Stress organizacional-um mal necessário?!
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

Stress organizacional-um mal necessário?!

on

  • 4,079 views

 

Statistics

Views

Total Views
4,079
Views on SlideShare
4,079
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
62
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Stress organizacional-um mal necessário?! Document Transcript

  • 1. Instituto de Contabilidade e Administração da Universidade de AveiroStress nas Organizações Um “mal” necessário? Comportamento Organizacional 2012 Miguel Angelo Oliveira Costa Nº60588 Turma 2211 1
  • 2. ÍndiceÍndice ............................................................................................................................................................ 2Índice de figuras ........................................................................................................................................... 3Resumo ........................................................................................................................................................ 4Introdução ..................................................................................................................................................... 5Stress nas organizações .............................................................................................................................. 6Fontes de stress ........................................................................................................................................... 7Sintomas do stress ....................................................................................................................................... 9Comportamento face ao stress .................................................................................................................. 10O stress como… ......................................................................................................................................... 11 ...Resposta .............................................................................................................................................. 11 ... Estímulo .............................................................................................................................................. 11 … Interação ............................................................................................................................................ 12 ... Transação ........................................................................................................................................... 12Consequências negativas .......................................................................................................................... 13 Individuais ............................................................................................................................................... 13 Organizacionais ...................................................................................................................................... 13Stress positivo ............................................................................................................................................ 14A diferença entre desafio e stress .............................................................................................................. 15Testes de stress ......................................................................................................................................... 17Conclusão ................................................................................................................................................... 18Bibliografia .................................................................................................................................................. 19 2
  • 3. Índice de figurasFigura 1 O Processo de stress nas Organizações ................................................................................. 7Figura 2 O ciclo vicioso do stress ............................................................................................................ 8Figura 3 Stress positivo(eustress) vs Stress negativo(distress) ......................................................... 14Figura 4 Diferença entre desafio e stress ........................................................................................... 15 3
