O avanço das marcas de pequenas empresas de vestuário no comércio eletrônico brasileiro
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Like this? Share it with your network

Share

O avanço das marcas de pequenas empresas de vestuário no comércio eletrônico brasileiro

  • 5,034 views
Uploaded on

Apresentação do artigo: O avanço das marcas de pequenas empresas de vestuário no comércio eletrônico brasileiro.

Apresentação do artigo: O avanço das marcas de pequenas empresas de vestuário no comércio eletrônico brasileiro.

More in: Travel , Business
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
  • Meninas,

    Parabéns pelo trabalho!

    Acho que se fizerem uma atualização da pesquisa (e contem comigo se precisarem de ajuda) poderão confirmar que esse mercado continua crescendo!

    Seria ótimo ver uma versão 2011/2012 dessa pesquisa!

    Atenciosamente,

    Rudinei Modezejewski
    http://www.e-marcas.com.br
    http://www.direitoenegocios.com
    http://www.rodadadenegocios.net
    Are you sure you want to
    Your message goes here
No Downloads

Views

Total Views
5,034
On Slideshare
5,020
From Embeds
14
Number of Embeds
2

Actions

Shares
Downloads
83
Comments
1
Likes
4

Embeds 14

http://www.titansoftware.com.br 13
http://www.slideshare.net 1

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. O Avanço das Marcas de Pequenas Empresas de Vestuário no Comércio Eletrônico Brasileiro Silvia Watanabe, Simone Pires e Tatiana Camargo
  • 2. Introdução O objetivo deste estudo é analisar a importância no desenvolvimento da marca para o avanço das pequenas empresas de comércio eletrônico no Brasil, visto que há necessidade de um esforço para se destacar entre as grandes empresas concorrentes que já possuem sua marca fixada na mente do consumidor.
  • 3.
    • Pequenas empresas são aquelas que alcançam no ano-calendário receita bruta entre R$ 240.000,00 e R$ 2.400.000,00.
    • Registrou-se a existência de 5 milhões de MPEs (micro e pequenas empresas), representando 98% das empresas brasileiras.
    • Em 1998 somente 7% das MPEs utilizavam o serviço on-line, já, em 2008, registrou-se uso de 71% delas.
    Pequena Empresa no Brasil Fonte – SEBRAE, 2007
  • 4. E-Commerce no Brasil
    • Entre 2001 e 2003, houve um crescimento de 28%, entre 2003 e 2007, apenas 6% e para 2009 o registro foi de 7% nos seis primeiros meses, previsto para 8% até o final do ano.
    Fonte – Consultoria e-bit e Ciashop, 2009 No Brasil, existem 46,7 milhões de internautas. Fonte: IMASTERS, 2009. *valores em milhões de reais
  • 5. E-Commerce no Brasil Participação de mercado Há uma grande ascensão de pequenas empresas no comércio eletrônico, em comparação com as 50 maiores empresas consideradas líderes de mercado. O comércio eletrônico brasileiro faturou R$11 bilhões em 2009, registrando um crescimento de 27% em relação ao ano anterior Fonte: IMASTERS, 2009. Fonte – Consultoria e-bit e Ciashop, 2009 * Antes da fusão *
  • 6. Marcas no Comércio Eletrônico A internet passou a ser um meio de comunicação entre o cliente e a empresa, deixando de lado o telefone devido agilidade e praticidade. (Digital Age 2.0, 2009) A internet como meio de divulgação da marca faz com que a relação das pessoas com as suas marcas sejam uma conjunção de experiências, trocas, percepções, tentativas e erros, pensamento e experiência, tudo simultaneamente, no mesmo lugar. (VACCARO, 2004)
  • 7. Segmento Vestuário Fonte – e-bit,2010 e FELIPINI,2010
