Sessão 4   Domínio B
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

Sessão 4 Domínio B

on

  • 493 views

Domínio B

Domínio B

Statistics

Views

Total Views
493
Views on SlideShare
493
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
4
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Sessão 4 Domínio B Document Transcript

  • 1. Práticas e Modelos na Auto-avaliação das Bibliotecas Escolares DREC 5 – Sessão 4 Objectivos da sessão: • Compreender como é que a auto-avaliação pode ser concretizada para demonstrar a contribuição da BE para o ensino e aprendizagem e a missão e objectivos da escola. • Ganhar familiaridade com o processo de auto-avaliação adoptado pelo Modelo de Auto-avaliação RBE e capacitar para a sua aplicação. • Conhecer as técnicas e instrumentos propostos, o modo como se organizam e podem ser usados Tarefa Usando como pano de fundo a biblioteca que se propõe avaliar, estabeleça um Plano de Avaliação em profundidade do Domínio que escolheu. O Plano deve incorporar informação e aspectos retirados dos documentos lidos e reflectir a natureza e conteúdo do Domínio escolhido. Sumário 1. Questões implicadas na Auto-avaliação do Domínio B – Leitura e Literacia: 1.1 - Porquê a escolha deste domínio? 1.2 - Critérios utilizados na elaboração deste Plano de Avaliação. 1.3 - Procedimentos: como irá ser concretizada esta avaliação? 2. Plano de Avaliação do Domínio B – Leitura e Literacia, no Agrupamento de Escolas de Mira. 2.1 – Diagnóstico. 2.2 – Planificação da Intervenção. 2.3 – Metodologia. Maria do Rosário Monteiro de Figueiredo 1
  • 2. Práticas e Modelos na Auto-avaliação das Bibliotecas Escolares DREC 5 – Sessão 4 1. Questões implicadas na Auto-avaliação do Domínio B – Leitura e Literacia. 1.1 - Porquê a escolha deste domínio? O modelo de auto-avaliação das bibliotecas escolares deve estar (...) perfeitamente contextualizado e ancorado na escola e no diálogo que a biblioteca tem de estabelecer com ela e com a comunidade 1 , afirma-se no texto base desta sessão de trabalho. Sendo assim, o Domínio B – Leitura e Literacia sobressai como aquele que melhor se relaciona com as prioridades identificadas no Projecto Educativo do Agrupamento de Escolas de Mira e como a área onde se concentrou, neste ano lectivo, o maior esforço de intervenção das suas Bibliotecas Escolares. Será, por isso, natural e desejável, que esta azáfama das B.E. seja reconhecida como essencial ao desenvolvimento de competências leitoras e de literacia nos nossos alunos, e que, graças a evidências recolhidas, seja possível averiguar a sua eficácia. 1.2 – Critérios utilizados na elaboração deste Plano de Avaliação. A literatura disponibilizada nesta sessão, apesar de não desprezar a avaliação de performance da B.E. tradicionalmente associada à utilização de equipamentos, instalações, colecções, serviços fornecidos, foi unânime na defesa de uma monitorização centrada no impacto das acções da B.E. nos utilizadores, ou seja, na mudança qualitativa dos seus conhecimentos, competências, atitudes, valores, níveis de sucesso, bem-estar e inclusão. Foram nomeados três modelos para operacionalizar esse processo: o Goals-Based Evaluation, que pretende avaliar a forma como um dado programa cumpre metas ou objectivos predefinidos; o Process-Based Evaluations, que focaliza a sua acção no funcionamento do programa, no modo como este produz resultados; e o designado por Outcomes-Based Evaluation, que tem como alvo aferir se um programa tem as actividades certas para os resultados pretendidos. 2 Este último modelo, por reflectir as actuais tendências na ênfase em torno do sucesso educativo e da melhoria de resultados, 3 sobressaiu como o mais adequado à tarefa pretendida. Para a elaboração do Plano de Avaliação do Domínio B – Leitura e Literacia, cumpriram-se, assim, algumas etapas: partiu-se do diagnóstico elaborado pela estrutura pedagógica do Agrupamento e desenharam-se acções capazes de potenciar o desempenho dos alunos nas áreas deficitárias identificadas; 1 O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares: Metodologias de Operacionalização (Parte I). Texto da Sessão 4. 2 MCNAMARA, Carter. Basic Guide to Program Evaluation. 3 Texto da Sessão 4. Maria do Rosário Monteiro de Figueiredo 2
