Your SlideShare is downloading. ×
0
Conceitos básicos sobre tipografia.
Conceitos básicos sobre tipografia.
Conceitos básicos sobre tipografia.
Conceitos básicos sobre tipografia.
Conceitos básicos sobre tipografia.
Conceitos básicos sobre tipografia.
Conceitos básicos sobre tipografia.
Conceitos básicos sobre tipografia.
Conceitos básicos sobre tipografia.
Conceitos básicos sobre tipografia.
Conceitos básicos sobre tipografia.
Conceitos básicos sobre tipografia.
Conceitos básicos sobre tipografia.
Conceitos básicos sobre tipografia.
Conceitos básicos sobre tipografia.
Conceitos básicos sobre tipografia.
Conceitos básicos sobre tipografia.
Conceitos básicos sobre tipografia.
Conceitos básicos sobre tipografia.
Conceitos básicos sobre tipografia.
Conceitos básicos sobre tipografia.
Conceitos básicos sobre tipografia.
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Conceitos básicos sobre tipografia.

3,570

Published on

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
3,570
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
177
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Prof. Mário CPG 1 TIPOGRAFIA
  • 2. Prof. Mário CPG 2 Tipografia • Importância da Tipografia no Projeto Gráfico • Estrutura do caractere • Classificação por família • Características dos Tipos • Considerações na escolha da Tipologia
  • 3. Prof. Mário CPG 3 Importância da Tipologia no PG • A Tipografia transmite personalidade a uma peça gráfica. • Cada família de fonte, cada tipo de letra transmite um conceito.
  • 4. Prof. Mário CPG 4 Estrutura do Caractere
  • 5. Prof. Mário CPG 5 Classificação por Família Romana Antiga • Inspirada na escrita monumental romana, produz um contraste entre as hastes e as suas serifas TRIANGULARES. • Proporciona ao leitor um inconsciente descanso visual, decorrente do contraste harmonioso da leveza dos desenhos das serifas. Utilização • área editorial com grandes volumes de texto, alcançando o maior grau de legibilidade entre as famílias. Times, Garamond
  • 6. Prof. Mário CPG 6 Classificação por Família Romana Moderna • Inspirada na evolução dos romanos clássicos, em que os desenhistas acentuavam o contraste entre as hastes e substituíram as serifas de forma triangulares por aparas RETILÍNEAS nas extremidades, trazendo uma sensível melhora na legibilidade das letras, tornando-as mais belas e leves. Utilização • esteticamente agradáveis, mas frágeis pelas hastes muito finas.
  • 7. Prof. Mário CPG 7 Rockwell, Blackcoak Classificação por Família Egípcia • Criada na evolução industrial, tem como característica principal, a uniformidade nas hastes e serifas retangulares. Utilização • Pela força causada por suas hastes, esta família pode ser usada onde é necessário transmiti vitalidade, principalmente em títulos. Desaconselhada para textos longos por tornálos pesados demais.
  • 8. Prof. Mário CPG 8 BickhamScript, Lucida Blackletter Classificação por Família Cursiva • Caracteres que não se encaixam em nenhuma das estruturas anteriores, em letras sem parâmetros de classificação, com hastes e serifas livres, como caracteres góticos, manuscritos e com ornamentos em geral. Utilização • a interferência usada na construção das letras dificultam a sua legibilidade, deixando-as mais utilizadas em destaques e pontuações do material gráfico.
  • 9. Prof. Mário CPG 9 Arial, Futura Classificação por Família Lapidária • Proporciona caracteres com poucas variações em suas hastes e não possue serifas, tornando textos mais visuais e mais legíveis. Utilização • recomendada para confecção da maioria dos textos publicitários e de embalagens. Não recomendada para textos longos, pois a falta de contraste entre suas hastes a torna cansativa.
  • 10. Prof. Mário CPG 10 Classificação por Série Quanto à largura • Uma letra pode ser normal, condensada ou estendida.
  • 11. Prof. Mário CPG 11 Classificação por Série Quanto à tonalidade • Uma letra pode ser extralight, light, book, medium, semi-bold, extra-bold.
  • 12. Prof. Mário CPG 12 Classificação por Série Quanto à inclinação • Uma letra pode ser redonda ou itálica.
  • 13. Prof. Mário CPG 13 Classificação Onomástica As fontes ou conjuntos de letras com a mesma característica são conhecidos por seus nomes e não por famílias. Garamond, Futura, GillSans, Palatino, Helvética
  • 14. Prof. Mário CPG 14 Considerações na Escolha da tipologia Estética Apesar de subjetivo e pessoal. Não é aconselhável avaliar esse tópico fora de um contexto de layout. Ver adequação. Um estudo minucioso de tipologia normalmente elimina a chance de erro. Legibilidade Nível de leitura da tipologia. Também adequada ao projeto e ao público-alvo. Adequação Há fontes que se comportam melhor em determinado trabalho que em outros. O que vai ser determinado pela linguagem visual utilizada e por fatores como público-alvo e natureza da mensagem.
  • 15. Prof. Mário CPG 15 Considerações na Escolha da tipologia Estética • Quantidade de tipologias • Unidade do layout • Conceito da peça Não serifadas: seriedade, clareza, concisão Serifadas: refinamento, classe, tradição
