Relatório de estágio  abatedouro frigorífico
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Relatório de estágio abatedouro frigorífico

on

  • 10,617 views

Relatório das atividades desenvolvidas durante estágio em uma empresa do segmento abatedouro frigorífico de caprinos e ovinos

Relatório das atividades desenvolvidas durante estágio em uma empresa do segmento abatedouro frigorífico de caprinos e ovinos

Statistics

Views

Total Views
10,617
Views on SlideShare
10,617
Embed Views
0

Actions

Likes
1
Downloads
77
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Relatório de estágio  abatedouro frigorífico Relatório de estágio abatedouro frigorífico Presentation Transcript

  • UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANADEPARTAMENTO DE TECNOLOGIACURSO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOSDISCENTE: MÔNICA MATOS DE OLIVEIRA RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO BABY BODE Empreendimentos Agropecuários Ltda Orientadora: Prof.ª Dr.ª Silvia Maria Almeida de Souza Co-orientadora: Flávia Andrade de Freitas
  • DESCRIÇÃO DA EMPRESA Nasceu em 1993, na cidade de Feira de Santana Iniciou cortes especiais provenientes de animais bastante jovens Desafios iniciais Tecnologia de embalagem a vácuo Em 1994, a Baby-Bode iniciou a distribuição nas principais redes de supermercados e delicatessens de Salvador. Em 1996 foi objeto de uma reportagem na revista veja e em Dezembro de 1997, foi capa da revista Globo Rural
  • DESCRIÇÃO DA EMPRESA Relacionamento com os produtores Durante o ano de 2004 a Baby-Bode se tornou um dos maiores e mais completos frigoríficos especializados do Brasil Desde abril de 2005, o frigorífico passou a operar com o S.I.F. (Serviço de Inspeção Federal) Passou a explorar o abate de avestruzes e pacas Supervisão do controle de qualidade
  • OVINOCAPRINOCULTURA MUNDIAL Figura 1 – Densidade populacional mundial de ovinos (cabeças) por Km² em 2004. EUA Casaquistão Irã Espanha Marrocos Brasil China Turquia Nigéria Índia Uruguai Chile Argentina Fonte: FAO, 2007
  • OVINOCAPRINOCULTURA MUNDIAL População mundial de caprinos e ovinos: pouco aumento nas últimas décadas em relação às necessidades do consumo humano. Últimos 10 anos:  Produção de carne caprina 4,1% a.a  Carne ovina: 1,7% a.a. Maioria: Ásia (China, Índia, Irã e Paquistão 2010: expansão de mais de dois por cento em 2010.
  • PRODUÇÃO MUNDIAL Figura 2. Produção Mundial de Carne Caprina e Ovina Fonte: FAO, 2007
  • OVINOCAPRINOCULTURA NOBRASIL Em 2008 Rebanho Ovinos Caprinos Bovinos Cabeças/ 16.628 9.355 202.287 milhões Considerando a dimensão territorial do País, estes valores são considerados baixos
  • DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DECAPRINOS E OVINOS Figura 3. Distribuição geográfica do rebanho de ovinos e caprinos Fonte: Embrapa-Caprinos, 2002
  • EFETIVO DOS REBANHOSNORDESTE Fonte: IBGE - Pesquisa Pecuária Municipal (2010) Modificada
  • CADEIA PRODUTIVA A ovinocaprinocultura é hoje uma das esperanças do agronegócio brasileiro. Representadas pelos frigoríficos, curtumes e laticínios Frigoríficos: quantidades ainda tímidas, operam com elevada capacidade ociosa e funcionam de forma pouco articulada com os produtores. Laticínios: unidades pequenas e, em razão da limitada produção de leite de cabra e do baixo consumo do leite e seus derivados Curtumes: segmento industrial mais desenvolvido desse agronegócio, contudo, enfrentam problemas com a baixa qualidade das peles ofertadas e com ociosidade na capacidade instalada.
