• Like
Furacões e tornados
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Furacões e tornados

  • 821 views
Uploaded on

 

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
821
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
33
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Universidade Do Estado Da Bahia – UNEB Departamento de Educação Campus VIII Licenciatura em Ciências Biológicas VI Período - Estudos Evolutivos da Geosfera Docente: Natan Pereira Discente: Daiane de Moura Ferreira Fig.1- Photograph courtesy NASA/GSFC Fig.2 -Tornado Alley
  • 2. Introdução  Furacões e tornados se referem a fenômenos do clima;  Clima é o nome que se dá às condições atmosféricas que costumam ocorrer em um determinado lugar. • Pressão atmosférica é a pressão exercida pela camada de moléculas de ar sobre a superfície. Altitude Pressão atmosférica • Massa de ar é um grande volume de ar com características aproximadamente constantes principalmente, em termos de temperatura e umidade.
  • 3. Furacão, Ciclone ou Tufão?  Furacão, tufão e ciclone são nomes regionais para fortes ciclones tropicais. Atlântico Norte, Pacífico Oriental e Caribe chama-se furacão. No Pacífico Norte Ocidental, furacões são chamados de tufões; Tempestades similares no sul do Oceano Pacífico e Oceano Índico são chamadas de ciclones;
  • 4. Fig.3 - Imagem Planificada do Mundo
  • 5. O que é um furacão?  É uma grande perturbação na atmosfera terrestre;  Produzem ventos e chuvas como qualquer outra região onde há significativas taxas de variação da pressão atmosférica;  Os furacões são definidos pelas seguintes características:  São tropicais;  São ciclônicos;  Constituem sistemas de baixa pressão – área de baixa pressão;  Ventos que atingem uma velocidade de pelo menos 119 km/h.
  • 6. Como se forma um furacão Os furacões se formam em regiões tropicais onde há água aquecida (no mínimo 27°C), umidade atmosférica e ventos equatoriais convergentes Uma tempestade atinge o status de furacão em três estágios: Depressões tropicais: são ciclones tropicais com ventos máximos de superfície com menos 62,7 km/h; Tempestade Furacão: tropical: atinge ventos de 62,7 km/h; quando os ventos chegam a 119 km/h.
  • 7. Como se forma um furacão  Pode levar de algumas horas a vários dias para que uma tempestade intensa se transforme em um furacão;  É necessário que ocorram três eventos para que os furacões se formem:  Um ciclo de evaporação-condensação prolongado de ar oceânico quente e úmido;  Padrões de ventos caracterizados por ventos convergentes na superfície e ventos fortes e de velocidade uniforme em maiores altitudes;  Uma diferença de pressão do ar (gradiente de pressão) entre a superfície e a grande altitude.
  • 8. 1. Troca de calor; 2. Chuvas Torrenciais; 3. Tempestade de Relâmpagos: a. baixa pressão (L) ; b. forças de Coriolis; 4. Furacão : a. Ar ascendente + seco; b. Parte do ar ascendente olho; c. Parte do ar desce pelo furacão; Fig.4 – Etapas da formação de um furacão.
  • 9. Força de Coriolis É um fenômeno natural que faz com que líquidos e objetos em movimento livre para virar à direita do seu destino no Hemisfério Norte e para a esquerda no Hemisfério Sul. Fig.5 – Furacão Catarina, no hemisfério Sul. Fig.6 – Furacão Katrina, no hemisfério Norte
  • 10. Estrutura de um furacão  Assim que o furacão se forma, ele possui três partes principais:    Olho: o centro de baixa pressão e tranquilo da circulação. Parede do olho: área ao redor do olho com os ventos mais rápidos e violentos. Raias de chuva: raias de tempestades violentas que circulam para fora do olho e que são parte do ciclo de evaporação/condensação que alimenta a tempestade.
  • 11. Fig. 7 – Estrutura de um furacão.
  • 12. Danos de furacões Os furacões trazem com eles enormes quantidades de chuva, essa quantidade de chuva pode criar inundações capazes de devastar totalmente uma grande área ao redor do centro do furacão. Fig. 8 - Foto cedida Corpo de Engenheiros do Exército dos EUA
  • 13. Danos de furacões Ventos sustentados intensos causam danos estruturais - esses ventos também podem capotar automóveis, derrubar árvores e causar erosão nas praias. Fig. 9 - Foto cedida Agência Federal de Administração de Emergências dos EUA (FEMA)
  • 14. Danos de furacões Os ventos prevalecentes de um furacão empurram a sua frente uma parede de água, chamada de ressaca - caso a ressaca coincida com uma maré alta, ela causará a erosão da praia e uma significativa inundação. Fig.10 - Foto cedida FEMA
  • 15. Maré de Tempestade  A água que é empurrada para a costa pela força dos ventos girando em torno da tempestade;  Esta onda avançando combina com as marés normais para criar a maré de tempestade de furacões, o que pode aumentar o nível de água média de 15 metros ou mais;  Este aumento do nível da água pode causar inundações em áreas costeiras, particularmente quando a maré de tempestade coincide com as marés altas normais.
