• Like
  • Save
Os gunas e a mente Diana Silva
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Os gunas e a mente Diana Silva

on

  • 1,953 views

O trabalho descreve a relação entre os Gunas e as funções mentais na forma como são descritas na Medicina Ayurvédica.

O trabalho descreve a relação entre os Gunas e as funções mentais na forma como são descritas na Medicina Ayurvédica.

Statistics

Views

Total Views
1,953
Views on SlideShare
1,773
Embed Views
180

Actions

Likes
0
Downloads
0
Comments
0

7 Embeds 180

http://www.ayur-amrita.blogspot.com 53
http://ayur-amrita.blogspot.com 48
http://www.ayur-amrita.blogspot.com.br 23
http://ayur-amrita.blogspot.pt 23
http://www.ayur-amrita.blogspot.pt 21
http://ayur-amrita.blogspot.com.br 11
http://www.ayur-amrita.blogspot.ca 1
More...

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Os gunas e a mente Diana Silva Os gunas e a mente Diana Silva Presentation Transcript

    • Instituto de Medicina TradicionalCurso de Naturopatia e Ciências Tradicionais Holísticas Medicina Ayurvédica Trabalho de: Diana Silva
    •  Ayurveda significa “a ciência da vida” em Sãnscrito. É o sistema de cura mais antigo do qual dispomos, sendo proveniente dos “Vedas”, os primeiros textos escritos da humanidade; Por milhares de anos a Ayurveda e o Yoga foram inter-relacionados como sendo modalidades de tratamento físico e psicológico. O base do Ayurveda é a compreensão das energias existentes no corpo e na mente humana. Estas energias primordiais são chamadas de Doshas: Vata, Pitta e Kapha existentes nos nossos corpos e no universo físico. O Ayurveda apresenta uma visão diferente sobre a mente e sobre a origem psicossomática da doença ao propor a idéia de que existem três diferentes disposições mentais e espirituais chamadas Gunas. Estas disposições são Satva, Rajas e Tamas, e estão inerentes a todos os aspectos da vida.
    • A mente é dividida em 4 partes, cada uma com a sua função específica.Sendo as quatro funções da mente : Manas, Ahamkara, Buddhi e Chitta.Manas É a mente inferior; É ela que interage com o mundo exterior, captando impressões sensoriais e informações.; Por natureza, manas questiona e duvida, podendo causar-nos problemas se essa tendência for excessiva.; Executa o papel de nos direccionar, mas não é quem toma as decisões chave, que está a cargo de Buddhi. Tende a seguir as “vozes” presentes no banco da memória das impressões, Chitta; Uma boa maneira de coordenar o funcionamento de Manas é vigiar os pensamentos e sentimentos, sem auto-culpa; Manas não é o chefe, mas o supervisor que dá as ordens directas aos sentidos cognitivos e activos .
    • Chitta Chitta é o banco das memórias, onde as impressões captadas pelos sentidos são armazenadas. Se as funções de chitta não estiverem coordenadas, as incontáveis impressões armazenadas e que estão de forma latente tendem a se manifestar de maneira intensa, levando a nossa mente a agir em função de coisas não tão úteis. Quando a relação de Manas e Buddhi não estão coordenadas, as impressões latentes presentes em Chitta competem entre si e na maioria das vezes conseguem com que Manas direcione as suas informações, em vez das informações provenientes de Buddhi. Uma boa maneira de testemunhar o funcionamento de Chitta é ficar atento a pensamentos que surgem como uma onda sem causa aparente. Percebendo o surgir desses pensamentos fica mais fácil o controle e coordenação de Chitta com as outras funções da mente.
    • Ahamkara Ahamkara é o senso da individualidade, do Eu (Ego); Identifica-nos com as nossas funcionalidades, mas no entanto também nos dá a sensação de separação, sofrimento e alienação. Ahamkara é a entidade que se apodera das experiências vividas. Uma boa maneira de perceber o funcionamento do Ego é estar ciente de que cada pensamento está acompanhado do sentimento de gosto ou desgosto. O Ego não deve ser aniquilado ou destruído. Ele deve ser conquistado e através do amor, e não da força. O Ego é algo muito importante, pois ele é uma espécie de interface entre a consciência e a mente. Sem ele a nossa consciência não conseguiria atuar nesse plano de existência.
