Mapeamento de Áreas de risco do Estado de São Paulo: Caçapava e São José do Rio Preto - 25set2012

1,019 views
863 views

Published on

Resultados sintéticos de mapeamentos de áreas de risco de escorregamentos, inundações, erosão e colapso de solos, dos municípios de Caçapava e São José do Rio Preto. Elaborados conforme Termo de Cooperação entre Instituto Geológico e Coordendoria Estadual de Defesa Civil

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
1,019
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
11
Actions
Shares
0
Downloads
6
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Mapeamento de Áreas de risco do Estado de São Paulo: Caçapava e São José do Rio Preto - 25set2012

  1. 1. Mapeamento de áreas de riscos do estado de São Paulo Caçapava São José do Rio Preto Maria José Brollo – Instituto GeológicoReunião do CEANTEC e Entrega de Mapeamentos de Áreas de Risco – São Paulo, 25 de setembro de 2012
  2. 2. 1- OBJETIVOTermo de Cooperação Técnica IG-CEDEC de 02/12/2009, para Mapeamento de áreasde riscos em 9 municípios (Aparecida, Caçapava, Guaratinguetá, Pindamonhangaba,Redenção da Serra, Roseira, Taubaté, Tremembé e São José do Rio Preto)25.setembro.2012 - Entrega oficial na Reunião do CEANTEC
  3. 3. 1- OBJETIVOTermo de Cooperação Técnica IG-CEDEC de 02/12/2009, para Mapeamento de áreasde riscos em 9 municípios (Aparecida, Caçapava, Guaratinguetá, Pindamonhangaba,Redenção da Serra, Roseira, Taubaté, Tremembé e São José do Rio Preto)07.agosto.2012 - Entrega oficial no Encontro de Regionais de Defesa Civil (CEDEC)
  4. 4. 1- OBJETIVOTermo de Cooperação Técnica IG-CEDEC de 02/12/2009, para Mapeamento de áreasde riscos em 9 municípios (Aparecida, Caçapava, Guaratinguetá, Pindamonhangaba,Redenção da Serra, Roseira, Taubaté, Tremembé e São José do Rio Preto)15.dezembro.2011 - Entrega oficial no III Seminário de Estratégias para Redução de Desastres no Estado de São Paulo (IG & CEDEC)
  5. 5. 2- COOPERAÇÃO TÉCNICA IG-CEDEC1988 - PlanosPreventivos de DefesaCivil (PPDC) e Planos deContingência2004 – Mapeamento deáreas de risco emmunicípios do Estado
  6. 6. 2- COOPERAÇÃO TÉCNICA IG-CEDECSEÇÃO VPlano Estratégico para Ações Emergenciais e Mapeamento das 1988 - PlanosÁreas de Risco 2009 – Política Estadual de Preventivos de DefesaArtigo 43 - Fica a Defesa Civil do Estado responsável porelaborar o Plano Estratégico para Ações Emergenciais, com a Mudanças Climáticas (Lei nº Civil (PPDC) e Planos deapresentação de estratégias, mecanismos e instrumentos parasua execução. 13.798, de 09/12/2009) Contingência a que se refere o “caput” deste Parágrafo único - O Plano artigo deverá ser apresentado ao Conselho Estadual de Mudanças Climáticas até dezembro de 2010. 2004 – Mapeamento deArtigo 44 - A Defesa Civil do Estado e a Secretaria do MeioAmbiente, ouvido o Comitê Gestor, deverão elaborar o áreas de risco emMapeamento das Áreas de Risco do Estado de São Paulo. municípios doque se refere o “caput” deste Paragrafo1º - O Mapa a Estado artigo fará parte integrante do Plano Estratégico de Ações Emergenciais e deverá ser atualizado a cada 5 (cinco) anos, bem como as propostas de ação deverão ser apresentados ao Conselho Estadual de Mudanças Climáticas até dezembro de 2011. Parágrafo 2º - Caberá aos municípios colaborarem, por meio da Defesa Civil Municipal, na elaboração do Mapeamento das Áreas de Risco do Estado de São Paulo.
