• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
4 portugal global maio2012_michel toussaint
 

4 portugal global maio2012_michel toussaint

on

  • 673 views

 

Statistics

Views

Total Views
673
Views on SlideShare
281
Embed Views
392

Actions

Likes
0
Downloads
1
Comments
0

10 Embeds 392

http://portuguesearchitect.blogspot.pt 285
http://portuguesearchitect.blogspot.com.br 68
http://portuguesearchitect.blogspot.com 14
http://www.portuguesearchitect.blogspot.pt 13
http://portuguesearchitect.blogspot.ie 4
http://portuguesearchitect.blogspot.co.uk 3
http://portuguesearchitect.blogspot.fr 2
http://portuguesearchitect.blogspot.com.es 1
http://portuguesearchitect.blogspot.ca 1
http://webcache.googleusercontent.com 1
More...

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    4 portugal global maio2012_michel toussaint 4 portugal global maio2012_michel toussaint Document Transcript

    • DESTAQUE ARQUITECTURA PORTUGUESA PARA FORA > OR MICHEL TOUSSAINT, P PROFESSOR DA FACULDADE DE ARQUITECTURA DA UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA Não há muito tempo, em 2009, duas ex- posições sobre arquitectura/arquitectos portugueses foram apresentadas no ex- terior. A primeira, Arquitectura: Portugal fora de Portugal, decorreu em Berlim em Março/Abril acompanhando a visita ofi- cial do Presidente da República, foi orga- nizada pela Ordem dos Arquitectos e co- missariada por Ricardo Carvalho. O seu catálogo abre com uma mensagem do Prof. Dr. Aníbal Cavaco Silva que se inicia com uma afirmação impensável há trinta anos atrás: “A arquitectura portuguesa goza de uma extraordinária reputação mundial”. De facto, em poucas dezenas de anos esta reputação tornou-se palpá- vel, apesar de se poder dizer que foi na década de 1950 que a arquitectura e os arquitectos em Portugal se começaram a afirmar, sobretudo através da Geração Moderna que entendeu a arquitectura como um direito para todos e, por isso, um bem público, e os arquitectos já não como “artistas” ao serviço de alguns, mas capazes de acompanhar essas no- vas responsabilidades. É então significativo que, em 1954, o chamado “Bairro das Estacas”, projec- tado por Sebastião Formosinho San- ches e Ruy d’Athouguia, tenha recebi- do uma Menção Honrosa na II Bienal de S. Paulo pela mão de um júri inter- nacional presidido por Walter Gropius, a primeira premiação portuguesa num acontecimento deste tipo. A segunda exposição, intitulada “OVER- LAPPINGS, six portuguese architecture studios”, realizou-se em Londres (Junho/ Julho) por ocasião da entrega da presti-20 // Maio 12 // Portugalglobal
    • DESTAQUEgiada medalha de ouro do RIBA (princi- Assim, o comissário associa a qualida- Mateus, uma para a reabilitação de umpal organização dos arquitectos no Reino de dos arquitectos com a qualidade das convento em Málaga e outra para ha-Unido) a Álvaro Siza, comissariada por empresas de construção para sustentar bitação social em Madrid, levantandoJonathan Sergisson, apoiada pela AICEP e o reconhecimento internacional da ar- temas e questões construtivas muitopatrocinada por uma empresa portuguesa quitectura portuguesa. diversas, mas de que podemos encon-de painéis compósitos para a construção. trar vasta experiência portuguesa. Por Eis um bom exemplo, num só ano, da exemplo, a reabilitação do patrimónioNo texto de abertura do catálogo, o projecção internacional da arquitectura arquitectónico é um caminho cadacomissário considera que os arquitec- portuguesa que é embaixadora do país vez mais entendido como de futuro,tos nascidos entre os anos 60 e 70 do pela mão do Presidente da República havendo muitas possibilidades paraséculo XX em Lisboa e Porto tendem e merece uma premiação excepcional arquitectos e empresas construtorasa trabalhar e encontrar-se em sítios na figura de Álvaro Siza, que já tinha portuguesas, a começar pelos territó-específicos das respectivas cidades, sido premiado com o famoso Prémio rios de algum modo influenciados pelatrocando assim ideias. Para Sergisson, Pritzker, em 1992, não apenas por ele cultura portuguesa.os arquitectos representados na expo- recebido, mas também por Eduardosição “partilham uma ausência de re- Souto de Moura em 2011. Podemos ter um panorama desse pa-tórica”, isto é, não procuram a media- trimónio através da recente publicaçãotização nem a espectacularidade, e os Mas vale a pena voltar à primeira ex- (2010/11) da Fundação Calouste Gul-seus “projectos são excepcionalmente posição, pois assenta em projectos e benkian, Património de Origem Portu-bem construídos”, facto que atribui obras de arquitectura realizados para guesa no Mundo. Outro exemplo desteaos “invejáveis padrões da indústria fora das fronteiras portuguesas em tipo na exposição é o projecto de Joãoda construção portuguesa, conhecida muitas regiões do planeta, começando Mendes Ribeiro para uma escada me-pelo seu profissionalismo e precisão”. com duas propostas dos irmãos Aires cânica no Castelo de Tivoli em Turim. Portugalglobal // Maio 12 // 21
    • DESTAQUE Este arquitecto tem sido muito citado Este é um tema muito sensível na arqui- precisamente pelos seus trabalhos na tectura portuguesa a partir dos finais área da reabilitação. da década de 1950 e que se prolonga até hoje, como se pode ver no comple- Num país do Extremo Oriente, região xo para teatro e música em Poitiers de onde os portugueses foram os primei- João Luís Carrilho da Graça, num país ros europeus a chegar, a Coreia do Sul, que tem uma importante população de Álvaro Siza tem projectado intervenções origem lusa, a França. de pequena escala como museus e cen- tros culturais, como é o caso do pavi- Este complexo constitui uma “acrópole” lhão em Anyang, que fazem jus ao que com os seus dois corpos revestidos a vi- Sergisson escreveu. Mas a continuidade dro e iluminados interiormente no alto do seu labor neste país já tem dado fru- de uma colina. E muitos outros exemplos tos de maior escala como obras recentes foram apresentados nesta exposição, va- numa universidade local. Tal contras- lendo a pena ainda citar o edifício sede ta com os projectos desenvolvidos por do governo da província do Brabante multinacionais com origem nos EUA ou Flamengo em Lovaina (Bélgica), projec- nos grandes países europeus que bem tado por Gonçalo Byrne, pois trata-se se podem ver nos gigantescos empre- de um edifício público de prestígio no endimentos nas economias do petróleo centro da Europa, revelando também do Golfo Pérsico (onde também haverá quanto a arquitectura portuguesa pode lugar para outro tipo de obras) e apon- responder a regiões com particulares exi- ta para a especificidade portuguesa. gências regulamentares e técnicas. Ain- Também a mesma exposição integra o da neste campo, muito recentemente, muito celebrado edifício da Fundação Guilherme Santos ganhou o segundo lu- Iberé Camargo, em Porto Alegre (Brasil), gar no concurso mundial Urban Collec- onde a articulação entre a sua erudição tive Modular Building Design Challenge e uma homenagem a um país com tão 2012, entre 250 trabalhos e 55 países, fortes ligações a Portugal (em arquitec- para habitação metálica empilhável. tura basta lembrar a presença de Delfim Deste modo a arquitectura portuguesa Amorim no Recife) resultaram num ex- vai-se prestigiando. traordinário edifício que reconhece per- feitamente o sítio. micheltoussaint@netcabo.pt 22 // Maio 12 // Portugalglobal