Stalker, Woodward e Lawrence e Lorsch a respeitodas organizações e seus ambientes. Essas pesquisas revelaram que ateoria disponível era insuficiente para explicar os mecanismos deajustamento das organizações aos seus ambientes de maneira proativae dinâmica.Verificou-se que as características das organizações são decorrentes doque existe fora delas: seus ambientes. Passou-se a estudar is ambientese a interdependência entre a organização e o meio ambiente. Asorganizações escolhem seus ambientes e depois passam a sercondicionadas por eles, necessitando adaptar-se a eles para poderemsobreviver e crescer. O conhecimento do ambiente passou a ser vitalpara a compreensão dos mecanismos organizacionais.Outra variável que condiciona a estrutura e o comportamentoorganizacional é a tecnologia utilizada pela organização. Para defrontar-se com o ambiente, a organização utiliza tecnologias que condicionarãoa sua estrutura organizacional e o seu funcionamento. A partir da Teoriada Contingência, a variável tecnologia passou a assumir um importantepapel na teoria administrativa. Alguns autores chegam a falar emimperativo tecnológico sobre a estrutura organizacional.A organização matricial, por equipes e em rede foram profundamentediscutidas, vamos a elas:A – Estrutura matricial, matriz ou organização em grade: é umaestrutura mista, combinando dois tipos de departamentalização(geralmente funcional + produto/serviço/processo/área geográfica).Nela, cada departamento segue a orientação de dois gerentessimultaneamente. www.pontodosconcursos.com.br 11
  • 100. pág.:100 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOA velha estrutura funcional Gerente Seguro de Seguro Saúde Serviços de vida Suporte Cliente Processa- Subscrição Processa- Controle Assessoria Assessoria mento mento Qualidade Legal ContábilA nova estrutura por equipes Líder Cliente Equipe de 25 Equipe de 25 Equipe de 25 pessoas pessoas pessoas(Figura 18.19 – A substituição da estrutura funcional por estrutura deequipes, pág. 447 – retirada do livro do Prof. CHIAVENATO, Idalberto.Introdução à Teoria Geral da Administração. Edição Compacta – 3a.Edição. Editora Campus).B – (por equipe) funcional cruzada: é composta de pessoas devários departamentos funcionais que resolvem problemas mútuos. Cadapessoa reporta-se a seu departamento funcional, mas também reporta-se à equipe. Um dos membros é o líder da equipe. Essas equipes criamuma atmosfera de trabalho em grupo e representam abordagemmultidisciplinar na departamentalização, embora não cheguem aconstituir órgãos propriamente. As empresas baseadas em computação,como a IBM, Hewlett-Packard, Compaq e Microsoft. Utilizamexaustivamente esta abordagem.C – (por equipe) permanentemente: são constituídas como sefossem departamentos formais na organização. Os seus participantestrabalham juntos e reportam-se ao mesmo gerente para resolver www.pontodosconcursos.com.br 12
  • 101. pág.:101 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOproblemas de interesse comum. Na Ford, as equipes permanentescomeçam no topo da organização, com o escritório do presidente, porexemplo, em que dois ou três executivos trabalham como uma equipe.Nos níveis mais baixos da organização, a equipe permanente lembra aabordagem divisional, porém com um número muito menor departicipantes. As equipes consistem de apenas 20 ou 30 membros, cadaqual funcionando em uma especialidade. A reengenharia temtransformado departamentos funcionais em equipes orientadas para osprocessos empresariais. Organização Tradicional Organização Matricial Diretor Produção Produto A Vendas Produto B Finanças Produto C RH Produto D Órgãos Órgãos de Funcionais Produto ou Projeto(Figura 18.14 – A estrutura matricial, pág. 443 – retirada do livro doProf. CHIAVENATO, Idalberto. Introdução à Teoria Geral daAdministração. Edição Compacta – 3a. Edição. Editora Campus). Presidência Brasil Venezuela México Chile Automóveis Veículos do Veículos da Veículos do Veículos de Brasil SA Venezuela SA México Ltd. Chile SA Motores www.pontodosconcursos.com.br 13
  • 102. pág.:102 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHO Brasil Venezuela México Chile Motors SA Motors SA Motors SA Motors SA(Figura 18.17 – Estrutura matricial de uma empresa multinacional, pág.445 – retirada do livro do Prof. CHIAVENATO, Idalberto. Introdução àTeoria Geral da Administração. Edição Compacta – 3a. Edição.Editora Campus).D – Em redes: essa estrutura (network) desagrada as funçõesprincipais da organização, transferindo-as para empresas separadas quesão interligadas através de uma pequena organização coordenadora,que passa a ser o núcleo central. Coca-Cola, Pepsi e Mc Donald’s sãoempresas organizadas em rede no mundo todo. Companhia de Companhia de Produção (Coréia) Design (Itália) Companhia Central Companhia de Distribuição Companhia de (Estados Unidos) Propaganda (Estados Unidos) Companhia de Produção (Brasil)(Figura 18.20 – A organização em redes, pág. 448 – retirada do livro doProf. CHIAVENATO, Idalberto. Introdução à Teoria Geral daAdministração. Edição Compacta – 3a. Edição. Editora Campus).O Homem ComplexoPara a Teoria da Contingência, o homem complexo é visto como ohomem como um sistema complexo de valores, percepções,características pessoais e necessidades. Ele opera capaz de manter seuequilíbrio interno diante das demandas feitas pelas forças externas doambiente.Assim, o homem é visto como um ser transacional (como um modelo desistema aberto), tem um comportamento dirigido para objetivos e seussistemas individuais não são estáticos, mas em desenvolvimentocontínuo, embora mantendo sua individualidade ao longo do tempo. www.pontodosconcursos.com.br 14
  • 103. pág.:103 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHO CRÍTICAS:1 – A Teoria da Contingência é eclética e interativa, mas ao mesmotempo relativista e situacional.2 – Em alguns aspectos parece que a Teoria da Contingência é maisuma maneira relativa de encarar o mundo que uma teoriaadministrativa.3 – A análise ambiental ainda é bastante precária, requerendo muitapesquisa pela frente. RESUMO:1 – A Teoria da Contingência é a mais recente das teoriasadministrativas e marca um passo além da Teoria de Sistemas.2 – A Teoria da Contingência parte para novos modelos organizacionaismais flexíveis e orgânicos, como a estrutura matricial, a estrutura emredes e a estrutura em equipes.3 – O Homem é visto como um homem complexo: transacional, comcomportamento dirigido para objetivos e com sistemas individuais nãoestáticos.Dica: Palavras-chaves importantes sobre a Abordagem Contingencial daAdministração: relativismo, estrutura matricial, estrutura por equipes,estrutura em redes (network), homem complexo.Como chegamos ao fim do estudo da Natureza e evolução doconhecimento Administrativo, através de suas várias Teorias,apresentamos, a seguir, um esquema comparativo das Teorias deAdministração que estudamos.Esquema comparativo das teorias da administração. Aspectos Teoria Teoria das Teoria Teoria da Teoria Teoria Teoria dos Teoria da principais Clássica Relações Neoclássica Burocracia Estruturalista Comportamental Sistemas ContinG6encia Humanas Ênfase: Nas tarefas e Nas pessoas No Na estrutura Na estrutura e no Nas pessoas e no No ambiente No ambiente e na estrutura ecletismo: organizacional ambiente ambiente na tecnologia, organizacional tarefas sem desprezar pessoas e as tarefas, as estrutura pessoas e estruturaAbordagem da Organização Organização Organização Organização Organização Organização Organização Variável www.pontodosconcursos.com.br 15
  • 104. pág.:104 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHO organização: formal informal formal e formal formal e formal e informal como um dependente do informal informal sistema ambiente e da tecnologia Conceito de Estrutura Sistema social Sistema Sistema social Sistema social Sistema social Sistema Sistema aberto organização: formal como como conjunto social com como intencionalmente cooperativo e aberto e sistema conjunto de de papéis objetivos a conjunto de construído e racional fechado órgãos, cargos alcançar funções reconstruído e tarefas oficializadas Principais Taylor, Fayol, Mayo, Follett, Drucker, Weber, Etzioni, Simon, Mc Katz, Kahn, Thompson,representantes: Gilbreth, Roethlisberger, Koontz, Merton, Thompson, Gregor, Barnard, Johnson, Lawrence, Gantt, Gulick, Dubin, Jucius, Selznick, Blau, Scott Argyris, Likert, Kast, Lorsch, Perrow Urwick, Cartwright, Newmann, Gouldner, Cyert, Bennis, Rosenzweig, Mooney, French, Odiome, Michels Schein, Rice, Emerson Zalesnick, Humble, Lawrence, Sayles, Churchman, Tannenbaum, Gelinier, Lorsch, Burns, Trist, Lewin Scheh, Dale Beckhard, March Hicks(tabela 18.4 – Esquema comparativo das teorias da administração, pág.467 – retirada do livro do Prof. CHIAVENATO, Idalberto. Introdução àTeoria Geral da Administração. Edição Compacta – 3a. Edição.Editora Campus).Esquema comparativo das teorias da administração (continuação) Aspectos Teoria Teoria das Teoria Teoria da Teoria Teoria Teoria dos Teoria da principais Clássica Relações Neoclássica Burocracia Estruturalista Comportamental Sistemas ContinG6encia Humanas Concepção do Homo Homo Social Homem Homem Homem Homem Homem Homem homem: Economicus organizacional organizacional Organizacional administrativo Funcional ComplexoComportamento Ser isolado Ser social Ser isolado Ser isolado Ser social que Ser racional Desempenho Desempenho deorganizacional que reage que reage que reage que reage vive dentro de tomador de de papéis papéis do indivíduo: como como como como organizações decisões quanto à indivíduo membro de ocupante de ocupante de participação nas (atomismo grupo social cargo e cargo e organizações tayloriano) posição posição Sistema de Incentivos Incentivos Incentivos Incentivos Incentivos Incentivos mistos Incentivos Incentivos incentivos: materiais e sociais e mistos, tanto materiais e mistos, tanto mistos mistos salariais simbólicos materiais salariais materiais como como sociais sociais(Tabela 18.4 – Esquema comparativo das teorias da administração(continuação), pág. 468 – retirada do livro do Prof. CHIAVENATO,Idalberto. Introdução à Teoria Geral da Administração. EdiçãoCompacta – 3a. Edição. Editora Campus).Conforme combinamos, vamos agora ao último assunto de nossa aulade hoje, que são os Processos Administrativos, vistos rapidamente na www.pontodosconcursos.com.br 16
  • 105. pág.:105 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOaula passada dentro da Teoria Neoclássica da Administração. PROCESSOS ADMINISTRATIVOSO Processo administrativo é aceito hoje como as funções básicas doadministrador, que é constituído de quatro funções essenciais básicas:Planejar, organizar, dirigir e controlar.A seqüência das funções do administrador forma o ciclo administrativo,a saber: Planejamento Controle Ciclo Administrativo Organização Direção(Figura 7.8 – Funções do Administrador como um ciclo administrativo,pág. 167 – retirada do livro do Prof. CHIAVENATO, Idalberto.Introdução à Teoria Geral da Administração.– 7a. Edição. EditoraCampus).Na medida em que se repete o ciclo administrativo, ocorre uma contínuacorreção e ajustamento por meio de retroação. Assim, odesenvolvimento de um ciclo permite definir quais as correções quedeverão ser introduzidas no ciclo seguinte, e assim por diante.Na realidade, as funções do administrador que formam o processoadministrativo são mais que uma seqüência cíclica, pois elas estãointimamente relacionadas em uma interação dinâmica.Dica: O processo administrativo é cíclico, dinâmico e interativo.Dica: Fique de Olho: Quando consideradas em um todo integrado, asfunções administrativas formam o processo administrativo. Quandoconsideradas isoladamente, o planejamento, a direção, a organização e www.pontodosconcursos.com.br 17
  • 106. pág.:106 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOocontrole constituem funções administrativas.1 – PLANEJAMENTOO planejamento figura como a primeira função por ser aquela que servepara as demais funções. A final de contas, hoje em dia nenhumaorganização trabalha na base do improviso.Planejar significa olhar para a frente, visualizar o futuro e o que deveráser feito, elaborar bons planos e ajudar as pessoas a fazer hoje açõesnecessárias para melhor enfrentar os desafios de amanhã.O Processo de planejamento:São seis os passos do processo de planejamento: 1- Definição dos objetivos: Para onde queremos ir? 2- Qual a situação atual?: Onde estamos agora? 3- Quais as premissas em relação ao futuro?: O que temos pela frente? 4- Quais as alternativas de ação?: Quais os caminhos possíveis? 5- Qual a melhor alternativa?: Qual o melhor caminho? 6- Implemente o plano escolhido e avalie os resultados: Como iremos percorrê-lo?O Estabelecimento dos objetivos é muito importante. Objetivos sãoresultados futuros que se pretende atingir. São pretensões futuras que,uma vez alcançadas deixam de ser objetivos para se tornaremrealidade. Há também o desdobramento dos objetivos. A partir dosobjetivos organizacionais, a empresa pode fixar suas políticas,diretrizes, metas, programas, procedimentos, métodos e normas.Enquanto os objetivos organizacionais são amplos e genéricos, à medidaque se desce em seus desdobramentos, a focalização torna-se cada vezmais restrita e detalhada.Tipos de Planejamento:Planejamento estratégico: É o planejamento mais amplo e abrange todaa organização. Suas características são:• É projetado no longo prazo, tendo seus efeitos e conseqüências estendidos a vários anos pela frente.• Envolve a empresa como uma totalidade, abrangendo todos os recursos e áreas de atividade, e preocupa-se em atingir os objetivos em nível organizacional. www.pontodosconcursos.com.br 18
  • 107. pág.:107 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHO• É definido pela cúpula da organização (no nível institucional) e corresponde ao plano maior ao qual todos os demais estão subordinados.Planejamento tático: É o planejamento que abrange cada departamentoou unidade da organização. Suas características são:• É projetado para o médio prazo, geralmente para o exercício anual.• Envolve cada departamento, abrange seus recursos específicos e preocupa-se em atingir os objetivos departamentais.• É definido no nível intermediário, em cada departamento da empresa.Planejamento Operacional: É o planejamento que abrange cada tarefaou atividade específica. Suas características são:• É projetado para o curto prazo, para o imediatismo.• Envolve cada tarefa ou atividade isoladamente e preocupa-se com o alcance de metas específicas.• É definido no nível operacional, para cada tarefa ou atividade.Tipos de Planos:O planejamento produz um resultado imediato: o plano. O Plano é oproduto do planejamento e constitui o evento intermediário entre osprocessos de elaboração e de implementação do planejamento.Existem quatro tipos de planos: os relacionados a métodos,denominados procedimentos; os relacionados a dinheiro, denominadosorçamentos, os relacionados com o tempo, denominados programas ouprogramações, e, por fim, os relacionados com comportamento,denominados normas ou regulamentos.2 – ORGANIZAÇÃOEstaremos estudando aqui, a organização como a segunda funçãoadministrativa, que depende do planejamento, da direção e do controlepara formar o processo administrativo.Assim, organizar consiste em: a) Determinar as atividades específicas necessárias ao alcance dos objetivos planejados (especialização). b) Agrupar as atividades em uma estrutura lógica (departamentalização). c) Designar às atividades específicas posições e pessoas (cargos e tarefas).Estrutura Organizacional www.pontodosconcursos.com.br 19
  • 108. pág.:108 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOA estrutura organizacional e a maneira pela qual as atividades daorganização são divididas, organizadas e coordenadas. Funciona como aespinha dorsal da organização, o esqueleto que sustenta e articula suaspartes integrantes.A função administrativa de organizar conduz necessariamente à criaçãoda estrutura organizacional, que pode ser definida como o conjunto detarefas formais atribuídas às unidades organizacionais; as relações desubordinação e as comunicações para assegurar coordenação eficazentre órgãos e pessoas ao longo das unidades organizacionais.Estrutura verticalA estrutura vertical refere-se ao aparato que envolve três fatoresprincipais: a hierarquia administrativa, a amplitude do controle e o graude centralização ou descentralização do processo de tomada de decisõesda organização. Esses três fatores são estreitamente relacionados entresi. Se uma organização adiciona mais um nível administrativo, suaamplitude de controle fica mais estreita, a estrutura administrativa maiselevada e o grau de centralização/descentralização é afetado. Se elareduz um nível administrativo, sua amplitude de controle fica maislarga, sua estrutura administrativa mais achatada e o grau decentralização/descentralização é também é afetado.Amplitude AdministrativaA amplitude administrativa ou amplitude de controle significa o númerode empregados que se devem reportar a um administrador. Determinaquanto um administrador deve monitorar estreitamente seussubordinados. Quanto maior a amplitude de controle, maior é o númerode subordinados para cada administrador, e vice-versa.A amplitude administrativa estreita provoca custo administrativo maior,porque existem mais administradores para cuidar de um número menorde pessoas.Organizações altas e organizações achatadasA amplitude de controle média utilizada por uma organização determinase sua estrutura organizacional será alta ou achatada.Uma estrutura alta produz uma estrutura geral estreita e muitos níveishierárquicos, apresentando um formato verticalizado.Uma estrutura achatada tem uma amplitude geral ampla, dispersada etem poucos níveis hierárquicos, apresentando um formatohorizontalizado.Centralização/DescentralizaçãoO grau de centralização/descentralização refere-se ao quanto a www.pontodosconcursos.com.br 20
  • 109. pág.:109 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOautoridade para tomar decisão está centrada no topo ou dispersa nabase da organização.A centralização significa que a autoridade para decidir está localizada notopo da organização.A descentralização significa que a autoridade para decidir está dispersanos níveis operacionais mais baixos.Dica: Há hoje uma forte tendência para a descentralização nasempresas.As principais vantagens da centralização são um melhor método decontrole e redução de custos.As principais vantagens da descentralização são a agilidade no processodecisório, a estimulação de independência e criatividade nas pessoas eas novas tecnologias, que tem permitido uma maior descentralização daautoridade, uma vez que a TI )tecnologia de Informação) permite que aautoridade seja delegada aos níveis inferiores, enquanto a altaadministração recebe informação em tempo real.Dica: Descentralizam-se as decisões de operações e centraliza-se ocontrole dos resultados.Desenho DepartamentalO Desenho departamental refere-se à especialização horizontal daorganização e o seu desdobramento em unidades organizacionais querecebem o nome de departamentos ou divisões.Departamentalização significa o agrupamento de atividades emunidades organizacionais e o agrupamento dessas unidades em umaorganização total. Esse assunto já foi amplamente discutido na aulapassada.3 – DIREÇÃOEsta terceira função administrativa está relacionada com a maneira pelaqual os objetivos devem ser alcançados através da atividade daspessoas e da aplicação dos recursos que compõem a organização.Dirigir significa interpretar os planos para as pessoas e dar instruções eorientações sobre como executá-los e garantir o alcance dos objetivos.A Direção envolve a focalização nos membros organizacionais, como aspessoas e abordagem de assuntos como liderança, motivação,comunicação, solução de conflitos, além do desenvolvimento de boasrelações entre as pessoas e a criação de um excelente ambiente detrabalho. www.pontodosconcursos.com.br 21
  • 110. pág.:110 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHODica: Alguns autores preferem substituir a palavra direção por liderançaou influenciação. Outros ainda preferem o coaching.A direção é uma função administrativa que se distribui por todos osníveis hierárquicos. No nível institucional, denomina-se direção, no nívelintermediário denomina-se gerência, e no nível operacional recebe onome de supervisão de primeira linha.Os sistemas administrativosSistemas de punições e recompensas: o administrador pode adotar umesquema de punições que obtenha a obediência através da imposição decastigos e medidas disciplinares (ênfase nas punições e nos medos) oupode adotar um esquema de recompensas materiais e simbólicas paraobter a aceitação, a motivação positiva e o comprometimento daspessoas.Likert, após estudos, chegou a conclusão que existem quatro sistemasadministrativos:a) Sistema 1: autoritário-coercitivo: O sistema mais fechado, duro earbitrário de administrar a organização. Para incentivar as pessoas atrabalharem, utiliza punições e castigos – a motivação negativa – demodo a impor intimidação e medo e reforçar a obediência cega.b) Sistema 2: autocrático-benevolente: É também um sistemaautoritário, mas benevolente e menos coercitivo e fechado que oanterior. O sistema utiliza punições e castigos, mas já se preocupa comrecompensas, que são estritamente materiais e salariais, frias ecalculistas.c) Sistema 3: Consultivo: É mais aberto do que os anteriores. Deixa deser autocrático e impositivo para dar alguma margem de contribuiçãodas pessoas. Utiliza mais recompensas, que são predominantementemateriais e ocasionalmente sociais, e poucas punições.d) Sistema 4: Participativo: O mais aberto e democrático de todos.Incentiva total descentralização e delegação das decisões aos níveismais baixos da organização, exigindo apenas um controle dos resultadospor parte da cúpula. O sistema utiliza amplamente as recompensassalariais como parte do seu esquema de remuneração variável aoalcance de metas e resultados, bem como recompensas sociais ousimbólicas. As punições são raras, e, quando acontecem, são decididas eadministradas pelas equipes ou grupos de trabalho.Dica: As organizações bem-sucedidas estão migrando rapidamente parao sistema 4 e adotando posturas altamente participativas edemocráticas com relação às pessoas que nela trabalham. www.pontodosconcursos.com.br 22
  • 111. pág.:111 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOO sistema 4 tem se revelado como o melhor meio de incrementar eimpulsionar as habilidades, atitudes, valores e necessidades das pessoasem direção aos objetivos organizacionais.A direção e as pessoasAs mais recentes abordagens administrativas enfatizam que são aspessoas que fazem a diferença nas organizações. Em outras palavras,em um mundo onde a informação é rapidamente disponibilizada ecompartilhada pelas organizações sobressaem aqueles que sãorapidamente capazes de transforma-las em oportunidades em termos deprodutos e serviços antes que outras organizações o façam.Bons funcionários requerem um investimento muito mais longo emtermos de capacitação quanto a habilidade e conhecimentos e,sobretudo, de confiança e comprometimento pessoal.Teoria Z: Ouchi deu o nome de teoria Z pata descrever o estilo deadministração adotada pelos japoneses, cujos princípios são:1• Filosofia de emprego a longo prazo.• Poucas promoções verticais e movimentos em cargas laterais.• Ênfase no planejamento e desenvolvimento da carreira.• Participação e consenso na tomada de decisões.• Envolvimento dos funcionários.1 William Ouchi, Theory Z: How American Meet the Japonese Challenge,Reading Mass., Addiso-Wesley Publ., 1981.4 – CONTROLEComo as organizações não operam no improviso e no acaso, elasprecisam ser devidamente controladas. Controlar significa garantir que oplanejamento seja bem executado e que os objetivos estabelecidossejam alcançados da melhor maneira possível.O controle verifica se a execução está de acordo com o que foiplanejado: quanto mais completos, definidos e coordenados forem osplanos, mais fácil será o controle.O controle é um processo pelo qual são fornecidas as informações eretroação para manter as funções dentro de suas respectivas trilhas.Dica: Quando falamos em controle, queremos dizer que o nívelinstitucional efetua o controle estratégico, o nível intermediário faz oscontroles táticos e o nível operacional, os controles operacionais. www.pontodosconcursos.com.br 23
  • 112. pág.:112 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOFases do ControleO Controle é um processo cíclico composto de quatro fases, a saber:1) Estabelecimento de objetivos ou padrões de desempenho: Ospadrões representam o desempenho desejado. Os critérios representamas normas que guiam as decisões.2) Avaliação ou mensuração do desempenho atual: É a observação dodesempenho, pois para controlar um desempenho, deve-se pelo menosconhecer algo a respeito dele.3) Comparação do desempenho atual com os objetivos ou padrõesestabelecidos: É importante determinar os limites dentro dos quais asvariações, erros ou desvios podem ser aceitas como normais oudesejáveis.4) Ações Corretivas: É a tomada de ação corretiva para corrigirpossíveis desvios ou anormalidades. Visa fazer com que aquilo que éfeito seja feito exatamente como aquilo que se pretendia fazer.Tipos de ControleCada organização requer um sistema básico de controles para aplicarseus recursos financeiros, desenvolver pessoas, analisar o desempenhofinanceiro e avaliar a produtividade operacional.Dica: O desafio é saber como utilizar tais controles e aprimora-los para,com isso, melhorar gradativa e incessantemente o desempenho de todaorganização.Controles estratégicos: São denominados controles organizacionais:constituem o sistema de decisões de cúpula que controla o desempenhoe o resultado da organização como um todo, tendo por base asinformações externas e as internas.Existem vários tipos de controles estratégicos, tais como: Balanço erelatórios financeiros e análise do retorno sobre o investimento (RSI).Controles Táticos: São feitos no nível intermediário e referem-se a cadauma das unidades organizacionais, sejam departamentos, divisões ouequipes. Geralmente são orientados para o médio prazo, isto é, para oexercício anual.Os tipos de controles táticos mais importantes são: Controleorçamentário e a Contabilidade de custos (envolvendo custos fixos evariáveis)Controles Operacionais: São feitos no nível operacional e projetados aocurto prazo. Nas organizações bem-sucedidas, o autocontrole e a www.pontodosconcursos.com.br 24
  • 113. pág.:113 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOautodisciplina das pessoas são sempre preferidos ao controle externo oudisciplina imposta pela força.Outros pontos importantes nos controles operacionais, além dadisciplina, são o controle eficaz do estoque, o planejamento derequisitos de materiais e o controle de qualidade.Prontos para responderem algumas questões de concursos járealizados?? Acredito que sim... Caso você queira se aprofundar nosassuntos que estudamos hoje, sugiro a leitura dos capítulos 14 ao 18 dolivro “Teoria Geral de Administração, sétima Edição, do ProfessorIdalberto Chiaventao – Editora Campus, além do livro Administração nosNovos Tempos, Segunda Edição, também do professor IdalbertoChiaventao – Editora Campus.As questões apresentadas a seguir, e também as que serãoapresentadas nas próximas aulas, são questões da ESAF, do INPI, daFundação Carlos Chagas, da Unicamp, Proderj, Funesp, PCI, UFRJ,Granjeiro, CESP, AFTN, Comperv, entre outras.Seja sincero com você mesmo e com seus estudos e não olhe o gabaritoantes de responder às questões. Concentre-se e use todos os seusconhecimentos, aprendidos aqui, e os conhecimentos que você já trazconsigo ao longo da vida...01) O processo organizacional envolve, pelo menos, cinco funçõesadministrativas básicas. Dentre elas, uma adquire caráter fundamentalem decorrência da velocidade de mudança do ambiente em que asorganizações atuam. A ponte a opção que indica essa função de formacorreta.a) O controle é a principal preocupação dos dirigentes dada a escassezcrônica de recursos determinada pelo momento de crise em queestamos vivendo.b) A comunicação é fundamental dada a necessidade de interagirconstantemente com mercados globalizados.A organização merece destaque especial, pois sem o ordenamento e arotinização de atividades experimentar-se-á um processo de entropianegativa.O planejamento é a mais fundamental das funções administrativas porenvolver a escolha de cursos alternativos de ação e estratégia deintervenção, dele dependendo todas as outras funções. www.pontodosconcursos.com.br 25
  • 114. pág.:114 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOA direção é o ponto central do processo, pois só ela possibilita umamaior capacidade de enfrentar situações críticas e reverter através delideranças de cunho carismático os problemas administrativos.02) Nas organizações modernas, a administração estratégica inclui:a) Mais considerações sobre o passado, que previsões e conjeturassobre o futuro.b) Análises racionais e econômicas, bem como intuição e decisõespolíticas.c) Separação entre os processos de planejamento e deimplementação.d) Objetivos amplos que proporcionem estabilidade às atividades degestão.e) Levantamento e estudo do máximo de variáveis controláveis e nãocontroláveis.03) Nas organizações modernas, o planejamento estratégico:a) Se concentra nos problemas mais comumente enfrentados pelaprópria organização.b) Se insere nas táticas de conquista de apoio para os objetivosimediatos.c) Se refere a objetivos restrito, de curto prazo e que envolvemrecursos escassos.d) Se caracteriza pela flexibilidade na busca de resultados que afinemcom os propósitos gerais da organização.e) Se justifica porque, além de importante, permite decisões maistécnicas na implantação rápida de mudanças.04) Organizar é:a) Fazer com que cada um cumpra suas obrigações.b) Garantir que as ações sejam realizadas na conformidade do que foi planejado.c) Harmonizar as atividades para que os objetivos sejam atingidos.d) Prever os meios necessários à concretização dos fins.e) Atribuir tarefas a indivíduos visando à tarefa maior, ou seja, aoobjetivo da organização.05) O processo de controle deve começar pela:a) Definição dos objetivos ou resultados esperados e da forma de obtenção das informações sobre a atividade em andamento.b) Escolha daqueles que realizarão as tarefas.c) Determinação dos prazos de execução das atividades.d ) Avaliação dos resultados obtidos.e) Correção dos desvios verificados durante a execução das atividades. www.pontodosconcursos.com.br 26
  • 115. pág.:115 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHO06) O controle estratégico tem por finalidade:a) Verificar se os produtos obedecem às especificações estabelecidas.b) Prevenir defeitos de fabricação para evitar custos elevados.c) Avaliar o desempenho das pessoas para aumento da produtividade.d) Acompanhar o desempenho da organização no contexto em que opera, para produzir informações que permitam decisões adequadas.e) Avaliar o impacto de um novo imposto sobre o preço final de um produto.07) Pelo consenso atual dos autores especializados em teoriaadministrativa, planejamento, organização, direção e controle sãoconsideradas funções:a) Estratégicas.b) Decisórias.c) Essenciais.d) Sistêmicas.e) Ambíguas.08) O controle administrativo é o processo pelo qual se procuraidentificar:a ) Os responsáveis pela inobservância das normas e dos regulamentos.b ) Os desvios ocorridos em relação às metas estabelecidas.c) As atividades realmente desempenhadas, para fins de pagamento.d ) A qualidade e a quantidade das matérias-primas fornecidas.e ) Os padrões de conduta incompatíveis com os objetivos da empresa.09) As funções administrativas consideradas essenciais são todasaquelas que mais diretamente dizem respeito ao processoadministrativo. O consenso atual dos autores especializados em teoriaadministrativa tende a considerar essenciais as funções de:a ) Estratégia, tática, integração e diferenciação.b) Logística, orçamento, pessoal e suporte.c) Planejamento, organização, direção e controle.d) Finanças, produção, comercialização e avaliação.e) Planejamento, comando, controle e coordenação.10) A interpretação das organizações como conjuntos de elementosdistintos, porém inter-relacionados, que controlam seu própriodesempenho visando à realização de objetivos situados no meioambiente, corresponde ao enfoque:a ) Clássico.b) Sistêmicoc ) Burocrático www.pontodosconcursos.com.br 27
  • 116. pág.:116 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOd) Ecológicoe) Contemporâneo11) Entre as funções administrativas básicas, o controle chegou aadquirir, ao longo da história da administração e sobretudo na culturagerencial, uma posição proeminente, sobrepujando muitas vezes todasas demais. Umas das possibilidades de explicar tal fato reside nascaracterísticas das organizações burocráticas, que depositam particularatenção na questão da disciplina no trabalho e na estrutura dehierarquias rígidas e claramente definidas. Apesar disso, o planejamentomanteve-se em posição de destaque, funcionando como peça-chave dastécnicas administrativas mais avançadas. Indique a opção que apresentaa melhor formulação a respeito dessa importante problemática doprocesso organizacional:a) O planejamento é fundamental para se definirem os rumos dasorganizações no longo prazo, mas o controle deve ser a principalpreocupação dos dirigentes, dada a escassez crônica de recursosdeterminada pelas várias crises econômico-financeiras das últimasdécadas.b) Embora sejam decisivos, o controle e o planejamento sãodependentes da comunicação e da direção, dada a complexidadecrescente das organizações e a necessidade que têm de interagirconstantemente com mercados globalizados.c) Das funções administrativas básicas, o planejamento é a maisfundamental, pois envolve a escolha de cursos alternativos de ação e adefinição das estratégias de intervenção, dele dependendo todas asdemais funções.d) As funções organizativas centrais, dedicadas ao ordenamento e àrotinização das atividades, subordinam todas as demais funçõesadministrativas, pois fornecem condições básicas para que o processoorganizacional funcione de modo harmonioso e eficiente.e) A direção é o ponto central do processo organizacional, pois só elapode gerar, através de lideranças enérgicas e carismáticas, umacapacidade crescente de enfrentar situações críticas e reverter osproblemas administrativos.12) Planejar é de um modo geral, decidir antecipadamente o que deveser feito, ou seja, uma linha de ação preestabelecida. Numa empresa oplanejamento, normalmente, é composto pelas seguintes fases:a) Reconhecimento da necessidade de agir.b) Investigação e análise.c) Propostas de ação e decisão.d) Todas as alternativas acima estão corretas. www.pontodosconcursos.com.br 28
  • 117. pág.:117 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHO13) O planejamento é fundamental como ferramenta de antecipaçãoorganizacional e deve ser realizado por dirigentes de nível superior quedesenvolvem os planos de ação para serem executados pelo quadrofuncional.A afirmação acima estará correta se substituirmos:a) “Dirigentes de nível superior” por “todos os funcionários”.b) “Antecipação” por “previsão”.c) “Planos de ação” por “planos”.d) “Quadro funcional” por “gerentes”.e) “Executados” por “acompanhados”.14) As organizações formais foram classicamente definidas comoaquelas que apresentam padrões de inter-relação entre unidades ecargos, logicamente estabelecidos através de regulamentospadronizados, destinados a viabilizar seus objetivos. No período recente,novos tipos de organização têm sido introduzidos em substituição aospadrões organizacionais até então prevalecentes. Aponte a opção quemelhor retrata essa mudança nas organizações atuais:a) Melhor relação custo-eficiência, dedicação à melhoria incrementalde processos, redução das unidades organizacionais e do quantitativo depessoal.b) Flexibilidade, diminuição de níveis hierárquicos, desenvolvimentode pessoal, criatividade, inovação e foco no cliente.c) Inovação tecnológica, controle centralizado, estabilidade derecursos humanos e avaliação de desempenho com base em processosde trabalho renovados.d) Informatização, rotinização de atividades, padronização deprocedimentos e descentralização da execução e do controle.e) Desconcentração do planejamento, da execução e do controle,interação cautelosa com o meio ambiente externo em mutação, controlede custos.15) Vive-se hoje, na esfera das organizações e da vida administrativa,tanto no setor privado como particularmente no setor público, uma fasede grandes ajustes e transformações. Isso tem exigido das organizaçõesmaior agilidade e maior capacidade de responder às novas orientaçõesgovernamentais, às inovações tecnológicas e às crescentes demandasde clientes e usuários. Como resultado, diversas modificações passarama afetar significativamente os processos de trabalho e as formas deorganização prevalecentes, alterando também as estratégias de ação.Aponte a opção que apresenta, de modo mais bem-acabado, asprincipais características deste processo organizacional emergente. www.pontodosconcursos.com.br 29
  • 118. pág.:118 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOa) Por sua própria natureza, as transformações em curso exigemgrande flexibilidade organizacional e gerencial, estimulam a gestão porresultados e impõem a valorização dos recursos humanos, vinculando aremuneração à produtividade, enfatizando a capacitação profissional econsolidando os mecanismos de avaliação continuada.b) A consolidação das hierarquias, o planejamento normativo, agerência por objetivos e a direção imperativa tornam-se cada vez maisindispensáveis, de modo a afastar o processo organizacional daspressões corporativas e do clientelismo.c) Em decorrência da velocidade das mudanças e das dificuldades deprojetar o futuro, as transformações em cursos estimulam adespadronização do planejamento, a gerência por departamentos e aminimização dos controles, de forma a incentivar a inovação, acriatividade e a interação positiva entre as organizações e os usuários.d) Exatamente porque criam dificuldades e provocam escassez derecursos, as transformações em curso exigem maior ênfase no controlede processos e na montagem de mecanismos visíveis de punição dosdesvios, únicos capazes de garantir a probidade no uso dos recursosfinanceiros das organizações.e) Ao se combinarem com uma forte crise do Estado, astransformações em curso impõem a completa devolução das tradicionaisatribuições estatais para o setor privado, que possui métodos maismodernos e ágeis de ação e pode, com isso, responder à demandas eaos desafios com maior rapidez e a um custo muito menor.16) O controle constitui uma função do processo gerencial. Oselementos centrais de um sistema de controle são: (x) padrão; (y)sensor; (z) comparação.Quanto à relação entre esses elementos, pode-se dizer que:a) Uma comparação entre o padrão e o resultado previsto é definidapor um sensor em pontos consecutivos do processo.b) Um dado padrão é detectado através de medidas fornecidas porum sensor que compara os resultados ao longo do tempo.c) Um dado resultado é detectado por um sensor e comparado comum padrão, dando origem a ações cabíveis.d) Um sistema de sensores detecta os padrões do processo a seremcontrolados por meio de comparação no tempo.e) Um dado resultado é tomado como padrão e comparado com umsensor controlado pelo sistema em tempo real.17) O planejamento estratégico:a) Se concentra nos problemas mais comumente enfrentados pelaprópria organização. www.pontodosconcursos.com.br 30
  • 119. pág.:119 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOb) Se insere nas táticas de conquista de apoio para os objetivosimediatos.c) Se refere a objetivos restritos, de curto prazo e que envolvamrecursos escassos.d) Se caracteriza pela flexibilidade na busca de resultados que afinemcom os propósitos gerais da organização.e) Se justifica porque, além de importante, permite decisões maistécnicas na implantação rápida de mudanças.18) Leia o enunciado abaixo e assinale a alternativa correta:O planejamento estratégico envolve a formulação de objetivos eestratégias não só frente a ameaças e oportunidades, como tambémfrente a pontos fortes e fracos identificadosa) Ameaças e oportunidades dizem respeito ao ambiente internoenquanto que pontos fortes e pontos fracos dizem respeito ao ambienteexterno da organização.b) Ameaças e oportunidades dizem respeito ao ambiente externo, emrelação aos concorrentes, enquanto que pontos fortes e fracos dizemrespeito ao ambiente.c) Ameaças e oportunidades dizem respeito a situações internas daorganização enquanto que pontos fortes e fracos dizem respeito aatuação de clientes e fornecedores externos.d) Ameaças e oportunidades dizem respeito a situações internas dasorganizações enquanto que pontos fortes e pontos fracos dizem respeitoa atuação de clientes e fornecedores externos.e) Ameaças e oportunidades dizem respeito ao ambiente externoenquanto que pontos fortes e fracos dizem respeito ao ambienteinterno em relação aos concorrentes.19) A função administrativa que permite resolver problemas deintegração e ajustamento de fluxos dentro do respectível nível, evitandoa sobrecarga da chefia com problemas de rotina denomina-se:a) Direçãob) Planejamentoc) Organizaçãod) Controlee) Coordenação20) Quando os administradores concentram a autoridade e as decisõesno topo da organização, esse processo chama-se:a) Planejamentob) Centralizaçãoc) Controled) Descentralização www.pontodosconcursos.com.br 31
