Modelo Auto Avaliacao Be Bemag[1]

  • 301 views
Uploaded on

 

More in: Technology , Travel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
301
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1

Actions

Shares
Downloads
0
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide
  • A Biblioteca Escolar já não é considerada como um centro de recursos, mas passou a ser perspectivada como um centro de aprendizagem.
  • Scott

Transcript

  • 1. Apresentação do Modelo de Auto-Avaliação da BIBLIOTECA ESCOLAR
  • 2. In [URL: http://www.artistcommentary.com/]. Acedido em [2009/11/13].
    • […]
    • - Podes dizer-me, por favor, como hei-de sair daqui?
    • - Isso depende muito do sítio para onde quiseres ir! - respondeu o Gato.
    • - Não interessa muito para onde … - disse Alice.
    • Nesse caso, podes ir por um lado qualquer. - respondeu o Gato.
    • […]
    CARROL, Lewis - Alice no país das maravilhas. Alfragide: Leya, 2009. pp.41
  • 3. “ Está comprovado que quando os bibliotecários e os professores trabalham em conjunto, os estudantes alcançam níveis mais elevados de literacia, leitura, aprendizagem, resolução de problemas e competências no domínio das tecnologias de informação e comunicação”. (IFLA/UNESCO, 1999) “ A biblioteca constitui um instrumento essencial do desenvolvimento do currículo escolar e as suas actividades devem estar integradas nas restantes actividades da escola e fazer parte do seu projecto educativo. Ela não deve ser vista como um simples serviço de apoio à actividade lectiva ou um espaço autónomo de aprendizagem e ocupação de tempos livres”. (Veiga, 2001)
  • 4.
    • A avaliação da BE: pressupostos
    • Modelo de Auto-Avaliação das BE
    • Estrutura do Modelo de Auto-Avaliação das BE
    • Implementar o Modelo de Auto-Avaliação das BE
    • Modelo de Auto-Avaliação | Impacto da BE
    • Referências Bibliográficas
  • 5. Um importante contributo para o sucesso educativo BIBLIOTECA ESCOLAR Instrumento essencial ao desenvolvimento dos currículos Recurso fundamental para o desenvolvimento das várias literacias Espaço privilegiado de conhecimento e aprendizagem 1. Avaliação da BE: pressupostos
  • 6. Como demonstrar o contributo e o impacto da BE nas aprendizagens e a eficiência dos seus serviços? Recolha de evidências Análise da informação recolhida Divulgação dos resultados da acção da BE Implementação do processo de Auto-avaliação 1. Avaliação da BE: pressupostos
  • 7.
    • É necessário que o investimento (a nível central, de autarquias, das escolas) continue a ser feito, através da consolidação de um conceito central :
    • « A BE constitui um contributo essencial para o sucesso educativo, sendo um recurso fundamental para o ensino e a aprendizagem».
    1. Avaliação da BE: pressupostos
  • 8.
    • Níveis de colaboração entre o coordenador da BE/equipa e os restantes professores
    • - na identificação de recursos;
    • - no desenvolvimento de actividades conjuntas orientadas para o sucesso dos alunos;
    • Acessibilidade e qualidade dos serviços prestados;
    • Adequação da colecção e dos recursos tecnológicos.
    1. Avaliação da BE: pressupostos Factores decisivos para o sucesso da BE, segundo estudos internacionais:
  • 9.
    • É importante que cada escola conheça o impacto que as actividades realizadas na e pela biblioteca vão tendo no processo de ensino/aprendizagem;
    • o grau de eficiência dos serviços prestados;
    • o nível de satisfação por parte dos utilizadores da BE.
    Razão de ser do Modelo de Auto-Avaliação das BE: 1. Avaliação da BE: pressupostos
  • 10. Esta análise permite… 1. Avaliação da BE: pressupostos
    • Contribuir para a afirmação e reconhecimento do seu papel.
    • Determinar o grau de consecução da sua missão e objectivos.
    • Aferir a qualidade e eficácia dos serviços e a satisfação dos utilizadores.
    • Identificar pontos fortes e pontos fracos a melhorar.
    • Ajustar continuamente as práticas com vista à melhoria dos resultados.
    • Conhecer o desempenho para se poder perspectivar o futuro.
  • 11. 1. Avaliação da BE: pressupostos Este processo implica …
