BRASIL  ENERGIA Prof. Marco Aurélio Gondim www.marcoaurelio.tk
Fontes renováveis e não renováveis <ul><li>Recursos energéticos não renováveis: uma vez utilizados e esgotados não podem s...
Conceitos importantes <ul><li>Energia Limpa: Não polui ou polui menos (comparação entre os materiais) na produção e consum...
Matriz energética brasileira <ul><li>Produção </li></ul><ul><li>Consumo </li></ul>
Matriz energética mundial
 
Matriz energética brasileira
Hidrelétricas <ul><li>1 - Implantadas em sua grande maioria no período militar.  (Fase do maior do mundo) </li></ul><ul><l...
Energia Elétrica <ul><li>Diferenciação entre hidroelétricas e termoelétricas. </li></ul><ul><li>Vantagens e desvantagens d...
Esquema de geração de energia em uma usina hidrelétrica
 
Potencial energético em aproveitamento das bacias hidrográficas no Brasil
ITAIPU no rio Paraná (1973)  <ul><li>BR e Paraguai – binacional – em crise no momento devido a um acordo injusto de cotas ...
TUCURUÍ no Rio Tocantins (década de 1970)  <ul><li>8,5 bi de dólares para gerar energia para o projeto Carajás e Albrás e ...
(CHESF) SOBRADINHO no Rio São Francisco <ul><li>Cobriu 4 municípios na BA  </li></ul>
Complexo Hidrelétrico de Paulo Afonso no Rio São Francisco  <ul><li>conjunto de usinas, localizado na cidade de Paulo Afon...
Usina de BALBINA no rio Uatumã - AM  <ul><li>Fornecer energia para Manaus. Fornece bem menos energia que as outras hidrelé...
BELO MONTE
Termelétricas  <ul><li>Instaladas após 2001, quando o Brasil passou por um período crítico de falta de energia causada por...
 
Usinas nucleares <ul><li>O Brasil criou um programa nuclear ainda no período da ditadura militar em 1969. </li></ul><ul><l...
Esquema do reator nuclear
Urânio <ul><li>O Brasil atualmente consegue enriquecer urânio, o que torna o país um dos que não precisa importar urânio e...
Petróleo <ul><li>Petrobrás – 1953 – Getúlio Vargas. </li></ul><ul><li>Monopólio do governo. </li></ul><ul><li>Todo o óleo ...
Petróleo  <ul><li>O Brasil insere-se no grupo de países cuja atividade econômica industrial está largamente assentada na u...
Crises do petróleo <ul><li>Primeira crise do petróleo em 1973 </li></ul><ul><ul><li>Países da OPEP sobem o valor do barril...
Reservas brasileiras <ul><li>Localizam-se principalmente na plataforma continental e no talude. </li></ul><ul><li>Rio Gran...
 
PRÉ-SAL
 
 
 
A Petro-Sal <ul><li>Será criada uma nova empresa petrolífera que será, enxuta, mas com quadros técnicos altamente qualific...
 
O Pró-álcool <ul><li>Criado em 1975 após a primeira crise do petróleo como saída para a crise mundial do petróleo. Efetiva...
Consequências <ul><li>1 – Em 1985, 91% dos carros saíam de fábrica movidos a álcool; </li></ul><ul><li>2 – Troca de cultiv...
<ul><li>Por que o pró-álcool acabou? </li></ul><ul><ul><li>A partir de 1986 o preço do barril do petróleo voltou a cair, c...
ÁLCOOL E BIODIESEL  <ul><li>1 - É correto trocar a produção de alimento (cana, milho, soja, sementes oleaginosas) por comb...
Energias alternativas <ul><li>Energias alternativas são formas de se obter energia elétrica ou de movimento a partir de el...
Tipos de energias alternativas <ul><li>Eólica: energia gerada pelo vento </li></ul><ul><li>Vantagens: </li></ul><ul><ul><l...
 
Parques Eólicos no Brasil <ul><li>Ceará: Taiba e Prainha (15 MW) </li></ul><ul><li>Minas Gerais: Gouvêa (20 MW) </li></ul>...
Prof. Marco Aurélio Gondim www.marcoaurelio.tk
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Atualidades - Energia - Blog do Prof. Marco Aurelio Gondim - www.mgondim.blogspot.com

4,831
-1

Published on

Apresentação de atualidades: energia. Matriz energética, sustentabilidades, fontes alternativas...