  • 120. pág.:120 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOe) Organização21) A função administrativa que se refere ao relacionamento doadministrador com seus subordinados, é:a) Avaliaçãob) Organizaçãoc) Planejamentod) Direção22) Assinale a opção que indica corretamente as contribuições da Teoriade Sistemas para o estudo das organizações:a) As organizações passam a serem vistas como sistemas fechadosque interagem unilateralmente com o ambiente. Por outro lado, sãovisualizadas como compostas por partes interdependentes.b) As organizações passam a serem vistas como sistemas abertosque interagem com o ambiente intercambiando matéria-energia-informação. Por outro lado, são visualizadas como compostas por partesespecializadas e estanques.c) As organizações passam a serem vistas como cérebros queinteragem entre si intercambiando matéria-energia-informação. Poroutro lado, são visualizadas como sistema técnico.d) As organizações passam a serem vistas como sistemas fechadosque interagem unilateralmente com o ambiente. Por outro lado, sãovisualizadas como um sistema técnico.e) As organizações passam a serem vistas como sistemas abertosque interagem com o ambiente intercambiando matéria-energia-informação. Por outro lado, são visualizadas como são visualizadascomo compostas por partes interdependentes.23) O Sr. X tem uma maneira muito particular de enxergar aorganização. Em suas análises, ele enxerga os departamentos de suaempresa como elementos da organização, e a organização, por sua vez,como parte integrante de outros sistemas maiores. Sua abordagem dosfatos é sempre realizada de uma forma holística, ele defende ainterdependência das partes e o tratamento complexo da realidadecomplexa. Pode-se dizer que o Sr. X enxerga sua organização de umaforma:a) Contingencialb) Sistêmicac) Burocráticad) Behavioristae) Comportamental24) A Teoria Contingencial da Administração prega como ideal: www.pontodosconcursos.com.br 32
  • 121. pág.:121 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOa) A mudança da cultura organizacional tomando como base oaprendizado organizacional.b) A busca da eficiência sistêmica através do método dos tempos emovimentos.c) A manutenção de determinados padrões organizacionais paraplanejar os melhores resultados.d) A existência de uma melhor forma de organizar, a qual dependedo treinamento contínuo dos funcionários.e) A adaptação da organização ao ambiente.25) A Teoria Contingencial prevê adaptação da tarefa da organização aoseu ambiente, Nesse sentido foi possível pensar num modelomecanicista e num modelo orgânico. Com relação a esses modelos écorreto afirmar que:a) Tarefas programadas e rotineiras exigem um modelo orgânico defuncionamento para que tenham maior sucesso e se adaptem àscondições do ambiente.b) As organizações devem escolher um dos modelos de forma àgarantir sua sobrevivência.c) O modelo orgânico é aplicado a ambientes de certeza, enquantoque o modelo mecanicista se adapta à incerteza.d) As organizações devem escolher o modelo orgânico porque estegarante o sucesso.e) As organizações podem oscilar entre um modelo e outro,procurando para cada tipo de tarefa aquele que melhor se adapta aoambiente.26) O sucesso de um sistema de informação depende:a) Estrutura da organização e do tipo de processo produtivo.b) Tipo de produção da empresa e da quantidade de pessoalenvolvido no processo.c) Do volume dos custos necessários e sua distribuição para osdepartamentos.d) Da conscientização da necessidade e utilidade da informação.e) Da qualidade do pessoal envolvido na alimentação efuncionamento do processo.27) Assinale a opção correta, tendo em vista a visão orgânica dasorganizações a partir da abordagem sistêmico-contingencial:a) A relação entre organização e meio ambiente externo éessencialmente adaptativa.b) O macro-ambiente compreende as forças de mercado que atuamdiretamente sobre a organização.c) A estrutura organizacional é invariável à ambiência externa. www.pontodosconcursos.com.br 33
  • 122. pág.:122 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOd) A abordagem sociotécnica considerava as organizações sistemaseminentemente tecnológicos como parte integrante da sociedade.e) Abordagens como desenvolvimento organizacional surgiram apartir de enfoques sistêmico-contingenciais como antítese às visõesmecanicistas.28) À luz do enfoque sistêmico pode-se afirmar que as organizaçõesbuscam a eficiência e a eficácia organizacionais. Estes dois conceitosexpressam, respectivamente:a) A relação entre os resultados alcançados e os recursosempregados para tanto; a capacidade da organização de realizar umobjetivo ou resolver um problema.b ) A capacidade da organização de produzir determinada quantidadede bens ou serviços; a comparação entre os objetivos realizados pelaorganização e os indicadores de sucesso naquela setor de atividades.c) A capacidade da organização de atender a seus clientes ouusuários com o menor dispêndio de recursos; a medida da utilização dosrecursos organizacionais básicos, isto é, recursos físicos, financeiros ehumanos.d ) A comparação entre os custos da organização e os indicadoresfinanceiros do mercado para aquele setor; a capacidade da organizaçãode manter sempre elevados seus índices financeiros e econômicos.e) A medida da utilização dos recursos próprios da organização; acapacidade da organização de transformar recursos escassos emprodutos ou serviços de alto valor no mercado.Próxima semana:Na próxima aula estaremos conversando sobre um tambémimportantíssimo tema: Gestão de Pessoas. Neste contexto, falaremossobre Liderança, Avaliação de Desempenho, Treinamento eDesenvolvimento, os três E’s (eficiência, eficácia e efetividade), Gestãode Competências, Gestão de Conflitos e seus desdobramentos. Pensamento da semana:“Maior que a tristeza de não ter vencido é a vergonha de não ter lutado” Rui BarbosaGabarito: www.pontodosconcursos.com.br 34
  • 123. pág.:123 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOTem certeza que já tentou responder às questões??? Só leia o gabaritopara fins de correção, e mande-nos suas dúvidas pelo “fórum dediscussões que teremos o maior prazer em respondê-los”.1. d2. e3. d4. e5. a6. d7. c8. b9. c10. b11. c12. a13. b14. b15. a16. c17. d18. e19. e20. b21. d22. e23. b24. c25. e26. e27. a28. aE então??? Como foram seus acertos??? Se não foram bons, recomendoque estude a aula novamente, e com mais concentração.Nossa prova está se aproximando! Concentre-se no seu objetivo e bonsestudos! www.pontodosconcursos.com.br 35
  • 124. pág.:124 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHONossa prova está chegando.... Vamos estudar mais um pouco pessoal?Conforme combinamos aula passada, hoje vamos conversar sobre umtambém importantíssimo tema: Gestão de Pessoas. Neste contexto,falaremos sobre Liderança, Avaliação de Desempenho, Treinamento eDesenvolvimento, os três E’s (eficiência, eficácia e efetividade), Gestãode Competências, Gestão de Conflitos e seus desdobramentos.Alguns dos assuntos que serão tratados nesta aula já foram objeto deestudo em aulas anteriores dentro de alguma das abordagensadministrativas, entretanto, o tema “Gestão de Pessoas” tem sido alvode muitas questões em concursos, por ser um tema atual e de extremaimportância no cotidiano da vida das pessoas. Assim, julgamosnecessário repetir alguns tópicos, ampliadamente, dentro do contextoda Gestão de Pessoas. Você não vai se arrepender!Voltamos a enfatizar que a principal parte do material apresentadoneste curso refere-se a uma sinopse das obras do grande autorIdalberto Chiavenato, principalmente dos livros “Gestão de Pessoas”,Segunda Edição, Editora Campus e do livro “Gerenciando com asPessoas”, também do professor Idalberto Chiavenato, Editora Campus.Vale ressaltar que se trata de material de uso pessoal, não podendo serrepassado a terceiros, em caráter gratuito ou oneroso, seja impresso,por e-mail ou qualquer outro meio de transmissão sob risco de violaçãodo estabelecido na Lei n. º 9.610/1998 e no Código Penal. Desde jáagradecemos a compreensão e estamos abertos para qualquer dúvidaou pendência, tanto sobre o material quanto para qualquer outroassunto relacionado ao concurso em questão. AULA TRÊS GESTÃO DE PESSOASLIDERANÇAConforme começamos a estudar na aula inaugural, Liderança é ainfluência interpessoal exercida numa situação e dirigida por meio doprocesso de comunicação humana à consecução de um ou diversosobjetivos específicos. È dada em função das necessidades existentes emuma determinada situação e consiste numa relação entre um indivíduo e www.pontodosconcursos.com.br Página 1 de 22
  • 125. pág.:125 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOum grupo. O líder (natural) corresponde ao indivíduo percebido pelogrupo como possuidor dos meios para a satisfação de suas necessidades(do grupo).Essa definição pode ser desdobrada, para fins de melhor esclarecimentoda seguinte forma:a) Liderança é um tipo de influenciação entre as pessoas: A influênciape um conceito ligado ao conceito de poder e de autoridade, abrangendotodas as maneiras pelas quais se introduzem mudanças nocomportamento de grupos ou pessoas. Poder é a capacidade de exercerinfluência, embora isso não signifique que essa influência seja realmenteexercida.Existem vários graus de influência, que vão desde a coação (forçar,constranger mediante pressão, coerção ou compulsão), a persuasão(com conselhos, argumentos ou induções), a sugestão (apresentar umaidéia para que seja ponderada) até a emulação (procurar imitar comvigor, para igualar ou ultrapassar, ou pelo menos chegar a ficar quaseigual a alguém).b) A Liderança acontece em uma determinada situação: Ocorre em umadada estrutura social decorrente da distribuição de autoridade de tomardecisões. O grau em que uma pessoa demonstra qualidades de liderançadepende não somente de suas próprias características individuais, mastambém das características da situação na qual se encontra.Dica: Essa é a chamada “Liderança Situacional” quando a Liderança éfunção das necessidades existentes em uma determinada situação econsiste em uma relação entre um indivíduo e um grupo. Trata-se deuma relação funcional.A relação funcional somente existe quando um líder é percebido pelogrupo como possuidor ou controlador dos meios para a satisfação desuas necessidades. Assim, segui-lo pode constituir, para o grupo, ummeio de aumentar a satisfação das suas necessidades ou de evitar susdiminuição.c) A Liderança é realizada pelo processo da comunicação humana: É acapacidade de induzir as pessoas a cumprir suas obrigações com zelo ecorreção. O Líder exerce influência sobre as pessoas conduzindo duaspercepções de objetivos em direção a suas metas.d) A Liderança visa a consecução de um ou mais objetivos específicos: Olíder surge como um meio para o alcance de objetivos desejados pelogrupo. O comportamento de liderança deve ajudar o grupo a atingir www.pontodosconcursos.com.br Página 2 de 22
  • 126. pág.:126 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOobjetivos ou a satisfazer às necessidades. O líder deve ser capaz; osseguidores devem ter vontade.Dica: Para ser bem sucedido como líder, o gestor deve saber lidar comaspectos relativos à motivação, à comunicação, às relaçõesinterpessoais, ao trabalho em equipe e à dinâmica de grupo.Estilos de liderança (ou Estilos Gerenciais)Conforme também já conversamos na aula zero, mas vale repetir dadaà importância do tema, são os estilos de liderança.Em um estudo pioneiro sobre liderança, White e Lippirt fizeram umapesquisa para verificar o impacto causado por três estilos de liderança eos climas sociais resultantes. Para esses autores existem três estilosbásicos de liderança:• Liderança autocrática – o comportamento dos grupos mostrou fortetensão, frustração e agressividade, de um lado, e nenhumaespontaneidade, iniciativa, ou formação de grupos de amizade. Nãodemonstraram satisfação com relação à situação. O trabalho somente sedesenvolvia com a presença física do líder. Quando este se ausentava,as atividades paravam e os grupos expandiam seus sentimentosreprimidos, chegando a explosões de indisciplina e de agressividade.• Liderança liberal – embora a atividade dos grupos fosse intensa, aprodução foi simplesmente medíocre. As tarefas se desenvolviam aoacaso, com muitas oscilações, perdendo-se muito tempo com discussõesmais voltadas para motivos pessoais do que relacionadas com o trabalhoem si. Notou-se forte individualismo agressivo e pouco respeito comrelação ao líder.• Liderança democrática – houve formação de grupos de amizade ede relacionamentos cordiais. Líder e subordinados passaram adesenvolver comunicações espontâneas, francas e cordiais. O trabalhomostrou ritmo suave e seguro, sem alterações, mesmo quando o líderse ausentava. Houve um nítido sentido de responsabilidade e decomprometimento pessoal além de integração grupal, dentro de umclima de satisfação.A partir dessa pesquisa, passou-se a defender intensamente o papel daliderança democrática, extremamente comunicativa, que encoraja aparticipação das pessoas, que é justa e não arbitrária e que se preocupaigualmente com os problemas das tarefas e das pessoas. www.pontodosconcursos.com.br Página 3 de 22
  • 127. pág.:127 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHODica: Na prática, o líder utiliza os três estilos de acordo com a situação,com as pessoas e com a tarefa a ser executada. O líder tanto mandacumprir ordens, como sugere aos subordinados a realização de certastarefas, como ainda consulta aos subordinados antes de tomar algumadecisão.Os três estilos de liderança. Autocrática Democrática Liberal (Talssez- tálre)* Apenas o líder fixa as diretrizes * As diretrizes são debatidas e * Há liberdade completa para decididas pelo grupo, estimulado e as decisões grupais ou assistido pelo líder individuais, com participação mínima do líder.* O líder determina as providências e * O próprio grupo esboça * A participação do líder notécnicas para execução das tarefas, providências e técnicas para debate é limitada,cada uma por vez, na medida em que atingir o alvo, solicitando apresentando materiaisse tornam necessárias e de modo aconselhamento técnico ao líder variados ao grupo,imprevisível para o grupo. quando necessário. As tarefas esclarecendo e fornecendo ganham novas perspectivas com informações quando os debates. solicitados.* O líder determina qual a tarefa que * A divisão das tarefas fica a * Tanto a divisão das tarefascada um deve executar e qual o seu critério do grupo e cada membro como a escolha doscompanheiro de trabalho. tem liberdade de escolher seus companheiros fica totalmente companheiros de trabalho. a cargo do grupo. Absoluta falta de participação do líder.* O líder é dominador e é “pessoal” * O líder procura ser um membro * O líder não tenta avaliar ounos elogios e nas críticas ao trabalho normal do grupo, sem encarregar- regular o curso dosde cada membro. se de tarefas. O líder é “objetivo”e acontecimentos. O líder faz limita-se aos “fatos” em suas comentários irregulares críticas e elogios. sobre as atividades dos membros quando perguntado.(Quadro 6.1 – Os três estilos de liderança, pág. 99 – retirada do livro doProf. CHIAVENATO, Idalberto. Introdução à Teoria Geral daAdministração. Edição Compacta – 3a. Edição. Editora Campus).AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO www.pontodosconcursos.com.br Página 4 de 22
  • 128. pág.:128 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOA avaliação de desempenho é uma responsabilidade gerencial queprocura monitorar o trabalho da equipe e de cada membro e osresultados alcançados para compará-los com os resultados esperados.Preocupa-se com a eficiência, a eficácia, com a qualidade e com aprodutividade.Dica: A Avaliação de Desempenho é uma responsabilidade gerencialconstante, contínua e abrangente, que deve acompanhar todos ospassos da equipe e de cada pessoa que a integra.Mas afinal, o que significa desempenhar? Desempenhar significa cumpriruma tarefa ou obrigação, exercer uma função ou um papel naorganização, cumprimento, exercício, atuação, execução.Os fatores determinantes do desempenho humanoO desempenho é conseqüência do estado motivacional e do esforçoindividual para realizar a tarefa e cumprir os objetivos. Os resultadospercebidos pela pessoa provocam um determinado grau de satisfaçãopessoal, esse grau de satisfação pessoal realimenta positiva ounegativamente a motivação para um novo desempenho. Ousimplesmente não motiva mais.A satisfação obtida pelo indivíduo funciona como um reforço positivopara um novo desempenho, enquanto a insatisfação ou frustraçãofunciona como um reforço negativo. Daí a necessidade de o gestor sepreocupar com:• O desenvolvimento sistemático das habilidades e competências das pessoas como base fundamental para um desempenho eficiente e eficaz.• A remoção contínua das restrições ambientais que possam afetar negativamente o desempenho humano, como o excesso de regras e regulamentos, supervisão cerrada, controles burocráticos, métodos e procedimentos mecânicos tradicionais etc.• A motivação como incentivo constante das pessoas para que dêem o melhor de suas habilidades e competências na execução das tarefas.• A orientação das pessoas no sentido de dedicarem seu esforço para um desempenho excelente ou pelo menos gradativamente excelente.• A avaliação do resultado do desempenho alcançado e com a devida recompensa imediata ou com a correção adequada, sempre buscando um reforço positivo para um desempenho excelente. O mau desempenho deve ser fruto de uma profunda avaliação para remover as causas e origens da ineficiência ou ineficácia. www.pontodosconcursos.com.br Página 5 de 22
  • 129. pág.:129 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHO• A satisfação no trabalho uma vez que ela é conseqüência do sucesso no desempenho das tarefas e da recompensa percebida.A medição dos resultados deve ser contínua e constante ao longo doprocesso. Não se trata apenas dos resultados finais, mas também dosresultados intermediários que o desempenho das pessoas ou dos gruposestá proporcionando ao longo do tempo e sua comparação com osobjetivos previamente formulados, para verificar os possíveis desvios,para corrigi-los adequadamente e em tempo real.Dica: A avaliação de desempenho está totalmente voltada para amelhoria.O sistema de avaliação serve como importante ferramenta gerencialpara melhorar o desempenho das pessoas, alavancar suas satisfações,melhorar o contexto do trabalho e a qualidade de vida das pessoas eproporcionar melhores resultados em termos de eficiência e eficácia.OS TRÊS E´SNão raro, as pessoas confundem os termos eficiência, eficácia eefetividade. Por estarmos tratando de gestão, julgamos pertinentedestacar o conceito de cada um destes termos.A eficácia consiste em fazer a coisa certa (não necessariamente damaneira certa). Assim, está relacionada ao grau de atingimento doobjetivo. Se desejamos fazer algo (ser aprovados em um concursopúblico, por exemplo) e logramos êxito nesse projeto, somos eficazes.Dessa forma, evidencia o cumprimento da missão, chegar ao resultadodesejado.O conceito de eficiência relaciona-se com a maneira pela qual fazemosa coisa. É o como fazemos, o caminho, o método. No projeto anterior(aprovação em um certame), se escolhermos corretamente o melhormaterial, a melhor equipe docente e estudarmos de forma pró-ativa,bem provavelmente seremos aprovados em menos tempo. Aí está aeficiência: a economia de meios, o menor consumo de recursos dado umdeterminado grau de eficácia.Alguns autores associam o conceito de eficiência ao de economicidade,como sinônimos. Apesar de, em sentido lato, não haver diferenças,normalmente a economicidade está ligada ao menor consumo derecursos monetários (gastar-se menos). Em uma licitação, por exemplo,a evidência do cumprimento do princípio da economicidade previsto naConstituição da República se dá com a obtenção do menor preço nacontratação de determinado produto ou serviço previamentedeterminado. www.pontodosconcursos.com.br Página 6 de 22
  • 130. pág.:130 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOPor fim, a efetividade ressalta o impacto, a medida em que o resultadoalmejado (e concretizado) mudou determinado panorama, cenário.Considerando a construção de escolas e o incremento no número deprofessores contratados, a efetividade evidenciará, por exemplo, de quemaneira isso contribuiu para a redução do índice de analfabetismo(impacto). Nesse diapasão, há autores que defendem que a efetividadedecorre do alcance da eficácia e da eficiência, simultaneamente. Numaoutra acepção, pode ser entendida, também, como satisfação dousuário. Na “ponta da linha”, a efetividade ocorre quando um produtoou serviço foi percebido pelo usuário como satisfatório.TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTOO impulso alavancador da modernização está nas pessoas, nas suashabilidades, nos conhecimentos, na sua criatividade e inovação, na suainteligência e na sua competência.Se encararmos as pessoas como recursos humanos, a primeiraconclusão que se tira é a de que elas constituem os únicos recursoseminentemente vivos e dinâmicos com que a empresa pode contar.Na realidade, as pessoas apresentam uma incrível aptidão para odesenvolvimento. O treinamento faz parte do desenvolvimento daspessoas, é um aspecto específico do desenvolvimento pessoal.O treinamento é o ato intencional de fornecer os meios paraproporcionar a aprendizagem. Assim, o treinamento pode envolverquatro tipos de mudanças de comportamento, que são a transmissão deinformações, desenvolvimento de habilidades, desenvolvimento oumodificação de atitudes e desenvolvimento de conceitos.Dica: O treinamento é uma responsabilidade gerencial, que pode serauxiliada pelo órgão dos Recursos Humanos da empresa.O treinamento é algo constante e incessante. Treinar uma vez nãosignifica nada. O treinamento é uma contínua redução da dissonância euma constante busca da eficiência e da eficácia das pessoas. Comoconseqüência, uma constante busca da competência profissional. Comoresultado final, o alcance da excelência é o sucesso pessoal eorganizacional.O treinamento é um processo cíclico, composto de quatro etapas:• Levantamento das necessidades de treinamento.• Programação do treinamento para atender ás necessidades.• Implementação e execução do treinamento.• Avaliação dos resultados do treinamento. www.pontodosconcursos.com.br Página 7 de 22
  • 131. pág.:131 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOGESTÃO DE COMPETÊNCIASNo mundo moderno, as organizações precisam se equipar com talentose competências para poder acompanhar a forte mudança e evolução.Saber alcançar a competitividade não depende apenas de conquistar,reter, aplicar, desenvolver, motivar e recompensar talentos, masprincipalmente de gerir competências e alcançar resultados significativospor meio delas.Competência é a capacidade de utilizar o conhecimento para agregarvalor e fazê-lo acontecer na organização por meio da mudança e dainovação, mesmo em situações desfavoráveis.Competência significa a qualidade que uma pessoa possui e que épercebida pelos outros. Não adianta possuir competências, é necessárioque as outras pessoas reconheçam sua existência. Elas são dinâmicas,mudam, evoluem, são adquiridas ou perdidas.A Gestão por competências é um programa sistematizado edesenvolvido no sentido de definir perfis profissionais que proporcionemmaior produtividade e adequação ao negócio, identificando os pontos deexcelência e os pontos de carência, suprindo lacunas e agregandoconhecimento, tendo por base certos critérios objetivamentemensuráveis.Dica: A gestão por competências procura substituir o tradicionallevantamento de necessidades e carências de treinamento por umavisão das necessidades futuras do negócio e de como as pessoaspoderão agregar valor à empresa.Para Covey, as novas competências pessoais exigidas pelas empresasnos novos ambientes de negócios são as seguintes: 11) Aprender a aprender: devem ter flexibilidade, apreensão einovação.2) Comunicação e colaboração: trabalho solitário e individual cedelugar ao trabalho solidário e grupal.3) Raciocínio Criativo e resolução de problemas: espera-se que osfuncionários descubram por si mesmos como agilizar e melhorar seupróprio trabalho.4) Conhecimento tecnológico: o conhecimento está a serviço daequipe e não do indivíduo isolado.5) Conhecimento de negócios globais: a globalização está ampliandoas fronteiras do conhecimento das pessoas.6) Desenvolvimento de liderança: capacitação das pessoas emtermos de espírito empreendedor e de liderança.7) Autogerenciamento da carreira: as pessoas precisam assumir ocompromisso de assegurar que possuem as qualificações, o www.pontodosconcursos.com.br Página 8 de 22
  • 132. pág.:132 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOconhecimento e as competências exigidas, tanto na atividade atual,como nas futuras.1. COVEY, Stephen R. Os sete hábitos das pessoas muito eficientes. SãoPaulo: Best Seller, 1991.Cada empresa precisa identificar, reunir e fortalecer suas competênciaspara poder competir com o sucesso. A identificação das competênciasorganizacionais é necessária para orientar as decisões quanto àsatividades que são cruciais para o sucesso da organização.Categorias de competências 1) Competências essenciais: são as competências básicas e fundamentais para o sucesso da organização em relação aos clientes, à sociedade e aos concorrentes. Correspondem àquilo que cada organização sabe fazer melhor do que ninguém. Cada organização precisa identificar e localizar as competências essenciais capazes de levá-las ao sucesso. 2) Competências de gestão: são as relacionadas com a gestão de recursos – financeiros, comerciais, produtivos, etc. Refere-se a como os recursos organizacionais são utilizados e os processos mobilizados para obter os melhores resultados. As competências e a gestão são fundamentais para sua eficiência interna. 3) Competências organizacionais: são as relacionadas com a vida íntima da organização. Referem-se ao aparato interno por meio do qual a organização se articula e se integra para poder funcionar. 4) Competências pessoais: são as que cada indivíduo aprende e desenvolve em suas atividades pessoais na organização. As organizações avaliam e definem quais são suas competências essenciais – atuais ou exigidas – e daí, partem para suas competências de gestão, competências organizacionais até chegar às competências individuais por meio de um processo estratégico de desenvolvimento de competências.GESTÃO DE CONFLITOSConforme estudamos na Teoria Estruturalista, na aula 02, Conflitosignifica a existência de idéias, sentimentos, atitudes ou interessesantagônicos e colidentes que podem se chocar.Para os estruturalistas, os conflitos, embora nem todos desejáveis, sãoelementos geradores das mudanças e da inovação na organização. www.pontodosconcursos.com.br Página 9 de 22
  • 133. pág.:133 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOConflito e cooperação são elementos integrantes da vida de umaorganização. O propósito da administração deve ser o de obtercooperação e sanar conflitos, ou seja, criar condições em que o conflitopossa ser controlado e dirigido para canais úteis e produtivos.Existem tipos de situações dentro das organizações que provocamconflitos. Os conflitos envolvem aspectos positivos e negativos, emboraas possibilidades negativas e destrutivas do conflito – tanto internocomo externo – sejam mais visíveis. Não há melhor maneira decomprometer a saúde de uma organização do que promover um conflitointerno. Também o conflito externo, provocado por forças que vêm defora da organização pode exercer pressão fortemente desintegradora.Todavia, o conflito pode apresentar potencialidades positivas,permitindo o fortalecimento da coesão grupal e da organização informal,bem como o sentimento de pertencer à organização.Abordagens quanto à gestão de conflitosO gerente tem, à sua disposição três abordagens quanto àadministração de conflitos:1) Abordagem estrutural: Baseia-se no fato de que o conflito surge daspercepções criadas pelas condições de diferenciação, de recursoslimitados e escassos e de interdependência. Se esses elementospuderem ser modificados, as percepções e o conflito resultante poderãoser controlados. Trata-se, pois, de atuar sobre uma condição existenteque predispõe ao conflito. A abordagem estrutural procura minimizar asdiferenças entre os grupos identificando objetivos que possam sercompartilhados por eles. Outro mecanismo estrutural é a utilização dossistemas de recompensas formais da organização, utilizando um sistemade incentivos para recompensar o desempenho conjunto e combinadode dois ou mais grupos, criando objetivos comuns. A abordagemestrutural também procura realizar a diferenciação dos grupos por meiodo reagrupamento de indivíduos, de maneira que os grupos conflitantesse tornem parte de uma unidade maior.2) Abordagem de processo: É a abordagem que procura reduzir osconflitos por meio da modificação do processo, ou seja, de umaintervenção no episódio do conflito. A abordagem de processo pode serrealizada de três diferentes maneiras: A primeira é a desativação oudesescalonização do conflito, a segunda é a reunião de confrontaçãoentre as partes, e a terceira é a colaboração, onde as partes trabalhamjuntas para solucionar problemas, identificar soluções do tipoganha/ganha ou soluções interativas capazes de conjugar os objetivosde ambas as partes. www.pontodosconcursos.com.br Página 10 de 22
  • 134. pág.:134 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHO3) Abordagem mista: é a abordagem que procura administrar o conflitotanto como aspectos estruturais como processuais. A solução incluiintervenção sobre a situação estrutural e sobre o episódio conflitivo. Aprimeira maneira mista é influenciar o processo de conflito por meiosestruturais, como a adoção de regras para resolução de conflitos. Asegunda maneira mista é criar “terceiras partes” dentro da empresa demodo que estejam disponíveis a qualquer momento para ajudar nasolução do tipo ganha/ganha dos conflitos que surgem.Dica: A maneira pela qual as partes reagem ao conflito e a maneira pelaqual o conflito é solucionado produzem uma influência sobre aspercepções, os sentimentos e os comportamentos que se seguem, bemcomo sobre a qualidade da comunicação entre o grupo.Estilos de Gestão de ConflitosAs equipes, assim como as pessoas, desenvolvem estilos específicospara lidar com conflitos, baseados no desejo de satisfazer seus própriosinteresses versus o interesse da outra parte. O modelo a seguirdescreve os cinco estilos de administrar conflitos por meio de duasdimensões: da dimensão assertiva (tentativa de satisfazer a seuspróprios interesses) e da dinâmica cooperativa (tentativa de satisfazeraos interesses das outras partes):1) Estilo competitivo: reflete a assertividade para impor o seu própriointeresse e é utilizado quando uma ação pronta e decisiva deve serrapidamente imposta em ações importantes ou impopulares, durante asquais a urgência ou emergência se torna necessária ou indispensável. Onegócio é ganhar.2) Estilo de evitação: reflete uma postura não assertiva, nemcooperativa e é apropriado quando um assunto é trivial, quando nãoexiste nenhuma possibilidade de ganhar, quando uma demora paraobter maior informação se torna necessária ou quando umdesentendimento pode ser muito oneroso. O negócio é se manter emcopas.3) Estilo de compromisso: reflete uma moderada porção de ambas ascaracterísticas de assertividade e de cooperação. É apropriado quandoos objetivos de ambos os lados são igualmente importantes, quando oscomponentes têm igual poder e ambos os lados querem reduzir asdiferenças. O negócio é ter jogo de cintura.4) Estilo de acomodação: reflete um alto grau de cooperação e funcionamelhor quando as pessoas sabem o que é errado, quando um assunto émais importante que outro para cada lado, quando se pretende construir www.pontodosconcursos.com.br Página 11 de 22
  • 135. pág.:135 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOcréditos sociais para utilizar em outras situações ou quando manter aharmonia é o mais importante. O negócio é ir levando.5) Estilo de colaboração: reflete um alto grau de assertividade e decooperação. O estilo colaborativo habilita ambas as partes a ganhar,enquanto utiliza uma substancial parcela de negociação e deintercâmbio. O estilo de colaboração é importante quando os interessesde ambos os lados são importantes, quando os pontos de vista daspartes podem ser combinados para uma solução mais ampla e quando ocompromisso de ambos os lados requer consenso. O negócio é resolverpara que ambas as partes ganhem e se comprometam com a solução. Assertivo Competição ColaboraçãoAssertividade Compromisso Não assertivo Evitação Acomodação Não-cooperativo Cooperação CooperativoFigura 9.12. Os cinco estilos de gestão de conflitos. 22 THOMAS, Kenneth. In: Dunnette M.D. (ed.) Handbook of industrial andorganizational psychology. Nova York: John Wiley & Sons, 1976, p, 900.Extraído do Livro Gerenciando com as Pessoas – Idalberto Chiavenato –Editora Campus, pág. 240.Prontos para responderem algumas questões de concursos járealizados?? Acredito que sim... Caso você queira se aprofundar nosassuntos que estudamos hoje, sugiro a leitura dos livros “Gestão dePessoas”, do professor Idalberto Chiavenato, Segunda Edição, EditoraCampus e do livro “Gerenciando com as Pessoas”, também do professorIdalberto Chiavenato, Editora Campus.As questões apresentadas a seguir, e também as que serãoapresentadas nas próximas aulas, são questões da ESAF, do INPI, da www.pontodosconcursos.com.br Página 12 de 22
  • 136. pág.:136 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOFundação Carlos Chagas, da Unicamp, Proderj, Funesp, PCI, UFRJ,Granjeiro, CESP, AFTN, Comperv, entre outras.Seja sincero com você mesmo e com seus estudos e não olhe o gabaritoantes de responder às questões. Concentre-se e use todos os seusconhecimentos, aprendidos aqui, e os conhecimentos que você já trazconsigo ao longo da vida...01) Exercer influência sobre pessoas e grupos para realizar os objetivos da organização é um ato chamado de:a) Manipulação.b) Motivação.c) Cooptação.d) Comando.e) Liderança.02) A função pessoal ou recursos humanos diz respeito às atividades relacionadas com:a) As necessidades humanasb) O pagamento de serviços.c) A mão-de-obra da organizaçãod) Os movimentos indicais.e) A cultura organizacional.03) É a busca de uma realização ótima entre qualidade e custo dos serviços colocados à disposição do público:a) Eficiência.b) Eficácia.c) Efetividade.d) Racionalização.e) Produtividade.04) A meta anual para um Departamento de Produção foi fixada em100.000 unidades de um determinado produto. Decorridos 8 meses,apenas 50.000 unidades haviam sido produzidas. A fim de que hajacumprimento da metade, deve-se:a) Alterar a estrutura do departamento.b) Mudar as especificações do produto.c) Modificar os meios – recursos e atividades – utilizados no processo de produção.d) Pagar melhores salários.e) Realizar reuniões diárias para cobrança de resultados. www.pontodosconcursos.com.br Página 13 de 22
  • 137. pág.:137 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHO05) Considerando as características da administração científica e daadministração flexível, é incorreto afirmar que:a) O controle da qualidade efetuado por amostragem em lotes de produtos já elaborados está relacionado à administração científica.b) Estruturas organizacionais com menor número de níveis hierárquicos estão relacionadas à administração flexível.c) Produção em pequenos lotes para mercados segmentados está relacionada à administração flexível.d) A existência de regras e rotinas na execução de tarefas está relacionada à administração científica.e) A distinção entre quem planeja e quem executa o trabalho está relacionada à administração flexível.06) Pode-se considerar que a formação de gerentes reside nodesenvolvimento das habilidades. As habilidades:a) De resolução de conflitos envolvem a construção de redes derelacionamento e a capacidade de falar em nome da empresa na soluçãode problemas.b) Empresariais fornecem ao gerente critérios para definição de quaisatividades ou projetos designar para cada funcionário da empresa.c) De processamento de informação se referem à capacidade dearbitragem de conflitos entre funcionários.d) De alocação de recursos envolvem a busca de problemas eoportunidade, alem da implementação de mudanças organizacionais.e) De introspecção relacionam-se coma a capacidade de reflexão eauto-análise.07) Julgue os itens a respeito das características da liderançacontemporânea:a) Baseia-se na autoridade de cargo.b) Baseia-se na supervisãoc) Baseia-se na capacidade do líder em conduzir a equipe na direçãode objetivos pré-estabelecidos.d) Baseia-se na participação.e) Baseia-se na capacidade do líder de construir uma visãocompartilhada. Estão corretos os itens:a) a-b-cb) a-b-d www.pontodosconcursos.com.br Página 14 de 22
  • 138. pág.:138 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOc) b-c-ed) b-d-ee) c-d-e08) Nas organizações podem ser encontradas diferentes estilos deliderança, desde o modelo democrático. Indique se as característicasabaixo são verdadeiros (V) ou falsas (F). Em seguida assinale a opçãocorreta.( ) O modelo democrático de liderança caracteriza-se por ordens vindasde cima para baixo.( ) O modelo autocrático de liderança caracteriza-se pela centralizaçãodas decisões na cúpula de organização.( ) O modelo democrático de liderança caracteriza-se pela participaçãodos empregados nas decisões da organização.( ) O modelo autocrático de liderança caracteriza-se pelainstitucionalização do processo representativo.a) V,V,F,Fb) F,V,V,Fc) V,F,F,Vd) F,V,F,Fe) F,V,F,V09) Os gerentes desempenham papéis usualmente divididos em trêscategorias: interpessoais, processamento de informação e decisão. Écorreto afirmar que:a) O papel do porta-voz é uma atividade interpessoal, que envolve atransmissão de informação da organização entre pessoas e para oambiente extremo.b) O papel de ligação é uma atividade de processamento deinformação, que envolve a ligação entre pessoas, constituindo a teia derelação humanas mantida pelo gerente.c) O papel de monitor é uma atividade de decisão, desempenhadapelo gerente quando recebe ou procura informação relativas àorganização.d) A liderança é uma atividade interpessoal, que permeia todas asatividades gerencias.e) O papel de empreendedor é uma atividade de processamento deinformação, onde o gerente atua como indicador e planejamento demudanças organizacionais. www.pontodosconcursos.com.br Página 15 de 22
  • 139. pág.:139 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHO10) As teorias sobre estilo de liderança estudam estilos decomportamento do líder em relação ao seus subordinados. A principalteoria que explica liderança sem se preocupar com características depersonalidades é a que se refere a três estilos de liderança, a saber:a) Dominante, consultiva e laissez-faire.b) Autocrática, liberal e democráticac) Autocrática, democrática e circunstancial.d) liberal, moderada e coercitiva.11) Podemos definir liderança como:a) Combinação de recursos, conhecimentos e técnicas que criam eproduzem um produto ou serviço.b) Influência interpessoal exercida numa dada situação e dirigida pormeio do processo de comunicação humana, para a consecução de um oumais objetos específicos.c) Função administrativa que define os objetivos a atingir e estabeleceros meios e programas alcançá-los.d) O processo de manutenção que as pessoas da organização utilizampara administrar suas relações como o futuro.12) Em uma nova empresa, estão sendo revistos os sistemas deremuneração. Desta forma, a administração iniciou a implantação dasestruturas salariais com a avaliação dos cargos, por meio do método deavaliação pr pontos. Isso significa que:a) Os cargos são comparados por meio de fatores de avaliação em suaspartes componentes, atribuindo-se valores numéricos para cadaelemento ou aspecto do cargo, e um valor total é obtido pela soma dosvalores numéricos.b) Os cargos a serem comparados são divididos em um conjunto decargos que possuem características comuns e são dispostos em um rolem relação a algum critério de avaliação e são comparados com osdemais em função do critério escolhido como base de referência.c) Os cargos são comparados detalhadamente com fatores de avaliaçãointegrada ou relativa.d) Os cargos são dispostos em um rol em relação a algum critério deavaliação e comparados com os demais em função do critério escolhidocom base de referência.13) As competências gerencias requeridas para o cargo de gerente, sãoclassificados em três categorias. São elas:a) Experiência, comunicação e habilidade.b) Conhecimentos, habilidades e atitudes. www.pontodosconcursos.com.br Página 16 de 22
  • 140. pág.:140 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOc) Conhecimentos, especializados e liderança.d) Negociação, análise e atitude.14) Atualmente as empresas atuam através de parcerias, inclusive comsues empregados. Os empregados, enquanto parceiros da organização,contribuem com esforço, conhecimento e habilidade. Por outro lado,esperam retorno de:a) Salários e benefíciosb) lucros e dividendosc) Lucros e novos negóciosd) Lucros e qualidadese) Dividendos e novos negócios15) São características de gestão de remuneração e carreirascontemporâneas, exceto:a) Componentes variável na remuneraçãob) Avaliação de desempenho relacionada a resultados.c) Estabilidade de funções, áreas e órgãos.d) Certificação e premiação de competênciase) Remuneração indireta como incentivo16) Assinale como falsa (F) ou verdadeira (V) as alternativas querepresentam facetas da avaliação de desempenho:( ) Permitir condições de medição do potencial humano no sentido dedeterminara sua plena aplicação( ) Fornecer oportunidades de crescimento e condições de efetivaparticipação dos membros da organização na ocupação de cargos dechefia.( ) Permitir o tratamento dos recursos humanos como importantevantagem competitiva da organização.( ) Fornecer oportunidades de crescimento e condições de efetivaparticipação a todos os membros da organização.( ) Permitir condições de medição do potencial humano no sentido dedeterminar suas condições funcionais para futuras promoções.Assinale a alternativa correta:a) F,F,F,V,Vb) V,V,F,F,Fc) V,F,V,V,Fd) F,V,F,F,Ve) F,V,F,V,F www.pontodosconcursos.com.br Página 17 de 22
