0
Ms. Miquéias Vitorino
 ARCADIA: região montanhosa (e fictícia) no
Peloponeso, Grécia Antiga, onde moravam os
pastores, as ninfas e o deus Pan.
...
 Século XVIII, Ciclo do Ouro, MG (Vila Rica – atual
Ouro Preto).
 Na Europa, o Iluminismo inspirava e valorizava o
uso d...
 Retorno aos Clássicos
(greco-romanos) e à
mitologia.
 Valorização da vida
campestre
 Uso e valorização da
razão ao inv...
 Bucolismo: valorização da vida campestre;
 Fingimento poético e pseudônimo: eu-lírico
encarna um pastor que se declara ...
 Formas padronizadas
Lira: Parte ou divisão de poemas longos, como é o
caso de Marília de Dirceu.
Soneto: composto por do...
 Claudio Manuel da Costa (Glauceste Saturnino)
‘Obras Poéticas’ e „Vila Rica’
 Tomás Antônio Gonzaga (Dirceu)
‘Marília d...
"Assim o nosso chefe não descansa
De fazer, Doroteu, no seu governo,
Asneiras sobre asneiras e, entre as muitas,
Que menos...
Lira I
Eu, Marília, não sou algum vaqueiro,
Que viva de guardar alheio gado;
De tosco trato, d’ expressões grosseiro,
Dos ...
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Arcadismo no brasil

290

Published on

Slide resumo sobre o Arcadismo no Brasil, com informações sobre o contexto histórico, estética, autores e obras de referência

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
290
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
4
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Transcript of "Arcadismo no brasil"

  1. 1. Ms. Miquéias Vitorino
  2. 2.  ARCADIA: região montanhosa (e fictícia) no Peloponeso, Grécia Antiga, onde moravam os pastores, as ninfas e o deus Pan.  Foi a tendência literária da segunda metade do século XVIII em todo o mundo.  No Brasil, teve como marco inicial a publicação de “Obras Poéticas”, de Cláudio Manoel da Costa. Encerrou-se com a primeira publicação assumidamente romântica, em 1836.
  3. 3.  Século XVIII, Ciclo do Ouro, MG (Vila Rica – atual Ouro Preto).  Na Europa, o Iluminismo inspirava e valorizava o uso da razão para progresso, libertação e governo do homem. Era o “Século das Luzes”.  Lutas pela Independência: Independência dos EUA (1776) e Revolução Francesa (1789-1799). No Brasil, a Inconfidência Mineira (1789).
  4. 4.  Retorno aos Clássicos (greco-romanos) e à mitologia.  Valorização da vida campestre  Uso e valorização da razão ao invés de sentimentalismo  Mito do bom Selvagem (Jean Jaques-Russeau) Imagem ao fundo: “Pastoral de outono”, de François Boucher (1749)
  5. 5.  Bucolismo: valorização da vida campestre;  Fingimento poético e pseudônimo: eu-lírico encarna um pastor que se declara a mulher amada. O pseudônimo era o uso de um nome falso.  Locus Amoenus: idealização da natureza  Fugere Urbem: “fuga da cidade” – que é um lugar contaminado e vazio/valorização da vida no campo.  Aureas Mediocritas: vida modesta e negação ao luxo, riquezas e pensamentos extremistas.  Inutilia Truncat: “deixar o inútil”, referindo-se, principalmente, ao rebuscamento barroco.  Carpe Diem: “aproveite o dia”, a vida, sem pensar no amanhã incerto.
  6. 6.  Formas padronizadas Lira: Parte ou divisão de poemas longos, como é o caso de Marília de Dirceu. Soneto: composto por dois quartetos e dois tercetos e rimas alternadas em ABBA. Epopeia: Poema longo e narrativo, que conta feitos e saga de um heroi.
  7. 7.  Claudio Manuel da Costa (Glauceste Saturnino) ‘Obras Poéticas’ e „Vila Rica’  Tomás Antônio Gonzaga (Dirceu) ‘Marília de Dirceu’ e ‘Cartas Chilenas’  Basílio da Gama ‘O Uraguai’ (epopeia)  Santa Rita Durão ‘Caramuru’ (epopeia)
  8. 8. "Assim o nosso chefe não descansa De fazer, Doroteu, no seu governo, Asneiras sobre asneiras e, entre as muitas, Que menos violentas nos parecem, Pratica outras que excedem muito e muito As raias dos humanos desconcertos.” Cartas Chilenas, de Tomás Antonio Gonzaga (trecho), sobre o “Fanfarrão Minésio” (pseudônimo para o então governador de MG, Luis Cunha Menezes) Imagem ao fundo: “O balanço”, de Nicolas Lancret (1730)
  9. 9. Lira I Eu, Marília, não sou algum vaqueiro, Que viva de guardar alheio gado; De tosco trato, d’ expressões grosseiro, Dos frios gelos, e dos sóis queimado. Tenho próprio casal, e nele assisto; Dá-me vinho, legume, fruta, azeite; Das brancas ovelhinhas tiro o leite, E mais as finas lãs, de que me visto. Graças, Marília bela, Graças à minha Estrela! Marília de Dirceu, de Tomás Antonio Gonzaga (trecho), tentando conquistar a Marília pela sua “ostentação” árcade. #ostentacaoarcadeémorarnaroça
  1. A particular slide catching your eye?

    Clipping is a handy way to collect important slides you want to go back to later.

×