    • O segmento de moda e acessórios registrou crescimento de 108% em 2009 com relação a 2008.
    • Faturamento do varejo de moda no comércio eletrônico obteve alta de 115%.
    • Maior familiarização do consumidor com a compra on-line de vestuário e aprimoramento das lojas virtuais.
    • Amadurecimento da aceitação e confiabilidade na compra de vestuário pela internet.
    • Numeração está em vias de aprovação por uma padronização nacional.
    • - Necessidade de tocar e sentir o produto.
    • - Risco de comprar uma numeração errada pela internet e ter que trocar o produto posteriormente.
  • 8. Produtos: sapatos, tênis, roupas esportivas, roupas íntimas, camisetas Adquiridos por 11% dos consumidores on-line no Brasil Porém, vestuário ainda vende menos no Brasil que nos EUA Segmento Vestuário Fonte – e-bit,2010
  • 9. Fundamentação Teórica A construção de uma marca forte, segundo o modelo CBBE ( Consumer Based Brand Equity) , pode ser considerada em termos de uma seqüência de etapas. Cada etapa depende do êxito da anterior, que envolvem o alcance de certos objetivos com clientes atuais e potenciais. A verdadeira medida da força de uma marca depende do que os consumidores sentem e pensam sobre ela e de como agem em relação a ela. As marcas mais fortes são aquelas pelas quais os consumidores ficam tão apaixonados e ligados que se tornam seus defensores e tentam compartilhar suas crenças sobre elas. O ponto-chave a reconhecer é que o poder da marca e seu valor final estão com os clientes e os consumidores. Fonte – KELLER, 2006 (p. 48) Fonte – KELLER, 2006 (p. 48)
  • 10. Fonte – YIN, 2005 Metodologia Para Levy (2005), o método de pesquisa qualitativa oferece aos pesquisadores identificar hipóteses que podem ser testadas no futuro . O estudo de caso é um método de pesquisa com o objetivo de esclarecer uma decisão ou um conjunto de decisões, motivo da tomada de decisões, implantação e resultados obtidos. Segundo Yin (2005), a utilização do método do estudo de caso pode envolver situações de estudo de caso único ou múltiplos casos. Com base nestas definições, optou-se, neste estudo, por uma pesquisa qualitativa com estudos de casos múltiplos. 50 Mil Pessoas/Dia
  • 11. Pesquisa realizada nos meses de abril e maio de 2010 Pesquisa Roteiro baseado no protocolo de estudo de caso de Shiraishi (2006) ROTEIRO 05 questões sobre comércio eletrônico 18 questões sobre marca 05 questões sobre ferramentas de marketing
  • 12. Pesquisa E-Closet Empresa de revendas de vestuário pela internet Fundada em junho de 2008 Possui 05 funcionários Pesquisa realizada com a proprietária da empresa Giovanna Lemes Motta
  • 13. Pesquisa Moda Mink Empresa de revendas de vestuário pela internet Marca faz parte do grupo Otto e Posthaus Possui 20 funcionários. Pesquisa realizada com a gerente de projetos Helenice Bugmann
  • 14. Conclusão Especializada em moda para o público A Peças e design exclusivos para a loja Trabalho de branding feito pela empresa Zambon inc. Busca qualidade e pontualidade Desenvolve imagem da marca através do Google e Twitter Comunica a marca através de e-mail marketing e redes sociais Ferramentas: Blog, Twitter, Facebook e Newsletter Não realiza planejamento de marketing eletrônico. Verba destinada às ações de gestão de marca Segundo a proprietária da empresa, a marca influencia em 70% na compra Conclusão com base no resultado da pesquisa realizada com a proprietária da empresa Giovanna Lemes Motta
