Your SlideShare is downloading. ×
A Reconquista
A Reconquista
A Reconquista
A Reconquista
A Reconquista
A Reconquista
A Reconquista
A Reconquista
A Reconquista
A Reconquista
A Reconquista
A Reconquista
A Reconquista
A Reconquista
A Reconquista
A Reconquista
A Reconquista
A Reconquista
A Reconquista
A Reconquista
A Reconquista
A Reconquista
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

A Reconquista

16,780

Published on

Published in: Travel, Business
0 Comments
5 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
16,780
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
228
Comments
0
Likes
5
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. A Fixação do Território
  • 2.
    • O nosso trabalho tem como principal tema a conquista e fixação do território português. Nele abordaremos os seguintes subtemas:
    • 1. A Reconquista
    • 2. Do Termo da Reconquista ao estabelecimento e fortalecimento de fronteiras;
    • 3. O carácter político e religioso da Reconquista.
  • 3.
    • • Reconquista é o termo utilizado para designar as campanhas militares que os reinos cristãos da Península Ibérica dirigiram contra os Muçulmanos, que a invadiram em 711.A
    • • Reconquista foi um processo lento, de avanços e recuos condicionados pelo relevo, pelas bacias hidrográficas, pela unidade ou divisão dos Muçulmanos. Contou, ainda, com o apoio da Igreja.
    • • Foi na altura da Reconquista cristã da Península Ibérica aos Muçulmanos que PORTUGAL surgiu, transformando-se numa entidade política independente. Depois, definiu o seu território.
  • 4. • A origem do REINO de POERTUGAL remonta às atitudes rebeldes de Afonso Henrique contra o seu primo e suserano Afonso VII, rei de Leão e Castela e imperador da Espanha. D. Afonso Henriques
  • 5. • D. AFONSO HENRIQUES era vassalo do rei de Leão e devia-lhe obediência, à maneira feudal. No entanto, vai lutar contra Castela para conseguir uma maior autonomia do CONDADO PORTUCALENSE, com vista a torná-lo independente. É um acto próprio de um senhor feudal que se quer tornar mais poderoso, com mais territórios e com mais poder sobre o território e a população que nele vive. D. Afonso Henriques
  • 6. • Em 1143, na CONFERÊNCIA DE ZAMORA, o rei de Leão e de Castela, Afonso VII acaba por reconher D. Afonso Henriques como rei (rex) de Portugal. 1143 Portugal Novo reino cristão da Europa
  • 7.
    • • De 1147 a 1165, D. Afonso Henriques conquistou Santarém, Lisboa, Sintra, Almada, Palmela, Alcácer do Sal, Beja e Évora.
    • O primeiro rei de Portugal, Afonso Henriques, a quem a História chamaria de O Conquistador, faleceu em 1185.
    • Muralhas
    • de
    • Alcácer do Sal
    • • Com a morte do primeiro rei de Portugal, o seu filho, D. Sancho I herdou o trono, entre 1185 e 1211, revelando-se, tal como o seu pai, um grande chefe guerreiro, embora menos feliz.
    A LUTA PELO ALARGAMENTO DO TERRITÓRIO
  • 8.
    • • Nesta época houve, também, recuos. Depois de duas expedições vitoriosas ao Algarve, as forças portuguesas não resistiram às investidas almóadas que partiram de Marrocos e invadiram a Península Ibérica. Consequentemente, os portugueses perderam todas as posições a sul do Tejo, à excepção de Évora.
  • 9.
    • • D. Afonso II , filho de Sancho I, governou entre 1211 a 1223. Durante o seu mandato, este rei concentrou-se, sobretudo, na organização da administração e na consolidação do poder real.
    • • No entanto, no seu reinado, as forças militares portuguesas resistindo ao poderio dos Almóadas na Andaluzia, prosseguiram com a reconquista, conquistando Alcácer do Sal, Castelo de Veiros, Monforte, Borba, Vila Viçosa e Moura.
  • 10.
    • • D. Sancho II reinou entre 1223 a 1245. No seu reinado, a fronteira portuguesa avançou vitoriosamente no Alentejo, beneficiando da tomada leonesa das cidades muçulmanas de Cáceres, Mérida e Badajoz. Esse reinado foi marcado pelas conquistas de Elvas, Jurumenha, Serpa, Moura, Beja, Aljustrel e Mértola. Entre 1234 a 1239, a soberania portuguesa chegou ao Algarve oriental.
    Mesquita almóada de Mértola
  • 11.
    • • A reconquista portuguesa chegou, finalmente, ao fim, o que durou sensivelmente mais um século.