  • 141. pág.:141 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHO17) Assinale a alternativa correta sobra capacitação de pessoas:a) Treinamento está relacionado à tarefa.b) Desenvolvimento busca aumentar as competências individuais deforma independente da organização.c) O impacto da capacitação se mede no desempenho imediato eespecifico.d) Aprendizado a distância pode ser uma excelente alternativa parao individuo com baixa disciplina e tolerabilidade para aprendizadopresencial.e) Auto-aprendizado é uma modalidade de capacitação restrita aosdenominados autodidatas.18) Assinale a opção correta sobra gestão de competências:a) Conhecimentos devem estar estritamente vinculados aos requisitosdo cargo.b) Habilidade interpessoais são mais importantes que habilidadestécnicas.c) A correlação competência – resultados á altamente influenciada porvariáveis ambientais intervenientes.d) Atitudes são sempre circunstanciais e, portanto, não podem sermodeladas.e) A verificação de competências deve estar direta e automaticamenterelacionada à promoção.19) Avaliação de Desempenho é um instrumento gerencial que permiteao administrador mensurar os resultados obtidos por um empregador oupor um gripo, em período e área específicos. O método que consiste emavaliar o desempenho ou a atuação dos indivíduos por meio de frasesdescritivas de determinado tipo de desempenho do empregado, emrelação às tarefas que lhe foram atribuídas, chama-se:a) Escolha forçadab) Incidentes Críticosc) Escalas Gráficasd) 360 graus.e) Comparativos.20) Em relação aos critérios de avaliação do desempenho dasorganizações, analise as seguintes conceituações:I) Qualidade de conformidade, que é representada pela razão entreresultados e objetivos. www.pontodosconcursos.com.br Página 18 de 22
  • 142. pág.:142 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOII) Produtividade, que é razão entre resultado obtido e recursosutilizados.III) Eficiência, que é a antítese do desperdício.IV) Eficácia, que significa a razão entre itens dentro de especificação e ototal de itens produzidos.Estão corretamente conceituados somente os critérios:a) – I e II.b) – I e IIIc) – I e IVd) – II e IIIe) – II e IV21) Assinale a opção em relação à gestão do conhecimento e do capitalintelectual:a) Conhecimento tácito está relacionado a descoberta ainda nãorealizada.b) Conhecimentos sobre clientes são ativos e intangíveis.c) Conhecimentos explicito esta presente apenas em patentes e outrasmodalidades de reconhecimento da propriedade intelectual.d) Dados, informações e conhecimentos são categorias análogas porquesão todas formas distintas de compreensão de realidade.e) Capital estrutural está relacionado a conhecimentos que sustentatecnologias diferenciadoras de produtos, processo ou gestão.22) Assinale a opção correta em relação a conceitos de desempenhoorganizacional:a) Eficiência esta relacionada ao alcance dos impactos desejados.b) Eficácia esta relacionada ao alcance da meta estabelecida noprazo.c) Efetividade é uma relação de otimização entre insumo e produtos.d) Um plano operacional contém princípios e diretrizes.e) A diferença entre objetivos e metas é que estas prescindem deprazo fatal.23) Eficiência, eficácia e efetividade são algumas das medidasutilizadas para avaliar o desempenho gerencial tanto no setor no setorprivado como setor publico. Julgue os itens:( ) Por eficiência se entende a relação entre objetivos organizacionaisplanejados e realizados. A eficácia permite avaliar os gastos realizadosna produção de um bem ou serviço num período de tempo. A www.pontodosconcursos.com.br Página 19 de 22
  • 143. pág.:143 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOefetividade visa avaliar os impactos de uma ação organizacional nacomunidade.( ) Por eficiência se entende a relação entre a produção e recursosutilizados. A eficácia permite avaliar os gastos realizados na produção deum bem ou serviço num período de tempo. A efetividade visa avaliar seos objetivos foram alcançados.( ) Por eficácia se entende a relação entre produção e recursosutilizados. A eficácia permite avaliara se os objetivos definidos pelaorganização para um período de tempo foram alcançados. A efetividadevisa avaliar os impactos de uma ação organizacional na comunidade.( ) Por eficiência se entende a relação entre necessidade dacomunidade e os resultados alcançados pela ação organizacional. Aeficácia permite avaliar se os objetivos definidos pela organizaçãopara um período de tempo forma alcançados. A efetividade vida avaliaros gastos coma produção versus resultados alcançados.( ) Por eficiência se entende a relação entre os gastos realizados e ovalor da produção. A eficácia permite avaliar os impactos de uma açãoorganizacional na comunidade. A efetividade visa avaliara se osobjetivos da comunidade foram alcançados.a) F,F,V,V,Fb) V,V,F,F,Vc) F,F,V,F,Vd) V,F,V,F,Ve) F,V,V,F,V24) Nas organizações, usualmente os gerentes são agrupados em trêsníveis hierárquicos principais: supervisores, gerentes e intermediários eexecutivos. Os supervisores e os gerentes intermediários:a) São usualmente denominados superintendentes e diretores,respectivamente.b) Chefiam grupos de funcionários operacionais e coordenam asatividades dos departamentos, respectivamente.c) Coordenam as atividades dos departamentos e chefiam gruposoperacionais, respectivamente.d) São os ocupantes dos cargos mais elevados da hierarquia e são osresponsáveis pelo fornecimento de produtos ou serviços aos clientes,respectivamente. www.pontodosconcursos.com.br Página 20 de 22
  • 144. pág.:144 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHO25) Julgue os itens relativos a indicadores de desempenho e formascontratuais de gestão:a) Um indicador é uma variável passível de mensuração.b) Metas são valores esperados em relação a indicadores emdeterminado prazo.c) Um quadro abrangente de indicadores deve contemplar todos osindicadores de eficiência, eficácia e efetividade.d) A eficácia da relação contratual baseia-se na existência de metas,meios, mecanismos de controles e incentivos.e) Indicadores qualitativos de desempenho não são passíveis demensuração.Estão corretos os itens:a) abeb) abdc) bced) bdee) cdePróxima aula:Na próxima aula estaremos conversando sobre dois temas tambémimportantíssimos em nosso edital: Comportamento Organizacional(envolvendo, entre outros, os assuntos: cultura, comunicação,motivação, desenvolvimento de equipes e responsabilidade corporativa).Além disso, estaremos conversando sobre as Novas AbordagensAdministrativas, que inclui temas como: qualidade total, produtividade,Dowsizing, Benchmarking, Adhocracia, A quinta disciplina e suas leis. Pensamento da semana: “Sonhos são gratuitos. Transformá-los em realidade tem um preço.” E. J. GibsGabarito:Tem certeza que já tentou responder às questões??? Só leia o gabaritopara fins de correção, e mande-nos suas dúvidas pelo “fórum dediscussões que teremos o maior prazer em respondê-los”.1. e www.pontodosconcursos.com.br Página 21 de 22
  • 145. pág.:145 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHO2. c3. a4. c5. e6. e7. c8. b9. d10. b11. b12. a13. b14. a15. c16. c17. a18. c19. a20. d21. b22. b23. c24. b25. bE então??? Como foram seus acertos??? Se não foram bons, recomendoque estude a aula novamente, e com mais concentração.Nossa prova está se aproximando! Concentre-se no seu objetivo e bonsestudos! www.pontodosconcursos.com.br Página 22 de 22
  • 146. pág.:146 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOOlá queridos amigos!Hoje é nossa penúltima aula! Não desistam de seus objetivos! Vamosseguir em frente! Força! Garra! Determinação!Antes de qualquer coisa, gostaria de me desculpar por não terrespondido às perguntas do fórum até agora... Na verdade aconteceuum problema no meu computador, e eu estava verificando as perguntasdo fórum no lugar errado, e lá onde eu estava olhando não constavanenhuma pergunta... Eu estava até estranhando, porque desde o inícioestimulei que todos vocês entrassem em contato comigo e fico muitocontente por o terem feito. Agora estou respondendo suas dúvidas equestionamentos, e essa demora não ocorrerá mais. Mais uma vez, meperdoem! Sinto-me envergonhado por esta falha!Conforme combinamos aula passada, hoje vamos conversar sobre doistemas também importantíssimos em nosso edital: ComportamentoOrganizacional (envolvendo, entre outros, os assuntos: cultura,comunicação, motivação, desenvolvimento de equipes eresponsabilidade corporativa). Além disso, estaremos conversando sobreas Novas Abordagens Administrativas, que inclui temas como: qualidadetotal, produtividade, Dowsizing, Benchmarking, Adhocracia, A quintadisciplina e suas leis.Alguns dos assuntos que serão tratados nesta aula já foram objeto deestudo em aulas anteriores dentro de alguma das abordagensadministrativas, entretanto, o tema “Comportamento Organizacional”tem sido alvo de muitas questões em concursos, por ser um tema atuale de extrema importância no cotidiano da vida das pessoas. Assim,julgamos necessário repetir alguns tópicos, ampliadamente, dentro docontexto do Comportamento Organizacional. Você não vai searrepender!Voltamos a enfatizar que a principal parte do material apresentadoneste curso refere-se a uma sinopse das obras do grande autorIdalberto Chiavenato, principalmente dos livros “Gestão de Pessoas”,Segunda Edição, Editora Campus, do livro “Gerenciando com asPessoas”, Editora Campus, “Administração nos Novos Tempos, SegundaEdição, Editora Campus e ainda, do livro Introdução à Teoria Geral daAdministração, Sétima Edição, Editora Campus. www.pontodosconcursos.com.br 1 Página de 43
  • 147. pág.:147 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOVale ressaltar que se trata de material de uso pessoal, não podendo serrepassado a terceiros, em caráter gratuito ou oneroso, seja impresso,por e-mail ou qualquer outro meio de transmissão sob risco de violaçãodo estabelecido na Lei n. º 9.610/1998 e no Código Penal. Desde jáagradecemos a compreensão e estamos abertos para qualquer dúvidaou pendência, tanto sobre o material quanto para qualquer outroassunto relacionado ao concurso em questão. AULA QUATRO: COMPORTAMENTO ORGANIZACIONALComportamento Organizacional é o estudo da dinâmica dasorganizações e como os grupos e indivíduos se comportam dentro delas.É uma ciência interdisciplinar. Por ser sistema cooperativo racional, aorganização somente pode alcançar seus objetivos se as pessoas que acompõem coordenarem seus esforços a fim de alcançar algo queindividualmente jamais conseguiriam. Por essa razão, a organizaçãocaracteriza-se por uma racional divisão do trabalho e hierarquia.Da mesma forma que uma organização tem expectativas acerca de seusparticipantes, quanto às suas atividades, talentos e potencial dedesenvolvimento, também os participantes têm suas expectativas emrelação á organização. As pessoas ingressam e fazem parte daorganização para obter satisfação de suas necessidades pessoais pormeio de sua participação nela. Para obter essas satisfações, as pessoasestão dispostas a fazer investimentos pessoais na organização ou aincorrer em certos custos. Por outro lado, a organização recruta pessoasna expectativa de que elas trabalhem e desempenhem suas tarefas.Assim surge uma interação entre pessoas e organização, a que se dá onome de processo de reciprocidade: a organização espera que aspessoas realizem suas tarefas e oferece-lhes incentivos e recompensas,enquanto as pessoas oferecem suas atividades e trabalho esperandoobter certas satisfações pessoais.Dica: As pessoas estão dispostas a cooperar, desde que as suasatividades na organização contribuam diretamente para o alcance deseus próprios objetivos pessoais. www.pontodosconcursos.com.br 2 Página de 43
  • 148. pág.:148 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOCULTURA, CRIATIVIDADE E INOVAÇÃO ORGANIZACIONAL:Cultura é um termo genérico utilizado para significar duas acepçõesdiferentes. De um lado, o conjunto de costumes e realizações de umaépoca ou de um povo, e, de outro, artes, erudição e demaismanifestações mais sofisticadas do intelecto e da sensibilidade humanaconsideradas coletivamente. A cultura organizacional nada tem a vercom isso.No estudo das organizações, a cultura equivale ao modo de vida daorganização em todos os seus aspectos, como idéias, crenças,costumes, regras, técnicas, etc. Nesse sentido, todos os seres humanossão dotados de cultura, pois fazem parte de algum sistema cultural. Emfunção disso, toda pessoa tende a ver e a julgar as outras culturas apartir de sua própria cultura.A cultura organizacional, ou cultura corporativa é o conjunto de hábitose crenças, estabelecidos por normas, valores, atitudes e expectativas,compartilhado por todos os membros da organização. Constitui o modoinstitucionalizado de pensar e agir que existe em uma organização.Dica: A essência da cultura de uma empresa é expressa pela maneiracom que ela faz seus negócios, trata seus clientes e funcionários, o graude autonomia ou liberdade que existe em suas unidades ou escritórios eo grau de lealdade expresso por seus funcionários a respeito daempresa.A cultura representa o universo simbólico da organização e proporcionaum referencial de padrões de desempenho entre funcionários,influenciando a pontualidade, produtividade e a preocupação com aqualidade e serviço ao cliente. Exprime a identidade da organização.Assim, a cultura organizacional representa as normas informais e nãoescritas que orientam o comportamento dos membros de umaorganização no dia-a-dia e que direciona suas ações para o alcance dosobjetivos organizacionais.No fundo, é a cultura que define a missão e provoca o nascimento e oestabelecimento dos objetivos da organização.O iceberg da cultura organizacionalA cultura reflete um iceberg. Apenas 10 ou 20% do iceberg fica acimado nível da água e constitui a parte visível. A maior parte permaneceoculta sob as águas e fora da visão das pessoas. A figura abaixo mostra www.pontodosconcursos.com.br 3 Página de 43
  • 149. pág.:149 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOo iceberg da cultura organizacional. Aspectos formais e abertos • Estrutura organizacional • Títulos e descrição de cargos • Objetivos e estratégias • Tecnologia e práticas operacionais • Políticas e diretrizes de pessoal • Métodos e procedimentos • Medidas de produtividade física e financeira Aspectos informais e ocultos • Padrões de influenciação e de poder • Percepções e atitudes das pessoas • Sentimentos e normas de grupos • Valores e expectativas • Padrões de interações informais • Normas grupais • Relações afetivasFigura 6.1. O ideberg da cultura organizacional. Extraído do Livro Gestãode Pessoas, Segunda Edição, Idalberto Chiavenato, Editora Campus,Pág. 166.Componentes da cultura organizacionalToda cultura se apresenta em três diferentes níveis: artefatos, valorescompartilhados e pressuposições básicas:1) Artefatos:Estruturas e processos organizacionais visíveis, maisfáceis de decifrar e de mudar.2) Valores compartilhados: Filosofias, estratégias e objetivos(justificativas aceitas por todos os membros).3) Pressuposições básicas: Crenças inconscientes, percepções,pensamentos e sentimentos. Fontes mais profundas de valores e ações.Culturas conservadoras e culturas adaptativasExistem culturas organizacionais adaptativas e outras não-adaptativas.As primeiras se caracterizam por sua maleabilidade e flexibilidade e sãovoltadas para a inovação e mudança. As segundas, por sua rigidez, sãovoltadas para a manutenção do status quo e do conservantismo.Culturas adaptativas www.pontodosconcursos.com.br 4 Página de 43
  • 150. pág.:150 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHONormas de comportamento: Os administradores prestam atenção atodos os aspectos, especialmente aos clientes, e iniciam a mudançaquando precisam alcançar seus legítimos interesses, mesmo que issosignifique assumir riscos.Valores compartilhados: Os administradores cuidam profundamente dosclientes, investidores e empregados. Eles atribuem forte valor àspessoas e aos processos que podem criar mudanças úteis (comoliderança acima e abaixo da hierarquia administrativa).Culturas não-adaptativasNormas de comportamento: Os administradores tendem a comportar-sepolítica e burocraticamente de modo isolado. Como resultado, eles nãomudam suas estratégias prontamente para ajustar ou ganhar vantagenscom a mudança em seus ambientes de trabalho.Valores compartilhados: Os administradores cuidam principalmente de simesmos, de seu grupo imediato de trabalho ou de algum produto(tecnologia) associado com seu trabalho. Eles atribuem mais valor àordem e à redução de riscos nos processos administrativos do que emliderar iniciativas.Criatividade e InovaçãoHá algumas décadas, as organizações mecanísticas exigiam umcomportamento burocrático, repetitivo e reprodutivo das pessoas. Ofoco se concentrava na eficiência: fazer as coisas exatamente de acordocom as regras, métodos e procedimentos da organização. As pessoasnão podiam pensar, mas apenas executar e seguir as ordens dadas.Agora, as organizações orgânicas estão impondo um novo e diferentecomportamento das pessoas: um comportamento criativo e inovador. Jánão basta a eficiência. Se o mundo mudou, as empresas também estãomudando na mesma direção e cada vez mais rapidamente. Isso requermudanças em produtos, serviços, métodos e processos, equipamentos etecnologia, estrutura organizacional e cargos, e, sobretudo,comportamento das pessoas. A criatividade está na base de tudo isso.Criatividade significa a aplicação da engenhosidade e imaginação paraproporcionar uma nova idéia, uma diferente abordagem ou uma novasolução para um problema.Dica: A criatividade é a base para a mudança construtiva e o seuaspecto mais importante chama-se inovação. Inovação é o processo decriar novas idéias e colocá-las em prática.O processo inovador www.pontodosconcursos.com.br 5 Página de 43
  • 151. pág.:151 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOAtualmente, os gerentes devem ser incumbidos de estimular, apoiar ealcançar a inovação através das pessoas.O processo de inovação ocorre em quatro etapas:1) Criação de idéias: Proporciona novas formas de conhecimentoatravés de descobertas, extensões de conhecimentos atuais oucriatividade espontânea pela inventividade das pessoas e comunicaçãocom outras.2) Experimentação inicial: As idéias são inicialmente testadas em seusconceitos através de discussões com outras pessoas, clientes,consumidores ou técnicos.3) Determinação da viabilidade: A praticidade e o valor financeiro dasidéias são examinados em estudos formais de viabilidade queidentificam custos e benefícios potenciais, assim como mercados eaplicações potenciais.4) Aplicação final: Ocorre quando o novo produto é finalmentecomercializado e posto à venda no mercado aberto ou o novo processo éimplementado como parte da rotina operacional normal.COMUNICAÇÃOA comunicação é uma prioridade estratégica para a empresa. Nasorganizações bem-sucedidas, a comunicação recebe a máximaprioridade de todos os executivos. Para compreender adequadamente oconceito de comunicação, precisamos envolvê-lo em mais doisconceitos: o de dados (registro ou anotação de um determinado eventoou ocorrência) e o de informação (conjunto de dados com umdeterminado significado).Dica: Essa pegadinha é importante ficar atento: Comunicação é oprocesso de transmissão de uma informação de uma pessoa para aoutra, sendo então compartilhada por ambas. Para que hajacomunicação, é necessário que o destinatário da informação a receba ea compreenda. A informação simplesmente transmitida, mas nãorecebida, não foi comunicada.A informação é a substância dos sistemas de comunicação em suasvárias formas: impulsos eletrônicos, palavras faladas ou escritas,símbolos ou sinais, etc.A comunicação é um processo cíclico composto de seis etapas, a saber: 1) Emissor ou fonte: É a pessoa, coisa ou processo que emite a mensagem. 2) Transmissor ou codificador: É o equipamento que liga a fonte ao www.pontodosconcursos.com.br 6 Página de 43
  • 152. pág.:152 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHO canal, isto é, que transporta a mensagem devidamente codificada por algum canal até o receptor que a recebe (destino). 3) Canal: É o espaço situado entre o transmissor e o receptor, que geralmente constitui dois pontos fisicamente distantes entre si. 4) Receptor ou decodificador: É o equipamento que liga o canal ao destino. O receptor sintoniza a mensagem codificada no canal e a capta para, então, decodificá-la. Se a comunicação é oral, a recepção é garantida por uma boa audição. 5) Destino: É a pessoa, coisa, ou processo para o qual a mensagem é enviada. Trata-se do destinatário da mensagem, que a recebe e a compreende. Mais que isso: trata-se da saída do sistema e que determina i seu grau de eficácia. 6) Ruído: É um elemento intrometido no sistema e altamente prejudicial ao seu funcionamento. É uma interferência estranha à mensagem, tornando a comunicação menos eficaz. Ruído significa todo e qualquer barulho indesejável. Uma informação ambígua ou que induz a erros contém ruído. Em todo processo de comunicação está sempre presente algum grau de ruído.O processo de comunicação é sistêmico, pois cada etapa constitui umsubsistema ou parte integrante do conjunto. A figura a seguirrepresenta graficamente o processo de comunicação como um todo. Sinal enviado Sinal recebido Fonte Transmissor Canal Receptor Destino RuídoFigura 7.2. O sistema de comunicação. Extraído do livro Gerenciandocom as Pessoas – Idalberto Chiavenato – Editora Campus, pág. 151O processo fundamental da comunicação humana é contingencial, pelofato de que cada pessoa é um microsistema diferenciado dos demaispela sua constituição genética e pelo seu histórico psicológico.Assim, as comunicações dentro das empresas não são perfeitas, poissão transformadas ou alteradas ao longo do processo, o que faz comque o último elo – o receptor da mensagem – quase sempre receba algodiferente do que foi originalmente enviado, transformando a intensão do www.pontodosconcursos.com.br 7 Página de 43
  • 153. pág.:153 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOprocesso de comunicação.Existem três problemas principais de transformação da comunicação: aomissão (supressão de aspectos das mensagens, mantendo o sentido damensagem íntegro e inalterado), distorção (alteração no sentido damensagem em suas passagens pelos diversos agentes do sistema), efinalmente, sobrecarga (provoca omissão e contribui enormemente paraa distorção).Dificilmente, a comunicação ocorre sem problemas. Quase sempreexistem barreiras à comunicação. Barreiras são restrições ou limitaçõesque ocorrem dentro ou entre etapas do processo de comunicação,fazendo com que, nem todo sinal emitido percorra livremente oprocesso de modo a chegar incólume ao seu destino. O sinal pode sofrerperdas, mutilações, distorções, como também ruídos, interferências,vazamentos e, ainda, ampliações ou desvios. O boato é um exemplotípico da comunicação distorcida, ampliada e, muitas vezes desviada. Asbarreiras fazem com que a mensagem enviada e a mensagem recebidasejam diferentes entre si.Dica: A remoção das barreiras e dos ruídos pe fundamental para seconseguir um ambiente de comunicação aberta entre seu pessoal.Concluindo, a comunicação humana é contingencial e relativa. O nível deruído nas comunicações interpessoais é muito forte e as barreiras sãograndes. O gerente precisa estar constantemente atento a toda essapotencialidade de dissonâncias e discrepâncias.MOTIVAÇÃOConforme estudamos em nosso segundo encontro, na aula “um”, dentroda Abordagem Comportamental da Administração, a motivação é umdos temas fundamentais da Teoria Comportamental.Para compreender a motivação humana, o primeiro passo pe oconhecimento do que a provoca e dinamiza.Dica: A motivação existe dentro das pessoas e se dinamiza com asnecessidades humanas.Cada pessoa pode sentir e perceber seus motivos e necessidades demaneira diferente, em diferentes épocas ou situações.As chamadas Teorias das Necessidades partem do princípio de que osmotivos do comportamento residem dentro do próprio indivíduo: sua www.pontodosconcursos.com.br 8 Página de 43
  • 154. pág.:154 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOmotivação para agir e se comportar deriva das forças que existemdentro dele próprio. Algumas dessas necessidades são conscientes,outras não.Teorias das Motivações Humanas:Hierarquia das necessidades de MaslowAbraham H. Maslow criou uma hierarquia, apresentada na forma depirâmide, onde ele explicita que as necessidades humanas sãoorganizadas e dispostas em níveis, em uma hierarquia de influenciaçãoe importância. Pirâmide das necessidades de Marlow * Trabalho criativo e desafiante Auto * Diversidade e autonomia realização * Participação nas decisões * Responsabilidade por resultados Estima * Orgulho e reconhecimento * Amizade dos colegas * Interação com clientes Sociais * Gerente amigável * Condições seguras de trabalho * Remuneração e benefícios Segurança * Estabilidade no emprego * Intervalos de descanço * Conforto físico Necessidades Fisiológicas * Horário de trabalho razoável(Figura 13.1 – A hierarquia das necessidades humanas e meios desatisfação, pág. 284 – retirada do livro do Prof. CHIAVENATO, Idalberto.Introdução à Teoria Geral da Administração. Edição Compacta – 3a.Edição. Editora Campus).Teoria dos fatores higiênicos e motivacionais de HerzbegFrederick Herzberg formulou a teoria dos dois fatores para explicar ocomportamento das pessoas em situação de trabalho. Pra Herzbergexistem dois fatores que orientam o comportamento das pessoas. www.pontodosconcursos.com.br 9 Página de 43
  • 155. pág.:155 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHO1 – Fatores higiênicos ou fatores extrínsecos, são: o salário, osbenefícios sociais, o tipo de chefia ou supervisão que as pessoasrecebem de seus superiores, as condições físicas e ambientais detrabalho, as políticas e diretrizes da empresa, o clima de relações entrea empresa e as pessoas que nela trabalham, os regulamentos internosetc. São fatores de contexto e se situam no ambiente externo quecircunda o indivíduo. Tradicionalmente apenas os fatores higiênicoseram levados em conta na motivação dos empregados: o trabalho eraconsiderado uma atividade desagradável, para fazer com que aspessoas trabalhassem mais, tornava-se necessário o apelo para prêmiose incentivos salariais, liderança democrática, políticas empresariaisabertas e estimuladoras, isto é, incentivos situados externamente aoindivíduo em troca de seu trabalho. Quando os fatores higiênicos sãoótimos, eles apenas evitam a insatisfação dos empregados. Porém,quando são péssimos ou precários, eles provocam a insatisfação dosempregados. Herzeberg chama-os de fatores higiênicos, pois sãoprofiláticos e preventivos: eles apenas evitam a insatisfação, mas nãoprovocam a satisfação. Seu efeito é similar ao de certos remédioshigiênicos: evitam a infecção ou combatem a dor de cabeça, mas nãomelhoram a saúde. Pelo fato de estarem mais relacionados com ainsatisfação, Herzberg também os chama de fatores insatisfacientes. Fatores Motivacionais Fatores Higiênicos ( Satisfacientes) ( Insatisfacientes)Conteúdo do Cargo Contexto do Cargo( Como o indivíduo se sente em (Como o indivíduo se sente emrelação ao seu CARGO) relação à EMPRESA)1. O trabalho em si 1. As condições de trabalho2. Realização 2. Administração da empresa3. Reconhecimento 3. Salário4. Progresso profissional 4. Relações com o supervisor5. Responsabilidade 5. Benefícios e serviço sociais(Quadro 13.1 – Fatores motivacionais e fatores higiênicos, pág. 287 –retirada do livro do Prof. CHIAVENATO, Idalberto. Introdução à TeoriaGeral da Administração. Edição Compacta – 3a. Edição. EditoraCampus). www.pontodosconcursos.com.br 10 Página de 43
  • 156. pág.:156 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHO O trabalho em si Responsabilidade Necessidades Progresso de autorização Crescimento Motivacionais Realização Necessidades Reconhecimento do ego Status (estima) Relações interpessoais Supervisão Colegas e subordinados Necessidades sociais Supervisão técnica; Políticas administrativas e empresariais Segurança no cargo Necessidades de segurança Condições físicas de trabalho Salário Vida pessoal Necessidades fisiológicas Higiênicos(Figura 13.7 – Uma comparação dos modelos de motivação de Maslow ede Herzberg, pág. 289 – retirada do livro do Prof. CHIAVENATO,Idalberto. Introdução à Teoria Geral da Administração. Edição Compacta– 3a. Edição. Editora Campus).2 – Fatores motivacionais ou fatores intrínsecos, pois estão relacionadoscom o conteúdo do cargo e com a natureza das tarefas que o indivíduoexecuta. Estão sob o controle do indivíduo, pois estão relacionados comaquilo que ele faz e desempenha. Os fatores motivacionais envolvem ossentimentos de crescimento individual, de reconhecimento profissional eas necessidades de auto-realização.O efeito dos fatores motivacionais sobre o comportamento das pessoasé profundo e estável. Quando são ótimos, eles provocam a satisfaçãonas pessoas. Porém, quando são precários, eles evitam a satisfação.Pelo fato de estarem ligados a satisfação dos indivíduos, Herzbergchama-os também de fatores satisfacientes.Herzberg salienta que os fatores responsáveis pela satisfaçãoprofissional das pessoas são totalmente desligados e distintos dosfatores responsáveis pela insatisfação profissional. Para ele, “o opostoda satisfação profissional não seria a insatisfação, mas sim nenhumasatisfação profissional e, da mesma forma, o oposto da insatisfaçãoprofissional seria nenhuma insatisfação profissional e não a satisfação”. www.pontodosconcursos.com.br 11 Página de 43
  • 157. pág.:157 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOModelo Contingencial de VroomVroom salienta que a motivação para produzir em uma empresa éfunção de três fatores dominantes: 1) Expectativas: Objetivos individuais e a força do desejo de atingir tais objetivos. 2) Recompensas: Relação percebida entre a sua produtividade e o alcance dos objetivos individuais. 3) Relações entre expectativas e recompensas: Capacidade percebida de influenciar a sua produtividade para satisfazer suas expectativas com as recompensas.Dica: Para Vroom esses fatores determinam o nível de motivação paraproduzir em quaisquer circunstâncias em que o indivíduo se encontre.Modelo de expectânciaO modelo de expectância se baseia na hipótese de que a motivação éum processo governando escolhas ou opções de comportamentos. Oindivíduo percebe as conseqüências de cada alternativa de ação comoum conjunto de possíveis resultados provenientes do comportamentoescolhido. Esses resultados podem ser freqüentemente representadoscomo cadeias de relações entre meios e fins.O desejo da pessoa (valência) por produtividade é determinado pelasoma das instrumentalidades e valências sobre todos os resultadosfinais. Assim, a motivação de uma pessoa e seu esforço motivadopoderão influenciá-la a perceber que suas ações poderão alterar seunível de desempenho. Essa percepção subjetiva e pessoal de ação-resultado é definida como expectância. Valores de expectância poderãovariar de 0 a + 1,0, dependendo do grau de certeza percebido com queas ações das pessoas poderão influenciar seu nível de desempenho.A pessoa somente procurará resultados intermediários quando perceberque esses poderão conduzi-la ao alcance de determinados resultadosfinais. Quanto maior a expectância, mais ela se dedicará aos resultadosintermediários. Contudo, se a expectância for igual a zero,simplesmente a pessoa rejeitará os resultados intermediários, porqueestes não lhe trarão nenhum proveito final.DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES www.pontodosconcursos.com.br 12 Página de 43
  • 158. pág.:158 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOÉ uma técnica de alteração comportamental na qual várias pessoas devários níveis e áreas da organização se reúnem sob a coordenação deum consultor ou líder e criticam-se mutuamente, procurando um pontode encontro em que a colaboração seja mais frutífera, eliminando-se asbarreiras interpessoais de comunicação pelo esclarecimento ecompreensão de suas causas. Ao final, a equipe auto-avalia o seucomportamento através de várias variáveis. A idéia básica é construirequipes através da abertura de mentalidade e de ação das pessoas. Notrabalho em equipe, são eliminadas as diferenças hierárquicas e osinteresses específicos de cada departamento ou especialidade,proporcionando uma predisposição sadia para a interação e,conseqüentemente, para a criatividade e inovação.Muitas organizações estão transformando a sua estrutura organizacionalfuncional em redes integradas de equipes na busca de flexibilização,inovação e mudanças. Para tanto, equipes eficazes requerem a definiçãoclara da filosofia e missão da organização, uma estrutura organizacionalflexível, participativa, sistemas organizacionais adequados, políticasorganizacionais que permitam o comprometimento das pessoas efuncionários treinados com habilidades técnicas e interpessoais.Margerison e McCann sugerem uma roda da equipe na qual existemnove fatores de desempenho que precisam estar presentes em todaequipe, a saber:1 1) Assessoria: fator relacionado a dar e receber informação. 2) Inovação: fator relacionado com a criação e a experimentação de novas idéias. 3) Promoção: fator relacionado com a identificação e exploração de oportunidades. 4) Desenvolvimento: fator relacionado com a avaliação e o teste de aplicabilidade de novas abordagens 5) Organização: fator relacionado com o estabelecimento e a implementação das maneiras de trabalhar. 6) Produção: fator relacionado com a conclusão e a entrega de resultados. 7) Inspeção: fator relacionado com o controle e a auditoria dos sistemas de trabalho. 8) Manutenção: fator relacionado com a salvaguarda de padrões e processos. 9) Ligação: fator relacionado com a coordenação e a integração do trabalho dos membros da equipe.1 MARGERISON, C.J.: MCCANN, D.J. Team management: pratical newapproaches. Londres: Management Books 2000, 1995. www.pontodosconcursos.com.br 13 Página de 43
  • 159. pág.:159 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHODica: Equipes eficazes demonstram um foco em todos os nove fatores.RESPONSABILIDADE CORPORATIVAAté algum tempo atrás, as organizações estavam orientadas apenaspara os seus próprios negócios. Essa orientação gradativamente deixoude ser interna para se projetar externamente em direção ao ambientede negócios.Neste âmbito, um tema que tomou expressiva relevância nos últimostempos foi a responsabilidade social. A responsabilidade social significao grau de obrigações que uma organização assume por meio de açõesque protejam e melhorem o bem estar da sociedade à medida queprocura atingir seus próprios interesses. Em geral, ela representa aobrigação da organização de adotar políticas e assumir decisões e açõesque beneficiem a sociedade.A responsabilidade social significa a obrigação gerencial de tomar açõesque protegem e melhorem o bem-estar de toda a sociedade e osinteresses organizacionais especificamente.Dica: Os administradores devem buscar alcançar objetivosorganizacionais e objetivos societários.O modelo de responsabilidade social corporativa sugerido por KeithDavis parte de cinco proposições, a saber:2 1) A responsabilidade social emerge do poder social. 2) As organizações devem operar em um sistema aberto de duas vias, com recepção aberta de insumos da sociedade e expedição aberta de suas operações para o público. 3) Os custos e benefícios sociais de uma ação, produto ou serviço devem ser calculados e considerados nas decisões a respeito deles. 4) Os custos sociais relacionados a cada ação, produto ou serviço devem ser repassados ao consumidor. 5) Como cidadãs, as organizações devem ser envolvidas na responsabilidade em certos problemas sociais que estão fora de suas áreas normais de operação.2 Keith Dais, “Five Propositions for Social Responsability” BusinessHorizons, June 975, p. 19-24GESTÃO DE MUDANÇAS www.pontodosconcursos.com.br 14 Página de 43
  • 160. pág.:160 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOA mudança significa a passagem de um estado para outro diferente. Amudança envolve transformação, interrupção, perturbação, ruptura,dependendo de sua intensidade. Ela constitui um processo composto detrês etapas: descongelamento, mudança e recongelamento. 31) Descongelamento: Significa a percepção da necessidade de mudança.Tarefa do gerente: Criar um sentimento de necessidade de mudança.Através de: • Incentivo à criatividade e inovação, a riscos e erros. • Boas relações com as pessoas envolvidas. • Ajuda as pessoas com comportamento pouco eficaz. • Minimização das resistências manifestadas à mudança.2) Mudança: Fase em que novas idéias e práticas são aprendidas, demodo que as pessoas passam a pensar e executar de uma novamaneira.Tarefa do gerente: Implementar a mudança.Através de: • Identificação de comportamentos novos e mais eficazes. • Escolha de mudanças adequadas em tarefas, pessoas, cultura, tecnologia, tecnologia e/ou estrutura. • Ação para colocar as mudanças na prática.3) Recongelamento: Significa que o padrão aprendido foi incorporado àprática atual e passa a ser a nova maneira que a pessoa adota no seucomportamento.Tarefa do gerente: Estabilizar a mudança.Através de: • Criação da aceitação e de continuidade de novos comportamentos. • Estímulo e apoio necessário às mudanças. • Uso de recompensas contingenciais de desempenho e reforço positivo.3 Kurt Lewin. Frontiers in Group Dynamics: Concept, Method and Realityin Social Science. Human Relations, nº 1, 1947, p. 541. NOVAS ABORDAGENS DA ADMINISTRAÇÃO A BUSCA PELA EXCELÊNCIAA Teoria Administrativa está atravessando um período de intensa eprofunda revisão e crítica. Desde os tempos da teoria estruturalista não www.pontodosconcursos.com.br 15 Página de 43
  • 161. pág.:161 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOse via tamanha onda de revisionismo. O mundo mudou e também ateoria administrativa está mudando. Mas, pra onde? Quais os caminhos?Algumas dicas podem ser oferecidas pelo que está acontecendo com aciência moderna que também está passando por uma forte revisão emseus conceitos. Afinal, a teoria administrativa não fica incólume oudistante desse movimento de crítica e renovação.A mudança chegou pra valer no mundo organizacional!A era da informação trouxe um novo contexto e uma avalanche deproblemas para as organizações. Pegou a maior parte das organizaçõestotalmente despreparadas para a nova realidade. A velocidade e aintensidade das mudanças foram além do que se esperava. O diferencialentre o que as organizações estão fazendo e o que elas deveriam fazertornou-se enorme e inultrapassável. A solução? Recorrer a medidasextremas e rápidas para a busca da sobrevivência e da excelência. Foiassim que começaram a surgir modismos na Administração.Dica: As novas abordagens tem sido muito cobradas em concursos.Fique atento!As soluções emergentesComo a mudança chegou pra valer, as organizações tatearam váriastentativas para acompanhá-las. No final da era neoclássica, surgiramvárias técnicas de intervenção e abordagens inovadoras de mudançaorganizacional. Algumas lentas e incrementais vindas da experiênciajaponesa (como a melhoria contínua e a qualidade total), outraspedagógicas e baseadas no mercado (como o benchmarking) e outrasrápidas e revolucionárias como reação tipicamente americana (como areengenharia).O filão está em oferecer soluções práticas e que atendam àsemergências impostas pelas mudanças e transformações.Melhoria Contínua (Kaizen)A melhoria contínua é uma técnica de mudança organizacional suave econtínua centrada nas atividades em grupo das pessoas. Visa àqualidade dos produtos e serviços dentro de programas a longo prazo,que privilegiam a melhoria gradual e o passo a passo por meio daintensiva colaboração e participação das pessoas.A filosofia de melhoria contínua deriva do kaizen. O Kaizen é umafilosofia de contínuo melhoramento de todos os empregados daorganização, de maneira que realizem suas tarefas um pouco melhor acada dia. www.pontodosconcursos.com.br 16 Página de 43
  • 162. pág.:162 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHODica: Kaizen não significa somente fazer melhor as coisas, masconquistar resultados escpecíficos para reduzir custos de fabricação,projetos, estoques e distribuição a fim de tornar os clientes maissatisfeitos.Na realidade, o Kaizen é uma maneira de pensar baseada nos seguintesprincípios: 1) Promover aprimoramentos contínuos. 2) Enfatizar os clientes. 3) Reconhecer os problemas abertamente. 4) Promover a discussão aberta e franca. 5) Criar e incentivar equipes de trabalho. 6) Gerenciar projetos por intermédio de equipes multifuncionais. 7) Incentivar o relacionamento entre as pessoas. 8) Desenvolver a autodisciplina. 9) Comunicar e informar a todas as pessoas. 10)Treinar intensamente e capacitar todas as pessoas.Qualidade TotalA qualidade total é uma decorrência da aplicação da melhoria contínua.Enquanto a melhoria contínua da qualidade é aplicável no níveloperacional, a qualidade total estende o conceito de qualidade para todaa organização, abrangendo todos os níveis organizacionais, desde opessoal de escritório e chão de fábrica até a cúpula em um envolvimentototal. A melhoria contínua e a qualidade total são abordagensincrementais para obter excelência em qualidade dos produtos eprocessos. O objetivo é fazer acréscimos de valor continuamente.Gerenciamento da Qualidade TotalO gerenciamento da Qualidade Total (Total Quality Management – TQM)é um conceito de controle que atribui às pessoas, e não somente aosgerentes e dirigentes a responsabilidade pelo alcance de padrões dequalidade.Dica: O tema central da qualidade total é que a obrigação de alcançarqualidade está nas pessoas que a produzem. Os funcionários, e não osgerentes são os responsáveis pelo alcance de elevados padrões dequalidade.A qualidade total está baseada no empoderamento (empowerment) das www.pontodosconcursos.com.br 17 Página de 43