  • 3. Práticas e Modelos na Auto-avaliação das Bibliotecas Escolares DREC 5 – Sessão 4 identificaram-se os objectos de avaliação, ou seja, as aprendizagens que estavam subjacentes a cada acção realizada; seleccionou-se a avaliação a empreender, o público-alvo e a sua calendarização; seleccionaram-se os instrumentos a utilizar nessa avaliação; conceberam-se os momentos para o tratamento de dados, para a análise em torno dos pontos fortes/fracos detectados e para a definição de prioridades e consequentes acções de melhoria; definiu-se a forma como os resultados e as novas propostas iriam ser comunicados à Comunidade Educativa. 1.3 - Procedimentos: como irá ser concretizada esta avaliação? Esta avaliação, como foi dito, irá ser concretizada com o auxílio de um programa de Outcomes-Based Evaluation – o Modelo de Auto-avaliação das B.E. Basear-se-á nos indicadores que o modelo exemplifica por domínio e nas acções de melhoria propostas. A recolha de evidências será direccionada de forma a patentear o impacto obtido na aprendizagem dos alunos. No caso do Domínio escolhido pelas Bibliotecas Escolares do Agrupamento, serão monitorizados, a par e passo, o Trabalho da BE ao serviço da promoção da leitura no Agrupamento, o Trabalho articulado da BE com departamentos e docentes e com o exterior, no âmbito da leitura e o Impacto do trabalho da BE nas atitudes e competências dos alunos, no âmbito da leitura e das literacias. 4 De uma forma esquemática, a Auto-avaliação que planificámos irá incluir os seguintes indicadores 5 : Inputs Staff, equipamentos, colecções, instalações... Processos Actividades a realizar e serviços oferecidos. Outputs Qualidade e eficácia observada. Impacto O efeito ou influência nos utilizadores. Outcomes As consequências e/ou resultados práticos. Valor A percepção de beneficio. 4 Ministério da Educação. Bibliotecas Escolares: Modelo de Auto – Avaliação. 5 Adaptado a partir de Avaliação de Serviços da Biblioteca. BERTOT, John Carlo cit in MELO, Luiza Baptista. Estatísticas e Avaliação da Qualidade e do Desempenho em Bibliotecas e Serviços de Informação: Investigações Recentes e Novos Projectos. Maria do Rosário Monteiro de Figueiredo 3
  • 4. Práticas e Modelos na Auto-avaliação das Bibliotecas Escolares DREC 5 – Sessão 4 2 - Plano de Avaliação do Domínio B – Leitura e Literacia, no Agrupamento de Escolas de Mira. 2.1 – Diagnóstico. Diagnóstico Pontes fortes Pontos fracos detectados Os alunos têm pouca eficácia de compreensão Os alunos utilizam as BE assiduamente. leitora. Os alunos do 1º e 2ºCEB gostam de ouvir Os alunos requisitam poucos livros. histórias. Os alunos não lêem por prazer. As famílias não valorizam a leitura recreativa. 2.2 – Planificação da Intervenção. Instrumentos de Indicadores Factores Críticos de Sucesso Acções a realizar recolha de evidências B.1 – • A BE disponibiliza uma • Auscultação de • Estatísticas de Trabalho da colecção variada e adequada necessidades sentidas requisição, BE ao serviço aos gostos e interesses de pelos utilizadores da BE, circulação no da promoção informação dos utilizadores. no tocante ao fundo Agrupamento e da leitura no • A BE identifica problemáticas e documental. uso de recursos Agrupamento. dificuldades neste domínio e • Actualização do acervo de relacionados delineia em colaboração com a