CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2011 <ul><li>Fraternidade e a Vida no Planeta </li></ul><ul><li>PARÓQUIA N. S. DE FÁTIMA </li></u...
<ul><li>Contribuir para a conscientização das comunidades cristãs e pessoas de boa vontade sobre a gravidade do aqueciment...
OBJETIVOS ESPECÍFICOS <ul><li>Viabilizar meios para a formação da consciência ambiental em relação ao problema do aquecime...
OBJETIVOS ESPECÍFICOS <ul><li>Mostrar a gravidade e a urgência dos problemas ambientais provocados pelo aquecimento global...
ESTRATÉGIAS <ul><li>Mobilizar  pessoas, comunidades, Igrejas, religiões e sociedade para assumirem o protagonismo na const...
ESTRATÉGIAS <ul><li>Propor  atitudes, comportamentos e práticas fundamentados em valores que tenham a vida como referência...
ESTRATÉGIAS <ul><li>Denunciar  situações e apontar responsabilidades no que diz respeito aos problemas ambientais decorren...
Fraternidade e a Vida no Planeta <ul><li>Ver a Realidade </li></ul>
Introdução ao Texto <ul><li>mudanças climáticas – causas naturais e ou causadas pelo ser humano? </li></ul><ul><li>preocup...
AQUECIMENTO GLOBAL E MUDANÇAS CLIMÁTICAS
AQUECIMENTO GLOBAL <ul><li>O que é? </li></ul><ul><li>Pesquisadores: </li></ul><ul><li>Processos da própria natureza </li>...
CAUSAS DO AQUECIMENTO GLOBAL <ul><li>Ação humana </li></ul><ul><li>Queima de combustíveis fósseis </li></ul><ul><li>Desmat...
MUDANÇAS CLIMÁTICAS <ul><li>Antigamente: </li></ul><ul><li>Variações da órbita da Terra em torno do sol </li></ul><ul><li>...
Ver a Realidade <ul><li>Mudanças no clima que geram preocupação </li></ul><ul><li>Enchentes no nordeste, no sudeste. </li>...
CONSEQUÊNCIAS DO SUPERAQUECIMENTO <ul><li>Derretimento de parte das calotas polares </li></ul><ul><li>Mudanças climáticas ...
<ul><li>CALOR </li></ul><ul><li>TEMPERATURA </li></ul>
ESTUDOS DA ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS (ONU) <ul><li>1750: </li></ul><ul><li>1960 a 1995: </li></ul><ul><li>1995 a 2005:...
ACORDOS <ul><li>Convenção – Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças do Clima (CQMC). 1992 (ECO92) </li></ul><ul><li>Promov...
<ul><li>Protocolo de Kyoto (1997) </li></ul><ul><li>Diminuição de gases poluentes de países industrializados entre 2008 a ...
A preocupação da comunidade mundial <ul><li>Encontros para discutir a temática -  ONU  tem promovido promove e coordena at...
Conhecendo a realidade <ul><li>Vimos uma série de encontros para discutir as mudanças climáticas revelando que o diagnósti...
PAÍSES POLUENTES <ul><li>China </li></ul><ul><li>Estados Unidos </li></ul><ul><li>União Européia </li></ul><ul><li>Rússia ...
Ver a Realidade <ul><li>Efeito estufa:  </li></ul><ul><li>É um processo natural, sem o qual a temperatura na superfície te...
O QUE É EFEITO ESTUFA? <ul><li>é uma espécie de “instrumento”, mediante o qual a Terra oferece uma temperatura média const...
 
QUEM CAUSA O EFEITO ESTUFA <ul><li>Gases do efeito estufa: </li></ul><ul><li>-  Óxido nitroso (N 2 O)  </li></ul><ul><li>G...
TABELA DOS GASES <ul><li>Gases de estufa </li></ul>Principais causas Dióxido de Carbono(CO 2 ) Ou Gás carbônico <ul><li>Co...
Metano (CH 4 ) Produzido por campos de arroz, pelo gado e pelas lixeiras. É responsável por cerca de 19 % do efeito estufa...
