Movimento  Arts & Crafts William Morris,  “Artichoke Wallpaper”, c1897. Na segunda metade do séc. XX, o processo de fabric...
Movimento  Arts & Crafts Tais factos não passaram despercebidos a alguns teóricos ingleses da época, como  Jonh Ruskin  (1...
Movimento  Arts & Crafts Ruskin e Morris lutaram por uma arte pura, assente na criação e na concepção individual, na origi...
Movimento  Arts & Crafts Para isso a arte e os artistas deviam rejeitar os processos industriais e os seus materiais, regr...
Movimento  Arts & Crafts <ul><ul><li>Em 1861 Morris abriu uma firma artesanal dedicada à decoração de interiores e à produ...
Movimento  Arts & Crafts Estava assim lançado o  Movimento Arts & Crafts , que deu origem a inúmeros outros ateliers artes...
Na arquitectura notabilizaram-se a construção de moradias familiares rústicas que seguiam a tradição rural inglesa, que re...
 
 
Victor Horta, Hotel Tassel , 1890s.
Hotel Tassel (Victor Horta) – 1 st  Art Nouveau Building in the World
 
 
 
 
Nas  Artes Aplicadas  privilegiaram-se critérios de simplicidade e pureza formais, associados a motivos decorativos inspir...
Entre 1880 e 1910, as sociedades europeias viveram um momento particularmente feliz que a História apelidou de Belle Époqu...
Foi este clima que instalou o  Modernismo  – um Movimento cultural e artístico que atingiu todas as artes e que ficou marc...
<ul><li>O grande estilo que integrou este movimento foi a Arte Nova (1880-1914), que abarcou diferentes cunhos individuais...
 
Estes princípios eram: 1º  Inovação Formal  – Originalidade e Criatividade 2º  Adesão ao progresso  – recurso às novas téc...
<ul><li>Para além do formulário técnico e estético do Movimento Arts & Crafts, a Arte Nova colheu influências formais e es...
 
O Nome de 'Art Nouveau' derivou do nome de uma loja parisiense, a  Maison de l'Art Nouveau , que vendia e e tinha em expos...
 
 
 
 
 
 
Transformada na mais genuína expressão da sua época, a Arte Nova exprimiu a modernidade numa fórmula onde estética e técni...
Implantou-se solidamente nos centros urbanos como símbolo do seu modo de vida, e nas zonas mais atingidas pelo desenvolvim...
Um dos méritos da arquitectura modernista da Arte Nova é o de ter conseguido romper com as tradições historicistas e ecléc...
Antonio Gaudí  Antonio Gaudí,   Casa Milà, 1905-1907.  ART NOUVEAU Antonio Gaudi (1852-1926) foi um dos mais originais e c...
Antonio Gaudí  Antonio Gaudí,   Casa Battlo, 1905-1907.  ART NOUVEAU Gaudi combinava de forma original o betão, o ferro, o...
Antonio Gaudí  Antonio Gaudí,   Casa Battlò, 1905-1907.  ART NOUVEAU
Antonio Gaudí,   La Sagrada Familia 1882-2026.  ART NOUVEAU Foi apelidado de arquitecto-escultor e arquitecto- poeta. A Ca...
Antonio Gaudí,   Parque Guel Barcelona, Spain 1905-1907  ART NOUVEAU
Antonio Gaudí,   Parque Guel Barcelona, Spain 1905-1907  ART NOUVEAU
Antonio Gaudí,   Parque Guel Barcelona, Spain 1905-1907  ART NOUVEAU
Antonio Gaudí,   Parque Guel - pormenor
Na Áustria, o modernismo nasce a partir de Otto Wagner e Adolf Loo, protagonistas da corrente renovadora que contaminou a ...
Gustav Klimt,   O Beijo, 1907-1908.  ART NOUVEAU Gustav Klimt,   O Abraço, ART NOUVEAU
Gustav Klimt,   A Árvore da Vida.  ART NOUVEAU Gustav Klimt,   A Morte e a Vida, ART NOUVEAU
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Arts & Crafts e Arte Nova

23,582
-1

Published on

Descrição do Movimento Arts & Crafts, pela inspiração de William Morris, e o nascimento da Arte Nova

Published in: Education
4 Comments
12 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total Views
23,582
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
8
Actions
Shares
0
Downloads
816
Comments
4
Likes
12
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Arts & Crafts e Arte Nova