  • 4. ResumoEste trabalho centra-se sobre o Stress Organizacional. Será inicialmente exposto o conceito de stress eanalisadas as fontes e os sintomas; os seus antecedentes e causas serão também um tema emdiscussão tal como as características individuais e situacionais que interferem no modo de resposta aostress. Expõem-se em seguida os elementos de compreensão dos vários tipos de respostas e ainda asconsequências que o stress reflete sobre os indivíduos e as organizações. Por fim será apresentado olado positivo do stress, não como algo destrutivo mas como um desafio, para além da sugestão de testesde stress, para melhor auto análise.Palavras chave: stress, Organização, motivação. 4
  • 5. IntroduçãoTodos sabemos que o stress dos funcionários tem-se vindo a tornar um problema cada vez maior nasorganizações. Atualmente, as pessoas precisam de procurar qualificação do seu trabalho, com tantasexigências, acabam por viver sob pressão, não só no ambiente de trabalho, mas também familiar eacabam por sofrer uma pressão psicológica. Essa pressão afeta o lado emocional das pessoas, onde asemoções negativas podem comprometer a sua saúde. O stress, tem como consequência: diminuição dorendimento, da concentração no trabalho, erros, distrações, insatisfação, indecisão, atrasos, irritação,reclamações, atrasos de tarefas, perda de prazos, e causa de prejuízos dentro da organização.O stress pode ter consequências organizacionais e pessoais, e estas revelam-se tanto ao nívelintelectual como nas relações sociais e no respetivo comportamento organizacional, provocando destaforma elevados custos para as próprias organizações.Mas em contrapartida, temos as emoções positivas, como o riso, bom humor, a felicidade que ajudam amanter ou recuperar saúde.Diante desses fatores que se encontram no ambiente de trabalho, é necessário observar e constatarcomo esses agentes vão-se manifestando, sabendo que dentro de uma organização trabalham pessoascom diferentes personalidades emoções, perceções e atitudes.Se o funcionário souber gerir o seu stress diário e canalizar a energia desse stress para o desempenhode sua atividade, o mesmo pode desempenhar com eficácia o seu trabalho. Possivelmente, osfuncionários podem conseguir lidar com o stress diário no ambiente de trabalho, desde que sejaconhecida a causa do mesmo, que na maioria das vezes é muito exagerada. 5
  • 6. Stress nas organizaçõesRegra geral, stress é qualquer força que quando aplicada a um sistema causa modificação significativada sua forma. Este termo é utlizado com respeito a forças e pressões físicas, psicológicas e sociais.Neste sentido, o stress refere-se a uma causa, a um antecedente de algum efeito.O stress relacionado com o trabalho que também é designado como “stress profissional” é umaconsequência do desequilíbrio entre as exigências do trabalho e as capacidades do colaborador.Sendo uma reação emocional, física e cognitiva que um indivíduo tem, para com uma situação que lheexige demais dele próprio. O stress, pode ser provocado pela existência de conflitos, de ambiguidadesou ainda de estilos de gestão de conflitos pouco eficientes, como o estilo "ditador". Normalmente oindivíduo não dá conta da reação que está a ter face às exigências que sofre.Há que distinguir dois tipos de stress: positivo e negativo O positivo é agradável e construtivo (emoçõespositivas devido a bons feitos). O negativo é por outro lado, desagradável, prejudicial e causador dedoenças relacionadas com o stress.À atividade ou ação que provoca stress, é normal denominar por stressante. 6
  • 7. Fontes de stressO stress nas organizações emerge, quer por causas internas, que tem a ver com as pessoas, quer porcausas externas, condições a que o individuo está sujeito, são apelidadas fontes de stress.As fontes internas ao individuo são as exigências que ele exerce sobre si próprio ou característicaspessoais, como por exemplo, elevadas motivações e expectativas, atitudes negativas baixa capacidadede adaptação, o autocriticismo ou perfeccionismo.Não são poucos os fatores que podem ser fontes externas de stress nas organizações, alguns dosexemplos são as pressões para evitar erros ou cumprir prazos, a excessiva carga de trabalho, aspressões financeiras, familiares.O controlo das fontes é considerado como a melhor forma de gestão de stress nas organizações, todaviatornou-se mais claro que independentemente da fonte que origina o stress no individuo, é a forma comoele a perceciona que está na origem da do stress. Por outras palavras, o que é fonte de stress para umapessoa poderá não ser para outra.As fontes, ao serem geradoras de stress, manifestam-se em sintomas. Sintomas,que geram custos paraa organização (Figura 1).Figura 1 O Processo de stress nas Organizações Fontes internas Perceção do trabalhador Stress Sintomas Custos Fontes Externas Fonte: Humanator,1997 7
