Inquietações sobre o Design Instrucional

771

Published on

Published in: Education
0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
771
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Inquietações sobre o Design Instrucional

  1. 1. Inquietações sobre o Design Instrucional Miguel Siano Educador
  2. 2. Vamos nos conhecer?
  3. 3. Questão inicial• O que é Desenho Instrucional?• Na opinião de vocês o que é necessário para o desenhista instrucional desenvolver o seu trabalho?• Como se desenvolve um desenho instrucional?• O que vocês acham que norteia o desenho instrucional?
  4. 4. Blah blah blablablah,blah blablabla bla,“CLIQUE EMAVANÇAR”...
  5. 5. ... mais blaaaah blah blablablah, blah, “CLIQUE EM AVANÇAR”...
  6. 6. Mariola, como você está indo nesse curso deTerminei em 43 e-learning? minutos!
  7. 7. Ok. Mas do que se trata esse curso? Ahhh.... Unhhhh...É alguma coisa sobre “CLIQUE EM AVANÇAR”.
  8. 8. Vista sobre EaD• Demanda: preocupação com o crescimento econômico, formação profissional, espaço geográfico brasileiro.• LDB/Le. 9394/96, Art. 80: o Poder Público deverá incentivar o uso da EaD em todos os níveis e modalidades de ensino.
  9. 9. Cenário: dados gerais da educação a distânciaMercado nacional
  10. 10. Cenário: dados gerais da educação a distânciaMercado internacional As maiores taxas de crescimento estão no Brasil, Colômbia, Bolívia e Chile em 21,5%, 18,6%, 17,8% e 14,4%, respectivamente.
  11. 11. EaDUtilização de recursos tecnológicose apoio de diferentes mídiasA educação on-line se concretiza pela utilizaçãode recursos e mídias que levam ao participante:• orientações;• conteúdo;• mensagens trocadas entre participantes e tutores.
  12. 12. Interatividade... o princípio da interação e da interatividade éfundamental para o processo de comunicação edeve ser garantido no uso de qualquer meiotecnológico a ser disponibilizado.Tendo o estudante como centro do processoeducacional, um dos pilares para garantir aqualidade de um curso a distância é ainteratividade entre professores, tutores eestudantes. (MEC/SEED, 2007, p. 10).
  13. 13. Interatividade Contexto daEstrutura tecnológica Percepção do usuário comunicação Fonte: Kiousis, 2002.
  14. 14. Características de um AVA Para uma educação através da rede, os ambientes de aprendizagem devem ser: • ativos; • sociais (educação como forma de interação social – Paulo Freire); • centrados no aprendiz. Ou seja, os AVAs devem ter como característica principal a INTERATIVIDADE. A TI suporta pelo menos três tipos de interação: 1. Indivíduo-indivíduo (ex.: Fórum); 2. Indivíduo-ferramenta 3. Indivíduo-conceitos (ex.: simuladores)
  15. 15. Tecnologia Educacional• Sociedade do conhecimento• TICs• Web 2.0 TE Mídias Mediação Publicações Fonte: Carvalho e Melo (2010)
  16. 16. Tecnologia Educacional• Percepção e ação do usuário: não deve existir mais o papel de receptor por parte do aluno.• Interagir para construir seus próprios significados (construtivismo).
  17. 17. Breve introdução ao DIVídeo Merrill• http://dotsub.com/view/69436425-da0a-409d-9886- 69f20bea1123• Prof. M. David Merrill é consultor em DI e professor da Utah State University (EUA).
  18. 18. DI Profissional da área de educação e/ou áreas Quem é? afins, com experiência em construção de material didático para EaD on-line. • Responsabiliza-se pela formatação pedagógica dos conteúdos. • Assegura a qualidade e precisão do O que faz? conteúdo, da instrução e do material didático. • Mantém os elementos do curso devidamente relacionados.
  19. 19. O papel do Desenhista Instrucional é ler as entrelinhas doconteúdo e criar possibilidades de aprendizagem, atravésde estratégias pedagógicas que auxiliem o leitor a encontraro melhor caminho para a construção do conhecimento.
  20. 20. Relevância• A introdução de novos modelos de DI, em um curso de formação de docentes, reduziu a taxa de evasão e aumentou o índice de participação efetiva dos cursistas, na comparação entre dois anos (Salvador et al., 2008).• Menezes et al. (2008): necessidade de avanço dos processos pedagógicos frente a veiculação de diversos conteúdos pela internet.
