Os gunas e a mente Diana Silva

  • 1,612 views
Uploaded on

O trabalho descreve a relação entre os Gunas e as funções mentais na forma como são descritas na Medicina Ayurvédica.

O trabalho descreve a relação entre os Gunas e as funções mentais na forma como são descritas na Medicina Ayurvédica.

More in: Education
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
1,612
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2

Actions

Shares
Downloads
0
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Instituto de Medicina TradicionalCurso de Naturopatia e Ciências Tradicionais Holísticas Medicina Ayurvédica Trabalho de: Diana Silva
  • 2.  Ayurveda significa “a ciência da vida” em Sãnscrito. É o sistema de cura mais antigo do qual dispomos, sendo proveniente dos “Vedas”, os primeiros textos escritos da humanidade; Por milhares de anos a Ayurveda e o Yoga foram inter-relacionados como sendo modalidades de tratamento físico e psicológico. O base do Ayurveda é a compreensão das energias existentes no corpo e na mente humana. Estas energias primordiais são chamadas de Doshas: Vata, Pitta e Kapha existentes nos nossos corpos e no universo físico. O Ayurveda apresenta uma visão diferente sobre a mente e sobre a origem psicossomática da doença ao propor a idéia de que existem três diferentes disposições mentais e espirituais chamadas Gunas. Estas disposições são Satva, Rajas e Tamas, e estão inerentes a todos os aspectos da vida.
  • 3. A mente é dividida em 4 partes, cada uma com a sua função específica.Sendo as quatro funções da mente : Manas, Ahamkara, Buddhi e Chitta.Manas É a mente inferior; É ela que interage com o mundo exterior, captando impressões sensoriais e informações.; Por natureza, manas questiona e duvida, podendo causar-nos problemas se essa tendência for excessiva.; Executa o papel de nos direccionar, mas não é quem toma as decisões chave, que está a cargo de Buddhi. Tende a seguir as “vozes” presentes no banco da memória das impressões, Chitta; Uma boa maneira de coordenar o funcionamento de Manas é vigiar os pensamentos e sentimentos, sem auto-culpa; Manas não é o chefe, mas o supervisor que dá as ordens directas aos sentidos cognitivos e activos .
  • 4. Chitta Chitta é o banco das memórias, onde as impressões captadas pelos sentidos são armazenadas. Se as funções de chitta não estiverem coordenadas, as incontáveis impressões armazenadas e que estão de forma latente tendem a se manifestar de maneira intensa, levando a nossa mente a agir em função de coisas não tão úteis. Quando a relação de Manas e Buddhi não estão coordenadas, as impressões latentes presentes em Chitta competem entre si e na maioria das vezes conseguem com que Manas direcione as suas informações, em vez das informações provenientes de Buddhi. Uma boa maneira de testemunhar o funcionamento de Chitta é ficar atento a pensamentos que surgem como uma onda sem causa aparente. Percebendo o surgir desses pensamentos fica mais fácil o controle e coordenação de Chitta com as outras funções da mente.
  • 5. Ahamkara Ahamkara é o senso da individualidade, do Eu (Ego); Identifica-nos com as nossas funcionalidades, mas no entanto também nos dá a sensação de separação, sofrimento e alienação. Ahamkara é a entidade que se apodera das experiências vividas. Uma boa maneira de perceber o funcionamento do Ego é estar ciente de que cada pensamento está acompanhado do sentimento de gosto ou desgosto. O Ego não deve ser aniquilado ou destruído. Ele deve ser conquistado e através do amor, e não da força. O Ego é algo muito importante, pois ele é uma espécie de interface entre a consciência e a mente. Sem ele a nossa consciência não conseguiria atuar nesse plano de existência.
  • 6. Buddhi Buddhi é a mente superior, o aspecto mais elevado da mente. Tem a capacidade de decidir, julgar e de fazer discriminações cognitivas e diferenciações. É através de Buddhi que podemos escolher o melhor caminho entre dois cursos de acção e se Buddhi estiver a funcionar de forma clara, Manas irá aceitar o direccionamento.  É Buddhi quem tem que ser o “tomador de decisões”. Temos que cultivar Buddhi, caso contrário, Manas irá seguir os direcionamentos dos nossos desejos e impressões armazenadas em Chitta.  No entanto, a mesma capacidade de discriminar acentua até certo ponto a nossa sensação de separatividade, vendo dualidade onde há unidade. Uma das maneiras de perceber a acção de buddhi é a identificação do que chamamos “intuição”.
