Razões para tornar um web site acessível

1,601 views
1,504 views

Published on

Trabalho acadêmico de projeto web da Universidade Unicarioca - Rio de Janeiro - Brasil

Published in: Design, Technology, Business
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
1,601
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
82
Actions
Shares
0
Downloads
137
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Razões para tornar um web site acessível

  1. 1. Razões para tornar um portal web mais Turma: 131 – Projeto Web Grupo de Trabalho: Milton Ferreira de Andrade Filho Adriano Emerick Bruno Abraão Diego Caldas Dias Mello Vera Graña Cassano ACESSÍVEL
  2. 2. Introdução " A construção de uma sociedade de plena participação e igualdade tem como um de seus princípios a interação efetiva de todos os cidadãos. Nesta perspectiva é fundamental a construção de políticas de inclusão para o reconhecimento das diferenças e para desencadear uma revolução conceitual que conceba uma sociedade em que todos devem participar , com direito de igualdade e de acordo com suas especificidades". (Design e Avaliação de Tecnologia Web-acessível – XXV Congresso da Sociedade Brasileira de Computação - Amanda Meincke Melo e M. Cecília C. Baranauskas, Unicamp)
  3. 3. Proposta da Acessibilidade <ul><li>Acessibilidade significa não apenas permitir que pessoas com deficiências participem de atividades que incluem o uso de produtos, serviços e informação, mas a inclusão e extensão do uso destes por todas as parcelas presentes em uma determinada população ou público alvo. </li></ul><ul><li>O W3C-WAI (Web Accessibility Initiative ) é um consórcio de empresas de tecnologia que têm como objetivo desenvolver padrões para a criação e a interpretação dos conteúdos para a Web . ( http://www.w3.org/WAI/) </li></ul>
  4. 4. Leis da Acessibilidade Decreto Lei Nº 5296 regulamenta as leis Nº 10048 – de 8 de novembro de 2000 – que dá prioridade de atendimento às pessoas que especifica e a lei Nº 10098 de 19 de dezembro de 2000 – que estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade .
  5. 5. A Importância da Acessibilidade Vivemos hoje a era da tecnologia, onde o acesso à informação é vital para o sucesso de qualquer esforço voltado para o desenvolvimento humano. É responsabilidade dos desenvolvedores e pesquisadores o emprego da evolução tecnológica com fins de promover benefícios à todos.
  6. 6. Razões para a Acessibilidade na Web Existem milhões de pessoas portadoras de necessidades especiais que tem o seu acesso a Web restrito. Atualmente a maioria dos Web sites têm barreiras de acessibilidade que dificultam ou mesmo tornam impossível para estas pessoas acessar o site. Contudo, se os Web sites forem projetados para facilitar a acessibilidade , estas pessoas poderão tornar-se efetivamente consumidores de produtos e serviços.
  7. 7. Quadro das deficiências
  8. 8. <ul><li>O CENSO 2000 , revelou a existência de 24,5 milhões de pessoas com algum tipo de deficiência, o que representa 14,5% da população brasileira . </li></ul><ul><li>Deste percentual, temos: </li></ul><ul><li>alguma dificuldade de enxergar (57,16%) </li></ul><ul><li>grande dificuldade de enxergar (10,50%) </li></ul><ul><li>incapaz de enxergar (0,6%) </li></ul><ul><li>alguma dificuldade de ouvir (19%) </li></ul><ul><li>grande dificuldade de ouvir (4,27%) </li></ul><ul><li>incapaz de ouvir (0,68%) </li></ul><ul><li>paralisias (tetraplegia, paraplegia, ou hemiplegia (0,44%) </li></ul><ul><li>falta de um membro ou parte dele (5,31%) </li></ul><ul><li>deficiência mental (11,5%) </li></ul><ul><li>Expectativa de vida média 68,6 anos , onde se passa 80% da vida sem apresentar nenhuma incapacidade e os 20% restantes ( 14 anos) com algum tipo de deficiência. </li></ul><ul><li>Segundo a FGV (2003), 6,5% das pessoas com alguma deficiência possuem computador em casa , contra 10,2% da população em geral . </li></ul>Deficiência no Brasil