  7. 7. 2- COOPERAÇÃO TÉCNICA IG-CEDEC1988 - Planos 2009 – Política Estadual dePreventivos de Defesa Mudanças Climáticas (Lei nºCivil (PPDC) e Planos de 13.798, de 09/12/2009)Contingência 2011 – Programa Estadual de2004 – Mapeamento de Prevenção de Desastres eáreas de risco em Redução de Riscos Geológicosmunicípios do Estado (Decreto Est. nº 57.512, de 11/11/2011)
  8. 8. 2- COOPERAÇÃO TÉCNICA IG-CEDEC1988 - Planos 2009 – Política Estadual dePreventivos de Defesa Mudanças Climáticas (Lei nºCivil (PPDC) e Planos de 13.798, de 09/12/2009)Contingência 2011 – Programa Estadual de2004 – Mapeamento de Prevenção de Desastres eáreas de risco em Redução de Riscos Geológicosmunicípios do Estado (Decreto Est. nº 57.512, de 11/11/2011) 2012 - Política Nacional de Proteção e Defesa Civil (Lei Federal nº 12.608, de 10/04/2012)
  9. 9. 2- COOPERAÇÃO TÉCNICA IG-CEDEC1988 - Planos 2009 – Política Estadual dePreventivos de Defesa Mudanças Climáticas (Lei nºCivil (PPDC) e Planos de 13.798, de 09/12/2009)Contingência 2011 – Programa Estadual de2004 – Mapeamento de Prevenção de Desastres eáreas de risco em Redução de Riscos Geológicosmunicípios do Estado (Decreto Est. nº 57.512, de 11/11/2011) 2012 - Política Nacional de Proteção e Defesa Civil (Lei Federal nº 12.608, de 10/04/2012)
  10. 10. 2- COOPERAÇÃO TÉCNICA IG-CEDEC1988 - Planos 2009 – Política Estadual dePreventivos de Defesa Mudanças Climáticas (Lei nºCivil (PPDC) e Planos de 13.798, de 09/12/2009)Contingência 2011 – Programa Estadual de2004 – Mapeamento de Prevenção de Desastres eáreas de risco em Redução de Riscos Geológicosmunicípios do Estado (Decreto Est. nº 57.512, de 11/11/2011) 2012 - Política Nacional de Proteção e Defesa Civil (Lei Federal nº 12.608, de 10/04/2012)
  11. 11. - 129 municípios monitorados - Operação Verão- 129 municípios monitorados- 75 não tem mapeamento de áreas de risco
  12. 12. (até outubro de 2012)
  13. 13. 2004 2006 2008 2011Alumínio Cotia Araraquara AparecidaDiadema Dumont Bebedouro RoseiraMairinque Franco da Rocha Cândido Rodrigues Fernando Prestes 2012Rio Grande da Serra Ilhabela Itanhaém CaçapavaSorocaba Jaboticabal Jambeiro GuaratinguetáVotorantim Paraibuna Matão Pindamonhangaba Piedade Mongaguá Redenção da Serra Poá Monte Alto Taubaté São Sebastião Natividade da Serra Tremembé Tapiraí Peruíbe São José do Rio Preto Ubatuba Rincão São Luiz do Paraitinga Sertãozinho
  14. 14. 3- Termo de Cooperação Técnica IG- CEDEC de 02/12/2009, para Mapeamento de áreas de riscos em 9 municípios07.agosto.2012 - Entrega oficial no Encontro de Regionais de Defesa Civil (CEDEC)
  15. 15. R1 - risco baixo R2 - risco médio R3 - risco alto R4 - risco muito alto TOTAL18 setores 17 áreas de risco- 255 moradias; 2 setores 32 setores 10 setores- 4 prédios residenciais; - 1 moradia; 2 setores - 504 moradias; - 78 moradias;- 63 estabelecimentos comerciais; - 150 m de - 170 moradias - 4 prédios residenciais; - 3 pontes- 4 grandes equipamentos ; vias - 63 estabelecimentos comerciais;- 170 metros de vias - 4 grandes equipamentos; - 320 metros de vias, além de 3 pontes.