  • 163. pág.:163 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOpessoas. Empowerment significa proporcionar aos funcionários ashabilidades e a autoridade para tomar decisões que tradicionalmenteeram dadas aos gerentes. Significa também a habilitação dosfuncionários para resolverem os problemas dos clientes sem consumirtempo para aprovação do gerente.O gerenciamento da qualidade total trouxe técnicas conhecidas, como:Enxugamento (downsizing), terceirização (outsourcing) e Redução dotempo do ciclo de produção.Downsizing (Enxugamento)A qualidade total provocou o enxugamento (downsizing) dosDepartamentos de Controle de Qualidade e sua descentralização para onível operacional. O downsizing promove redução de níveis hierárquicose enxugamento organizacional para reduzir as operações ao essencial(core business) do negócio e transferir o acidental para terceiros quesaibam fazê-lo melhor e mais barato (terceirização).O enxugamento substitui a antiga cultura baseada na desconfiança –que alimentava um contingente excessivo de comandos e de controles –para uma nova cultura que incentiva a iniciativa das pessoas.O policiamento externo é substituído pelo comprometimento eautonomia das pessoas, além do investimento em treinamento paramelhorar a qualidade.Terceirização (Outsourcing)É uma decorrência da filosofia de qualidade total. A terceirização ocorrequando uma operação interna da organização é transferida para outraorganização que consiga fazê-la melhor e mais barato.A terceirização representa uma transformação de custos fixos emvariáveis. Na prática, uma simplificação da estrutura e do processodecisório das organizações e uma focalização maior no core business enos aspectos essenciais do negócio.Redução do tempo do Ciclo de ProduçãoO tempo de ciclo refere-se às etapas seguidas para completar umprocesso. A simplificação de ciclos de trabalho, a queda de barreirasentre as etapas de trabalho e entre departamentos envolvidos e aremoção de etapas improdutivas no processo permite que a qualidadetotal seja bem-sucedida.O ciclo operacional da organização torna-se mais rápido e o giro do www.pontodosconcursos.com.br 18 Página de 43
  • 164. pág.:164 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOcapital mais ainda. A redução do ciclo operacional permite a competiçãopelo tempo, o atendimento mais rápido do cliente, etapas de produçãomais encadeadas entre si, queda de barreiras e obstáculosintermediários. Os conceitos de fábrica enxuta e just-in-time (JIT) sãobaseados no ciclo de tempo reduzido.Produtividade:Para William Edwards Deming, o programa de melhoria contínua devebasear-se em 14 pontos para a produtividade gerencial:1) Criar e publicar para todas as pessoas os objetivos e propósitos daempresa quanto à melhoria do produto ou serviço. A alta direção devedemonstrar constantemente seu total apoio ao programa.2) A alta administração e todas as pessoas devem aprender e adotara nova filosofia: não mais conviver com atrasos, erros e defeitos notrabalho.3) Conhecer os propósitos da qualidade, para melhorar os processose reduzir custos.4) Suspender a prática de fazer negócios apenas na base do preço.5) Melhorar sempre e constantemente o sistema de produção eserviços, identificando e solucionando problemas.6) Instituir treinamento no trabalho.7) Ensinar e instituir liderança para conduzir as pessoas na produção.8) Eliminar o medo de errar. Criar confiança e um clima parainovação.9) Incentivar grupos e equipes para alcançar os objetivos epropósitos da empresa.10) Demolir as barreiras funcionais entre departamentos.11) Eliminar exortações à produtividade sem que os métodos nãotenham sido providenciados.12) Remover as barreiras que impedem as pessoas de orgulhar-se deseu trabalho.13) Encorajar a educação e o auto-aperfeiçoamento de cada pessoa.14) Garantir a ação necessária para acompanhar essa transformação.O Ciclo PDCAA ferramenta de qualidade conhecida como PDCA, também chamada deciclo da melhoria contínua, converteu-se em uma sugestiva abordagemde processos com vistas a maximizar a eficiência, com vistas à obtençãoda excelência. Tendo em mente alguns princípios de qualidadeenunciados por Deming, o PDCA parte da insatisfação com o status aquo disseminado na cultura organizacional e pressupõe a análise de www.pontodosconcursos.com.br 19 Página de 43
  • 165. pág.:165 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOprocessos com vistas a realizá-los de maneira otimizada. Pressupõe,assim, quatro etapas:(1) planejar a mudança (to plan),(2) implementá-la (to do),(3) verificar o resultado (to check) e(4) agir corretivamente (to act correctly).A título de melhor evidenciação, pode-se imaginar um determinadofluxograma de processos na administração pública cujo resultado não ésatisfatório: o fluxo de autorizações para empenhamento da despesa,por exemplo, que é eivado de redundâncias (novas conferências feitaspela mesma pessoa em diversas etapas do processo). Após omapeamento do processo, percebeu-se que algumas etapas poderiamser suprimidas e outras reagrupadas, com vistas a economia de tempo.Dessa forma, foi elaborado novo fluxograma (planejar...), apresentadoàs pessoas diretamente envolvidas e marcada uma reunião paradiscussão acerca de como o novo fluxo seria levado a efeito. A partir deentão, convencionou-se uma nova data a partir da qual seriaimplementado o novo processo. Após um mês de funcionamento,verificou-se que em determinados casos excepcionais o fluxograma nãoera adequado, pois como envolviam valores muito altos, a ciência aochefe dada apenas no final do processo prejudicava o processodecisória, culminando em decisões menos acertadas. Assim, o agircorretivamente materializou-se por um ajuste no fluxograma dandotratamento diferenciado aos processos com valor acima de R$200.000,00, que foi o parâmetro estabelecido.É importante ressaltar que o agir corretivamente não significanecessariamente que houve erro na implementação do plano demelhoria. A última etapa do PDCA consiste em verificar de que forma asatividades podem ser novamente melhoradas. Por isso, inclusive, seusímbolo é um círculo, evidenciando que a busca pela excelência não temfim.Dica: O Ciclo PDCA é uma das ferramentas “oficiais” para alcance daqualidade no Setor Público. O assunto foi regulamentado pelo antigoMARE - Ministério da Administração e Reforma do Estado.A figura abaixo foi extraída do Caderno Mare de Reforma do Estado –Programa da Qualidade e Participação na Administração Pública. www.pontodosconcursos.com.br 20 Página de 43
  • 166. pág.:166 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOBenchmarkingO benchmarking foi introduzido em 1979 pela Xerox, como um“processo contínuo de avaliar produtos, serviços e práticas dosconcorrentes mais fortes e daqueles empresas que são reconhecidascomo líderes empresariais”. Spendolini agrega que o benchmarking éum processo contínuo e sistemático de pesquisa para avaliar produtos,serviços, processos de trabalho de empresas ou organizações que sãoreconhecidas como representantes das melhores práticas, com opropósito de aprimoramento organizacional. Isso permite comparaçõesde processos e práticas administrativas entre empresas para identificar“o melhor do melhor” a alcançar um nível de superioridade ou vantagemcompetitiva.O benchmarking encoraja a organizações a pesquisa os fatores-chaveque influencia a produtividade e a qualidade. Essa visualização pode seraplicada a qualquer função – como produção, vendas, recursoshumanos, engenharia, pesquisa e desenvolvimento, distribuição etc. - oque produz melhores resultados quando implementados na empresacomo um todo. www.pontodosconcursos.com.br 21 Página de 43
  • 167. pág.:167 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOO benchmarking visa desenvolver a habilidade dos administradores devisualizar no mercado as melhores praticas administrativas dasempresas consideradas excelentes (benchmarks) em certos aspectos,comparar as mesmas técnicas vigentes na empresa focaliza, avaliar asituação e identificar as oportunidades de mudanças dentro daorganização.A meta é definir objetivos de gestão e legitimá-los por meio decomparações externas. A comparação costuma ser um saudável metidodidático pois desperta para as ações que as empresas excelentes estãodesenvolvendo e que servem de lição e de exemplo, de guia e deorientação para as empresas menos inspiradas.O benchmarking exige três objetivos que a organização precisa definir:1. Conhecer suas operações e avaliar seus pontos fortes e fracos. Para tanto, deve documentar os passos e praticas dos processos de trabalho, definir medidas de desempenho e diagnosticar suas fragilidades.2. Localizar e conhecer os concorrentes ou organizações líderes do mercado, para poder diferenciar as habilidades, conhecendo sues pontos fortes e fracos e compará-los com seus próprios pontos fortes e fracos.3. Incorporar o melhor do melhor adotando os pontos fortes dos concorrentes e, se possível, excedendo-os e ultrapassando-os.O benchmarking é constituído de 15 estágios, todos eles focalizados noobjetivos de comparar competitividade.A principal barreira à adoção do benchmarking reside em convencer osadministradores de que seus desempenhos podem ser melhorados eexcedidos. Isso requer uma paciente abordagem e apresentação deevidências de melhores métodos utilizados por outras organizações.Dica: O benchmarking requer consenso e comprometimento daspessoas.Seu principal benefício á a competitividade, pois ajuda a desenvolver umesquema de como a operação pode sofrer mudanças para atingir mdesenvolvimento superior excelente. www.pontodosconcursos.com.br 22 Página de 43
  • 168. pág.:168 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHO ESTÁGIOS DO BENCHAMARKING 1. Selecionar órgãos ou processos para avaliar 2. Identificar o melhor concorrente 3. Identificar os Benchmarks 4. Organizar o grupo de avaliação Planejar 5. Escolher a metodologia de colheita de dados 6. Agendar visitas 7. Utilizar a metodologia de colheita de dados 8. Comparar a organização com seus concorrentes 9. Catalogar as informações a criar em "centro de competências" Analisar 10. Compreender os processos e as medidas de desenvolvimento 11. Estabelecer objetivos ou padrões do novo nível de desempenho Desenvolver 12. Desenvolver planos de ação para atingir as metas e integrá-los na organização 13. Implementar ações especificas e integrá-las nos processos Melhorar da organização. 14. Monitorar os resultados e os melhoramentos. 15. Revisar os benchmarks e as relações atuais com a Revisar organização-alvo.A Quinta disciplina e suas LeisO conhecimento depende da aprendizagem. Peter Senge (n. 1947)propõe cinco disciplinas de aprendizagem como um conjunto de praticaspara construir a capacidade de aprendizagem nas organizações. Aaprendizagem organizacional pe feita a partir dessas cinco disciplinascapazes de fazer com que pessoas e grupos possam conduzir asorganizações para a mudança e a renovação continuas. As cincodisciplinas para a organização de aprendizagem são:1. Domínio pessoal. É uma disciplina de aspiração. Envolve a formulaçãode um conjunto coerente de resultados que as pessoas desejamalcançar como indivíduos (sua visão pessoal) em uma alinhamentorealístico com o estado atual de suas vidas (sua realidade atual).Aprender a cultivar a tensão entre a visão pessoal e a realidade externaaumenta a capacidade de fazer melhores escolhas e alcançar melhor osresultados escolhidos. www.pontodosconcursos.com.br 23 Página de 43
  • 169. pág.:169 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHO2. Modelos mentais. É uma disciplina de reflexão e habilidades dequestionamento. Focalizam o desenvolvimento de atitudes e percepçõesque influencia, o pensamento e a interação entre as pessoas. Aorefletirem, continuamente, falando a respeito e reconsiderando aspectosinternos do mundo, as pessoas ganham mais capacidade de governarsuas ações e decisões.3. Visão Compartilhada: É uma disciplina coletiva. Estabelece um focosobre propósitos mútuos. As pessoas aprendem a nutrir um senso decompromisso em grupo ou organização desenvolvendo imagens dofuturo que pretendem criar e os princípios e as práticas orientadoras osquais elas esperam alcançar.4. Aprendizagem de equipes: É uma disciplina de interação grupal. Aaprendizagem é feita por meio de equipes e utiliza técnicas comodiálogo e discussão para desenvolver o pensamento coletivo, aprender amobilizar energias e ações para alcançar objetivos comuns edesenvolver uma inteligência e capacidade maior do que a soma dostalentos individuais.5. Pensamento sistêmico: É uma disciplina de aprendizagem. Por meiodela, as pessoas aprendem melhor compreendendo a interdependênciae a mudança para lidar eficazmente com as forças que produzem efeitosem suas ações. Pensamento sistêmico é baseado na retroação e nacomplexidade. Trata-se de mudar sistemas na sua totalidade e nãoapenas os detalhes.A aprendizagem é a principal vantagem competitiva de umaorganização. Ela conduz à criatividade e inovação.Dica: A aprendizagem organizacional busca desenvolver o conhecimentoe as habilidades que capacitem as pessoas a compreender e agireficazmente dentro das organizações.Uma organização de aprendizagem constrói relações colaborativas nosentido de dar força aos conhecimentos, experiências, capacidade emaneiras de fazer as coisas que as pessoas devem utilizar. Trata-se derepensar e revitalizar as organizações em direção ao sucesso e em suaidentidade futura.AdhocraciaA adhocracia é o oposto da burocracia e significa uma formaorganizacional livre e solta, totalmente descentralizada e que utiliza www.pontodosconcursos.com.br 24 Página de 43
  • 170. pág.:170 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOequipes e estruturas horizontais dentro das quais as pessoas trabalhamjuntas ou em grupos interfuncionais cruzados.É indicada paraorganizações que dependem de inovação contínua, para o sucesso emambientes complexos, dinâmicos e altamente mutáveis.Controle Adhocrático (Controle pelas pessoas)Propósito: Funcionários devem estar comprometidos com qualidade.Técnicas: Cultura corporativa, equipes, autocontrole, socialização daspessoas.Desempenho: Ênfase no alto desempenho e orientação dinâmica para omercado.Estrutura organizacional: Estrutura baixa e horizontal, influência mútua,objetivos compartilhados, valores e tradições, autoridade doconhecimento e todos monitoram a qualidade.Recompensas: Baseadas no resultado do grupo e da equipe.Participação: Informal e ampla.Dica: É importantíssimo lembrar que adhocracia é o oposto daburocracia, assim como o controle adhocrático é o oposto do controleburocrático.Job Enrichment (Enriquecimento do cargo)Enriquecimento do cargo significa a reorganização e ampliação do cargopara proporcionar adequação ao ocupante no sentido de aumentar asatisfação intrínseca, através do acréscimo de variedade, autonomia,significado das tarefas, identidade com as tarefas e retroação.O Enriquecimento do cargo, ou ampliação do cargo, torna-se a maneiraprática e viável para a adequação permanente do cargo ao crescimentoprofissional do ocupante. Consiste em aumentar de maneira deliberadae gradativa os objetivos, responsabilidades e desafios das tarefas docargo para ajustá-los às características progressivas do ocupante.O Enriquecimento do cargo pode ser lateral ou horizontal (carga lateralcom adição de novas responsabilidades do mesmo nível) ou vertical(carga vertical com adição de novas responsabilidades mais elevadas).O Enriquecimento do cargo oferece as seguintes vantagens:1) Elevada motivação intrínseca do trabalho.2) Desempenho de alta qualidade no trabalho.3) Elevada satisfação com o trabalho.4) Redução de faltas (absenteísmo) e de desligamentos (rotatividade). www.pontodosconcursos.com.br 25 Página de 43
  • 171. pág.:171 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOBrainstormingBrainstorming, ou técnica da tempestade cerebral é uma técnicautilizada para gerar idéias criativas que possam resolver problemas daorganização. É feita em seções que duram de 10 a 15 minutos e envolveum número de participantes (não maior que 15) que se reúnem aoredor de uma mesa para dizer palavras que vêem à mente quando seemite uma palavra-base. Isso permite gerar tantas idéias quantopossível. Os participantes são estimulados a produzir, sem qualquercrítica ou censura, o maior número de idéias sobre determinado assuntoou problema.É uma técnica que se baseia em quatro princípios básicos:1) Quanto maior o número de idéias, maior a probabilidade de boasidéias.2) Quanto mais extravagante ou menos convencional a idéia, melhor.3) Quanto maior a participação das pessoas, maiores as possibilidadesde contribuição, qualidade, acerto e implementação.4) Quanto menor o senso crítico e a censura íntima, mais criativas einovadoras serão as idéias.Gráfico de IshikawaTambém conhecido como diagrama espinha de peixe ou diagrama decausa e efeito, o gráfico de Kaoru Ishikawa procura, a partir dos efeitos(sintomas dos problemas), identificar todas as possibilidades de causasque estão provocando esses efeitos.Trata-se de um gráfico que sugere um deslocamento da esquerda para adireita, isto é, das causas iniciais para os seus efeitos finais. Assim, osproblemas são colocados no lado direito do gráfico, onde estaria situadaa cabeça do peixe, enquanto as causas são dispostas no lado esquerdo.A utilidade do diagrama espinha de peixe é identificar as causas quegeram os efeitos, isto é, as causas das causas.A metodologia do diagrama se baseia em quatro categorias deproblemas situados na parte operacional de produção, os chamados 4M:Métodos: quais são os procedimentos, os métodos, as maneiras deexecutar cada trabalho.Mão de Obra: quais os conhecimentos e habilidades necessários para obom desempenho das pessoas.Materiais: quais os tipos de materiais e disponibilidades para utilizaçãono processo.Máquinas: quais as condições e capacidade das instalações e recursosfísicos. www.pontodosconcursos.com.br 26 Página de 43
  • 172. pág.:172 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHO Causas Efeitos Método Mão de Obra Qualidade Material MáquinasFigura 9.13. O diagrama espinha de peixe. Extraído do livroAdministração nos Novos Tempos, Segunda Edição – IdalbertoChiavenato, Editora Campus, pág. 274 Causas Efeitos Método Mão de Obra Falta de capacitaçãoFalta decoordenação Elevado absenteísmo BaixaMatéria-prima Produtividadeinadequada Equipamento obsoleto Estoques insuficientes Manutenção Material Máquinas inadequada www.pontodosconcursos.com.br 27 Página de 43
  • 173. pág.:173 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOFigura 9.14. O diagrama espinha de peixe e localização dos problemas.Extraído do livro Administração nos Novos Tempos, Segunda Edição –Idalberto Chiavenato, Editora Campus, pág. 275Princípio de ParetoVilfredo Pareto, um economista italiano, definiu o princípio de que osvalores majoritários (80%) do seu valor) de um determinado grupo sãodecorrentes de uma parcela relativamente pequena de alguns de seuscomponentes (20% do seu número).Dica: Na prática, o se princípio recebeu o nome de regra de 80 por 20.Para ele, 80% do volume de problemas é constituído por apenas 20%de eventos causadores.O princípio de Pareto parte de uma representação gráfica feita atravésdo histograma, um diagrama de barras verticais para dirigir a atençãoaos problemas mais importantes e prioritários, localizados nas barrasmais altas, deixando as barras mais baixas para constatação posterior.O Princípio de Pareto é um meio de comparação que permite analisargrupos de dados ou de problemas e verificar onde estão os maisimportantes e prioritários.30%25%20%15% 10% 5% Materiais Aço Químicos Gases Plásticos Borracha FerrososFigura 9.12. O Histograma. Extraído do livro Administração nos NovosTempos, Segunda Edição – Idalberto Chiavenato, Editora Campus, pág.274 www.pontodosconcursos.com.br 28 Página de 43
  • 174. pág.:174 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOProntos para responderem algumas questões de concursos járealizados?? Acredito que sim... Caso você queira se aprofundar nosassuntos que estudamos hoje, sugiro a leitura dos livros do professorIdalberto Chiavenato: “Gestão de Pessoas”, Segunda Edição, EditoraCampus, “Gerenciando com as Pessoas”, Editora Campus,“Administração nos Novos tempos” segunda edição, Editora Campus eIntrodução à Teoria Geral de Administração, Sétima edição, EditoraCampus.As questões apresentadas a seguir, e também as que serãoapresentadas nas próximas aulas, são questões da ESAF, do INPI, daFundação Carlos Chagas, da Unicamp, Proderj, Funesp, PCI, UFRJ,Granjeiro, CESP, AFTN, Comperv, entre outras.Seja sincero com você mesmo e com seus estudos e não olhe o gabaritoantes de responder às questões. Concentre-se e use todos os seusconhecimentos, aprendidos aqui, e os conhecimentos que você já trazconsigo ao longo da vida...01) Assinale como verdadeira (V) ou falsa (F) as frases relacionadascom as praticas e culturas:( ) a função da administração que permite resolver problemas deintegração e ajustamento de fluxo dentro do respectivo nível, evitandosobrecarga de chefia com problemas de rotina chama-se coordenação.( ) A pratica gerencial voltada para resultados e participação de equipeoperacional de modo a contribuir para o incremento da produtividadedenomina-se administração participativa.( ) A soma total de valores, costumes, tradições e proposições quefazem com que uma organização seja singular constitui a culturaorganizacional.( ) Uma das características das organizações modernas é que seu nívelde comunicação interna seja descendentes. a) V,F,V,F b) V,V,F,F c) F,F,V,F d) V,V,V,F www.pontodosconcursos.com.br 29 Página de 43
  • 175. pág.:175 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHO02) O “jeitinho brasileiro” tem um impacto importante na organizaçãodas empresas. Esse aspecto cultural influência as empresas no sentidode: a) Aumentar o peso das relações hierárquicas dentro da organização. b) Informatizaras relações de trabalho, favorecendo ao mesmo tempo a criatividade e o apadrinhamento. c) Fortalecer os laços pessoais e tornar todos iguais segundo as regras formais. d) Formar liderança baseada no apadrinhamento e no universalismo de procedimentos. e) Formalizar as relações de trabalho, marcadas pela herança autoritária-libérica de sociedade brasileira.03) O poder e a cultura são variáveis em qualquer organização. Diversosestudos mostram que as estruturas de mando e de valores sereproduzem cotidianamente sobre os comandos e sem que estespercebam através: a) Da hierarquia dos cargos. b) Das regras c) Dos grupos informais. d) Da imposição do consenso pela chefia. e) Das modernas tecnologias de informação.04) A soma de valores, costumes, tradições e propósitos que fazem comque uma organização sela singular constitui:a) Ao comportamento gerencial.b) A cultura geral.c) A ética de administração.d) A inovação tecnológica.e) A cultura organizacional.05) Desenvolvimento de equipes é o processo de aprimorar ascompetências dos integrantes de um grupo. É correto afirmar que: a) Grupos de interesses são grupos informais definidos por afinidades ou preferências pessoais. b) Grupos de administração são grupos formais designados para cumprir uma tarefa e se extinguir depois disso. c) Grupos temporários são grupos informais definidos por afinidades ou preferências pessoais. d) Comissões e comitês são grupos formais designados para cumprir uma tarefa e se extinguir depois disso. www.pontodosconcursos.com.br 30 Página de 43
  • 176. pág.:176 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHO e) Grupos funcionais são grupos formais constituídos por equipes de departamento estáveis.06) Julgue os itens sobre motivação: a) A motivação é uma função mais de expectativa de satisfação de uma necessidade do que se sua satisfação de uma necessidade do que de sua satisfação propriamente dita. b) A teoria das necessidades humanas de Maslow é hierárquica porque prevê diferentes tratamentos motivacionais para diferentes escalações hierárquicas. c) Abordagem contemporâneas de motivação enfatizam o fator sensibilidade dos gerentes motivadores para perceber necessidades especificas. d) Fatores higiênicos e motivacionais, na nomenclatura de Herzberg, estão relacionados à segurança do trabalho. e) A teoria da experiência baseia-se na relação desempenho- recompesa. Estão corretos os itens: a) a – b – c b) a – b – d c) a – c – e d) b – d – e e) c – d – e07) A pratica gerencial voltada para resultados e participação da equipeoperacional de modo a contribuir para o incremento da produtividadedenomina-se: a) Qualidade total. b) Analise transacional. c) Empowerment. d) Administração participativa. e) Inteligência emocional.08) As teorias acerca da motivação dos empregados para o trabalhosão o resultado de inúmeras pesquisas desenvolvidas desde o inicio doséculo. Em relação e essas teoria, julgue os seguintes tens:( ) Segundo Herzberg, o estimulo externo que atua sobre o individuo eo completa a agir á o mais eficaz e, na maioria das vezes, o único fatoremocional. www.pontodosconcursos.com.br 31 Página de 43
  • 177. pág.:177 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHO( ) A satisfação das necessidades básicas não motiva o ser humanopara o trabalho, mas a não satisfação dessas necessidades constitui-seem fontes de insatisfação.( ) Embora s motivação humana se caracterize pela satisfação dasnecessidades básicas, ela é orientada diretamente para a realização dedeterminados objetivos desejáveis ou positivos ou, ainda para evitarconseqüências indesejáveis ou negativas.( ) Na medida em que o individuo alcança um nível de subsistênciaadequado e que crescem suas necessidades motivacionais, maior deveser a estrutura de controle e supervisão da organização, de modo aobter desse individuo o devido esforço para que sejam alcançados osobjetivos organizacionais, e não os seus próprios objetivos( ) As organizações, para alcançarem um alto nível de efetividade,devem administrar eficazmente suas três características universais: osobjetivos, as pessoas que as compõem e as estruturas hierárquicas. a) CCCEE b) ECECE c) CECCE d) ECEEC e) CCECC09) Na busca de eficácia organizacional, uma empresa conta com doiselementos decisivos: a motivação, ou seja, ter indivíduos motivados, ea liderança, ou seja, ter lideres eficazes na organização. Tendo em vistaa motiva cão e a liderança, julgue os itens abaixo:I) A motivação esta relacionada com necessidade que possam ser atendidas na organização, como as necessidades de realização, de poder e de afiliação.II) Uma das teorias de motivação mais aceitas á a teoria da expectativa. Esse modelo defende que a motivação esta relacionada a três componentes: a expectativa de esforço- desempenho, a percepção desempenho-resultado e o valor que um determinado resultado tenha para o individuo.III) No que diz respeito e liderança, pode-se dizer que quando melhores as relações líder-membro, menos estruturado o trabalho e quando mais forte o poder da posição, mais controle ou influencia o líder tem.IV) O líder tradicional troca recompensas por esforços e por um desempenho, fornece visão sentido de missão, ganhando respeito e confiança, inspira os colaboradores, comunicando altas expectativas, e dá atenção pessoal a cada individuo subordinado a ele. www.pontodosconcursos.com.br 32 Página de 43
  • 178. pág.:178 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOV) Ainda acerca da motivação, um dos principais elogios dirigidos à teoria do reforço diz respeito à possibilidade de se manipular o individuo e modificar seu comportamento de acordo com as exigências da organização. Estão corretos apenas os itens:a) I e IIb) I e IIIc) II e IVd) III e Ve) IV e V10) Uma abordagem clássica da área de cultura organizacional é arealizada por Edgar Schein. Para este autor, a cultura é apreendida emuma organização basicamente através de dois mecanismos interativos.Quais são estes? a) o reforço positivo (modelo de recompensa) e o reforço negativo (modelo de punição). b) A redução da dor e ansiedade (modelo trauma social) e o reforço positivo ( modelo do sucesso). c) O acolhimento dos individuo pela organização (modelo de recepção) e a interiorização das regras (modelo de estabilidade). d) O treinamento dos funcionários (fase de adaptação) e o estabelecimento de punição e recompensas (fase maturidade). e) A interiorização das regras (fase de adaptação) e o estabelecimento de punição e regras (fase maturidade).11) Segundo Maslow, o homem tem uma serie de necessidades que sãoclassificadas e expostas sob a forma de pirâmide. Considerando a teoriadas necessidades de Maslow, assinale a alternativa incorreta: a) Não é necessário satisfazer um nível inferior de necessidade para que imediatamente surja um nível elevado no comportamento. b) Nem todas as pessoas conseguem subir ate o topo da pirâmide das necessidades. c) Cada indivíduo possui mais que uma motivação. d) Qualquer comportamento motivado é como um canal pelo qual muitas necessidades fundamentais podem ser expressas ou satisfeitas conjuntamente. www.pontodosconcursos.com.br 33 Página de 43
  • 179. pág.:179 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHO e) Qualquer frustração ou possibilidade dessas necessidades não serem satisfeitas, passam a ser considerados ameaças psicológicas.12) Sobre o processo de mudança organizacional, indique C para certoe E para errado, marcados a opção que representa a seqüência correta:( ) O processo de mudança organizacional ocorre de dentro pra fora,porque se indica com alteração de percepção de seus membros.( ) Toda mudança pressupõe algo novo. A resistência à mudança é amanifestação do medo e da incerteza. É também resultado de pressãopsicológica exercida sobre os membros da organização.( ) A mudança estrutural pe planejada porque depende de alteração dopadrão de relacionamento entre as partes constituídas da organização:exige nova definiçõa de objetivos ou forma de atingi-los.( ) A grande semelhança entre os processos de mudança Taylorista e aContingencialista é que em ambos ocorrem negociações com oenvolvimento de pessoas com os objetivos organizacionais. a) CCEC b) CECC c) ECCE d) ECCC e) CCCE13) Julgue is itens sobre cultura e comportamento organizacional:a) Cultura organizacional a um conjunto de valores e hábitosinstitucionalizados em organizações.b) O conceito de valor é análogo ao de crença.c) Valores são empregados no sentido moral de racionalidadessubstantivas.d) Cultura coorporativa aplica-se ao conjunto de valores predominantesem determinada organização que inspiram e modelam comportamentosindividuais.e) valores e comportamento individuais podem ser modelados medianteincentivos.Estão corretos os itens: a) a – b – c b) a – b – d c) b – c – e d) b – d – e e) c – d – e www.pontodosconcursos.com.br 34 Página de 43
  • 180. pág.:180 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHO14) O moral dos empregados ou dos funcionários é uma decorrência doseu estado motivacional. Á medida que as necessidades dos indivíduossão satisfeitas pela organização, ocorre uma elevação do moral. Aocontrario, quando as necessidades dos indivíduos são frustrados pelaorganização, ocorre um abaixamento do moral.O aumento ou diminuição dos problemas de supervisão e de disciplinaestão relacionados com as frustrações do moral dos empregados ou dosfuncionários ao longo do tempo.( ) A verificação periódica do nível de moral concorre para aumentar asatisfação das necessidades do grupo.( ) O baixo moral do grupo deveria provocar medida de incentivo àmotivação e um reforço da disciplina.( ) A manutenção de um elevado moral de grupo é uma das principaisfunções a serem exercidas pela liderança administrativa.( ) Somente os lideres naturais podem influir sobre a qualidade domoral de um grupo.( ) A obtenção de altos níveis de produtividade apenas se consegue pormeio de um elemento moral de grupo. a) CCEEC b) ECECE c) EECEE d) CCCCE e) CCECC15) Segundo Edgard Schein, a ausência de definição clara de culturaorganizacional leva à confusão entra as manifestações e reflexos dacultura e a cultura em si. Ao tratar da relação entre culturaorganizacional e liderança, Schein define como cultura organizacional: a) Um conjunto de pressupostos básicos – inventados, descobertos ou desenvolvidos por um grupo especifico quando este aprende a lidar com seus problemas de adaptação externa – que tenha funcionado bem o suficiente pra ser considerado valido e, portanto, para ser ensinado aos novos membros como o modo correto de perceber, pensar e sentir em relação àqueles problemas. b) Os comportamentos regulares e repetitivos dos membros de uma organização, determinados pelo conjunto de valores, crenças e normas escritas ou não, resultantes de historia da organização. c) Os padrões de exercícios de autoridade, de comunicação intra e inter-organizacional e de organização do trabalho estabelecido pelos lideres da organização e que, tendo se mostrado valido em www.pontodosconcursos.com.br 35 Página de 43
  • 181. pág.:181 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHO função do sucesso da organização, são perpetuados pelos membros sem que sejam percebidos como características especificas de uma organização particular. d) O conjunto de atitudes e comportamentos individuais e coletivos que caracterizam os membros de uma dada organização- linguagem, forma de tratamento de superiores e subordinados, filosofia em relação aos consumidores etc. – e que devem ser aprendidos pelos recém admitidos para serem aceitos como membros do grupo. e) Os valores, crenças, ritos, tabus, mitos e regras que orientam o comportamento dos membros de uma organização, conformando suas condutas e seu modo de perceber a própria organização e seu ambiente.16) Relativamente a liderança e motivação, pode –se dizer que: a) A liderança é uma habilidade pessoal, que torna algumas pessoas mais aptas a influenciar outras. b) A técnica do job enrichement consiste em incrementar os fatores motivacionais de um cargo através da ampliação de tarefas ( job enlargement), do aumento da variedade das tarefas e da melhora dos fatores higiênicos dentro dos quais o trabalho é realizado. c) A partir do momento em que os indivíduos ingressam em uma organização, os fatores cognitivos deixam de exercer alguma influencia sobre sua motivação. d) Segundo as teorias situacionais, não existe um único estilo ou característica de liderança valida para toda e qualquer situação. Cada tipo de situação requer um tipo de liderança diferente para alcançar a eficácia dos subordinados. e) Em estilo de liderança democrática implica em: liberdade completa para as decisões grupais ou individuais, participação mínima do líder, divisa de tarefas e escolha dos companheiros totalmente a cargo do grupo e o líder não avalia o curso dos acontecimentos.17) Julgue os itens a respeito da função gerencial contemporânea:a) A capacidade de manipular pessoas é o principal atributo gerencial.b) Gerentes são cada vez mais chamados a atuarem como provocadorese facilitadores dos processos de transformação organizacional.c) Gerentes têm que ser cada vez mais generalistas e cada vez menosespecialistas.d) Funções técnicas demandam habilidades gerenciais e funçõesgerenciais demandam habilidades técnicas. www.pontodosconcursos.com.br 36 Página de 43
  • 182. pág.:182 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOe) Minitzberg advoga que a competência informacional é critica porqueos gerentes passam a maior parte de seu tempo comunicando-se.São corretos os itens: a) a – b – c b) a – b – d c) b – c – e d) b – d – e e) c – d – e18) O objetivo imediato e fundamental de cada e qualquer organizaçãoformal é produzir algo. Para ser eficiente, a produção deve basear-se nadivisão do trabalho processo pelo qual o trabalho de produção de bens eserviços é de decomposto em uma serie de pequenas tarefas,executadas coordenadamente por trabalhadores especializados. Adivisão e a especialização do trabalho são as peças-chave da modernaadministração de organizações formais e apresentam as seguintesvantagens:( ) Padronização e simplificação das atividades em todos os níveis.( ) Fragmentação e automatização dos processos produtivos.( ) Melhor aproveitamento da força de trabalho pela organização.( ) Aumento da eficiência e diminuição dos custos de produção.( ) Eliminação do desgaste e desrespeito de recursos humanos emateriais. a) CCEEC b) ECECE c) CECCE d) EECCE e) CCECC19) O “guru” da administração da qualidade total que preconizou 14pontos para a melhoria da qualidade foi:a) Feigenbaumb) Taguchic) Isikawad) Jurane) Deming. www.pontodosconcursos.com.br 37 Página de 43
  • 183. pág.:183 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHO20) Mudanças de grande intensidade aparecem em todos os ambientes– competitivo, tecnológico, econômico, social – provocando osurgimento de novos conceitos e técnicas para administrarorganizações, muitas dessas novidades eram idéias antigas, que játinham evoluído ao longo do tempo, e outras são ou foram autênticasinovações trazidas especialmente pela evolução da tecnologia. Umadessas técnicas refere-se à busca das melhoras praticas daadministração, isso como forma de ganhar vantagens competitivas,essas técnicas, que consiste em fazer comparações e procurar imitar asorganizações, concorrentes ou não, do mesmo ramo de negocio ou deoutros, que façam algo de maneira particularmente bem feita,denomina-se: a) Brainstorming b) Benchmarking c) Downsizing d) Balanced Scorecard e) Brainwriting21) A idéia de aprimoramento continuo está ligada ao conceito de : a) Kanban b) Kaizen c) Jidoka d) Just in Time e) Heijunha22) O benchmarking é uma técnica de aperfeiçoamento de processoorganizacionais. Com relação a seus tipos, é correto afirmar que obenchmarking: a) Competitivo – tem como vantagens a facilidade na coleta de dados e a inexistência de questões éticas. b) Competitivo – tem como desvantagem o foco limitado e uma visão tendenciosa. c) Interno – tem como vantagem a facilidade na coleta de dados. d) Funcional - tem como vantagens a facilidade na transferência de práticas para diferentes ambientes. e) Interno - tem como vantagens o foco limitado.23) É correto afirmar-se sobre gestão da qualidade total, exceto: www.pontodosconcursos.com.br 38 Página de 43
  • 184. pág.:184 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHO a) Burocracia paralela pode ser uma disfunção dos arranjos de controle e implantação de instrumento da qualidade. b) Verificação ao final do processo é um estagio embrionário da gestão da qualidade. c) A noção de gestão estratégica da qualidade integra-se ao marketing contemporâneo. d) O padrão de mudança organizacional preconizado é o gradualismo. e) Benchmark é uma ferramenta da qualidade baseada na imitação.25) A organização é o argumento de pessoas, ferramentas e informaçãonecessários à continua transformação de insumos em produtos e / ouserviços que constituem a finalidade organizacional. Encontrar a melhorforma de estruturar esses elementos de modo a garantir a sobrevivênciada organização tem sido o desafio da administração. Frente a dinâmicado ambiente, as organizações são impulsionadas a mudar e essesdirigentes se vêem diante de problemas para os quais não há umasolução estruturada. Para fazer face a este desafio e obter o Maximo dedesempenho, os dirigentes e as organizações devem aprender. Assinalequal o agrupamento de opções que expressa corretamente as idéias delearning organizations: I) Aprendizado organizacional é o aprendizado cumulativo que pressupõe inovações pontuais e não compartilhadas. II) O desenvolvimento de habilidades individuais não se constitui em aprendizado organizacional se não for traduzido em praticas organizacionais. III) O aprendizado organizacional ocorre quando a organização á capaz se alterar seus padrões de desenvolvimento, inovar e compartilhar as experiências. IV) O aprendizado organizacional pressupõe, entre outros, conhecimento. Visão compartilhada e aprendizagem em equipe. V) O aprendizado organizacional pressupõe, entre outros, conhecimento do ambiente, visão especializada da organização e inovações pontuais. a) I, II e III b) II, III e V c) II , III e IV d) I, III e V e) I, II e IV www.pontodosconcursos.com.br 39 Página de 43
  • 185. pág.:185 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHO26) De acordo com os princípios fé qualidade total, relacione a 2ª colunade acordo com a 1ª e assinale a seqüência correta:1. Gerência de processos ( ) "Fazer certo da 1ª vez" ( ) É colocar o poder de decisão o mais perto possível de onde ocorre a ação.2. Delegação ( ) É preciso saber o que é certo e evitar,3. Disseminação de preventivamente, os desviosinformação. em relação desejada. ( ) Ciclo PDSA: planejar, executar, verificar e atuar4. Garantia da qualidade corretivamente ( ) Proporcionar a todos amplos conhecimentos sobre5. Não aceitamos erros. os negócios da empresa, sua missão e propósitos, estratégias e planos. a) 5, 4, 3, 2, 1 b) 5, 3, 1, 4, 2 c) 4, 2, 5, 1, 3 d) 1, 3, 2, 4, 5 e) 3, 5, 2, 4, 127) Coloque (V) para verdadeiro e (F) para falso nas afirmações abaixoe assinale a alternativa correta:( ) Qualidade total é o conjunto de idéias que coloca, a qualidade comoponto central das atividades de uma organização.( ) Produto é o resultado de qualquer processo. Estes produtos podemser bens, softwares e serviços.( ) Produtividade: taxa de valor agregado. Quociente entre ofaturamento e os custos.( ) Gestão pela qualidade é a opção de quem administra umaorganização visando à qualidade total. a) F V F V b) V V F F c) V V V V d) F V V V www.pontodosconcursos.com.br 40 Página de 43
