Trabalho De Grupo 3
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Like this? Share it with your network

Share
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
410
On Slideshare
403
From Embeds
7
Number of Embeds
2

Actions

Shares
Downloads
2
Comments
0
Likes
0

Embeds 7

http://grupo2ucp.blogspot.com 6
http://www.blogger.com 1

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Introdução aos Estudos Linguísticos Grupo 2: Amílcar Morais, Ana Madeira, Catarina Marques, Luís Vicente, Patrícia Ribeiro e Sílvia Zunígia Introdução: No âmbito da unidade curricular Introdução aos Estudos Linguísticos, foi- nos proposto um trabalho. Este trabalho pretende que nos debrucemos sobre a temática dos dialectos existentes na Língua Gestual, em Portugal. Foi-nos pedida 2 actividades, em grupo, sendo: Actividade 5 e Actividade 6 Desenvolvimento: A Língua Gestual Portuguesa é a língua utilizada pela Comunidade Surda portuguesa. Tal como acontece com a Língua Portuguesa, a Língua Gestual não é ”falada” de forma igual em todo o país. Em algumas regiões de Portugal, as pessoas Surdas foram criando pequenas comunidades e foram surgindo gestos característicos dessa região, criados pelos Surdos pertencentes a essa Comunidade. Em Portugal, as principais regiões dialectais de LGP encontram-se em Lisboa, no Porto, em Coimbra, em S. Miguel (Açores) e no Funchal (Madeira). Porquê nestas regiões? A resposta é simples. Devido ao facto de ter sido em Lisboa, Porto e Coimbra que surgiram os primeiros colégios/institutos para Surdos em Portugal. Os Surdos que se encontravam nas ilhas insulares - Madeira e Açores – eram enviados para o continente para serem instruídos. Em cada um destes colégios/institutos o ensino funcionava em regime de internato e apesar da Língua Gestual ser proibida, os alunos Surdos
  • 2. interagiam às escondidas e desenvolviam a Língua Gestual existente e criavam novos gestos. Como não existia contacto entre os Surdos dos diferentes colégios/institutos, não existia intercâmbio gestual. Quando os alunos completavam a sua instrução regressavam ao seu local de origem e só aí divulgavam os gestos adquiridos/criados em cada colégio/instituição. No entanto, é importante referir também que muito desses gestos sofreram novas variações linguísticas. Metodologia: Para este trabalho, escolhemos 20 gestos (dialectais de LGP), estes gestos que variam consoante a região em que nos encontramos. Estes gestos designam a mesma palavra e descrevemo-los de seguida: ÁGUA(2), MORADA(1), ALEMANHA(1), PRÁTICA(1), PORTUGUÊS(2), PROFESSOR (1), MÃE(1), VERDE(1), AMARELO(2), AZUL(1), HOSPITAL(1), QUEIXA(1), TÀXI(2) e LISBOA(1), Apresentando os vídeos e observando os gestos: Configuração das mãos, expressão facial, orientação, localização, movimento: LISBOA – Configuração em “L”, palma para a frente, ponta do dedo para cima, movimento repetido, para um lado e para outro; ÁGUA – Configuração em “b”, palma para o lado oposto, à altura da boca, movimento em direcção à boca, entrando ligeiramente; PORTUGUÊS – Configuração de “pistola”, palma e ponta do indicador para baixo, ponta do polegar encosta ao peito (em direito); AMARELO – Configuração de “pinça fechada”, palma para a frente, pontas dos dedos para cima, à altura do ombro, movimento repetido duas vezes de circular;