RADIAÇÕES DO SOL <ul><li>RAIOS INFRAVERMELHOS </li></ul><ul><li>- Absorvido gás carbônico e vapores de água. </li></ul><ul...
Ver a Realidade <ul><li>A superfície da Terra  não é atingida pela totalidade dos raios  solares, cujos principais são: os...
Ver a Realidade Os raios  infravermelhos  são absorvidos, sobretudo, pelo dióxido de carbono (CO₂) e por vapores de água, ...
Atividades do ser humano que mudaram o planeta <ul><li>Implantação do sistema industrial de produção de bens; </li></ul><u...
A energia, tema central das discussões sobre emissão de gases do efeito estufa <ul><li>Desenvolvimento econômico e a indus...
Energia limpa
Questão energética e o neodesenvolvimento das políticas públicas <ul><li>A lógica de projetos energéticos  está na contram...
Fraternidade e a vida no Planeta <ul><li>De forma resumida: </li></ul><ul><li>modelo de industrialização </li></ul><ul><li...
Fraternidade e a vida no Planeta <ul><li>Impactos: derretimento das geleiras  </li></ul><ul><ul><li>–  aumento do nível do...
Outras situações tensas <ul><li>floresta amazônica  – acentuado processo de desmatamento. </li></ul><ul><li>agronegócio  –...
A vida e suas dores no contexto do aquecimento global <ul><li>A   biodiversidade ameaçada : </li></ul><ul><li>Biodiversida...
<ul><li>Entretanto, a biodiversidade encontra-se seriamente ameaçada - estima-se que esteja cem vezes mais alta que a do p...
<ul><li>A extinção atual de espécies se deve a alguns fatores: </li></ul><ul><ul><li>o impacto das mudanças climáticas, </...
Fraternidade e a vida no Planeta <ul><li>A continuidade destas situações pode significar a perda, em pouco tempo, da  meta...
Fraternidade e a vida no Planeta <ul><li>Afirma-se o modelo atual de desenvolvimento como caminho para a solução de proble...
Fraternidade e a vida no Planeta <ul><li>No entanto, mesmo com o registro de crescimento econômico, estes problemas estão ...
Fraternidade e a vida no Planeta <ul><li>Crítica necessária :  é impossível a manutenção desta escalada de crescimento e c...
O escândalo da miséria <ul><li>O avanço tecnológico e a auto-suficiência na produção de alimentos não implicou na superaçã...
O escândalo da miséria <ul><li>Os pobres, principalmente os quase um bilhão que são completamente desprovidos, têm pouca c...
A construção do paradigma da sustentabilidade <ul><li>A noção de sustentabilidade pretende harmonizar três vertentes:  </l...
<ul><li>Pretende prestar-se como indicadora de um “ tipo de desenvolvimento que nos permite viver nos limites suportáveis ...
A construção do paradigma da sustentabilidade <ul><li>Para se alcançar a sustentabilidade, requer-se, de um lado, a diminu...
A construção do paradigma da sustentabilidade <ul><li>Atualmente, 45% da produção de carne e peixe, principais fontes de p...
A construção do paradigma da sustentabilidade <ul><li>O atual sistema econômico neoliberal globalizado, que se rege pelas ...
SOLUÇÕES <ul><li>Diminuição do uso de combustíveis fósseis </li></ul><ul><li>Instalação de sistemas de controles de emissõ...
<ul><li>Quais as conseqüências das mudanças para a vida no planeta em geral?  </li></ul><ul><li>Como superar esta dificuld...
