• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
O futuro da biblioteconomia no brasil   texto da profa. vania lima
 

O futuro da biblioteconomia no brasil texto da profa. vania lima

on

  • 4,161 views

Fala apresentada pela Profª Drª Vânia Mara Alves Lima (ECA-USP), no dia 28/05/2010, no Debate: O futuro da Biblioteconomia no Brasil, durante o I Seminário de Biblioteconomia e Ciência da ...

Fala apresentada pela Profª Drª Vânia Mara Alves Lima (ECA-USP), no dia 28/05/2010, no Debate: O futuro da Biblioteconomia no Brasil, durante o I Seminário de Biblioteconomia e Ciência da Informação da Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo.

Statistics

Views

Total Views
4,161
Views on SlideShare
4,139
Embed Views
22

Actions

Likes
0
Downloads
72
Comments
0

2 Embeds 22

http://www.fespsp.org.br 21
http://www.slashdocs.com 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    O futuro da biblioteconomia no brasil   texto da profa. vania lima O futuro da biblioteconomia no brasil texto da profa. vania lima Document Transcript

    • O futuro da Biblioteconomia* Vânia Mara Alves Lima A nossa sociedade desde o final do século passado tem sido denominada sociedade da informação ou sociedade do conhecimento. Informação e conhecimento são conceitos interdependentes e interdisciplinares, pois sem informação não se produz o conhecimento e sem conhecimento não se produz informação. Atualmente, com o desenvolvimento das novas tecnologias de comunicação, que permitem qualquer pessoa “postar” uma informação, a qual pode gerar um conhecimento que se transformará novamente em informação, em um ciclo constante, surgem questionamentos sobre o futuro da Biblioteconomia. Isso porque o objetivo da Biblioteconomia tem sido dar condições para que esse ciclo conhecimento/informação/conhecimento se efetive e possibilite o desenvolvimento da sociedade. Das tábuas de argila ao IPad foram várias as mudanças de paradigma na área, mas é a partir do final do século 20, com a consolidação da Internet e a crescente velocidade na atualização das tecnologias da comunicação, que a Biblioteconomia sofre as mais profundas modificações, passando a conviver com documentos digitais em estoques eletrônicos. Segundo índices internacionais até 2015 a maioria dos documentos que importam para a pesquisa e o ensino, em todas as áreas, serão em formato digital (BARRETO, 2010). Até a bíblia da Ciência da Informação, o “Annual Review of Information Science” teve sua versão impressa cancelada esse ano, devido a queda na demanda e a alta dos custos. Consolida-se então a principal mudança no paradigma que norteou a Biblioteconomia por séculos, do paradigma do acervo físico passa-se para paradigma da informação. Nesse paradigma, além de desenvolver novas metodologias e instrumentos de trabalho, que permitam organizar e recuperar a informação independente do seu suporte, a Biblioteconomia também deve considerar uma variável, que por muitos anos foi inferida como importante, mas que nesse [Digite texto] Palestra proferida no Seminário Biblioteconomia e Ciência da Informação da Faculdade de Biblioteconomia e Documentação da Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo em 28/05/2010.
    • início de século tem se apresentado como um objeto de estudo prioritário na área, o relacionamento sujeito/informação. A era digital veio provocar uma revolução na forma como as pessoas interagem com a informação, como se comunicam e como disseminam essa informação. O usuário hoje gera e dissemina a informação, em redes sociais como o orkut, o facebook e principalmente o twitter. E essas ferramentas se tornaram tão importantes na disseminação da informação que a Library of Congress comprou os “tweets”, os quais serão arquivados digitalmente pela LC. São 50 milhões de ”tweets” todos os dias e se vocês enviaram algum tweet hoje parabéns os seus 140 caracteres já fazem parte do acervo da LC. Esse usuário nascido depois de 1993, que não conhece a vida antes da Web, pertence a denominada “geração google”, objeto de um estudo da British Library e do Joint Information Systems Committee (JISC). Nesse estudo, divulgado em 2008, foram analisados: o comportamento dessa geração frente a ampla variedade de recursos de informações que se criam digitalmente, principalmente, no que se refere a busca de conteúdos na web e se isso interferiria no comportamento de futuros pesquisadores. O estudo demonstra que enquanto usuária de recursos informacionais, a geração “google” busca cada vez mais "a resposta" e não um formato determinado; como uma monografia ou um artigo de revista. Por outro lado, observa que ela demonstra dificuldade na seleção dos termos de busca mais adequados e na maioria das vezes utiliza a linguagem natural, o que causa um elevado indice de revocação e um alto ruído na recuperação da informação requisitada. Outra característica do comportamento informacional da geração google é a leitura superficial. O estudo demonstra que 60% dos usuários de revistas eletrônicas não visualizam mais do que três páginas de um artigo e mais de 65% desses usuários nunca regressam a essas páginas. Essa leitura seletiva pode ser considerada como consequência do grande volume de informações que recebemos diariamente, qualquer que seja o assunto, mas também está relacionada à competência informacional do usuário, a qual deve ser objeto de investigação da Biblioteconomia. [Digite texto] Palestra proferida no Seminário Biblioteconomia e Ciência da Informação da Faculdade de Biblioteconomia e Documentação da Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo em 28/05/2010.
    • O usuário hoje não é mais um sujeito passivo em relação aos sistemas de informação, portanto é necessário elaborar novas metodologias para o desenvolvimento de sua capacitação informacional, além do domínio das novas tecnologias. Essa capacitação inclui a apropriação dos processos inerentes a um sistema de recuperação da informação, como a lógica da representação das informações na base de dados e as ferramentas chaves para a recuperação dessas informações, como os mapas conceituais e as terminologias do domínio no qual o sistema se insere. As tecnologias da informacão e comunicação proporcionaram uma autonomia aos usuários que não deve ser encarada como "ameaça", mas sim como um estímulo ao desenvolvimento de novas alternativas para a Biblioteconomia e consequentemente uma reformulaçao na atuação das bibliotecas. Os novos cursos de graduação em Biblioteconomia devem não só formar profissionais capazes de analisar o ambiente em que atuam e inventar novas possibilidades de atender as necessidades sociais, mas principalmente preparar profissionais que possam atuar efetivamente na capacitação dos usuários para quaisquer sistemas de informação. Além disso, os cursos devem começar a discutir o futuro do bibliotecário enquanto profissional da informação. Segundo Souza (2004), ao termo profissional da informação, podemos atribuir dois significados: o primeiro deles é composto por vários papéis profissionais já estabelecidos, social e economicamente, incluído o bibliotecário, o segundo é de um novo papel profissional que vem se estabelecendo social e politicamente a partir dos anos noventa no contexto em que surge a tal Sociedade da Informação e do Conhecimento. O nome profissional designa identificação genérica socialmente atribuída a um conjunto de funções interrelacionadas executadas por pessoas que as adquirem como habilidades intelectuais e/ou operativas com base em preparação acadêmica ou por meio de treinamento e estágios de aprendizagem. Essas habilidades, necessárias à execução de funções em dada sociedade e tempo, são reescritas ou redefinidas por várias razões, por [Digite texto] Palestra proferida no Seminário Biblioteconomia e Ciência da Informação da Faculdade de Biblioteconomia e Documentação da Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo em 28/05/2010.
    • um lado, as novas descobertas científicas e as novas aplicações tecnológicas, e por outro lado, às decisões econômicas e políticas (SOUZA, 2004). A pergunta que se apresenta é se os cursos de Biblioteconomia têm redefinido as habilidades e competências do bibliotecário para atuar na sociedade? Tradicionalmente, segundo Souza (2004), o bibliotecário tem duas missões básicas: • conhecer e utilizar os meios que levam a localização de qualquer fonte de informação cujo conteúdo possa a qualquer momento ser pedido por qualquer pessoa; • produzir informação sintética, descritiva e analítica de todo o acervo físico, ou não, que constituído pelo conjunto de todas as fontes conhecidas tenha conteúdo que possa a qualquer momento ser pedido por qualquer pessoa. Será que bibliotecário está humanamente preparado para cumprir com essas missões em qualquer situação ou ambiente, independentemente do instrumental tecnológico que lhe for colocado em mãos? Voltamos ao tema da interdisciplinaridade, já delineada na relação informação/conhecimento, e