  16. 16. NÚMERO DE SETORES / NÚMERO DE MORADIAS, EQUIPAMENTOSE VIAS, ASSOCIADOS AO GRAU DE RISCOCAÇAPAVA R2 - risco R4 - risco R1 - risco baixo R3 - risco alto TOTAL médio muito alto ESCORRE- 1 Setor 1 Setor - - - GAMENTOS - 1 moradia - 1 moradia 18 setores - 255 moradias; 28 setores - 4 prédios residenciais; - 487 moradias; - 63 estabelecimentos - 4 prédios residenciais; comerciais; 8 setores 1 setor 1 setor - 63 estabelecimentos comerciais; - 4 grandes INUNDAÇÃO - 67 moradias; - 150 metros de - 165 - 3 grandes equipamentos(1 equipamentos (1 - 3 pontes via moradias galpão/indústria; 1 subestação dePROCESSO ASSOCIADO AO RISCO galpão/indústria; 1 Energia; 1 instalação do SESI; 1 subestação de Energia; campo de futebol); 1 instalação do SESI; 1 - 320 metros de vias e 3 pontes campo de futebol); - 170 metros de vias SOLAPAM. / 2 setores 1 setor 3 setores EROSÃO DE - - - 11 moradias - 5 moradias - 16 moradias MARGENS 18 setores 17 áreas de risco - 255 moradias; - 4 prédios residenciais; 32 setores - 63 estabelecimentos - 504 moradias; comerciais; - 4 prédios residenciais; 10 setores 2 setores 2 setores - 63 estabelecimentos comerciais; - 4 grandes TOTAL - 78 moradias; - 1 moradia; - 170 - 4 grandes equipamentos (1 equipamentos (1 - 3 pontes - 150 m de vias moradias galpão/indústria; 1 subestação de galpão/indústria; 1 subestação de Energia; Energia; 1 instalação do SESI; 1 1 instalação do SESI; 1 campo de futebol); campo de futebol); - 320 metros de vias, além de 3
  17. 17. Área 1 –Beira Rio
  18. 18. Área 1 – Beira Rio:Setor de perigo deinundação (hachuradosconforme legenda),localizado ao longo damargem direita do RioParaíba do Sul, ao qualestá sobreposto o setorde risco de inundação(colorido conformelegenda).
  19. 19. Área 1 – Beira Rio:Setor de perigo deinundação (hachuradosconforme legenda),localizado ao longo damargem direita do RioParaíba do Sul, ao qualestá sobreposto o setorde risco de inundação(colorido conformelegenda).Perigo muito alto
  20. 20. Processo de Descrição dosSetor/Setor Localização Elementos instabilização Processos Recomendações /Risco (referência) em risco esperado Identificados: - Remoção permanente de 165 moradias situadas entre a Estrada dos Areieiros (Rua Expedicionário - Recorrência Manoel Fortunato) e a margem do - Inundação, com nível anual - evento rio ou em trechos menos elevados Bairro Beira de atingimento crítico em 2010 da planície de inundação no Bairro Rio, Estrada esperado de até 1,20m - Processos Beira Rio dos Areieiros - Moradias situadas associados: 165 - Implantação de PPDC e PC.A1/S1/R4inu (Rua junto ou próximas ao erosão e moradias - Serviço de limpeza e recuperação Expedicionário talude de margem do solapamento - Implantação de sistema de Manoel Rio Paraíba do Sul ao - Presença de previsão e alerta de cheias Fortunato) longo da Estrada dos feições erosivas - Impedir a reocupação dos Areieiros. ao longo das terrenos adjacentes ao talude de margens margem. - Evitar o surgimento de moradias em áreas inadequadas.
