O teu riso Pablo Neruda
Tira-me o pão, se quiseres, tira-me o ar, mas não me tires o teu riso.
Não me tires a rosa, a lança que desfolhas, a água que de súbito brota da tua alegria, a repentina onda de prata que em ti...
A minha luta é dura e regresso com os olhos cansados às vezes por ver que a terra não muda, mas ao entrar teu riso sobe ao...
Meu amor, nos momentos mais escuros solta o teu riso e se de súbito vires que o meu sangue mancha as pedras da rua, ri, po...
À beira do mar, no outono, teu riso deve erguer sua cascata de espuma, e na primavera, amor, quero teu riso como a flor qu...
Ri-te da noite, do dia, da lua, ri-te das ruas tortas da ilha, ri-te deste grosseiro rapaz que te ama, mas quando abro os ...
NEFTALÍ RICARDO REYES, dito Pablo Neruda. Poeta chileno (Parral 1904, Santiago, 1973). Cônsul do Chile na Espanha e no Méx...
FORMATAÇÃO: Mima Badan [email_address] MÚSICA: Smile - Execução: André Rieu (Repasse com os devidos créditos)
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

O teu riso - Pablo Neruda

1,342 views
1,164 views

Published on

Published in: Education, Travel, Technology
0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
1,342
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
19
Actions
Shares
0
Downloads
32
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

O teu riso - Pablo Neruda

  1. 1. O teu riso Pablo Neruda
  2. 2. Tira-me o pão, se quiseres, tira-me o ar, mas não me tires o teu riso.
  3. 3. Não me tires a rosa, a lança que desfolhas, a água que de súbito brota da tua alegria, a repentina onda de prata que em ti nasce.
  4. 4. A minha luta é dura e regresso com os olhos cansados às vezes por ver que a terra não muda, mas ao entrar teu riso sobe ao céu a procurar-me e abre-me todas as portas da vida.
  5. 5. Meu amor, nos momentos mais escuros solta o teu riso e se de súbito vires que o meu sangue mancha as pedras da rua, ri, porque o teu riso será para as minhas mãos como uma espada fresca .
  6. 6. À beira do mar, no outono, teu riso deve erguer sua cascata de espuma, e na primavera, amor, quero teu riso como a flor que esperava, a flor azul, a rosa da minha pátria sonora.
  7. 7. Ri-te da noite, do dia, da lua, ri-te das ruas tortas da ilha, ri-te deste grosseiro rapaz que te ama, mas quando abro os olhos e os fecho, quando meus passos vão, quando voltam meus passos, nega-me o pão, o ar, a luz, a primavera, mas nunca o teu riso, porque então morreria.
  8. 8. NEFTALÍ RICARDO REYES, dito Pablo Neruda. Poeta chileno (Parral 1904, Santiago, 1973). Cônsul do Chile na Espanha e no México, eleito senador em 1945, foi embaixador na França (1970). Suas poesias da primeira fase são inspiradas por uma angústia altamente romântica. Passou por uma fase surrealista. Tornou-se marxista e revolucionário, sendo primeiramente a voz angustiada da República Espanhola e, depois das revoluções latino-americanas. Esteve no Brasil em diversas oportunidades, e, numa delas, declamou poemas seus perante grande massa popular concentrada no estádio do Pacaembu, em São Paulo.
  9. 9. FORMATAÇÃO: Mima Badan [email_address] MÚSICA: Smile - Execução: André Rieu (Repasse com os devidos créditos)

×