  • 7.  Os Gunas podem ser descritos como energias, como qualidades ou forças. Eles representam um triângulo de forças simultaneamente opostas e complementares que governam tanto o universo físico como a nossa personalidade e padrões de pensamento na vida do dia-a-dia, dando origem às nossas realizações ou fracassos, alegrias ou infelicidades, saúde ou doença. Os três Gunas são as qualidades mais sutis da natureza que fundamentam a vida, matéria e mente. Eles são as energias através do qual não só da mente á superfície, mas as nossas funções mais profundas da consciência ,se regem. Eles são os poderes da alma, que mantêm os karmas e desejos que nos impulsionam desde o nascimento até á morte.
  • 8.  Eles são referidos como o "doshas mentais", uma vez que descrevem as qualidades e as actividades da mente. Viver em sociedade exige um equilíbrio entre os gunas, Sattva, Rajas e Tamas - um desequilíbrio pode resultar em agitação mental, o que pode resultar em desequilíbrio de Vata, Pitta e Kapha, levando a várias doenças. Assim, ao invés de tratar os sintomas da doença directamente, o tratamento em Ayurveda visa reequilibrar o seu doshas segundo a sua constituição (Prakriti), resultando num corpo e mente saudáveis Ao tornar-se familiarizado com o seu dosha e dosha mental cada pessoa pode levar uma vida que esteja mais em harmonia com sua natureza individual.
  • 9.  Sattva é a qualidade da virtude, inteligência e bondade e cria harmonia, equilíbrio e estabilidade; É leve e luminoso, na natureza e traz o despertar da alma; Sattva proporciona felicidade e contentamento de um carácter duradouro; É o princípio da amplitude, clareza e paz, a força do amor que une todas as coisas.Se Sattva predomina: Podemos ter momentos de inspiração, de afecto desinteressado, de alegria tranquila ou calma meditativa. A mente torna-se firme como a chama de uma lamparina num local onde não há vento. A mente equilibrada ajuda tanto a actividade quanto a meditação, e aquele que é predominantemente Sattvico pode meditar com eficácia e é capaz de ter uma verdadeira concentração. As qualidades da pessoa na qual Sattva predomina incluem a coragem, a integridade, a pureza, a capacidade de perdoar e a ausência da paixão, da raiva e do ciúme. Esta pessoa é calma e feliz.
  • 10. Pessoas de natureza sattivica: São naturalmente inteligentes, com uma boa memória, instintivamente ordenados, cuidam bem de si próprios e são conscientes da sua saúde. São gentis e atenciosos com os outros ,com boas maneiras . São focados no trabalho, no auto-aperfeiçoamento e em actividades intelectuais ou espirituais. Prontamente compartilham o que têm e gostam de o fazer, mas sem esperar nenhuma recompensa em troca. Vêem a vida como uma experiência de aprendizagem produtiva e não invejam a posição dos outros, nem guardam rancor. Eles não procuram acumular riqueza ou status. Assim, o homem sáttvico é um tipo humano superior, mais interiorizado, capaz de encontrar uma síntese lúcida no meio dos impactos externos, dos quais se vai deixando de tornar dependente. É o homem que encontra os Valores da Harmonia, da Justiça, da Verdade, da Sabedoria, e que se desapega das coisas que satisfazem o desejo egoísta. É o homem polarizado nos níveis superiores do Mental, em Buddhi-Manas, ou seja, a Mente (Manas) iluminada por Buddhi (Razão Pura, Discernimento, Intuição).