    • Aferição da qualidade e eficiência da Biblioteca Escolar e não do desempenho individual do coordenador e elementos da equipa.
    • Envolvimento de toda a comunidade escolar.
    • Procura da melhoria através da acção colectiva.
    Este modelo visa …
    • Dotar as Bibliotecas de um quadro de referência.
    • Prover um instrumento ao serviço da melhoria contínua da qualidade.
  • 12. 2. Modelo de Auto-Avaliação das BE O modelo insere-se num Plano de Desenvolvimento in Scoot, Elspeth S., How good is your school library resource centre? (2002)
  • 13.
    • Abordagem essencialmente qualitativa, orientada para uma análise dos processos e dos resultados, numa perspectiva essencialmente formativa;
    • Entendida como processo e não algo ocasional/acidental;
    • Instrumento de regulação e de melhoria contínua;
    • Processo de auto-responsabilização – Direcção Escola/ Professores/ BE.
    2. Modelo de Auto-Avaliação das BE
  • 14. Factores apontados a nível internacional para o sucesso da BE
    • Os níveis de colaboração entre o coordenador da BE e os restantes professores na identificação de recursos e no desenvolvimento de actividades conjuntas orientadas para o sucesso do aluno: literacia da informação, promoção da leitura – Domínios A e B.
    • O programa formativo desenvolvido pela BE – Domínios A , B e C.
    • A acessibilidade dos serviços prestados pela BE (horário, flexibilidade no acesso; bases de dados e catálogos online , etc.) e a adequação da colecção e dos recursos tecnológicos – Domínio D.
    • A formação dos recursos humanos que suportam o funcionamento da BE – Domínio D
    2. Modelo de Auto-Avaliação das BE
  • 15. 3. Estrutura do Modelo de Auto-Avaliação das BE Organizado em 4 domínios que representam as áreas essenciais para que a biblioteca escolar cumpra os pressupostos e objectivos que suportam a sua acção no processo educativo. Domínios/Subdomínios A. Apoio ao Desenvolvimento Curricular B. Leitura e Literacia C. Projectos, Parcerias e Actividades Livres e de Abertura à Comunidade D. Gestão da Biblioteca Escolar A1. Articulação Curricular da BE com as Estruturas de Coordenação Educativa e Supervisão Pedagógica e os Docentes B1. Trabalho da BE ao serviço da promoção da leitura C1. Apoio a Actividades Livres, Extra-Curriculares e de Enriquecimento Curricular D1. Articulação da BE com a Escola/ Agrupamento. Acesso e serviços prestados pela BE A2. Promoção das Literacias da Informação, Tecnológica e Digital B2. Trabalho articulado com departamentos e com o exterior, no âmbito da leitura C2. Projectos e Parcerias D2. Condições humanas e materiais para a prestação dos serviços. D3. Gestão da colecção/da informação
  • 16. 3. Estrutura do Modelo de Auto-Avaliação das BE Indicadores, factores críticos de sucesso, recolha de evidências, acções de melhoria Indicadores – apontam as zonas nucleares de intervenção em cada domínio; permitem a aplicação de elementos de medição. Factores críticos de sucesso – exemplos de situações, ocorrências, acções que operacionalizam o indicador; guia orientador para a recolha de evidências. Recolha de evidências – exemplos de elementos, fontes e instrumentos de recolha de dados. Acções de melhoria – sugestões de acções com vista à melhoria.
  • 17. Indicadores temáticos 3. Estrutura do Modelo de Auto-Avaliação das BE Domínio A | Exemplo A1. Articulação curricular da BE com as Estruturas Pedagógicas e os Docentes A.1.1. Cooperação da BE com os órgãos pedagógicos de gestão intermédia da escola/agrupamento. A.1.2. Parceria da BE com os docentes responsáveis pelas áreas curriculares não disciplinares (ACND). A.1.3. Articulação da BE com os docentes responsáveis pelos Apoios Educativos. A.1.4. Integração da BE no Plano de Ocupação Plena dos Tempos Escolares (OPTE). A.1.5. Colaboração da BE com os docentes na concretização das actividades curriculares desenvolvidas no seu espaço ou tendo por base os seus recursos.