  • 16. Prof. Mário CPG 16 Considerações na Escolha da tipologia Legibilidade • Maiúsculas X Minúsculas • Condensada X Expandida • Serifa X Sem serifa • Tamanho do corpo • Entrelinha • Alinhamento • Entreletras • Entre palavras • Massa de texto • Cor
  • 17. Prof. Mário CPG 17 Considerações na Escolha da tipologia Adequação • O que é o texto? É um título, um texto ou uma legenda de rodapé? • Quem vai ler? São jovens audaciosos ou idosos cautelosos? • Qual a mídia? Jornal, revista, folheto, TV? • Onde se dá a ação da leitura? No carro, ônibus, trem, em casa, na rua?
  • 18. Prof. Mário CPG 18 Tamanho da letra – CORPO O tamanho das letras é medido em pontos (1 ponto = 0,341mm) e é chamado de CORPO DA LETRA. Fonte Arial Black, corpo 12 O tamanho das letras é medido em pontos (1 ponto = 0,341mm) e é chamado de CORPO DA LETRA. Fonte Arial Black, corpo 16 O tamanho das letras é medido em pontos (1 ponto = 0,341mm) e é chamado de CORPO DA LETRA. Fonte Arial Black, corpo 24 O tamanho das letras é medido em pontos (1 ponto = 0,341mm) e é chamado de CORPO DA LETRA.
  • 19. Prof. Mário CPG 19 Entrelinha • A entrelinha é o espaço existente entre a base de uma linha para a base da próxima. Também é medido em pontos. • Na teoria, a medida ideal para a entrelinha é 120% do corpo da fonte mas isso não impede a utilização de entrelinhas diferentes desse padrão. ENTRELINHA NORMAL A entrelinha é o espaço existente entre a base de uma linha para a base da próxima. Também é medido em pontos. Na teoria, a medida ideal para a entrelinha é 120% do corpo da fonte mas isso não impede a utilização de entrelinhas diferentes desse padrão. ENTRELINHA ABERTA A entrelinha é o espaço existente entre a base de uma linha para a base da próxima. Também é medido em pontos. ENTRELINHA FECHADA A entrelinha é o espaço existente entre a base de uma linha para a base da próxima. Também é medido em pontos. Na teoria, a medida ideal para a entrelinha é 120% do corpo da fonte mas isso não impede a utilização de entrelinhas diferentes desse padrão.
  • 20. Prof. Mário CPG 20 Entre-letra X Kerning Há uma diferença entre espaço entre-letra e o kerning. • O espaço entre letra é a distância entre as letras de uma mesma palavra. No espaço entre-letras a distância entre as letras é igualmente distribuído. • Já o kerning é o encaixe de letras como o “A” e o “T” para evitar deixar espaços em branco entre as letras. A distância entre as letras pode ser diferente, seguindo uma lógica visual.
  • 21. Prof. Mário CPG 21 Entre-parágrafo • Quando um texto é muito longo, é comum dar um respiro (espaço) entre dois parágrafos para arejar e facilitar a leitura. Quando um texto é muito longo, é comum dar um respiro (espaço) entre dois parágrafos para arejar e facilitar a leitura. Quando um texto é muito longo, é comum dar um respiro (espaço) entre dois parágrafos para arejar e facilitar a leitura. Quando um texto é muito longo, é comum dar um respiro (espaço) entre dois parágrafos para arejar e facilitar a leitura. Quando um texto é muito longo, é comum dar um respiro (espaço) entre dois parágrafos para arejar e facilitar a leitura. Quando um texto é muito longo, é comum dar um respiro (espaço) entre dois parágrafos para arejar e facilitar a leitura. Quando um texto é muito longo, é comum dar um respiro (espaço) entre dois parágrafos para arejar e facilitar a leitura.
  • 22. Prof. Mário CPG 22 Alinhamento de textos • Há, basicamente, quatro tipos de alinhamento. Cada um deles com suas características quanto à legibilidade e à beleza em um layout. • Normalmente, o de melhor leitura é o alinhamento à esquerda. Alinhamentos como à direita e centralizado prejudicam a leitura, apesar de deixar um texto curto mais bonito. Já o texto blocado tem uma leitura um pouco melhor, mas pode acarretar em espaços muito grandes entre as palavras. ESQUERDA A entrelinha é o espaço existente entre a base de uma linha para a base da próxima. Também é medido em pontos. Na teoria, a medida ideal para a entrelinha é 120% do corpo da fonte mas isso não impede a utilização de entrelinhas diferentes desse padrão. CENTRALIZADO A entrelinha é o espaço existente entre a base de uma linha para a base da próxima. Também é medido em pontos. Na teoria, a medida ideal para a entrelinha é 120% do corpo da fonte mas isso não impede a utilização de entrelinhas diferentes desse padrão. DIREITA A entrelinha é o espaço existente entre a base de uma linha para a base da próxima. Também é medido em pontos. Na teoria, a medida ideal para a entrelinha é 120% do corpo da fonte mas isso não impede a utilização de entrelinhas diferentes desse padrão. BLOCADO A entrelinha é o espaço existente entre a base de uma linha para a base da próxima. Também é medido em pontos. Na teoria, a medida ideal para a entrelinha é 120% do corpo da fonte mas isso não impede a utilização de entrelinhas diferentes desse padrão.

×