  21. 21. Mercado de trabalho• O MTE, através do CBO, reconhece e descreve as características da profissão de DI.• Descrição feita em janeiro/2009 com o código nº 2394-35 e três nomenclaturas: Desenhista instrucional, Designer instrucional ou Projetista instrucional.
  22. 22. • O CBO faz uma descrição resumida das atividades exercidas por esse profissional: “Implementam, avaliam, coordenam e planejam o desenvolvimento de projetos pedagógicos/instrucionais nas modalidades de ensino presencial e/ou a distância, aplicando metodologias e técnicas para facilitar o processo de ensino e aprendizagem. Atuam em cursos acadêmicos e/ou corporativos em todos os níveis de ensino para atender as necessidades dos alunos, acompanhando e avaliando os processos educacionais. Viabilizam o trabalho coletivo, criando e organizando mecanismos de participação em programas e projetos educacionais, facilitando o processo comunicativo entre a comunidade escolar e as associações a ela vinculadas.”
  23. 23. Mercado de trabalho• Demanda pelo DI sinalizada pelos Referenciais do MEC/SEED†: “as instituições devem elaborar seus materiais para uso a distância, buscando integrar as diferentes mídias, explorando a convergência e integração entre materiais impressos, radiofônicos, televisivos, de informática, de videoconferências e teleconferências, dentre outros, sempre na perspectiva da construção do conhecimento e favorecendo a interação entre os múltiplos atores.”• Concurso público Serpro 2010: Cargo 4: analista – Especialização: desenho instrucional.• UDESC/CEAD 2011: Produção de Material de EaD – Design Instrucional.• Empresas voltadas para a educação corporativa e on-line (e-learning) : Valer, Universidade Petrobras.
  24. 24. Fluxo de trabalho: ADDIE ANÁLISEPesquisa DESIGN DESENVOLVIMENTO IMPLEMENTAÇÃORetroalimentação AVALIAÇÃO
  25. 25. Ferramental: PC (nível macro) [...] definimos design instrucional como o processo (conjunto de atividades) de identificar um problema (uma necessidade) de aprendizagem e desenhar, implementar e avaliar uma solução para esse problema.(FILATRO, 2008, p. 03) Um processo de aprendizagem deve ser feito de maneira estruturada, planejada, para que sejam alcançados os resultados esperados. Duas funções primordiais: 1. caracterização do contexto, perfil da clientela e objetivos. 2. alinhamento e esclarecimento perante o autor/cliente.
  26. 26. Ferramental: PC1. Modelo de curso / Modalidade2. Público-alvo3. Objetivos4. Linguagem5. Bases tecnológicas6. Estratégias de Aprendizagem7. Recursos8. Atividades e feedback9. Tipo de avaliação10. Avaliação do projeto e revisão
  27. 27. Ferramental: CronogramaCronograma: 4 semanas; 1 aula semana; Carga horária: 44 horas. Aula Descrição1. Biblioteca Virtual Estudo de diferentes conceitos referentes à biblioteca virtual.2. Fontes de buscas Identificação de fontes de busca acadêmicas e informais na internet e pesquisa nesses diferentes recursos.3. Estratégias de busca Uso de diferentes estratégias na busca de informações.4. Difusão da informação Publicação na internet das informações produzidas durante o curso, direcionando para o público-alvo de interesse.
  28. 28. Ferramental: Mapa de atividades• Documento que facilita a visualização da construção de um curso. Usado no planejamento.• Serve como um guia macro da estrutura do curso a ser implementado.