  9. 9. <ul><li>Acesso ao computador sem mouse : pessoas com cegueira, dificuldade de controle dos movimentos, paralisia ou amputação de um membro superior. </li></ul><ul><li>Acesso ao computador sem teclado : pessoas com amputações, grandes limitações de movimentos ou falta de força nos membros superiores. </li></ul><ul><li>Acesso ao computador sem monitor : pessoas com deficiências visuais. Recorrem a um software leitor de tela que capta essa informação e a envia para um sintetizador de voz ou para um terminal Braille. </li></ul><ul><li>Acesso ao computador sem áudio : encontram-se relacionadas neste caso pessoas com baixa audição e pessoas com surdez completa. </li></ul>Dificuldades de acesso No que se refere a utilização do computador, identifica-se quatro tipos principais de situações por parte de usuários com deficiência:
  10. 10. As deficiências
  11. 11. Deficiência física e motora A deficiência física ou motora pode envolver fraqueza, limitação no controle muscular, limitações de sensação, problemas nas juntas ou perda de membros. Algumas pessoas podem ainda sentir dor, impossibilitando o movimento. Para acessar a internet, os usuários com deficiência motora podem utilizar um teclado alternativo com disposição da teclas que estejam de acordo com o movimento da mão, um mouse especial , um dispositivo tipo ponteiro fixado na cabeça ou na boca , um software de reconhecimento de voz ou outras tecnologias assistiva para acesso e interação.
  12. 12. Deficiência mental ou dificuldade de aprendizado Neste grupo encontram-se pessoas com dislexia e déficit de memória , que apresentam dificuldades em processar a linguagem escrita ou oral , focar uma informação ou entender informações complexas . Pessoas com deficiência na aprendizagem, podem necessitar de diferentes modalidades de recursos para acessar a informação. Pode usar um leitor de tela com sintetizador de voz para facilitar a compreensão do conteúdo da página , enquanto uma pessoa com dificuldade em processar a audição, pode ser auxiliado por legendas para entender um áudio etc.
  13. 13. Deficiência auditiva Para acessar a internet, muitas pessoas dependem de legendas para entender o conteúdo do áudio . Pode ser necessário ativar a legenda de um arquivo áudio ou depender de imagens suplementares para entender o contexto do conteúdo. Os usuários também podem necessitar de ajuste no volume do áudio .
  14. 14. Deficiência visual total Para acessar a internet, muitas pessoas com deficiência visual , utilizam o leitor de tela. Alguns usuários usam navegadores textuais como o Lynx ou navegadores com voz em vez de utilizar um navegador comum (navegador com interface gráfica). É muito comum essas pessoas utilizarem da tecla “tab” para navegar somente em links ao invés de ler todas as palavras que estão na página. Deste modo eles têm uma rápida noção do conteúdo da página ou podem acessar o link desejado mais rapidamente.
  15. 15. Deficiência visual parcial Para acessar a internet, algumas pessoas com deficiência visual parcial usam monitores grandes e aumentam o tamanho das fontes e imagens . Outros usuários utilizam os ampliadores de tela. Alguns usam combinações específicas de cores para texto e fundo (background) da página, por exemplo, amarelo para a fonte e preto para o fundo, ou escolhem certos tipos de fontes.
  16. 16. Daltonismo O daltonismo refere-se à falta de percepção a certas cores . Uma das formas mais comuns do daltonismo inclui a dificuldade de distinguir entre as cores vermelha e verde, ou amarelo e azul . Algumas vezes o daltonismo resulta em não perceber as cores.
  17. 17. Projetar site Acessível
  18. 18. <ul><li>A idéia para um design que respeite e considere as diferenças e que os objetivos estabelecidos na interação sejam alcançados com eficácia, eficiência e satisfação . </li></ul><ul><li>Se um usuário não consegue alcançar os objetivos estabelecidos na interação, a usabilidade deste web site fica comprometida . </li></ul>Acessibilidade e usabilidade
  19. 19. Design universal Uso eqüitativo – deve ser útil para pessoas com habilidades diversas. Flexibilidade no uso – o resultado deve acomodar uma grande variedade de preferências e habilidades individuais. Simples e intuitivo – o uso deve ser fácil de entender. Informação perceptível – deve apresentar a informação necessária ao usuário independente de suas habilidades sensoriais. Tolerância ao erro – deve minimizar o risco e conseqüências adversas de ações acidentais ou não intencionais. Baixo esforço físico – deve ser usado efetivamente, confortavelmente e com um mínimo de fadiga.