  • CADEIA PRODUTIVA Fonte: SEBRAE, 2005
  • CONSUMO DE CARNE CAPRINA EOVINA São universalmente utilizadas Consumo mundial de carne ovina e caprina: cerca de 2,1 kg/habitante/ano, ou 5% do total de carnes Carne bovina é cinco vezes maior, e carne suína quase oito vezes maior.
  • CONSUMO DE CARNE OVINA ECAPRINA Fonte: FAO, 2006
  • CONSUMO DE CARNE OVINA ECAPRINA No Brasil: consumo per capita 0,7kg Carnes bovina: 36Kg Frango: 24Kg Suína: 10 kg Fonte:CENINSA, 2002
  •  Déficit brasileiro: 13.217,87 t/ano 70% da carne para abastecimento do mercado interno é oriunda de países como a Nova Zelândia, Austrália, Uruguai e o restante de alguns países da Europa (DINIZ, 2004).
  • IMPORTAÇÕES DE CARNE DECAPRINOS E OVINOS Tabela 3. Importações de carne de ovinos no período de 1992 a 2000 Fonte
  • COMPOSIÇÃO QUÍMICA Baixos teores de gorduras e colesterol Alta digestibilidade Elevados níveis de proteína e ferro Repulsa pelo seu “cheiro” e/ou por seu sabor ou “flavour”
  • COMPOSIÇÃO QUÍMICA Tabela 4. Qualidade nutricional de cortes de carne caprina e ovina. Fonte: MADRUGA, 1993
  • ATIVIDADES DESENVOLVIDAS
  • PROCESSO PRODUTIVO GTA 12H 30S 3min 24h 10 a 13 C
  • PROCEDIMENTO ADOTADO NAAQUISIÇÃO DOS ANIMAIS Baseado na avaliação clínica, idade, sexo, guia de vacinação, que são registrados nas fichas de avaliação de fornecedores e controle de drogas veterinárias
  • DESCANSO EM JEJUM E DIETAHÍDRICA Currais de chegada ou seleção: descanso de 8 a 24 horas Reposição do glicogênio muscular Rigor mortis: fase caracterizada pelo desenvolvimento de uma condição de rigidez e inflexibilidade no músculo. pH do músculo cai Inicia 1 a 12 h do pós-morte, e pode durar de 15 a 20 h Devem ser submetidos a um jejum e dieta hídrica. Reduzir o conteúdo gástrico e facilitar a evisceração, reduzindo a carga microbiana e a possibilidade de contaminação da carcaça durante essa operação.
  • INSENSIBILIZAÇÃO Tornar o animal inconsciente abatido de forma eficiente, sem lhe causar dor e angústia Permite uma melhor sangria e manejo do animal no abate Não é completamente livre do estresse, mas reduz a resposta do animal às condições estressantes durante o abate. Conduzidos dos currais à seringa de aspersão, ingressando no box de atordoamento Eletronarcose.
  • SANGRIA Cortar o fornecimento de sangue para o cérebro do animal, induzindo-o à morte. Falha da circulação sanguínea :interrupção no fornecimento de oxigênio e de nutrientes e quebra no sistema de eliminação dos produtos resultantes do metabolismo celular. Transformação do músculo em carne Complexa serie de mudanças no tecido muscular e a fibra muscular deve modificar seu metabolismo A fibra muscular precisa manter a taxa de ATP para poder realizar suas funções vitais. Queda no suprimento de oxigênio: queda no potencial de oxirredução Inabilidade do músculo em ressintetizar ATP Metabolismo anaeróbio: queda da taxa de ATP e conversão do glicogênio em acido lático. Deve ser realizada imediatamente após a insensibilização Secção dos grandes vasos do pescoço na entrada do peito Tempo máximo de 30s. Espaço de tempo: mínimo 3 (três) minutos Esterilizadores
  • ESFOLA Retirada da pele sem permitir o contato da porção externa da pele com a região já esfolada Início: riscagem da pele com o fio da faca voltada para cima e com outra faca inicia-se o processo de esfola para a retirada do couro. Retirada das patas Remoção do couro por rolo Retirada da cabeça e da língua Retirada da traquéia Numeração da carcaça
  • EVISCERAÇÃO Retirada do trato intestinal Corte na cavidade pélvica, abdominal e torácica Inspeção das vísceras dirigidas para as mesas receptoras através das aberturas Carcaças condenadas Carcaças suspeitas
  • TOALETE Acabamento e apresentação Retirada de miúdos aderidos, eventuais contaminações visíveis, bem como ossos triturados, fraturados ou alguma parte da carcaça que foi condenada Penetrar nas câmaras de resfriamento sem resíduos
  • PESAGEM E LAVAGEM Carcaças são pesadas Lavadas manualmente Recebem o carimbo do SIF pH das carcaças.