  • 3. PORTO – Configuração em “P”, palma para cima, pontas dos dedos para o lado oposto, à altura e à frente do peito, movimento repetido para dentro e para fora (duas vezes); ÁGUA – Configuração de “mão aberta” palma para o lado oposto, à altura da boca, movimento em direcção à boca, entrando ligeiramente; MORADA – Configuração em “sete”, palma para o lado oposto, pontas dos dedos para o lado oposto, à altura do queixo, onde encosta; ALEMANHA – Configuração em “ indicar”, braço levantado com a mão à altura da fonte do mesmo lado, palma para o lado oposto, indicador para cima, movimento repetido (duas vezes) do indicador para dentro e para fora; PRÁTICA – Configuração em “um” (duas mãos) antebraço flectido para o lado oposto, palma para baixo e pontas dos dedos, movimento repetido e direito para dentro e para fora; MADEIRA – Configuração em “u”, palma para o lado oposto, pontas dos dedos para cima, à altura da testa, indicador e médio encostam ao temporal, fazendo movimento circular; PROFESSOR – Configuração de “Bico de Águia”, palma para o lado oposto, pontas dos dedos ao pé do olho direito, movimento repetido e direito para dentro e para fora; AMARELO – Configuração de “Mão aberta”, palma para o lado oposto, á altura da barriga, fazendo movimento circular; PORTUGUÊS – Configuração de “indicar”, palma para baixo, ponta do dedo para o lado oposto, à altura do queixo onde o indicador toca; movimento repetido para fora e para trás;
  • 4. MÃE - Configuração em “sete”, palma para o lado oposto, pontas dos dedos para o lado oposto, à altura da boca, onde encosta; AÇORES – Configuração em “5”, palma para baixo, à altura da boca, polegar encostado ao canto da boca do mesmo lado, movimento curvo do polegar para trás e para baixo; PROFESSOR – Configuração em “bico de pássaro”, palma para baixo, à altura e em frente do peito, movimento como se estivesse a escrever, sobre a palma da outra mão e outra mão: configuração em “um”, palma para cima, pontas dos dedos para o lado oposto, em frente do peito, por baixo da mão dominante; AMARELO - Configuração em “ indicar”, braço levantado com a mão à altura da fonte do mesmo lado, palma para o lado oposto, indicador à altura da cara, indicador encosta ao temporal, fazendo movimento circular; VERDE – Configuração de “mão fechada” (duas mãos) antebraço flectido para o lado oposto, palma para baixo e pontas dos dedos, movimento repetido e fazendo movimento circular (cada mão à direita e outra esquerda movimentar- se até bate as mãos); AZUL – Configuração de “mão aberta” (duas mãos), antebraços ligeiramente flectidos para os lados opostos, mãos ao mesmo nível e encostadas, palmas para baixo e pontas dos dedos para a frente, movimento curvo de afastamento das mãos para os mesmos lados com dedos movimentar-se. COIMBRA – Configuração de “um”, palma para cima, pontas dos dedos para o lado oposto, antebraço flectido para o lado oposto, movimento de torsão do peito para dentro (em esquerdo) movimento curvo da mão para cima, tocando no ombro (em esquerdo); QUEIXA – Configuração de “Z”, antebraço levantado com a mão à altura do queixo, palma para o emissor, movimento repetido em direcção a boca, tocando-lhes com a ponta do indicador, com a língua da boca;
  • 5. HOSPITAL – Configuração de “garra aberta”, palma para o lado oposto, pontas dos dedos para cima, à altura da testa, o indicador e braço levantado com a mão à cima; TÀXI – Configuração de “mão fechada” (duas mãos) antebraço flectido para o lado oposto, palma para baixo, pontas dos dedos e braços cruzados, à altura da cabeça; LISBOA - Configuração de “indicar” (duas mãos), antebraços ligeiramente flectidos para os lados opostos, mãos ao mesmo nível e encostadas, palmas para baixo e pontas dos dedos onde indicadores pouco afastamento, movimentar-se para a cima e baixo (duas vezes); Conclusão: Este trabalho foi para nós bastante enriquecedor, na medida em que através da curta investigação que realizamos, nos possibilitou reflectir sobre os vários dialectos existentes no nosso país.