  • 18. Indicadores temáticos 3. Estrutura do Modelo de Auto-Avaliação das BE Domínio A | Exemplo A2. Desenvolvimento da Literacia da Informação A.2.1. Organização de actividades de formação de utilizadores. A.2.2. Promoção do ensino em contexto de competências de informação. A.2.3. Promoção das TIC e da Internet como ferramentas de acesso, produção e comunicação de informação e como recurso de aprendizagem. A.2.4. Impacto da BE nas competências tecnológicas e de informação dos alunos. A.2.5. Impacto da BE no desenvolvimento de valores e atitudes indispensáveis à formação da cidadania e à aprendizagem ao longo da vida.
  • 19. 3. Estrutura do Modelo de Auto-Avaliação das BE Domínio A | Exemplo Indicadores temáticos (zonas nucleares de intervenção) Factores Críticos de Sucesso (exs de situações, ocorrências e acções que operacionalizam o indicador) Recolha de Evidências (suportam a avaliação) Acções para melhoria/Exemplos A.1.1. Cooperação da BE com os órgãos pedagógicos de gestão intermédia da escola/ agrupamento.
    • A BE colabora com os Departamentos Curriculares/Grupos Disciplinares no sentido de conhecer os diferentes currículos e programas de estudo e de se integrar nas suas planificações.
    • A BE colabora com os Conselhos de Docentes/Ano/Núcleo e/ou Turma com o objectivo de conhecer os diferentes projectos curriculares das turmas e de se envolver no planeamento das respectivas actividades, estratégias e recursos.
    • A utilização da BE é rentabilizada pelos docentes no âmbito da actividade lectiva.
    • Planificações dos Departamentos Curriculares/Grupos Disciplinares
    • Planificações dos Conselhos de Docentes/Ano/Núcleo
    • Projectos Curriculares das Turmas
    • Registos de reuniões/contactos
    • Promover a participação periódica da BE nas reuniões de planificação dos diferentes órgãos pedagógicos da Escola/Agrupamento.
    • Organizar acções informais de formação sobre a BE junto dos docentes.
    • Melhorar a comunicação entre a BE e os órgãos pedagógicos da Escola/Agrupamento no sentido de facilitar a actualização e adequação dos recursos às necessidades.
    • Apresentar aos docentes sugestões de trabalho conjunto em torno do tratamento de diferentes unidades de ensino ou temas.
    • Promover a integração de novos docentes no trabalho da BE.
  • 20.
    • Nível 4 | Excelente – A BE é bastante forte neste domínio. O trabalho desenvolvido é de grande qualidade e com um impacto bastante positivo.
    • Nível 3 | Bom – A BE desenvolve um trabalho de qualidade, mas ainda é possível melhorar alguns aspectos.
    • Nível 2 | Satisfatório – A BE começou a desenvolver trabalho neste domínio, sendo necessário melhorar o desempenho para que o seu impacto seja mais efectivo.
    • Nível 1 | Fraco - A BE desenvolve pouco ou nenhum trabalho neste domínio. O seu impacto é bastante reduzido.
    3. Estrutura do Modelo de Auto-Avaliação das BE Perfis de desempenho: 4 níveis
  • 21. Etapas/Metodologia 4. Implementar o Modelo de Auto-Avaliação das BE
    • Ficha de Perfil da Escola e da BE, incluída no Modelo de Avaliação da Biblioteca Escolar, anexada ao Relatório Anual de Avaliação (fornece informação sobre a situação de cada escola e o contexto em que ocorre a avaliação)
    • Seleccionar o domínio a avaliar
    • Adequar o modelo à realidade da escola
    • Divulgar a aplicação deste modelo à comunidade, envolvendo-a neste processo
    • Calendarizar o processo (cronograma)
    • Definir a amostra ( 20% do nº total de professores e 10% dos alunos para cada nível de escolaridade | Domínio A )
    • Identificar o tipo de evidências (existentes, dados do trabalho diário e recolhida especificamente para o efeito)
    • Definir instrumentos de recolha para cada indicador temático
    • Elaborar outros instrumentos considerados pertinentes
    • Aplicar os instrumentos de recolha de evidências
  • 22.
    • Identificar o tipo de evidências (existentes, dados do trabalho diário e recolhida especificamente para o efeito)
    • Definir instrumentos de recolha para cada indicador temático
    • Elaborar outros instrumentos considerados pertinentes
    • Aplicar os instrumentos de recolha de evidências
    • Recolher as evidências
    • Gerir/interpretar/analisar dados obtidos
