I Mba Marcas No Mundo Colaborativo Aula2

886 views
782 views

Published on

Segunda aula dada no I-MBA, do I-Group/FIT, sobre marcas em mundo colaborativo.

Published in: Education, Business, Technology
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
886
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
23
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

I Mba Marcas No Mundo Colaborativo Aula2

  1. 1. Curso de Especialização em nível de Pós-Graduação “Lato Sensu” em: Planejamento Estratégico e Marketing Interativo Gestão de Negócios, Mercados e Projetos Interativos - I-MBA Marcas em um Mundo Colaborativo Daniel Miura Aula 2
  2. 2. Agenda <ul><li>Recapitular é preciso; </li></ul><ul><li>Definição dos clientes; </li></ul><ul><li>Levantamento de informações para construção da marca; </li></ul><ul><li>Estabelecendo o elo e promessa de marca; </li></ul><ul><li>Diagnóstico Externo; </li></ul><ul><li>Resumo Final. </li></ul>
  3. 3. RECAPITULANDO A NOSSA ÚLTIMA AULA
  4. 4. PONTOS ESTRATÉGICOS ATÉ O MOMENTO <ul><li>O marketing de hoje é igual ao marketing de ontem; </li></ul><ul><li>O mercado deve trabalhar o desejo e não mais o produto; </li></ul><ul><li>A credibilidade está no relacionamento; </li></ul><ul><li>Marcas são feitas de histórias; </li></ul><ul><li>O futuro do marketing está no boca a boca; </li></ul><ul><li>Produto bom é produto bom e útil ao seu público; </li></ul><ul><li>A informação virou de domínio público e não existe mais diferenças entre o emissor e o receptor; </li></ul><ul><li>Fórmulas para o sucesso não existem. Cada experiência é única. </li></ul>
  5. 5. PREPARADOS? Chegou a hora de colocarmos a mão na massa!
  6. 6. ESCOLHA O CLIENTE
  7. 7. ENTRE AS EMPRESAS ABAIXO, ESCOLHA A QUE MAIS AGRADA
  8. 8. BRIEFING TIME!
  9. 9. PONTAPÉ PARA A CONSTRUÇÃO DA MARCA
  10. 10. <ul><li>O início de um projeto de construção de marcas deve levar alguns aspectos importantes. São eles: </li></ul><ul><li>Pesquisa; </li></ul><ul><li>Entendimento dos desejos; </li></ul><ul><li>Conhecimento profundo do produto e do serviço; </li></ul><ul><li>Conhecimento do mercado em que ele quer atuar; </li></ul><ul><li>Concorrência. </li></ul>
  11. 12. PERGUNTA RELEVANTE : ESTRATÉGIAS DE CONSTRUÇÃO DE MARCAS EM UM MUNDO COLABORATIVO ESTÃO RESUMIDOS À WEB?
  12. 13. PERGUNTA RELEVANTE : ESTRATÉGIAS DE CONSTRUÇÃO DE MARCAS EM UM MUNDO COLABORATIVO ESTÃO RESUMIDOS À WEB? A resposta é NÃO!
  13. 14. <ul><li>Isso tem a ver com o consumidor e com a sua personalidade; </li></ul><ul><li>Não se trata apenas de Web: pense em ações interativas – mesmo que sejam via Internet, celular, revista etc; </li></ul><ul><li>Integre experiência usando tudo o que estiver ao seu alcance; </li></ul><ul><li>A forma mais prática de alinhar a promessa com o desejo pela mesma é trabalhando o zeitgeist. </li></ul>
  14. 15. ZEIT(+)GEIST = ESPÍRITO DO TEMPO
  15. 16. ZEIT(+)GEIST = ESPÍRITO DO TEMPO - Sintonia com o espírito de uma época; - É a expressão dos valores, medos e aspirações coletivas da sociedade ; - É o que está por trás do desejo das pessoas em um determinado momento; - Na comunicação das marcas são identificados pelos valores comuns que despertam ( mesmo tipo de impulso e emoções, por exemplo) sendo semelhantes em qualquer lugar da Terra. Isso se dá por terem valores conectados ao seu tempo.
