Your SlideShare is downloading. ×
Budismo
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Budismo

6,601
views

Published on

Trabalho sobre a religião budista …

Trabalho sobre a religião budista
9ºD

Published in: Education, Travel, Technology

0 Comments
3 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
6,601
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
193
Comments
0
Likes
3
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Budismo
    Símbolo
    Origem e evolução
    Textos de referência
    Princípios fundamentais
    Ritos e Costumes
  • 2. Símbolos
  • 3. A roda da lei-costuma ser representada com oito raios, numa referência ao caminho dois oito passos budistas.
  • 4. As três jóias budistas- Buda, a doutrina budista e a comunidade de monges budistas . Recebem o nome de jóias porque se mantém imutáveis em seu valor, ignorando o tempo, tal como as jóias. São uma verdadeira reserva de valor, nos quais os devotos budistas encontram refúgio nos momentos difíceis.
  • 5. A mão direita aberta de Buda - É o gesto chamado de abhaya, "sem medo". Simboliza que o devoto pode se aproximar de Buda sem medo.
  • 6. A magreza extrema de Buda- É uma referência ao período no qual Buda praticou o jejum extremo, como forma de tentar atingir a compreensão espiritual. Mas Buda acabou por rejeitar este caminho, por considerá-lo ineficaz, e substituí-lo pelo caminho da meditação.
  • 7. A flor do lótus- É um símbolo não só do Budismo mas de todo o oriente. Simboliza a pureza espiritual, que não é maculada pelo quotidiano, assim como as flores de lótus não se mancham com o lodo sobre o qual crescem.
  • 8. O Leão, Touro, Cavalo e Elefante
    O leão. Era o símbolo do clã do qual fazia parte Sidarta: o clã Shakya.
    O touro alude à grandeza e à importância de Buda
    O cavalo lembra a partida de Sidarta do palácio de seu pai, montado em seu cavalo branco, Kanthaka, acompanhado de seu único criado, Chandaka. Portanto, o cavalo é um símbolo da renúncia de Sidarta aos valores mundanos.
    A rainha Maya sonhou que um elefante branco penetrava em seu ventre pela sua axila direita e, logo em seguida, ela percebeu que estava grávida de Sidarta. Deste modo, o elefante é um símbolo da encarnação de Buda.
  • 9. O nó infinito- Lembra que todos os eventos e seres no universo estão inter-relacionados.
  • 10. Origem e evolução
    A história do budismo, com ínicio no século VI a.C até ao presente, começando com o nascimento de SiddharthaGautama, o dito Buda. Durante este período, a religião evoluiu à medida que encontrou diferentes países e culturas, acrescentando ao fundo indiano inicial elementos culturais oriundos de várias zonas do mundo. No processo o budismo alcançou uma expansão territorial considerável ao ponto de influenciar de uma forma ou de outra quase todo o continente asiático.
  • 11. Textos de referencia
    O texto base do Budismo é o Sermão de Benares, no qual foi identificado o sofrimento como o grande mal do mundo e indicou o Óctuplo Caminho como meio para atingir a paz e serenidade.
  • 12.
  • 13. Princípios Fundamentais
    O credo budista consiste nas «quatro verdades santas»:1- Toda a existência é insatisfatória e cheia de sofrimento;2- Este sofrimento é causado pela ignorância, pelo desejo ardente ou apego – esforço constante para encontrar algo de eterno e estável num mundo transitório;3- O sofrimento ou insatisfação pode-se superar na totalidade – é o Nirvana;4- Consegue-se alcançar a nirvana seguindo o nobre cominho das Oito Vias
  • 14. Oito Vias:
    - compreensão certa (ou fé pura)
    - pensamento dirigido certo (ou vontade pura)
    - discurso certo (ou linguagem pura)
    - conduta certa (ou acção pura)
    - esforço certo (ou aplicação pura)
    - vida certa (ou meios de subsistência puros)
    - atenção certa (ou memória pura)
    - concentração certa (ou meditação pura)
  • 15. Ritos e Costumes
    Rituais
    Os rituais budistas variam de uma escola para outra. Tradicionalmente, incluem venerar a Buda e recitar as Três Jóias e os Cinco Preceitos. O culto pode dar-se num santuário em casa ou num templo.
  • 16. PrecesNo budismo mahayana, preces podem ser dedicadas aos bodhissattvas. Recitar tais preces ou girar um moinho de orações para simbolizar um mantrarepetido são outras maneiras de ganhar mérito. A prece, em vez de servir para pedir alguma coisa, é uma tentativa de combinar os pensamentos íntimos com as boas energias.
  • 17. ProstraçãoEmbora Buda não seja venerado como um deus, os budistas homenageiam-no e agradecem por seus ensinamentos ao inclinar-se, ajoelhar-se a prostrar-se diante de sua imagem.
  • 18. OferendasOs budistas fazem oferendas simbólicas, como flores, velas e incenso, em templos e santuários. As flores simbolizam a natureza fugaz da vida terrena; a chama de uma vela representa a luz da iluminação; o aroma do incenso reflecte a expansão do dharma (verdadeira realidade).
  • 19. EsmolasMonges e monjas levam uma vida de pobreza. Para sobreviver dependem de esmolas dadas pelos leigos. A cada dia, monges fazem colectas na sua comunidade local. Doar comida e roupas é uma prácticacomum de budistas leigos para adquirir mérito.
  • 20. PerambulaçãoCaminhar ao redor de um sítio sagrado é um ritual comum no budismo tibetano. Os peregrinos devem caminhar três vezes ao redor de um mosteiro ou santuário, numa evocação das Três Jóias.
  • 21.
  • 22. Ritos FúnebresOs budistas são cremados ou enterrados. Uma variedade de costumes e ritos prevalece em diferentes partes do mundo budista. Os parentes próximos de um agonizante tentam ajudá-lo a preparar-se para a morte, considerada um estado de repouso abençoado. Muitas vezes, monges são encarregados pela família de orar pelos mortos e praticar ritos fúnebres.
  • 23. Trabalho realizado por:
    João Lemos
    Guilherme Oliveira
    João Esteves
    João Ramos
    Leonor Campos
    Mário Morgado
    Maria de Lurdes
    Ana Carvalho