  1. 1. Movimento Arts & Crafts William Morris, “Artichoke Wallpaper”, c1897. Na segunda metade do séc. XX, o processo de fabrico industrial invadiu todos os sectores de produção, nomeadamente os dos objectos utilitários que podiam, simultaneamente ser portadores de intenções decorativas e artísticas – as Artes Aplicadas. Fabricados massivamente e em série, estes objectos primavam pelo exagerado ornamentalismo, pela vulgaridade da forma e pela falta de originalidade e de gosto.
  2. 2. Movimento Arts & Crafts Tais factos não passaram despercebidos a alguns teóricos ingleses da época, como Jonh Ruskin (1819-1900) e William Morris (1834-1896). Foram eles os mentores e dinamizadores do movimento Arts & Crafts , que rejeitava a influência da industrialização na Arte, procurando a sua revalorização pela separação total entre a arte e a indústria e pela ligação instrínseca entre a criação artística de uma obra e a sua execução técnica.
  3. 3. Movimento Arts & Crafts Ruskin e Morris lutaram por uma arte pura, assente na criação e na concepção individual, na originalidade e no bom gosto, cujos princípios se deviam aplicar a todas as modalidades artísticas, sem distinção alguma - conceito de unidade das artes – que tende a apagar as diferenças tradicionais entre as várias modalidades artísticas (artes maiores e artes menores), considerando que todas são merecedoras de igual qualidade plástica, e que devem nortear-se pelos mesmos princípios formais e estéticos.
  4. 4. Movimento Arts & Crafts Para isso a arte e os artistas deviam rejeitar os processos industriais e os seus materiais, regressando ao processo criativo das corporações medievais, ao uso exclusivo de materiais naturais e ao fabrico de peças únicas e originais, pelo método artesanal. Propuseram como fonte de inspiração o foclore e as tradições populares de cada país.
  5. 5. Movimento Arts & Crafts <ul><ul><li>Em 1861 Morris abriu uma firma artesanal dedicada à decoração de interiores e à produção de “objectos úteis, com qualidade estética, a preços competitivos com os da indústria”. </li></ul></ul><ul><ul><li>Mais tarde criou um atelier onde reuniu a colaboração de artistas plásticos e mestres artesãos para a produção de obras no campo da arquitectura, mobiliário, tapeçaria, papel de parede, vidros, joalharia e até da encadernação e ilustração de livros. </li></ul></ul>
  6. 6. Movimento Arts & Crafts Estava assim lançado o Movimento Arts & Crafts , que deu origem a inúmeros outros ateliers artesanais por toda a Inglaterra. Foi sob a influência destas oficinas que germinaram as raízes da Arte Nova e do Design .
  7. 7. Na arquitectura notabilizaram-se a construção de moradias familiares rústicas que seguiam a tradição rural inglesa, que remontava à Idade Média. The Gamble House, Pasadena, CA, 1908. Arts & Crafts Movement
  8. 10. Victor Horta, Hotel Tassel , 1890s.
  9. 11. Hotel Tassel (Victor Horta) – 1 st Art Nouveau Building in the World
  10. 16. Nas Artes Aplicadas privilegiaram-se critérios de simplicidade e pureza formais, associados a motivos decorativos inspirados nas plantas, nos pássaros e noutros animais, organizados em densos e complexos padrões de desenho plano e linear.
  11. 17. Entre 1880 e 1910, as sociedades europeias viveram um momento particularmente feliz que a História apelidou de Belle Époque. À paz e à aparente estabilidade política deste fim de século somavam-se as conquistas e os progresso científico, técnico e económico, criando um clima de optimismo e confiança no futuro, que proporcionou extraordinárias inovações no campo da Arte.
  12. 18. Foi este clima que instalou o Modernismo – um Movimento cultural e artístico que atingiu todas as artes e que ficou marcado pela ruptura com a tradição na procura de novas expressões – formais, técnicas e estéticas – que melhor correspondessem ao progresso e aos novos gostos que as sociedades ocidentais haviam desenvolvido – privilegiando a sensibilidade e a fantasia, o refinamento estético e a imaginação, numa acentuação pelo decorativo e pitoresco. Alphonse Mucha
