Entrevista semi estruturada

67,844 views

Published on

entrevista

Published in: Education
1 Comment
13 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total views
67,844
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
8
Actions
Shares
0
Downloads
517
Comments
1
Likes
13
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Entrevista semi estruturada

  1. 1. Entrevista semi-estruturada<br />Trabalho de Lurdes Martins<br />Mestrado em Pedagogia do Elearning’03<br />UC Metodos de investigação em Contexto Online<br />
  2. 2. Conceito<br />Entrevista semi-estruturada - similar a uma conversa/diálogo com o entrevistado;<br /> baseia-se em certos assuntos que se pretende focar;<br />não é tão rígida quanto uma entrevista formal;<br />
  3. 3. Conceito ( cont.)<br />A entrevista semi-estruturada é similar a uma conversa/diálogo com o entrevistado;<br />baseia-se no assunto que pretende focar;<br />mas não é tão rígida quanto uma entrevista formal;<br />
  4. 4. Conceito (cont.)<br />possui um guião que é adaptável e que não segue um modelo rígido;<br />permite aprofundar questões;<br />aflexibilidade e possibilidade de adaptação ao entrevistado, às suas reacções ou ao contexto, permitem uma recolha de dados mais alargada. <br />
  5. 5. Utilização<br />O guião da entrevista semi-estruturada tem como finalidades:<br /> possibilitar a recolha de dados qualitativos comparáveis de confiança;<br />permitir compreender, de forma mais profunda, tópicos de interesse para o desenvolvimento de questões semi-estruturadas relevantes e significantes; <br />
  6. 6. Utilização ( cont.)<br />a habilidade do entrevistador para perspectivar tópicos que podem sair do guião da entrevista torna possível, contudo, a identificação de novos caminhos para ver e compreender o tema a investigar. <br />
  7. 7. Pontos fortes<br />melhor percepção de mudanças ou diferenças individuais;<br />maior adaptação da entrevista ao entrevistado;<br />flexibilidade na gestão do tempo;<br />mais diversificação na abordagem dos tópicos;<br />maior individualização da comunicação.<br />
  8. 8. Pontos fracos<br />Requer mais tempo;<br />requer um entrevistador experiente;<br />limita o número de sujeitos no estudo;<br />maior dispêndio de tempo no tratamento de dados;<br />fiabilidade dos elementos recolhidos relativamente aos participantes ou ao guião.<br />
  9. 9. Registos da Entrevista<br />Tomada de notas;<br />registo áudio;<br />registo vídeo.<br />
  10. 10. Aspectos a seguir na aplicação da entrevista:<br />Linguagem acessível;<br />respeitar os papéis de entrevistador e entrevistado, não os invertendo;<br />desmobilizar divagações do entrevistado;<br />estimular o entrevistado a clarificar as suas ideias;<br />
  11. 11. Aspectos a seguir na aplicação da entrevista ( cont.):<br />sintetizar, pontualmente, as opiniões do entrevistado para se confirmar que se comprendeu as respostas expressas;<br />recolher informação o mais vasta possível;<br />se presencial, estar atento a interacções não verbais;<br />
  12. 12. Aspectos a seguir na aplicação da entrevista ( cont.):<br />ser sensível à agenda do entrevistado e às suas limitações temporais; <br />preparar gradualmente o fim da entrevista, resumindo ideias ou clarificando;<br /> agradecer, no final da entrevista, a ajuda prestada.<br />
  13. 13. Bibiografia<br />Costa, Cristina et al.(2004) “A entrevista”, acessível em http://www.educ.fc.ul.pt/docentes/ichagas/mi1/entrevistat2.pdf<br />“Guião de entrevista”, acessível em http://www.scribd.com/doc/2675964/01-guiao-de-entrevista<br />Projecto Ciência Viva, acessível em http://www.cienciaviva.pt/projectos/esat/materiais/guiao.pdf<br />"Interviewing in qualitative research” acessível em http://fds.oup.com/www.oup.co.uk/pdf/0-19-874204-5chap15.pdf<br />

×