<ul><li>Braços cruzados diante de tal desafio, significa irresponsabilidade tamanha para com as gerações futuras, pois ain...
p
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Apresentação cf 2011

2,380 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
2,380
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1,370
Actions
Shares
0
Downloads
1
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Apresentação cf 2011

  1. 1. CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2011 <ul><li>Fraternidade e a Vida no Planeta </li></ul><ul><li>PARÓQUIA N. S. DE FÁTIMA </li></ul><ul><li>FÁTIMA DO SUL- MS </li></ul>
  2. 2. <ul><li>Contribuir para a conscientização das comunidades cristãs e pessoas de boa vontade sobre a gravidade do aquecimento global e das mudanças climáticas, e motivá-las a participar dos debates e ações que visam enfrentar o problema e preservar as condições de vida no planeta. </li></ul>
  3. 3. OBJETIVOS ESPECÍFICOS <ul><li>Viabilizar meios para a formação da consciência ambiental em relação ao problema do aquecimento global e identificar responsabilidades e implicações éticas; </li></ul>Promover a discussão sobre os problemas ambientais com foco no aquecimento global;
  4. 4. OBJETIVOS ESPECÍFICOS <ul><li>Mostrar a gravidade e a urgência dos problemas ambientais provocados pelo aquecimento global e articular a realidade local e regional com o contexto nacional e planetário; </li></ul>Trocar experiências e propor caminhos para a superação dos problemas ambientais relacionados ao aquecimento global.
  5. 5.
  6. 6. ESTRATÉGIAS <ul><li>Mobilizar pessoas, comunidades, Igrejas, religiões e sociedade para assumirem o protagonismo na construção de alternativas para a superação dos problemas socioambientais decorrentes do aquecimento global. </li></ul>
  7. 7. ESTRATÉGIAS <ul><li>Propor atitudes, comportamentos e práticas fundamentados em valores que tenham a vida como referência no relacionamento com o meio ambiente; </li></ul>
  8. 8. ESTRATÉGIAS <ul><li>Denunciar situações e apontar responsabilidades no que diz respeito aos problemas ambientais decorrentes do aquecimento global; </li></ul>
  9. 9. Fraternidade e a Vida no Planeta <ul><li>Ver a Realidade </li></ul>
  10. 10. Introdução ao Texto <ul><li>mudanças climáticas – causas naturais e ou causadas pelo ser humano? </li></ul><ul><li>preocupação atual: aquecimento global e consequente interferência no clima do Planeta </li></ul><ul><li>a civilização na sua constituição contribuiu para as transformações que tem ocorrido no planeta. </li></ul>
  11. 11. AQUECIMENTO GLOBAL E MUDANÇAS CLIMÁTICAS
  12. 12. AQUECIMENTO GLOBAL <ul><li>O que é? </li></ul><ul><li>Pesquisadores: </li></ul><ul><li>Processos da própria natureza </li></ul><ul><li>Emissão de gases do efeito estufa (causas antrópicas) </li></ul>
  13. 13. CAUSAS DO AQUECIMENTO GLOBAL <ul><li>Ação humana </li></ul><ul><li>Queima de combustíveis fósseis </li></ul><ul><li>Desmatamento </li></ul><ul><li>Ação das indústrias </li></ul><ul><li>Questão energética. </li></ul>
  14. 14. MUDANÇAS CLIMÁTICAS <ul><li>Antigamente: </li></ul><ul><li>Variações da órbita da Terra em torno do sol </li></ul><ul><li>Queda de meteoritos </li></ul><ul><li>Erupções vulcânicas </li></ul><ul><li>Hoje: </li></ul><ul><li>Emissões de gases de efeito estufa </li></ul><ul><li>Seres da biodiversidade </li></ul><ul><li>Sistema de produção </li></ul>
