O profissional da informação na sociedade
     do conhecimento: mediadores e
               interagentes?

               ...
Estamos em plena era digital...
A mensagem é a mensagem.... (CASTELLS, 1997)

• Redes digitais de comunicação, interligam o mundo e
    as pessoas e possi...
Informação na sociedade da informação
                • O fluxo de informação, presente na
              sociedade da info...
Economia do conhecimento

• Vivemos em uma economia onde a
  única certeza é a incerteza, sendo
     o conhecimento a únic...
Papel estratégico da informação...


                  •    A informação tem um papel estratégico
                        ...
Uma perspectiva diferente...

    •      Migramos da função de “carregar
         informações em quantidade” para a
      ...
Concepções da informação


Criadores
            Processadores                  MERCADORIA

                              ...
Informação e conhecimento


   INFORMAÇÃO                                               CONHECIMENTO
Conjunto de dados que...
A gestão da informação na era digital: um espectro...


       “A informação precisa ser considerada como
            send...
Algumas tendências...



 Existência de uma arquitetura de informação que
   tenha novas linguagens e categorizações para
...
Eis o nosso tempo...
E a atuação dos bibliotecários...

•   Desempenho de atividades em
  unidades de informação, desde as
denominadas bibliote...
Mediadores e interagentes?

•   Assumir o papel de mediador e
    interagente na sociedade da
    informação significa :

...
Mediação nas bibliotecas: primórdios...
•   Paul Otlet (1934) já indicava que a função do bibliotecário era
    “organizar...
Mediação: um processo...
  •   A mediação é considerada como um processo de interlocução
      ou interação entre os membr...
Desagregação e colaboração: um novo espectro

  • Redução de conteúdo e
   instituições para unidades
  pequenas de uso e ...
Mediação: processo colaborativo...
•    O bibliotecário mediador e interagente caracteriza-se pela escolha direta de
     ...
Algumas tendências que afetam o futuro dos
                bibliotecários...

• Reorientação dos serviços para just-for-yo...
Bibliotecários como mediadores...
•   Devem continuar a cumprir sua missão – encontrar a informação
      para uso profiss...
Desenvolvimento de competências dos
                  bibliotecários...

•   Por um longo período prevaleceu o saber-fazer...
Domínios de competências dos bibliotecários...
                    (INCITE, 2005)
                                  • Grup...
Níveis dos domínios de competências...




            • Sensibilização

       • Conhecimento de práticas

        • Domí...
Algumas competências pessoais...
•  Procurar desafios e capitalizar novas oportunidades.
                  • Ter visão sis...
Como desenvolver esse perfil?




“ [...] Em meio ao mundo fascinante que se vislumbra no
 horizonte, no qual os indivíduo...
REFERÊNCIAS

BARRETO, A. de A. Os destinos da ciência da informação. Ciência da
Informação, Brasília, v.35, n.1, p.45-56, ...
Mensagem final...

“Onde quer que você veja um negócio de
sucesso, pode acreditar que ali houve, um
dia, uma decisão coraj...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

O profissional da informação na sociedade do conhecimento mediadores e interagentes

2,490 views
2,334 views

Published on

Published in: Travel, Business
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
2,490
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
64
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

O profissional da informação na sociedade do conhecimento mediadores e interagentes