  • 186. pág.:186 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHO e) V V V F28) A diferença entre qualidade e produtividade esta no fato de que: a) A qualidade é o ponto final e a produtividade a viagem. b) A qualidade é buscada através da produtividade. c) A qualidade proporciona a competitividade, a produtividade, não. d) A produtividade é buscada através da qualidade - ambas proporcionam a competitividade da empresa.29) Qualidade é:a) Produzir e grande quantidade.b) Atender às necessidades e expectativas do cliente.c) Preço baixo.e) Atendimento adequado.30) São princípios de Deming, exceto: a) Aumentar o número de fornecedores, comprar baseando-se na evidência estatística e não no menor preço. b) Definir claramente o comportamento da alta administração com qualidade e a produtividade. c) Eliminar o uso de metas numéricas, lemas e slogans para estimular as pessoas a trabalharem melhor. d) Recusar os níveis vigentes de atrasos, materiais defeituosos e falhas de mão -de –obra. 31) A aprendizagem organizacional passou a ser tema da teoria das organizações, buscando romper com a orientação voltada pata o controle e a obediência como forma de lidar com as rápidas mudanças. Segundo Peter Senge, as organizações devem desenvolver cinco “disciplinas” fundamentais para que ocorra o processo de aprendizagem e inovação. Estas disciplinas têm como foco: a) individuo; b) O grupo; c) A organização. Relacione as frases a seguir com cada foco e assinale a opção correta: www.pontodosconcursos.com.br 41 Página de 43
  • 187. pág.:187 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHO I) A aprendizagem começa com o diálogo, com a capacidade dos membros do grupo em propor suas idéias e participar de uma lógica comum. II) Através do autoconhecimento as pessoas aprendem a classificar e aprofundar seus próprios objetivos de modo a concentrar esforços na realidade. III) O pensamento sistemático integra o conjunto de teorias e de praticas, promovendo entendimento amplo da organização. a) a-I , b-II, c- III b) a-I, b-III, c-II c) a-III, b- II, c-I d) d) a-II, b-I, c-IIIPróxima aula:Na próxima e última aula estaremos conversando sobre o último temado nosso Edital: Administração Pública. Dentro deste contexto falaremossobre sua estrutura e funcionamento, seus controles, indicadores deprodutividade, tendências de modernização e novos modelos de gestãoe, por fim, os aspectos sociais, econômicos e políticos que condicionama administração pública. Pensamento da semana:“Querer nem sempre significa poder, mas é fantástico o poder exercido pela força do querer.” Ricardo SoaresGabarito:Tem certeza que já tentou responder às questões??? Só leia o gabaritopara fins de correção, e mande-nos suas dúvidas pelo “fórum dediscussões que teremos o maior prazer em respondê-los”.1. a2. b3. c4. e5. e6. c www.pontodosconcursos.com.br 42 Página de 43
  • 188. pág.:188 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHO7. d8. b9. a10. a11. a12. e13. b14. c15. a16. d17. d18. c19. e20. b21. b22. c23. e24. e25. c26. c27. c28. d29. b30. a31. dE então??? Como foram seus acertos??? Se não foram bons, recomendoque estude a aula novamente, e com mais concentração.Nossa prova está se aproximando! Concentre-se no seu objetivo e bonsestudos!ATENÇÃO:ERRATA NO GABARITO DA AULA “ZERO”A resposta correta da questão 1 é: F, V, V, V, VA resposta correta da questão 17 é letra “C” www.pontodosconcursos.com.br 43 Página de 43
  • 189. pág.:189 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOOlá queridos amigos!Hoje é nosso último encontro formal (porque vocês ainda podem meacessar através do fórum de discussões).Espero que vocês tenham gostado das aulas, aproveitado os conceitos,as dicas, os exercícios, se esforçado ao máximo, enfim, que possam terum excelente aproveitamento na prova e que cheguem ao tão desejadoobjetivo, que é obviamente a aprovação no concurso!Como é nosso último encontro, gostaria de inverter um pouco as ordense começar com o pensamento da semana:“Depois de muito meditar, cheguei à conclusão de que um ser humanoque estabelece um propósito deve cumpri-lo, e que nada pode resistir a um desejo, a uma vontade, mesmo quando para sua realização seja necessária uma existência inteira” Benjamin DisraeliConforme combinamos aula passada, hoje vamos conversar sobre oúltimo tema do nosso Edital: Administração Pública. Dentro destecontexto falaremos sobre sua estrutura e funcionamento, seuscontroles, indicadores de produtividade, tendências de modernização enovos modelos de gestão e, por fim, os aspectos sociais, econômicos epolíticos que condicionam a administração pública.Enfatizamos que parte do material contido nesta aula representa umasinopse dos Cadernos MARE (Ministério da Administração Federal eReforma do Estado) nº 2 e nº 9 e do Plano Diretor da Reforma do Aparelho doEstado.Vale ressaltar que se trata de material de uso pessoal, não podendo serrepassado a terceiros, em caráter gratuito ou oneroso, seja impresso,por e-mail ou qualquer outro meio de transmissão sob risco de violaçãodo estabelecido na Lei n. º 9.610/1998 e no Código Penal. Desde jáagradecemos a compreensão e estamos abertos para qualquer dúvidaou pendência, tanto sobre o material quanto para qualquer outroassunto relacionado ao concurso em questão. www.pontodosconcursos.com.br Página 1 de 69
  • 190. pág.:190 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHO AULA CINCO: ADMINISTRAÇÃO PÚBLICAESTRUTURA E FUNCIONAMENTODe acordo com o Decreto-Lei nº 200, de 25 de fevereiro de 1967podemos verificar que o Poder Executivo é exercido pelo Presidente daRepública auxiliado pelos Ministros de Estado.O Presidente da República e os Ministros de Estado exercem asatribuições de sua competência constitucional, legal e regulamentar como auxílio dos órgãos que compõem a Administração Federal.Com a nova redação dada pelo Decreto-Lei nº 900 de 1969, respeitadaa competência constitucional do Poder Legislativo estabelecida no artigo46, inciso II e IV, da Constituição, o Poder Executivo regulará aestruturação, as atribuições e funcionamento do órgãos daAdministração Federal.A Administração Federal compreende:I - A Administração Direta, que se constitui dos serviços integrados naestrutura administrativa da Presidência da República e dos Ministérios.II – A Administração Indireta, que compreende as seguintes categoriasde entidades, dotadas de personalidade jurídica própria: a) Autarquias - o serviço autônomo, criado por lei, compersonalidade jurídica, patrimônio e receita próprios, para executaratividades típicas da Administração Pública, que requeiram, para seumelhor funcionamento, gestão administrativa e financeiradescentralizada. b) Empresas Públicas: a entidade dotada de personalidade jurídicade direito privado, com patrimônio próprio e capital exclusivo da União,criado por lei para a exploração de atividade econômica que o Governoseja levado a exercer por força de contingência ou de conveniênciaadministrativa podendo revestir-se de qualquer das formas admitidasem direito. c) Sociedades de Economia Mista: a entidade dotada depersonalidade jurídica de direito privado, criada por lei para aexploração de atividade econômica, sob a forma de sociedade anônima,cujas ações com direito a voto pertençam em sua maioria à União ou aentidade da Administração Indireta. Neste caso, quando a atividade for www.pontodosconcursos.com.br Página 2 de 69
  • 191. pág.:191 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOsubmetida a regime de monopólio estatal, a maioria acionária caberáapenas à União, em caráter permanente. d) fundações públicas. a entidade dotada de personalidade jurídicade direito privado, sem fins lucrativos, criada em virtude de autorizaçãolegislativa, para o desenvolvimento de atividades que não exijamexecução por órgãos ou entidades de direito público, com autonomiaadministrativa, patrimônio próprio gerido pelos respectivos órgãos dedireção, e funcionamento custeado por recursos da União e de outrasfontes. Estas entidades adquirem personalidade jurídica com a inscriçãoda escritura pública de sua constituição no Registro Civil de PessoasJurídicas, não se lhes aplicando as demais disposições do Código Civilconcernentes às fundações (Incluído pela Lei nº 7.596, de 1987).Ressalta-se que as entidades compreendidas na Administração Indiretavinculam-se ao Ministério em cuja área de competência estiverenquadrada sua principal atividade.PRINCÍPIOS FUNDAMENTAISO Decreto-Lei nº 200, de 25 de fevereiro de 1967 destacou, ainda, queas atividades da Administração Federal obedecerão aos seguintesprincípios fundamentais: I - Planejamento. II - Coordenação. III - Descentralização. IV - Delegação de Competência. V - Controle.I – PLANEJAMENTOA ação governamental obedecerá a planejamento que vise a promover odesenvolvimento econômico-social do País e a segurança nacional,norteando-se segundo planos e programas elaborados, e compreenderáa elaboração e atualização dos seguintes instrumentos básicos: a) plano geral de governo; b) programas gerais, setoriais e regionais, de duração plurianual; c) orçamento-programa anual; d) programação financeira de desembolso.II COORDENAÇÃO www.pontodosconcursos.com.br Página 3 de 69
  • 192. pág.:192 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOAs atividades da Administração Federal e, especialmente, a execuçãodos planos e programas de governo, serão objeto de permanentecoordenação. Essa coordenação será exercida em todos os níveis daadministração, mediante a atuação das chefias individuais, a realizaçãosistemática de reuniões com a participação das chefias subordinadas e ainstituição e funcionamento de comissões de coordenação em cada níveladministrativo.No nível superior da Administração Federal, a coordenação seráassegurada através de reuniões do Ministério, reuniões de Ministros deEstado responsáveis por áreas afins, atribuição de incumbênciacoordenadora a um dos Ministros de Estado, funcionamento dasSecretarias Gerais e coordenação central dos sistemas de atividadesauxiliares.Quando submetidos ao Presidente da República, os assuntos deverão tersido previamente coordenados com todos os setores neles interessados,inclusive no que respeita aos aspectos administrativos pertinentes,através de consultas e entendimentos, de modo a semprecompreenderem soluções integradas e que se harmonizem com apolítica geral e setorial do Governo. Idêntico procedimento será adotadonos demais níveis da Administração Federal, antes da submissão dosassuntos à decisão da autoridade competente.Os órgãos que operam na mesma área geográfica serão submetidos àcoordenação com o objetivo de assegurar a programação e execuçãointegrada dos serviços federais.Com os órgãos estaduais e municipais que exerçam atividades idênticas,os órgãos federais buscarão com eles coordenar-se, para evitardispersão de esforços e de investimentos na mesma área geográfica.III - DESCENTRALIZAÇÃOA execução das atividades da Administração Federal deverá seramplamente descentralizada.A descentralização será posta em prática em três planos principais: a) dentro dos quadros da Administração Federal, distinguindo-seclaramente o nível de direção do de execução; b) da Administração Federal para a das unidades federadas,quando estejam devidamente aparelhadas e mediante convênio; c) da Administração Federal para a órbita privada, mediantecontratos ou concessões.Em cada órgão da Administração Federal, os serviços que compõem aestrutura central de direção devem permanecer liberados das rotinas de www.pontodosconcursos.com.br Página 4 de 69
  • 193. pág.:193 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOexecução e das tarefas de mera formalização de atos administrativos,para que possam concentrar-se nas atividades de planejamento,supervisão, coordenação e controle.A Administração casuística, assim entendida a decisão de casosindividuais, compete, em princípio, ao nível de execução, especialmenteaos serviços de natureza local, que estão em contato com os fatos ecom o público. Compete à estrutura central de direção oestabelecimento das normas, critérios, programas e princípios, que osserviços responsáveis pela execução são obrigados a respeitar nasolução dos casos individuais e no desempenho de suas atribuições.Para melhor desincumbir-se das tarefas de planejamento, coordenação,supervisão e controle e com o objetivo de impedir o crescimentodesmesurado da máquina administrativa, a Administração procurarádesobrigar-se da realização material de tarefas executivas, recorrendo,sempre que possível, à execução indireta, mediante contrato, desde queexista, na área, iniciativa privada suficientemente desenvolvida ecapacitada a desempenhar os encargos de execução. A aplicação dessecritério está condicionada, em qualquer caso, aos ditames do interessepúblico e às conveniências da segurança nacional.DELEGAÇÃO DE COMPETÊNCIAA delegação de competência será utilizada como instrumento dedescentralização administrativa, com o objetivo de assegurar maiorrapidez e objetividade às decisões, situando-as na proximidade dosfatos, pessoas ou problemas a atender. É facultado ao Presidente daRepública, aos Ministros de Estado e, em geral, às autoridades daAdministração Federal delegar competência para a prática de atosadministrativos, conforme se dispuser em regulamento.O ato de delegação indicará com precisão a autoridade delegante, aautoridade delegada e as atribuições objeto de delegação.CONTROLEO controle das atividades da Administração Federal deverá exercer-seem todos os níveis e em todos os órgãos, compreendendo,particularmente:a) o controle, pela chefia competente, da execução dos programas e daobservância das normas que governam a atividade específica do órgãocontrolado;b) o controle, pelos órgãos próprios de cada sistema, da observânciadas normas gerais que regulam o exercício das atividades auxiliares; www.pontodosconcursos.com.br Página 5 de 69
  • 194. pág.:194 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOc) o controle da aplicação dos dinheiros públicos e da guarda dos bensda União pelos órgãos próprios do sistema de contabilidade e auditoria.O trabalho administrativo será racionalizado mediante simplificação deprocessos e supressão de controles que se evidenciarem comopuramente formais ou cujo custo seja evidentemente superior ao risco.Princípios da Administração PúblicaA Constituição da República, criticada por boa parte da doutrina emvirtude do engessamento provocado na administração pública,notadamente no que diz respeito à indireta (que na Constituição anteriorgozava de mais autonomia, o que resultava em melhor desempenho),prestigiou o setor público com a introdução de um capítulo a eledestinado, em especial em virtude do regulamentado nos artigos 37 a41.Assim, foram estabelecidos 5 (cinco) princípios (considerando asmodificações feitas pela Emenda Constitucional n. º 19 de 1998) aserem observados nas três esferas de Governo: Legalidade,Impessoalidade, Moralidade, Publicidade e Eficiência.1) LegalidadeA Legalidade, decorrente do art. 5º da Carta Magna, aplicada ao setorpúblico significa que o agente público deverá agir em conformidade coma Lei, fazendo estritamente o que esta determina. É que alguns autoreschamam de legalidade estrita. Diferentemente do particular, a quem élícito fazer tudo o que a Lei não proíbe (por exclusão, portanto), oservidor pode e deve agir exatamente conforme previsto, limitando-se,assim, sua autonomia. A título de exemplo, pode-se citar a conduta deum auditor-fiscal ao visitar determinado estabelecimento mercantil econstatar a existência de recursos não-contabilizados.Independentemente da peculiaridade do contribuinte (rico, pobre,amigo, inimigo), deverá ser lavrado o auto de infração.2) ImpessoalidadeA Impessoalidade determina que o agente público deve ter sua condutaorientada para o interesse público, em detrimento de interessesparticulares, próprios ou de terceiros, sob pena do ato ser caracterizadopelo desvio de finalidade, e, portanto, nulo. Assim, aqueles queestiverem em situações idênticas dever receber o mesmo tratamento(isonomia).3) Moralidade www.pontodosconcursos.com.br Página 6 de 69
  • 195. pág.:195 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOA Moralidade é percebida no comportamento do bom administrador.Diante de alternativas possíveis, escolhe aquela que resultará em maiorganho para a coletividade. É característica, portanto, dos atospraticados com legitimidade. Vale ressaltar que algumas obras, apesarde legais (com observância das regras de licitação, de direito financeiro)podem ser imorais, por não representarem o interesse público. Aconstrução de um obelisco, de uma estátua ou de um monumento emum contexto onde a vontade popular aponta para outra direção.4) PublicidadeA Publicidade é requisito de eficácia dos atos administrativos. Ou seja,para que produzam efeitos, é necessário que sejam levados aoconhecimento público. Na maior parte dos casos, os atos administrativosprecisam ser publicados em Diário Oficial, tais como resumo decontratos celebrados ou atos de nomeação de pessoal. Assim, apenas osatos classificados como secretos ou reservados podem deixar de serpublicados. A Legislação infraconstitucional tem ratificado a necessidadede publicação, de forma cada vez mais detalhada. Pode-se citar comoexemplo os relatórios de execução orçamentária e de gestão fiscalregulamentados pela Lei de Responsabilidade Fiscal, publicados inclusivena Internet a cada dois e quatro meses, respectivamente, corroborandopara o fortalecimento do nosso regime democrático e melhor controle dacoisa pública.5) EficiênciaPor fim, a eficiência, conforme explicitada em capítulo à parte, guardarelação com o modus operandi. Tem a ver, portanto, com o consumoadequado dos insumos utilizados em determinado processo. Cumpreressaltar que a introdução desse princípio no ordenamento jurídicocorroborou para flexibilizar o instituto da estabilidade. Ou seja, a partirde sua introdução, é possível exonerar o mal servidor em virtude dedesempenho insuficiente, avaliado anualmente.CONTROLETipologia do controle exercido no âmbito da administraçãopúblicaA Constituição da República, ao regulamentar o controle dos gastospúblicos, estabeleceu, em seus artigos 70 a 74, mormente, dois tipos decontrole: o externo e o interno.Controle Externo www.pontodosconcursos.com.br Página 7 de 69
  • 196. pág.:196 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOPor controle externo, entendemos aquele exercido pelo PoderLegislativo, auxiliado pelos Tribunais de Contas da União, dos Estados edos Municípios (onde houver. Atualmente, Rio de Janeiro e São Paulosão os exemplos). O auxílio dado pelas Cortes de contas é essencialdada a complexidade da arrecadação e aplicação dos recursos públicos,face aos ditames da Lei n. º 4.320 de 1964 (Normas Gerais de DireitoFinanceiro) e demais Diplomas Regulamentadores. Assim, essestribunais especializados em contas públicas auxiliam os parlamentares(que nem sempre dispõem de conhecimentos nesta área) na fiscalizaçãoorçamentária, financeira, patrimonial, contábil e operacional, por meioda elaboração de relatórios e pareceres que subsidiam o julgamentopolítico das contas de gestão. Nesse diapasão, o controle é dito externoporque é exercido pelo Poder Legislativo sobre os demais Poderes(Executivo, Judiciário e Ministério Público), recebendo, cada um dessesPoderes, parecer prévio em separado, relativamente a cada um dosprocessos de contas. Ou seja, é o Legislativo, enquanto Casa do Povo,que aprovará os atos administrativos na área financeira e orçamentáriados outros Poderes, evidenciando o Sistema de Freios e Contrapesosdestacado por Montesquiau, em vigor em nosso País. Vale ressaltar oLegislativo também tem seus gastos controlados, no caso pelo Tribunalde contas.Controle InternoO controle interno é assim chamado por ser exercido pelo próprio Poder.Assim, as três esferas da Administração Direta e as entidades daAdministração Indireta mantêm Órgãos com a finalidade precípua decontrolar seus próprios gastos. Na esfera federal, o controle interno doPoder Executivo é exercido pela Secretaria Federal de Controle, Órgãoque contempla a Controladoria-Geral da União. No Município do Rio deJaneiro, por exemplo, o controle cabe à Controladoria-Geral do Município- CGM, no que pertine aos recursos do Executivo.Cumpre ressaltar que o controle interno compreende o conjuntointegrado de métodos e procedimentos com vistas a assegurar asalvaguarda dos ativos e a eficácia operacional, nos termos daResolução n. º 820 do Conselho Federal de Contabilidade. Assim, ao sefalar em controle interno, o que se deseja verificar, dentre diversosoutros aspectos, é a legalidade da despesa (se houve licitação, se amodalidade foi escolhida acertadamente, se houve publicação doinstrumento contratual, se a despesa foi ratificada pela autoridadesuperior, se o pagamento foi feito após a regular liquidação da despesa,etc...), a legitimidade (se a despesa foi efetuada tendo em vista asatisfação do interesse público) e a economicidade (razoabilidade dovalor pago), bem como aspectos operacionais (se a prestação dosserviços observou o princípio da eficiência). www.pontodosconcursos.com.br Página 8 de 69
  • 197. pág.:197 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOApresentamos, a seguir, a maneira pela qual a Constituição daRepública disciplina o assunto:Art. 70. A fiscalização contábil, financeira, orçamentária, operacional epatrimonial da União e das entidades da administração direta e indireta,quanto à legalidade, legitimidade, economicidade, aplicação dassubvenções e renúncia de receitas, será exercida pelo CongressoNacional, mediante controle externo, e pelo sistema de controle internode cada Poder.Parágrafo único. Prestará contas qualquer pessoa física ou jurídica,pública ou privada, que utilize, arrecade, guarde, gerencie ou administredinheiros, bens e valores públicos ou pelos quais a União responda, ouque, em nome desta, assuma obrigações de natureza pecuniária.(Redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 04/06/98)Art. 71. O controle externo, a cargo do Congresso Nacional, seráexercido com o auxílio do Tribunal de Contas da União, ao qualcompete:I - apreciar as contas prestadas anualmente pelo Presidente daRepública, mediante parecer prévio que deverá ser elaborado emsessenta dias a contar de seu recebimento;II - julgar as contas dos administradores e demais responsáveis pordinheiros, bens e valores públicos da administração direta e indireta,incluídas as fundações e sociedades instituídas e mantidas pelo PoderPúblico federal, e as contas daqueles que derem causa a perda, extravioou outra irregularidade de que resulte prejuízo ao erário público;III - apreciar, para fins de registro, a legalidade dos atos de admissãode pessoal, a qualquer título, na administração direta e indireta,incluídas as fundações instituídas e mantidas pelo Poder Público,excetuadas as nomeações para cargo de provimento em comissão, bemcomo a das concessões de aposentadorias, reformas e pensões,ressalvadas as melhorias posteriores que não alterem o fundamentolegal do ato concessório;IV - realizar, por iniciativa própria, da Câmara dos Deputados, doSenado Federal, de Comissão técnica ou de inquérito, inspeções eauditorias de natureza contábil, financeira, orçamentária, operacional epatrimonial, nas unidades administrativas dos Poderes Legislativo,Executivo e Judiciário, e demais entidades referidas no inciso II;V - fiscalizar as contas nacionais das empresas supranacionais de cujocapital social a União participe, de forma direta ou indireta, nos termosdo tratado constitutivo;VI - fiscalizar a aplicação de quaisquer recursos repassados pela Uniãomediante convênio, acordo, ajuste ou outros instrumentos congêneres,a Estado, ao Distrito Federal ou a Município; www.pontodosconcursos.com.br Página 9 de 69
  • 198. pág.:198 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOVII - prestar as informações solicitadas pelo Congresso Nacional, porqualquer de suas Casas, ou por qualquer das respectivas Comissões,sobre a fiscalização contábil, financeira, orçamentária, operacional epatrimonial e sobre resultados de auditorias e inspeções realizadas;VIII - aplicar aos responsáveis, em caso de ilegalidade de despesa ouirregularidade de contas, as sanções previstas em lei, que estabelecerá,entre outras cominações, multa proporcional ao dano causado ao erário;IX - assinar prazo para que o órgão ou entidade adote as providênciasnecessárias ao exato cumprimento da lei, se verificada ilegalidade;X - sustar, se não atendido, a execução do ato impugnado, comunicandoa decisão à Câmara dos Deputados e ao Senado Federal;XI - representar ao Poder competente sobre irregularidades ou abusosapurados.§ 1º - No caso de contrato, o ato de sustação será adotado diretamentepelo Congresso Nacional, que solicitará, de imediato, ao Poder Executivoas medidas cabíveis.§ 2º - Se o Congresso Nacional ou o Poder Executivo, no prazo denoventa dias, não efetivar as medidas previstas no parágrafo anterior, oTribunal decidirá a respeito.§ 3º - As decisões do Tribunal de que resulte imputação de débito oumulta terão eficácia de título executivo.§ 4º - O Tribunal encaminhará ao Congresso Nacional, trimestral eanualmente, relatório de suas atividades.Art. 72. A Comissão mista permanente a que se refere o art. 166, §1º,diante de indícios de despesas não autorizadas, ainda que sob a formade investimentos não programados ou de subsídios não aprovados,poderá solicitar à autoridade governamental responsável que, no prazode cinco dias, preste os esclarecimentos necessários.§ 1º - Não prestados os esclarecimentos, ou considerados estesinsuficientes, a Comissão solicitará ao Tribunal pronunciamentoconclusivo sobre a matéria, no prazo de trinta dias.§ 2º - Entendendo o Tribunal irregular a despesa, a Comissão, se julgarque o gasto possa causar dano irreparável ou grave lesão à economiapública, proporá ao Congresso Nacional sua sustação.Art. 73. O Tribunal de Contas da União, integrado por nove Ministros,tem sede no Distrito Federal, quadro próprio de pessoal e jurisdição emtodo o território nacional, exercendo, no que couber, as atribuiçõesprevistas no art. 96. .§ 1º - Os Ministros do Tribunal de Contas da União serão nomeadosdentre brasileiros que satisfaçam os seguintes requisitos:I - mais de trinta e cinco e menos de sessenta e cinco anos de idade;II - idoneidade moral e reputação ilibada;III - notórios conhecimentos jurídicos, contábeis, econômicos efinanceiros ou de administração pública; www.pontodosconcursos.com.br Página 10 de 69
  • 199. pág.:199 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOIV - mais de dez anos de exercício de função ou de efetiva atividadeprofissional que exija os conhecimentos mencionados no inciso anterior.§ 2º - Os Ministros do Tribunal de Contas da União serão escolhidos:I - um terço pelo Presidente da República, com aprovação do SenadoFederal, sendo dois alternadamente dentre auditores e membros doMinistério Público junto ao Tribunal, indicados em lista tríplice peloTribunal, segundo os critérios de antigüidade e merecimento;II - dois terços pelo Congresso Nacional.§ 3° Os Ministros do Tribunal de Contas da União terão as mesmasgarantias, prerrogativas, impedimentos, vencimentos e vantagens dosMinistros do Superior Tribunal de Justiça, aplicando-se-lhes, quanto àaposentadoria e pensão, as normas constantes do art. 40. (Redaçãodada pela Emenda Constitucional nº 20, de 15/12/98)§ 4º - O auditor, quando em substituição a Ministro, terá as mesmasgarantias e impedimentos do titular e, quando no exercício das demaisatribuições da judicatura, as de juiz de Tribunal Regional Federal.Art. 74. Os Poderes Legislativo, Executivo e Judiciário manterão, deforma integrada, sistema de controle interno com a finalidade de:I - avaliar o cumprimento das metas previstas no plano plurianual, aexecução dos programas de governo e dos orçamentos da União;II - comprovar a legalidade e avaliar os resultados, quanto à eficácia eeficiência, da gestão orçamentária, financeira e patrimonial nos órgãos eentidades da administração federal, bem como da aplicação de recursospúblicos por entidades de direito privado;III - exercer o controle das operações de crédito, avais e garantias, bemcomo dos direitos e haveres da União;IV - apoiar o controle externo no exercício de sua missão institucional.§ 1º - Os responsáveis pelo controle interno, ao tomarem conhecimentode qualquer irregularidade ou ilegalidade, dela darão ciência ao Tribunalde Contas da União, sob pena de responsabilidade solidária.§ 2º - Qualquer cidadão, partido político, associação ou sindicato é partelegítima para, na forma da lei, denunciar irregularidades ou ilegalidadesperante o Tribunal de Contas da União.Uma outra tipologia dos controles os considera como prévios,concomitantes ou subseqüentes, em função do momento em que sãoexercidos (antes, durante ou após a edição do ato administrativo-objeto). Como exemplo do primeiro, podemos citar a apreciação dosatos de admissão de pessoal pelas Cortes de Contas (Tribunais decontas) antes da nomeação. O controle concomitante ocorre quando,por exemplo, os auditores da CGU visitam uma determinada escola paraconstatar como se dá a aplicação dos recursos do FUNDEF. Já o controlesubseqüente pode ser evidenciado pelos processos de prestação etomada de contas, elaborados após a realização das despesas. www.pontodosconcursos.com.br Página 11 de 69
  • 200. pág.:200 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOPor fim, sem a pretensão de esgotar o assunto, podem ainda oscontroles serem divididos em administrativos e judiciais. Enquanto osprimeiros ocorrem tão-somente na esfera administrativa, os segundosenvolvem Órgãos do Poder Judiciário. Como exemplos do primeiro,podemos citar a reclamação, o pedido de reconsideração e a revisãoadministrativa. No âmbito do Judiciário, é possível destacar o Mandadode Segurança, a Ação Popular e a Ação Direta de Inconstitucionalidade.Tendências de modernização, novos modelos de gestão eIndicadores de ProdutividadePara que uma organização cumpra com efetividade sua missão, éimprescindível que suas ações decorram de um planejamentoorganizado e permanente, baseado nas políticas e diretrizes públicas àsquais a organização se vincula, no conhecimento das expectativas declientes e usuários, e levando em conta as condições e meios de quedispõe.É preciso abandonar a cultura do planejamento ocasional, para adotar oplanejamento como um exercício permanente e sistemático. Osexercícios de planejamento de ocasião podem até produzir bonsdocumentos, mas, inexistindo uma consciência sobre a importância dese estabelecerem rumos precisos para a instituição, esses documentosacabam por definhar dentro de gavetas ou decorar estantes, sem nuncaresultarem em ações de melhoria, em direção ao futuro desejado para aorganização.Um planejamento que confira consistência à atuação da instituição devese iniciar com as definições estratégicas e fechar o seu primeiro ciclocom a definição de metas claras e específicas, que traduzam asaspirações institucionais em ações práticas, que lhe permitirãocaminhar, de fato, na direção desejada. A partir desse primeiro ciclo dedefinições, é preciso rever periodicamente o ambiente, as ameaças e asoportunidades que se apresentam, de forma a poder prever situaçõesque possam vir a interferir no que foi planejado, o que possibilitará arevisão, tanto de estratégias, quanto de ações.Planejamento e ParticipaçãoPara que as ações resultantes de um planejamento se realizem,concretizando a implementação das políticas públicas formuladas, éimprescindível que cada servidor tenha plena consciência da missãoinstitucional e pleno conhecimento dos resultados globais desejados, de www.pontodosconcursos.com.br Página 12 de 69
  • 201. pág.:201 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOforma a poder identificar qual é o espaço de sua contribuição individualpara que esses resultados sejam alcançados.Um dos fatores críticos para garantir o sucesso e a continuidade de umaadministração efetiva é a valorização dos servidores, que deve sergarantida, não só pela remuneração mas, sobretudo, pelocompartilhamento das informações, por investimento permanente emcapacitação e pela disponibilidade de um espaço de participação,integrando-os ao processo de planejamento, no que diz respeito àelaboração de metas, definição de indicadores e concepção dos planosoperacionais.Um indivíduo compromete-se com aquilo que conhece e ocomprometimento será tão intenso quanto maior for sua participação nadefinição e no planejamento do que se pretende atingir. Assim, uma vezdefinidas pela alta administração da instituição as questões estratégicas,como missão, visão de futuro e objetivos institucionais globais, é suaresponsabilidade compartilhar essas informações com os servidores,para que todos tenham plena consciência do rumo a ser seguido. Alémdisso, os objetivos institucionais precisam ser traduzidos em metas paracada unidade administrativa da instituição, de forma a que toda aorganização participe da construção dos resultados desejados.Avaliando o Desempenho InstitucionalA avaliação é a comparação dos resultados alcançados (descritos pelosindicadores de desempenho) com o desempenho pretendido (descritopelos objetivos estratégicos e metas definidos). A avaliação deve servirpara que se analisem as causas e os efeitos dos desvios entre oprogramado e o realizado, de forma que os gestores possamrecomendar mudanças e ações corretivas. Análises mais profundaspodem mostrar quais estratégias contribuíram para resultados positivose quais contribuíram para resultados negativos.Atingir um resultado determinado não é suficiente; a idéia édesencadear um processo de melhoria contínua. Um sistema deavaliação deve ser parte de um plano de melhoria do desempenho quepossa ser entendido e valorizado por todos os envolvidos e onde seestabeleçam relações de causa e efeito.Os dados decorrentes da avaliação de desempenho devem ser usadospara identificar, entre outras coisas: www.pontodosconcursos.com.br Página 13 de 69
  • 202. pág.:202 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHO • se as demandas dos cidadãos e usuários e dos formuladores de política estão sendo atendidas e com que grau de sucesso; • as áreas onde a instituição está alcançando sucesso e onde precisa melhorar; • as necessidades de revisão de normas, processos produtivos e de metas; • os impedimentos legais e normativos para um bom desempenho, de forma que se possa informar aos Poderes Executivo e Legislativo a necessidade de efetuar mudanças.Na construção de um sistema de avaliação de desempenho éfundamental a participação de todos, desde a alta direção até os níveisoperacionais, de forma que os dados sobre o desempenho atual possamser amplamente utilizados para a melhoria em direção ao desempenhodesejado.Devem ser realizadas avaliações periódicas, em estágios intermediários,que servirão para alertar sobre eventuais desvios e necessidades dealterações, com vistas à obtenção de melhores resultados. Há umadiferença entre a avaliação como ferramenta de uma gerência dinâmicae em tempo real e a avaliação anual de resultados, muito tarde para setomar qualquer providência que se faça necessária.Etapas de um sistema de avaliação: • identificação de atividades críticas a serem medidas; • estabelecimento de metas para cada atividade crítica; • definição de indicadores de desempenho; • identificação de responsáveis para cada etapa do processo de mensuração; • coleta de dados; • análise/relato do desempenho atual em comparação com o desempenho desejado; • identificação de necessidade de ações corretivas; • implantação de mudanças, para realinhamento do desempenho; • identificação da necessidade de novas metas.Contrato de GestãoO Contrato de Gestão como um Compromisso de ResultadosO contrato de gestão é um compromisso institucional, firmado entre oEstado, por intermédio de seus ministérios, e uma entidade pública www.pontodosconcursos.com.br Página 14 de 69
  • 203. pág.:203 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOestatal, a ser qualificada como Agência Executiva, ou uma entidade não-estatal, qualificada como Organização Social.Seu propósito é contribuir ou reforçar o atingimento de objetivos depolíticas públicas, mediante o desenvolvimento de um programa demelhoria da gestão, com vistas a atingir uma superior qualidade doproduto ou serviço prestado ao cidadão. Um contrato de gestãoespecifica metas (e respectivos indicadores), obrigações,responsabilidades, recursos, condicionantes, mecanismos de avaliação epenalidades.Por parte do Poder Público contratante, o contrato de gestão é uminstrumento de implementação, supervisão e avaliação de políticaspúblicas, de forma descentralizada, racionalizada e autonomizada, namedida em que vincula recursos ao atingimento de finalidades públicas.Por outro lado, no âmbito interno das organizações (estatais ou não-estatais) contratadas, o contrato de gestão se coloca como uminstrumento de gestão estratégica, na medida em que direciona a açãoorganizacional, assim como a melhoria da gestão, aos cidadãos/clientesbeneficiários de determinadas políticas públicas.O contrato de gestão, enquanto instrumento-chave que regula orelacionamento entre ministérios e entidades (estatais ou não-estatais)executoras de atividades sob sua supervisão, destina-se,principalmente, a: • clarificar o foco da instituição, interna e externamente; • oferecer uma base para se proceder à comparação entre o atual desempenho da instituição e o desempenho desejado; • definir níveis de responsabilidade e responsabilização; • possibilitar os controles social, por resultados e por comparação com outras instituições.O contrato de gestão, assim como a conclusão das avaliações dodesempenho da instituição, deverá ser tornado público a fim de seconsolidar como o instrumento de acompanhamento e avaliação dodesempenho da instituição, tanto por parte do ministério supervisor, doLegislativo e do Judiciário, quanto da sociedade.Como instrumento de acompanhamento, o contrato de gestão permitiráa definição e a adoção de estratégias de ação que se mostremnecessárias para oferecer à instituição melhores condições para oatingimento dos objetivos e metas acordados. Além disso, oacompanhamento do desempenho institucional pelo contrato de gestãopermitirá que se redefinam os objetivos e metas pactuados, caso as www.pontodosconcursos.com.br Página 15 de 69
  • 204. pág.:204 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOcircunstâncias em que atua a instituição sofram alterações quejustifiquem uma redefinição. Por outro lado, o contrato também seprestará à avaliação do desempenho dos gestores da instituição.Conteúdo BásicoO contrato de gestão deve ser um documento flexível e dinâmico.Flexível, porque seus elementos básicos devem comportar ajustesdecorrentes de situações peculiares. Dinâmico, porque deve espelhar arealidade, estando, portanto, sujeito a mudanças na medida em que semodificarem os objetivos ou o contexto das políticas públicas para asquais está orientado.São as seguintes as partes básicas de um contrato de gestão: • disposições estratégicas: objetivos da política pública à qual se refere, missão, objetivos estratégicos e metas institucionais com seus respectivos planos de ação; • indicadores de desempenho: forma de representação quantificável, e também de natureza qualitativa, para mensuração do atingimento das metas propostas, tendo como base um determinado padrão de excelência, adotado ou convencionado, para julgamento da adequação do nível de realização de cada meta programada, considerando o horizonte de tempo da avaliação; • definição de meios e condições para execução das metas pactuadas: tais como recursos (orçamentários, patrimônio, pessoal etc.) níveis de autonomia, flexibilidades; • sistemática de avaliação: tri ou quadrimestralmente o ministério supervisor e a instituição deverão programar reuniões de acompanhamento e avaliação, para a verificação objetiva do grau de atingimento das metas, com base nos seus indicadores. Os resultados alcançados deverão ser objeto de análise, pelo ministério supervisor, que norteará as correções necessárias de rumo, para possibilitar a plena eficácia do instrumento. Durante esse acompanhamento, é importante a avaliação da eficácia de seus indicadores, podendo, em comum acordo com o ministério supervisor, alterá-los por meio de aditivos ao contrato, caso se mostrem inadequados à aferição que se pretende realizar. Os relatórios parciais e final deverão ser encaminhados ao ministério supervisor, para parecer técnico, o qual será encaminhado ao MARE.Cláusulas Mínimas www.pontodosconcursos.com.br Página 16 de 69
  • 205. pág.:205 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHO• Objeto. O objeto do contrato de gestão é a pactuação de resultados entre uma parte contratante, o Poder Público e outra parte contratada, seja instituição estatal ou não-estatal. Essa cláusula deverá contemplar, de forma clara, o contexto institucional do setor de atuação da instituição contratada.• Objetivo. São objetivos do contrato de gestão, enquanto instrumento de implementação de políticas e de gestão:- fortalecer a supervisão e os controles ministeriais sobre osresultados das políticas públicas sob sua responsabilidade;- melhorar o processo de gestão da instituição contratada;- promover o controle social sobre os resultados esperados e dar-lhespublicidade.• Metas. Enumeração das metas pactuadas (finais e intermediárias), com seus respectivos indicadores de efetividade, eficácia e eficiência.• Obrigações da Contratada. Deve conter as ações que garantam o desenvolvimento institucional contínuo da entidade contratada, relativas à orientação estratégica, à otimização de processos organizacionais e à capacitação de pessoas.• Obrigações dos Ministérios Supervisor e Intervenientes. Deve conter os meios necessários à execução do contrato de gestão a serem providos pelos ministérios supervisor e intervenientes, relativos a recursos (financeiros, pessoal, patrimônio etc.) e à autonomia de gestão (de pessoal, logística e orçamentário- financeira).• Valor. Deve estabelecer o valor a ser alocado durante sua vigência.• Acompanhamento e Avaliação de Resultados. Dispõe sobre a sistemática de acompanhamento definida relativamente a tipos e periodicidade dos relatórios, níveis de cumprimento de metas, auditorias e orientações para revisão e correções de metas ou condições.• Suspensão. Dispõe sobre as condições para suspensão, pelo período necessário à melhor adequação ao seu objeto, caso se verifiquem mudanças substanciais no contexto, impossibilitando o alcance das metas. www.pontodosconcursos.com.br Página 17 de 69