  • 8. O stress nas organizações é um processo contínuo que caso não seja gerido adequadamente, se vaialimentando de forma cada vez mais crescente, traduzindo-se num constante crescimento dos custos aele associados.Este ciclo vicioso, para além de originar elevados custos organizacionais, inibe o potencial humanoinstalado, atuando como um “vírus” (Figura 2).Figura 2 O ciclo vicioso do stress Fontes de stress Trabalhador Incremento dos custos Sintomas de stress Fonte: Humanator 1997 8
  • 9. Sintomas do stressOs sintomas podem ser claramente observáveis, como por exemplo, a irritabilidade, ou mais dificilmenteobserváveis a olho nu, como alterações do ritmo cardíaco ou hipertensão.Regra geral existem três tipos de sintomas ao stress organizacional: fisiológicos, psicológicos ecomportamentais. Elas estão claramente interligadas, possuindo muitas variáveis que exercem um efeitode amortização ou as que a podem agravar.Quanto aos sintomas fisiológicos, foi feito um estudo na década de 60 e onde concluíram que algunscontabilistas tinham uma subida do colesterol quando se aproximava a data limite de entrega dasdeclarações de impostos, voltando de seguida ao normal.Estas respostas incluem sintomas cardiovasculares (hipertensão, aumento das pulsações, elevadapressão arterial ou aumento do colesterol), sintomas gastrointestinais dores de cabeça, sinusite e paraalém da contribuição para o aparecimento ou evolução do cancro.Em relação aos psicológicos mais frequentes do stress organizacional são a baixa satisfação e baixoenvolvimento no trabalho, tensão, ansiedade, depressão, fadiga psicológica, frustração, irritabilidade.Estas respostas estendem-se a respostas comportamentais, com consequências graves para o individuoe para a organização.Por fim, existem os sintomas comportamentais que abrangem uma enorme quantidade de categorias.Algumas relacionam-se com a degradação do papel funcional, em termos de menor desempenho,aumento da taxa de acidentes de trabalho e de erros, como ao consumo de álcool ou drogas no trabalho.Para além do nível profissional aumenta também a degradação dos papéis sociais como o familiar 9
  • 10. Comportamento face ao stressNo que diz respeito à personalidade existem dois padrões de comportamento face ao stress, A e B. Emmeados dos anos 60 surgiu um estudo efetuado por dois cardiologistas americanos, que classificaramestes dois tipos de comportamentos.Uma pessoa com um comportamento tipo A demonstra grande rapidez na execução das tarefas, elevadacompetitividade, impaciência, um envolvimento e um compromisso com o trabalho muito elevados a quese associa um esforço intenso para atingir objetivos por si selecionados. Outras características são aforte competição, o desejo de reconhecimento e urgência temporal, ficando o individuo num estado dealerta permanente. Atribuem-se a estes comportamentos, entre outros os seguintes traços depersonalidade: • Impetuosidade verbal; • Impaciência e movimentação frequente; • Alta competitividade; • Fazer várias coisas ao mesmo tempoAs pessoas com este comportamento tendem a demonstrar níveis de stress mais elevados, quer na suavida pessoal quer na sua vida profissional.Uma pessoa com uma orientação de comportamento tipo B demonstra maior lentidão na realização detarefas, maior gosto pelo pormenor, maior perfeccionismo, maior impaciência, menor orientação para aquantidade de objetivos a atingir, maior dedicação a atividades de lazer e menor necessidade depublicitar as suas realizações.Evidentemente, ao encontrar-se dois extremos, há sempre que levar em consideração que existirá umnúmero significativo de pessoas cujo estilo de vida é marcado por uma personalidade que não se refleteperfeitamente em nenhum dos padrões de comportamento apresentados. 10