  21. 21. R1 - risco baixo R2 - risco médio R3 - risco alto R4 - risco muito alto TOTAL 4 setores 17 áreas de risco 12 setores25 setores - 1 moradia ; - 3 moradias ; 41 setores- 102 moradias ; - 100 m de vias, toda a - 4 estabelecimentos comerciais;- 91 estabelecimentos extensão da Av. Bady Bassitt - 106 moradias - 1 grande equipamento;comerciais ; e trecho da Av. Alberto - 6 grandes equipamentos; - 1990 m de vias, além de trecho- 5 grandes; Andaló com a Rod. - 95 estabelecimentos comerciais ; da Av. Alberto Andaló até Rua- 1290 m de vias. Washington Luís até a Rua - 3380 metros de vias, totalidade das Tiradentes. Centenário. Av. Alberto Andaló e Bady Bassitt.
  22. 22. SÃO JOSÉ DO R1 - risco baixo R2 - risco médio R3 - risco alto R4 - risco muito TOTAL altoRIO PRETO 22 setores 9 setores - 102 moradias; 2 setores 33 setores - 2 moradias; - 5 grandes equipamentos - toda a extensão - 104 moradias ; -4 (Esporte Clube Palestra; da Av. Bady Bassitt - 5 grandes equipamentos(Esporte Clube estabelecimentos Biblioteca Municipal; e trecho da Av. Palestra; Biblioteca Municipal; Companhia comerciais ; INUNDAÇÃO Companhia de Alberto Andaló - de Abastecimento de Água; Rodoviária e - 1460 metros de Abastecimento de Água; com a Rod. Estação de Trem) ; vias, além de Rodoviária e Estação de Washington Luís - 95 estabelecimentos comerciais ; trecho da Av. Trem); até a R. - 1460 metros de vias mais a totalidade Alberto Andaló até - 91 estabelecimentos Centenário. das Av. Alberto Andaló e Bady Bassitt. R. Tiradentes. comerciais SOLAPAMEN-PROCESSO ASSOCIADO AO RISCO 3 setores 1 setor 1 setor 5 setores TO / EROSÃO - - 1290 m de vias - 530 m de vias - 100 m de vias - 1920 m de vias DE MARGENS 2 setores - 1 moradia ; 3 setores - - 1 grande 1 setor - 2 moradias ; EROSÃO - equipamento - 1 moradia - 1 grande equipamento (edificações da (edificações da UNIRP) UNIRP) 12 setores 25 setores - 3 moradias ; 4 setores - 102 moradias ; -4 - 1 moradia ; 17 áreas de risco - 91 estabelecimentos 41 setores estabelecimentos - 100 m de vias, comerciais ; - 106 moradias comerciais ; toda a extensão da - 5 grandes - 6 grandes equipamentos (Esporte Clube - 1 grande Av. Bady Bassitt e equipamentos(Esporte Palestra; Biblioteca Municipal; Companhia TOTAL equipamento trecho da Av. Clube Palestra; Biblioteca de Abastecimento de Água; Rodoviária e (edificações da Alberto Andaló Municipal; Companhia de Estação de Trem, edificações da UNIRP); UNIRP); com a Rod. Abastecimento de Água; - 95 estabelecimentos comerciais ; - 1990 m de vias, Washington Luís Rodoviária e Estação de - 3380 metros de vias, totalidade das Av. além de trecho da até a R. Trem) ; Alberto Andaló e Bady Bassitt. Av. Alberto Andaló Centenário. - 1290 m de vias. até R. Tiradentes.