0 Comments
6 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
4,831
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
34
Comments
0
Likes
6
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Atualidades - Energia - Blog do Prof. Marco Aurelio Gondim - www.mgondim.blogspot.com

  1. 1. BRASIL ENERGIA Prof. Marco Aurélio Gondim www.marcoaurelio.tk
  2. 2. Fontes renováveis e não renováveis <ul><li>Recursos energéticos não renováveis: uma vez utilizados e esgotados não podem ser repostos ou têm um ritmo de reposição muito lento (petróleo, carvão mineral ou hulha, gás natural, urânio). </li></ul><ul><li>Recursos energéticos renováveis: regeneram-se espontaneamente ou pela intervenção adequada do homem: energia das plantas e animais, biogás. </li></ul><ul><li>Recursos energéticos inesgotáveis ou permanentes: mesmo quando utilizados em larga escala não se esgotam, energia solar, do vento, das marés, geotérmica (aproveitamento do calor do interior da Terra) etc. </li></ul>
  3. 3. Conceitos importantes <ul><li>Energia Limpa: Não polui ou polui menos (comparação entre os materiais) na produção e consumo (hídrica – problemas enfrentados, eólica, solar) </li></ul><ul><li>Energia Sustentável: Dá sustentação à produção e ao consumo no decorrer do tempo com idéia de preservação e equilíbrio ambiental. Não é necessariamente uma energia limpa, exemplo: Lenha. </li></ul>
  4. 4. Matriz energética brasileira <ul><li>Produção </li></ul><ul><li>Consumo </li></ul>
  5. 5. Matriz energética mundial
  6. 7. Matriz energética brasileira
  7. 8. Hidrelétricas <ul><li>1 - Implantadas em sua grande maioria no período militar. (Fase do maior do mundo) </li></ul><ul><li>2 – Implantadas próximas aos centros consumidores e produtores (Sul e Sudeste) </li></ul><ul><li>3 - Apesar do potencial na Amazônia não se justifica (?) a instalação pela distância dos centros principais e pelas características dos rios. </li></ul><ul><li>4 – Somente 25% do potencial hidráulico instalado. </li></ul><ul><li>5 - Clima tropical e equatorial favorecem as hidrelétricas devido à alta pluviosidade e os rios de planaltos. </li></ul><ul><li>6 - São centenas de usinas hidrelétricas implantadas no Brasil. </li></ul>
  8. 9. Energia Elétrica <ul><li>Diferenciação entre hidroelétricas e termoelétricas. </li></ul><ul><li>Vantagens e desvantagens das usinas hidroelétricas. </li></ul><ul><li>Situação brasileira na geração de energia elétrica. </li></ul><ul><li>Apagão. </li></ul>
  9. 10. Esquema de geração de energia em uma usina hidrelétrica
  10. 12. Potencial energético em aproveitamento das bacias hidrográficas no Brasil
  11. 13. ITAIPU no rio Paraná (1973) <ul><li>BR e Paraguai – binacional – em crise no momento devido a um acordo injusto de cotas de energia não consumida pelos paraguaios. </li></ul>
  12. 14. TUCURUÍ no Rio Tocantins (década de 1970) <ul><li>8,5 bi de dólares para gerar energia para o projeto Carajás e Albrás e região Norte. </li></ul>
  13. 15. (CHESF) SOBRADINHO no Rio São Francisco <ul><li>Cobriu 4 municípios na BA </li></ul>
  14. 16. Complexo Hidrelétrico de Paulo Afonso no Rio São Francisco <ul><li>conjunto de usinas, localizado na cidade de Paulo Afonso (BA), formado pelas usinas de Paulo Afonso I, II, III, IV e Apolônio Sales (Moxotó), que produz 4.279,6 megawatts de energia, gerada a partir da força das águas da Cachoeira de Paulo Afonso, um desnível natural de 80 metros do rio São Francisco </li></ul>
  15. 17. Usina de BALBINA no rio Uatumã - AM <ul><li>Fornecer energia para Manaus. Fornece bem menos energia que as outras hidrelétricas. </li></ul>
  16. 18. BELO MONTE
  17. 19. Termelétricas <ul><li>Instaladas após 2001, quando o Brasil passou por um período crítico de falta de energia causada por: </li></ul><ul><li>1 – Falta de investimentos, uma vez que as empresas de energia haviam sido privatizadas e não investiram o que prometeram. </li></ul><ul><li>2 – Crescimento econômico do Brasil, aumentando a demanda por energia no país </li></ul><ul><li>3 – Estiagem prolongada no País diminuiu drasticamente o nível dos lagos das usinas. </li></ul><ul><li>O governo precisou intervir e racionalizar o uso da energia do país. </li></ul><ul><li>O gás natural vindo da Bolívia tornou possível a implantação das termelétricas no sudeste, uma vez que o carvão do sul não é indicado para queima nesse nível. </li></ul><ul><li>O gás natural também é utilizado em larga escala pela indústria para aquecer caldeiras. É mais barato e menos poluente </li></ul>
  18. 21. Usinas nucleares <ul><li>O Brasil criou um programa nuclear ainda no período da ditadura militar em 1969. </li></ul><ul><li>1 - Reaproveita tecnologias abandonadas da Alemanha para implantar Angra. </li></ul><ul><li>2 - Projeto consistia em implantar 8 reatores (usinas), mas somente uma foi implantada. O projeto custaria 30 bilhões de dólares. </li></ul><ul><li>As usinas nucleares atualmente estão novamente em discussão, uma vez que as questões sobre o aquecimento global colocam em cheque as emissões das usinas movidas a carvão. O resíduo produzido pelo reator é altamente poluente, porém em pequena quantidade se comparado ao carbono na atmosfera. </li></ul>
  19. 22. Esquema do reator nuclear
  20. 23. Urânio <ul><li>O Brasil atualmente consegue enriquecer urânio, o que torna o país um dos que não precisa importar urânio enriquecido de outro país. Isto se justifica porque o Brasil possui importantes jazidas de urânio em território nacional. </li></ul><ul><li>Principais reservas: </li></ul><ul><ul><li>Poços de Caldas – MG </li></ul></ul><ul><ul><li>Lagoa Real – BA </li></ul></ul><ul><ul><li>Santa Quitéria – CE </li></ul></ul><ul><li>O enriquecimento no Brasil é feito em Resende – RJ. </li></ul>
  21. 24. Petróleo <ul><li>Petrobrás – 1953 – Getúlio Vargas. </li></ul><ul><li>Monopólio do governo. </li></ul><ul><li>Todo o óleo pertence à união. </li></ul>
  22. 25. Petróleo <ul><li>O Brasil insere-se no grupo de países cuja atividade econômica industrial está largamente assentada na utilização do petróleo. </li></ul>
  23. 26. Crises do petróleo <ul><li>Primeira crise do petróleo em 1973 </li></ul><ul><ul><li>Países da OPEP sobem o valor do barril de U$ 2,70 para U$ 11,20 e causam uma crise econômica sem precedentes. </li></ul></ul><ul><li>Segunda crise do petróleo em 1979 </li></ul><ul><ul><li>A segunda crise foi causada pela Guerra Irã x Iraque que fez com que os países consumidores aumentassem seus estoques para não acontecer como em 1973. O resultado foi o mesmo, o aumento do preço do barril causado pelo aumento da demanda mundial. </li></ul></ul><ul><li>Foram essas as condições que estimularam o Brasil a criar o Pró-álcool. </li></ul>
  24. 27. Reservas brasileiras <ul><li>Localizam-se principalmente na plataforma continental e no talude. </li></ul><ul><li>Rio Grande do Norte, Sergipe, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Alagoas e na bacia de Campos no RJ. (agora SP, ES, PR e SC) </li></ul><ul><li>A extração de petróleo brasileiro atualmente é viável devido ao fato do barril do petróleo estar com cotação elevada no mercado mundial já há alguns anos (acima dos 50 dólares). </li></ul><ul><li>Foi comprovada também a existência de petróleo na Amazônia, em Urucu. </li></ul>
  25. 29. PRÉ-SAL
  26. 33. A Petro-Sal <ul><li>Será criada uma nova empresa petrolífera que será, enxuta, mas com quadros técnicos altamente qualificados para acompanhar as prospecções </li></ul><ul><li>A ANP contratará empresas especializadas para ajudar a medir as reservas em cada licitação, melhorando seu poder de negociação </li></ul>
  27. 35. O Pró-álcool <ul><li>Criado em 1975 após a primeira crise do petróleo como saída para a crise mundial do petróleo. Efetivamente implantado em 1979, durante a segunda crise do petróleo. </li></ul><ul><li>O governo subsidiava a produção e garantia a compra do álcool. </li></ul><ul><li>Objetivo: substituir, total ou parcialmente, a gasolina pelo álcool como forma de baratear o combustível e diminuir a dependência do combustível fóssil. </li></ul>
  28. 36. Consequências <ul><li>1 – Em 1985, 91% dos carros saíam de fábrica movidos a álcool; </li></ul><ul><li>2 – Troca de cultivo de alimentos por cultivo de combustível (hoje mais acentuado) </li></ul><ul><li>3 – Aumento das monoculturas, o que agravou o problema da concentração de terras no país; </li></ul><ul><li>4 – Condição do trabalho informal e perigoso na maioria das lavouras que não era mecanizadas (ainda hoje) </li></ul>
  29. 37. <ul><li>Por que o pró-álcool acabou? </li></ul><ul><ul><li>A partir de 1986 o preço do barril do petróleo voltou a cair, chegando a patamares da década de 1970, o que inviabilizou a produção de álcool. </li></ul></ul><ul><li>E hoje? </li></ul><ul><ul><li>Os altos preços do petróleo atualmente, puxados pela instabilidade no oriente médio e principalmente pela concorrência pelo produto entre China e EUA, fizeram com que o barril superasse os absurdos 100 dólares (hoje varia entre 65 e 80). </li></ul></ul><ul><ul><li>Agravados pela febre científica parcial atual sobre o aquecimento global, países estão na busca por combustíveis renováveis. O Brasil então, reativa a utilização de álcool agora sem medo de voltar atrás, porque os carros agora são FLEX, ou seja, trabalham com os dois combustíveis. </li></ul></ul>
  30. 38. ÁLCOOL E BIODIESEL <ul><li>1 - É correto trocar a produção de alimento (cana, milho, soja, sementes oleaginosas) por combustíveis? </li></ul><ul><li>2 - Produzir álcool a partir de cana-de-açúcar não produz queima? E o aquecimento global? </li></ul><ul><li>3 – O que é mais importante para o país? Distribuir terra de forma mais justa e produzir alimento, ou juntar duas das mazelas do país (fome e concentração de terras) para atender ao mercado consumidor global? </li></ul>
  31. 39. Energias alternativas <ul><li>Energias alternativas são formas de se obter energia elétrica ou de movimento a partir de elementos que degradem o mínimo possível o meio ambiente em que vivemos. </li></ul><ul><li>A idéia de alternativa surge como forma de substituição dos combustíveis fósseis (petróleo e carvão mineral) que colaboram para o efeito estufa e o conseqüente aquecimento global. </li></ul><ul><li>As energias alternativas geram, além de eletricidade e movimento, créditos de carbono, que fazem parte dos MDL (mecanismos de desenvolvimento limpo) e podem ser trocados pelos países que não necessitam de cumprir o protocolo de Kyoto. </li></ul>
  32. 40. Tipos de energias alternativas <ul><li>Eólica: energia gerada pelo vento </li></ul><ul><li>Vantagens: </li></ul><ul><ul><li>Limpa </li></ul></ul><ul><ul><li>Sem impactos no ambiente ou na atmosfera </li></ul></ul><ul><ul><li>Relativamente barata </li></ul></ul><ul><li>Desvantagens: </li></ul><ul><ul><li>Ocupa áreas em fazendas de vento </li></ul></ul><ul><ul><li>Fornece energia intermitente </li></ul></ul><ul><ul><li>Variação de energia em períodos do ano </li></ul></ul>
  33. 42. Parques Eólicos no Brasil <ul><li>Ceará: Taiba e Prainha (15 MW) </li></ul><ul><li>Minas Gerais: Gouvêa (20 MW) </li></ul><ul><li>Paraná: Palmas (2,5 MW) </li></ul><ul><li>Rio Grande do Sul: Osório (150 MW) </li></ul>
  34. 43. Prof. Marco Aurélio Gondim www.marcoaurelio.tk

×