  29. 29. Ferramental: Mapa de atividades Aula/ Unidade Sub-unidades (Sub- Atividades TEÓRICAS e Atividades PRÁTICAS e Semana (Tema Objetivos específicos temas) recursos/ferramentas de EaD recursos/ferramentas de EaD(Período) principal) a. Comparar diferentes Aula 1 conceitos referentes Ativ. 2 – Formação de grupos através da Semana 1 1. Conceitos de à biblioteca virtual; Ativ. 1 – Leitura do texto: ferramenta “Grupos”.28/09/2010- biblioteca virtual; Biblioteca b. Construir, em grupo, “Biblioteca virtual” Após isso, fazer pesquisa na internet para04/10/2010 2. Tipos de Virtual conceito próprio Recurso: Arquivo em pdf. responder as perguntas propostas. 5 dias bibliotecas através de pesquisa Ferramenta: Material de Apoio. Recurso: Arquivo em pdf. (10h) virtuais. na internet sobre Ferramenta: Atividades outros conceitos. Ativ. 4 – Pesquisar na internet sobre a Gripe a. Diferenciar fontes Aula 2 H1N1 (vulgo suína). A pesquisa deverá ser 1. Sites de busca de busca Ativ. 3 – Vídeo sobre os Semana 2 feita em um site de busca popular e um site em geral; acadêmicas e diferentes sites de busca.05/10/2010- Fontes de acadêmico. Após, os alunos irão postar a 2. Sites com informais; Recurso: Vídeo disponibilizado11/10/2010 buscas pesquisa no portfólio individual e debater informações b. Pesquisar em num link em Atividades. 5 dias suas impressões sobre as pesquisas. confiáveis. diferentes fontes de Ferramenta: Atividades. (10h) Recurso: Pesquisa na internet busca. Ferramenta: Fóruns de Discussão Aula 3 Ativ. 5 – Acesso aos recursos 1. Uso de Semana 3 de pesquisa de três sites de Ativ.6 – Elaboração em grupo de um ferramentas de Aplicar diferentes12/10/2010- Estratégias busca “manual” com estratégias de busca na web. busca; estratégias na busca de18/10/2010 de buscas Recurso: Hiperlinks em Recurso: upload de um pdf ou doc. 2. Uso de códigos informações 5 dias Atividades. Ferramenta: Portfólio de grupo de busca. (10h) Ferramenta: Atividades. Ativ.7 – Leitura do texto: “Publicando na web.” Ativ. 9 – Seleção de um banco de Aula 4 1. Maneiras de se Publicar Recurso: Arquivo em pdf. informações afins, com no mínimo cinco Semana 4 publicar a bibliotecas/fontes de Ferramenta: Material de Apoio. itens e três tipos diferentes de mídias. Após19/10/2010- Difusão da informação; informações, Ativ. 8 – Vídeo: “Consumidores isso, publicar esse banco externamente (site25/10/2010 informação 2. Reconhecimento direcionadas ao público- da web.”. fora da plataforma). 5 dias do público-alvo. alvo. Recurso: Vídeo disponibilizado Recurso: upload de mídias. (10h) num link em Atividades. Ferramenta: Portfólio individual.
  30. 30. Ferramental: Matriz de DI• Detalhamento de dinâmicas mais complexas, já propostas no mapa de atividades.• O DI deverá selecionar aquelas de maior complexidade para transpô-las com maior riqueza de detalhes para a matriz, a fim de haver uma precisão descritiva no seu planejamento.
  31. 31. Ferramental: Matriz de DIIdentificaçã Conteúdo(s) de Produção Descrição/ proposta da Critérios / Tipo de o da Objetivo(s) Prazo Ferramenta apoio e dos alunos / Feedback dinâmica avaliação interação Atividade complementares avaliação N1 - Atividade 5 Nome da atividade: “O - que é uma biblioteca 1- Comunicação virtual?” “O que é através da Texto feito uma ferramenta Trabalho onde os a.Conhecer pelo grupo, biblioteca alunos, deverão conceitos Correios. discorrendo virtual?” trabalhar em grupo para referentes 2- Disponibilização sobre os à biblioteca 10 dias pesquisar sobre das informações diferentes virtual; Artigo em PDF: após a data diferentes conceitos para o grupo de conceitos a sobre biblioteca virtual, b.Construir, maneira Grupos, “Bibliotecas respeito dasAula 01, limite de concluindo no final da Correio e virtuais e digitais” bibliotecas em grupo, organizada. entrega doatividade Grupo 7 dias. (Ferramenta: pesquisa, com o seu conceito Portfólio de virtuais, com02. próprio conceito. próprio 3- Realização da Grupo. uma trabalho. através de atividade dentro do Material de Apoio). conclusão Ao se comunicarem pesquisa prazo final através da ferramenta na internet sobre determinado. expondo um Correios, os alunos conceito outros deverão copiar os conceitos. 4 – Criatividade. construído formadores para que os pelo grupo. mesmos possam avaliar 5 – Embasamento o entrosamento do na pesquisa. grupo.
  32. 32. SB: desenvolvimento• Transição entre o planejado e a implementação.• Instruções para o webdesigner, necessárias para a implementação do curso no ambiente virtual.
  33. 33. Ferramental: SB (nível micro)O SB é um documento que especifica elementos: – audiovisuais (narração, música, animações, imagens, ilustrações); – textuais; – interativos (atividades, exercícios, simulações); – de navegação no curso.
  34. 34. SB: desenvolvimento Informações para a equipe Título do curso: Biblioteca Virtual No da tela: 01 produção Designer Instrucional: Miguel Siano Data: 24/03/2010 1. Agenda: Versão: 1.0 Usar arquivo agenda_aula_01_.swf (feito no Ispring). Será disponibilizada Aula 01: Biblioteca Virtual (semana 01/duração cinco dias) em 23/09/2010. 2. Atividades: Disponibilizar informações gerais Agenda: sobre o curso. Usar arquivo informacoes_gerais.doc. Boas vindas aos alunos e Será disponibilizada em 23/09/2010. fluxograma indicativo dos passos a serem percorridos na respectiva Atividades: 3. Atividades: aula. Informações gerais sobre o curso. Disponibilizar a atividade 1, dentro de uma pasta da Aula 01. Usar as orientacoe_ativ_1.doc. Será disponibilizada em 23/09/2010. 4. Material de Apoio: Disponibilizar o arquivo Biblioteca_virtual.pdf, dentro de uma pasta da Aula 01. Será disponibilizada em 23/09/2010. Atividade 1: 5. Exercícios: Leitura do texto: “Biblioteca Atividade 2: Usar o arquivo virtual”. questoes_biblioteca.doc para montar o 5 perguntas em formato de quiz exercício. O aluno terá dois dias para sobre o biblioteca virtual. fazer esta atividade. Será disponibilizada em 30/09/2010. Duração: essa aula terá duração deResumo da navegação_Aula_01: cinco dias.Agenda > Atividades > Informações gerais > Pasta Aula 01 > Atividade 1 > Material de Apoio > Pasta Aula 01 > Observação: Lembrar de marcar asArquivo em .pdf > Atividades > Pasta Aula 01 > Atividade 2 > Exercícios. Ferramentas.
  35. 35. Ferramental: SB
  36. 36. Dicas para a construção de um SB1. Tente visualizar as situações descritas;2. Coloque-se no lugar do participante; imagine que você nunca acessou esse tipo de curso/interface gráfica; você terá facilidade em navegar nele?3. Elementos visuais (imagens, gráficos, mapas, fluxo etc.) ajudam o participante a concretizar mais facilmente conceitos abstratos.
  37. 37. Dicas para a construção de um SB4. Construa-o de maneira granular, ou seja, em módulos/unidades, fazendo o link entre elas;5. Contextualize o conteúdo de acordo com a realidade do público-alvo;6. Problematize o conteúdo, não transmita meramente conceitos, faça o aluno pensar, tomar uma decisão. Nessa situação, uma estratégia muito eficiente é o uso de estudos de caso, onde são simuladas situações cotidianas do participante.
  38. 38. “Sede” de conhecimento Quais são as diferenças entre... Conteúdo desenvolvido por especialista (SME)Informação ? Instrução sistematicamente desenhada
  39. 39. “Sede” de conhecimentoInformaçãoTexto expositório e outras mídias elaboradas paratransmitir uma mensagem (emissor->receptor).Conteúdo desenvolvido por especialista (SME)Bases tecnológicas, por vezes estritamente teóricas. Nãolevam à reflexão.Instrução sistematicamente desenhadaSequência de eventos baseados na combinação daexperiência prática, teoria e pesquisa(ação-reflexão-ação).
  40. 40. Transposição pedagógicaModifica-se o saber, suprimindo a dificuldadequando ela aparece, ou através de umareorganização do saber, uma verdadeirareformulação dos conteúdos.É fundamental que, durante este processo,tenha-se em mente o ponto de vista do aluno(Marandino, 2004).
  41. 41. Sem a mediação da transposição didática, aaprendizagem e a aplicação de estratégias eprocedimentos de ensino tornam-se abstratas,dissociando teoria e prática.Essa aprendizagem é imprescindível para que, nofuturo, o professor seja capaz tanto de selecionarconteúdos como de eleger as estratégias maisadequadas para a aprendizagem dos alunos,considerando sua diversidade e as diferentes faixasetárias (MEC/CNE, 2001).