    • Buddhi Buddhi é a mente superior, o aspecto mais elevado da mente. Tem a capacidade de decidir, julgar e de fazer discriminações cognitivas e diferenciações. É através de Buddhi que podemos escolher o melhor caminho entre dois cursos de acção e se Buddhi estiver a funcionar de forma clara, Manas irá aceitar o direccionamento.  É Buddhi quem tem que ser o “tomador de decisões”. Temos que cultivar Buddhi, caso contrário, Manas irá seguir os direcionamentos dos nossos desejos e impressões armazenadas em Chitta.  No entanto, a mesma capacidade de discriminar acentua até certo ponto a nossa sensação de separatividade, vendo dualidade onde há unidade. Uma das maneiras de perceber a acção de buddhi é a identificação do que chamamos “intuição”.
    •  Os Gunas podem ser descritos como energias, como qualidades ou forças. Eles representam um triângulo de forças simultaneamente opostas e complementares que governam tanto o universo físico como a nossa personalidade e padrões de pensamento na vida do dia-a-dia, dando origem às nossas realizações ou fracassos, alegrias ou infelicidades, saúde ou doença. Os três Gunas são as qualidades mais sutis da natureza que fundamentam a vida, matéria e mente. Eles são as energias através do qual não só da mente á superfície, mas as nossas funções mais profundas da consciência ,se regem. Eles são os poderes da alma, que mantêm os karmas e desejos que nos impulsionam desde o nascimento até á morte.
    •  Eles são referidos como o "doshas mentais", uma vez que descrevem as qualidades e as actividades da mente. Viver em sociedade exige um equilíbrio entre os gunas, Sattva, Rajas e Tamas - um desequilíbrio pode resultar em agitação mental, o que pode resultar em desequilíbrio de Vata, Pitta e Kapha, levando a várias doenças. Assim, ao invés de tratar os sintomas da doença directamente, o tratamento em Ayurveda visa reequilibrar o seu doshas segundo a sua constituição (Prakriti), resultando num corpo e mente saudáveis Ao tornar-se familiarizado com o seu dosha e dosha mental cada pessoa pode levar uma vida que esteja mais em harmonia com sua natureza individual.
    •  Sattva é a qualidade da virtude, inteligência e bondade e cria harmonia, equilíbrio e estabilidade; É leve e luminoso, na natureza e traz o despertar da alma; Sattva proporciona felicidade e contentamento de um carácter duradouro; É o princípio da amplitude, clareza e paz, a força do amor que une todas as coisas.Se Sattva predomina: Podemos ter momentos de inspiração, de afecto desinteressado, de alegria tranquila ou calma meditativa. A mente torna-se firme como a chama de uma lamparina num local onde não há vento. A mente equilibrada ajuda tanto a actividade quanto a meditação, e aquele que é predominantemente Sattvico pode meditar com eficácia e é capaz de ter uma verdadeira concentração. As qualidades da pessoa na qual Sattva predomina incluem a coragem, a integridade, a pureza, a capacidade de perdoar e a ausência da paixão, da raiva e do ciúme. Esta pessoa é calma e feliz.
    • Pessoas de natureza sattivica: São naturalmente inteligentes, com uma boa memória, instintivamente ordenados, cuidam bem de si próprios e são conscientes da sua saúde. São gentis e atenciosos com os outros ,com boas maneiras . São focados no trabalho, no auto-aperfeiçoamento e em actividades intelectuais ou espirituais. Prontamente compartilham o que têm e gostam de o fazer, mas sem esperar nenhuma recompensa em troca. Vêem a vida como uma experiência de aprendizagem produtiva e não invejam a posição dos outros, nem guardam rancor. Eles não procuram acumular riqueza ou status. Assim, o homem sáttvico é um tipo humano superior, mais interiorizado, capaz de encontrar uma síntese lúcida no meio dos impactos externos, dos quais se vai deixando de tornar dependente. É o homem que encontra os Valores da Harmonia, da Justiça, da Verdade, da Sabedoria, e que se desapega das coisas que satisfazem o desejo egoísta. É o homem polarizado nos níveis superiores do Mental, em Buddhi-Manas, ou seja, a Mente (Manas) iluminada por Buddhi (Razão Pura, Discernimento, Intuição).