  • 11.  Rajas encerra movimento, agressividade e extroversão. É a qualidade da mudança, actividade e turbulência. Introduz o desequilíbrio mental. Rajas é motivado na sua acção sempre em busca de uma meta ou um fim que lhe dá poder. Enquanto que a curto prazo Rajas é estimulante e proporciona prazer, devido à sua natureza desequilibrada rapidamente resulta em dor e sofrimento. É a força da paixão que causa sofrimento e conflito. A mente rajásica opera no nível sensual. Indivíduos rajásicos interessam-se por negógios, prosperidade, poder e prestígio; gostam da riqueza e são geralmente extrovertidos.Se Rajas preomina: A pessoa com Rajas dominante nunca fica em paz. Rajas provoca explosões de raiva e gera um desejo intenso. Ele toma a pessoa inquieta e descontente, e dá origem a uma contínua actividade. Não consegue permanecer sentada, quieta; ela precisa de ter sempre algo para fazer. Rajas anseia sempre por mais poder para ser capaz de dominar os outro. A manifestação directa do Rajas dominante é a chama insaciável do desejo. Quanto mais ela consegue satisfazer os desejos, mais ela quer. Ela conquista riqueza, poder, reputação e fama, mas nunca é suficiente. Além disso, ele busca a satisfação contínua dos desejos (comida, sexo), a estimulação dos sentidos (música, cor, fragrância) e entretenimento (festas, as funções, festivais).
  • 12.  Ele pode ser bravo e corajoso, mas muitas vezes mostrar o ciúme, a malícia, crueldade, emoções excessivas e comportamento egoísta. Pessoas com este temperamento pode ser extremamente determinada, manipuladora, egoísta e orgulhoso. As pessoas de natureza rajásica raramente dão incondicionalmente. É sempre feito com alguma relutância e demonstrar generosidade (ou com alguma expectativa) ao invés de altruísmo genuíno. As relações são, portanto, baseadas principalmente nas suas próprias necessidades e desejos, em vez de interesse recíproco e respeito. com Sattva. A mente rajásica quer sempre novas sensações e variedade. Ela gosta de certas pessoas, objectos e lugares e agora, depois de algum tempo, torna-se desgostoso com eles. A mente rajásica tem uma tendência a olhar para os defeitos dos outros. Ele também lembra as más acções ou erros cometidos por outros e se esquece facilmente dos seus bons actos. Essas duas tendências intensificar o ódio e causar perturbação frequente na mente. Para que a pessoa tenha uma vida proveitosa e paz de espírito, Rajas precisa ser apaziguado e equilibrado .
  • 13.  Tamas manifesta-se na ignorância, na inércia, brutalidade e estupidez; tal como no desamparo, embotamento, e confusão; Leva á preguiça, egoísmo e tendência para destruir os outros; Pessoas tamásicas não alcançam a auto-realização e estão constantemente insatisfeitas.Se Tamas domina: A s pessoas são ignorantes, preguiçosas e com medos. Podem ser teimosos ou obstinados, e desatenciosos para com aqueles que os rodeiam. Pessoas tamásicas mostram pouco ou nenhum desejo de se melhorar fisicamente ou mentalmente, ou falta a força de vontade e disciplina para fazê-lo.; Há pouco ânimo, sendo algumas das suas piores características: a preguiça, obstinação e um desespero forte e profundo. Quando Tamas domina, a mente pode ficar esquecida, sonolenta, apática e incapaz de qualquer acção ou pensamento proveitoso. A pessoa dominada por Tamas pode se parecer mais com um animal do que com um ser humano; sem poder fazer um julgamento claro, ela pode deixar de distinguir entre o certo e o errado.
  • 14. Se Tamas domina: As pessoas tamásicas têm sono pesado e não são facilmente despertáveis, e geralmente são sedentários. É relativamente fácil reconhecer o homem tamásico pois caracteriza-se pela sua letargia, pela sua insensibilidade, pela lentidão e inanidade das reacções psicológicas, pela reacção quase exclusiva a estímulos brutais ou grosseiros, que são aqueles que lhe agradam e despertam interesse. Ela viverá para si mesma e poderá ferir os outros para satisfazer oss eus desejos. Na sua ignorãncia e cegueira, ela poderá praticar acções perversas.
