Your SlideShare is downloading. ×
0
Futurismo
Futurismo
Futurismo
Futurismo
Futurismo
Futurismo
Futurismo
Futurismo
Futurismo
Futurismo
Futurismo
Futurismo
Futurismo
Futurismo
Futurismo
Futurismo
Futurismo
Futurismo
Futurismo
Futurismo
Futurismo
Futurismo
Futurismo
Futurismo
Futurismo
Futurismo
Futurismo
Futurismo
Futurismo
Futurismo
Futurismo
Futurismo
Futurismo
Futurismo
Futurismo
Futurismo
Futurismo
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Futurismo

46,742

Published on

Published in: Education, News & Politics
0 Comments
9 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
46,742
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
8
Actions
Shares
0
Downloads
1,057
Comments
0
Likes
9
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Futurismo A exaltação da máquina e a poética da velocidade (1909)
  • 2. Futurismo O futurismo é um movimento artístico e literário, que surgiu oficialmente em 20 de fevereiro de 1909 com a publicação do Manifesto Futurista , pelo poeta italiano Filippo Marinetti , no jornal francês Le Figaro . Os adeptos do movimento rejeitavam o moralismo e o passado, e as suas obras baseavam-se fortemente na velocidade e nos desenvolvimentos tecnológicos do final do século XIX. Os primeiros futuristas europeus também exaltavam a guerra e a violência. O futurismo desenvolveu-se em todas as artes , influenciando vários artistas que posteriormente instituíram outros movimentos modernistas. Repercutiu principalmente na França e na Itália , onde vários artistas , entre eles Marinetti, se identificaram com o fascismo. Contexto
  • 3.  
  • 4. Futurismo
    • Lançado por Marinetti no manifesto “Le Futurisme”, 1909.
    • Surge entre o Simbolismo e a 1ª Guerra Mundial.
    • Exalta a vida moderna.
    • Culto da máquina e da velocidade.
    • Destruição do passado e do academicismo
    • Liberdade de expressão- as palavras devem “estar em liberdade”
    • Atitude de irreverência
    • Destruição de códigos e valores cristalizados, arte agressiva
    • “ É preciso destruir a sintaxe, dispondo os substantivos ao acaso, como nascem”. (Manifesto Futurista, 1912)
    • Imaginação sem fios - acentua a valorização da escrita por elos soltos, fora das redes lógico-gramaticais - associação livre dos elementos
    Características
  • 5. Giacomo Balla
  • 6. Futurismo
    • Reunir beleza e fealdade ou o que era considerado grotesco e era excluído da poesia do passado. Criar cuidadosamente a partir do feio na literatura.
    • O futurismo foi, em linhas gerais, um movimento estético mais de manifestos que de obras
    • Procura-se neste estilo expressar o movimento real, registrando a velocidade descrita pelas figuras em movimento no espaço
    • "é mais belo um ferro elétrico que uma escultura” - exaltação da máquina/tecnologia
    • O grupo pretendia fortalecer a sociedade italiana através de uma pregação patriótica que incluía a aceitação e exaltação da tecnologia - associação com o Fascismo
    Características
  • 7. Umberto Boccioni
  • 8. Futurismo Manifesto técnico da literatura futurista - “Museus, cemitérios!… Idênticos verdadeiramente no seu sinistro acotovelamento de corpos que não se conhecem” - “Abolir também a pontuação. Para acentuar certos movimentos e indicar as suas direções, se empregarão os sinais da matemática: + - x : = < > e os sinais musicais” - “Nós entramos nos domínios ilimitados da livre intuição. Do verso livre, eis finalmente a palavra em liberdade” - “Tendo a literatura até aqui enaltecido a imobilidade pensativa, o êxtase e o sono, nós queremos exaltar o movimento (...) a bofetada e o soco” Manifestos Futuristas
  • 9.  
  • 10. Futurismo Ode triunfal - Álvaro de Campos       À dolorosa luz das grandes lâmpadas eléctricas da fábrica       Tenho febre e escrevo.       Escrevo rangendo os dentes, fera para a beleza disto,       Para a beleza disto totalmente desconhecida dos antigos.       Ó rodas, ó engrenagens, r-r-r-r-r-r-r eterno!       Forte espasmo retido dos maquinismos em fúria!       Em fúria fora e dentro de mim,       Por todos os meus nervos dissecados fora,       Por todas as papilas fora de tudo com que eu [sinto!       Tenho os lábios secos, ó grandes ruídos [modernos,       De vos ouvir demasiadamente de perto,       E arde-me a cabeça de vos querer cantar com um excesso       De expressão de todas as minhas sensações,       Com um excesso contemporâneo de vós, ó máquinas! Poema futurista
  • 11.  