    •  Rajas encerra movimento, agressividade e extroversão. É a qualidade da mudança, actividade e turbulência. Introduz o desequilíbrio mental. Rajas é motivado na sua acção sempre em busca de uma meta ou um fim que lhe dá poder. Enquanto que a curto prazo Rajas é estimulante e proporciona prazer, devido à sua natureza desequilibrada rapidamente resulta em dor e sofrimento. É a força da paixão que causa sofrimento e conflito. A mente rajásica opera no nível sensual. Indivíduos rajásicos interessam-se por negógios, prosperidade, poder e prestígio; gostam da riqueza e são geralmente extrovertidos.Se Rajas preomina: A pessoa com Rajas dominante nunca fica em paz. Rajas provoca explosões de raiva e gera um desejo intenso. Ele toma a pessoa inquieta e descontente, e dá origem a uma contínua actividade. Não consegue permanecer sentada, quieta; ela precisa de ter sempre algo para fazer. Rajas anseia sempre por mais poder para ser capaz de dominar os outro. A manifestação directa do Rajas dominante é a chama insaciável do desejo. Quanto mais ela consegue satisfazer os desejos, mais ela quer. Ela conquista riqueza, poder, reputação e fama, mas nunca é suficiente. Além disso, ele busca a satisfação contínua dos desejos (comida, sexo), a estimulação dos sentidos (música, cor, fragrância) e entretenimento (festas, as funções, festivais).
    •  Ele pode ser bravo e corajoso, mas muitas vezes mostrar o ciúme, a malícia, crueldade, emoções excessivas e comportamento egoísta. Pessoas com este temperamento pode ser extremamente determinada, manipuladora, egoísta e orgulhoso. As pessoas de natureza rajásica raramente dão incondicionalmente. É sempre feito com alguma relutância e demonstrar generosidade (ou com alguma expectativa) ao invés de altruísmo genuíno. As relações são, portanto, baseadas principalmente nas suas próprias necessidades e desejos, em vez de interesse recíproco e respeito. com Sattva. A mente rajásica quer sempre novas sensações e variedade. Ela gosta de certas pessoas, objectos e lugares e agora, depois de algum tempo, torna-se desgostoso com eles. A mente rajásica tem uma tendência a olhar para os defeitos dos outros. Ele também lembra as más acções ou erros cometidos por outros e se esquece facilmente dos seus bons actos. Essas duas tendências intensificar o ódio e causar perturbação frequente na mente. Para que a pessoa tenha uma vida proveitosa e paz de espírito, Rajas precisa ser apaziguado e equilibrado .
    •  Tamas manifesta-se na ignorância, na inércia, brutalidade e estupidez; tal como no desamparo, embotamento, e confusão; Leva á preguiça, egoísmo e tendência para destruir os outros; Pessoas tamásicas não alcançam a auto-realização e estão constantemente insatisfeitas.Se Tamas domina: A s pessoas são ignorantes, preguiçosas e com medos. Podem ser teimosos ou obstinados, e desatenciosos para com aqueles que os rodeiam. Pessoas tamásicas mostram pouco ou nenhum desejo de se melhorar fisicamente ou mentalmente, ou falta a força de vontade e disciplina para fazê-lo.; Há pouco ânimo, sendo algumas das suas piores características: a preguiça, obstinação e um desespero forte e profundo. Quando Tamas domina, a mente pode ficar esquecida, sonolenta, apática e incapaz de qualquer acção ou pensamento proveitoso. A pessoa dominada por Tamas pode se parecer mais com um animal do que com um ser humano; sem poder fazer um julgamento claro, ela pode deixar de distinguir entre o certo e o errado.
    • Se Tamas domina: As pessoas tamásicas têm sono pesado e não são facilmente despertáveis, e geralmente são sedentários. É relativamente fácil reconhecer o homem tamásico pois caracteriza-se pela sua letargia, pela sua insensibilidade, pela lentidão e inanidade das reacções psicológicas, pela reacção quase exclusiva a estímulos brutais ou grosseiros, que são aqueles que lhe agradam e despertam interesse. Ela viverá para si mesma e poderá ferir os outros para satisfazer oss eus desejos. Na sua ignorãncia e cegueira, ela poderá praticar acções perversas.
