• Save
Apresentação Martín-Barbero
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

Apresentação Martín-Barbero

on

  • 3,463 views

 

Statistics

Views

Total Views
3,463
Views on SlideShare
3,365
Embed Views
98

Actions

Likes
4
Downloads
0
Comments
0

9 Embeds 98

http://www.slideshare.net 36
http://projetointegradofap.blogspot.com 32
http://eproinfo.mec.gov.br 18
http://www.martinbarbero.blogspot.com 4
http://martinbarbero.blogspot.com 2
http://www.martinbarbero.blogspot.com.br 2
http://martinbarbero.blogspot.mx 2
http://martinbarbero.blogspot.com.br 1
http://projetointegradofap.blogspot.com.br 1
More...

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Apresentação Martín-Barbero Presentation Transcript

  • 1. Jesús Martín-Barbero Ofício de Cartógrafo: Travessias latino-americanas da comunicação na cultura Cleber Santos e Geusiane Miranda UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA – UnB FACULDADE DE EDUCAÇÃO FÍSICA - FEF PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO – MESTRADO PROF. DR. ALFREDO FERES PROF. DRª INGRID DITTRICH
  • 2.
    • Espanha, 1937 – Nasce em Ávila Jesús Martín-Barbero vivendo na Colômbia desde 1963.
    • Bélgica, 1971 - Estudou filosofia em Lovaina.
    • Paris, 1972-1973 – Estudou Antropologia e Semiótica na École des Hautes Études
  • 3.
    • Colômbia, 1983-1995 - Fundou e dirigiu o Departamento de Ciências da Comunicação na Universidade de Valle, sendo professor e investigador desse departamento.
    • Guadalajara, México - Na Universidade ITESO, investiga os novos regimes da oralidade cultural e os aspectos visuais da eletrônica.
  • 4. EIXOS 1.Eixo Epistemológico : é preciso se posicionar para produzir a crítica sobre a comunicação. O autor é contrário à corrente funcionalista. Utiliza-se dos pressupostos invocados pela Escola de Frankfurt e, em parte, pelos Estudos Culturais: "Não existe comunicação sem cultura, nem cultura sem comunicação" O estudo da comunicação não pode ser fragmentado, pois é um processo. Todos os elementos devem ser estudados juntos: emissor, mensagem, canal, receptor... Há uma interdependência entre as partes.
  • 5. 2.Eixo Metodológico: como se constitui o sistema televisivo na América Latina? Como se constituiu a mídia na América Latina? Qual a importância da telenovela na América Latina? A problemática da comunicação situada nesse lugar: reflexão. EIXOS
  • 6. 3.Eixo Lógico: formulação de perguntas e questionamentos. Martín não considera seu pensamento sobre a comunicação concluído. Quantas identidades latino americanas existem? A colonização é diferente, mas há características em comum, que ligam os povos latinos: melodrama > busca de uma identidade. EIXOS
  • 7. PUBLICAÇÕES
    • Comunicación masiva: discurso y poder (Quito: Epoca, 1978),
    • Communication, Culture and Hegemony (Londres: Sage, 1993),
    • Dos meios às mediações (Rio de Janeiro: UFRJ, 1997) e
    • Los ejercicios del ver. Hegemonía audiovisual y ficción televisiva (com Germán Rey) (Barcelona: Gedisa, 2000).
  • 8. VISÃO LATINO-AMERICANA
    • Passividade dos receptores diante dos meios de comunicação de massa (denúncia ao imperialismo norte-americano).
    • Estudos latino-americanos de recepção X pesquisa de audiência
  • 9. RECEPÇÃO
    • Etapa do processo de comunicação e suas relações com as pessoas.
    • “ ...lugar novo, de onde devemos repensar os estudos e a pesquisa de comunicação.” (Barbero)
    • Divididos em quatro chaves: os estudos da vida cotidiana, estudos sobre consumo, estudos sobre estética e semiótica da leitura e os estudos sobre a história social e cultural dos gêneros.
  • 10. DESTAQUE INTERNACIONAL
    • No âmbito norte-americano: inovação, contrária à idéia de pesquisa atrasada. Ruptura da noção de vítimas do sistema de comunicação.
    • Europeu: destacam o modo pelo qual a cultura popular escapa ao poder das indústrias midiáticas (demandas e interesses populares).
  • 11. USO SOCIAL DOS MEIOS
    • Concepção de Martín-Barbero sobre a relação entre receptores e meios.
    • Camadas populares subdesenvolvidas e o processo acelerado de modernização (novas identidades e novos sujeitos sociais forjados pelas tecnologias de comunicação).
    • O receptor também como produtor
  • 12. Ofício de Cartógrafo: Travessias latino-americanas da comunicação na cultura
    • Criação da obra
    • Representação dos mapas (reduz e deforma)
    • Mapas para quê? (caminho a ser percorrido)
    • Cartografia na América Latina (planos turísticos, cidades e o panóptico)
    • Mapa noturno (dominação, produção e trabalho)
  • 13.
    • Relação trabalho acadêmico e hegemonia das concepções e modelos de comunicação (dependência, apropriação e invenção)
    • Televisão e manipulações de poder
    • Telenovela
    • Comunicação: espaço do mundo, território da cidade e tempo dos jovens
    • Construção de um campo próprio: estudos culturais de comunicação (1980 e 1990)
  • 14. Tecnologia: inovações culturais e usos sociais
    • Impacto das novas tecnologias
    • Contemporaneidade e não-contemporaneidade
    • Processo de esquizofrenia
    • Nova configuração cultural
    • Homogeneização generalizada
    • Memória eletrônica nas figuras do poder
    • Cinema e televisão: os filmes de ficção científica
  • 15. Modos de uso e resistências
    • Apropriação e uso das classes populares
    • O rádio e seu papel
    • O gravador: o saber falar, as radionovelas e o ritual de festa.
  • 16. Tecnologia e cultura: uma relação carente de história
    • Movimento ludita
    • Processo de modernização
          • massificação
          • rádio e cinema
    • Processo de desenvolvimento
            • televisão
  • 17. Mutações culturais
    • Nova consciência planetária
    • Transtornando a economia do tempo
    • Participação social e política
    • Descompasso entre a nova era da informação e a velha organização social.