Portfólio educação matemática

15,172 views

Published on

0 Comments
4 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
15,172
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
229
Actions
Shares
0
Downloads
245
Comments
0
Likes
4
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Portfólio educação matemática

  1. 1. Educação Matemática Portfólio
  2. 2. <ul><li>Matemática Tradicional: </li></ul><ul><li>Foi criada para resolver problemas; </li></ul><ul><li>O ensino era voltado para a geometria e aritmética; </li></ul><ul><li>Ênfase nos algoritmos e na memorização; </li></ul><ul><li>Livros didáticos textuais, com problemas voltados para a vida social – teoria e prática; </li></ul><ul><li>Respondia às exigências da sociedade; </li></ul>1 2 3 A Matemática na História
  3. 3. <ul><li>Matemática Moderna: </li></ul><ul><li>Surge após a segunda Guerra e a Guerra Fria; </li></ul><ul><li>Estados Unidos repensaram forma da Matemática; </li></ul><ul><li>Ensino da Matemática pura, dissociando da matemática aplicada; </li></ul><ul><li>Brasil introduz na década de 60 a Matemática moderna - já com avaliação negativa dos Estados Unidos; </li></ul>
  4. 4. <ul><li>Educação Matemática: </li></ul><ul><li>Surgiu nos anos 80 como forma de repensar o ensino da Matemática; </li></ul><ul><li>Houve uma ressignificação do papel do aluno, dos conteúdos e do processo de ensino-aprendizagem; </li></ul><ul><li>Nela a lógica da escola deve ser estruturada a partir da lógica da criança; </li></ul>
  5. 5. Aula do dia: 01/03/2005 Apresentação e Discussão de textos Um ensino da matemática voltado para a vida – Cristiano Muniz Importância do uso de objetos culturais como canais de transporte de conceitos espontâneos e algoritmos alternativos; Resgate do pensamento intuitivo para a produção matemática; Necessidade de partirmos do próprio corpo para o ensino da matemática e o uso do mesmo para resolver situações-problema; O brincar como desafio matemático e social afetivo; As atividades matemáticas devem ser articuladas com as situações da vida real; “ A intervenção do adulto no jogo espontâneo da criança a fim de favorecer certas aprendizagens matemáticas pode comprometer a qualidade da experiência lúdica em favor dos objetivos educacionais.” Acredito que seja preciso utilizar a matemática com objetivos definidos para que se possa aproveitar as situações cotidianas em favor das necessidades de aprendizagens dos alunos.
  6. 6. Um ensino da matemática voltado para a vida – Nilza E. Bertoni <ul><li>Problemas devem ser escolhidos a partir de uma situação real vivida pelo aluno; </li></ul><ul><li>Ensino da Matemática precisa possuir diferenciais para atrair as crianças, como o desafio e a possibilidade de pensar, para que ela não caia na mera repetição e deixe de ver sentido naquilo que faz; </li></ul><ul><li>A escola e os professores precisam ter tranqüilidade com relação ao ensina da matemática, para que a aprendizagem também possa acontecer de maneira tranqüila. </li></ul>
  7. 7. Alfabetizando com os números ou numerizando – Sueli Britto <ul><li>Matemática presente em vários contextos em várias épocas, de maneiras diferentes; </li></ul><ul><li>Sistema de representação: decimal (base 10), fazer uso de 10 símbolos e possuir valor posicional; </li></ul><ul><li>Segundo Kamii a criança constrói o conceito de número a partir de várias relações que ela cria entre os objetos – daí a importância das vivências; </li></ul><ul><li>É necessário considerarmos que as crianças já possuem algumas idéias a respeito da matemática e sobre os números; </li></ul><ul><li>A contagem exige da criança uma relação biunívoca – a cada vez que eu conto, aponto um objeto; </li></ul>
  8. 8. Estruturas Lógicas Aula do dia: 08/03/2005 “ As estruturas lógicas ajudam a desenvolver o nosso pensamento” Segundo MUNIZ, por meio dela a criança é capaz de agir sobre os objetos, organizando-os e separando-os segundo critérios estabelecidos. Classificação:
  9. 9. <ul><li>Critérios </li></ul><ul><li>Cor; </li></ul><ul><li>Forma; </li></ul><ul><li>Tamanho; </li></ul><ul><li>Utilidade; </li></ul><ul><li>Material; </li></ul><ul><li>Quantidade; </li></ul><ul><li>Textura; </li></ul><ul><li>Capacidade; </li></ul><ul><li>Espessura </li></ul>Classificação com Sucata
  10. 10. Podemos explorar alguns conceitos dirigindo a classificação. Por exemplo pedindo que utilizem todos os materiais compridos para construir uma casa – percebendo a necessidade de uma referência. “Comprido em relação ao quê?”
  11. 11. Classificação com Blocos Lógicos Critérios: Cor Forma Tamanho Espessura Peso Material Sugestões de questionamentos: Quem tem mais? Quanto a mais? Quanto a menos? Quantos você tem que eu não tenho? (atividades aditivas)
  12. 12. ATIVIDADE DA CENTOPÉIA Uma determinada forma inicia e a próxima peça tem que ter apenas um critério igual.
  13. 13. Ordenação Colocar em determinada ordem, exige a definição de um critério que deve ser sempre equivalente à comparação. A posição do objeto será importante para confrontar as idéias e descentrar o pensamento das crianças. Ex: Colocar em ordem crescente:
  14. 14. Seqüenciação A seqüenciação é a repetição de um modelo Ex:
  15. 15. Seriação É realizada a partir de uma coleção de objetos e também requer o estabelecimento de critérios para organização. Os critérios são de relações lógicas entre os objetos
  16. 16. Ou: Na seriação, não há repetição. É necessário descobrir o segredo. Segundo PIAGET, há um invariante, no caso o círculo, que não muda e os variantes
  17. 17. Conservação de quantidades Conservação Discreta Contagem um-a-um Perguntar à criança onde ela acredita que tenha mais bolinhas. Ela pode usar o recurso da contagem para descobrir!!!
  18. 18. Conservação Contínua Relaciona-se com medidas – barbantes, litros... Usar barbantes do mesmo tamanho e Pedir que pensem qual é maior Podemos utilizar copos e fazer transposição de líquidos em copos do mesmo tamanho e para copos diferentes e a partir disso pensar se o líquido cabe, se sobra ou falta.
  19. 19. Inclusão Hierárquica Segundo Piaget, a inclusão Hierárquica é a capacidade de perceber que o “um” está incluído no “dois”, o “dois” no “três”, e assim por diante. (Apud TOLEDO, 1997, p. 22) Ex: Observando os animais: O que tem mais, gatos ou galinhas? Borboletas ou gatos? Gatos ou animais? Neste momento é preciso fazer a inclusão de todos, enquanto animais para responder.
  20. 20. Construção de Número Para construir o conceito de número, a criança deve participar de várias vivências que possibilitem o contato com as relações matemáticas em geral. Atividade dos Pratos com brigadeiros Prepara-se com pratos de papel ou plástico, quantidades de cada número, mas em posições diferentes, como no exemplo ao lado
  21. 21. <ul><li>Na atividade dos pratinhos, as crianças podem dividir-se em equipes e cada equipe joga uma vez – pegando os pratinhos com a quantidade indicada pelo professor, que verbaliza os números, mostra os símbolos ou mostra as quantidades. </li></ul><ul><li>Neste momento as crianças fazem vários tipos de relações, como: </li></ul><ul><li>quantidade X quantidade; </li></ul><ul><li>quantidade X símbolo; </li></ul><ul><li>Símbolo X quantidade; </li></ul><ul><li>símbolo X símbolo; </li></ul>“ Favorecer o desenvolvimento da autonomia intelectual e moral da criança, esta é a melhor forma de favorecer o florescimento do ser matemático que pulsa no espírito das crianças. É preciso que compreendamos que a matemática não é apenas uma ciência, mas que é, antes de tudo, uma atividade humana que deve participar da constituição do ser e da sua cultura.” Cristiano Muniz
  22. 22. Bibliografia Didática da Matemática - Marília e Mauro Toledo Matemática na Educação Infantil – Kátia S. Smole Educação Matemática na Educação Infantil – Cristiano Muniz

×