  • 11. O stress como…...Resposta 1O síndroma geral de adaptação de Selye é a resposta não específica do organismo a qualquer estímuloou exigência externa sobre ele. Esta reação do organismo pode decorrer em três fases: • A reação de alarme, que é a resposta psicofisiológica aos estímulos para os quais o organismo não está adaptado, e que ocorre quando a fase inicial de “choque”, de menor resistência, é seguida de “contra-choque”, de menor resistência. Algo similar pode ocorrer perante um anúncio de despedimentos: à reação de “choque” poderão seguir-se reações de raiva, de revolta, e por fim, atuações psicológicas e comportamentais mais especificamente destinadas a lidar com a situação. • A segunda fase é o estádio de resistência, em que o organismo procura restaurar o equilíbrio, habituando-se ao agente indutor de stress e substituindo a reação de alarme.... EstímuloOs modelos de stress baseados em estímulos procuram identificar potenciais fontes de pressão. Nestaperspetiva o stress é definido como uma força exercida sobre o individuo, que resulta numa reação doorganismo - o qual tem apenas um certo nível de tolerância para além do qual poderão ocorrer certosdanos.Na raiz das preocupações destes modelos, está a procura de condições ótimas de trabalho, isto é, aprocura de condições que não suscitem níveis de stress inquietantes e sejam, assim, prejudiciais para osindivíduos e as organizações.Estas abordagens contribuíram para a identificação e estudo de situações e fatores que podem afetar aforça de trabalho. Foram contudo criticados por se limitarem às condições externas, ignorando uma vezmais as diferenças individuais, como por exemplo níveis de tolerância ou as expetativas pessoais.1 Hans Selye, médico de origem austro-húngara que criou primeira definição de stress 11
  • 12. … InteraçãoAs abordagens interacionais tiveram por objetivo o estudo de interações entre estímulos e respostas, 2 3bem como de variáveis moderadoras nas relações stressor -strain . Contudo, a complexidade doprocesso de stress é ignorada, uma vez que algumas das variáveis reguladoras eram escolhidas semum suporte técnico forte para justificar a sua inclusão.... TransaçãoAs definições transacionais de stress relacionam-se com dinâmica dos mecanismos de avaliaçãocognitiva, subjacente às situações de stress, em que a pessoa reage às trocas com o ambiente, numacausalidade circular, e em que a interpretação do significado da determinada relação com o ambiente eas estratégias relacionadas para lidar com as exigências contidas nessa mesma relação.Existem três tipos de avaliação cognitiva: • Avaliação primária • Avaliação secundária • ReavaliaçãoNa avaliação primária, o individuo avalia uma situação relativamente ao impacto no seu bem-estar,envolvendo a noção de perigo, ameaça, ou desafio. Na avaliação secundária, o individuo aplica osrecursos de que dispõe no encarar do problema, podendo adotar então diversas estratégias. Nareavaliação, o individuo é ativado por novas informações, tais como as adquiridas nas avaliaçõesanteriores (primária e secundária).2 Stressor: são estímulos que induzem ao stress.3 Strain: são respostas psicológicas, físicas ou comportamentais dos indivíduos ao stressor. 12
  • 13. Consequências negativasO stress é um facto cada vez mais presentes nas organizações, com as suas exigências deprodutividade, eficiência de custos, orientação para o cliente, inovação, etc, podendo ainda terconsequências negativas a nível individual e organizacional, o que representa elevados custos para asociedade. Então podemos afirmar que existem consequências negativas diretamente relacionadas como stress: consequências individuais e organizacionais.IndividuaisAs consequências negativas manifestam-se em termos de saúde física e mental, como facilmente sepoderá depreender. Dado que o stress afeta os sistemas nervoso e imunológico do organismo, podendoainda causar doenças.A título de exemplo podemos citar os casos de abuso de álcool ou drogas.OrganizacionaisAs consequências organizacionais derivam das individuais, uma vez que as organizações sãocompostas por pessoas, o que se reflete num significativo aumento dos custos, quer sejam diretos ouindiretos.É essencial referir os custos decorrentes do aumento do absentismo, da saída das pessoas daorganização, voluntária ou involuntariamente, da quebra da perfomance dos trabalhadores, do aumentodos acidentes de trabalho e de erros de produção. Também não podemos esquecer que as empresadeparam-se com custos indiretos, associados a por exemplo às reduções da motivação, moral e nasatisfação no trabalho. 13