  • 206. pág.:206 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHO • Rescisão. Trata das situações e condições sob as quais a rescisão poderá ser solicitada pelas partes. • Vigência e Renovação. A vigência é de um ano, podendo ser estendida por período a ser determinado pelas partes, mediante termo aditivo que altere cláusulas relativas às metas, obrigações das partes e plano de ação. • Publicidade e Controle Social. Dispõe sobre a obrigatoriedade, pelo ministério supervisor, de publicação, no Diário Oficial da União e em outros meios físicos e eletrônicos, do contrato de gestão, dos relatórios parciais e finais e dos termos aditivos. • Rescisão. Dispõe sobre as situações sob as quais o contrato poderá ser rescindido a qualquer tempo, relativas ao descumprimento injustificado pela instituição de compromissos firmados, ou acordo entre as partes ou, ainda, à prática de irregularidades por parte de dirigentes da instituição. A proposta de rescisão deve ser acompanhada de justificativa. • Desqualificação & Penalidades. No caso de rescisão do contrato, a instituição será desqualificada por iniciativa do ministério supervisor à Presidência da República, mediante decreto, e os seus dirigentes sujeitar-se-ão, em conjunto ou isoladamente, ao afastamento da função e ou às penalidades previstas na legislação pertinente.Formulação & Negociação Os três requisitos básicos para a formulação de um contrato de gestão estão relacionados aos objetivos institucionais das partes contratantes: • contexto institucional (políticas públicas e diretrizes governamentais para o setor de atuação); • planejamento estratégico da instituição; • metas, respectivos indicadores de desempenho e planos de ação.Contexto Institucional do SetorTrata-se da explicitação, por parte do Poder Público, dos objetivos e docontexto da política pública, no âmbito da qual o contrato se apresentacomo modalidade de implementação, a partir da legislação e de www.pontodosconcursos.com.br Página 18 de 69
  • 207. pág.:207 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOdocumentos oficiais (termos de referência, planos, projetos, programasde governo, pronunciamentos, estudos etc.).Os objetivos e o contexto da política pública a ser implementada viacontrato de gestão nem sempre se encontram explicitados de formasistemática e objetiva. Nesse caso, torna-se necessário um esforço maissistemático de explicitação do contexto institucional, mediantecapacitação do ministério supervisor.Planejamento estratégicoO planejamento estratégico da instituição contratada deve identificar, deforma clara e coerente com a política pública a ser implementada, avisão, a missão, os objetivos organizacionais e, no caso de instituiçãonão-estatal, sua viabilidade (sob a forma de um plano de negócios quecontemple o potencial de mercado para o desenvolvimento de novosprodutos e sua contribuição para a viabilidade econômico-financeira daorganização).Na formulação do contrato de gestão, a instituição e o ministériosupervisor devem garantir, principalmente, que: • a missão tenha coerência com as diretrizes governamentais e as demandas da sociedade; • os objetivos e as metas tenham coerência com a missão; • existam indicadores passíveis de cobrir diferentes tipos de desempenho, como insumos, processos, produtos, resultados, eficiência, qualidade, satisfação do cliente/usuário, etc.; • as metas e os indicadores sejam úteis para aprimorar o desempenho; • os indicadores sejam apropriados para comunicar os resultados; • tenham sido identificadas, de forma clara, as fontes básicas de dados e os procedimentos de coleta, e que existam planos para controle da validade dos dados; • a linguagem utilizada no contrato possa ser compreendida por pessoas que não pertençam à instituição; www.pontodosconcursos.com.br Página 19 de 69
  • 208. pág.:208 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHO • conste do contrato, quando necessário, um glossário com os termos-chave, de forma que não possa haver diferentes interpretações sobre o que se pretende alcançar.Negociação e AprovaçãoA negociação do contrato de gestão é o processo formal que envolve aadministração da instituição e o respectivo ministério supervisor docontrato, com vistas à explicitação dos interesses e à avaliação precisado conteúdo essencial da minuta do contrato, a ser firmado com oassessoramento técnico do MARE.A negociação do contrato de gestão exige uma participação intensa doscorpos técnico e gerencial do ministério supervisor, do MARE e dainstituição. Exige, também, articulação com ministérios provedores derecursos necessários à execução do contrato de gestão, que figurarãocomo signatários do contrato, na qualidade de intervenientes.A negociação envolve o estabelecimento de regras e disposições clarassobre condições e parâmetros para revisão, suspensão, renovação erescisão do contrato, assim como penalidades pertinentes. A minuta,contendo os compromissos mútuos assumidos, os itens jurídicos-legaise os respectivos anexos, deverá ser aprovada pela Consultoria Jurídicado ministério supervisor para assinatura das partes e publicação noDiário Oficial da União.A negociação dos valores do contrato de gestão e das flexibilidades aserem concedidas a instituições estatais é uma etapa crítica no processode negociação, na medida em que envolve a negociação de recursosorçamentários (montantes e níveis toleráveis de contingenciamento),condições para repasse de recursos financeiros e recursos de pessoal.Acompanhamento & Avaliação do Contrato de GestãoO acompanhamento e avaliação contínuos do contrato de gestão, umavez implementado, consiste na fase mais relevante, pois dela depende oatingimento da sua plena eficácia, qual seja, tornar-se um efetivoinstrumento de implementação de políticas públicas para o ministériosupervisor e um efetivo instrumento de gestão estratégica para aentidade contratada.O ciclo de avaliação do contrato de gestão envolve as seguintesações: • geração de relatórios parciais e anual; www.pontodosconcursos.com.br Página 20 de 69
  • 209. pág.:209 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHO • avaliação institucional; • auditorias.Os resultados devem ser continuamente avaliados pelo Poder Público,de tal forma que algum controle seja exercido, no sentido de possíveisredirecionamentos durante o curso das ações, e não de registro oudiagnósticos a posteriori.A dinâmica do contrato de gestão, que deverá ser orientado pelosobjetivos das políticas públicas num ambiente mutante e norteador daação organizacional da entidade contratada, requer flexibilidade eacompanhamento constantes, de modo que eventuais desvios possaminduzir alterações nos objetivos ou na sua forma de implementação.Nesse sentido, vale lembrar que, em nome do cumprimento das metasacordadas, o ministério supervisor tem sempre a possibilidade deinterferir na situação, via conselho de administração ou direção, e viarenegociação do contrato de gestão.Relatórios de DesempenhoA função dos relatórios é prover, tanto o ministério supervisor, quanto ainstituição, de informações acerca do grau de atingimento das metaspactuadas, conforme os indicadores definidos e segundo a sistemáticade avaliação traçada. Há duas espécies de relatórios: parciais, tri ouquadrimestrais, e anuais.Os dados do relatório devem se ater às questões cruciais e devem serapresentados de forma concisa e compreensível, inclusive para quemnão pertence à instituição. Os usuários dos relatórios não devem serinundados com dados que não lhes interessam; deve ser oferecidaampla informação, mas direcionada a propósitos específicos para cadatipo de usuário.Os relatórios, além de prestar contas sobre a atuação da instituição,devem conter informações que sejam úteis para a tomada de decisões,com vistas à eliminação de fatores que tenham sido identificados comoconstrangedores de um melhor desempenho institucional, sempre com ofoco no atendimento às diretrizes governamentais e às demandas dosusuários/clientes.Os dados constantes de relatórios parciais devem ser suficientes paraque se verifique: • se os compromissos acordados no contrato de gestão são passíveis de monitoração; www.pontodosconcursos.com.br Página 21 de 69
  • 210. pág.:210 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHO • se há compromissos que apresentam falhas graves de concepção e de viabilidade de execução; • se a instituição está sendo capaz de apontar causas e conseqüências de atrasos na consecução de objetivos e metas; • se há necessidade de atuação dos supervisores do contrato junto a outras instâncias governamentais, no sentido de se buscarem melhores condições de viabilidade de atingimento dos compromissos acordados.Devem constar do relatório informações e justificativas sobre eventuaismudanças de objetivos, metas e outros fatores importantes para avaliaro desempenho institucional, que tenham ocorrido durante o períodoabrangido pelo contrato de gestão.A instituição deve se preparar para apresentar, em relatórios futuros,uma série histórica sobre seu desempenho. Se isso não for possível noprimeiro relatório anual, deve estar contemplado em relatório parcial dopróximo ano, com informações que permitam identificar, de forma clara,as relações de causa e efeito, tanto das ações da instituição, quanto deeventuais condições sobre a melhoria do desempenho. Da mesmaforma, devem ser explicitadas as causas de um desempenho emdesacordo com o pretendido.AuditoriasAuditorias deverão ser realizadas pela Secretaria Federal de Controle epelo Tribunal de Contas da União, dentro de suas programaçõesnormais, tendo por base as condições acordadas e contidas no contrato.Basicamente, se restringirão à verificação dos resultados pactuados e àutilização de recursos públicos.Autonomia & ControleVisando dotar as Agências Executivas da agilidade e da flexibilidadeindispensáveis para garantir efetividade às suas ações, no cumprimentode sua missão, o Projeto Agências Executivas prevê a concessão dealgumas autonomias como condição intrínseca ao modelo de gestão quese pretende ver implementado e mantido nas Agências.As autonomias propostas inserem-se na dimensão da gestão dosrecursos colocados à disposição das instituições, em relação a trêsáreas, basicamente: (1) orçamento e finanças; (2) gestão de recursoshumanos; e (3) serviços gerais e contratação de bens e serviços. Alógica que sustenta a proposta de ampliação da autonomia gerencial das www.pontodosconcursos.com.br Página 22 de 69
  • 211. pág.:211 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOAgências é a de que, para se responsabilizar pelos resultadosdemandados e acordados em um Contrato de Gestão e pelo uso dosrecursos públicos colocados a sua disposição (financeiros e nãofinanceiros), as instituições precisam ter um maior poder de decisãosobre os meios de atingi-los. É mais importante cobrar o .quê., deixandocargo das instituições a decisão sobre o “como”, obviamente exigindo deseus dirigentes a observância das leis. Com isso, a Administraçãopública foge de um ciclo vicioso - e perverso para a sociedade – no qualas instituições argumentam que não podem apresentar melhoresresultados porque não detêm o controle dos “meios” e os controladoresdos .meios. argumentam que não podem passar para as instituições oseu controle porque elas não apresentam resultados.No que se refere ao aspecto orçamentário-financeiro, pretende-se queas Agências Executivas tenham seu orçamento disposto de uma formamais agregada, com os recursos alocados em apenas um projeto ousubatividade, respeitada a distinção entre os grupos de despesa(pessoal e outros custeios e capital). Além disso, para que os resultadospactuados possam efetivamente ser alcançados, é preciso garantir àsinstituições que os recursos constantes do orçamento sejamefetivamente disponibilizados, afastando-se, portanto, a possibilidade decortes ou contingenciamentos que inviabilizariam a consecução doscompromissos acordados no Contrato de Gestão.Em relação à gestão de recursos humanos, busca-se uma relação comos servidores baseada no desempenho e no mérito, com a definição demecanismos financeiros de reconhecimento, como, por exemplo, aconcessão de formas de “bonificação por desempenho”. Também sepretende que as Agências Executivas contem com autorização préviapara realizar concursos e nomear os candidatos aprovados, desde queexistam vagas e recursos orçamentários necessários ao custeio dogasto. Para isso, é imprescindível que a instituição já tenha definidos osperfis profissionais requeridos para a execução de suas atividades e osquantitativos necessários.Quanto à gestão dos serviços gerais e contratação de bens e serviços,objetiva-se dotar as Agências Executivas de um mínimo essencial deautonomia de gestão. A concessão de um limite diferenciado dedispensa de licitação para contratação de serviços, compras e obras deengenharia é uma das medidas de organização administrativa quedeverão estar disponibilizadas para as Agências. Além disso, parte doesforço empreendido no sentido de dotá-las de maior autonomia eagilidade nas ações do dia-a-dia., compreende a permissão para quepossam, mediante edição de regulamento próprio, dispor sobre assuntos www.pontodosconcursos.com.br Página 23 de 69
  • 212. pág.:212 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOrelacionados a itens como: (1) opcionais de segurança a sereminstalados em veículos automotores de carga, fiscalização, pesquisa outransporte de servidores; e (2) fixação de limites para atendimento dedespesas de pequeno vulto.A dispensa, para as Agências Executivas, da obrigatoriedade de firmartermos aditivos a convênios de vigência plurianual – quando destinadosexclusivamente à indicação do crédito orçamentário que dará suporte aogasto no exercício - é, também, medida de racionalização administrativae as poupará de atividades meramente burocráticas, substituídas pelapublicidade dada às notas de movimentação de crédito ou de empenhoemitidas.As Agências Executivas deverão contar, ainda, com autonomia paraadaptar suas estruturas organizacionais às suas necessidades defuncionamento. Definidos os cargos da alta administração, seráatribuição de cada Agência, aí consideradas as suas peculiaridades deatuação, ajustar o restante da estrutura livremente, respeitando oquantitativo de cargos em comissão disponível. A critério dos Ministériossupervisores poderá, também, ser delegada ao dirigente máximo dasAgências Executivas competência para readequação ou aprovação desuas estruturas regimentais ou de seus estatutos.Reformulando o ControleEm contrapartida às medidas de organização administrativa, querepresentam um primeiro esforço no sentido da desregulamentação e darevisão de normas que afetam a gestão na administração autárquica efundacional, pretende-se a progressiva substituição de uma cultura decontroles meramente burocráticos por uma cultura de controle maiseficaz e menos oneroso, que focalize os resultados efetivamentealcançados. O Contrato de Gestão será o instrumento fundamental quepropiciará essa transição, permitindo o aperfeiçoamento e ofortalecimento da capacidade do Ministério supervisor para exercer umacompanhamento e uma avaliação efetivos do desempenho institucionaldas Agências.Os mecanismos e, mais do que isso, a filosofia de controle dasinstituições públicas que se tem hoje não atendem às necessidades eaos objetivos de um acompanhamento e uma avaliação efetivos da açãopública, porque contemplam o enfoque exclusivamente sobre o ritoburocrático, passando ao largo da questão do desempenho dasinstituições no atingimento dos resultados esperados, tanto pelo NúcleoEstratégico, quanto pela sociedade. www.pontodosconcursos.com.br Página 24 de 69
  • 213. pág.:213 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOA falta de dados sobre os resultados e impactos da ação das instituiçõesdescentralizadas conduz à impossibilidade de os Ministérios exerceremsua função de supervisão sobre as instituições a eles vinculadas e, piorainda, inviabiliza que os Ministérios avaliem o quanto as diretrizes epolíticas por eles formuladas atendem às necessidades da sociedade.Se, por um lado, o Projeto Agências Executivas propõe a ampliação daautonomia de gestão das instituições qualificadas, propõe, também, ainstituição de mecanismos que possibilitem um acompanhamentoefetivo e maior responsabilização dos dirigentes das instituições, nãoapenas com relação aos aspectos econômicos, mas, principalmente, comrelação aos resultados. Nesse aspecto, além da assinatura de umContrato de Gestão com o Ministério supervisor, as instituiçõescandidatas à qualificação como Agência Executiva deverão implementarações no sentido de atender a dois pressupostos da administraçãogerencial: (1) compartilhamento de informações e integração dosservidores no processo de planejamento; e (2) implementação demecanismos que garantam o fluxo de informações entre a instituição e asociedade, numa via de mão dupla.Nesse sentido, o Projeto Agências Executivas propõe que oacompanhamento e a avaliação das instituições sejam realizados nãoapenas pelo Estado - por meio do seu Núcleo Estratégico - mas tambémpela sociedade, introduzindo a noção de controle social daAdministração Pública.Como uma das maneiras de aproximar as instituições da sociedade, oProjeto tem como diretriz básica a publicidade de todos os atos relativosao Contrato de Gestão. Todos os documentos - contrato de gestão,relatórios de desempenho, decisões, etc. - serão, necessariamente,tornados públicos, por meio do Diário Oficial da União, da .Internet. e deoutros meios de divulgação, de forma a possibilitar sua consulta porqualquer cidadão que se interesse em acompanhar a ação da instituiçãoe seu desempenho. As instituições, por sua vez, deverão buscar outrosmecanismos de comunicação com seus clientes e usuários, não só paradar informações mas, sobretudo, para receber sugestões, críticas,dúvidas e responder a elas.Essa diretriz busca estabelecer o Estado como um espaço, ou um fórumpara o exercício da cidadania, ou seja, os cidadãos passam a poderacompanhar a atuação das instituições públicas. Esse movimento traduza idéia de que o Estado, além de ser eficiente, tem que, acima de tudo,prestar serviços adequados às necessidades da sociedade. A obrigaçãodo Estado de valorizar os recursos arrecadados ganha, assim, uma outra www.pontodosconcursos.com.br Página 25 de 69
  • 214. pág.:214 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOdimensão, que extrapola a ótica meramente financeira. Não basta aoEstado realizar sua função com o menor custo possível; é imprescindívelrealizá-la também com qualidade, atendendo às exigências dos clientese usuários, em particular, e da sociedade, de uma forma geral. A junçãodas noções de valor pelo dinheiro e extensão e qualidade do serviço edo atendimento traz, para a arena de discussão sobre a AdministraçãoPública, a questão dos resultados e dos impactos decorrentes da açãodo Estado. Conclui-se, assim, que o Estado deve atender às demandasda sociedade, qualitativa e quantitativamente e ao menor custopossível.Relatórios de DesempenhoComo principal ferramenta para o acompanhamento e avaliação doscontratos de gestão, as Agências Executivas apresentarão, comperiodicidade mínima semestral, relatórios de seu desempenho nocumprimento dos compromissos acordados no Contrato.Os relatórios terão muito mais valor se vincularem as informações sobreo desempenho alcançado à missão e aos objetivos estratégicos. Sem oentendimento desse vínculo, os usuários das informações podem nãoser capazes de julgar o progresso em direção aos resultados esperados.Os dados do relatório devem ater-se às questões cruciais, relativas aocumprimento da missão institucional, e ser apresentados de formaconcisa e compreensível, inclusive para quem não pertence à instituição.Os relatórios não devem ser inundados com dados que não interessam aseus usuários. Deve ser oferecida ampla informação, mas direcionada apropósitos específicos a cada tipo de usuário.Os relatórios, além de prestar contas sobre a atuação da instituição,precisam conter informações que sejam úteis para a tomada dedecisões, com vistas à eliminação de fatores que tenham sidoidentificados como constrangedores a um melhor desempenhoinstitucional, sempre com foco no atendimento às diretrizesgovernamentais e às necessidades dos usuários/clientes.Merecem especial atenção os dados relativos aos motivos pelos quais osprazos ou os resultados alcançados diferem, positiva ou negativamente,das metas estabelecidas. No caso de não-cumprimento das metas, essaexplicação é fundamental para que a Agência, o Ministério supervisor, oCongresso e outras instituições públicas possam decidir o que fazer. Nocaso de superação de metas, as informações poderão servir deexemplos a serem seguidos para que se alcancem resultadossemelhantes. www.pontodosconcursos.com.br Página 26 de 69
  • 215. pág.:215 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOAlém de explicitar os motivos pelos quais metas e prazos não foramcumpridos, o relatório deve conter informações sobre as ações queestão sendo, serão ou devam ser tomadas pela instituição ou por outrosórgãos para corrigir esses desvios.Os dados constantes dos relatórios parciais devem ser suficientes paraque se verifique:• se os compromissos acordados no Contrato de Gestão são passíveis demonitoração;• se há compromissos que apresentam falhas graves de concepção e deviabilidade de execução;• se a instituição está sendo capaz de apontar causas e conseqüênciasde eventuais atrasos na consecução de objetivos e metas;• se há necessidade de atuação dos supervisores do Contrato junto aoutras instâncias governamentais, no sentido de se ofereceremmelhores condições de viabilidade ao atingimento dos compromissosacordados.Devem constar dos relatórios informações e justificativas sobreeventuais mudanças de objetivos, metas e outros fatores importantespara avaliar o desempenho institucional, que tenham ocorrido durante operíodo abrangido pelo Contrato de Gestão.A instituição deve se preparar para apresentar, em relatórios futuros,uma série histórica sobre seu desempenho. Se isso não for possível noprimeiro relatório anual, deve estar contemplado em relatório parcial doano subseqüente, com informações que permitam identificar, de formaclara, as relações de causa e efeito, tanto das ações da instituição,quanto dos níveis de autonomia sobre a melhoria do desempenho. Damesma forma, devem ser explicitadas as causas de um desempenho emdesacordo com o pretendido.A avaliação oficial do desempenho da instituição deverá ser efetuada porum comitê de avaliação, onde estarão representados o Ministériosupervisor, o MARE, como gestor do Projeto Agências Executivas, osistema de controle interno do Governo Federal, podendo ainda estaremrepresentados os usuários/clientes e outras instituições, governamentaisou não, que, de alguma forma, impactem ou sejam impactados pelaatuação da agência.Os relatórios de desempenho a serem apresentados pela agênciaservirão de insumo para a avaliação do comitê. www.pontodosconcursos.com.br Página 27 de 69
  • 216. pág.:216 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOAgências reguladorasMaterializando o princípio da descentralização elencado no Decreto n. º200/67, as agências reguladoras foram instituídas com o intuito deotimizar tarefas típicas (indelegáveis para o setor privado) de Estado,em especial, a de fiscalizar. Assim, são constituídas sob a forma deautarquias (pessoas jurídicas de direito público) e, por delegação doEstado, fiscalizam, mormente, a execução de serviços repassados aosetor privado por meio de concessões, atestando a qualidade dosserviços prestados ao contribuinte e verificando a razoabilidade dosvalores cobrados. Dotadas de autonomia financeira e orçamentária, têmreceita própria e normas de aplicação particulares, muito emboraestejam sujeitas ao processo licitatório.No Brasil, as agências são criadas individualmente, tendo suaspeculiaridades regulamentadas dessa mesma forma. Apenas no que dizrespeito à política de pessoal, a Lei n. º 9.986/2000 regulamenta oassunto de forma mais ou menos geral.ProdutividadeA qualidade total e a produtividade assumiram em anos recentes umaimportância muito grande entre as técnicas administrativas. Este planoreconhece essa importância, mas entende que estas técnicas são umgrande avanço se lograrem, a nível operacional, uma qualidade maiordos serviços, dentro da filosofia do erro zero, e uma maior cooperaçãoentre funcionários e administradores. A nível mais geral, a estratégia daadministração pública gerencial é a fundamental, devendo subordinar-sea ela o programa da qualidade e da produtividade, que, no setorpúblico, é preferível chamar de programa da qualidade e daparticipação.Nova Política de Recursos HumanosA pública que preparação da nova administração surgirá das reformasem curso passa necessária e essencialmente pela profissionalização epela valorização do servidor público. Assim, uma nova política derecursos humanos deverá ser formulada para atender aos papéisadicionais do Estado de caráter regulatório e de articulação dos agenteseconômicos, sociais e políticos, além do aprimoramento na prestaçãodos serviços públicos.A adequação dos recursos humanos constitui-se, desta forma, em tarefaprioritária neste contexto de mudança, exigindo uma política que oriente www.pontodosconcursos.com.br Página 28 de 69
  • 217. pág.:217 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOdesde a captação de novos servidores, o desenvolvimento de pessoal,um sistema remuneratório adequado que estimule o desempenhoatravés de incentivos, e a instituição de carreiras compatíveis com asnecessidades do aparelho do Estado modernizado.Com relação às carreiras, elas podem ser classificadas em carreiras deEstado, formadas principalmente por servidores estatutários no núcleoestratégico do Estado, e carreiras de empregados celetistas, utilizadasna administração indireta e nos serviços operacionais inclusive do núcleoestratégico.Os planos de carreira serão estruturados em classes hierarquizadassegundo a natureza e a complexidade das tarefas, fazendo-se adistribuição escalonada dos cargos e empregos entre as classes e apromoção na carreira será baseada em avaliação de desempenho eaprovação em cursos específicos.A organização das carreiras atenderá as necessidades da administraçãoe será baseada nas atribuições dos cargos, buscando-se, sempre quepossível, o enriquecimento do trabalho, especialmente nas áreas deatividades rotineiras, podendo ser genéricas, quando vinculadas aoexercício de atividades comuns de toda administração, ou específicas deum ou mais órgãos ou entidades, dependendo das atribuições.Juntamente com a estruturação das carreiras deverá ser desenvolvidauma política de concursos regulares que permita uma lotação adequadaao pleno desenvolvimento das atividades e a recomposição regular epermanente da sua força de trabalho. Os concursos para as principaiscarreiras serão realizados anualmente. Portaria do MARE determinará arealização dos concursos, o número de vagas, e o mês de sua realizaçãoaté 1999.Quanto à aposentadoria e programa de saúde dos servidores públicos, oprojeto propõe uma nova regulamentação para os benefícios quecompõem a seguridade social do servidor público, notadamente no quediz respeito aos critérios de concessão da aposentadoria, os quaisdeverão pautar-se pelos princípios gerais que regem o Regime Geral daPrevidência Social, quais sejam: a) delimitação do prazo de carência; b)proporcionalidade no que tange à quantidade de contribuições e seusvalores versus o valor do benefício da aposentadoria; e c) manutençãode aposentadorias especiais para servidores envolvidos em atividadespenosas, insalubres e perigosas. Desta forma, pretende-se rever oscritérios de concessão e os valores e formas de reajuste das pensões.Assim, busca-se reduzir a pressão existente sobre o Tesouro Nacional noque se refere ao pagamento dos inativos e pensionistas, extinguindo-se www.pontodosconcursos.com.br Página 29 de 69
  • 218. pág.:218 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOaquelas vantagens que são distorcidas e não coadunam mais com arealidade, sendo passíveis de reprovação pela sociedade. Este projetopropõe, também, a criação de formas de financiamento adequadas parao Programa de Atenção Integral à Saúde do servidor e seusdependentes.Valorização do Servidor para a CidadaniaEste projeto tem como objetivo resgatar os talentos individuais epromover sinergia dos grupos e organizações que constituem aAdministração Pública Federal, visando oferecer ao cidadão brasileiroserviços de melhor qualidade e maior prontidão às suas demandas.Pretende-se: (1) criar condições psicossociais necessárias aofortalecimento do espírito empreendedor do serviço público, conjugadaao comportamento ético e ao desempenho eficiente; (2) reforçar osentido de missão e o comprometimento do servidor público para com aprestação de serviços de melhor qualidade para o cidadão, e (3) obtermaior satisfação do servidor público com o seu trabalho e com suaqualidade de vida.O projeto será implantado gradativamente através da ação participativa,de modo que os próprios servidores assumam sua implementação noregime de co-gestão. Serão constituídas equipes de mobilização emcada Ministério, e um núcleo central de mobilização, além da formaçãode consultores internos para fornecer orientação metodológica.Desenvolvimento de Recursos HumanosEste projeto deverá ser implementado pelas diversas escolas deadministração pública do Estado, como forma de viabilizar a estratégiade modernização da gestão pública. Tem como objetivo a formação ecapacitação dos servidores públicos para o desenvolvimento de umaadministração pública ágil e eficiente.O novo modelo de operação das áreas de treinamento prevê asseguintes iniciativas: (1) um núcleo básico com texto-síntese dosvalores que compõem o novo paradigma da gestão governamental; (2)uma área de tecnologia educacional para apoiar a atividade pedagógica;(3) novos instrumentos de avaliação, a partir da revisão dos utilizadosna avaliação da reação, e novos instrumentos que permitam avaliar oimpacto do treinamento.Neste contexto, a programação dos cursos deverá enfatizar temas comonovas estratégias de gestão pública, desenvolvimento gerencial e derecursos humanos orientados para a introdução da administração www.pontodosconcursos.com.br Página 30 de 69
  • 219. pág.:219 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOgerencial, atendimento ao público, além de treinamento na utilização datecnologia de informações, que será ferramenta básica naimplementação dos programas de reforma do aparelho do Estado.Aspectos sociais, econômicos e políticos que condicionam aAdministração PúblicaUma breve reflexão sobre a evolução da administração públicaA seguir, serão reproduzidos os principais conceitos trabalhados noPlano Diretor da Reforma do Aparelho do Estado, elaborado em 1995durante o governo FHC. Lá constam os alicerces do modelo quecomeçou a ser implementado com vistas à modernização burocraciabrasileira, implantada por Vargas na primeira metade do século. Umavez que as questões que tratam do assunto normalmente fazemreferência a este documento, houvemos por bem elaborarmos um breveresumo, com vistas a orientar sua leitura para os aspectos maissignificativos.Tendo em vista as práticas patrimonialistas (rent-seeking ouprivatização do Estado - leia-se: usar a máquina administrativa com finsprivados, escusos) correntes em nossa cultura, Vargas optou pelaadoção de um modelo que pautasse pelo controle minucioso dasatividades-meio. Ou seja, para “colocar ordem na casa”, buscoureferências no modelo idealizado por Weber, acreditando que aburocracia, dado seu caráter rígido e hierarquizado, poderia ordenar amáquina administrativa em nosso País. Está, aí, o primeiro modeloestruturado de administração do Brasil. Para facilitar suaimplementação, contou com o apoio do DASP, departamentoadministrativo do setor público, extinto há pouco tempo atrás sem,infelizmente, ter logrado êxito em sua missão (se a burocracia tivessefuncionado, em tese as práticas patrimonialistas teriam sido suprimidas,o que parece não ter ocorrido). Nessa época, em virtude dadesconfiança total que havia no servidor público, o modelo burocráticorevelava-se ser o mais adaptado. Com isso, Vargas almejavabasicamente três coisas: criar uma estrutura administrativa organizada,uniforme, estabelecer uma política de pessoal com base no mérito(motivo pelo qual Joaquim Nabuco foi “convidado”) e acabar com onepotismo e corrupção existentes. www.pontodosconcursos.com.br Página 31 de 69
  • 220. pág.:220 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOCom o passar do tempo, percebeu-se que a burocracia, se exacerbadaem suas características, revela-se um modelo pouco flexível,inadequado em cenários dinâmicos, que exigem agilidade. A partir daí, épossível identificar diversas tentativas de “desburocratizar a máquina: acriação do COSB - Comitê de Simplificação da Burocracia, da SEMOR -Secretaria de Modernização da Reforma Administrativa, o Decreto-Lei200 de 1967, o PND - Programa Nacional de Desburocratização e aindaoutros de menor vulto que, infelizmente, não tiveram o sucessodesejado. Até que em 1995, com a edição do plano diretor, começa aimplantação, no Brasil do chamado modelo gerencial.O modelo gerencial, em sua fase inicial, implica em administrar a respublica de forma semelhante ao setor privado, de forma eficiente, com autilização de ferramentas que consigam maximizar a riqueza doacionista, ou a satisfação do usuário (considerando-se a realidade doserviço público). Nesse sentido, buscar-se-á a adoção de uma posturamais empresarial, empreendedora, aberta a novas idéias e voltada parao incremento na geração de receitas e no maior controle dos gastospúblicos.Esse modelo é melhor entendido considerando o cenário em que foiconcebido: no plano econômico, dada a crise do petróleo na década de70, esgotaram-se as condições que viabilizavam a manutenção doWelfare State (Estado de Bem-Estar Social), onde prevalecia oentendimento de que cabia ao Estado proporcionar uma gama enormede serviços à população, respondendo esse por saúde, educação,habitação, etc. A partir daí, começa a ser difundida a idéia de devoluçãoao setor privado daqueles serviços que o Poder Público não temcondições de prestar com eficiência (privatizações), devendo o Estadodesenvolver aquilo que cabe intrinsecamente a ele fazer (Diplomacia,Segurança, Fiscalização, etc). O Estado Mínimo volta a ganhar força...Ou seja, o que propôs, na verdade, foi a quebra de um paradigma, aredefinição do que caberia efetivamente ao Estado fazer e o que deveriaser delegado ao setor privado. Como referência, é possível citar a obrade Osborne & Gaebler, “Reinventando o Governo”, onde são destacadosprincípios a serem observados na construção deste modelo, tais como: 1. Formação de parcerias; 2. Foco em resultados; 3. Visão estratégica; 4. Estado catalisador, ao invés de remador; 5. Visão compartilhada; e 6. Busca da excelência. www.pontodosconcursos.com.br Página 32 de 69
  • 221. pág.:221 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOAssim, o modelo gerencial (puro, inicial), buscou responder com maioragilidade e eficiência os anseios da sociedade, insatisfeita com osserviços recebidos do setor público. Tal modelo, contudo, representou oinício do Managerialism, que, atualmente, congrega ainda, duascorrentes: o Consumerism e o Public Service Orientation - PSO.Se tivermos em mente um continuum, é possível inferir que o aadministração gerencial evoluiu do Managerialism para o PSO, semcontudo ser possível afirmar que o PSO representa a versão final daadministração gerencial.As principais diferenças podem ser percebidas no quadro abaixo,proposto por Fernando Luiz Abrúcio, no caderno n. º 10 da ENAP:Modelo gerencial puro Consumerism Public Service OrientationEconomia/Eficiência Efetividade/Qualidade Accountability/EqüidadeTaxpayers Clientes/Consumidores Cidadãos(contribuintes)A preocupação primeira do modelo gerencial, conforme o quadro nosinforma, foi o incremento da eficiência, tendo em vista as disfunções domodelo burocrático. Nessa fase, o usuário do serviço público é visto tãosomente como o financiador do sistema.No Consumerism, há o incremento na busca pela qualidade, decorrenteda mudança do modo de ver o usuário do serviço, de mero paracontribuinte para cliente consumidor de serviços públicos. Nessemomento, há uma alteração no foco da organização: a burocracia, quenormalmente é auto-referenciada, ou seja, voltada para si mesma,passa a observar com maior cuidado a razão de sua existência: asatisfação de seu consumidor. Com isso, buscar-se-á conhecê-lo, pormeio, dentre outras coisas, de pesquisas de opinião e procurar-se-áproporcionar um atendimento diferenciado com vistas ao atendimentode necessidades individualizadas.Na fase mais recente, o entendimento de que o usuário do serviço deveser visto como cliente-consumidor perdeu força, principalmente porquea idéia de consumidor poderia levar a um atendimento melhor paraalguns e pior para outros, num universo em que todos têm os mesmosdireitos. É possível perceber isso quando levamos em consideração queclientes melhores organizados e estruturados teriam mais poder parapleitear mais ou melhores serviços, culminando em prejuízo para os www.pontodosconcursos.com.br Página 33 de 69
  • 222. pág.:222 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOmenos estruturados. Por isso, nesta abordagem é preferível o uso doconceito de cidadão, que ao invés de buscar a sua satisfação, estariavoltado para a consecução do bem-comum. Com isso, o que se busca éa eqüidade, ou seja, o tratamento igual a todos os que se encontram emsituações equivalentes.Nesse diapasão, os cidadãos teriam, além de direitos, obrigaçõesperante à sociedade, tais como a fiscalização da res publica, vindo acobrar, inclusive, que os maus gestores sejam responsabilizados(accountability) por atos praticados com inobservância da Legislação oudo interesse público.(PLANO DIRETOR)Estado e sociedade formam, numa democracia, um todo indivisível. OEstado, cuja competência e limites de atuação estão definidosprecipuamente na Constituição, deriva seu poder de legislar e detributar a população, da legitimidade que lhe outorga a cidadania, viaprocesso eleitoral. A sociedade, por seu turno, manifesta seus anseios edemandas por canais formais ou informais de contacto com asautoridades constituídas. É pelo diálogo democrático entre o Estado e asociedade que se definem as prioridades a que o Governo deve ater-separa a construção de um País mais próspero e justo.Nos últimos anos, assistimos em todo o mundo a um debate acalorado -ainda longe de concluído - sobre o papel que o Estado devedesempenhar na vida contemporânea e o grau de intervenção que deveter na economia. No Brasil, o tema adquire relevância particular, tendoem vista que o Estado, em razão do modelo de desenvolvimentoadotado, desviou-se de suas funções precípuas para atuar com grandeênfase na esfera produtiva. Essa maciça interferência do Estado nomercado acarretou distorções crescentes neste último, que passou aconviver com artificialismos que se tornaram insustentáveis na décadade 90. Sem dúvida, num sistema capitalista, Estado e mercado, diretaou indiretamente, são as duas instituições centrais que operam nacoordenação dos sistemas econômicos. Dessa forma, se uma delasapresenta funcionamento irregular, é inevitável que nos depararemoscom uma crise. Foi assim nos anos 20 e 30, em que claramente foi omau funcionamento do mercado que trouxe em seu bojo uma criseeconômica de grandes proporções. Já nos anos 80, é a crise do Estadoque põe em cheque o modelo econômico em vigência.É importante ressaltar que a redefinição do papel do Estado é um temade alcance universal nos anos 90. No Brasil esta questão adquiriu www.pontodosconcursos.com.br Página 34 de 69