  1. 1. O profissional da informação na sociedade do conhecimento: mediadores e interagentes? Regina Celia Baptista Belluzzo rbelluzzo@gmail.com
  2. 2. Estamos em plena era digital...
  3. 3. A mensagem é a mensagem.... (CASTELLS, 1997) • Redes digitais de comunicação, interligam o mundo e as pessoas e possibilitam o acesso simultâneo a diversas mensagens individualizadas, utilizando diferentes meios – a interatividade potencializa a audiência. • As práticas atuais de gestão vão ao encontro da multidisciplinaridade, da flexibilidade, da velocidade, da precisão e da pontualidade da informação. • Estamos em um “novo paradigma digital” fundamentado em uma “cultura digital”, termos emergentes que vêm sendo apropriados por diferentes setores e que incorpora perspectivas diversas sobre o impacto das TIC e da conexão em rede na sociedade.
  4. 4. Informação na sociedade da informação • O fluxo de informação, presente na sociedade da informação, advém, em grande parte,da emergência e da centralidade das tecnologias de informação e comunicação – TIC - no processo de produção e desenvolvimento. • As práticas sociais e culturais sofreram mudanças em decorrência desse processo, fazendo surgir, portanto, novas exigências e desafios para a sociedade. • Tal realidade coloca em discussão as novas relações sociais e as experiências virtuais emergentes, fazendo com que a sociedade busque realizar uma prática interdisciplinar, capaz de ampliar o escopo de atuação. • Conseguimos identificar exigências e apontar problemas, porém, o trabalho de construção das soluções ideais ainda está por ser executado.
  5. 5. Economia do conhecimento • Vivemos em uma economia onde a única certeza é a incerteza, sendo o conhecimento a única fonte mais confiável para a competitividade. • O conhecimento não deve ser interpretado como uma questão apenas de processamento da informação nas organizações. • Depende de insights, intuições e de ideais tácitos e da subjetividade das pessoas, onde o elemento crítico é o comprometimento pessoal e o senso de identidade com a sociedade contemporânea.
  6. 6. Papel estratégico da informação... • A informação tem um papel estratégico que não ocorre pela informação em si mesma e sim pelo seu conteúdo estratégico. • O conteúdo estratégico não se manifesta espontaneamente porque é apenas o objeto de um processo. • A informação enquanto processo exige a mediação e da interação humanas, pressupondo recursos intelectuais (memória, imaginação, percepção e raciocínio) organizados em torno de metodologias que objetivam a identificação dos conteúdos estratégicos.
  7. 7. Uma perspectiva diferente... • Migramos da função de “carregar informações em quantidade” para a “necessidade de técnicas de comunicação para filtrar, navegar no saber e pensar juntos, em lugar de carregar consigo grandes massas de informação” (LÉVY, 1999). • O que importa é que as informações transitem, cresçam e aperfeiçoem-se na interconexão humana e sejam colocadas à disposição no momento certo, às pessoas certas, na medida adequada para ajudá-las na compreensão da realidade e na solução de questões específicas.
  8. 8. Concepções da informação Criadores Processadores MERCADORIA Valor RECURSO Econômico Usuários Cadeia de Produção Poder e FORÇA SOCIAL Fluxo Contexto PERCEPÇÃO DE e PADRÕES Uso Recebe Produz Efeitos Efeitos e e Impactos Impactos
  9. 9. Informação e conhecimento INFORMAÇÃO CONHECIMENTO Conjunto de dados que Referências a atividades se transformam em cognitivas posteriores do conhecimento por meio sujeito histórico ativo da individualidade do individualmente, sendo sujeito histórico ativo e restrito a ele e diferente pode ser compartilhado para cada indivíduo. coletivamente Produto é Produto é processado Produtor situa-se em um Individual e e disseminado contexto histórico-social e é único. coletivamente afetado por diversos fatores e os afeta também
  10. 10. A gestão da informação na era digital: um espectro... “A informação precisa ser considerada como sendo estruturas significantes com a competência de gerar conhecimento no indivíduo, em seu grupo, ou na sociedade [...] Fica estabelecida uma relação entre a informação e o conhecimento que só se realiza se a informação é percebida e aceita como tal, colocando o indivíduo em um estágio melhor”. (BARRETO, 2006).
  11. 11. Algumas tendências... Existência de uma arquitetura de informação que tenha novas linguagens e categorizações para identificar e obter perfís e competências. Oferta de uma arquitetura tecnológica mais social, aberta, flexível e que atenda às necessidades individuais e coletivas. Criação de uma arquitetura de aplicações orientada para a solução de problemas e a representação do conhecimento.
  12. 12. Eis o nosso tempo...
  13. 13. E a atuação dos bibliotecários... • Desempenho de atividades em unidades de informação, desde as denominadas bibliotecas, centros de documentação / informação, redes de bibliotecas, sistemas de informação e bases de dados, até as bibliotecas digitais e virtuais, entre outras, bem como no gerenciamento de meios eletrônicos de comunicação: correio eletrônico (“e-mail”), listas de discussão, salas virtuais (”chats”), Bibliotecários passam a ser “newsgroups”, blogs, facebook, mediadores e interagentes twitter, teleconferências e outros nesse cenário. recursos.
  14. 14. Mediadores e interagentes? • Assumir o papel de mediador e interagente na sociedade da informação significa : • Investir na criação de competências suficientemente amplas que lhes permitam aplicar criativamente as novas mídias, seja em usos simples e rotineiros, sejam em aplicações mais sofisticadas. • Trata-se também de “aprender a aprender”, de modo a serem capazes de lidar positivamente com a contínua e acelerada transformação da base tecnológica, acessar a informação de forma inteligente e contribuir com a construção do conhecimento.
  15. 15. Mediação nas bibliotecas: primórdios... • Paul Otlet (1934) já indicava que a função do bibliotecário era “organizar e administrar uma biblioteca”, sendo ele uma mistura de educador, de trabalhador intelectual e manual, de gestor e de organizador. •Seu objetivo central deveria ser de “dar a conhecer as possibilidades do livro” mediante motivação: • Intelectual – considerando-se que o livro e a biblioteca pertencem ao mundo da ciência, da estética, da moral e do espiritual. • Técnica – conseguir que qualquer operação ocorra com os melhores procedimentos, os melhores materiais, os melhores instrumentos e as melhores pessoas. • Social – demonstrar preocupação em ser útil ao maior número de pessoas e trabalhar sempre para o progresso da sociedade. • Ser um “servidor dos servidores da ciência”, atuando na mediação do movimento universal em prol das bibliotecas para o alcance do progresso geral da humanidade, por assumir sua missão de “assistência ao leitor e ao pesquisador”.
  16. 16. Mediação: um processo... • A mediação é considerada como um processo de interlocução ou interação entre os membros de uma comunidade, pelo qual se estabelecem laços de sociabilidade. • A linguagem e a ação comum são os fatores privilegiados de mediação em informação. • Apresenta uma tipologia própria: Distribuída ou Partilhada Cumulativa Institucional Ocorre em serviços em Novas soluções e produtos Corresponde às instituições mídia digital que que se inovam e expandem com culturais como as bibliotecas, pertencem a entidades as TIC traz consigo a figura do sendo exercida por coletivas ou indivíduos usuário-produtor e isso requer bibliotecários e partilhada com em que os mediadores mediação de um interagente outros profissionais. localizam, selecionam idêntico ou similar. e disponibilizam conteúdos interativos.
  17. 17. Desagregação e colaboração: um novo espectro • Redução de conteúdo e instituições para unidades pequenas de uso e interação. • Usuários desejam o acesso a micro-conteúdos. • Ferramentas de comunicação síncrona, blogs, software open source são utilizados em larga escala como manifestações de colaboração. • Mais do que conectar-se o conectar- importante é contextualizar-se contextualizar-se.
  18. 18. Mediação: processo colaborativo... • O bibliotecário mediador e interagente caracteriza-se pela escolha direta de repertórios e conteúdos, uma marca própria deixada na elaboração de metadados, com a preocupação com o excesso de informação e que o usuário não consiga acessar e utilizar a informação de forma inteligente. • É importante a colaboração do bibliotecário em cenário de information overload que vivenciamos ser principalmente um educador no sentido de propiciar o desenvolvimento da competência em informação, entendida como o conjunto de competências críticas (cognitivas) dos usuários na busca, na avaliação e no uso da informação disponível. Esse processo requer profissionais dotados de múltiplos perfis, apostando em praticar uma mediação da informação de acordo com uma lógica relacional onde tempo, espaço e transações devem permitir ter a informação ao alcance dos dedos, porém, abrangendo o coletivo de uma sociedade.
  19. 19. Algumas tendências que afetam o futuro dos bibliotecários... • Reorientação dos serviços para just-for-you • Novos setores e usuários da informação – nativos digitais • Expansão de trabalho e aprendizagem colaborativa • Expansão da procura pelo desenvolvimento da competência em informação • Necessidade de serviços para usuários/produtores de informação remotos e à distância • Entre outras...
  20. 20. Bibliotecários como mediadores... • Devem continuar a cumprir sua missão – encontrar a informação para uso profissional e social, tratá-la para aumentar a sua qualidade, geri-la, torná-la facilmente acessível e transmiti-la aos usuários/cidadãos. • Os meios para o cumprimento dessa missão é que evoluem muito rapidamente, obrigando os bibliotecários a assumir novas atividades e a desenvolver competências, cujas fronteiras não estão muito bem definidas e suas terminologias nem sempre estão bem determinadas.
  21. 21. Desenvolvimento de competências dos bibliotecários... • Por um longo período prevaleceu o saber-fazer sobre o saber-ser. • O processo de desenvolvimento de competências baseia- se em habilidades e aptidões que envolvem todas as dimensões das pessoas. • A ênfase é oferecida à capacidade crítica e de autonomia, no espírito de iniciativa com audácia, na responsabilidade e na flexibilidade em face da mudança e do inusitado, além de uma visão empreendedora. • Isso implica em rupturas tanto na dinâmica interna dos espaços institucionais como também na própria dinâmica dos espaços sociais.
  22. 22. Domínios de competências dos bibliotecários... (INCITE, 2005) • Grupo I – Informação • Considerado o “coração da profissão”, agrupa domínios de competências que qualquer bibliotecário deve possuir, em maior ou menor nível e em condições de trabalho diversas. • Grupo T – Tecnologias • Compreende domínios de competências que não têm em comum apenas assegurar uma função essencial, mas utilizar os mesmos instrumentos materiais e intelectuais mediados pelas tecnologias emergentes. • Grupo C – Comunicação • Considera que as noções de informação e comunicação são interdependentes e os meios utilizados são complementares. • Grupo M – Gestão (Management) • Entendido como sendo a necessidade da informação ser gerida e que as exigências dessa gestão têm repercussões sobre a qualidade da informação que se quer transmitir e sobre os meios de transmissão. • Grupo S – Outros Saberes • São as competências complementares que permitem ao bibliotecário ser conhecedor e versado sobre outros temas/áreas.
  23. 23. Níveis dos domínios de competências... • Sensibilização • Conhecimento de práticas • Domínio de ferramentas • Domínio da metodologia
  24. 24. Algumas competências pessoais... • Procurar desafios e capitalizar novas oportunidades. • Ter visão sistêmica. • Comunicar efetivamente. • Apresentar idéias de forma clara e negociar de forma ética e convincente. • Estabelecer parcerias e alianças. • Construir ambiente de respeito mútuo e de valorização da diversidade. • Aplicar uma abordagem de equipe, reconhecendo o equilíbrio da colaboração e liderança. • Assumir desafios e riscos calculados. • Planejar, estabelecendo prioridades e focando-se no que for considerado como sendo crítico. • Planejar a carreira profissional. • Pensar de forma criativa e inovadora. • Reconhecer o valor das redes profissionais. • Equilibrar o trabalho, a família e as obrigações comunitárias. • Permanecer flexível e positivo em tempos de mudanças permanentes e ágeis.
  25. 25. Como desenvolver esse perfil? “ [...] Em meio ao mundo fascinante que se vislumbra no horizonte, no qual os indivíduos terão acesso a todas as informações que necessitem realmente [...] é também um mundo de características algo assustadoras, na medida em que dele ainda não se conhecem nitidamente os contornos ou o quanto o novo ambiente representará em termos de ampliação da liberdade de opções[...]” (VERGUEIRO, 1997).
  26. 26. REFERÊNCIAS BARRETO, A. de A. Os destinos da ciência da informação. Ciência da Informação, Brasília, v.35, n.1, p.45-56, jan./abr. 2006. DRABENSTOTT, K. M.; BURMAN, C. M.; MACEDO, N. D. de. Revisão analítica da biblioteca do futuro. Ciência da Informação, Brasília, v.26 ,n.2 , 1997 Disponível em: http://revista.ibict.br/index.php/ciinf/article/view/401/360 Acesso em: 2 out. 2009. EUROPEAN COUNCIL OF INFORMATION ASSOCIATION (ECIA). Euro- referencial I-D: competências e aptidões dos profissionais europeus de informação-documentação. Lisboa: INCITE, 2005. v.1. ZAVAZONI, R. ; COHN, S. Cultura digital.br. Rio de Janeiro: Beco do Azougue, 2009. VERGUEIRO, W. de C. S. O futuro das bibliotecas e o desenvolvimento de coleções : perspectivas de atuação para uma realidade em efervescência. Perspectivas em Ciência da Informação, Belo Horizonte, v.2, n.1, p.93-107, jul./dez. 1997.
  27. 27. Mensagem final... “Onde quer que você veja um negócio de sucesso, pode acreditar que ali houve, um dia, uma decisão corajosa”. (Peter Drucker) Muito Obrigada.

×