    • Registo de pontos fortes e pontos fracos
    • Decidir em qual dos níveis de desempenho se situa a BE nesse domínio
    • Registar no Quadro - Síntese , o tipo de evidências recolhidas, o nível atingido e as formas como pensa que pode melhorar o nível de desempenho
    4. Implementar o Modelo de Auto-Avaliação das BE Etapas/Metodologia
  • 23.
    • Elaborar relatório de auto-avaliação ( instrumento de descrição e análise dos resultados da auto-avaliação, de identificação do conjunto de acções a ter em conta no planeamento futuro e de difusão desses resultados e acções junto dos órgãos de gestão e de decisão pedagógica)
    • Analisar / aprovar o relatório em Conselho Pedagógico e o plano de melhoria delineado
    • Integrar síntese no relatório de escola (a avaliação externa | IGE poderá avaliar o impacto da BE na escola através desta síntese)
    • Escola | Comunicar/divulgar os resultados a toda a comunidade escolar
    • RBE | Envio do Relatório de Auto-Avaliação
    4. Implementar o Modelo de Auto-Avaliação das BE Etapas Etapas/Metodologia
  • 24.
    • Divulgar a acção da BE, a sua importância nos resultados da aprendizagem por parte dos alunos e professores através da demonstração de evidências, ( Ross Todd – evidence based pratice ) contribuindo para a sua afirmação e reconhecimento no âmbito das escolas e do sistema educativo – demonstrar o valor da BE
    • Incorporar nas suas práticas uma actividade sistemática de recolha de informação que permita ajuizar e decidir de forma fundamentada as linhas de acção da BE
    • Identificar pontos fracos, priorizar necessidades em consonância com os objectivos programáticos e curriculares, estabelecer alvos comunicar o plano de actividades seguinte.
    • Identificar necessidades de investimento a ter em conta no plano orçamental, justificando o pedido de reforço de verbas ou de apoios suplementares.
    • Ter uma acção integradora de objectivos e práticas ligadas ao currículo e ao sucesso educativo dos alunos – visibilidade da BE
    AVALIAR | ANALISAR | COMUNICAR |NOVAS PRÁTICAS |VISIBILIDADE 5. Modelo de Auto-Avaliação | Impacto da BE
  • 25.
    • Redefinir as práticas e de processos pedagógicos, através de um plano de desenvolvimento orientado para as literacias e para o apoio ao currículo com impacto na aprendizagem dos alunos
    • Reforçar do conceito de cooperação, baseado na planificação e no trabalho colaborativo entre os docentes e a BE
    • haver um melhor conhecimento e rentabilização dos recursos da BE por todos
    • reportar anualmente na escola os resultados e a situação da biblioteca e disseminando as suas boas práticas
    • O PB deve manter uma posição de inquirição permanente relativamente à gestão de serviços, de recursos, de gestão estratégica que desenvolve e do seu impacto destas práticas na escola e no sucesso escolar dos alunos
    5. Modelo de Auto-Avaliação | Impacto da BE AVALIAR | ANALISAR | COMUNICAR |NOVAS PRÁTICAS |VISIBILIDADE
  • 26. 6. Referências Bibliográficas Johnson, Doug (2005) Getting the Most from Your School Library Media Program , Principal . Jan/Feb 2005 http://www.doug-johnson.com/dougwri/getting-the-most-from-your-school-library-media-program-1.html [08/11/2009] McNicol, Sarah (2004) Incorporating library provision in school self-evaluation. Educational Review , 56 (3), 287-296. (Disponível na plataforma) RBE (2009) Apresentação do Modelo de Auto-Avaliação da Biblioteca Escolar. http://www.rbe.min-edu.pt/np4/?newsId=31&fileName=modelo_auto_avaliacao.pdf > [13/11/2009]   Scott, Elspeth (2002) How good is your school library resource centre? An introduction to performance measurement . 68th IFLA Council and General Conference August. http://www.ifla.org/IV/ifla68/papers/028-097e.pdf [08/11/2009] Todd, Ross (2002) “School librarian as teachers: learning outcomes and evidence-based practice”. 68th IFLA Council and General Conference August. < http://www.ifla.org/IV/ifla68/papers/084-119e.pdf > [20/08/2008 ] Texto da sessão 4 . Plataforma Moodle. http://forumbibliotecas.rbe.min-edu.pt/mod/resource/view.php?id=8039 > [10/11/2009]