  15. 15. Ver a Realidade <ul><li>Mudanças no clima que geram preocupação </li></ul><ul><li>Enchentes no nordeste, no sudeste. </li></ul><ul><li>Secas prolongadas, vemos no sul. </li></ul><ul><li>Temporais violentos </li></ul><ul><li>Perguntas: </li></ul><ul><ul><li>O que está acontecendo? </li></ul></ul><ul><ul><li>Por que está acontecendo? </li></ul></ul>
  16. 16. CONSEQUÊNCIAS DO SUPERAQUECIMENTO <ul><li>Derretimento de parte das calotas polares </li></ul><ul><li>Mudanças climáticas </li></ul><ul><li>Elevação dos níveis dos oceanos </li></ul><ul><li>Maior incidências de fenômenos: </li></ul><ul><li>Furacões </li></ul><ul><li>Tufões </li></ul><ul><li>Ciclone </li></ul><ul><li>Extinção de espécies </li></ul><ul><li>Ondas de calor </li></ul><ul><li>Seca </li></ul><ul><li>Carência alimentar </li></ul>
  17. 17. <ul><li>CALOR </li></ul><ul><li>TEMPERATURA </li></ul>
  18. 18. ESTUDOS DA ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS (ONU) <ul><li>1750: </li></ul><ul><li>1960 a 1995: </li></ul><ul><li>1995 a 2005: </li></ul><ul><li>Previsão da temperatura para 2050: </li></ul>
  19. 19. ACORDOS <ul><li>Convenção – Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças do Clima (CQMC). 1992 (ECO92) </li></ul><ul><li>Promover a educação e conscientização de suas populações sobre o tema. </li></ul><ul><li>Desenvolver, compartilhar e fortalecer a pesquisa científica e tecnológicas. </li></ul><ul><li>Limitar as emissões do GEE (gases do efeito estufa) </li></ul>
  20. 20. <ul><li>Protocolo de Kyoto (1997) </li></ul><ul><li>Diminuição de gases poluentes de países industrializados entre 2008 a 2012.(5% em relação a 1990). </li></ul><ul><li>Bônus ( Créditos de carbono) </li></ul>
  21. 21. A preocupação da comunidade mundial <ul><li>Encontros para discutir a temática - ONU tem promovido promove e coordena atividades importantes neste sentido, desde a década de setenta: </li></ul><ul><li>1972 – Conferência de Estocolmo; </li></ul><ul><li>1987- Protocolo de Montreal; </li></ul><ul><li>1992 – Eco 92; </li></ul><ul><li>1997 – Protocolo de Kyoto </li></ul><ul><li>2002 – Rio = 10 – Africa do Sul </li></ul><ul><li>2007 – Conferência sobre as mudanças climáticas – Bali </li></ul><ul><li>2009 – Conferência de Copenhagen </li></ul>
  22. 22. Conhecendo a realidade <ul><li>Vimos uma série de encontros para discutir as mudanças climáticas revelando que o diagnóstico sobre o futuro do planeta não é dos melhores, mas a falta de consenso nas mesmas revela a dificuldade política de se chegar a um acordo. </li></ul>
  23. 23. PAÍSES POLUENTES <ul><li>China </li></ul><ul><li>Estados Unidos </li></ul><ul><li>União Européia </li></ul><ul><li>Rússia </li></ul><ul><li>Índia </li></ul>
  24. 24. Ver a Realidade <ul><li>Efeito estufa: </li></ul><ul><li>É um processo natural, sem o qual a temperatura na superfície terrestre seria, durante o dia, muito quente e à noite, muito fria </li></ul>
  25. 25. O QUE É EFEITO ESTUFA? <ul><li>é uma espécie de “instrumento”, mediante o qual a Terra oferece uma temperatura média constante, necessária para a vida, o que vem acontecendo ao longo de mais de três bilhões de anos. </li></ul><ul><li>Portanto, o efeito estufa é importante para que o clima de nosso planeta proporcione vida. </li></ul>
  26. 27.