  20. 20. Como projetar? Codificação correta e uso adequado das marcações HTML são condições necessárias ao desenvolvimento de tecnologias Web-acessíveis, bem como a separação entre estrutura e apresentação. Alguns recomendações: Como projetar? <ul><li>Planejamento adequado do web site (arquitetura da informação) </li></ul><ul><li>Título das páginas que façam sentido; </li></ul><ul><li>Título e descrição para as imagens; </li></ul><ul><li>Filmes com legenda e opção de ajuste de volume; </li></ul><ul><li>Tabelas que tenham lógica na sua seqüênciação; </li></ul><ul><li>Formulários que permitam o uso da tecla TAB; </li></ul><ul><li>Não usar Frames sem a tag <noframe> com caminho alternativo; </li></ul><ul><li>Evitar a construção do site em flash; </li></ul><ul><li>Uso de folha de estilo etc. </li></ul>
  21. 21. Ferramentas para testar Acessibilidade de um web site
  22. 22. <ul><li>Avaliador de acessibilidade (e-MAG e WCAG); </li></ul><ul><li>Avaliador de CSS; </li></ul><ul><li>Avaliador de HTML (4.01 e XHTML); </li></ul><ul><li>Simuladores de leitor de tela (tempo) e Baixa visão (daltonismo, miopia, catarata); </li></ul><ul><li>Ferramenta para selecionar o DocType, conteúdo alternativo, associador de rótulos, links redundantes, corretor de eventos e preenchimento de formulários. </li></ul>Ases – avaliador e simulador de acessibilidade para sites O ASES é uma ferramenta que permite avaliar, simular e corrigir a acessibilidade de páginas, sites e portais, sendo uma ferramenta muito útil  para os desenvolvedores e publicadores de conteúdo.
  23. 23. Ases – avaliador e simulador de acessibilidade para sites
  24. 24. Simulações de deficiência visual parcial utilizando o Ases
  25. 25. Visão normal
  26. 26. Catarata
  27. 27. Hipermetropia
  28. 28. Glaucoma
  29. 29. Retinopatia
  30. 30. Daltonismo – protonopia (sem vermelho)
  31. 31. Daltonismo – deuteranopia (sem verde)
  32. 32. Daltonismo – tritanopia (sem azul)
  33. 33. Daltonismo – monocromia
  34. 34. Ferramentas de simulações on-line
  35. 35. Paleta de simulações para daltonismo - http://www.iamcal.com/toys/colors/
  36. 36. Verificador em Browsers - http://browsershots.org/
  37. 37. Resultado do BrowserShots testando o site da Sociedade Brasileira de Nefrologia – www.sba.org.br
  38. 38. Validador on-line DaSilva - http://www.dasilva.org.br/
  39. 39. <ul><li>Firefox Accessibility Extension (ferramentas para teste de acessibilidade) </li></ul><ul><li>LowBrowse Bundle (para pessoas com baixa visão. Inclui – faixa para leitura com alto contraste ampliando o texto, link; ampliador de imagem individual; leitor de tela em inglês) </li></ul>Firefox – Complementos para Acessibilidade
  40. 40. Firefox Accessibility Extension
  41. 41. Firefox Accessibility Extension
  42. 42. LowBrowse Bundle
  43. 43. LowBrowse Bundle
  44. 44. LowBrowse Bundle
  45. 45. Guia de acessibilidade - http://www.acessibilidadelegal.com/13-guia.php
  46. 46. Tecnologias assistivas Apontador de cabeça Mouse especial para deficiente visual ou motor Leitor de tela gráfico Leitor de tela textual Teclado virtual windows Impressora braile
  47. 47. Alguns uso das tecnologias assistivas
  48. 49. Bibliografia Fontes Utilizada: Wikipédia - Link:  http://pt.wikipedia.org/wiki/Acessibilidade - em 10/03/2009 Serpro - Link:  http://www.serpro.gov.br/acessibilidade/ - em 10/03/2009 Site do Maujor - Link:  http://www.maujor.com/w3c/introwac.html http://ies.portadoresdedeficiencia.vilabol.uol.com.br/DeficienciaVisual.htm http://www.designacessivel.net/wiki/deficiencia-visual-parcial Design e Avaliação de Tecnologia Web-acessível – XXV Congresso da Sociedade Brasileira de Computação - Amanda Meincke Melo e M. Cecília C. Baranauskas, Unicamp Acessibilidade legal - http://www.acessibilidadelegal.com Bengala Legal - www.bengalalegal.com Milton Andrade – www.miltonandrade.com

×