  • 14. Stress positivoO stress não é necessariamente mau. Embora normalmente seja discutido dentro de um contextonegativo, também tem o seu lado positivo, chamado de eustress. Deve ser visto como uma oportunidadequando oferece um potencial de ganho. Por exemplo o desempenho superior demonstrado por um atletaou um ator quando exposto à situação limite. Essas pessoas geralmente utilizam o stress para retirar omáximo de si. Da mesma forma, muitos profissionais vêem as pressões de excesso de trabalho e documprimento de prazos como um desafio positivo que melhore a qualidade do seu trabalho e aumenta asua satisfação profissionalPara haver stress positivo é necessário existir duas condições: é necessário haver incerteza quanto aoresultado do trabalho e este deve ser muito importante. Independente das condições, o stress sóacontece quando existe incerteza ou dúvida a respeito de oportunidade de ser aproveitada, as limitaçõesserem superadas ou a perda ser evitada. Se perder ou ganhar não for importante, então não existirástress ou se manter o emprego ou receber uma promoção não fizerem qualquer diferença, também nãohá stress com a avaliação de desempenho.O stress positivo é uma condição menos frequente que o stress negativo, mas não deixa de serimportante. Por muitas vezes estamos diante de situações agradáveis, tão agradáveis que nos leva areações de desconforto trazendo inclusive, risco de vida para alguns. Existem muitas outras situaçõessemelhantes tais como receber uma boa promoção no emprego, planeamento de uma viajem de férias,receber a noticia que seu filho passou numa prova escola ou até mesmo que seu clube de futebolganhou um campeonato. As principais características são a vitalidade, entusiasmo, otimismo resistênciafísica.Figura 3 Stress positivo(eustress) vs Stress negativo(distress) EUSTRESS DISTRESS 14
  • 15. A diferença entre desafio e stressÉ usual, alguns funcionários referirem a necessidade de stress para melhorar os seus desempenhos,inclusivamente, afirmam que necessitam de sentir stress para terem vontade de trabalhar ou nãoconseguem render, como se precisassem de stress para aumentar o seu desempenho nas suasfunções. Neste ponto de vista, o stress é positivo, embora na minha opinião, existe confusão nosconceitos. Aquilo que vulgarmente se chama stress positivo, não passa de desafio, como descrito nafigura 4. Figura 4 Diferença entre desafio e stress Pico de desempenho D e s e m Stress p Desafio e n h o Apatia Pânico Estimulação interna Fonte: Humanator 1997 15
  • 16. Na minha opinião, não há qualquer dúvida que o stress é importante para atingir o máximo deprodutividade, aliás é essencial para aumentar o desempenho dos funcionários, seja eles de que nívelhierárquico for. É natural que o desempenho não seja o ideal quando um individuo sente que as suastarefas não são desafiantes ou são pouco estimulantes e estranho seria se o nível de motivação eprodutividade fossem mais baixos quando as suas tarefas são mais difíceis ou quando é pressionado.Cabe aos supervisores e gestores, desenvolverem níveis de “pressão” nos seus funcionários que lhepermitem rentabilizar e maximizar cada um deles sem, todavia fazerem sentir que são situaçõesstressantes, ou seja, adequar a cada caso o nível de “ pressão”, pois cada caso é um caso e os nível deestimulação que para um funcionário pode ser encarado como desafio, para outro pode ser stressante.Tem de se levar em conta as diferenças individuais no que respeita à perceção do que cada individuoencara como desafiante ou stressante.È necessário sublinhar que stress é diferente de pressão, poderá ser encarado como stress positivo.Esta confusão leva a que alguns gestores/chefias a gerarem stress/pressão nos indivíduos com quemtrabalham, partindo do pressuposto que estão a rentabilizar o seu desempenho. Existem várias correntesde opinião que defendem que o stress só prejudica o perfeito funcionamento das organizações, noentanto realço que é nas alturas mais pressionantes/stressantes que resultam as melhores soluções eestratégias.Dando como exemplo uma linha de produção, quando existe uma grande pressão para atingir osobjetivos exigidos, quer sejam em termos quantitativos ou qualitativos, é nessa altura que se conseguevalorizar e avaliar o desempenho, a responsabilidade e até medir o nível de stress que cada umconsegue “aguentar”. Apesar de ser em equipa que se atinge os objetivos, não será da mesma formaque se avalia o stress/pressão. 16