    •  Todos os três gunas dependem uns dos outros e ajudam-se mutuamente no precesso de evolução e no processo de autodesenvolvimento; No processo de se revelarem reciprocamente, um guna serve de degrau para o outro. Uma coisa que é estável e dominada por tamas recebe, de rajas, motivação e actividade. Oculto por tamas, sattva recebe o auxílio de rajas para trazer-se a si mesmo á luz. Os gunas nunca se separam um do outro, existem sempre como uma unidade e um par. Eles são apenas interconversiveis, um pode transformar-se no outro. Quando um guna domina, os outros dois formam um par que permanece latente. Mas esses dois nunca estão completamente distantes ou ausentes.
    •  A tradição do Ayurveda ensina que alimento não é apenas nutrição, não serve apenas para nutrir o corpo, mas também afecta a mente e a consciência, estando assim interligado aos Gunas. Assim os alimentos também são classificados como sattvicos, rajásicos e tamásicos de acordo com as qualidades mentais que eles promovem. Os alimentos sáttvicos : São fáceis de digerir, levam à percepção clara das coisas, desdobram-se em amor e compaixão; Promovem as qualidades do perdão e da austeridade. São puros leves, perfumados e activam os centros superiores de energia (chakras); Conduzem à pureza do ser, ao equilíbrio da mente, à disposição, à boa vontade, aguçam o discernimento, levam a uma mente tranquila e livre de desejos; Preparam para o desenvolvimento espiritual do homem, são geradores de luz e vitalidade. Preparam a mente para meditação.
    • Alimentos sáttvicos : Frutas e vegetais frescos; Grãos como o milho, o trigo, o arroz integral e a aveia; Fontes protéicas vegetais como as leguminosas, as oleaginosas e as sementes; Ervas, para serem utilizadas como tempero e para o preparação de infusões; Adoçantes naturais como o melado de cana, o suco de maçã e o açúcar mascavo.
    • Os alimentos rajásicos : São quentes, picantes e salgados; Irritam e estimulam; são “tentadores” do tipo “impossível de comer um só”, como biscoitos e batatas fritas. Estes alimentos fazem com que a mente fique mais susceptível às tentações; Estimulam exageradamente o corpo e a mente, perturbando o equilíbrio e causando stress físico e mental. São estimulantes do sistema nervosos e mobilizam a acção constante, levando-nos à inquietação e à ansiedade. São alimentos que geram muita activação dos centros energéticos (chakras) inferiores. Carnes vermelhas, peixe e aves; Ovos, pimenta, condimentos fortes, alho e cebola; Feijões não germinados, tomate; Sal, bebidas alcoólicas fermentadas (vinho, cerveja); Café, chá-mate, erva-mate, fumados, queijo e manteiga; Alimentos fritos, açúcar, bolos, chocolate e vegetais que não são da estação.
    • Os alimentos tamásicos : São pesados, conduzem à depressão, fazem as pessoas ficarem pesadas, lentas e preguiçosas.; Roubam muita energia vital (prana) do corpo, pois ao consumir um alimento sem vitalidade o corpo gasta muita energia vital para mobilizar todo o processo digestivo e excretor; O efeito dos alimentos tamásicos na mente só se fazem sentir quando se come em excesso. Se por exemplo alguém tem um excesso de qualidade rajásica, com hiper agitação e insónia, comer uma pequena quantidade de alimentos tamásicos vai ajudá-la a acalmar-se e a corrigir a insónia. Carnes de cordeiro, porco, queijos amarelos e gordurosos; Pão branco, massa branca, refrigerantes e conservas; Fast-food, doces artificiais, bolachas, biscoitos; Alimentos velhos (sobras) ou reaquecidos; Peixe, ovos, alimentos fritos, alimentos enlatados; Alimentos processados quimicamente, industrializados, refinados, empacotados, enchidos e bebidas alcoólicas.
    • Caldecott, Todd. – Ayurveda, The Divine Science of Life, MosbyElsivier, Inglaterra, 2006., ISBN- 13978-0- 7234- 3410-8Johari, Harish – Dhanwantari, Editora Pensamento, São Paulo, 1998.POLE, Sebastian. – Ayurvedic Medicine, Churchil Livingstone Elsevier, Inglaterra2006, ISBN- 13978-0-443-10090-1.vivendoayurveda.wordpress.com em 17/10/2011http://www.staryoga.com em 17/10/2011ayur-amrita.blogspot.com em 17/10/2011