Pesquisa sobre Prevenção, Tecnologias e Efeitos - Enchente
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Like this? Share it with your network

Share

Pesquisa sobre Prevenção, Tecnologias e Efeitos - Enchente

  • 1,649 views
Uploaded on

Projeto de Aprendizagem sobre Enchente.

Projeto de Aprendizagem sobre Enchente.

More in: Education
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
1,649
On Slideshare
1,649
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
6
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Curso Web 2.0 – Turma 2NTE – BrusqueEquipe: Ana Paula Maristher Débora Projeto de AprendizagemTema: Enchente 1. Reformular as questões em uma Questão Norteadora: ● De que forma podemos evitar e prevenir os efeitos de uma enchente? 2 . O que já sabemos sobre o assunto/tema: ● Avisar a população com antecedência. ● Cuidados com o meio ambiente, não poluir ruas e rios. ● Acompanhamento das chuvas e nível do rio. ● Obedecer à fiscalização da Defesa Civil. 3. Mapa conceitual 4. O que queremos saber sobre este assunto? ● Débora: Quais os meios tecnológicos disponíveis para prever enchentes? ● Maristher: Que medidas preventivas podem ser tomadas para evitar enchentes? ● Ana: Quais são os efeitos de uma enchente? 5. Compartilhar no Google Docs e realizar a pesquisa a distância.
  • 2. 6 . Cada um vai pesquisar a SUA PERGUNTA. IMPORTANTE: colocar a fonte depesquisa. Maristher: Que medidas preventivas podem ser tomadas para evitar enchentes? Para especialistas, prevenção de enchentes deveria ser como a de vulcões eterremotos. Eles sugerem a implementação de sistemas de alerta para a população, adesocupação de áreas arriscadas e o planejamento urbano de longo prazo. Geólogosdizem que evitar novas tragédias passa por mudanças na ocupação urbana e porsistemas de alerta. O Geólogo Antonio Guerra, da UFRJ fez um projeto piloto de alertapara um bairro de Petrópolis, sob encomenda estatal, estima que alertas adaptados asnecessidades de cada município custariam ao redor de R$ 1 milhão, por meio deconvênios com universidades, e poderiam ser preparados em até dois anos. “É um customuito menor do que o das verbas liberadas para o atendimento de emergência.” A interferência humana pode agravar ainda mais a situação de uma enchente ouamenizá-la. Com alguns cuidados pequenos podemos evitar calamidades e ajudar asalvar vidas. Vejamos: 1. Não jogue lixo em rios, ruas e terrenos baldios; 2. Denuncie aos órgãos responsáveis se souber de algum bueiro entupido, se notarderrubadas de matas e invasões em áreas de risco, terraplanagens ou aterros suspeitos; 3. Não deposite entulhos em áreas públicas ou em rios; 4. Solicite limpeza nos cursos d’água das regiões onde ocorreram enchentes; 5. Se pretende efetuar alguma construção, não as execute sem licenciamento dosórgãos competentes; 6. Não jogue restos do óleo de cozinha em qualquer lugar. Encontre um lugar parareciclagem, muitas pessoas reciclam e transformam em sabão, detergente e matéria-prima para fabricação de outros produtos. O óleo de cozinha, jogado em localinadequado, provoca a impermeabilização do solo e entupimento das tubulações e, casoatinja a rede de esgoto, encarece o tratamento dos resíduos em 45%. Em Santa Catarina, o Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado daDefesa Civil,está viabilizando ações prioritárias do Estudo Preparatório da Bacia do RioItajaí. O Governo do Estado pretende obter o financiamento para o projeto, que buscaatingir um grau de segurança de 50 anos contra enchentes e deslizamentos, sendonecessários investimentos na ordem de R$ 2 bilhões, por meio do Banco Jica (JapanInternacional Cooperation Agency) e com contrapartida do Governo do Estado. Aimplementação do projeto será dividido em três etapas, sendo que a primeira contemplaações para 10 anos de grau de segurança, com obras estruturais, sistema demonitoramento e alerta de cheias e da contenção da água das arrozeiras. O investimentoserá na ordem de R$ 180 milhões, sendo R$ 154 milhões financiados e R$ 26 milhões decontrapartida do Estado. Entre as medidas estão o estudo do impacto ambiental do conjunto de medidas doProjeto JICA e o mapeamento das áreas de risco em todos os municípios que não têmcapacidade instalada para desenvolver este trabalho, como propõe o Plano Integrado dePrevenção e Mitigação de Desastres Naturais (PPRD). Referências:
  • 3. http://www.comiteitajai.org.br/index.php/prevencaoenchentes.html - acesso em 30/09/1116:31 http://g1.globo.com/brasil/noticia/2011/01/para-especialistas-prevencao-de-enchentes-deveria-ser-como-a-de-vulcoes-e-terremotos-1.html - acesso em 30/09/11 16:58 ttp://comunidade.bemsimples.com/bem-verde/w/bem-verde/colabore-com-a-preven-231-227-o-de-enchentes.aspx - acesso em 30/09/11 17:16 Ana: Quais são os efeitos de uma enchente? Sabe-se que as enchentes são calamidades naturais ou não que ocorrem quando umleito de rio, lago, córrego, mar e oceano recebe um volume de água superior ao que podecomportar resultando em transbordamentos. Isso geralmente se dá devido as chuvasfortes e contínuas. Entre as catástrofes naturais mais conhecidas, a enchente é considerada a que maiscausa danos e perdas para a população, desde o que diz respeito à saúde até aospatrimônios das pessoas. Eleva considerávelmente a mortalidade, devido ao efeito econtato direto das inundações e das doenças infecciosas aos sistemas de água esaneamento. Para cada país e região existe a chamada estação das chuvas que geralmente geramas maiores enchentes, e neste período cresce a preocupação sobre o aparecimento dedoenças, principalmente as transmitidas por água, alimentos, reservatórios e animaispeçonhentos. Gerando assim a intensificação das ações de vigilância em saúde,coordenada e articulada com outros setores e com base em dados para a tomada dedecisões. Dentre os efeitos especificos e principais de uma enchente podemos destacar: ● Perda de vidas; ● Abandono dos lares inundados; ● Desmoronamento de encostas de rios; ● Desmoronamento de pequenos morros; ● Soterramento de imóveis e bens, após os desmoronamentos; ● Destruição de casas e pontes, que são arrastadas pelas águas; ● Perda de materiais, objetos e móveis encharcados ou arrastados pelas águas; ● Contaminação da água por produtos tóxicos; ● Contaminação da água com agentes patológicos que provocam doenças como amebíase, cólera, febre amarela, hepatite A, malária, poliomielite, salmonelose, teníase, leptospirose, entre outras; ● Contaminação de alimentos pelos mesmos agentes patológicos acima citados; ● Interrupção da atividade econômica das áreas inundadas: com comércio, escolas e serviços sem funcionamento.
  • 4. As áreas urbanas são mais propícias a enchentes porque o solo dessas regiões sãoimpedidos pelo asfalto e outros tipos de pavimentações de absorverem a água e tambémpela falta de vegetação ou pouca vegetação que contribui com a absorção da água. As inundações são mais comuns nas áreas ribeirinhas: ocorre quando a populaçãoocupa o leito maior do rio, ficando sujeita às enchentes, e áreas urbanas: as enchentesaumentam a sua frequência e magnitude devido à ocupação do solo com superfíciesimpermeáveis e rede de condutos de escoamentos. O desenvolvimento urbano podetambém produzir obstruções ao escoamento como aterros e pontes, drenagensinadequadas e obstruções ao escoamento junto a condutos e assoreamentos. Referências:http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/inundacoes/inundacoes-2.phphttp://www.vivaterra.org.br/vivaterra_enchentes.htmhttp://www1.folha.uol.com.br/mundo/854309-efeitos-de-enchentes-na-australia-podem-durar-semanas-200-mil-ja-foram-atingidos.shtmlhttp://www.pagina3.com.br/geral/2011/set/9/4/itajai-sofre-fortemente-os-efeitos-da-enchente