Sequência texutais
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Sequência texutais

on

  • 349 views

Um pouco sobre dissertação e argumentação. Para vestibulares e ENEM.

Um pouco sobre dissertação e argumentação. Para vestibulares e ENEM.

Statistics

Views

Total Views
349
Views on SlideShare
349
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
2
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Sequência texutais Sequência texutais Presentation Transcript

  • Miquéias Vitorino
  •  É a orientação que o escritor tem de estruturas nominais e verbais que ele utiliza para descrever sua ação no texto.  O escritor pode desenvolver várias sequências textuais: NARRAR, DESCREVER, EXPLICAR, ARGUMENTA R E PRESCREVER são as mais comuns.
  • 1. O Abutre – Franz Kafka Era um abutre que me dava grandes bicadas nos pés. Tinha já dilacerado sapatos e meias e penetrava-me a carne. De vez em quando, inquieto, esvoaçava à minha volta e depois regressava à faina. Passava por ali um senhor que observou a cena por momentos e me perguntou depois como eu podia suportar o abutre. — É que estou sem defesa – respondi. — Ele veio e atacou-me. Claro que tentei lutar, estrangulá-lo mesmo, mas é muito forte, um bicho destes! Ia até saltar-me à cara, por isso preferi sacrificar os pés. Como vê, estão quase despedaçados. — Mas deixar-se torturar dessa maneira! – disse o senhor. — Basta um tiro e pronto! — Acha que sim? – disse eu. — Quer o senhor disparar o tiro? — Certamente – disse o senhor. — É só ir a casa buscar a espingarda. Consegue aguentar meia hora? — Não sei lhe dizer – respondi. Mas sentindo uma dor pavorosa, acrescentei: — De qualquer modo, vá, peço-lhe. — Bem – disse o senhor. — Vou o mais depressa possível. O abutre escutara tranquilamente a conversa, fitando-nos alternadamente. Vi então que ele percebera tudo. Elevou-se com um bater de asas e depois, empinando-se para tomar impulso, como um lançador de dardo, enfiou-me o bico pela boca até ao mais profundo do meu ser. Ao cair senti, com que alívio, que o abutre se engolfava impiedosamente nos abismos infinitos do meu sangue.
  • 2. Uma Aventura de Natal – Charles Dickens O frio tornava-se intenso. Na rua principal, sobre a qual desembocava a viela, alguns operários, que reparavam o encanamento do gás, haviam acendido uma fogueira, em torno da qual se haviam aglomerado homens e mulheres, todos andrajosos, que aqueciam as mãos e olhavam o fogo com ar maravilhado. O bebedouro público, vendo-se abandonado, resolveu congelar-se. Os luminosos dos magazines, onde as bagas e as folhas de azevinho estavam sob o calor das lâmpadas nas vitrinas, imprimiam rubros reflexos nos rostos pálidos dos transeuntes.
  • 3. Impacto Ambiental - Wikipedia Impacto ambiental é a alteração no meio ambiente ou em algum de seus componentes por determinada ação ou atividade humana. Estas alterações precisam ser quantificadas pois apresentam variações relativas, podendo ser positivas ou negativas, grandes ou pequenas. O objetivo de se estudar os impactos ambientais é, principalmente, o de avaliar as conseqüências de algumas ações, para que possa haver a prevenção da qualidade de determinado ambiente que poderá sofrer a execução de certos projetos ou ações, ou logo após a implementação dos mesmos.
  • 4. Receita de Pavê de Bis – tudogostoso.uol.com.br Misture o leite condensado, o leite, a maisena, as gemas e leve ao fogo, mexendo sempre, até engrossar. Reserve . Forre o fundo de uma forma refratária grande com metade do creme, faça uma camada com o chocolate picado e complete com o restante do creme. Bata as claras em neve e acrescente o açúcar, aos poucos, batendo sempre, até obter um suspiro firme. Junte o creme de leite e mexa bem. Coloque essa mistura por cima do creme e leve à geladeira até a hora de servir.
  • 5. O xis do problema – Tony Belloto (http://veja.abril.com.br/blog/cenas-urbanas/) No domingo passado, assistindo ao programa Esquenta, da Regina Casé, vi um ator defender o uso da palavra ―pobrema‖ como correto, afirmando que o fato de certas palavras serem faladas de uma determinada maneira – ainda que incorreta – por grande parte da população, confere a elas o satus de genuínas e aceitáveis como uma forma não ―errada‖, mas ―diferente‖ de se falar. Sua argumentação era supostamente apoiada por um livro que ele brandia com determinação, livro este, se não me engano, publicado ou adotado pelo Ministério da Educação em algumas escolas. Discordo peremptoriamente (e aqui uso um termo ―difícil‖de propósito) da afirmação. Sei que o ator teve a melhor das intenções, assim como os roteiristas do programa, ao defender um uso popular e dinâmico da língua portuguesa, em contraponto ao elitismo paralisante, digamos assim, e erudição afetada de certos gramáticos, linguistas e filólogos. Mas aí é que está o xis do problema. Não podemos relativizar as coisas a esse ponto. Do alto de minhas convicções de roqueiro escritor, muitas vezes erradamente confundido com uma espécie de ―Professor Pasquale com brinco na orelha e guitarra Fender tatuada no braço‖, afirmo que todo o nosso esforço deve ser feito no sentido de ensinar aqueles que falam ―pobrema‖ a falarem ―problema‖, sob o risco de fazermos secar a exuberante fonte de nossa identidade (e resistência) cultural, e mais, de avariarmos a escadaria que nos conduz ao conhecimento e, por consequência, à liberdade: nossa língua. É claro que, como organismo vivo, a língua se transforma e incorpora gírias, estrangeirismos e até eventualmente erros. Mas esses processos demandam mais que opiniões pessoais, doutrinação e confusão política, além de uma perceptível preguiça de encarar os degraus do estudo, aqueles que nos alçam às torres do saber. É preciso combater a ideia de que falar direito é um esforço inútil. Não vale também, como fez alguém no programa, usar o ―Samba do Arnesto‖ do Adoniran Barbosa, como um exemplo de que falar ―errado‖ é ―certo‖. Há uma distância imensurável entre o uso consciente e criativo da língua e o uso ignorante (sem nenhum preconceito contra pessoas que falam errado) da mesma. (...)
  •  As sequências mais comuns são EXPLICAR E ARGUMENTAR, mas não impede de haver sequências do NARRAR ou DESCREVER.  O NARRAR, EXPLICAR E DESCREVER são mais presentes no primeiro momento do artigo de opinião.  As sequências de EXPLICAR e ARGUMENTAR usam muitos operadores argumentativos.