  • RESFRIAMENTO Câmaras de resfriamento Permanecem por no mínimo 24 horas Ocorrem todas as reações físico- químicas
  • DESOSSA Espostejamento e desossa Pernil e paleta: faca Costela: serra-fita Controle de perigo físico
  • EMBALAGEM PRIMÁRIA ESECUNDÁRIA E ESTOCAGEM Embalagem primária:sacos de polietileno ou sacos de Barrier Bag identificadas por etiquetas com todas as informações necessárias (peso, data de validade, data de produção e composição nutricional). Embalagem à vácuo Embalagem secundária: caixas de papelão (embalagem secundária), identificadas com etiquetas, contendo informaçoes como o peso e a data de fabricação. Túnel de congelamento:congelamento rápido Funcionamento: -35ºC a -40ºC Após embalados são dispostos em palets Câmara de estocagem: estocagem de congelados Funcionamento: nunca superior a -18ºC
  • EXPEDIÇÃO São retirados paletizados Acomodados em baús frigoríficos Aplicação da política FIFO (first in, first out)
  • ATIVIDADES DESENVOLVIDAS 1. Bem estar do animal 2. Monitoração da limpeza e sanitização da área e das câmaras (antes do início das atividades) Preenchimento de check-list e Planilhas de Autocontrole. Plano de higienização no final da produção.  Preenchimento da planilha de PPHO Apresentação e uniforme dos colaboradores Na sala de abate: preocupação com a lavagem e esterilização das facas
  • ATIVIDADES DESENVOLVIDAS Tanque de esterilização Tanque de esterilização Fonte:Baby Bode
  • ATIVIDADES DESENVOLVIDAS Monitoramentos realizados as cada duas horas: Temperaturas dos esterilizadores Temperaturas das câmaras Kit de pH e clorro Cloro e pH da água
  • ATIVIDADES DESENVOLVIDAS Monitoramento de aspectos relativos à insensibilização e sangria • Tempo de insensibilização • Condução do animal • Brete de atordoamento • Voltagem do aparelho insensibilizador • Tempo entre a insensibilização e a sangria
  • ATIVIDADES DESENVOLVIDAS Medição do pH das carcaças Produção de acido lático: queda nos valores de pH do tecido muscular. pH fisiológico inicial: 7,0 a 7,4 pH final:5,3 a 5,5 (24 horas) Importante: alcançar o menor pH possível no músculo Cor mais desejável da carne, retardar o crescimento de bactérias deteriorantes. Animais estressados: podem apresentar queda do pH fora do que é considerado normal. Carnes PSE (pale, soft, exudative): decréscimo de pH é muito mais rápido do que em uma normal Primeira hora: atinge o pH final Carnes DFD (Dark, Firm and Dry: escuras, duras e secas): queda de pH ocorre de forma muito pouco acentuada
  • ATIVIDADES DESENVOLVIDASControle do pH: 1. Plano de amostragem na inspeção por atributos• São características da qualidade que são expressas em base “vai, não vai”2. Determinação do tamanho do lote• Fornecedor, espécie e sexo3. Escolha do nível de inspeção• Nível II4. Determinar o código literal do tamanho da amostra• Tabela 1 do anexo A5. Escolha do plano de amostragem• Plano de amostragem única• Seleciona-se aleatoriamente
  • 6. Estabelecimento da severidade da inspeçãoRegime normal7. Determinar o tamanho da amostra e o número de aceitação Baseados nos requisitos para inspeção simples e regime aceitação normal: Tabela 2.8. Retirada da amostra A amostra é retirada do lote, ao acaso, na quantidade de unidades de produto, conforme determinado na Tabela 29. Inspeção da amostra Medida do pH da carcaça após 1 hora e 24 horas do abate. Após uma hora: pH entre 7,4 e 5,5 Após vinte e quatro horas: pH entre 5,5 e 5,3. O número de defeituosos (ou “defeitos por cem unidades”) é então, contado e comparado com o(s) número(s) de aceitação.