Débora: Quais os meios tecnológicos disponíveis para prever enchentes? A previsão de enchentes depende da obtenção de dados relativos às chuvas, dadosque são obtidos através da Meteorologia. A Estação Meteorológia possui os seguintes equipamentos: Termômetro para medir as variáveis da temperatura; Barômetro para medir a pressão atmosférica; Higrômetro para medir a umidade relativa do ar; Anemômetro para medir as da velocidade do vento ; Biruta ou manga de vento para indicar a orientação do vento; Piranómetro para medir as variáveis de insolação; Heliómetro para medir a duração da ação do Sol; O mais comum: Pluviômetros e pluviógrafos: Recolhem e medem a quantidade de chuva pormilímetros, durante um determinado tempo e local. Os dados recolhidos podem serdivulgados por telefone (método convencional) ou serem automáticos e enviarem osdados via satélite. Os equipamentos devem ser mantidos em funcionamento e as informações geradaspor eles possam chegar o mais rápido possível às instituições de pesquisa e à DefesaCivil. Hidrometeorologia
  • 5. Hidroestimadores A hidrometeorologia é o ramo da meteorologia que lida com o ciclo hidrológico, com obalanço hídrico e com os dados estatísticos de chuvas. Os hidrometeorologistaspreparam e emitem previsões de acumulação (quantitativo) de precipitação (chuva eneve), e destacam as regiões que podem vir a sofrer com as enchentes. O problema da previsão de chuvas se deve a limitações dos modelos meteorológicos(representações numéricas aproximadas do comportamento da atmosfera) utilizados atéagora no País. A resolução espacial dos modelos usados hoje para prever tempestades, porexemplo, é de 20 quilômetros, o que impossibilita identificar nuvens de tempestade quepodem ter de dois a três quilômetros de extensão. Além disso, eles fornecem previsõesapenas a cada três horas. O QUE TEMOS DE NOVIDADE Um supercomputador, que entrou em operação no início de janeiro no Centro dePrevisão do Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC), em Cachoeira Paulista (SP), prometepossibilitar aprimorar esses modelos para que possam indicar com maior precisão eantecedência chuvas e fenômenos meteorológicos extremos, como tempestades. Batizado de Tupã – o deus do trovão na mitologia tupi-guarani – o supercomputadorpermitirá aos pesquisadores do CPTEC desenvolver e executar modelos meteorológicosmais sofisticados e com maior resolução espacial, que demandam mais memória evelocidade de processamento. E, dessa forma, melhorar gradativamente a qualidade dasprevisões meteorológicas de tempo e clima no Brasil. hoje a previsão diária de tempo no País, que indica apenas se ocorrerá ou não chuvasnas próximas 24 horas, tem um nível de confiabilidade equiparável à realizada pelosmaiores centros meteorológicos do mundo, atingindo quase 100% de acerto. Já asprevisões de longo prazo – como as de uma semana ou 15 dias – têm menores índicesde acerto, atingindo 80% no prazo de uma semana e reduzindo cerca de 3% a cada diaacrescentado. Dr. Foster Bronw "Teoricamente, a previsão de chuvas é problematica, mas a previsãode enchentes depois da queda das chuva não deveria ser tão difícil se houverinformações completas sobre a intensidade de chuvas, escoamento e evapotranspiraçãona bacia, propriedades dos solos, relevo, etc e o mais importante de tudo: Deve-se avisaro maior número de pessoas possíveis".Fonte:http://info.abril.com.br/noticias/ti/existe-tecnologia-para-prever-as-enchentes-15012011-0.shlhttp://ambienteacreano.blogspot.com/2006/03/possvel-prever-as-enchentes.html http://pt.wikipedia.org/wiki/Pluvi%C3%B4metrohttp://pt.wikipedia.org/wiki/Esta%C3%A7%C3%A3o_meteorol%C3%B3gicahttp://pt.wikipedia.org/wiki/Hidrometeorologia Mapa Conceitual Detalhando a Pesquisa: