Derrame Parapneumonico
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Like this? Share it with your network

Share

Derrame Parapneumonico

  • 11,376 views
Uploaded on

Derrame pleural parapneumônico na criança

Derrame pleural parapneumônico na criança

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
No Downloads

Views

Total Views
11,376
On Slideshare
11,336
From Embeds
40
Number of Embeds
2

Actions

Shares
Downloads
281
Comments
0
Likes
1

Embeds 40

http://www.slideshare.net 29
http://www.medgger.com 11

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Mônica de Cássia Firmida PNEUMOLOGIA PEDIÁTRICA
  • 2.
    • Derrame pleural é o acúmulo anormal de líquido no espaço pleural.
    • Em crianças, a maioria dos derrames pleurais é de origem infecciosa, geralmente associados a pneumonias bacterianas, condição em que recebe a denominação de derrame pleural parapneumônico.
    .
  • 3.  
  • 4.
    • Aumento da pressão hidrostática
    • Diminuição da pressão oncótica
    • Alteração da permeabilidade pleural
    • Dificuldade na drenagem linfática (QUILOTÓRAX)
    • Lesão vascular ou coagulopatias (HEMOTÓRAX)
  • 5. Os derrames pleurais são caracterizados pelo acúmulo anormal de líquido no espaço pleural resultante de um desequilíbrio fisiológico das forças que regulam a formação e a reabsorção do líquido pleural ou de eventos fisiopatológicos decorrentes de processos inflamatórios ou infiltrativos dos folhetos parietais.
  • 6.
    • Transudatos
    • Exsudatos
  • 7. CRITÉRIOS DE LIGHT Ann Intern Med. 1972; 77 (4):507-13. TRANSUDATOS EXSUDATOS Proteína < 3g/100ml > 3g/100ml Rel. ptn pleural/plasmática < 0,5 > 0,5 LDH < 200 UI > 200 UI Rel. LDH pleural/plasmática < 0,6 > 0,6
  • 8.
    • São os relacionados às pneumonias.
    • São os mais comuns na infância.
    • Resultam da inflamação pleural causada pelo processo pneumônico.
    • São exsudatos .
  • 9. 1. Fase Exsudativa (inicial) 2. Fase Fibrino-purulenta (empiema) 3. Fase de Organização Água + proteínas Bactérias Fibroblastos
  • 10. Principalmente: S. pneumoniae, H. infuenzae, S. aureus . Outros: enterobactérias, adenovírus, M. pneumoniae, Chlamydia , etc.
  • 11.
    • Tosse, dor torácica, dispnéia.
    • Manifestações de pneumonia.
    • EF : achados relacionados ao acúmulo de líquido no espaço pleural (síndrome de derrame pleural).
  • 12. Inspeção Esforço respiratório Assimetria torácica Palpação ↓ Expansibilidade ↓ FTV Percussão Macicez / Submacicez Ausculta ↓ ou abolição MV, ↓ transmissão da voz, egofonia, outros ruídos adventícios
  • 13.
    • Aspectos clínicos
    • Radiografia de tórax
    • Ultrassonografia de tórax
    • Análise do líquido pleural
    • Hemograma
    • Hemocultura
    • Outros: TC, biópsia pleural, etc.
  • 14. Curva de Damoiseau Derrame livre na incidência em Lawrell
  • 15. Curva de Damoiseau
  • 16. Hemitórax opaco, deslocando a traquéia para o lado oposto
  • 17. Pneumonia Linha Pleural
  • 18. HEAPN Out 2004 Pnm Estafilocócica 1 2 3 dreno
  • 19. 25/08/06 31/08/06 Piopneumotórax (Hidropneumotórax) Em AP Em Perfil Radiografias Evolutivas de Pneumonia com Empiema
  • 20. HGB, 2010 Derrame Pleural Residual (ou pequeno)
  • 21. ULTRASSONOGRAFIA
  • 22. TOMOGRAFIA
  • 23. OLIVEIRA, LAN. Pediatria São Paulo, 2005
  • 24.  
  • 25.  
  • 26.  
  • 27.
    • pH
    • Glicose
    • Proteína
    • LDH
    • Celularidade
    • Bacterioscopia e BAAR
    • Cultura: para germes piogênicos e BK
    • Outros: Métodos para diagnóstico rápido, dosagem de adenosina deaminase (ADA), etc.
  • 28.  
  • 29. Fase inicial ou exsudativa
    • pH > 7,1
    • Glicose pleural/plasm > 0,5
    • Líquido seroso + Ptns
    • Bactérias, PMN, anaerobiose
    • Fibroblastos
    Fase fibrino-purulenta (empiema)
    • pH < 7,1
    • Glicose pleural/plasm < 0,5
    Fase de organização
    • Secreção de Colágeno
    • Loculações
    • Espessamento pleural
  • 30.
    • Medidas gerais de suporte
    • Terapêutica antimicrobiana
    • Punção pleural X drenagem pleural
    • Toracoscopia
    • Fibrinolíticos (estreptoquinase, uroquinase)
    • Outras medidas cirúrgicas
  • 31. DRENAGEM PLEURAL ≠ PUNÇÃO PLEURAL
  • 32.  
  • 33.  
  • 34. J. bras. pneumol. 2008, vol.34, n.4, pp. 205-211 http:// www.scielo.br/pdf/jbpneu/v34n4/v34n4a04.pdf
  • 35. ABORDAGEM CIRÚRGICA DA EFUSÃO PLEURAL PARAPNEUMÔNICA E SUAS COMPLICAÇÕES J Pediatr (Rio J) 2002; 78 (Supl.2): S161-S170 http://www.scielo.br/pdf/jped/v78s2/v78n8a07.pdf
  • 36.  
  • 37.
    • Verificar funcionamento do dreno (oscilação).
    • Volume e aspecto da secreção drenada.
    • Pesquisar borbulhas no frasco (pós tosse, principalmente).
    • Exame físico cuidadoso, incluindo ausculta da voz.
  • 38. Laennec (1781-1826), o inventor do estetoscópio http://pt.wikipedia.org/wiki/Ren%C3%A9_Laennec