que se concretiza como uma das dificuldades no tratamento da informação. A informação é complexa e necessita de equipes multidisciplinares para desenvolver seus processos de análise (DRABENSTOTT, 1997). Disputas sobre o que é da minha área ou o que é da sua área são frequentes, lembro bem uma discussão quando da hierarquização dos descritores do Vocabulário Controlado do SIBi/USP, entre a Engenharia Agronômica (ESALQ) e a Engenharia Química (POLI). Depois de muitos argumentos sobre em qual hierarquia deveriam ser incluídos determinados descritores a bibliotecária da Poli resolveu a questão dizendo: “a premissa aqui é seguinte, você planta a cana e eu faço a pinga” contemplando assim, nesse contexto, a questão da interdisciplinaridade. Inserimos também na pauta para as discussões sobre o futuro da Biblioteconomia, a questão terminológica. Os limites de uma área do [Digite texto] Palestra proferida no Seminário Biblioteconomia e Ciência da Informação da Faculdade de Biblioteconomia e Documentação da Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo em 28/05/2010.
    • conhecimento refletem-se na sua terminologia. A terminologia de uma área específica é a base para a comunicação científica e, portanto, essencial para a representação, recuperação e disseminação da informação possibilitando assim, o avanço do conhecimento. Portanto, para delinear a Biblioteconomia no futuro precisamos traduzir as questões quanto as novas tecnologias e a capacitação informacional dos usuários em conceitos da área de maneira a constituir uma nova terminologia que possibilite a comunicação científica e o avanço do conhecimento no âmbito da Biblioteconomia Nossos colegas da área da computação, por exemplo, elaboram esquemas para a organização e classificação da informação em sites, aos quais denominam de ontologias ou taxonomias, como processos de uma área que vem sendo conhecida como Arquitetura da Informação. Mas, não seriam os bibliotecários também arquitetos da informação? Segundo Lucio Costa (1995) "Arquitetura é construção, mas, construção concebida com o propósito primordial de ordenar e organizar o espaço para determinada finalidade e visando a determinada intenção”, ou ainda, “construção em função de uma determinada época, de um determinado meio, de uma determinada técnica e de um determinado programa”. Qualquer semelhança aqui não é mera coincidência, afinal o espaço informacional virtual necessita urgentemente de organização visando as finalidades e as intenções de seus usuários, ou como bem coloca Carvalho, a Biblioteconomia precisa contemplar o contexto, o tema e o público. Alguns alunos têm questionado sobre “como se especializar em uma área se os cursos de graduação hoje, se mostram genéricos sem o direcionamento para áreas específicas de atuação? Essa também é uma das questões a serem respondidas se a Biblioteconomia quer ter futuro. Como conciliar uma formação humanística geral, necessária para o entendimento da sociedade na qual estamos inseridos, e ao mesmo tempo conhecer e trabalhar com públicos específicos de informação? Talvez um curso com uma formação interdisciplinar, onde em um primeiro momento o aluno seja capacitado a compreender a informação na [Digite texto] Palestra proferida no Seminário Biblioteconomia e Ciência da Informação da Faculdade de Biblioteconomia e Documentação da Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo em 28/05/2010.
    • sociedade contemporânea, sua relação com a cultura, a economia, a história, a educação e domine plenamente os instrumentos de busca para obter as informações de que necessita principalmente aquelas que se articulam com outros campos do saber. Onde essa compreensão implique no desenvolvimento da capacidade de crítica e de elaboração de soluções para questões da área e em um segundo momento o aluno possa obter o conhecimento fundamental de áreas específicas da Informação como a informação do ponto de vista dos usuários de serviços, a identificação de produtos informacionais aplicáveis a determinadas situações, noções sobre a informação aplicada aos campos da educação, das corporações e negócios, da administração pública e privada, fundamentos de museu enquanto informação organizada, bases da informação pública e da ação cultural, teoria e prática de bancos de dados, bases da tecnologia da informação e noções essenciais da organização temática do conhecimento (MILANESI, 2009). Uma formação interdisciplinar, como base, permitiria aos