acordo com as prioridades com a leitura. escola acções e programas que identificadas por alunos, • Estatísticas de melhorem as situações docentes e restante utilização identificadas. Comunidade Educativa. informal da BE. • A BE está informada • Difusão de todas as • Estatísticas de relativamente às linhas de valências do PNL. utilização da BE orientação e actividades • Actividades de promoção para actividades propostas pelo PNL. da leitura: de leitura • A BE desenvolve, de forma • Hora do Conto programada/ sistemática, actividades no • Serviço À La Carte articulada com âmbito da promoção da leitura: outros docentes. • Concurso Super Leitor hora do conto, animação de • Concurso Na pista do • Registos de leitura, concursos e blogs. pormenor. actividades/ • A BE incentiva a leitura projectos. • Concurso Era uma vez... informativa, associando-se e • Registos de • Histórias aos articulando com os observação Quadradinhos departamentos no informal. desenvolvimento das • O.P.A.L. • Questionário aos actividades de ensino/ • Escritor na escola docentes (QD2). aprendizagem. • Feira do Livro • Questionário aos • A BE promove encontros com • Feira de Autor alunos (QA2). escritores e feiras do livro. • Blog da B.E. • A leitura em ambientes digitais • Leitura em diversos é incentivada. suportes e com diversos fins. Maria do Rosário Monteiro de Figueiredo 4
  • 5. Práticas e Modelos na Auto-avaliação das Bibliotecas Escolares DREC 5 – Sessão 4 Instrumentos Indicadores Factores Críticos de Sucesso Acções a realizar de recolha de evidências B.2 – • A leitura e a literacia constam • Trabalho articulado com • Projectos e Trabalho como meta no projecto departamentos e docentes. actividades articulado da educativo e curricular, em • Definição de prioridades e comuns BE com articulação com a BE. estratégias de melhoria, para realizadas departamentos • A BE favorece a existência de apresentação aos órgãos de neste âmbito. e docentes e ambientes de leitura ricos e administração e gestão • Materiais de com o diversificados, fornecendo (director, conselho apoio exterior, no livros e outros recursos às salas pedagógico) e demais produzidos e âmbito da de aula ou outros espaços de estruturas de coordenação leitura. lazer ou de trabalho e educativa e de supervisão editados. aprendizagem. pedagógica, partindo dos • Questionário • A BE promove a articulação da resultados analisados pelos aos leitura com os diferentes conselhos de turma. professores domínios curriculares, com • Organização de uma (QP2). departamentos e docentes, com palestra, para Encarregados • Questionário a BM ou outras instituições. de Educação, sobre a leitura, aos • A BE articula actividades com a literacia e o papel da BE. Encarregados os docentes/sala de aula no • Actividade Celebração de de Educação âmbito do PNL. Efemérides. (QEE1). • A BE envolve a família em • Actividade Histórias da projectos ou actividades na área Avozinha. da leitura. • Produção de instrumentos de • A BE difunde informação sobre apoio para docentes e alunos. livros e autores, organiza guiões • Projecto de actividades para de leitura, bibliografias e outros novos públicos que emergem materiais de apoio relacionados da reestruturação curricular com matérias de interesse ou de mudanças no sistema curricular ou formativo. educativo. • A BE colabora activamente • Colaboração activa com com os docentes na construção departamentos e docentes na de estratégias e em actividades concepção/participação em que melhorem as competências programas/projectos dos alunos ao nível da leitura e relacionados com a leitura. da literacia. Maria do Rosário Monteiro de Figueiredo 5