  27. 28. QUEM CAUSA O EFEITO ESTUFA <ul><li>Gases do efeito estufa: </li></ul><ul><li>- Óxido nitroso (N 2 O) </li></ul><ul><li>Gás carbônico (CO 2 ) </li></ul><ul><li>Metano (CH 4 ) </li></ul><ul><li>Clorofluorcarboneto (CFC) </li></ul>
  28. 29. TABELA DOS GASES <ul><li>Gases de estufa </li></ul>Principais causas Dióxido de Carbono(CO 2 ) Ou Gás carbônico <ul><li>Combustão de combustíveis fósseis: petróleo, gás natural, carvão, queima de vegetação nativa (libertam CO 2 quando queimadas ou cortadas). </li></ul><ul><li>O CO 2 é responsável por cerca de 64% do efeito estufa. Diariamente são enviados cerca de 6 mil milhões de toneladas de CO 2 para a atmosfera. </li></ul><ul><li>Tem um tempo de duração de 50 a 200 anos. </li></ul><ul><li>Importância para vida:Expiração, Fotossíntese </li></ul><ul><li>Componente do efeito estufa </li></ul>Clorofluorcarbono (CFC) São usados em sprays, motores de aviões, plásticos e solventes utilizados na indústria eletrônica. Responsável pela destruição da camada de ozono . Também é responsável por cerca de 10% do efeito estufa. O tempo de duração é de 50 a 1700 anos.
  29. 30. Metano (CH 4 ) Produzido por campos de arroz, pelo gado e pelas lixeiras. É responsável por cerca de 19 % do efeito estufa. Tem um tempo de duração de 15 anos. Ácido nítrico (HNO 3 ) Produzido pela combustão da madeira e de combustíveis fósseis, pela decomposição de fertilizantes químicos e por micróbios. É responsável por cerca de 6% do efeito estufa. Ozonio (O 3 ) É originado através da poluição dos solos provocada pelas fábricas, refinarias de petróleo e veículos automóveis
  30. 31. RADIAÇÕES DO SOL <ul><li>RAIOS INFRAVERMELHOS </li></ul><ul><li>- Absorvido gás carbônico e vapores de água. </li></ul><ul><li>RAIOS ULTRAVIOLETAS </li></ul><ul><li>- Absorvido pelo ozônio </li></ul>
  31. 32. Ver a Realidade <ul><li>A superfície da Terra não é atingida pela totalidade dos raios solares, cujos principais são: os infravermelhos e os ultravioletas . </li></ul><ul><li>Cerca de 40% destes raios são refletidos para o espaço pelas camadas superiores da atmosfera; outros 43% atingem a superfície, que por sua vez, irradia 10% desta carga de energia solar para fora do planeta, e os 17% restantes são absorvidos pelas suas camadas inferiores. </li></ul>
  32. 33. Ver a Realidade Os raios infravermelhos são absorvidos, sobretudo, pelo dióxido de carbono (CO₂) e por vapores de água, elementos importantes para a formação do efeito estufa; os ultravioletas são absorvidos pelo ozônio.
  33. 34.
  34. 35. Atividades do ser humano que mudaram o planeta <ul><li>Implantação do sistema industrial de produção de bens; </li></ul><ul><li>O consumo compulsivo, inclusive de supérfluos. </li></ul><ul><li>O uso da água distribuído desigualmente. </li></ul><ul><li>Quantidade necessária para obter bens de consumo. </li></ul><ul><li>EXEMPLOS: </li></ul><ul><li>Para obter 1 kg de café gasta-se cerca de 20 mil litros de água; </li></ul><ul><li>Um hambúrguer de 100gr. 11.000 litros </li></ul><ul><li>Um jeans 8.000 litros </li></ul>
  35. 36. A energia, tema central das discussões sobre emissão de gases do efeito estufa <ul><li>Desenvolvimento econômico e a industrialização foram possíveis devido a fontes renováveis e não renováveis de energia. </li></ul><ul><li>Não Renováveis: combustíveis fósseis (carvão, petróleo e gás natural), energia nuclear. São poluentes ( protocolo de Kioto) </li></ul><ul><li>Renováveis: solar, eólica, geotérmica, dos oceanos, hidrelétrica, de biomassa (queima do bagaço da cana moído). Contrabalanço créditos de carbono. </li></ul>
  36. 37. Energia limpa