  • 16. Maré de Tempestade Fig. 11 – Esquema de maré de tempestade. Fig. 12 – Maré de tempestade.
  • 17. Fig. 13- Apesar de elevada, esta casa na Carolina do Norte não poderia suportar 4,5 m de tempestade que veio com o furacão Floyd (1999) . Fig. 15 - Barcos danificados em uma marina Fig. 14 - Estrada à beira-mar e calçadão danificado pelo furacão Jeanne (2004)
  • 18. Escala de Furacões de Saffir-Simpson Categoria Velocidade do vento Efeitos 1 119 a 153 km/h ressaca de 1,2 a 1,5 m acima do normal; algumas inundações; pouco ou nenhum dano estrutural 2 155 a 177 km/h ressaca de 1,8 a 2,4 m acima do normal; queda de árvores; danos a telhados (telhas arrancadas) 178 a 209 km/h ressaca de 2,7 a 3,7 m acima do normal; danos estruturais em casas; habitações sem alicerces destruídas; inundação severa 4 210 a 248 km/h ressaca de 4 a 5,5 m acima do normal; inundação severa no interior; alguns telhados arrancados ;grandes danos estruturais 5 acima de 249 km/h ressaca de pelo menos 5,5 m acima do normal; inundação severa adentrando o interior; sérios danos à maioria das estruturas de madeira. 3 Tab.1 – Escala Saffir-Simpson, medindo a intensidade dos furacões.
  • 19. Furacões marcantes  Furacão Katrina, 2005:       Em 23 de Agosto, iniciou-se uma depressão tropical no sudeste das Bahamas; No dia 24 evoluiu para uma tempestade tropical e em 25 se aproximou de Aventura, Flórida; Katrina enfraqueceu-se em 26 de agosto, depois de se encontrar com a terra; Em 27 de agosto evoluiu para categoria 3; Dia 28 foi para categoria 4, e no início da tarde o Katrina se intensificou rapidamente ultrapassando o ponto de início da categoria 5. Em 29 de agosto ele atingiu Mississippi, Louisiana e Alabama.
  • 20. Fig.16 - Trajetória do furacão Katrina
  • 21. Furacão Katrina Danos: 100 milhões de dólares em danos; 423 milhões de dólares em perdas agrícolas. Fatalidades: Não se sabe ao certo quantas pessoas morreram;  Número de vítimas >1500. Áreas afetadas: Sul da Flórida; Nova Orleans; Alabama; Mississippi; Louisiana. Fig. 17 – Landfall do furacão Katrina
  • 22. Fig.18 - Imagem de satélite, capturada no dia 29 de agosto de 2005, mostra o Furacão Katrina sobre o Golfo do México - Foto: NOAA/AP
  • 23. Fig.19 - Enchente causada pelo Furacão Katrina nas ruas de Nova Orleans, em 29 de agosto de 2005 - Foto: Eric Gay/AP Fig.20 - A polícia resgatou a população de Nova Orleans a bordo de barcos, em 31 de julho de 2005 - Foto: Eric Gay/AP
  • 24. Fig.21 - Vista aérea sobre Nova Orleans após o Furacão Katrina, em 29 de agosto de 2005 - Foto: Kyle Niemi/Getty.
  • 25. Furacão Sandy  O furacão Sandy afetou:        Jamaica; Cuba; Bahamas; Haiti; República Dominicana; Nova Iorque; Nova Jersey Fig.22 - O furacão Sandy durante sua passagem pela Jamaica, em 24 de outubro.