    • Foi no reinado de D. Afonso III , rei de Portugal entre 1248 e 1279, que, através de uma campanha brilhante, conseguiu concluir a conquista do Algarve.
    • • Em Março de 1249, o rei apoderou-se do enclave isolado que os Muçulmanos possuíam no Algarve, no qual se incluíam Faro, Albufeira, Porches e Silves. O Norte cristão, finalmente, anexava o Sul muçulmano.
    Muralhas de Silves
  • 12.
    • • No ano 1252, houve um conflito entre os reinos cristãos de Portugal e de Leão e Castela que reivindicavam, para os seus reinos respectivos, parte do Algarve. Esse conflito levou à guerra entre aqueles reinos.
    • • Enfrentando a guerra entre os dois reinos cristãos, o Papa Inocêncio IV interveio na celebração do Tratado de Paz, em 1253. Com este tratado, o rei Afonso III viria a casar com Beatriz, filha de Afonso X de Leão e Castela que renunciaria, temporariamente, aos seus direitos como suserano do Algarve, a favor do sogro.
    • • Na data de 1263-1264 , as negociações diplomáticas sobre a posse do Algarve continuaram, saindo Portugal altamente beneficiado.
  • 13.
    • • Em 1267, o TRATADO DE BADAJOZ resolvia definitivamente o problema da soberania sobre o Algarve. O rei de Leão de Castela, Afonso X, renunciava a favor do infante D. Dinis (filho de D. Afonso III) que era seu neto, a quaisquer direitos sobre os territórios algarvios. No ano posterior, em 1268, Afonso III era, de direito, rei de Portugal e do Algarve.
    • • Posteriormente, entre 1295-1297, Portugal viria a refazer as hostilidades com Castela, ao participar na guerra civil que assolou aquele reino.
  • 14. • Reinava em Portugal D. Dinis , quando, em 1297, foi assinado o TRATADO DE ALCANISES, entre o rei português e Fernando IV de Castela. Ao mesmo tempo projectavam-se casamentos reais, uma paz de 40 anos baseada na «amizade a defesa mútuas»e fixavam-se os limites territoriais dos dois reinos hispânicos. 1297 Portugal estabelece definitivamente as suas fronteira s Diploma do TRATADO DE ALCANISES D. DINIS
  • 15.
    • • Em suma, o território português (embora com algumas excepções), adquiria a sua configuração definitiva, o que faz de Portugal o Estado europeu com as fronteiras mais antigas e estáveis.
  • 16. A RECONQUISTA Carácter Político Carácter Religioso Conduziu à afirmação e ao engrandecimento dos reinos e soberanos ibéricos. A Reconquista foi entendida como uma «guerra santa» dos Cristãos contra os Muçulmanos. O seu triunfo levou à afirmação e expansão da religião cristã na Península Ibérica.
  • 17. A reconquista ou «CRUZADAS DO OCIDENTE» tomou contornos de GUERRA SANTA, merecedora de tanta consideração como as CRUZADAS à Palestina. Os reis peninsulares usufruíram de várias bulas papais que exortavam à expulsão dos muçulmanos da Península Ibérica, concedendo perdão aos que participavam na luta. A Reconquista teve o apoio das Ordens Religioso-militares Cruzado Cristão
  • 18.
    • • As Ordens Religioso-Militares (os Templários, os Hospitalários, os monges de Calatrava e de Santiago) introduzidas na Península no século XI contribuíram para o fortalecimento ideal de cruzada e ajudaram a expulsar os muçulmanos da Península Ibérica.
    • • Aquelas Ordens revelaram-se auxiliares importantes na conquista de terras alentejanas e algarvias. Receberam depois dos reis muitos desses territórios como doação e passaram também a defendê-los.
    Templário Cavaleiros da ordem religioso-militar de Santiago
  • 19. Senhores laicos e eclesiásticos Os concelhos Regiões do território português
  • 20.
    • Concluímos o trabalho dentro do tempo definido pela professora e o nosso maior objectivo é transmitir aquilo que aprendemos aos nossos colegas de uma forma simples, motivadora, clara e eficaz. Esperamos que tenham gostado…!
    • Obrigado pela atenção!
  • 21.
    • http://www.arikah.net/commons/en/thumb/4/42/175px-AfonsoII-P.jpg
    • http://ricardoantunes.zftp.com/files001/Lisboa/CasteloSJorge_DomAfonsoHenriques.JPG
    • http://elblogdeodracir.files.wordpress.com/2007/08/templario.jpg
    • “ O Tempo da História, 2ª Parte”
    • Célia Pinto do Couto, Maria Antónia Monterroso Rosas,
    • Elvira Cunha Azevedo Mea,
    • Porto Editora
  • 22.
    • Osmar Landim, nº 24
    • Fabio Varela, nº 4
    • Mauro Michaela, nº 19
    ALADINOOOO TXAPINHOOOO MAUROOOO

×