  • ATIVIDADES DESENVOLVIDAS11. Plotagem de Gráficos de controle11.1 Registro dos dados e cálculo da fração ou porcentagem não - conforme para cada amostra Cada amostra e a quantidade de não-conformes (ou de não-conformidades) deve ser registrada em uma planilha Controle feito na empresa: Data; Horário de chegada dos animais; Horário de início de abate; Peso da carcaça; pH da carcaça Lote/fornecedor. A planilha proposta:Número da carcaça; Sexo; pH após uma hora e após vinte e quatro horas. Folha de Controle: número lote, tamanho da amostra, numero de peças não-conformes e percentual de não conformes.
  • 11.2 Calculo da fração não-conforme media ( ) e do desvio padrão σp (sigma p). = soma dos itens não conformes total de itens inspecionados σp = 11.3 Cálculo dos limites de controle LSC = + 3 σp LIC = - 3 σp11.4 Plotar o gráfico usando os dados fornecidos.
  • ATIVIDADES DESENVOLVIDAS7. Interpretação de gráficos p Se todos os pontos caírem dentro dos limites de controle Se um ponto cair acima do limite superior Se um ponto cair abaixo do limite de controle inferior, Quando diversos pontos caírem fora dos limites de controle
  • CONCLUSÃO Uso dos Programas de Autocontrole (BPF, PPHO e APPCC) tem fornecido: Garantia da segurança do alimento Redução de perdas de matéria-prima e produtos Maior credibilidade junto ao cliente e ao fornecedor Maior competitividade do produto na comercialização e atendimento aos requisitos legais do Ministério da Saúde e Ministério da Agricultura.
  • CONCLUSÃO O frigorífico precisa melhorar:  Temperatura da sala de desossa  Temperatura de algumas câmaras  Conscientização dos funcionários quanto à esterilização de facas e lavagens das mãos na sala de desossa.  Importância da higiene.
  • CONSIDERAÇÕES FINAIS O estágio supervisionado permitiu: Pôr em prática os conhecimentos adquiridos durante o curso de Engenharia de Alimentos As ações corretivas não foram totalmente implantadas
  • REFERÊNCIAS ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas. Guia para inspeção por amostragem no controle e certificado de qualidade – NBR5425. Rio de Janeiro: ABNT, 1985.(a) ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas. Planos de amostragem e procedimentos na inspeção por atributos – NBR5426. Rio de Janeiro: ABNT, 1985. ALVES, C. C. Gráficos de Controle CUSUM: um enfoque dinâmico para a análise estatística de processos. Dissertação (mestrado em engenharia de produção). Universidade Federal de santa Catarina. Florianópolis, 2003. BRASIL. Circular nº 175 de 16 de maio de 2005. Procedimento de Verificação dos Programas de Autocontrole – Secretaria de Defesa Agropecuária (SDA). Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal - DIPOA. BRASIL. Circular nº 27 de 22 de dezembro de 1997. Implantação do Programa de Procedimentos Padrão de Higiene Operacional (PPHO) e do Sistema de Análise de Risco e Controle de Pontos Críticos (ARCPC) em estabelecimentos envolvidos com o comércio internacional de carnes e produtos cárneos, leite e produtos lácteos e mel e produtos apícolas – MAPA. (a) BRASIL. Decreto nº 29.651, de 8 de junho de 1951. Regulamento de Inspeção Industrial e Sanitária de Produtos de Origem Animal – RIISPOA – MAPA. BRASIL. Instrução Normativa nº 15, de 29 de outubro de 2003. Regulamento Técnico sobre as Condições Higiênico-Sanitárias e de Boas Práticas de Fabricação para Estabelecimentos que Processam Resíduos de Animais destinados à Alimentação Animal - MAPA.