  37. 38. Questão energética e o neodesenvolvimento das políticas públicas <ul><li>A lógica de projetos energéticos está na contramão das medidas necessárias para diminuir ou conter o aquecimento global e impedir que a desestabilização do clima coloque em risco as condições de vida no planeta. </li></ul><ul><li>EX: projetos hidrelétricos com despeito da biodiversidade; o pré-sal, energia nuclear. </li></ul><ul><li>O problema do etanol e a falta de terra para produção de alimentos. </li></ul>
  38. 39. Fraternidade e a vida no Planeta <ul><li>De forma resumida: </li></ul><ul><li>modelo de industrialização </li></ul><ul><li>aumento da população – 6,5 bilhões em 2050 seremos 9 bilhões </li></ul><ul><li>aumento do consumo e em um padrão único </li></ul><ul><li>A emissão de gases provocada pelo estágio de desenvolvimento gera o fato do aumento da temperatura: percentuais: 2, 4 a 6,4. </li></ul>
  39. 40. Fraternidade e a vida no Planeta <ul><li>Impactos: derretimento das geleiras </li></ul><ul><ul><li>– aumento do nível dos oceanos- secas prolongadas, tempestades intensas. </li></ul></ul><ul><li>Atividades que mudaram a vida do planeta </li></ul><ul><ul><li>aumento da população </li></ul></ul><ul><ul><li>aumento da produção industrial </li></ul></ul><ul><ul><li>demanda energética </li></ul></ul><ul><ul><li>uso da água – 70% irrigação; 20% industria; domicilio 10% </li></ul></ul><ul><li>os fatores acima descritos geram um aumento da produção de gases. </li></ul>
  40. 41. Outras situações tensas <ul><li>floresta amazônica – acentuado processo de desmatamento. </li></ul><ul><li>agronegócio – base econômica do atual governo agro-combustíveis (mercado desenhado para grandes produtores e monocultura) . </li></ul><ul><li>modelo de desenvolvimento em geral : concentrador e consumista </li></ul>
  41. 42. A vida e suas dores no contexto do aquecimento global <ul><li>A biodiversidade ameaçada : </li></ul><ul><li>Biodiversidade é um termo recente que procura abarcar e definir a diversidade biológica em todas as suas formas: ecossistemas, espécies e genes. </li></ul><ul><li>A biodiversidade que conhecemos foi se constituindo ao longo de mais de três bilhões de anos e estima-se que chegue a cerca de 10 milhões de espécies na Terra, das quais apenas um décimo é conhecido. </li></ul>
  42. 43. <ul><li>Entretanto, a biodiversidade encontra-se seriamente ameaçada - estima-se que esteja cem vezes mais alta que a do passado geológico. Esta perda se caracteriza por ser irreversível, sobretudo se em larga escala. </li></ul><ul><li>Alguns serviços ambientais cuja biodiversidade é fundamento: </li></ul><ul><li>Equilíbrio do clima; </li></ul><ul><li>Qualidade e quantidade da água; </li></ul><ul><li>Produção de alimentos. </li></ul>Fraternidade e a vida no Planeta
  43. 44. <ul><li>A extinção atual de espécies se deve a alguns fatores: </li></ul><ul><ul><li>o impacto das mudanças climáticas, </li></ul></ul><ul><ul><li>confinamento das espécies em faixas limitadas de onde não podem escapar, </li></ul></ul><ul><ul><li>destruição das florestas tropicais e dos recifes de corais, </li></ul></ul><ul><ul><li>onda de espécies invasoras, </li></ul></ul><ul><ul><li>pesca marítima predatória. </li></ul></ul>
  44. 45. Fraternidade e a vida no Planeta <ul><li>A continuidade destas situações pode significar a perda, em pouco tempo, da metade da diversidade atualmente existente e seria um desastre de proporção inestimável – tal situação afetará também a espécie humana. </li></ul>
  45. 46. Fraternidade e a vida no Planeta <ul><li>Afirma-se o modelo atual de desenvolvimento como caminho para a solução de problemas que assolam as sociedades: </li></ul><ul><ul><ul><li>a desigualdade, </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>a saúde, </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>a educação, </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>meio ambiente. </li></ul></ul></ul><ul><li>É um tanto falido . </li></ul>