futuros egressos: - desenvolver novas formas de acesso, sem restrição geográfica e temporal; - experimentar novos meios de recuperação e administração da informação, - mediar a inclusão digital, para que ela leve efetivamente a uma inclusão informacional, cultural e social; - mediar os processos da infoeducação, a saber, o protagonismo cultural e a apropriação simbólica, destacando o objetivo histórico dos dispositivos culturais e educacionais, em resumo mediar a assimilação cultural; - orientar as chamadas unidades de informação especializada a atuarem como centro de produção e disseminação do conhecimento científico e tecnológico; - organizar, processar e disseminar as informações na Web, além de disponibilizar mecanismos de busca eficientes para os usuários do sistema. Passaríamos assim, de uma prática bibliotecária racionalizadora de raízes norte-americanas, fundamentada na regulamentação de uma profissão, para o exercício de atividades de documentação e de estudo onde surgem perfis profissionais diversos, nem sempre regulamentados, cujo ponto comum é a informação. [Digite texto] Palestra proferida no Seminário Biblioteconomia e Ciência da Informação da Faculdade de Biblioteconomia e Documentação da Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo em 28/05/2010.
    • Para ter um futuro a Biblioteconomia precisa se arriscar, nada mais deve ser sagrado, tudo é passível de modificação ou renegociação. Ela deve iniciar a sua transformação, sem esperar que o mercado lhe indique o caminho a seguir. É necessário sair do isolamento e parar de se colocar como guardiã do conhecimento e proprietária dos meios de acesso à informação, ampliar seu relacionamento não só com as chamadas áreas “irmãs”, Arquivologia, Museologia, mas principalmente com a Comunicação, com a Educação e com a Computação, além de ocupar o seu espaço nas redes sociais. Ela deve estar aberta a novas metodologias de análise, processamento e disseminação da informação, buscando contemplar futuras realidades sociais. Para isso o maior desafio é renovar os conteúdos programaticos dos cursos de graduação. O desafio da mudança não pode ser visto como uma ameaça mortal, mas uma oportunidade para renovação, talvez mesmo um renascimento do ensino superior e de sua biblioteca. Finalizando, como bem disse Peter Drucker, a melhor forma de prever o futuro é criá-lo. Bibliografia BAPTISTA, S MULLER, S. Considerações sobre o mercado de trabalho do bibliotecário Inf. cult. soc. Ciudad Autónoma de Buenos Aires, n.12, ene./jun. 2005. BREGLIA, V L A ; RODRIGUES, M E. O desafio de modelar a formação profissional: o futuro do presente. Inf.Inf., Londrina, v. 7, n. 1, p. 57-66, jan./jun. 2002 CASTRO, C. O ensino e pratica da Biblioteconomia na era das inceetezas. ETD- Educação Temática Digital. Campinas,v.6, n.2, p.17-29 jun.2005 COSTA, Lúcio (1902-1998). Considerações sobre arte contemporânea (1940). In: Lúcio Costa, Registro de uma vivência. São Paulo: Empresa das Artes, 1995. 608p. DRABENSTOTT, K M; BURMAN, C M. Revisão analítica da biblioteca do futuro. Ci. Inf. v. 26 n. 2 Brasilia May/Aug. 1997. MATHEWS, B. S. O bibliotecário como empreendedor: um projeto para transformar o nosso futuro. Disponível em: http://extralibris.org/2006/11/o- bibliotecario-como-empreendedor-um-projeto-para-transformar-o-nosso-futuro. Acessado em 22/05/2010. MILANESI, L. Proposta para reestruturação do CBD. 2009 (Documento de trabalho) [Digite texto] Palestra proferida no Seminário Biblioteconomia e Ciência da Informação da Faculdade de Biblioteconomia e Documentação da Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo em 28/05/2010.
    • SANTOS, J. O moderno profissional da informação: o bibliotecário e seu perfil face aos novos tempo. Inf.&Inf., Londrina, v.1, n.1, p.5-13, jan./jun. 1996 SOUZA, Francisco Chagas. O nome profissional “bibliotecário” no Brasil: o efeito das mudanças sociais e econômicas dos últimos anos doséculo XX . Enc. Bibli: R. Eletr. Bibliotecon. Ci. Inf., Florianópolis, n.18, 2º sem. 2004. INFORMATION behaviour of the researcher of the future. De la British Library y el JISC, traduccíon em español publicado en línea el 11 de enero de 2008. <http://www.jisc.ac.uk/media/documents/programmes/reppres/ gg_final_keynote_11012008.pdf>. Acesso 22/05/2010, [Digite texto] Palestra proferida no Seminário Biblioteconomia e Ciência da Informação da Faculdade de Biblioteconomia e Documentação da Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo em 28/05/2010.