  • 26. Furacão Sandy  Depressão tropical formado sobre o sudoeste do mar do Caribe 22 de outubro;  24 de outubro foi elevado a categoria de furacão;  Entrou no território cubano em 25 de outubro como um furacão de categoria 2; Fig.23 - Esta imagem visível de Depressão Tropical foi tirada pelo NOAA via satélite em 22 de outubro de.Crédito: NASA GOES Projeto
  • 27. Furacão Sandy  No início de 26 de outubro estava sobre as Bahamas; No dia 27 de outubro, voltou a enfraquecer para categoria 1; Na noite do dia 29, o furacão tocou o solo no sul de Nova Jersey; Sandy outubro. dissipou-se no dia 31 de Fig.24 - Imagem de satélite do furacão Sandy em 29 de outubro de 201
  • 28. Furacão Sandy País Vítima/desaparecidos Prejuízos (em UDS) Haiti 54/21 Desconhecido Estados Unidos 110/1 $50 biliões (estimado) Cuba 11 $80 milhões Bahamas 2 $300 milhões (estimado) República Dominicana 2 Desconhecido Canadá 2 Desconhecido Jamaica 1 $16,5 milhões Total 182/22 $446,5 bilhões Tab. 2 – Vítimas e danos do furacão Sandy.
  • 29. Furacão Sandy Fig.25 - À beira-mar, parque de diversões em Seaside Heights, Nova Jersey, foi destruído pela força da tempestade (Foto: Mike Groll/AP) Fig.26 - Vista aérea dos estragos da supertempestade Sandy em Mantoloking, Nova Jersey (Foto: Doug Mills/AP)
  • 30. Furacão Sandy Fig.27 Inundações em Marblehead, Massachusetts, causada pelo furacão Sandy. Fig.28 - Grua de uma construção (One57) danificado pelos fortes ventos do furacão ameaça cair.
  • 31. Furacão Catarina  O Furacão Catarina foi o primeiro furacão observado no Atlântico Sul;  Uma perturbação formou-se ao longo do dia 19 de março de 2004, na costa do sul do Brasil; Atingiu a força equilavente a furacão em 26 de março; Tendo atingido ventos de até 180 km/h durante a manhã do dia 27. TD TS 1 2 3 4 Escala para furacões Saffir-Simpson 5 Fig.29 - Caminho do furacão Catarina.
  • 32. Furacão Catarina Fig.30 - Furacão Catarina visto da EEI em 26 de março de 2004. Fig.31 - Imagem de satélite do Furacão Catarina, em 2004, mostrando o litoral catarinense e gaúcho.
  • 33. Furacão Catarina       No total mais de 100.000 residências foram danificadas; Danos à propriedade de 29 milhões de reais (valores em 2004); O extremo nordeste do Rio Grande do Sul e as cidades do sul de Santa Catarina foram as mais afetadas; 85% do cultivo da banana e 40% da cultura de arroz também foram perdidos; 435 feridas e 2 vítimas fatais; Na maioria dos municípios os prejuízos foram significativos, variando de 2 a 37 milhões de reais, totalizando R$ 211.474.277,30
  • 34. Fig.32 - Ventos fortes destelharam casas e deixaram desabrigados na região sul do estado. Fig.33 – Danos do furacão Catarina. Fig.34 – Danos do furacão Catarina.
  • 35. O que é um tornado? De acordo com o Glossário de Meteorologia (AMS2000), um tornado é “uma coluna de ar girando violentamente, pendente de uma nuvem cumuliforme ou debaixo de uma nuvem cumuliforme, e muitas vezes (mas nem sempre) visível como uma nuvem funil” Fig.36 -Tonado com múltiplos vórtices Fig.37 - Tonado sem formação de um funil.
  • 36. Como se forma um tornado   Os meteorologistas ainda não entendem completamente como um tornado nasce; Os tornados mais destrutivos da história surgiram a partir de supercélulas, um tipo de tempestade de trovões que se move em círculos; Figs. 38 39 - Supercélula.
  • 37. Como se forma um tornado  Normalmente, os tornados se formam associados a tempestades severas que produzem:       fortes ventos; elevada precipitação pluviométrica; frequentemente granizo; enchentes; Relâmpagos; Formam-se devido ao contraste entre duas grandes massas de ar com diferentes pressões e temperaturas;
  • 38. Formação de um tornado Fig.40 – Esquema da formação de um tornado.
  • 39. Tipos de tornados  Tornado de vórtice múltiplo; Fig.41 – Tornado de vórtice mútiplas. Fig.42 – Tornado de vórtice mútiplas.
  • 40. Tipos de tornados  Tornado satélite; Fig.43 – Tornado satélite. Fig.44 – Tornado satélite.
  • 41. Tipos de tornados  Tromba de água;   Trombas de água de tempo razoável; Trombas de água tornádicas. Fig.46 – Tromba de água. Fig.45 – Tromba de água.
  • 42. Tipos de tornados  Landspout: não se originam de mesociclones. Fig.47 - Landspout near North Platte, Nebraska on 22 May 2004.