  16. 17. RELACIONAMENTO E MIDIAS SOCIAIS: O ZEITGEIST DO SÉCULO XXI
  17. 18. AGORA, VOLTEMOS AO PONTO CENTRAL
  18. 19. <ul><li>Quando se conhece a fundo os temas apresentados, é possível construir aquilo que chamamos de Matriz Criativa, que vai: </li></ul><ul><li>- Sintetizar os desejos da marca; </li></ul><ul><li>Potencializar as histórias existentes em torno da marca </li></ul><ul><li>A promessa de oferecer o que o usuário mais deseja; </li></ul><ul><li>Cumprir a missão de maneira absoluta. </li></ul>
  19. 20. MATRIZ CRIATIVA?
  20. 21. MATRIZ CRIATIVA! Trata-se de uma promessa que sintetiza todo o discurso institucional para um grupo de clientes, gerando um forte desejo deles consumirem experiências proporcionadas pela marca.
  21. 22. PORTANTO, VAMOS MONTAR A MATRIZ CRIATIVA DOS CLIENTES ESCOLHIDOS. ENTRETANTO, ANTES, É NECESSÁRIO TOMAR ALGUNS CUIDADOS...
  22. 23. Passo 1: vamos criar o tag map da marca. Elabore uma tabela dividida em duas partes, sendo que ao lado esquerdo estão os pontos positivos e ao lado direito estão os pontos negativos. Depois de listá-los, enumere por ordem de prioridade. Vocês tem cinco minutos.
  23. 24. Perceba que ao estabelecer “notas”, na prática, o que estamos fazendo é criando uma nuvem de tags (tag cloud).
  24. 25. Passo 2: vamos criar o tag map das personas. Da mesma maneira que vocês fizeram para a marca, vamos elaborar o tag map para as personas, ou seja, os diferentes públicos que a marca atinge. Vamos pensar em três indivíduos. Não deixe de pensar com a cabeça de consumidor! Vocês tem dez minutos. Jessica, 35 anos, grávida de oito meses Na fase final da gestação, ela aguarda com ansiedade a hora do parto, e já tomou todos os cuidados para que parentes e amigos possam curtir com ela esse momento tão especial, que é o nascimento de Caio, seu primeiro filho.
  25. 26. Passo 3: estudando os concorrentes. Não deixe de prestar atenção e levantar detalhadamente o que os concorrentes estão fazendo, sobretudo se os objetivos a serem alcançados por eles trarão perigos imediatos ao cliente atendido. É necessário tomar rotas seguras para impedir o combate direto.
  26. 27. ESTABELECENDO O ELO
  27. 28. Como falamos anteriormente, é necessário estabelecer elos entre a marca e os públicos se a intenção for construir uma estratégia sólida. Para isso, é necessário estudar os tag maps e estabelecer um perfil claro do público e do posicionamento da empresa.
  28. 29. PROMESSA DE MARCA
  29. 30. PROMESSA DE MARCA <ul><li>Exprime a essência dos sentimentos traçados; </li></ul>
  30. 31. PROMESSA DE MARCA <ul><li>Exprime a essência dos sentimentos traçados; </li></ul><ul><li>Slogan; </li></ul>
  31. 32. PROMESSA DE MARCA <ul><li>Exprime a essência dos sentimentos traçados; </li></ul><ul><li>Slogan; </li></ul><ul><li>Cria identificação; </li></ul>
  32. 33. PROMESSA DE MARCA <ul><li>Exprime a essência dos sentimentos traçados; </li></ul><ul><li>Slogan; </li></ul><ul><li>Cria identificação; </li></ul><ul><li>Convida à troca de histórias; </li></ul>
  33. 34. PROMESSA DE MARCA <ul><li>Exprime a essência dos sentimentos traçados; </li></ul><ul><li>Slogan; </li></ul><ul><li>Cria identificação; </li></ul><ul><li>Convida à troca de histórias; </li></ul><ul><li>Permite a efetivação do lovemark. </li></ul>