  • 15.  Todos os três gunas dependem uns dos outros e ajudam-se mutuamente no precesso de evolução e no processo de autodesenvolvimento; No processo de se revelarem reciprocamente, um guna serve de degrau para o outro. Uma coisa que é estável e dominada por tamas recebe, de rajas, motivação e actividade. Oculto por tamas, sattva recebe o auxílio de rajas para trazer-se a si mesmo á luz. Os gunas nunca se separam um do outro, existem sempre como uma unidade e um par. Eles são apenas interconversiveis, um pode transformar-se no outro. Quando um guna domina, os outros dois formam um par que permanece latente. Mas esses dois nunca estão completamente distantes ou ausentes.
  • 16.  A tradição do Ayurveda ensina que alimento não é apenas nutrição, não serve apenas para nutrir o corpo, mas também afecta a mente e a consciência, estando assim interligado aos Gunas. Assim os alimentos também são classificados como sattvicos, rajásicos e tamásicos de acordo com as qualidades mentais que eles promovem. Os alimentos sáttvicos : São fáceis de digerir, levam à percepção clara das coisas, desdobram-se em amor e compaixão; Promovem as qualidades do perdão e da austeridade. São puros leves, perfumados e activam os centros superiores de energia (chakras); Conduzem à pureza do ser, ao equilíbrio da mente, à disposição, à boa vontade, aguçam o discernimento, levam a uma mente tranquila e livre de desejos; Preparam para o desenvolvimento espiritual do homem, são geradores de luz e vitalidade. Preparam a mente para meditação.
  • 17. Alimentos sáttvicos : Frutas e vegetais frescos; Grãos como o milho, o trigo, o arroz integral e a aveia; Fontes protéicas vegetais como as leguminosas, as oleaginosas e as sementes; Ervas, para serem utilizadas como tempero e para o preparação de infusões; Adoçantes naturais como o melado de cana, o suco de maçã e o açúcar mascavo.
  • 18. Os alimentos rajásicos : São quentes, picantes e salgados; Irritam e estimulam; são “tentadores” do tipo “impossível de comer um só”, como biscoitos e batatas fritas. Estes alimentos fazem com que a mente fique mais susceptível às tentações; Estimulam exageradamente o corpo e a mente, perturbando o equilíbrio e causando stress físico e mental. São estimulantes do sistema nervosos e mobilizam a acção constante, levando-nos à inquietação e à ansiedade. São alimentos que geram muita activação dos centros energéticos (chakras) inferiores. Carnes vermelhas, peixe e aves; Ovos, pimenta, condimentos fortes, alho e cebola; Feijões não germinados, tomate; Sal, bebidas alcoólicas fermentadas (vinho, cerveja); Café, chá-mate, erva-mate, fumados, queijo e manteiga; Alimentos fritos, açúcar, bolos, chocolate e vegetais que não são da estação.
  • 19. Os alimentos tamásicos : São pesados, conduzem à depressão, fazem as pessoas ficarem pesadas, lentas e preguiçosas.; Roubam muita energia vital (prana) do corpo, pois ao consumir um alimento sem vitalidade o corpo gasta muita energia vital para mobilizar todo o processo digestivo e excretor; O efeito dos alimentos tamásicos na mente só se fazem sentir quando se come em excesso. Se por exemplo alguém tem um excesso de qualidade rajásica, com hiper agitação e insónia, comer uma pequena quantidade de alimentos tamásicos vai ajudá-la a acalmar-se e a corrigir a insónia. Carnes de cordeiro, porco, queijos amarelos e gordurosos; Pão branco, massa branca, refrigerantes e conservas; Fast-food, doces artificiais, bolachas, biscoitos; Alimentos velhos (sobras) ou reaquecidos; Peixe, ovos, alimentos fritos, alimentos enlatados; Alimentos processados quimicamente, industrializados, refinados, empacotados, enchidos e bebidas alcoólicas.
  • 20. Caldecott, Todd. – Ayurveda, The Divine Science of Life, MosbyElsivier, Inglaterra, 2006., ISBN- 13978-0- 7234- 3410-8Johari, Harish – Dhanwantari, Editora Pensamento, São Paulo, 1998.POLE, Sebastian. – Ayurvedic Medicine, Churchil Livingstone Elsevier, Inglaterra2006, ISBN- 13978-0-443-10090-1.vivendoayurveda.wordpress.com em 17/10/2011http://www.staryoga.com em 17/10/2011ayur-amrita.blogspot.com em 17/10/2011