  • REFERÊNCIAS BRASIL. PORTARIA N 46, DE 10 DE FEVEREIRO DE 1998. Institui o Sistema de Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controle – APPCC - MAPA BRASIL. Portaria nº 1.428/MS, de 26 de novembro de 1993. Regulamento Técnico para Inspeção Sanitária de Alimentos.– ANVISA. BRASIL. Portaria SVS/MS nº 326, de 30 de julho de 1997. Regulamento Técnico; Condições Higiênicos-Sanitárias e de Boas Práticas de Fabricação para Estabelecimentos Produtores/Industrializadores de Alimentos – ANVISA CAMPOS, K. C. et al. A CAPRINO-OVINOCULTURA EM ARRANJO PRODUTIVO NOS MUNICÍPIOS DE QUIXADÁ E QUIXERAMOBIM: PRODUÇÃO, MERCADOS E EMPREGO. Baseado na dissertação (Mestrado em Economia Rural). Universidade Federal do Ceará (UFC), /200/. CAPRITEC. Disponível em: http://www.capritec.com.br/art040521.htm. Acesso em 21/10/2010. CARVALHO, M. M.; PALADINI, E. P. Gestão da Qualidade: teoria e casos. 8ª reimpressão. Campus, Rio de Janeiro. 2005. CARVALHO, R. B. POTENCIALIDADES DOS MERCADOS PARA OS PRODUTOS DERIVADOS DE CAPRINOS E OVINOS. Fortaleza, /200/.(a)
  • REFERÊNCIAS CELDRÁN. M. G. DURACIÓN DEL TRANSPORTE PREVIO AL SACRIFICIO EN PORCINO. EFECTO SOBRE PARÁMETROS INDICADORES DE ESTRÉS. Projeto de fim curso (Engenharia agrônoma). UNIVERSIDAD POLITÉCNICA DE CARTAGENA. CENINSA. ABATEDOUROS, 2002. Disponível em: http://www.ceninsa.org.br:8080/portalCeninsa/novo/ovino/abatedouros.jsp. Acesso em 23/09/2010. CRUZ, C.A.C. CARACTERIZAÇÃO LIPÍDICA DA PALETA DE CORDEIROS SANTA INÊS. 2009. 81p. Dissertação (Mestrado em engenharia de alimentos) – Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, Itapetinga, Ba. DINIZ, A. L. Arranjo Produtivo Local da Ovinocaprinocultura na Região Sul do Estado do Tocantins. Monografia. Universidade Federal do Tocatins. Gurupi, Tocantins, 2004. EMBRAPA. Projeto plataforma regional do agronegócio ovinocaprinocultura. Ceará. 2002 EMBRAPA CAPRINOS. A evolução da caprino-ovinocultura brasileira. Vânia Rodrigues Vasconcelos Luiz da Silva Vieira. Disponível em: http://www.portaldoagronegocio.com.br/conteudo.php?id=23106. acesso em 02/11/2010 FAO (2000). Outlook Alimentação. - nº1 – Fevereiro de 2000. Disponível em: file:///D:/Relat%C3%B3rio/FAO%20%20%20GIEWS%20%20Outlook%20Alimenta%C3%A7%C3%A3o %20No.1%20%20Fevereiro%20de%202000%20p.9.htm. Acesso em 24/10/2010. FAO (2006). Food Outlook. - nº1 de junho de 2006. Disponível em: file:///D:/Relat%C3%B3rio/Food%20Outlook%20%20N%20%C2%BA%2001%20de%20junho%20de% 202006.htm . Acesso em 24/10/2010.
