• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Projeto de Intervenção
 

Projeto de Intervenção

on

  • 27,680 views

 

Statistics

Views

Total Views
27,680
Views on SlideShare
27,679
Embed Views
1

Actions

Likes
12
Downloads
0
Comments
1

1 Embed 1

https://m.facebook.com&_=1406674605454 HTTP 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft Word

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel

11 of 1 previous next

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
  • Projetos bons servem de modelos para os professores.
    obrigada
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Projeto de Intervenção Projeto de Intervenção Document Transcript

    • UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS CENTRO DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA ANA CLARISSE LIMA CÂNDIDO ELYNE NUNES GUEDES JACIANE JÉSSICA DA SILVA LAURE MONIQUE SILVA SANTOS TAMIRES LUANA DA SILVAFUNDAMENTAL É MESMO O AMOR, É IMPOSSÍVEL SER FELIZ SOZINHO Maceió 2012
    • 2 ANA CLARISSE LIMA CÂNDIDO ELYNE NUNES GUEDES JACIANE JÉSSICA DA SILVA LAURE MONIQUE SILVA SANTOS TAMIRES LUANA DA SILVAFUNDAMENTAL É MESMO O AMOR, É IMPOSSÍVEL SER FELIZ SOZINHO Projeto de Intervenção apresentado à Universidade Federal de Alagoas, do Curso de Pedagogia, comorequisito para oEstágio Supervisionado I. Orientadora: Prof.ªMsc. Karla Oliveira Maceió 2012
    • 3 SUMÁRIO1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO.............................................................................32. JUSTIFICATIVA.........................................................................................................33. PROBLEMA E HIPÓTESE........................................................................................44. OBJETIVOS..................................................................................................................55. EMBASAMENTO TEÓRICO.....................................................................................66. METODOLOGIA.........................................................................................................87. CRONOGRAMA DE AÇÕES.....................................................................................98. REFERÊNCIAS..........................................................................................................10
    • 4FUNDAMENTAL É MESMO O AMOR, É IMPOSSÍVEL SER FELIZ SOZINHO 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO O título para o projeto de intervenção que será realizado na Escola de EnsinoFundamental Professora Eulina Ribeiro Alencar, situada no bairro do Jacintinhoé:Fundamental é mesmo o amor, é impossível ser feliz sozinho, tendo como tema gerador asrelações interpessoais e como questão central,Como as relações interpessoais podeminfluenciar na efetivação do trabalho pedagógico?
    • 5 2. JUSTIFICATIVA DO TEMA Este projeto versa uma intervenção voltada para a relação entre professor/professorcom o objetivo de auxiliar esses relacionamentos. Há uma frase de Martin Buber que diz: O ser humano se torna eu pela relação com ovocê. À medida que me torno eu, digo você. Todo viver real é encontro. Tomando porfundamento essa frase, escolhemos o tema “Fundamental é mesmo o amor, é impossível serfeliz sozinho” com base nas dificuldades relatadas pela gestão da escola, que tambémressaltou a necessidade de continuação do projeto de intervenção do grupo de estagiárias dosemestre passado e com intuito de levantar alguns questionamentos sobre a necessidade dotrabalho coletivo, sobre a importância de trabalhar em equipe, de respeitar o outro, respeitar asopiniões diversas e contribuir para que o ambiente de trabalho seja um lugar harmonioso. O objetivo deste projeto de intervenção é mostrar que esses educadores podem edevem fazer a diferença, que é importante ter amor pelo que se faz, que nós possuímos umpapel essencial na sociedade, podemos nos apropriar de uma frase de Paulo Freire (1987) quese relaciona tão bem com o que pretendemos articular: “ninguém educa ninguém, ninguém seeduca sozinho, os homens se educam em comunhão”.