  42. 42. • a transposição pedagógica visa transformar os conteúdos selecionados em objetos de ensino para determinado público.• crítica em relação a uma prática educativa que não considera a relevância e a relação dos conteúdos com os conhecimentos que o aluno deve aprender, o chamado conteudismo.
  43. 43. Situações de transposição1. Seleção ou recorte de conteúdo de acordo com o que o professor considera relevante para construir as competências consensuadas na proposta pedagógica.2. Ênfase, reforço ou diminuição de alguns aspectos ou temas.3. Divisão do conhecimento para facilitar o seu entendimento, voltando depois a estabelecer a relação entre aquilo que foi dividido para manter uma coesão.
  44. 44. Situações de transposição4. Distribuição do conteúdo no tempo para organizar uma sequência, um ordenamento, uma série linear ou não linear de conceitos e relações.5. Progressão didática: identificação de pré-requisitos para determinado assunto; caso haja propor nova organização/sequência do conteúdo.6. Determinação de uma forma de organizar e apresentar os conteúdos, como por meio de textos, gráficos.
  45. 45. Aprendizagem significativa“É preciso valorizar o mundo real dos sujeitos,considerá-los como protagonistas de sua históriae não como ‘receptores’ de mensagens econsumidores de produtos culturais.” Belloni, 2001.
  46. 46. Aprendizagem significativa• aproximar o conteúdo da realidade do aluno, do seu cotidiano profissional, correlacionando-o com possíveis esquemas mentais prévios.• contextualizar como uma estratégia fundamental para a construção de significações.• Na divulgação de programas de formação foque a ação e não o conhecimento.
  47. 47. Características dos cursos livres• Focados no desenvolvimento de competências requeridas à prática profissional;• Baseados em situações reais encontradas na rotina do trabalhador.
  48. 48. Estratégias pedagógicas• Contextualização do aprendizado; menos conteudismo.• Uso de simulações.• Atividades com feedbacks construtivos.• Instrumentalização dos alunos através de documentos orientadores/modelos.• Modelo de avaliação com formulação positiva de questões.
  49. 49. Linguagem “Falar como as pessoas comuns e pensar da maneira mais inteligente; assim todos o compreenderão”. Aristóteles.A construção do significado pelo participante envolvealgumas variáveis, como: – os conhecimentos que o leitor detém sobre o mundo, sobre o tema específico e os tipos de textos; – a estrutura do próprio texto, ou seja, o uso adequado e apropriado dos recursos textuais. Fonte: Ramos (2006).
  50. 50. A escrita é a ferramenta pela qual o conhecimento é transmitido.É importante que ela seja clara, simples, objetiva e dialógica,com estruturas narrativas, entremeando perguntas e respostas.Funções: – despertar interesse; – remeter ao participante aos ensinamentos iniciais; – introduzir novos ensinamentos; – estimular o pensamento; – levar o participante a encontrar suas respostas.
  51. 51. Linguagem
  52. 52. LinguagemEstratégias para facilitar a leitura1. Marcadores linguísticos da coerência textual;2. Títulos e subtítulos;3. Organizadores prévios (exemplos: sumário/índice, bullets);4. Questões e atividades de estudo (permitem a interação com o conteúdo);5. Ilustrações, quadros, tabelas, gráficos;6. Sinalizadores (exemplos: uso de ícones, negrito, caixa alta);7. Objetivos de aprendizagem;8. Simplificações léxicas e sintáticas (exemplos: uso de linguagem coloquial, metáforas, analogias).
  53. 53. LinguagemRamos (2006) afirma que a compreensão de um texto ocorreprincipalmente quando o participante consegue aplicar taisinformações para solucionar novas situações-problema.Daí a importância de serem inseridas atividades ao longo de umaescrita (engajamento).
  54. 54. Inquietações• Como um aluno se sente quando está com o material didático na mão e não têm ninguém para esclarecer suas dúvidas?• Mídia impressa ou telas?• O que é imprescindível em um material didático para suprir a falta da presença do docente?
  55. 55. Vamos entender algumas diferenças?
  56. 56. Análise de materiais• http://www.saberead.com.br/index.php?pg=portfolio• Apostila empreendedorismo.
  57. 57. Contato:• miguelsiano@gmail.com

×