  13. 19. <ul><li>O grande estilo que integrou este movimento foi a Arte Nova (1880-1914), que abarcou diferentes cunhos individuais, diferentes escolas regionais e/ou nacionais, e diferentes designações sob alguns princíos unificadores: </li></ul><ul><li>Modern Style na Inglaterra </li></ul><ul><li>Art Nouveau na França e Bélgica </li></ul><ul><li>Jugendstile na Alemanha </li></ul><ul><li>Sezession na Áustria </li></ul><ul><li>Liberty e Florare na Itália </li></ul><ul><li>Modernismo na Espanha </li></ul>
  14. 21. Estes princípios eram: 1º Inovação Formal – Originalidade e Criatividade 2º Adesão ao progresso – recurso às novas técnicas e novos materiais (ladrilho cozido, ferro, vidro, betão e outros) 3º Adopção de uma nova estética – linha sinuosa, elástica e flexível, estilizada ou geometrizada, na procura do movimento, do ritmo, da expressão e do simbolismo poético, de intuito decorativo.
  15. 22. <ul><li>Para além do formulário técnico e estético do Movimento Arts & Crafts, a Arte Nova colheu influências formais e estéticas de outros estilos: </li></ul><ul><li>Gótico flamejante </li></ul><ul><li>Rococó </li></ul><ul><li>Pinturas Japonesas </li></ul><ul><li>- Folclore tradicional inglês, de origem celta </li></ul>
  16. 24. O Nome de 'Art Nouveau' derivou do nome de uma loja parisiense, a Maison de l'Art Nouveau , que vendia e e tinha em exposição objectos que seguiam esta abordagem do design. Louis Comfort Tiffany, Glass Vase , c1910.
  17. 31. Transformada na mais genuína expressão da sua época, a Arte Nova exprimiu a modernidade numa fórmula onde estética e técnica, tradição e inovação se misturavam em doses iguais.
  18. 32. Implantou-se solidamente nos centros urbanos como símbolo do seu modo de vida, e nas zonas mais atingidas pelo desenvolvimento industrial, comercial e capitalista do seu tempo. Aplicou-se a sua estética a todas as modalidades artísticas – arquitectura, pintura, escultura , artes aplicadas, artes gráficas, dança e bailado – comungando o princípio da unidade das artes que Morris tinha anunciado.
  19. 33. Um dos méritos da arquitectura modernista da Arte Nova é o de ter conseguido romper com as tradições historicistas e eclécticas da arquitectura académica para implantar, finalmente, o primeiro estilo verdadeiramente inovador do séc. XIX, conseguindo conjugar na perfeição as conquistas técnicas e construtivas da engenharia do seu tempo com as elevadas exigências formais e estéticas dos arquitectos.
  20. 34. Antonio Gaudí Antonio Gaudí, Casa Milà, 1905-1907. ART NOUVEAU Antonio Gaudi (1852-1926) foi um dos mais originais e criativos arquitectos do Modernismo europeu. Do seu estilo muito pessoal, onde predominam as influências locais de raiz gótica e mudéjar, ressalta a organicidade das plantas e das construções, a modelação dinâmica dos volumes, o naturalismo e pitoresco das formas ornamentais.
  21. 35. Antonio Gaudí Antonio Gaudí, Casa Battlo, 1905-1907. ART NOUVEAU Gaudi combinava de forma original o betão, o ferro, o vidro e as madeiras com o tijolo, as cerâmicas e azulejos multicores. Imaginativos, excêntricos, sugestivos e evocadores, os seus edifícios assemelhavam-se a gigantescas esculturas de enorme poder expressivo.
  22. 36. Antonio Gaudí Antonio Gaudí, Casa Battlò, 1905-1907. ART NOUVEAU
  23. 37. Antonio Gaudí, La Sagrada Familia 1882-2026. ART NOUVEAU Foi apelidado de arquitecto-escultor e arquitecto- poeta. A Categral da Sagrada Família foi a construção a que dedicou toda a sua via e que deixou incompleta.
  24. 38. Antonio Gaudí, Parque Guel Barcelona, Spain 1905-1907 ART NOUVEAU
  25. 39. Antonio Gaudí, Parque Guel Barcelona, Spain 1905-1907 ART NOUVEAU
  26. 40. Antonio Gaudí, Parque Guel Barcelona, Spain 1905-1907 ART NOUVEAU
  27. 41. Antonio Gaudí, Parque Guel - pormenor
  28. 42. Na Áustria, o modernismo nasce a partir de Otto Wagner e Adolf Loo, protagonistas da corrente renovadora que contaminou a arquitectura europeia. Na pintura foi Gustave Klimt (1862-1918) que, conjugando figuras realistas com fundos decorativos, elaborou uma plástica de referências líricas, tão singular quanto misteriosa. Gustav Klimt Gustav Klimt, Adele Bloch Bauer, ART NOUVEAU
  29. 43. Gustav Klimt, O Beijo, 1907-1908. ART NOUVEAU Gustav Klimt, O Abraço, ART NOUVEAU
  30. 44. Gustav Klimt, A Árvore da Vida. ART NOUVEAU Gustav Klimt, A Morte e a Vida, ART NOUVEAU
  1. A particular slide catching your eye?

    Clipping is a handy way to collect important slides you want to go back to later.

×