A Isabel Figueiredo, por mim

370 views
356 views

Published on

Sessão 1

Published in: Education, Business
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
370
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
1
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

A Isabel Figueiredo, por mim

  1. 1. Práticas e Modelos na Auto-avaliação das Bibliotecas Escolares DREC 5 – Sessão 1 Parte 2 – Selecção do contributo de um colega e comentário Isabel, em primeiro lugar, deixe-me cumprimentá-la pela sua abordagem irrepreensível ao tema proposto. Isto torna, porém, difícil escolher itens, dado que o todo é homogeneamente muito interessante... Mas, como o tempo urge, e seguramente vai haver muita troca de ideias sobre o que escreveu, vou destacar nas competências do professor bibliotecário a “Ameaça” “Assumir riscos, contudo aprender com os próprios erros e não desanimar”. Eu atrevia-me a propor-lhe que essa ideia chave mudasse de coluna, dado que, para mim, ameaça é nada arriscar, nada aprender com os erros e desanimar. E o que escreve é de tal forma poderoso que eu gostaria de o ver escrito nos “Pontos Fortes” ou nos “Desafios” do P.B. Que lhe parece? Quanto ao ponto “Trabalho colaborativo e articulado com Departamentos e docentes” e “Formação para a leitura e para as literacias” a Isabel constata como “Fraqueza da sua BE” a dificuldade de formalizar a planificação conjunta de actividades. Penso que a acção que propõe implementar para superar essa dificuldade é uma medida com grande alcance, pois visa aliciar colaboradores e não os penalizar em tempo e trabalho. Mas, digo eu, se puder juntar a esse propósito, ir às reuniões de departamentos, previamente agendadas, com propostas muito concretas sobre a mesa, vai ver que consegue maximizar tempo e eficácia. Já no ponto “Gestão de Evidências/avaliação” achei particularmente arguta a sua observação nas “Ameaças”, de que “nem sempre é fácil fazer o levantamento de todas as evidências: risco de subavaliarmos o nosso trabalho”. Isto vem de encontro ao que penso. O cuidado que temos de ter no observar e valorizar o nosso trabalho. Nós somos, muitas vezes, estupidamente imodestos. E o mundo é dos audazes. Até logo! Maria do Rosário Monteiro de Figueiredo

×