  34. 35. Passo 4: crie a sua promessa de marca Pense numa frase que exprima por completo o sentimento do consumidor e que ao mesmo tempo contemple em 100% a expectativa do cliente. Seja criativo para isso. Você tem três minutos!
  35. 36. PARABÉNS, VOCÊS ACABARAM DE MONTAR UMA MATRIZ CRIATIVA
  36. 38. CHEGOU A HORA DO DIAGNÓSTICO EXTERNO
  37. 39. Nós sabemos onde a marca quer estar e quem ela quer atingir, mas como ela está inserida nos meios? Toda estratégia deve ser precedida por uma premissa básica:
  38. 40. Nós sabemos onde a marca quer estar e quem ela quer atingir, mas como ela está inserida nos meios? Toda estratégia deve ser precedida por uma premissa básica:
  39. 41. AMBIENTES DE ATUAÇÃO
  40. 42. Passo 6: monitoramento Utilizem o mapa de ambientes de atuação para levantar o máximo de informações que vocês conseguirem. Utilizem os perfis de vocês em diferentes redes, sistemas de busca, a memória para levantar aspectos do mundo real e anotem tudo que possa identificar oportunidades ou crises. Vocês tem dez minutos para isso!
  41. 43. DEFINIÇÃO DA ESTRATÉGIA
  42. 44. Ao identificar pelo diagnóstico pontos fortes e fracos da marca, é possível estabelecer as linhas gerais que nortearão a estratégia. Para tanto, mesmo que cada plano seja único e pessoal, é possível estabelecer órbitas de atuação claras quando o assunto é construção de planos em ambientes colaborativos.
  43. 45. ECOSSISTEMA SOCIAL E ÓRBITAS DE ATUAÇÃO
  44. 46. AS ÓRBITAS DE ATUAÇÃO Relacionar Informar Testar Vender Repercutir Ensinar Ouvir
  45. 47. O Quartel-General Social é a base para todo o trabalho de social media da empresa, podendo ser um site, um blog ou até mesmo uma rede social. AS ÓRBITAS DE ATUAÇÃO Relacionar Informar Testar Vender Repercutir Ensinar Ouvir
  46. 48. O Quartel-General Social é a base para todo o trabalho de social media da empresa, podendo ser um site, um blog ou até mesmo uma rede social. As Orbitas definem os segmentos de atuação inseridos dentro do Projeto, definidos a partir do TagMap e da Matriz Criativa do cliente. AS ÓRBITAS DE ATUAÇÃO Relacionar Informar Testar Vender Repercutir Ensinar Ouvir
  47. 49. EXEMPLO DE ECOSSISTEMA SOCIAL... Sites Widgets Encontros Programa Benefícios Cursos Focus Group Imprensa RP 2.0 Eventos Atendimento Monitoramento Pesquisa PDV
  48. 50. Passo 6: Construção da estratégia Vamos identificar as órbitas de atuação necessárias para o cliente e definir como ele deve trabalhar em cada uma delas utilizando como ferramentas não só as redes sociais e o mundo digital, mas também tudo aquilo que ele pode fazer no mundo real. Vocês tem quinze minutos!
  49. 51. Passo 7: Aplicação tática O plano tático de aplicação da estratégia requer amplo acompanhamento e tem como objetivo entregar o que se prometeu. Já nessa fase é necessário criar um amplo processo de monitoramento e garantir que o mesmo alcance os objetivos traçados.
  50. 52. Avaliação: Seu planejamento é viável?
  51. 53. PERGUNTAS? Esta é realmente a sua última chance!
  52. 54. RESUMINDO
  53. 55. NÃO ESQUEÇAM DOS CONTATOS Daniel Miura Twitter: @miuradaniel Twitter 2: @igroupbr Blog: http://blogs.abril.com.br/ibrands [email_address] cel. (11) 8289.6887
  54. 56. www.i-group.com.br Tel: 11 3816 4881 azambuja@i-group.com.br - cel 11 9261 9649 ralmeida@i-group.com.br - cel 11 9499 5936 Obrigado!

×