  23. 23. Área 9 –CórregoBorá
  24. 24. Área 9 –Córrego Borá:setores dePerigo deinundação(hachuradosconformelegenda),localizados aolongo dasmargens doCórrego Borá,aos quais estãosobrepostos ossetores de riscode inundação
  25. 25. 3- CONCLUSÃO - continuidade do trabalho:-- Responsabilidade do -Responsabilidade do Estadomunicípio - - Ordenamento territorial-- monitoramento das áreas de - - Operação Verão riscos - - Capacitação-- redução dos riscos (ações - - Convênios para obras estruturais e não estruturais) emergenciais-- evitar a formação de novas - - Programa Estadual de áreas de risco – planejamento Prevenção de Desastres e municipal (Planos diretores, Redução dos Riscos Zoneamento Ecológico- econômico, legislação ambiental, etc)-- atualização continua do mapeamento de áreas de risco
  26. 26. 2- COOPERAÇÃO TÉCNICA IG-CEDEC 2012 - Política Nacional de Proteção e Defesa Civil (Lei Federal nº 12.608, de 10/04/2012)1988 - Planos 2009 – Política Estadual dePreventivos de Defesa Mudanças Climáticas (Lei nºCivil (PPDC) e Planos de 13.798, de 09/12/2009)Contingência 2011 – Programa Estadual de2004 – Mapeamento de Prevenção de Desastres eáreas de risco em Redução de Riscos Geológicosmunicípios do Estado (Decreto Est. nº 57.512, de 11/11/2011)
  27. 27. 4- AGRADECIMENTOS CEDEC – termo de cooperação técnica IG – equipe executivaANTONIO CARLOS MORETTI GUEDES MÁRCIA HELENA GALINA ESTAGIÁRIOS: APOIO DE CAMPOGeólogo – Núcleo de Geoprocessamento Geógrafa - Núcleo de Aline Moura Oliveira (Núcleo de Administração de Geoprocessamento Allan Pereira Julião Subfrota):CLÁUDIO JOSÉ FERREIRAGeólogo - Núcleo de Geologia de MÁRCIA MARIA NOGUEIRA Ana Lígia Ribeiro Guerra Adalberto Ferreira BarbosaEngenharia e Ambiental PRESSINOTTI Daiane Grigório Quintão Edney Xavier de Souza Geóloga - Núcleo de Geoprocessamento Elike Pedroso Hernandez Hernandes Magalhães FºDANIELA GÍRIO MARCHIORI FARIA Érika Silva Pimentel Job de CamposEngenheira Geóloga - Núcleo de Geologia MARIA JOSÉ BROLLOde Engenharia e Ambiental Geóloga - Núcleo de Geologia de Priscilla M. Morais Nery Márcio Félix Dionísio Engenharia e Ambiental Renan Espósito Vieira Roberval MarianoDENISE ROSSINI PENTEADO Ricardo Lima Barbosa Valentim O. dos Santos FºGeógrafa – Núcleo de Dinâmica de Uso e OSVALDO SOUZA COUTINHO FILHOOcupação Territorial Geógrafo – Núcleo de Roger Biganzolli Ferreira Geoprocessamento Thais L.dos Santos Santiago APOIO TÉCNICO:EDUARDO DE ANDRADE Cristiane B. da Silveira Vanessa Sartori AndradeTecnólogo em Construção Civil – Núcleo de PAULO CÉSAR FERNANDES DA SILVA Gustavo ArmaniGeologia de Engenharia e Ambiental Geólogo - Núcleo de Geologia de Vivian Cristina Dias Ivete Costa da Silva Engenharia e AmbientalFRANCISNEIDE SOARES RIBEIRO Tulius Dias NeryGeógrafa – Núcleo de Geoprocessamento PEDRO CARIGNATO BASÍLIO LEAL Vanessa Ogihara Honda Geógrafo – Núcleo de Vania Ap. dos SantosJAIR SANTORO GeoprocessamentoGeólogo - Núcleo de Geologia deEngenharia e Ambiental RODOLFO MOREDA MENDES Engenheiro Civil – Laboratório deLANA CAROLINA DANNA Análises GeológicasGestora Ambiental – Centro de Geologia eMeio Ambiente ROSÂNGELA DO AMARAL Geógrafa – Núcleo de Dinâmica de UsoLÍDIA KEIKO TOMINAGA e Ocupação TerritorialGeóloga - Núcleo de Geologia deEngenharia e Ambiental

×