Minhas asas - Almeida Garrett
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Minhas asas - Almeida Garrett

on

  • 2,300 views

 

Statistics

Views

Total Views
2,300
Views on SlideShare
2,300
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
11
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Minhas asas - Almeida Garrett Minhas asas - Almeida Garrett Presentation Transcript

  • MINHAS ASAS Almeida Garrett
  • Eu tinha umas asas brancas, Asas que um anjo me deu, Que, em me eu cansando da terra, Batia-as, voava ao céu.
  • Eram brancas, brancas, brancas, Como as do anjo que mas deu: Eu inocente como elas, Por isso voava ao céu.
  • Veio a cobiça da terra, Vinha para me tentar; Por seus montes de tesouros Minhas asas não quis dar.
  • Veio a ambição, co'as grandezas, Vinham para mas cortar, Davam-me poder e glória; Por nenhum preço as quis dar.
  • Porque as minhas asas brancas, Asas que um anjo me deu, Em me eu cansando da terra, Batia-as, voava ao céu.
  • Mas uma noite sem lua Que eu contemplava as estrelas, E já suspenso da terra, Ia voar para elas,
  • Deixei descair os olhos Do céu alto e das estrelas... Vi entre a névoa da terra, Outra luz mais bela que elas.
  • E as minhas asas brancas, Asas que um anjo me deu, Para a terra me pesavam, Já não se erguiam ao céu.
  • Cegou-me essas luz funesta De enfeitiçados amores... Fatal amor, negra hora Foi aquela hora de dores!
  • Tudo perdi nessa hora Que provei nos seus amores O doce fel do deleite, O acre prazer das dores.
  • E as minhas asas brancas, Asas que um anjo me deu, Pena a pena me caíram... Nunca mais voei ao céu.
  • Almeida Garrett (Porto-Portugal - 1799; Lisboa-Portugal: 1854) O escritor e político João Baptista da Silva Leitão de Almeida Garrett foi fortemente influenciado pelo escritor neoclássico Filinto Elísio . Em 1820 participou, como líder da classe estudantil, da Revolução Liberal.
  • Em 1821, após concluir o curso de Direito na Faculdade de Coimbra, publicou o poema "Retrato de Vênus" e depois foi processado por obscenidade. Após o golpe de 1822, no qual o liberalismo foi derrotado, Garret partiu para o exílio na Inglaterra, de onde regressou somente em 1826. Durante o exílio Garret, influenciado pelas obras de Walter Scott e Lord Byron, compôs os poemas "Camões" e "Dona Branca".
  • Essas obras foram publicadas em 1824 e são consideradas o marco inicial do Romantismo em Portugal. Garret voltou a Portugal em 1832 integrando o exército de D. Pedro no cerco à cidade do Porto. Entre 1833 e 1836, foi cônsul geral na Bélgica.
  • Após a Revolução de Setembro foi encarregado de organizar um plano de um teatro nacional, que veio a promover. Em 1851 recebeu o título de Visconde de Almeida Garrett . Da sua vasta obra literária destacam-se a peça de teatro "Frei Luís de Sousa" (1844), o romance "Viagens da Minha Terra" (1846) e a coletânea de poemas líricos "Folhas Caídas" (1853).
  • PESQUISA e FORMATAÇÃO: Mima (Wilma) Badan [email_address] MÚSICA: Antiga palavra Interpretação: Dulce Pontes IMAGENS: Internet (Repasse com os devidos créditos) BLOG: www.mimabadan.blogspot.com PPSs em: www.slideshare.net/mimabadan