  • 6. Práticas e Modelos na Auto-avaliação das Bibliotecas Escolares DREC 5 – Sessão 4 Factores Críticos de Instrumentos de Indicadores Sucesso Acções a realizar recolha de evidências B.3 – • Os alunos usam o livro e a • Oferta de actividades de • Estatísticas de Impacto do BE para ler de forma promoção da leitura e de utilização da BE trabalho da recreativa, para se informar apoio ao desenvolvimento para actividades BE nas ou para realizar trabalhos de competências no âmbito de leitura. atitudes e escolares. da leitura, da escrita e das • Estatísticas de competências • Os alunos, de acordo com o literacias. requisição dos alunos, seu ano/ciclo de • Diálogo com os docentes no domiciliária. no âmbito da escolaridade, manifestam sentido de garantir um leitura e das progressos nas esforço conjunto para que o • Observação da literacias. competências de leitura, desenvolvimento de utilização da BE lendo mais e com maior competências de leitura, (O3; O4). profundidade. estudo e investigação seja • Trabalhos • Os alunos desenvolvem adequadamente inserido nos realizados pelos trabalhos onde interagem diferentes currículos e alunos com equipamentos e actividades. • Análise ambientes informacionais • Diálogo com os alunos com diacrónica das variados, manifestando vista à identificação de avaliações dos progressos nas suas interesses e necessidades no competências no âmbito da campo da leitura e da alunos. leitura e da literacia. literacia. • Questionário aos • Os alunos participam • Encorajamento da docentes (QD2). activamente em diferentes participação dos alunos em • Questionário aos actividades associadas à actividades livres no âmbito alunos (QA2). promoção da leitura: da leitura: jornais, blogs e jornais, blogs e outros. outros. 2.3 – Metodologia. Intervenção Aplicação dos instrumentos de recolha de evidências a amostras representativas da população escolar (20% dos docentes; 10% dos alunos). Recolha, tratamento e análise das evidências. Comparação dos resultados obtidos com os níveis de desempenho esperados. Identificação de novos pontos fortes e fracos. Objectivação de prioridades. Preenchimento do Relatório-síntese proposto pela RBE. Apresentação dos resultados da Auto-avaliação à direcção do Agrupamento e aos Órgãos de Gestão intermédia. Elaboração de uma nova proposta de intervenção, com estratégias de melhoria. Maria do Rosário Monteiro de Figueiredo 6
  • 7. Práticas e Modelos na Auto-avaliação das Bibliotecas Escolares DREC 5 – Sessão 4 Bibliografia MCNAMARA, Carter. Basic Guide to Program Evaluation. <http://managementhelp.org/evaluatn/fnl_eval.htm>.Acedido em 20 de Novembro 2009. MELO, Luiza Baptista. Estatísticas e Avaliação da Qualidade e do Desempenho em Bibliotecas e Serviços de Informação: Investigações Recentes e Novos Projectos. http://badinfo.apbad.pt/congresso8/com20.pdf. Acedido em 22 de Novembro 2009. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Bibliotecas Escolares: Modelo de Auto – Avaliação. <http://forumbibliotecas.rbe.min-edu.pt/mod/resource/view.php?id=10374> Acedido em 20 Novembro 2009. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Modelo de Auto – Avaliação (Instrumentos de recolha de dados). <http://www.rbe.minedu.pt/np4/?newsId=31&fileName=Modelo_instrumentos.pdf>. Acedido em 15 de Setembro 2009. O MODELO DE AUTO-AVALIAÇÃO DAS BIBLIOTECAS ESCOLARES: METODOLOGIAS DE OPERACIONALIZAÇÃO (PARTE I). TEXTO DA SESSÃO 4. http://forumbibliotecas.rbe.min-edu.pt/file.php/94/texto-metodologias-parte1.doc.Acedido em 20 Novembro 2009. POLL, Roswitha; PAYNE, Philip. Impact Measures for Libraries and Information Services. <http://eprints.rclis.org/9161/1/payne_poll_final_web.pdf>. Acedido em 22 de Novembro 2009. SLIC. Planning annual gathering of evidence. Toolkit for use in staff development. 2005. <http://www.slainte.org.uk/files/pdf/slic/schoollibs/lslevidence.pdf>. Acedido em 22 Novembro 2009. Maria do Rosário Monteiro de Figueiredo 7