    • 6 3. PROBLEMA E HIPÓTESE Quando se pensa nas diversas especificidades do contexto escolar, é imprescindíveltrazer à tona as relações pedagógicas tanto entre professores e professores, professores ealunos, aluno e alunos e pais e professores, pois tais relações interferem diretamente noplanejamento, na prática pedagógica e no desenvolvimento da aprendizagem dos alunos.Diante de tais problemáticas constatadas no campo de estágio vivenciado por nós, surge anecessidade de refletirmos neste sentido, a fim de buscarmos saídas para tais situações. Então surgem diversos questionamentos quanto às relações interpessoais entre osdiversos sujeitos pedagógicos: Como fazer com que os professores se unam e trabalhem deforma coletiva na garantia de um ensino e de uma aprendizagem significativa para seus alunosproporcionando um ambiente harmonioso nesta instituição? A partir disso, observamos juntos com a gestão da escola a necessidade de umaintervenção nas relações interpessoais, a necessidade desta intervenção se dá diante dasdificuldades de relacionamento dos membros da comunidade escolar, que percebemosenquanto visitamos e através dos acontecimentos que vivenciamos na escola. Nas relações interpessoais entre os professores, que atinge diretamente o adequadoandamento das práticas pedagógicas na escola, é primordial que se parta para ações que façamcom que os docentes reflitam e redirecionem a relação entre os mesmos, para uma devidamudança de postura, os quais possam trabalhar de forma amigável, coletiva, rumo à aceitaçãoda opinião do “outro”, com o propósito de pensar e planejar suas práticas de ensino quegarantam o desenvolvimento e aprendizagem dos alunos. As relações interpessoais que não sedão de forma adequada interferem nas diversas outras relações que se passam no contextoescolar. Sendo assim é que partiremos para ações que possam ajudar os professores arefletirem sobre as relações interpessoais que estão postas na escola, para uma devidamudança nas ações dos mesmos.
    • 7 4. OBJETIVOS: Objetivo Geral: Conduzir uma intervenção com base nas relações interpessoais entre professor-professor quepossibilitem formar verdadeiras equipes para a melhoria do ensino-aprendizagem, todos trabalhandojuntos e em grupo. Propondo também um melhor convívio com os colegas, e um lugar onde possahaver diálogos e construção de projetos em equipe para a melhoria da Instituição, para que assim osindivíduos envolvidos possam se tornar sujeitos reflexivos. Objetivos Específicos: Provocar uma reflexão sobre o relacionamento entre professor-professor; Construir formas de intervenção nessas relações a partir de embasamentos teóricos, para que os professores reflitam suas atitudes no ambiente escolar mediante as ações que iremos executar. Planejar momentos de discussões com temas, como: o papel social do professor, a importância das relações interpessoais na escola e que essa proposta possa ser um auxílio para que os professores expressem seus pensamentos e reflitam sobre suas respectivas posturas enquanto educadores e seu papel na organização escolar.
    • 8 5. EMBASAMENTO TEÓRICO A escola possui o papel de transmissora de conhecimentos, no desenvolvimento plenoda pessoa humana e na formação para a cidadania. Mas, mesmo cumprindo a tarefa básica depossibilitar o acesso ao saber, sua função social apresenta variações em diferentes momentosda história, sociedades, países, povos e regiões. Mesmo depois da expansão e daobrigatoriedade da escolaridade para as crianças, ainda há problemas educacionais. Asociedade está em permanente mudança, e isto leva a escola a se adequar para fazer de seusalunos atuantes desta transformação, e não sujeitos passivos alheios a esta mudança. A escola deve proporcionar o desenvolvimento de seus alunos para o convívio nacultura global e a partir do desenvolvimento das competências de aprender a conhecer,aprender a fazer, a conviver e aprender a ser. O professor, por definição é o elemento chave no bom sucesso de uma escola, nasrelações humanas dentro dela, no aproveitamento dos alunos e no rendimento escolar, poiseste se encontra inserido numa prática democrática na instituição escolar que indica odesenvolvimento da comunicação e do relacionamento interpessoal, bem como a participaçãode todos os profissionais envolvidos no diálogo, e este é possibilitado pela ação e reflexão. A inclusão da afetividade, o diálogo, a cooperação, o saber ouvir e a própria atenção ecarinho com todos são de grande