  • 12. Futurismo A pintura futurista foi influenciada pelo cubismo e pelo abstracionismo , mas a utilização de cores vivas (divisionismo), estridentes e violentas, contrastes e a sobreposição das imagens que pretendiam dar a ideia de dinamismo – deformação e desmaterialização por que passam os objectos e o espaço quando ocorre a acção. Para isso recorreram à decomposição geométrica das formas, através de linhas quebradas em ângulo agudo (mais dinâmico), ou linhas sinuosas. Para os futuristas, os objectos não se esgotam no contorno aparente e os seus aspectos interpenetram-se continuamente a um só tempo. Procura-se neste estilo expressar o movimento real, registrando a velocidade descrita pelas figuras em movimento no espaço, obtendo-se uma expressividade dinâmica transmissora de emoções fortes, acção, coragem… O artista futurista não está interessado em pintar um automóvel, mas captar a forma plástica a velocidade descrita por ele no espaço. A Pintura Futurista
  • 13. Futurismo Os seus primeiros seguidores foram Umberto Boccioni , Carlo Carrá e Luigi Russolo , que lançaram um manifesto no teatro Chiasella em Turim, em 8 de março de 1910. A Pintura Futurista
  • 14. Futurismo Na sua obra o pintor italiano tentou endeusar os novos avanços científicos e técnicos por meio de representações totalmente desnaturalizadas, embora sem chegar a uma total abstracção.Mesmo assim, mostrou grande preocupação com o dinamismo das formas, com a situação da luz e a integração do espectro cromático. A formação académica de Balla restringiu-se a um curso nocturno de desenho, de dois meses de duração, na Academia Albertina de Turim, a sua cidade natal. Giacomo Balla (1871-1958)
  • 15. Futurismo Em 1895 o pintor mudou-se para Roma. Cinco anos mais tarde, fez uma viagem a Paris, onde entrou em contacto com a obra dos impressionistas e neo-impressionistas e participou em várias exposições. De volta a Roma, conheceu Marinetti, Boccioni e Severini. Um ano mais tarde, juntava-se a eles para assinar o Manifesto Técnico da Pintura Futurista. Apresentou em 1912 o seu primeiro quadro futurista intitulado Cão na Coleira ou Cão Atrelado. Dissolvido o movimento, Balla retornou às suas pinturas realistas e voltou-se para a escultura e a cenografia. Giacomo Balla
  • 16.  
  • 17.  
  • 18. Automóvel a acelerar, Giacomo Balla
  • 19. Giacomo Balla: Velocità d’automobile, 1913,Olio su cartone
  • 20. Futurismo Junto com Giorgio De Chirico, ele separar-se-ia finalmente do futurismo para se dedicar àquilo que eles próprios dariam o nome de Pintura Metafísica. Enquanto ganhava o seu sustento como  pintor-decorador frequentava as aulas de pintura na Academia Brera, em Milão. Em 1900 fez a sua primeira viagem a Paris, contratado para a decoração da Exposição Mundial. De lá mudou-se para Londres. Ao voltar, retomou as aulas na Academia Brera e conheceu Boccioni e o poeta Marinetti. Um ano mais tarde assinou o Primeiro Manifesto Futurista, redigido pelo poeta italiano e publicado no jornal Le Figaro. Nessa época iniciou os seus primeiros estudos e esboços de Ritmo dos Objectos e Comboios, por definição as suas obras mais futuristas.  Carlo Carrà (1881-1966)
  • 21. Futurismo Numa segunda viagem a Paris entrou em contacto com Apollinaire, Modigliani e Picasso. A partir desse momento começaram a aparecer as referências cubistas nas suas obras. Carrà não deixou de comparecer às exposições futuristas de Paris, Londres e Berlim, mas já em 1915 separou-se definitivamente do grupo.  Juntou-se a Giorgio De Chirico e realizou a sua primeira pintura metafísica. Nas suas últimas obras retornou ao cubismo. Publicou vários trabalhos, entre eles La Pittura Metafísica (1919) e La Mia Vita (1943). Representante do futurismo e mais tarde da pintura metafísica, influenciou a arte do seu país nas décadas de 1920 e 1930.   Carlo Carrà
  • 22.  