  • 223. pág.:223 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOimportância decisiva, tendo em vista o peso da presença do Estado naeconomia nacional: tornou-se, conseqüentemente, inadiável equacionara questão da reforma ou da reconstrução do Estado, que já nãoconsegue atender com eficiência a sobrecarga de demandas a eledirigidas, sobretudo na área social. A reforma do Estado não é, assim,um tema abstrato: ao contrário, é algo cobrado pela cidadania, que vêfrustrada suas demandas e expectativas.A crise do Estado teve início nos anos 70, mas só nos anos 80 se tornouevidente. Paralelamente ao descontrole fiscal, diversos países passarama apresentar redução nas taxas de crescimento econômico, aumento dodesemprego e elevados índices de inflação. Após várias tentativas deexplicação, tornou-se claro afinal que a causa da desaceleraçãoeconômica nos países desenvolvidos e dos graves desequilíbrios naAmérica Latina e no Leste Europeu era a crise do Estado, que nãosoubera processar de forma adequada a sobrecarga de demandas a eledirigidas. A desordem econômica expressava agora a dificuldade doEstado em continuar a administrar as crescentes expectativas emrelação à política de bem-estar aplicada com relativo sucesso no pós-guerra.A Primeira Grande Guerra Mundial e a Grande Depressão foram o marcoda crise do mercado e do Estado Liberal. Surge em seu lugar um novoformato de Estado, que assume um papel decisivo na promoção dodesenvolvimento econômico e social. A partir desse momento, o Estadopassa a desempenhar um papel estratégico na coordenação daeconomia capitalista, promovendo poupança forçada, alavancando odesenvolvimento econômico, corrigindo as distorções do mercado egarantindo uma distribuição de renda mais igualitária.Não obstante, nos últimos 20 anos esse modelo mostrou-se superado,vítima de distorções decorrentes da tendência observada em grupos deempresários e de funcionários, que buscam utilizar o Estado em seupróprio benefício, e vítima também da aceleração do desenvolvimentotecnológico e da globalização da economia mundial, que tornaram acompetição entre as nações muito mais aguda. A crise do Estado define-se então (1) como uma crise fiscal, caracterizada pela crescente perdado crédito por parte do Estado e pela poupança pública que se tornanegativa; (2) o esgotamento da estratégia estatizante de intervenção doEstado, a qual se reveste de várias formas: o Estado do bem-estarsocial nos países desenvolvidos, a estratégia de substituição deimportações no terceiro mundo, e o estatismo nos países comunistas; e(3) a superação da forma de administrar o Estado, isto é, a superaçãoda administração pública burocrática. www.pontodosconcursos.com.br Página 35 de 69
  • 224. pág.:224 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHONo Brasil, embora esteja presente desde os anos 70, a crise do Estadosomente se tornará clara a partir da segunda metade dos anos 80. Suasmanifestações mais evidentes são a própria crise fiscal e o esgotamentoda estratégia de substituição de importações, que se inserem numcontexto mais amplo de superação das formas de intervençãoeconômica e social do Estado. Adicionalmente, o aparelho do Estadoconcentra e centraliza funções, e se caracteriza pela rigidez dosprocedimentos e pelo excesso de normas e regulamentos.A reação imediata à crise - ainda nos anos 80, logo após a transiçãodemocrática - foi ignorá-la. Uma segunda resposta igualmenteinadequada foi a neoliberal, caracterizada pela ideologia do Estadomínimo. Ambas revelaram-se irrealistas: a primeira, porque subestimoutal desequilíbrio; a segunda, porque utópica. Só em meados dos anos 90surge uma resposta consistente com o desafio de superação da crise: aidéia da reforma ou reconstrução do Estado, de forma a resgatar suaautonomia financeira e sua capacidade de implementar políticaspúblicas.Neste sentido, são inadiáveis: (1) o ajustamento fiscal duradouro; (2)reformas econômicas orientadas para o mercado, que, acompanhadasde uma política industrial e tecnológica, garantam a concorrência internae criem as condições para o enfrentamento da competição internacional;(3) a reforma da previdência social; (4) a inovação dos instrumentos depolítica social, proporcionando maior abrangência e promovendo melhorqualidade para os serviços sociais; e (5) a reforma do aparelho doEstado, com vistas a aumentar sua "governança", ou seja, suacapacidade de implementar de forma eficiente políticas públicas.Cabe aos ministérios da área econômica, particularmente aos daFazenda e do Planejamento, proporem alternativas com vistas à soluçãoda crise fiscal. Aos ministérios setoriais compete rever as políticaspúblicas, em consonância com os novos princípios do desenvolvimentoeconômico e social. A atribuição do Ministério da Administração Federale Reforma do Estado é estabelecer as condições para que o governopossa aumentar sua governança. Para isso, sua missão específica é a deorientar e instrumentalizar a reforma do aparelho do Estado.Estrutura Organizacional do Estado: Três poderesEntende-se por aparelho do Estado a administração pública em sentidoamplo, ou seja, a estrutura organizacional do Estado, em seus trêspoderes (Executivo, Legislativo e Judiciário) e três níveis (União,Estados-membros e Municípios). O aparelho do Estado é constituído pelo www.pontodosconcursos.com.br Página 36 de 69
  • 225. pág.:225 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOgoverno, isto é, pela cúpula dirigente nos Três Poderes, por um corpo defuncionários, e pela força militar. O Estado, por sua vez, é maisabrangente que o aparelho, porque compreende adicionalmente osistema constitucional-legal, que regula a população nos limites de umterritório. O Estado é a organização burocrática que tem o monopólio daviolência legal, é o aparelho que tem o poder de legislar e tributar apopulação de um determinado território.Estes conceitos permitem distinguir a reforma do Estado da reforma doaparelho do Estado. A reforma do Estado é um projeto amplo que dizrespeito às varias áreas do governo e, ainda, ao conjunto da sociedadebrasileira, enquanto que a reforma do aparelho do Estado tem umescopo mais restrito: está orientada para tornar a administração públicamais eficiente e mais voltada para a cidadania.A reforma do Estado deve ser entendida dentro do contexto daredefinição do papel do Estado, que deixa de ser o responsável diretopelo desenvolvimento econômico e social pela via da produção de bens eserviços, para fortalecer-se na função de promotor e regulador dessedesenvolvimento. No plano econômico o Estado é essencialmente uminstrumento de transferências de renda, que se torna necessário dada aexistência de bens públicos e de economias externas, que limitam acapacidade de alocação de recursos do mercado. Para realizar essafunção redistribuidora ou realocadora o Estado coleta impostos e osdestina aos objetivos clássicos de garantia da ordem interna e dasegurança externa, aos objetivos sociais de maior justiça ou igualdade,e aos objetivos econômicos de estabilização e desenvolvimento. Pararealizar esses dois últimos objetivos, que se tornaram centrais nesteséculo, o Estado tendeu a assumir funções diretas de execução. Asdistorções e ineficiências que daí resultaram deixaram claro, entretanto,que reformar o Estado significa transferir para o setor privado asatividades que podem ser controladas pelo mercado. Daí a generalizaçãodos processos de privatização de empresas estatais. Neste plano,entretanto, salientaremos um outro processo tão importante quanto, eque no entretanto não está tão claro: a descentralização para o setorpúblico não-estatal da execução de serviços que não envolvem oexercício do poder de Estado, mas devem ser subsidiados pelo Estado,como é o caso dos serviços de educação, saúde, cultura e pesquisacientífica. Chamaremos a esse processo de "publicização".Governança e Governabilidade www.pontodosconcursos.com.br Página 37 de 69
  • 226. pág.:226 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOA reforma do Estado envolve múltiplos aspectos. O ajuste fiscal devolveao Estado a capacidade de definir e implementar políticas públicas.Através da liberalização comercial, o Estado abandona a estratégiaprotecionista da substituição de importações. O programa deprivatizações reflete a conscientização da gravidade da crise fiscal e dacorrelata limitação da capacidade do Estado de promover poupançaforçada através das empresas estatais. Através desse programatransfere-se para o setor privado a tarefa da produção que, emprincípio, este realiza de forma mais eficiente. Finalmente, através deum programa de publicização, transfere-se para o setor público não-estatal a produção dos serviços competitivos ou não-exclusivos deEstado, estabelecendo-se um sistema de parceria entre Estado esociedade para seu financiamento e controle.Deste modo o Estado reduz seu papel de executor ou prestador diretode serviços, mantendo-se entretanto no papel de regulador e provedorou promotor destes, principalmente dos serviços sociais como educaçãoe saúde, que são essenciais para o desenvolvimento, na medida em queenvolvem investimento em capital humano; para a democracia, namedida em que promovem cidadãos; e para uma distribuição de rendamais justa, que o mercado é incapaz de garantir, dada a oferta muitosuperior à demanda de mão-de-obra não-especializada. Como promotordesses serviços o Estado continuará a subsidiá-los, buscando, ao mesmotempo, o controle social direto e a participação da sociedade.Nesta nova perspectiva, busca-se o fortalecimento das funções deregulação e de coordenação do Estado, particularmente no nível federal,e a progressiva descentralização vertical, para os níveis estadual emunicipal, das funções executivas no campo da prestação de serviçossociais e de infra-estrutura.Considerando esta tendência, pretende-se reforçar a governança - acapacidade de governo do Estado - através da transição programada deum tipo de administração pública burocrática, rígida e ineficiente,voltada para si própria e para o controle interno, para umaadministração pública gerencial, flexível e eficiente, voltada para oatendimento do cidadão. O governo brasileiro não carece de"governabilidade", ou seja, de poder para governar, dada sualegitimidade democrática e o apoio com que conta na sociedade civil.Enfrenta, entretanto, um problema de governança, na medida em quesua capacidade de implementar as políticas públicas é limitada pelarigidez e ineficiência da máquina administrativa. www.pontodosconcursos.com.br Página 38 de 69
  • 227. pág.:227 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOAs Três Formas de Administração PúblicaA reforma do aparelho do Estado tornou-se imperativa nos anos 90 poruma segunda razão. Não apenas ela se constituiu em uma resposta àcrise generalizada do Estado, mas também está sendo caracterizadacomo uma forma de defender o Estado enquanto res publica, enquantocoisa pública, enquanto patrimônio que, sendo público, é de todos epara todos.A defesa da coisa pública vem sendo realizada nas democraciasmodernas em dois níveis distintos: o nível político e o administrativo. Nonível político temos as instituições fundamentais da democracia, atravésdas quais se defendem não apenas os direitos individuais e sociais doscidadãos, mas também os "direitos públicos" à participação igualitáriana coisa pública. As eleições livres e a liberdade de pensamento e deimprensa são formas de defender o cidadão e a coisa pública. Aexplicitação dos direitos públicos ao patrimônio que é de todos é umpasso que está hoje sendo dado em todo o mundo. A denúncia da"privatização" do Estado pela esquerda corresponde à denúncia dadireita de que o Estado e a sociedade estão sendo vítimas da práticageneralizada do "rent seeking", da busca de rendas ou vantagens extra-mercados para grupos determinados através do controle do Estado.Ainda no plano democrático, a prática cada vez mais freqüente daparticipação e controle direto da administração pública pelos cidadãos,principalmente no nível local, é uma nova forma de defender a coisapública.No plano administrativo, a administração pública burocrática surgiu noséculo passado conjuntamente com o Estado liberal, exatamente comouma forma de defender a coisa pública contra o patrimonialismo. Namedida, porém, em que o Estado assumia a responsabilidade peladefesa dos direitos sociais e crescia em dimensão, foi-se percebendoque os custos dessa defesa podiam ser mais altos que os benefícios docontrole. Por isso, neste século as práticas burocráticas vêm sendosubstituídas por um novo tipo de administração: a administraçãogerencial.A reforma do aparelho do Estado não pode ser concebida fora daperspectiva de redefinição do papel do Estado e, portanto, pressupõe oreconhecimento prévio das modificações observadas em suasatribuições ao longo do tempo. Desta forma, partindo-se de umaperspectiva histórica, verificamos que a administração pública - cujosprincípios e características não devem ser confundidos com os daadministração das empresas privadas - evoluiu através de três modelosbásicos: a administração pública patrimonialista, a burocrática e a www.pontodosconcursos.com.br Página 39 de 69
  • 228. pág.:228 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOgerencial. Estas três formas se sucedem no tempo, sem que, noentanto, qualquer uma delas seja inteiramente abandonada.Administração Pública Patrimonialista - No patrimonialismo, oaparelho do Estado funciona como uma extensão do poder do soberano,e os seus auxiliares, servidores, possuem status de nobreza real. Oscargos são considerados prebendas. A res publica não é diferenciada dasres principis. Em conseqüência, a corrupção e o nepotismo são inerentesa esse tipo de administração. No momento em que o capitalismo e ademocracia se tornam dominantes, o mercado e a sociedade civilpassam a se distinguir do Estado. Neste novo momento histórico, aadministração patrimonialista torna-se uma excrescência inaceitável.Administração Pública Burocrática - Surge na segunda metade doséculo XIX, na época do Estado liberal, como forma de combater acorrupção e o nepotismo patrimonialista. Constituem princípiosorientadores do seu desenvolvimento a profissionalização, a idéia decarreira, a hierarquia funcional, a impessoalidade, o formalismo, emsíntese, o poder racional-legal. Os controles administrativos visandoevitar a corrupção e o nepotismo são sempre a priori. Parte-se de umadesconfiança prévia nos administradores públicos e nos cidadãos que aeles dirigem demandas. Por isso são sempre necessários controlesrígidos dos processos, como por exemplo na admissão de pessoal, nascompras e no atendimento a demandas.Por outro lado, o controle - a garantia do poder do Estado - transforma-se na própria razão de ser do funcionário. Em conseqüência, o Estadovolta-se para si mesmo, perdendo a noção de sua missão básica, que éservir à sociedade. A qualidade fundamental da administração públicaburocrática é a efetividade no controle dos abusos; seu defeito, aineficiência, a auto-referência, a incapacidade de voltar-se para oserviço aos cidadãos vistos como clientes. Este defeito, entretanto, nãose revelou determinante na época do surgimento da administraçãopública burocrática porque os serviços do Estado eram muito reduzidos.O Estado limitava-se a manter a ordem e administrar a justiça, agarantir os contratos e a propriedade.Administração Pública Gerencial - Emerge na segunda metade doséculo XX, como resposta, de um lado, à expansão das funçõeseconômicas e sociais do Estado, e, de outro, ao desenvolvimentotecnológico e à globalização da economia mundial, uma vez que ambosdeixaram à mostra os problemas associados à adoção do modeloanterior. A eficiência da administração pública - a necessidade dereduzir custos e aumentar a qualidade dos serviços, tendo o cidadãocomo beneficiário - torna-se então essencial. A reforma do aparelho do www.pontodosconcursos.com.br Página 40 de 69
  • 229. pág.:229 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOEstado passa a ser orientada predominantemente pelos valores daeficiência e qualidade na prestação de serviços públicos e pelodesenvolvimento de uma cultura gerencial nas organizações.A administração pública gerencial constitui um avanço e até um certoponto um rompimento com a administração pública burocrática. Isto nãosignifica, entretanto, que negue todos os seus princípios. Pelo contrário,a administração pública gerencial está apoiada na anterior, da qualconserva, embora flexibilizando, alguns dos seus princípiosfundamentais, como a admissão segundo rígidos critérios de mérito, aexistência de um sistema estruturado e universal de remuneração, ascarreiras, a avaliação constante de desempenho, o treinamentosistemático. A diferença fundamental está na forma de controle, quedeixa de basear-se nos processos para concentrar-se nos resultados, enão na rigorosa profissionalização da administração pública, quecontinua um princípio fundamental.Na administração pública gerencial a estratégia volta-se (1) para adefinição precisa dos objetivos que o administrador público deveráatingir em sua unidade, (2) para a garantia de autonomia doadministrador na gestão dos recursos humanos, materiais e financeirosque lhe forem colocados à disposição para que possa atingir os objetivoscontratados, e (3) para o controle ou cobrança a posteriori dosresultados. Adicionalmente, pratica-se a competição administrada nointerior do próprio Estado, quando há a possibilidade de estabelecerconcorrência entre unidades internas. No plano da estruturaorganizacional, a descentralização e a redução dos níveis hierárquicostornam-se essenciais. Em suma, afirma-se que a administração públicadeve ser permeável à maior participação dos agentes privados e/ou dasorganizações da sociedade civil e deslocar a ênfase dos procedimentos(meios) para os resultados (fins).A administração pública gerencial inspira-se na administração deempresas, mas não pode ser confundida com esta última. Enquanto areceita das empresas depende dos pagamentos que os clientes fazemlivremente na compra de seus produtos e serviços, a receita do Estadoderiva de impostos, ou seja, de contribuições obrigatórias, semcontrapartida direta. Enquanto o mercado controla a administração dasempresas, a sociedade - por meio de políticos eleitos - controla aadministração pública. Enquanto a administração de empresas estávoltada para o lucro privado, para a maximização dos interesses dosacionistas, esperando-se que, através do mercado, o interesse coletivoseja atendido, a administração pública gerencial está explícita ediretamente voltada para o interesse público. www.pontodosconcursos.com.br Página 41 de 69
  • 230. pág.:230 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHONeste último ponto, como em muitos outros (profissionalismo,impessoalidade, etc.), a administração pública gerencial não sediferencia da administração pública burocrática. Na burocracia públicaclássica existe uma noção muito clara e forte do interesse público. Adiferença, porém, está no entendimento do significado do interessepúblico, que não pode ser confundido com o interesse do próprio Estado.Para a administração pública burocrática, o interesse público éfreqüentemente identificado com a afirmação do poder do Estado. Aoatuarem sob este princípio, os administradores públicos terminam pordirecionar uma parte substancial das atividades e dos recursos doEstado para o atendimento das necessidades da própria burocracia,identificada com o poder do Estado. O conteúdo das políticas públicas érelegado a um segundo plano. A administração pública gerencial negaessa visão do interesse público, relacionando-o com o interesse dacoletividade e não com o do aparato do Estado.A administração pública gerencial vê o cidadão como contribuinte deimpostos e como cliente dos seus serviços. Os resultados da ação doEstado são considerados bons não porque os processos administrativosestão sob controle e são seguros, como quer a administração públicaburocrática, mas porque as necessidades do cidadão-cliente estão sendoatendidas.O paradigma Pós-BurocráticoO paradigma gerencial contemporâneo, fundamentado nos princípios daconfiança e da descentralização da decisão, exige formas flexíveis degestão, horizontalização de estruturas, descentralização de funções,incentivos à criatividade. Contrapõe-se à ideologia do formalismo e dorigor técnico da burocracia tradicional. À avaliação sistemática, àrecompensa pelo desempenho, e à capacitação permanente, que jáeram características da boa administração burocrática, acrescentam-seos princípios da orientação para o cidadão-cliente, do controle porresultados, e da competição administrada.No presente momento, uma visão realista da reconstrução do aparelhodo Estado em bases gerenciais deve levar em conta a necessidade deequacionar as assimetrias decorrentes da persistência de aspectospatrimonialistas na administração contemporânea, bem como dosexcessos formais e anacronismos do modelo burocrático tradicional.Para isso, é fundamental ter clara a dinâmica da administração racional-legal ou burocrática. Não se trata simplesmente de descartá-la, mas simde considerar os aspectos em que está superada, e as características www.pontodosconcursos.com.br Página 42 de 69
  • 231. pág.:231 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOque ainda se mantêm válidas como formas de garantir efetividade àadministração pública.O modelo gerencial tornou-se realidade no mundo desenvolvido quando,através da definição clara de objetivos para cada unidade daadministração, da descentralização, da mudança de estruturasorganizacionais e da adoção de valores e de comportamentos modernosno interior do Estado, se revelou mais capaz de promover o aumento daqualidade e da eficiência dos serviços sociais * oferecidos pelo setorpúblico.BREVE HISTÓRICOA Reforma do DASPNo Brasil, o modelo de administração burocrática emerge a partir dosanos 30. Surge no quadro da aceleração da industrialização brasileira,em que o Estado assume papel decisivo, intervindo pesadamente nosetor produtivo de bens e serviços. A partir da reforma empreendida nogoverno Vargas por Maurício Nabuco e Luiz Simões Lopes, aadministração pública sofre um processo de racionalização que setraduziu no surgimento das primeiras carreiras burocráticas e natentativa de adoção do concurso como forma de acesso ao serviçopúblico. A implantação da administração pública burocrática é umaconseqüência clara da emergência de um capitalismo moderno no país.Com o objetivo de realizar a modernização administrativa, foi criado oDepartamento Administrativo do Serviço Público - DASP, em 1936. Nosprimórdios, a administração pública sofre a influência da teoria daadministração científica de Taylor, tendendo à racionalização mediante asimplificação, padronização e aquisição racional de materiais, revisão deestruturas e aplicação de métodos na definição de procedimentos.Registra-se que, neste período, foi instituída a função orçamentáriaenquanto atividade formal e permanentemente vinculada aoplanejamento.No que diz respeito à administração dos recursos humanos, o DASPrepresentou a tentativa de formação da burocracia nos moldesweberianos, baseada no princípio do mérito profissional. Entretanto,embora tenham sido valorizados instrumentos importantes à época, taiscomo o instituto do concurso público e do treinamento, não se chegou aadotar consistentemente uma política de recursos humanos querespondesse às necessidades do Estado. O patrimonialismo (contra oqual a administração pública burocrática se instalara), embora em www.pontodosconcursos.com.br Página 43 de 69
  • 232. pág.:232 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOprocesso de transformação, mantinha ainda sua própria força no quadropolítico brasileiro. O coronelismo dava lugar ao clientelismo e aofisiologismo.Rumo à Administração GerencialTendo em vista as inadequações do modelo, a administração burocráticaimplantada a partir de 30 sofreu sucessivas tentativas de reforma. Nãoobstante, as experiências se caracterizaram, em alguns casos, pelaênfase na extinção e criação de órgãos, e, em outros, pela constituiçãode estruturas paralelas visando alterar a rigidez burocrática. Na própriaárea da reforma administrativa esta última prática foi adotada, porexemplo, no Governo JK, com a criação de comissões especiais, como aComissão de Estudos e Projetos Administrativos, objetivando arealização de estudos para simplificação dos processos administrativos ereformas ministeriais, e a Comissão de Simplificação Burocrática, quevisava à elaboração de projetos direcionados para reformas globais edescentralização de serviços.A reforma operada em 1967 pelo Decreto-Lei 200, entretanto, constituium marco na tentativa de superação da rigidez burocrática, podendo serconsiderada como um primeiro momento da administração gerencial noBrasil. Mediante o referido decreto-lei, realizou-se a transferência deatividades para autarquias, fundações, empresas públicas e sociedadesde economia mista, a fim de obter-se maior dinamismo operacional pormeio da descentralização funcional. Instituíram-se como princípios deracionalidade administrativa o planejamento e o orçamento, odescongestionamento das chefias executivas superiores(desconcentração/descentralização), a tentativa de reunir competência einformação no processo decisório, a sistematização, a coordenação e ocontrole.O paradigma gerencial da época, compatível com o monopólio estatal naárea produtiva de bens e serviços, orientou a expansão daadministração indireta, numa tentativa de "flexibilizar a administração"com o objetivo de atribuir maior operacionalidade às atividadeseconômicas do Estado.Entretanto, as reformas operadas pelo Decreto-Lei 200/67 nãodesencadearam mudanças no âmbito da administração burocráticacentral, permitindo a coexistência de núcleos de eficiência ecompetência na administração indireta e formas arcaicas e ineficientesno plano da administração direta ou central. O núcleo burocrático foi, naverdade, enfraquecido indevidamente através de uma estratégiaoportunista do regime militar, que não desenvolveu carreiras de www.pontodosconcursos.com.br Página 44 de 69
  • 233. pág.:233 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOadministradores públicos de alto nível, preferindo, ao invés, contratar osescalões superiores da administração através das empresas estatais.Em meados dos anos 70, uma nova iniciativa modernizadora daadministração pública teve início, com a criação da SEMOR - Secretariada Modernização. Reuniu-se em torno dela um grupo de jovensadministradores públicos, muitos deles com formação em nível de pós-graduação no exterior, que buscou implantar novas técnicas de gestão,e particularmente de administração de recursos humanos, naadministração pública federal.No início dos anos 80, registrou-se uma nova tentativa de reformar aburocracia e orientá-la na direção da administração pública gerencial,com a criação do Ministério da Desburocratização e do ProgramaNacional de Desburocratização - PrND, cujos objetivos eram arevitalização e agilização das organizações do Estado, a descentralizaçãoda autoridade, a melhoria e simplificação dos processos administrativose a promoção da eficiência. As ações do PrND voltaram-se inicialmentepara o combate à burocratização dos procedimentos. Posteriormente,foram dirigidas para o desenvolvimento do Programa Nacional deDesestatização, num esforço para conter os excessos da expansão daadministração descentralizada, estimulada pelo Decreto-Lei 200/67.O Retrocesso de 1988As ações rumo a uma administração pública gerencial são, entretanto,paralisadas na transição democrática de 1985 que, emborarepresentasse uma grande vitória democrática, teve como um de seuscustos mais surpreendentes o loteamento dos cargos públicos daadministração indireta e das delegacias dos ministérios nos Estados paraos políticos dos partidos vitoriosos. Um novo populismo patrimonialistasurgia no país. De outra parte, a alta burocracia passava a ser acusada,principalmente pelas forças conservadoras, de ser a culpada da crise doEstado, na medida em que favorecera seu crescimento excessivo.A conjunção desses dois fatores leva, na Constituição de 1988, a umretrocesso burocrático sem precedentes. Sem que houvesse maiordebate público, o Congresso Constituinte promoveu um surpreendenteengessamento do aparelho estatal, ao estender para os serviços doEstado e para as próprias empresas estatais praticamente as mesmasregras burocráticas rígidas adotadas no núcleo estratégico do Estado. Anova Constituição determinou a perda da autonomia do Poder Executivopara tratar da estruturação dos órgãos públicos, instituiu aobrigatoriedade de regime jurídico único para os servidores civis daUnião, dos Estados-membros e dos Municípios, e retirou da www.pontodosconcursos.com.br Página 45 de 69
  • 234. pág.:234 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOadministração indireta a sua flexibilidade operacional, ao atribuir àsfundações e autarquias públicas normas de funcionamento idênticas àsque regem a administração direta.Este retrocesso burocrático foi em parte uma reação ao clientelismo quedominou o país naqueles anos. Foi também uma conseqüência de umaatitude defensiva da alta burocracia que, sentindo-se injustamenteacusada, decidiu defender-se de forma irracional.O retrocesso burocrático não pode ser atribuído a um suposto fracassoda descentralização e da flexibilização da administração pública que oDecreto-Lei 200 teria promovido. Embora alguns abusos tenham sidocometidos em seu nome, seja em termos de excessiva autonomia paraas empresas estatais, seja em termos do uso patrimonialista dasautarquias e fundações (onde não havia a exigência de processo seletivopúblico para a admissão de pessoal), não é correto afirmar que taisdistorções possam ser imputadas como causas do mesmo. Na medidaem que a transição democrática ocorreu no Brasil em meio à crise doEstado, essa última foi equivocadamente identificada pelas forçasdemocráticas como resultado, entre outros, do processo dedescentralização que o regime militar procurara implantar. Por outrolado, a transição democrática foi acompanhada por uma amplacampanha contra a estatização, que levou os constituintes a aumentaros controles burocráticos sobre as empresas estatais e a estabelecernormas rígidas para a criação de novas empresas públicas e desubsidiárias das já existentes.Afinal, geraram-se dois resultados: de um lado, o abandono do caminhorumo a uma administração pública gerencial e a reafirmação dos ideaisda administração pública burocrática clássica; de outro lado, dada aingerência patrimonialista no processo, a instituição de uma série deprivilégios, que não se coadunam com a própria administração públicaburocrática. Como exemplos temos a estabilidade rígida para todos osservidores civis, diretamente relacionada à generalização do regimeestatutário na administração direta e nas fundações e autarquias, aaposentadoria com proventos integrais sem correlação com o tempo deserviço ou com a contribuição do servidor.Todos estes fatos contribuíram para o desprestígio da administraçãopública brasileira, não obstante o fato de que os administradorespúblicos brasileiros são majoritariamente competentes, honestos edotados de espírito público. Estas qualidades, que eles demonstraramdesde os anos 30, quando a administração pública profissional foiimplantada no Brasil, foram um fator decisivo para o papel estratégicoque o Estado jogou no desenvolvimento econômico brasileiro. A www.pontodosconcursos.com.br Página 46 de 69
  • 235. pág.:235 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOimplantação da indústria de base nos anos 40 e 50, o ajuste nos anos60, o desenvolvimento da infra-estrutura e a instalação da indústria debens de capital, nos anos 70, de novo o ajuste e a reforma financeira,nos anos 80, e a liberalização comercial nos anos 90, não teriam sidopossíveis não fosse a competência e o espírito público da burocraciabrasileira.As distorções provocadas pela nova Constituição logo se fizeram sentir.No governo Collor, entretanto, a resposta a elas foi equivocada e apenasagravou os problemas existentes, na medida em que se preocupava emdestruir ao invés de construir. O governo Itamar Franco buscouessencialmente recompor os salários dos servidores, que haviam sidoviolentamente reduzidos no governo anterior. O discurso de reformaadministrativa assume uma nova dimensão a partir de 1994, quando acampanha presidencial introduz a perspectiva da mudançaorganizacional e cultural da administração pública no sentido de umaadministração gerencial.O APARELHO DO ESTADO E AS FORMAS DE PROPRIEDADEPara enfrentar os principais problemas que representam obstáculos àimplementação de um aparelho do Estado moderno e eficiente, torna-senecessário definir um modelo conceitual, que distinga os segmentosfundamentais característicos da ação do Estado. A opção pelaconstrução deste modelo tem como principal vantagem permitir aidentificação de estratégias específicas para cada segmento de atuaçãodo Estado, evitando a alternativa simplista de proposição de soluçõesgenéricas a problemas que são peculiares dependendo do setor.Entretanto, tem a desvantagem da imperfeição intrínseca dos modelos,que sempre representam uma simplificação da realidade. Estasimperfeições, caracterizadas por eventuais omissões e dificuldades deestabelecimento de limites entre as fronteiras de cada segmento, serãoaperfeiçoadas na medida do aprofundamento do debate.O Estado é a organização burocrática que possui o poder de legislar etributar sobre a população de um determinado território. O Estado é,portanto, a única estrutura organizacional que possui o "poderextroverso", ou seja, o poder de constituir unilateralmente obrigaçõespara terceiros, com extravasamento dos seus próprios limites.O aparelho do Estado ou administração pública lato senso, compreende(a) um núcleo estratégico ou governo, constituído pela cúpula dos trêspoderes, (b) um corpo de funcionários, e (c) uma força militar e policial. www.pontodosconcursos.com.br Página 47 de 69
  • 236. pág.:236 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOO aparelho do Estado é regido basicamente pelo direito constitucional epelo direito administrativo, enquanto que o Estado é fonte ousancionador e garantidor desses e de todos os demais direitos. Quandosomamos ao aparelho do Estado todo o sistema institucional-legal, queregula não apenas o próprio aparelho do Estado mas toda a sociedade,temos o Estado.Os Setores do EstadoNo Aparelho do Estado é possível distinguir quatro setores:NÚCLEO ESTRATÉGICO. Corresponde ao governo, em sentido lato. É osetor que define as leis e as políticas públicas, e cobra o seucumprimento. É portanto o setor onde as decisões estratégicas sãotomadas. Corresponde aos Poderes Legislativo e Judiciário, ao MinistérioPúblico e, no poder executivo, ao Presidente da República, aos ministrose aos seus auxiliares e assessores diretos, responsáveis peloplanejamento e formulação das políticas públicas.ATIVIDADES EXCLUSIVAS. É o setor em que são prestados serviçosque só o Estado pode realizar. São serviços em que se exerce o poderextroverso do Estado - o poder de regulamentar, fiscalizar, fomentar.Como exemplos temos: a cobrança e fiscalização dos impostos, apolícia, a previdência social básica, o serviço de desemprego, afiscalização do cumprimento de normas sanitárias, o serviço de trânsito,a compra de serviços de saúde pelo Estado, o controle do meioambiente, o subsídio à educação básica, o serviço de emissão depassaportes, etc.SERVIÇOS NÃO EXCLUSIVOS. Corresponde ao setor onde o Estadoatua simultaneamente com outras organizações públicas não-estatais eprivadas. As instituições desse setor não possuem o poder de Estado.Este, entretanto, está presente porque os serviços envolvem direitoshumanos fundamentais, como os da educação e da saúde, ou porquepossuem "economias externas" relevantes, na medida que produzemganhos que não podem ser apropriados por esses serviços através domercado. As economias produzidas imediatamente se espalham para oresto da sociedade, não podendo ser transformadas em lucros. Sãoexemplos deste setor: as universidades, os hospitais, os centros depesquisa e os museus.PRODUÇÃO DE BENS E SERVIÇOS PARA O MERCADO. Correspondeà área de atuação das empresas. É caracterizado pelas atividadeseconômicas voltadas para o lucro que ainda permanecem no aparelhodo Estado como, por exemplo, as do setor de infra-estrutura. Estão noEstado seja porque faltou capital ao setor privado para realizar o www.pontodosconcursos.com.br Página 48 de 69
  • 237. pág.:237 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOinvestimento, seja porque são atividades naturalmente monopolistas,nas quais o controle via mercado não é possível, tornando-se necessáriono caso de privatização, a regulamentação rígida.Setores do Estado e Tipos de GestãoCada um destes quatro setores referidos apresenta característicaspeculiares, tanto no que se refere às suas prioridades, quanto aosprincípios administrativos adotados.No núcleo estratégico, o fundamental é que as decisões sejam asmelhores, e, em seguida, que sejam efetivamente cumpridas. Aefetividade é mais importante que a eficiência. O que importa saber é,primeiro, se as decisões que estão sendo tomadas pelo governoatendem eficazmente ao interesse nacional, se correspondem aosobjetivos mais gerais aos quais a sociedade brasileira está voltada ounão. Segundo, se, uma vez tomadas as decisões, estas são de fatocumpridas.Já no campo das atividades exclusivas de Estado, dos serviços não-exclusivos e da produção de bens e serviços o critério eficiência torna-sefundamental. O que importa é atender milhões de cidadãos com boaqualidade a um custo baixo.Como já vimos, existem ainda hoje duas formas de administraçãopública relevantes: a ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA BUROCRÁTICA e aADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GERENCIAL. A primeira, embora sofrendo doexcesso de formalismo e da ênfase no controle dos processos, tem comovantagens a segurança e a efetividade das decisões. Já a administraçãopública gerencial caracteriza-se fundamentalmente pela eficiência dosserviços prestados a milhares senão milhões de cidadãos. Nestestermos, no núcleo estratégico, em que o essencial é a correção dasdecisões tomadas e o princípio administrativo fundamental é o daefetividade, entendido como a capacidade de ver obedecidas eimplementadas com segurança as decisões tomadas, é mais adequadoque haja um misto de administração pública burocrática e gerencial.No setor das atividades exclusivas e de serviços competitivos ou nãoexclusivos, o importante é a qualidade e o custo dos serviços prestadosaos cidadãos. O princípio correspondente é o da eficiência , ou seja, abusca de uma relação ótima entre qualidade e custo dos serviçoscolocados à disposição do público. Logo, a administração deve sernecessariamente gerencial. O mesmo se diga, obviamente, do setor dasempresas, que, enquanto estiverem com o Estado, deverão obedeceraos princípios gerenciais de administração. www.pontodosconcursos.com.br Página 49 de 69
  • 238. pág.:238 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOSetores do Estado e Formas de PropriedadeOutra distinção importante é a relacionada às formas de propriedade.Ainda que vulgarmente se considerem apenas duas formas, aPROPRIEDADE ESTATAL e a PROPRIEDADE PRIVADA, existe nocapitalismo contemporâneo uma terceira forma, intermediária,extremamente relevante: a PROPRIEDADE PÚBLICA NÃO-ESTATAL,constituída pelas organizações sem fins lucrativos, que não sãopropriedade de nenhum indivíduo ou grupo e estão orientadasdiretamente para o atendimento do interesse público. O tipo depropriedade mais indicado variará de acordo com o setor do aparelho doEstado.No núcleo estratégico a propriedade tem que ser necessariamenteestatal. Nas atividades exclusivas de Estado, onde o poder extroversode Estado é exercido, a propriedade também só pode ser estatal.Já para o setor não-exclusivo ou competitivo do Estado a propriedadeideal é a pública não-estatal. Não é a propriedade estatal porque aí nãose exerce o poder de Estado. Não é, por outro lado, a propriedadeprivada, porque se trata de um tipo de serviço por definição subsidiado.A propriedade pública não-estatal torna mais fácil e direto o controlesocial, através da participação nos conselhos de administração dosdiversos segmentos envolvidos, ao mesmo tempo que favorece aparceria entre sociedade e Estado. As organizações nesse setor gozamde uma autonomia administrativa muito maior do que aquela possíveldentro do aparelho do Estado. Em compensação seus dirigentes sãochamados a assumir uma responsabilidade maior, em conjunto com asociedade, na gestão da instituição.No setor de produção de bens e serviços para o mercado a eficiência étambém o princípio administrativo básico e a administração gerencial, amais indicada. Em termos de propriedade, dada a possibilidade decoordenação via mercado, a propriedade privada é a regra. Apropriedade estatal só se justifica quando não existem capitais privadosdisponíveis - o que não é mais o caso no Brasil - ou então quando existeum monopólio natural. Mesmo neste caso, entretanto, a gestão privadatenderá a ser a mais adequada, desde que acompanhada por um segurosistema de regulação.Redes OrganizacionaisTêm-se implantado de uma moderna rede de comunicação de dadosinterligando de forma segura e ágil a Administração Pública, permitindo www.pontodosconcursos.com.br Página 50 de 69
  • 239. pág.:239 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOassim um compartilhamento adequado das informações contidas embancos de dados dos diversos organismos do aparelho do estado, bemcomo um serviço de comunicação (baseado em correios, formulários,agenda e "listas de discussão", todos eletrônicos) de forma a poderrepassar à Sociedade em geral e aos próprios Órgãos do Governo, amaior quantidade possível de informação, contribuindo para melhortransparência e maior eficiência na condução dos negócios do Estado.Inicialmente, utilizando a infra-estrutura de comunicação de dadosdisponível em Brasília (REMAV - Rede Metropolitana de Alta Velocidade,RENPAC - Rede de Pacotes, etc.), está sendo construídaincrementalmente a Rede do Governo (estendendo-a posteriormente aoresto do país) com ênfase: • na segurança para garantir a privacidade e inviolabilidade da comunicação; • na padronização de procedimentos para diminuir custos e simplificar o uso; e • no compartilhamento de informações para evitar desperdícios.Enquanto não é tecnicamente possível a operação plena da Rede, estãosendo disponibilizados alguns bancos ou tipo de informações através daInternet e interligados alguns órgãos em Brasília com serviços decomunicação eletrônica.Sistemas de Gestão Pública (Controle e Informações Gerenciais)Os sistemas administrativos voltados para a gestão pública abrangemáreas diversas: pessoal civil, serviços gerais, organização emodernização administrativa, informação e informática, planejamento eorçamento e controle interno. O objetivo destes sistemas é permitir atransparência na implementação das diversas ações do governo,possibilitando seu acompanhamento e avaliação, bem como adisponibilização das informações não privativas e não confidenciais parao governo como um todo e a sociedade.Para este fim, foram desenvolvidos ou encontram-se emdesenvolvimento vários sistemas de informações, com graus variados deautomação, dos quais se destacam o processamento do orçamento fiscale da seguridade social, o registro dos gastos efetuados pelo TesouroNacional (SIAFI), a folha de pagamento e os dados cadastrais dosservidores civis federais (SIAPE), o orçamento de investimentos(SIDOR), o planejamento de ações do governo (SISPLAN), amovimentação do cadastro de fornecedores, de preços e do catálogo de www.pontodosconcursos.com.br Página 51 de 69