importância no processo de ensino e aprendizagem, pois oamor é fundamental, é a base de toda a vida. As frases como “Como você está hoje?” e“Tenha um bom dia!” podem ajudar a firmar uma proximidade, que vai além do serprofessore transformar colegas de trabalho em companheiros. Em um ambiente organizacional onde realmente existe carinho entre os indivíduos, oclima ficará mais tranquilo e harmonioso e dentro da escola onde se propaga a gestãodemocrática, a afetividade nas relações interpessoais deve surgir conectada à práticapedagógica, visando promover a qualidade da educação.A prática democrática na instituição escolar propõe o desenvolvimento da participação detodos os profissionais envolvidos e do diálogo, sendo assim, a melhoria das relaçõesinterpessoais favorecem : [...] um ambiente de trabalho no qual prevaleçam relações interpessoais mais humanas e justas, privilegiando o respeito à
    • 9diversidade sociocultural de todos os envolvidos no processoeducacional que se relacionam diretamente com o aluno(SILVA, 2008, p. 13).
    • 10 6. METODOLOGIA: A nossa metodologia tem por base uma pesquisa de campo qualitativa. A pesquisa decampo procede à observação de fatos e fenômenos exatamente como ocorrem no real, à coletade dados referentes aos mesmos e a análise e interpretação desses dados, com base numafundamentação teórica, objetivando compreender e explicar o problema pesquisado. Apesquisa qualitativa tem caráter exploratório, é utilizada quando se busca percepções eentendimento sobre a natureza geral de uma questão. Para a coleta de dados utilizamos um roteiro semi-estruturado e realizamos entrevistascom os membros da comunidade escolar, a partir das respostas que obtivemos,nosmobilizamos para a construção do projeto de intervenção. Compartilhamos as perguntas entrea equipe e dividimos entre nós para que todas pudessem participar e contribuir para aexecução da atividade. A caracterização da escola foi realizada através da observação e da coleta de dados,com intuito de investigarmos as ações da escola, principalmente da equipe gestora, diante dasrelações pessoais. Com este objetivo, nos reunimos e definimos as ações podem ser aplicadaspara que a intervenção seja um repensar das práticas pedagógicas, que implique na formaçãocrítica dos sujeitos que se inserem naquela comunidade escolar. Utilizamos em nosso projeto a pesquisa participante. A pesquisa participante foi criadana década de 60 no momento em que a sociedade americana passava por processos demudanças estruturais. Tem como principal objetivo a aproximação do pesquisador com oobjetivo da pesquisa. Segundo Grossi (1981): “Pesquisa participante é um processo depesquisa no qual a comunidade participa na análise de sua própria realidade, com vistas apromover uma transformação social em benefício dos participantes que são oprimidos”.Portanto, é uma atividade de pesquisa educacional orientada para a ação, que permite que opesquisador trabalhe com o objeto pesquisado de igual para igual, ou seja, sem a influência deideologias e com autenticidade e compromisso.
    • 11 7. CRONOGRAMA DE AÇÕESDatas Ações 25/abr Apresentação do projeto de intervenção para a equipe gestora. Preparação de material para a divulgação das ações, para panfletagem e para construção do 02/mai varal. 09/mai Divulgação das ações, panfletagem, exposição do varal. 16/mai Planejamento para o teatro do oprimido. 23/mai Teatro do oprimido. Avaliação/ reflexão sobre o teatro do oprimido/ Utilização de música, como um momento de 30/mai relaxamento e reflexão. 06/jun Planejamento para o encontro com os professores. 13/jun Encontro com os professores para discussão e encerramento.
    • 12REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICASESTRELA, Maria Teresa (org.).Viver e construir a profissão docente. Porto: Porto Editora,1997. (Coleção Ciências da Educação, n. 26).PENIN, Sônia Teresinha de Souza; VIEIRA Sofia Lerche.; MACHADO . Maria Aglaê deMedeiros. Progestão: como articular a função social da escola com as especificidades e asdemandas da comunidade? Brasília: Consed, 2001 (Módulo 1).SILVA. Elaine Aparecida. Relações Interpessoais no Ambiente Escolar. RevistaEmExtensão, Uberlândia, v. 7, n. 2, p. 10 - 18, 2008.MINICUCCI. Agostinho. Relações humanas na escola. São Paulo: Melhoramentos, 1968.