  46. 47. Fraternidade e a vida no Planeta <ul><li>No entanto, mesmo com o registro de crescimento econômico, estes problemas estão sempre em pauta e o que é pior, aumentando , pois a riqueza gerada em meio às disparidades reinantes nas sociedades, acaba concentrada em poucos , e contemporaneamente, a maioria do capital acaba gerenciado por grupos de investimento, aos quais somente interessa o lucro. </li></ul>
  47. 48. Fraternidade e a vida no Planeta <ul><li>Crítica necessária : é impossível a manutenção desta escalada de crescimento e consumo que se globaliza a passos largos mundo a fora, fomentado por um mercado financeiro impessoal que almeja unicamente o lucro, e que, ao pregar a eficiência, descarta empregos e o próprio trabalhador sob o argumento de “sociedades de plena atividade”, não mais de pleno emprego. </li></ul>
  48. 49. O escândalo da miséria <ul><li>O avanço tecnológico e a auto-suficiência na produção de alimentos não implicou na superação da miséria; </li></ul><ul><li>a lógica do mercado culpabiliza os pobres </li></ul><ul><li>-há muita gente no mundo é preciso frear os nascimentos!!!!! </li></ul>
  49. 50. O escândalo da miséria <ul><li>Os pobres, principalmente os quase um bilhão que são completamente desprovidos, têm pouca chance de melhorar seu quinhão em um ambiente cada vez mais devastado. Inversamente, os ambientes naturais onde a maior parte da diversidade se encontra não podem sobreviver à pressão de pessoas ávidas por terra. </li></ul>
  50. 51. A construção do paradigma da sustentabilidade <ul><li>A noção de sustentabilidade pretende harmonizar três vertentes: </li></ul><ul><ul><li>economia, </li></ul></ul><ul><ul><li>meio ambiente e </li></ul></ul><ul><ul><li>bem estar social. </li></ul></ul>
  51. 52. <ul><li>Pretende prestar-se como indicadora de um “ tipo de desenvolvimento que nos permite viver nos limites suportáveis para a Terra, que são a disponibilidade de recursos naturais e os limites de absorção de resíduos e poluição, mas também o tipo de desenvolvimento que torne possível a redução da pobreza ”. </li></ul>
  52. 53. A construção do paradigma da sustentabilidade <ul><li>Para se alcançar a sustentabilidade, requer-se, de um lado, a diminuição do consumo, sobretudo do excessivo e do supérfluo, e, de outro, a redução das gritantes desigualdades que podem ser sintetizadas em dados como o do consumo de carne. </li></ul>
  53. 54. A construção do paradigma da sustentabilidade <ul><li>Atualmente, 45% da produção de carne e peixe, principais fontes de proteina animal, são consumidos por 20% da população do planeta, enquanto somente 5% do que se produz deste gênero de alimento é destinado aos 20% mais pobres. </li></ul>
  54. 55. A construção do paradigma da sustentabilidade <ul><li>O atual sistema econômico neoliberal globalizado, que se rege pelas leis do mercado, é altamente concentrador e gerador de disparidades, quer a nível internacional, quer no interior das sociedades. </li></ul>
  55. 56. SOLUÇÕES <ul><li>Diminuição do uso de combustíveis fósseis </li></ul><ul><li>Instalação de sistemas de controles de emissões de gases poluentes nas indústrias </li></ul><ul><li>Ampliar geração de energia através de fontes limpas e renováveis </li></ul><ul><li>Colaborar para o sistema de coleta de lixo e reciclagem </li></ul><ul><li>Não praticar desmatamentos e queimadas </li></ul><ul><li>Recuperação do gás metano nos aterros sanitários </li></ul>
  56. 57. <ul><li>Quais as conseqüências das mudanças para a vida no planeta em geral? </li></ul><ul><li>Como superar esta dificuldade? </li></ul><ul><li>Consequências para a fé cristã? </li></ul>
  57. 58. <ul><li>Braços cruzados diante de tal desafio, significa irresponsabilidade tamanha para com as gerações futuras, pois ainda podemos fazer algo em prol da vida no PLANETA. </li></ul>
  58. 59. p

×