  • 15. Conclusão Valoriza o investimento em ações de marketing Imagem da marca é trabalhada através de e-mail marketing, marketing viral, links patrocinados, banners, redes sociais, SEO, SEM e publicidade online Atuam em ações offline (revistas) Segundo a gerente, a marca influencia em 80% na compra Representa o Grupo Otto e Grupo Posthaus localizado no sul do Brasil Vendas somente pela internet Produtos importados para se destacar dos concorrentes Nome da marca Mink teve origem de um perfume Agência cuida da gestão da marca inteiramente Conclusão com base no resultado da pesquisa realizada com a gerente de projetos Helenice Bugmann
  • 16. Considerações finais
    • O estudo pode contribuir para as pequenas empresas que buscam sucesso e representatividade no mercado
    • As pequenas empresas encontram-se no segundo patamar da pirâmide de Keller, desempenho e imagens, podendo chegar facilmente
    • aos demais patamares
    • Preocupação de uma linguagem única da marca e com o próprio site
    • Comércio eletrônico brasileiro apresenta grande evolução
    • Preocupação das empresas com a gestão da marca
    • Cuidado na criação da marca e da imagem desde o início
  • 17. Considerações finais
    • Recomendações
    • Avaliar mais e melhor seus concorrentes
    • Assumir gestão
    • da marca
  • 18. Referências Livros BEDÊ, Marco Aurélio (coordenador). Onde estão as Micro e Pequenas Empresas no Brasil , 1a edição, São Paulo, Sebrae, 2006. CATALANI, Luciana. KISCHNEVSKY André. RAMOS, Eduardo. SIMÃO, Heitor. E-Commerce . 2ª Ed., Rio de Janeiro, Ed. FGV, 2006. CHINEM, Rivaldo. Marketing e Divulgação da Pequena Empresa , 4a edição, Ed. SENAC, São Paulo, 2001. GOBÉ, Marc. A emoção das marcas: conectando marcas às pessoas . Rio de Janeiro, 2002. KELLER, Kevin Lane. MACHADO, Marcos. Gestão Estratégica de Marcas , Ed. Pearson, São Paulo, 2006. YIN, Robert K. Estudo de caso: planejamento e métodos . Porto Alegre, 2005. Periódicos BARRETO, Luciana. Os principais aspectos da lei de pequenas empresas . Revista Exame, dezembro, 2006. BETTI, Renata. A Amazon que se cuide . Revista Veja, dezembro, 2009. COELHO, Emerson. Comércio eletrônico se expande no país . Diário do Grande ABC, 2009. Jornal Metro. Compra on-line é até 30% mais em conta, diz pesquisa da ACSP . Jornal Metro, Metro Economia, dezembro, 2009. LEVY, Sidney.J. The evolution of qualitative research in consumer behavior . Journal of Business Research, março, 2005. RIBEIRO, Henrique. Comprar na internet é seguro, mas requer alguns cuidados básicos . Jornal Metro, Metro Economia, janeiro, 2010. SEBRAE. MPEs: Acesso à internet cresce 10 vezes em 10 anos . Informe SEBRAE SP, n 37, 2009. SHIRAISHI, Guilherme de Farias. Desenvolvimento do protocolo de estudo de caso . São Paulo, 2006. TANABE, Silvio. Seis passos para potencializar os negócios no meio digital. Revista HSM, março, 2010. TOLEDO, Luciano Augusto. SHIRAISHI, Guilherme de Farias. Estudo de caso em Pesquisas exploratórias qualitativas : Um ensaio para a proposta de protocolo do estudo de caso. Revista FAE, v.12, n1, jan/jun. 2009. VIDOTTO, Hugo. A construtora das lojas virtuais . Revista Exame PME, dezembro, 2009.