  • 23.  
  • 24. Futurismo A sua obra manteve-se sob a influência do cubismo, mas incorporando os conceitos de dinamismo e simultaneidade: formas e espaços que se movem ao mesmo tempo e em direcções contrárias. Nascido em Reggio di Calábria, Boccioni mudou-se ainda muito jovem para Roma, onde estudou em diferentes academias. Conheceu os pintores Balla e Severini. No início, mostrou-se interessado na pintura impressionista, e principalmente na obra de Cézanne. Fez então algumas viagens a Paris, São  Petersburgo e Milão. Ao voltar, entrou em contacto com Carrà e Marinetti e um ano depois encontrava-se entre os autores do Manifesto Futurista de Pintura, do qual foi um dos principais teóricos. Foi com a intenção de procurar as bases dessa nova estética que ele viajou a Paris, onde se encontrou com Picasso e Braque. Umberto Boccioni (1882-1916)
  • 25. Dynamism of a Man's Head - 1914 Pasted papers, watercolor, gouache, ink,and oil on canvas Civico Museo d'Arte Contemporanea, Palazzo Reale, Milan Horizontal Volumes - 1912 Oil on canvas Staatsgalerie Moderner Kunst, Munich
  • 26. Futurismo Ao retornar, publicou o Manifesto Técnico da Pintura Futurista, no qual foram registrados os princípios teóricos da arte futurista: condenação do passado, desprezo pela representação naturalista, indiferença em relação aos críticos de arte e rejeição dos conceitos de harmonia e bom gosto aplicados à pintura. Em 1912, participou da primeira exposição futurista. Um ano mais tarde, com sua obra Dinamismo de um Jogador de Futebol, Boccioni conseguiu finalmente fazer a representação do movimento por meio de cores e planos desordenados, como num pseudofotograma. Durante a Primeira Guerra Mundial, o pintor alistou-se como voluntário e ao voltar publicou o livro Pittura, Scultura Futurista, Dinâmico Plástico (Pintura, Escultura Futurista, Dinamismo Plástico). Morreu dois anos depois, em 1916, na cidade de Verona. Umberto Boccioni
  • 27. Dynamism of a Soccer Player - 1913 Oil on canvas Museum of Modern Art, New York
  • 28. Futurismo Montada sobre um pedestal duplo, a extraordinária estátua de bronze &quot;Unique Form of Continuity in Space&quot; parece uma figura a avançar a passos largos. Os elementos arredondados e angulares desta obra assemelham-se a formas de plantas e animais, mas também evocam as formas e o movimento das máquinas. A sua pintura abordou temas político-anarquistas, cenas de grande movimentação de figuras em tensão dinâmica e mesmo composições quase abstractas, articuladas pelas linhas-força. Foi inovador na escultura, rompendo com a tradição de Rodin e procurando solucionar todos os aspectos da forma dinâmica na linguagem tridimensional. Realizou, ainda, experiências com materiais não tradicionais da escultura, justapondo e articulando vidro, madeira e couro, em trabalhos que chamou de polimaterici (polimatéricos). Umberto Boccioni
  • 29. Formas únicas de continuidade no espaço, 1913, bronze - Boccioni
  • 30.  
  • 31.  
  • 32. Futurismo
    • 1909 e a Primeira Grande Guerra: formação e definição do movimento em Itália, e divulgação pela Europa, nomeadamente na Rússia (Futurismo Russo e Raionismo), e Inglaterra (Vorticismo);
    • Entre as Grandes Guerras (1918-1944): alargamento do Futurismo a outras modalidades plásticas, como o design industrial, o estilismo e o cinema. Mussolini aproveitou os ideais dinâmicos e revolucionários para propagar o regime;
    • 1947-1950: restringiu-se à França onde houve um a breve tentativa de restabelecimento desta corrente.
    Fases
  • 33.  
  • 34.  
  • 35. Antonio SANT’ELIA Cemitério de Monza 1912 – projeto
  • 36. Antonio SANT’ELIA Città Nuova 1914 – projeto
  • 37. Antonio SANT’ELIA Città Nuova 1914 – projeto

×