  • 240. pág.:240 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOmateriais e serviços (SIASG) e o fornecimento de informações sobre aorganização governamental e suas macro-atribuições (SIORG).Estes sistemas têm sido, independentemente das intenções de suaconcepção inicial, voltados para as necessidades operacionais daadministração pública, tornando secundárias ou inexistentes tanto asinformações gerenciais quanto as de interesse público.Conseqüentemente, não têm exercido a função de instrumentos deapoio à tomada de decisão. É necessário um projeto que permita ainterligação e o redirecionamento estratégico dos diversos sistemas deinformação, de forma a incorporar os novos conceitos de gestão doaparelho do Estado. Além de estabelecer padrões de integração e desuporte tecnológico adequados ao desenvolvimento de novos sistemas,mantendo e melhorando os atuais, é preciso buscar informaçõescoletadas de forma coerente e sem duplicidade e processadas comsegurança e eficiência, que possuam um caráter gerencial e sejamdisponibilizadas para toda a administração pública.Aumentando a confiabilidade e diminuindo os custos destes sistemas,será possível torná-los acessíveis à sociedade, para que esta controle ejulgue o desempenho da administração pública. Com isso, os sistemastambém estarão articulados com os objetivos do Projeto Cidadão e daRede de Governo, ao permitir que a disponibilização destas informaçõesocorra por vários meios (com ênfase em sistemas de fácil acesso como aINTERNET) alimentados permanentemente pelos serviços e recursos daRede do Governo.A Crise do Estado e o Movimento em Direção ao Terceiro SetorNos últimos anos, assistimos em todo o mundo a um debate acalorado,ainda longe de ser concluído, sobre o papel que o Estado devedesempenhar na vida contemporânea e o grau de intervenção que deveter na economia. No Brasil, o tema adquire relevância particular, tendoem vista que o Estado, em razão do modelo de desenvolvimentoadotado, desviou-se de suas funções precípuas para atuar com grandeênfase na esfera produtiva. Essa maciça interferência do Estado nomercado acarretou distorções crescentes, que se tornaraminsustentáveis na década de 90.A crise do Estado pode ser definida (1) como uma crise fiscal,caracterizada pela crescente perda do crédito por parte do Estado e pelapoupança pública que se torna negativa; (2) como o esgotamento daestratégia estatizante de intervenção do Estado, a qual se reveste devárias formas, dentre as quais a crise do Estado do bem-estar social nos www.pontodosconcursos.com.br Página 52 de 69
  • 241. pág.:241 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOpaíses desenvolvidos, a estratégia de substituição de importações noTerceiro Mundo, e o estatismo nos países comunistas; e (3) como umacrise da forma de administrar o Estado, isto é, por meio do advento dedisfunções da burocracia estatal.No Brasil, a crise do Estado somente se tornará clara a partir dasegunda metade dos anos 80. Suas manifestações mais evidentes são aprópria crise fiscal e o esgotamento da estratégia de substituição deimportações, que se inserem num contexto mais amplo de superaçãodas formas de intervenção econômica e social do Estado.Adicionalmente, o aparelho do Estado concentra e centraliza funções ese caracteriza pela rigidez dos procedimentos e pelo excesso de normase regulamentos.A reação imediata à crise, ainda nos anos 80, logo após a transiçãodemocática, foi ignorá-la. Uma segunda resposta igualmenteinadequada foi a neoliberal, caracterizada pela ideologia do Estadomínimo. Ambas revelaram-se irrealistas: a primeira, porque subestimoutal desequilíbrio; a segunda, porque utópica. Só em meados dos anos 90surge uma resposta consistente com o desafio de superação da crise: aidéia da reforma ou reconstrução do Estado, de forma a resgatar suaautonomia financeira e sua capacidade de implementar políticas públicasconjuntamente com a sociedade. A redefinição do papel do Estado é umtema de alcance universal nos anos 90. No Brasil, essa questão adquiriuimportância decisiva, tendo em vista o peso da presença do Estado naeconomia nacional.Tornou-se, conseqüentemente, inadiável o equacionamento da questãoda reforma ou da reconstrução do Estado que, se por um lado já nãoconsegue atender com eficiência a sobrecarga de demandas a eledirigidas, sobretudo na área social; por outro já dispõe de um segmentoda sociedade, o terceiro setor, fortalecendo-se institucionalmente paracolaborar de forma cada vez mais ativa na produção de bens públicos.A reforma do Estado não é, assim, um tema abstrato: ao contrário, éalgo cobrado e iniciado pela sociedade, que vê frustradas suasdemandas e expectativas. Nesse sentido, são inadiáveis: (1) oajustamento fiscal duradouro; (2) reformas econômicas orientadas parao mercado, que, acompanhadas de uma política industrial e tecnológica,garantam a concorrência interna e criem as condições para oenfrentamento da competição internacional; (3) a reforma daprevidência social; (4) a inovação dos instrumentos de política social,proporcionando maior abrangência e promovendo melhor qualidade paraos serviços sociais; e (5) a reforma do aparelho do Estado, com vistas a www.pontodosconcursos.com.br Página 53 de 69
  • 242. pág.:242 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOaumentar sua .governança., ou seja, sua capacidade de implementar deforma eficiente políticas públicas de maneira conjugada com asociedade.A reforma do Estado deve ser entendida dentro do contexto daredefinição do papel do Estado, que deixa de ser o responsável diretopelo desenvolvimento econômico e social pela via da produção de bens eserviços, para fortalecer-se na função de promotor e regulador dessedesenvolvimento. No plano econômico o Estado é essencialmente uminstrumento de transferências de renda, que se torna necessário dada aexistência de bens públicos e de economias externas, que limitam acapacidade de alocação de recursos do mercado. Para realizar essafunção redistributiva ou realocadora, o Estado coleta impostos e osdestina aos objetivos clássicos de garantia da ordem interna e dasegurança externa, aos objetivos sociais de maior justiça ou igualdade,e aos objetivos econômicos de estabilização e desenvolvimento.Um outro processo que se insere no quadro mencionado acima é omovimento em direção ao setor público não-estatal, no sentido deresponsabilizar-se pela execução de serviços que não envolvem oexercício do poder de Estado, mas devem ser subsidiados pelo Estado,como é o caso dos serviços de educação, saúde, cultura e pesquisacientífica. Chamaremos a esse processo de .publicização.. Por meio deum programa de publicização, transfere-se para o setor públiconãoestatal, o denominado terceiro setor, a produção dos serviçoscompetitivos ou não-exclusivos de Estado, estabelecendo-se um sistemade parceria entre Estado e sociedade para seu financiamento e controle.Desse modo, o Estado abandona o papel de executor ou prestadordireto de serviços, mantendo-se entretanto no papel de regulador eprovedor ou promotor destes, principalmente dos serviços sociais, comoeducação e saúde, que são essenciais para o desenvolvimento, namedida em que envolvem investimento em capital humano. Comopromotor desses serviços o Estado continuará a subsidiá-los, buscando,ao mesmo tempo, o controle social direto e a participação da sociedade.A Publicização como Estratégia da Reforma do EstadoConforme citado anteriormente, o Plano Diretor da Reforma do Aparelhodo Estado distingue quatro setores estatais, em relação aos quaiselabora diferentes diagnósticos e proposições. Passaremos a analisá-los,agora, com maior profundidade:NÚCLEO ESTRATÉGICO, que corresponde aos Poderes Legislativo eJudiciário, ao Ministério Público e ao Poder Executivo. Trata-se dogoverno, em sentido amplo. É no núcleo estratégico que as leis e as www.pontodosconcursos.com.br Página 54 de 69
  • 243. pág.:243 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOpolíticas públicas são definidas e seu cumprimento é cobrado. É,portanto, o setor onde as decisões estratégicas são tomadas.ATIVIDADES EXCLUSIVAS, setor no qual são prestados serviços quesó o Estado pode realizar, ou seja, aqueles em que se exerce o poder deregulamentar, fiscalizar, fomentar.SERVIÇOS NÃO-EXCLUSIVOS, corresponde ao setor onde o Estadoatua simultaneamente com outras organizações públicas não-estatais eprivadas. As instituições desse setor não possuem o poder de Estado,mas este se faz presente porque os serviços envolvem direitos humanosfundamentais, como os da educação e da saúde, ou porque possuemeconomias externas relevantes, na medida que produzem ganhos quenão podem ser apropriados por esses serviços pela via do mercado. Sãoexemplos desse setor as universidades, os hospitais, os centros depesquisa e os museus.PRODUÇÃO DE BENS E SERVIÇOS PARA O MERCADO, correspondeà área de atuação das empresas estatais do segmento produtivo ou domercado financeiro. É caracterizado pelas atividades econômicasvoltadas para o lucro que ainda permanecem no aparelho do Estado,como, por exemplo, as do setor de infra-estrutura.Uma distinção importante entre esses setores está relacionada àsformas de propriedade. Ainda que vulgarmente se considerem apenasduas formas, a propriedade estatal e a propriedade privada, existe nocapitalismo contemporâneo uma terceira forma, intermediária,extremamente relevante: a propriedade pública não estatal, constituídapor organizações sem fins lucrativos que não são propriedade denenhum indivíduo ou grupo e estão orientadas diretamente para oatendimento do interesse público. O tipo de propriedade mais indicadovariará de acordo com o setor do aparelho do Estado.No núcleo estratégico a propriedade tem que ser necessariamenteestatal. Analogamente, no setor de atividades exclusivas de Estado,onde o poder típico de Estado é exercido, a propriedade também sópode ser estatal.Já para o setor não-exclusivo ou competitivo do Estado, a propriedadeideal é a pública não-estatal. Não é a propriedade estatal, porque aí nãose exerce o poder de Estado. Não é, por outro lado, a propriedadeprivada, porque se trata de um tipo de serviço de caráter público.No setor de produção de bens e serviços para o mercado, a propriedadeprivada é a regra, dada a possibilidade de gestão efetiva dessas www.pontodosconcursos.com.br Página 55 de 69
  • 244. pág.:244 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOatividades pela via exclusiva do mercado, salvo na inexistência decapitais privados disponíveis .o que não é mais o caso no Brasil - ou nocaso de um monopólio natural .se bem que, mesmo neste caso, agestão privada tenderá a ser a mais adequada, desde que acompanhadapor um sistema seguro de regulação.A estratégia da reforma do Estado se apóia na publicização dos serviçosnão-exclusivos do Estado, ou seja, na sua absorção por um setor públiconão-estatal, onde, uma vez fomentados pelo Estado, assumirão a formade organizações sociais. Essa forma de parceria entre sociedade eEstado, além de viabilizar a ação pública com mais agilidade e maioralcance, torna mais fácil e direto o controle social, mediante aparticipação, nos conselhos de administração, dos diversos segmentosbeneficiários envolvidos. As organizações nesse setor gozam de umaautonomia administrativa muito maior do que aquela possível dentro doaparelho do Estado. Em compensação, seus dirigentes são chamados aassumir uma responsabilidade maior, em conjunto com a sociedade, nagestão da instituição.São objetivos, relativamente aos serviços não-exclusivos: • transferir para o setor publico não-estatal os serviços nãoexclusivos que estejam sendo executados no âmbito estatal, por meio de um programa de publicização, possibilitando a absorção, por entidades qualificadas como organizações sociais; • lograr, assim, maior autonomia e flexibilidade, bem como uma conseqüente maior responsabilidade para os dirigentes desses serviços; • lograr um maior foco no cidadão-usuário e um maior controle social direto desses serviços por parte da sociedade, por meio dos seus conselhos de administração. Mais amplamente, fortalecer práticas de adoção de mecanismos que privilegiem a participação da sociedade tanto na formulação, quanto na avaliação do desempenho da organização social, viabilizando o controle social; • lograr, finalmente, maior parceria entre o Estado e a sociedade baseada em resultados. O Estado continuará a financiar as atividades públicas, absorvidas pela organização social qualificada para tal, e esta será responsável pelos resultados pactuados mediante contrato de gestão.Em síntese, a estratégia de publicização visa a aumentar a eficiência e aqualidade dos serviços, atendendo melhor o cidadãocliente a um customenor. www.pontodosconcursos.com.br Página 56 de 69
  • 245. pág.:245 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOProntos para responderem algumas questões de concursos járealizados?? Acredito que sim...As questões apresentadas a seguir, e também as que serãoapresentadas nas próximas aulas, são questões da ESAF, do INPI, daFundação Carlos Chagas, da Unicamp, Proderj, Funesp, PCI, UFRJ,Granjeiro, CESP, AFTN, Comperv, entre outras.01) São muitos os teóricos da administração e os administradores públicos que defendem a necessidade de se proceder a uma “reinvenção” dos governos. Para eles, as atuais estruturas governamentais estão fortemente abaladas pelas inovações tecnológicas, pelo ritmo intenso das mudanças pelo surgimento de uma economia global “pós-industrial” e de uma sociedade baseada no conhecimento e na informação. Neste novo contexto, a máquina administrativa rígida e hierarquizada, estruturada por setores e assentada em burocracias complexas e extensivas, passa a enfrentar grandes e incontornáveis dificuldades. A saída estaria, então, na adoção, pelos governos, da perspectiva do empreendedorismo governamental, capaz de promover a sintonia entre os governos e as novas condições sócio-econômicas, políticas e culturais. Indique a opção que apresenta com maior clareza e precisão a idéia de governo empreendedor:a) O governo empreendedor define-se por buscar a incorporação de práticas e posturas empresariais, utilizando-se do poder de alavancagem das obras públicas, sobretudo no terreno da construção civil e da infra-estrutura urbana.b) O governo empreendedor caracteriza-se pela adoção de novas formas de utilização de seus recursos, de modo a maximizar a produtividade e a eficiência, buscando, ao mesmo tempo, organizar sistemas participativos descentralizados com base na mobilização de setores comunitáriosc) O governo empreendedor caracteriza-se pela determinação com que toma suas decisões, concentra-se na administração criteriosa do dinheiro público e busca opor, às demandas e pressões da sociedade, um conjunto de políticas e programas racionalmente concebidos.d) O governo empreendedor distingue-se por não temer assumir riscos, busca a maximização dos recursos públicos a qualquer preço e apoia-se firmemente na geração de receitas financeiras. www.pontodosconcursos.com.br Página 57 de 69
  • 246. pág.:246 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOe) O governo empreendedor caracteriza-se pela preocupação em responder com rapidez às demandas da sociedade, mas procura sempre moderar suas iniciativas de investimento, para não colidir a dinâmica e os interesses do mundo dos negócios privados.02) A Administração Pública gerencial, emblemática do novo modelo deEstado, requer das organizações públicas maior capacidade deadequação às contingências, agilidade e eficiência. Para que seconcretize os recursos humanos na área estatal, com vistas à adequar ofuncionalismo a este cenário. A política de recursos humanos idealizapara atender a esta demanda pressupõe orientações que rompem com oantigo paradigma burocrático.Assinale, entre as opções abaixo, aquela que melhor define umaproposta coerente com a constituição do novo funcionalismo público, nocontexto da Reforma do Estado Brasileiro. a) A adequação do funcionalismo público ao modelo de Estado que se pretende consolidar requer o fim da estabilidade funcional para todos os servidores com sua função. b) A forma de remuneração a ser adotada deverá ter flexibilidade suficiente para estimular os funcionários que se destacam pelo desempenho, eliminando-se assim, quaisquer limitações que possam obstaculizar a retenção daqueles que ocupam funções consideradas estratégicas. c) A admissão do funcionalismo deverá ser feita através de processos seletivos análogos aos da iniciativa privada, eliminando assim, procedimentos anacrônicos como o concurso público. d) Os planos de carreira a serem estruturados deverão abandonar perspectivas de classes hierarquizadas que tendem a incentivar comportamentos tradicionais e pouco afeitos ao empreendedorismo que se requer do novo funcionário. e) O novo funcionalismo público deverá ser composto por um núcleo de servidores estatutários, constituindo as denominadas carreiras de estado, e um núcleo celetista, dedicado à administração indireta e aos serviços operacionais.03) Quando se faz um retrospecto da estruturação da máquinaadministrativa no Brasil a partir de 1930, salta aos olhos a importânciade determinados momentos na realização de reformas e/ou naintrodução deliberada de novos instrumentos de gestão administrativa.Nessa condição, podem ser colocados os anos 1930-1940 (comdestaque à criação do DASP, em 1936); os anos 1960 (com a ReformaAdministrativa de 1967); os anos 1970 (com o programa dedesburocratização); os anos 1990 (com as propostas de Reforma www.pontodosconcursos.com.br Página 58 de 69
  • 247. pág.:247 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOAdministrativa). Tendo em conta esses momentos decisivos para aestruturação da máquina pública, indique a opção que capta com maisprecisão o motivo determinante no desencadeamento de tais reformasracionalizadoras. a) a pressão dos empresários organizados em Associações de classe que procuram transmitir sua experiência no setor privado para estimular a melhoria da gestão pública. b) A pressão dos trabalhadores organizados em sindicatos que, seja exigindo maior qualidade nos serviços públicos, seja na defesa de interesses corporativos, acabaram forçando essas reformas. c) A ação do poder Legislativo que, a partir do trabalho de controle exercido sobre as ações do executivo, consegue diagnosticar onde estão seus pontos de ineficiência, estimulando assim, sua superação. d) A ação do Poder Judiciário que, diante da ineficácia do Controle Legislativo, assumiu em vários momentos o papel de fiscalizador do Poder Executivo, apontando as mazelas da Administração Pública e levando à sua reforma. e) A ação de uma elite reformista, vinculada ao Poder executivo, portadora de visão sistêmica e tecnicamente atualizada acerca de propostas de reforma administrativa.04) Uma das mais importantes mudanças que se registram na imagemdos servidores públicos junto à opinião pública refere-se ao instituto deestabilidade. Nunca como hoje a estabilidade constitucional dosservidores submetidos a regime de cargo público foi tão contestada.Como costuma acontecer em momentos de debate exacerbado, acontestação da estabilidade tende a deixar em plano secundário asrazões que, no passado, levaram à introdução desse instituto, não seperguntando também se essas razões ainda continuam válidas nos diasde hoje. Indique a opção que apresenta a melhor justificativa doinstituto da estabilidade. a) Inferiorizados salarialmente diante do mercado, os servidores encontram na estabilidade um forte mecanismo de incentivo e motivação, base para a racionalização administrativa e a adoção de uma política de recursos humanos moderna e eficiente. b) A estabilidade constitucional objetiva manter o maior número possível de servidores agregados no setor público, estimulando-os à dedicação integral ao emprego público e a manter independência frente às pressões políticas. c) Sobretudo nas atividades de natureza estratégica, a estabilidade destina-se a proteger os servidores públicos de ingerências políticas e dos efeitos mais deletérios das trocas governamentais, www.pontodosconcursos.com.br Página 59 de 69
  • 248. pág.:248 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHO devendo funcionar como fator de valorização dos cargos e de continuidade administrativa. d) O instituto da estabilidade, introduzido pelo decreto-lei 200, de 1967, impõe ao servidor público um dever de lealdade para com o Estado, funcionando como instrumento de responsabilização e disciplina administrativa. e) A estabilidade visa preservar sobretudo os servidores mais competentes, protegendo-os dos mecanismos de atração típicos da iniciativa privada e comprometendo-os com as políticas governamentais.05) A evasão de funcionários qualificados, a baixa profissionalização e adificuldade para manter em funcionamento as diversas <ilhas decompetência> especialmente criadas para dar suporte técnico àspráticas administrativas e governamentais, inserem-se entre osprincipais fatores que determinaram, ao longo do tempo, a redução dacapacidade gerencial do setor público brasileiro. Essa é uma constataçãoque focaliza um dos grandes gargalos da administração pública emnosso país, localizado sobretudo na área dos recursos humanos. Apontea formulação que melhor expressa esse quadro. a) Pressões sindicais corporativas, somadas a uma excessiva politização do serviço público e à adoção generalizada de metodologias de gestão típicas da iniciativa privada impediram a adoção de políticas salariais justas e inteligentes. b) A ausência de carreiras estruturadas, os baixos salários e a falta de planos continuados de formação acabaram por quebrar o sistema de incentivos no setor público, inviabilizando assim tanto a atração de novos profissionais quanto à preservação e à valorização de segmentos burocráticos mais especializados. c) A excessiva frouxidão das normas de controle interno impossibilitou a gestão de recursos humanos em termos modernos, na medida em que impediu o estabelecimento de regras de disciplina e hierarquia mínimas. d) O excessivo controle dos órgãos de planejamento central sobre as autarquias e as empresas estatais acabaram por inviabilizar a reprodução das ilhas de competência e, desse modo, a preservação dos grupos técnicos mais especializados. e) As demissões generalizadas, regra geral motivadas por perseguições políticas e associadas a um excessivo insulamento burocrático, respondem pelo desmantelamento da área de recursos humanos na administração pública, especialmente no plano federal. www.pontodosconcursos.com.br Página 60 de 69
  • 249. pág.:249 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHO06) Ao analisarmos as propostas de modernização administrativa egerencial do setor público, podemos notar que a busca de referenciais játestados pelo setor privado tem sido cada vez mais freqüente. Apreocupação com o cliente, originariamente restrita à área de marketingdas empresas, tornou-se um dos principais tópicos das novasestratégias empresariais e, gradativamente, passou a estar presentetambém no setor público, combinando-se com a preocupação dosadministradores públicos de conhecer e respeitaras aspirações, osdireitos e as necessidades dos cidadãos/usuários. No entanto, ainda queatentos ao paradigma do cliente, os funcionários públicos, em suagrande maioria, não consideram que se possa tratar o contribuinte comose fosse o cliente de um serviço privado. Ou seja, a preocupação comumcom o usuário dos seus serviços não tem encontrado a mesmarepercussão nas organizações do setor público e nas do setor privado.Aponte, entre as opções abaixo, a que menos contribui para explicar asdificuldades de se adotar integralmente esse paradigma no setorpúblico. a) a única forma de introduzir de fato o paradigma do cliente nas atividades do setor público é através da transferência de tudo o que for possível para o setor privado, pois somente o mercado e a competição podem incentivar de fato a eficácia, atingir a excelência e proporcionar satisfação ao cliente. b) A presença de uma forte cultura corporativa na estrutura do Estado pode dificultar a adoção de medidas de valorização do cliente, já que acaba por impulsionar mais a defesa dos interesses do funciona’rio do que do usuário do setor público. c) Para a empresa privada, o cliente é parte substancial do negócio, paga diretamente por um bem específico destinado a ele e, se não receber um atendimento adequado, pode simplesmente mudar de fornecedor. Já no que se refere aos bens e serviços oferecidos pelo poder público, na maioria dos casos os usuários não coincidem com os contribuintes. d) O usuário de um bem ou serviço público, diferentemente do cliente de uma empresa privada, não tem a opção de escolher se vai ou não comprar um produto, bem ou serviço, a partir da comparação de preços e beneficiando-se da concorrência, pois geralmente o que existe é um monopólio estatal. e) O bem oferecido por uma empresa privada, na maioria das vezes, é palpável e quantificável, ao passo que o benefício proporcionado pelo setor público é intangível e indefinido. As dificuldades, portanto, referem-se à existência de uma maior indefinição quanto à abrangência dos custos e à disponibilidade dos serviços públicos. www.pontodosconcursos.com.br Página 61 de 69
  • 250. pág.:250 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHO07) No Plano Diretor da Reforma do Aparelho do Estado (1995), pode-seler: “No passado, constituiu grande avanço a implementação de umaadministração pública formal, baseada em princípios racional-burocráticos, os quais se contrapunham ao patrimonialismo, aoclientelismo, ao nepotismo(...). Mas o sistema introduzido, ao limitar-sea padrões hierárquicos rígidos e ao concentrar-se no controle dosprocessos e não dos resultados, revelou-se lento e ineficiente para amagnitude e a complexidade dos desafios que o país passou a enfrentardiante da globalização econômica”. A saída, para esse documento,estaria na adoção de uma Administração pública gerencial, baseada emum novo paradigma, costumeiramente denominado “pós-burocrático”.Nas opções abaixo, são apresentadas algumas breves definições dessaadministração gerencial, das quais apenas uma é correta. Indique-a: a) o paradigma pós-burocrático baseia-se em conceitos renovados de Administração e eficiência, volta-se firmemente para a adoção de estruturas descentralizadas de uma nova idéia de gerência, concentrada mais na aplicação de conhecimentos que no controle da atividade dos subordinados. b) O paradigma pós-burocrático concentra-se fortemente em operações de curto prazo e distantes de maior esforço de planejamento. Sua principal característica é a defesa de uma firme reinvenção das hierarquias funcionais, com a expansão das chefias intermediárias e a redução dos cargos de direção centralizada. c) O paradigma pós-burocrático procura demonstrar a superioridade das tecnologias administrativasas e a das na racionalização de custos, estimulando a adoção de políticas de redução de pessoal, na recuperação do planejamento normativo e na gestão orçamentário-financeira. d) O paradigma pós-burocrático parte do suposto de que se esgotaram as possibilidades de adoção de estruturas organizacionais permanentes, mesmo que flexíveis e dinâmicas. No lugar dessas estruturas, propõe a generalização de pequenas organizações autogestionárias, solidamente assentadas no planejamento normativo. e) O paradigma pós-burocrático propõe a substituição da racionalidade administrativa formal pelo estímulo à iniciativa e à criatividade dos funcionários, com o que se pode aumentar a transparência das missões organizacionais e fortalecer o planejamento. 08) O conceito de burocracia é o principal elemento do modelo racional-legal de administração, tanto na área pública quanto na empresarial. Seja na abordagem clássica de Max Weber, seja nas diversas variantes teóricas por elas balizadas, a burocracia define-se, www.pontodosconcursos.com.br Página 62 de 69
  • 251. pág.:251 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHO basicamente, como o tipo de organização capacitada para realizar de modo eficiente e eficaz tarefas administrativas em grande escala, mediante o trabalho racionalmente organizado de muitos indivíduos. Indique a opção que apresenta a formulação correta das principais características desse tipo de organização. a) a racionalidade interna, o rigoroso planejamento estratégico e a horizontalização dos processos decisórios explicariam a alta eficiência da burocracia, mas seriam, também, os fatores que impulsionariam a sua crise. b) A especialização funcional, a autoridade hierarquizada e a impessoalidade, articuladas em um sistema de regras normativas regido pelo princípio da competência, garantiriam a superioridade técnica da burocracia sobre as demais formas de organização. c) A burocracia consolida-se como modelo de organização graças à sua capacidade de estimular a participação permanente dos funcionários, a rotinização normativa e a liderança carismática. d) A flexibilidade gerencial e a extrema transparência administrativa são os instrumentos com que conta a burocracia para evitar a tendência natural ao fortalecimento de seu próprio poder. e) Organização por departamentos, disciplina estatutária e especialização dos níveis intermediários, associadas à alta remuneração dos escalões de base e à restrição dos privilégios dos superiores hierárquicos, seriam tendências inerentes ao fenômeno burocrático.09) Muito se tem falado a respeito do esgotamento do modelo racional-legal, burocrático, de organização da Administração pública. Regrageral, a burocracia tem sido contraposta a um modelo emergencialimpulsionado pelas transformações estruturais das últimas décadas.Para acentuar a capacidade de ir além dos limites característicos daburocracia, esse modelo tem sido chamado de “pós- burocrático”gerencial. Entre as opções abaixo, indique a que melhor caracteriza essemodelo emergente na administração pública. a) a estruturação por departamentos, o orçamento-programa e a generalização dos elementos de hierarquização funcional. b) A ampliação dos mecanismos de controle centralizado e a subordinação das preocupações com a missão organizacional à busca de lucro e maior produtividade. c) O privilegiamento das funções especializadas, a ênfase na rotinização administrativa e o respeito a procedimentos pré- estabelecidos. www.pontodosconcursos.com.br Página 63 de 69
  • 252. pág.:252 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHO d) A preocupação com a eficácia dos serviços oferecidos aos cidadãos e a constituição de uma estrutura organizacional flexível e cada vez menos hierarquizada. e) A valorização do mercado e a aceitação plena dos métodos de gestão desenvolvidos pela iniciativa privada.10) A resistência à mudança costuma acompanhar os processos deestruturação e modernização dos aparatos administrativos nas maisdiversas situações histórico-sociais. O Brasil não foge à regra, atémesmo porque tal resistência tem-se configurado como um traçomarcante de nossa cultura política, dificultando o êxito das tentativas dese realizarem reformas no setor público. Entre as opções abaixo, indiqueaquela que não poderia, em nenhum sentido, ser considerada corretaface a essa situação estrutural. a) os representantes sindicais do funcionalismo costumam se colocar favor de movimentos destinados a reformar a máquina pública, descentralizada, eficiente e voltada para a população. b) O Estado foi visto, principalmente depois de 1930, não tanto como um dos órgãos de cooperação com a sociedade, resultante de um contrato social, mas com uma instância que existiria acima dela e da qual se esperaria a solução para os problemas do país. c) O clientelismo paternalista, com sua vasta gama de beneficiários, consolidou-se como um forte pólo de resistência a qualquer reforma destinada a racionalizar e modernizar o Estado e a Administração pública. d) No Brasil, a cultura política caracterizou-se por ser mais autoritária do que democrática, e nessa medida estimulou mais a aposta nas possibilidades dos governantes do que na capacidade de intervenção e controle dos governadores. e) Ao longo do tempo, a responsabilização dos dirigentes públicos, a eficácia e eficiência dos serviços públicos e a racionalização dos procedimentos administrativos não foram exigidas como direito e cidadania.11) O Decreto-Lei nº 200 de 25 de fevereiro de 1967, dispõe sobre aconstituição da administração federal, definindo três categorias deentidades, dotadas de personalidade jurídica própria. Identifique aopção correta. a) para fins dessa lei, considera-se autarquia a entidade dotada de personalidade jurídica de direito privado, sob a forma de sociedade anônima, com a maioria das ações pertencentes à www.pontodosconcursos.com.br Página 64 de 69
  • 253. pág.:253 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHO União, criada para desempenhar atividades de natureza empresarial. b) Para fins dessa lei, considera-se sociedade de economia mista o serviço autônomo, criado por lei, com personalidade jurídica, patrimônio e receita próprios, destinado a executar atividades típicas da administração pública. c) Para fins dessa lei, considera-se autarquia a entidade dotada de personalidade jurídica própria, para executar atividades típicas da administração pública de natureza mercantil submetida a regime de monopólio estatal. d) Para fins dessa lei, considera-se empresa pública a entidade dotada de personalidade jurídica própria, criada por lei, destinada a prestar serviços que requerem gestão administrativa e financeira descentralizada. e) Para fins dessa lei, considera-se empresa pública a entidade dotada de personalidade jurídica de direito privado, com capital exclusivo da União ou de suas entidades da administração indireta, criada para desempenhar atividades de natureza empresarial.12) A primeira metade dos anos 90 passou por inúmeras crises, entreelas a crise da administração pública. Esta administração se via diantede problemas como a continuidade de práticas patrimonialistas e adificuldade de consolidação de uma burocracia civil profissional nosníveis hierárquicos mais altos. Para fazer face a essa crise, aadministração pública gerencial surgiu como alternativa. Entre as opçõesa seguir, assinale aquela que não retrata corretamente os pressupostosda administração pública gerencial. a) o projeto de reforma a partir de 1995 contempla fortalecer a administração pública direta em núcleos estratégicos e descentralizar a administração pública com a implantação de agências executivas e de organizações sociais, controladas por contratos de gestão. b) A reforma proposta pressupunha mudanças na constituição no sentido de flexibilizar a estabilidade do funcionalismo público, pôr fim ao regime jurídico único, estabelecer um sistema de remuneração mais claro e pôr fim à isonomia. c) O projeto de reforma busca a descentralização do ponto de vista político, transferindo recursos e atribuições para os níveis locais; delegação de autoridades, dando maior autonomia aos níveis gerenciais; definição de objetivos com cobrança de resultados, administração voltada para o cidadão. d) O projeto de reforma busca a centralização das atividades do estado e maior controle sobre as ações do nível local, diminuindo www.pontodosconcursos.com.br Página 65 de 69
  • 254. pág.:254 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHO dessa forma o déficit da previdência de estados e de municípios e garantindo estabilidade para o funcionalismo. e) O texto da reforma estabelece que as atividades exclusivas do estado são aquelas ligadas à segurança pública, controle, fiscalização, subsídios, seguridade social básica. Os serviços não- exclusivos são aqueles que o estado realiza ou subsidia por considera-los de alta relevância, tais como universidades, hospitais, centros de pesquisa e museus. 13) A reforma promovida por meio de Decreto-Lei 200/67 teve a finalidade de: a) centralizar a administração pública, reforçando o controle das entidades da administração indireta. b) Introduzir os princípios de racionalidade administrativa e de planejamento. c) Aperfeiçoar a gestão da administração centralizada. d) Coibir a prática da contratação sem concurso público. e) Resgatar os princípios da administração burocrática.14) Concebido como responsável pela proteção social e garantidor dacidadania, o estado do bem-estar social aparece como resposta àchamada “questão social”, isto é, conjunto de problemas que surgemcomo o processo de industrialização e as condições de trabalho urbano.Assinale a opção que descreve corretamente esse modelo de Estado:a) O Estado do bem-estar social pressupõe a implantação de um sistema de contribuições individuais eqüitativas, como forma de financiar a extensão dos serviços sociais a todos os cidadãos.b) O Estado de bem-estar social aparece como alternativas à política econômica de corte keynesiano, uma vez que busca assegurar aos cidadãos direitos sociais fundamentais, com educação, assistência médica e emprego.c) O chamado welfare state busca resgatar a preocupação com a proteção à pobreza, relegada a um segundo plano pelos estados liberais.d) O Estado do bem-estar social, consagrou os direitos sociais ao desvinculá-los da relação de assalariamento, estendendo-se a todos os cidadãos.e) Owelfar state procurou reafirmar a noção de responsabilidade social ao associar as contribuições individuais aos benefícios sociais obtidos. www.pontodosconcursos.com.br Página 66 de 69
  • 255. pág.:255 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHO15) A montagem de modelos de welafre state em vários países domundo é um dos fenômenos mais importantes deste éculo. Embora hajavarias diferenças entre os modelos adotados, há uma característicacomum a todos eles. Welfare state é: a) A estrutura política que permite a ampla participação dos trabalhadores nos processos decisórios. b) A garantia cultural dos direitos coletivos dos cidadãos. c) O arcabouço estatal-legal que estabelece direitos sociais pré- mercado. d) Uma carta de direitos individuais valida para todos os cidadãos. e) Constituído por um conjunto de associações civis de proteção aos mais pobres.16) Entre as causas que levaram à formação do estado de bem-estarsocial, pode-se destacar as citadas abaixo, exceto: a) A questão social que eclodiu na segunda metade do século XIX em vários países desenvolvidos na Europa Ocidental, embora suas origens possam ser buscadas no final do século XVIII e inicio XIX. b) O surgimento da concepção de previdência, em resposta aos riscos desencadeados pela resolução Industrial. c) O surgimento de uma concepção orgânica da sociedade, independente financeiramente do Estado. d) O fim das corporações de artes e de ofícios. e) A criação, pelo Estado, de seguros contra velhice, doença e invalidez.Seja sincero com você mesmo e com seus estudos e não olhe o gabaritoantes de responder às questões. Concentre-se e use todos os seusconhecimentos, aprendidos aqui, e os conhecimentos que você já trazconsigo ao longo da vida...Gabarito:Tem certeza que já tentou responder às questões??? Só leia o gabaritopara fins de correção, e mande-nos suas dúvidas pelo “fórum dediscussões que teremos o maior prazer em respondê-los”.1. b2. e3. e www.pontodosconcursos.com.br Página 67 de 69
  • 256. pág.:256 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHO4. c5. b6. c7. e8. e9. d10. a11. d12. d13. c14. d15. c16. cE então??? Como foram seus acertos??? Se não foram bons, recomendoque estude a aula novamente, e com mais concentração.Boa prova, mantenha a calma, use sua lógica, seu bom sendo, suavivência, e tenho certeza que você sairá vitorioso!ATENÇÃO:ERRATA NO GABARITO DA AULA “UM”A resposta correta da questão 26 é: letra “E” (Sistema 2) Isto porque nosistema 1 ainda não se falavam em prêmios.ERRATA NO GABARITO DA AULA “DOIS”A resposta correta da questão 12 é: letra “d” (Todas as alternativasestão corretas)Questão 24: No gabarito oficial do concurso consta como resposta aletra “c”, entretanto, após discutir com alguns outros professores,discordamos do gabarito oficial, e creio que a resposta mais adequadaseria a “e”. www.pontodosconcursos.com.br Página 68 de 69
  • 257. pág.:257 CURSOS ON-LINE – ADMINISTRAÇÃO P/ ICMS-SP PROFESSOR JOSÉ CARLOS OLIVEIRA DE CARVALHOERRATA NO GABARITO DA AULA “TRÊS”Questão 07: No gabarito oficial do concurso consta como resposta aletra “c”, entretanto, eu discordo do gabarito oficial e creio que a melhorresposta seja a letra “e”.Na questão 23, o item “c” é verdadeiro, porque houve um erro dedigitação, e onde se lê: “Por eficácia se entende a relação entreprodução e recursos utilizados”, leia-se: “Por eficiência se entende arelação entre produção e recursos utilizados”.ERRATA NO GABARITO DA AULA “QUATRO”Existe uma divergência entre os gabaritos oficiais das questões 1 e 7,que fizeram parte de dois concursos diferentes. No meu entendimento,a questão que estaria incorreta seria a 01. Assim, a segunda afirmaçãoda questão um é verdadeira, e o gabarito passa a ser letra “d”. Ogabarito da questão 7 continua sendo letra “d”.Eu excluí da aula a questão 24 por não se tratar de um assunto da aulaapresentada, entretanto, esqueci de excluí-la do gabarito. Simplesmenteignore o gabarito da questão 24, e continue na 25 normalmente. www.pontodosconcursos.com.br Página 69 de 69