  • 19. Referências Sites E-BIT. Aumenta confiança do consumidor nas compras online. Disponível em: http://www.ebitempresa.com.br/clip.asp?cod_noticia=3398&pi=1 . Acesso em 12/04/2010. E-BIT. Crescimento de compras pela internet no Brasil. Disponível em: http://www.ebitempresa.com.br/clip.asp?cod_noticia=3397&pi=1 . Acesso em 12/04/2010. E-BIT. Multiplicam-se as vendas de Moda e Acessórios, Esporte e Lazer e Joalheria pela internet . Disponível em: http://www.ebitempresa.com.br/clip.asp?cod_noticia=3345&pi=1 . Acesso em 10/04/2010 E-BIT. Comércio eletrônico brasileiro cresce 27% no primeiro semestre de 2009 . Disponível em: http://www.ebitempresa.com.br/clip.asp?cod_noticia=3109&pi=1 . Acesso em 10/04/2010 E-BIT. Tíquete médio de compras pela internet bate recorde no terceiro trimestre . Disponível em: http://www.ebitempresa.com.br/clip.asp?cod_noticia=3161&pi=1 . Acesso em: 12/04/2010 FELIPINI, Dailton. O valor de ser top 10 no Google. eCommerceOrg. Disponível em: http://www.e-commerce.org.br/artigos/google_top_10_posicao.php . Acesso em 09/04/2010. FELIPINI, Dailton. O mercado da internet. eCommerceOrg. Disponível em: http://www.e-commerce.org.br/artigos/mercado_internet.php . Acesso em 09/04/2010. IMASTERS. E-commerce brasileiro cresce 27% em 2009. Mídia e Marketing Digital. Disponível em: http://imasters.uol.com.br/noticia/16041/ecommerce/e-commerce_brasileiro_cresce_27_em_2009/ . Acesso em 09/04/2010. MELO, Bruno. Cinco tendências para as marcas no mundo digital, Mundo Marketing, 2010. Disponível em: http://www.mundodomarketing.com.br/17,10973,cinco-tendencias-para-as-marcas-no-mundo-digital.htm. Acesso em 09/04/2010. OLIVEIRA, Mariana. O que o consumidor quer da Internet. Mundo Marketing, 2007. Disponível em: http://www.mundodomarketing.com.br/15,437,o-que-o-consumidor-quer-da-internet.htm . Acesso em 09/04/2010. SÁ, Sylvia. Compra de roupa pela internet cresce e marcas investem, Mundo Marketing, 2010. Disponível em: http://www.mundodomarketing.com.br/17,13051,compra-de-roupa-pela-internet-cresce-e-marcas-investem.htm. Acesso em 10/04/2010. SÁ, Sylvia. Vale a pena investir em redes sociais? Marketing, 2009. Disponível em: http://www.mundodomarketing.com.br/17,11802,vale-a-pena-investir-em-redes-sociais-.htm . Acesso em 09/04/2010. SÁ, Sylvia. Pequenos varejistas se destacam no e-commerce, Mundo Marketing, 2009. Disponível em: http://www.mundodomarketing.com.br/17,9964,pequenos-varejistas-se-destacam-no-e-commerce.htm . Acesso em 09/04/2010. SEBRAE. Cartilha Lei Geral. Brasília, abril de 2007. Disponível em: http://www.sebrae.com.br/customizado/lei-geral/lei-geral/publicacoes . Acesso em 27/03/2010. SEBRAE. Faturamento das MPEs paulistas cresce 6,5% em janeiro/10. Agência SEBRAE de Notícias. Disponível em: http://www.sebraesp.com.br/node/8961 acesso em 21/03/2010 . Acesso em 27/03/2010. TERRA, Thiago. E-commerce deve faturar R$ 13,6 bi em 2010. Mundo do Marketing. Disponível em: http://www.mundodomarketing.com.br/5,13421,e-commerce-deve-faturar-r-13-6-bi-em-2010.htm . Acesso em 10/04/2010. TERRA, Thiago. E-commerce vive novo momento no Brasil. Mundo do Marketing. Disponível em: http://www.mundodomarketing.com.br/17,13088,e-commerce-vive-novo-momento-no-brasil.htm . Acesso em 10/04/2010. TURCHI, Sandra. E-Commerce – A conta fecha? Blog da Sandra Turchi. Disponível em: http://www.sandraturchi.com.br/e-commerce/01/e_commerce-a-conta-fecha/ . Acesso em 29/03/2010. VACCARO, Caco. Marcas na internet, interatividade e experiência , 2004. Disponível em: http://webinsider.uol.com.br/2004/01/15/marcas-na-internet-interatividade-e-experiencia/ . Acesso em 29/03/2010. http://webinsider.uol.com.br/2004/01/15/marcas-na-internet-interatividade-e-experiencia/ . Acesso em 29/03/2010.
  • 20. Agradecimentos Professora Daniela Khauaja Giovanna Lemes Motta – E-Closet Helenice Bugmann – Moda Mink Junho, 2010