  • 17. Testes de stressOs «testes de stress» podem ser uma ferramenta útil de autoanálise, ajudando a considerar aspectosque doutra forma poderíamos ignorar. Nestes testes podemos verificar com até que ponto estamos numafase stressante, cansados ou até desmotivados face ao elevado stress a que estamos sujeitos.Na primeira sugestão, podemos medir com está o nosso nível de stress e motivação.No segundo site, após o teste é-nos facultado o resultado como também conselhos para poder melhorare controlar as nossas emoções.No terceiro site, realço a existência de uma lista de eventos stressantes da vida que tem valoresnuméricos diferentes, o que demonstra o stress que esses anúncios tiveram ou terão na nossa vida. Éuma excelente análise dos acontecimentos de uma vida.Os restantes dois incorporam-se basicamente na análise atual das pessoas que fizerem o teste. • http://www.anamrossi.com.br/teste.htm • http://www.oficinadepsicologia.com/stress.html • http://www.cliving.org/lifestresstestscore.htm • http://bemstar.globo.com/est_testes.inc.php?tipoteste=stress • http://www.lessons4living.com/stress_test.htm 17
  • 18. ConclusãoCom este trabalho pretendeu-se contribuir para uma melhor compreensão e consciencialização sobre osaspetos relacionados com a deterioração da qualidade de vida no trabalho e os prejuízos que issoacarreta, tanto a nível organizacional como a nível individual, devido ao stress organizacional.As causas do stress organizacional poderão encontrar-se em grande número nas organizaçõescontemporâneas, com as suas exigências em termos de aumentos de produtividade, redução de custos,relações de trabalho e estrutura política, horários irregulares e articulação entre vida pessoal e vidaprofissional. Outras fontes depressão, relacionadas com a vida pessoal, poderão interferir e aumentar avivência de stress.Entre as principais consequências negativas, são de salientar os problemas físicos, psicológicos ecomportamentais. Como seria de esperar, as organizações ressentem-se igualmente com o stress,principalmente em termos de produtividade, do aumento das taxas de erros e acidentes de trabalho, e damenor flexibilidade para responder atempadamente aos desafios da envolvente externa.No entanto, e na minha opinião existe um lado muito positivo nesta temática do stress, que é a maiorrentabilidade que alguns indivíduos retiram quando estão mais pressionados e não stressados. Aindaexiste a confusão entre desafio e stress ou entre pressão e depressão. No meu ponto de vista é claroque uma pessoa stressada não retira o melhor de si mas uma pessoa bem estimulada, motivada e com apressão correta é inúmeras vezes mais produtivo do que as restantes. Agora não nos podemos esquecerque cada ser humano é diferente do seu semelhante e é neste campo que as organizações têm de seespecializar para que os recursos humanos estejam cada vez mais motivados e não stressados.Em suma, o stress visto como um ponto negativo mas é algo que sendo essencial nas organizaçõesterá de ser bem doseado, tornando-se assim em algo muitíssimo positivo para o bom funcionamento edesenvolvimento das organizações. 18
  • 19. Bibliografia • Cunha, P.M.,Rego,A.,Cunha R.,Cabral-Cardoso,C.,2003,Manual de Comportamento Organizacional e Gestão, Editora RH. • Camara, P.,B.,Guerra, P.,B.,Rodrigues,J.,V.,1997,Humanator, D. Quixote • Robbins,,S.,P.,2009,Comportamento Organizacional, Prentice Hall • http://www.ensp.unl.pt/ensp/corpo- docente/websites_docentes/sousa_uva/stress_relacionado_com_o_trabalho_st-6.pdf,10/03/2012 • http://saude.sapo.pt/bem-estar-e-emocao/artigos-gerais/stress-no-trabalho.html , 12/03/2012 • http://www.unihorizontes.br/novosite/banco_dissertacoes/170820091243161526.pdf , 12/03/2012 • http://www.aps.pt/cms/docs_prv/docs/DPR462dd322186b4_1.PDF,12/03/2012 • http://www.escolapsicologia.com/saude-stress-e-desempenho-triangulo-organizacional/, 17/03/2012 • http://www.psych.uncc.edu/pagoolka/TypeAB.html, 17/03/2012 • http://www.visaoreal.com.br/stress.htm, 24/03/2012 • http://www.scielo.br/pdf/prc/v16n2/a05v16n2.pdf, 20/03/2012 • http://osha.europa.eu/pt/topics/stress/index_html , 01/04/2012 • http://www.act.gov.pt/(pt-PT)/Itens/Noticias/Documents/TE-81-08-478-EN- C_OSH_in_figures_stress_at_work.pdf, 01/04/2012 • http://www.braincampaign.org/Common/Docs/Files/2780/ptchap12.pdf,03/04/2012 • http://clinotavora.planetaclix.pt/Stress-diario.htm, 03/04/2012 19