  • REFERÊNCIAS FAO (2007). Food Outlook. – No. 1 June 2007. Disponível em: http://www.fao.org/docrep/010/ah864e/ah864e00.HTM. Acesso em 24/10/2010. FAO (2009). Food Outlook. – Meat and Meat Products. Disponíel em: http://www.fao.org/docrep/012/ak341e/ak341e09.htm. Acesso em 02/11/2010 FRANCO, B. D. G. M.; LANDGRAF, M. Microbiologia dos Alimentos. Rio de Janeiro: Ed. Atheneu, 1996. KOBLITZ, M. G. B. Bioquímica de Alimentos. Teoria e aplicações praticas. – Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2008 KROLOW, A. C. R. QUALIDADE DO ALIMENTO x PERSPECTIVA DE CONSUMO DAS CARNES CAPRINA E OVINA. Embrapa caprinos. Palestra apresentada durante o VI Compavet – Congresso Paulista de Medicina Veterinária: 2004. MADRUGA, M. S. et al. Características químicas e sensoriais de cortes comerciais de caprinos SRD e mestiços de Bôer. Revista Ciência e Tecnologia de Alimentos, v.25, 2005. MADRUGA, M. S. et al. CARNES CAPRINA E OVINA PROCESSAMENTO E FABRICAÇÃO DE PRODUTOS DERIVADOS. Tecnologia e Ciência Agropecuária, João Pessoa, v.1., n.2, dez. 2007 MADRUGA, M.S. Fatores que afetam a qualidade da carne caprina e ovina. In: SIMPÓSIO INTERNACIONAL SOBRE CAPRINOS E OVINOS DE CORTE, 2003. João Pessoa.(1)
  • REFERÊNCIAS Montgomery, D.C. Introdução ao Controle Estatístico da Qualidade. Trad. De Ana Maria Lima de Farias, Vera Regina de Farias Flores e Luiz da Costa Laurencel. 4ª ed. LTC, 2001. MOREIRA, J.N.; CORREIA, R.C.; ARAÚJO, J.R. de et al. Estudo do circuito de comercialização de carnes de caprinos e ovinos no eixo Petrolina- PE/Juazeiro-BA. Petrolina: ORDONEZ, J.A.Tecnologia de Alimentos. Alimentos de origem animal. – Porto Alegre: Artmed, 2005. PARANTHAMAN, D. Controle de qualidade. Trad. De Flávio Deny Steffen. – São Paulo: Mc Graw – Hill, 1990. PARDI, M. C. et al. Ciência, higiene e tecnologia da carne. Ed. da UFG, Goiânia : 2001. IBGE. PESQUISA PECUÁRIA MUNICIPAL - 2010. Disponível em: http://www.sidra.ibge.gov.br. Acesso em 15/10/2010 SEBRAE. Informações de mercado sobre caprinos e ovinos. SEBRAE Série Mercados: Relatório Final, 2005. 73 p. SEBRAE. Perfil setorial da caprinovinocultura. No mundo, Brasil, Nordeste e Sergipe. Elaboração: Fagner Walleinstein Silveira Correia. /200/
  • REFERÊNCIAS SEBRAE/CE. Pesquisa sobre o Consumo de Carne Ovina e Caprina. Sobral: EMBRAPA-CAPRINOS, 2003. 39p. SEBRAE/DF - Ovinocultura no Distrito Federal, Brasília, 1998 SENAI/DN. Guia para elaboração do Plano APPCC; 2. ed. Brasília: 2000. SILVA, R. R. da. O agronegócio brasileiro da carne caprina e ovina. Salvador-BA: 2002. ZANELLA, M. A. Mercado mundial de carne caprina e ovina. Nota Técnica. Confederação da Agricultura e Pecuária de Brasil (CNA). Brasília, 2007. ZAPATA et al., Composição centesimal e lipídica da carne de ovinos do nordeste brasileiro. Ciência Rural, Santa Maria, v.31, n.4, p.691-695, 2001.
  • EFETIVO DOS REBANHOS NONORDESTE Figura 4. Evolução dos Efetivos dos Rebanhos (cabeças) caprinos e ovinos, no Nordeste, entre os anos de 2000 a 2005. Fonte: IBGE – Pesquisa Pecuária Municipal, 2005
  • EFETIVOS DOS REBANHOS NAREGIÃO NORDESTE
  • Padrão de acidificação em carnes normais, PSE e DFD Fonte: CELDRAN, 2008
  • Tabela 2. Plano de amostragem simples - Normal
  • Gráfico de controle típico Fonte: ALVES, 2003