Your SlideShare is downloading. ×
Aula classe de associacao 3º periodo uniao
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Aula classe de associacao 3º periodo uniao

150
views

Published on

Published in: Education

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
150
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
21
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. ANÁLISE PROJETO EPROGRAMAÇÃO PARA WEBCLASSE DE ASSOCIAÇÃO, DEPENDÊNCIA ENORMALIZAÇÃO DO MODELO DE CLASSESProfª. Maria Alice Jovinski
  • 2. FASES DA CONSTRUÇÃO DO DIAGRAMA Generalização e Refinamento Classes Associações Atributos Especialização do modelo Classes candidatas e rejeitadas
  • 3. IDENTIFICAÇÃO DAS CLASSES (1) Cada classe só deve ter uma representa um objeto, conceito ou evento, só deve ter propriedades associadas a um único “tema”; A primeira abordagem consiste em, a partir dos requisitos, procurar substantivos que nele estejam referenciados, mesmo que de forma implícita. Cada substantivo ou cada “tema” presente deve ser examinado, em termos da importância de armazenarmos informação sobre ele na BD;
  • 4. IDENTIFICAÇÃO DAS CLASSES (2) Substantivos que produzam classes irrelevantes para o problema a resolver, deverão ser eliminadas da escolha preliminar assim como classes redundantes; Devemos ter cuidado com os nomes escolhidos para as classes. Se tivermos diversos substantivos parecidos, devemos escolher o que melhor se encaixe ao domínio do nosso problema;
  • 5. IDENTIFICAÇÃO DAS CLASSES (3) Cada classe potencial dever ser examinada em termos das suas propriedades. Se uma classe assegura a existência de uma propriedade importante, deve ser mantida. Se não assegurar, se a classe servir apenas para fornecer um valor, deverá ser transformada num atributo; O teste de cada um dos mecanismo de interação entre o utilizador e o sistema, em princípio, permitirá determinar classes em falta;
  • 6. IDENTIFICAÇÃO DE ASSOCIAÇÕES (1) Não podemos esquecer que uma associação descreve uma relação conceitual ou física entre classes; Para procurar essa dependência, um bom ponto de partida podem ser frases que contenham verbos usados numa estrutura substantivo-verbo- substantivo (“Uma venda é paga com um meio de pagamento”) . No entanto uma frase como “um meio de pagamento é o cartão de crédito ou um cheque ou dinheiro”, usa um verbo mas descreve uma relação do tipo “é um”, pelo que descreve uma generalização;
  • 7. IDENTIFICAÇÃO DE ASSOCIAÇÕES (2) Procurar dependências, uma dependência entre classes pode ser uma associação (um voo chega ou parte a um aeroporto). Algumas associações podem resultar de conhecimentos gerais; Uma vez identificadas associações “candidatas”, deverão ser eliminadas as redundantes e as irrelevantes para o problema (aquelas que não têm associada informação importante para a BD); Deverá procurar evitar-se associações ternárias;
  • 8. IDENTIFICAÇÃO DE ASSOCIAÇÕES (3) Cuidado com os nomes atribuídos às associações. Os nomes são importantes para tornar clara a natureza da relação entre as classes; Definir a multiplicidade de cada associação e os nomes dos papéis desempenhados; A revisão dos mecanismos de interação entre os utilizadores e o sistema permitirá detectar associações em falta;
  • 9. IDENTIFICAÇÃO DE ATRIBUTOS EM CLASSES EASSOCIAÇÕES (1) Uma vez definida uma estrutura base de classes e associações, a especificação de requisitos deve ser percorrida, no sentido de identificar as propriedades de cada classe e associação. Muitas vezes são listadas explicitamente (“cada venda terá um recibo com nº, data e hora de emissão”); As frases possessivas e as enumerações são “fontes” de atributos;
  • 10. IDENTIFICAÇÃO DE ATRIBUTOS EM CLASSES EASSOCIAÇÕES (2) Manter apenas os atributos que são relevantes para a aplicação; Notar atributos discordantes numa dada classe. Isso pode ser uma indicação de que a classe necessita de ser dividida; Uma classe deve ser simples e coerente;
  • 11. DETECÇÃO DE GENERALIZAÇÃO /ESPECIALIZAÇÃO As classes devem ser analisadas para determinar a necessidade de serem generalizadas (baixo para cima) ou especializadas; Cada classe só deve ser especializada se tiver atributos distintos, não basta que tenha valores distintos para os mesmos atributos; Frase do tipo “é uma” “é um” podem indicar generalização; Também se pode tentar encontra classes que tenham atributos semelhantes, que possam ser agrupados em super-classes;
  • 12. REFINAMENTO DO MODELO Revisão e melhoria da modelagem;
  • 13. CLASSE DE ASSOCIAÇÃO É um elemento de modelagem que tem associação e propriedades de classe; É um único elemento do modelo e tem apenas um nome; Em caso de multiplicidade de associação 1 para 1 basta uma classe para representar a situação, fundindo os atributos e operações; Em caso de multiplicidade de associação 0 para 1 ou * para *, nasce a classe associativa;
  • 14. CLASSE DE ASSOCIAÇÃO É representada como o símbolo de classe anexado por uma linha tracejada; Classe A Classe B Nome da classe de associação atributos operacao
  • 15. DEPENDÊNCIA Indica a ocorrência de um relacionamento semântico entre dois ou mais elementos do modelo onde uma classe cliente é dependente de algum serviço da classe fornecedora; Não possui dependência estrutural; Mudanças na classe fornecedora podem afetar as classes clientes; Dependência Classe Classe Fornecedora Cliente
  • 16. TIPOS DE DEPENDÊNCIA Rastro  Uma conexão histórica entre dois elementos que representam o mesmo conceito em níveis diferentes de significado; Refinamento  Um histórico ou conexão de derivação entre dois elementos com um mapeamento entre eles;
  • 17. TIPOS DE DEPENDÊNCIA Ligação  Uma ligação de parâmetros de modelo para valores reais visando criar um elemento não parametrizado; Uso  Uma situação na qual um elemento requer a presença de outro para sua implementação e funcionamento correto. Exemplo: chamar uma operação de outra classe, conceder permissão de acesso, instanciar um objeto de outra classe;
  • 18. NORMALIZAÇÃO É um processo normal que examina os atributos de classes com o intuito de minimizar redundância de objetos específicos; Simplifica os atributos dentro das classes, colabora para a integridade e a estabilidade do modelo; Alguns atributos determinam o valor de outros, criando relações onde os atributos determinantes são reagrupados;
  • 19. NORMALIZAÇÃO Dependente da modelagem de banco de dados; Um estrutura de atributos não normalizada está na zeríssima forma normal;
  • 20. 1ª FORMA NORMAL Remoção de grupos repetidos; É verifica quando em determinadas estruturas de atributos existem dados repetidos; Exemplo: Pedido numero_pedido codigo_pedido nome_cliente data_pedido codigo_produto[15] quantidade_produto[15] descricao_produto[15]
  • 21. 1ª FORMA NORMAL Aplicando a 1ª forma normal gera a classe Pedido Item que herdará os valores repetidos da classe Pedido; A relação é de agregação de pedido item com pedido; Pedido Pedido Item numero_pedido 1 1..* codigo_produto[15] codigo_pedido quantidade_produto[15] nome_cliente descricao_produto[15] data_pedido
  • 22. 1ª FORMA NORMAL Como obter a 1ª forma normal:  Verificar se há atributos repetidos na classe;  Destacar os atributos repetidos e suas respectivas operações, criando uma nova classe com esses itens;  Estabelecer a associação de agregação regular e multiplicidade entre as classes;