  • 43. Escala Fujita-melhorada Classificação Velocidade dos ventos EF0 104,60 a 136,79 km/h EF1 138,40 a 177 km/h EF2 178,63 a 217,26 km/h EF3 218,87 a 265,54 km/h EF4 267,15 a 321,86 km/h EF5 Maior que 321,86 km/h Tab 3 – Escala Fujit melhorada, sem descrição dos danos.
  • 44. Ocorrência mundial de tornados  Tornados já foram observados em todos os continentes, exceto na Antártica;  Os Estados Unidos é o país com a maior incidência de tornados em todo o mundo;  Cerca de 70% dos tornados que ocorrem no mundo ocorrem nos EUA;  A região deste pais com a maior incidência de tornados chama-se Alameda dos Tornados;
  • 45. Alameda dos tornados O ar frio e seco vindo do Canadá encontra-se com o ar quente e úmido vindo do Golfo do México.  Nessa região, a lei prevê que as construções sejam mais reforçadas;  Em muitas cidades dessa região, há sistemas de altofalantes espalhados; Também é investido milhões de dólares em radares meteorológicos e outros sistemas de medição Fig.48 - Alameda dos Tornados: é a região em vermelho no mapa dos EUA.
  • 46. Tornados marcantes  Tornado Joplin, maio de 2011;     EF5, múltiplos vórtices; Joplin , Missouri no final da tarde de domingo, 22 de maio, 2011; Cerca de 158-160 pessoas foram mortas pelo tornado e mais de 1.000 feridos; Foi o pior tornado nos Estados Unidos desde 1947; Fig.49 - US Army Corps of Engineers mapa mostrando os danos do tornado de Joplin 2011
  • 47. Tornado Joplin • Os US $ 2,8 bilhões em danos é o maior montante para um tornado desde 1950; Fig.50 - Extensão do dano do tornado Joplin. Fig.51 - Danos em St. Johns hospital (torre II), com ruínas do teatro local, onde duas pessoas morreram no primeiro plano..
  • 48. Tornado Joplin Fig. 52- Joplin, Missouri, após o tornado. Vista aérea.
  • 49. Tornado Joplin Fig.53 - Condado de Boone, Distrito de Proteção contra Incêndio, em Joplin.
  • 50. Tornado Tri-State  Março 925;  Foi o tornado mais mortífero da história dos EUA;  Com 695 mortes confirmadas; 2.027 ficaram feridas Atravessou do sudeste do Missouri, através de Sul Illinois, em seguida, para sudoeste de Indiana; Apesar de não ser oficialmente classificado pela NOAA, é reconhecido por muitos como um tornado F5. Fig.54 – Caminho percorrido pelo tornado TriState.
  • 51. Tornado Tri-State  Há dúvidas se foi apenas um tornado ou uma família contínua tornado;  O dano total foi estimada US $ 1,4 bilhões (1997 USD); Fig.55 - Esta é uma fotografia de danos à escola Longfellow em Murphysboro (IL). Fig.56 - Ruínas da cidade de Griffin, Indiana , onde 26 pessoas foram mortas.
  • 52. Furacão vs Tornado Furacão Tornado Se formam sobre oceanos quentes; Se formam sobre a terra; Diâmetro máximo de 1500 Km, Diâmetro máximo de 2Km, velocidade velocidade dos ventos vai de 118 a 300 dos ventos pode chegar a 500Km/h; Km/h; Pode durar até semanas; Tem duração de 10 minutos a 1 hora; Pode se visto do espaço; Não pode ser visto do espaço; Tab 4 – Comparação das diferenças entre tornados e furacões.
  • 53. Referências Craig Freudenrich, Ph.D., Marshall Brain. "HowStuffWorks - Como funcionam os furacões". Publicado em 25 de agosto de 2000 (atualizado em 27 de março de 2009) http://ciencia.hsw.uol.com.br/furacoes.htm (14 de dezembro de 2012) Por Onde Andam os Ciclones. Disponível em: http://www2.uol.com.br/sciam/reportagens/oceanos_mais_quentes_furacoes_m ais_violentos_imprimir.html. Acessado em: 13 de dezembro de 2012. THE BASICS ABOUT TORNADOES. Disponível em: http://www.spc.noaa.gov/faq/tornado/#The Basics. Acessado em: 16 de dezembro de 2012. Tornado Tri-State. Disponível em: http://en.wikipedia.org/wiki/Tri-State_Tornado. Acessado em 16 de dezembro de 2012. Ciclones. Disponível em: http://www.jn.pt/multimedia/infografia970.aspx?content_id=1706618. Acessado em 19 de dezembro de 2012. 2011 Joplin tornado. Disponível em: http://en.wikipedia.org/wiki/2011_Joplin_tornado. Acessado em: 18 de dezembro de 2012.