Your SlideShare is downloading. ×
Boletim mensageiro do_algarve _ii
Boletim mensageiro do_algarve _ii
Boletim mensageiro do_algarve _ii
Boletim mensageiro do_algarve _ii
Boletim mensageiro do_algarve _ii
Boletim mensageiro do_algarve _ii
Boletim mensageiro do_algarve _ii
Boletim mensageiro do_algarve _ii
Boletim mensageiro do_algarve _ii
Boletim mensageiro do_algarve _ii
Boletim mensageiro do_algarve _ii
Boletim mensageiro do_algarve _ii
Boletim mensageiro do_algarve _ii
Boletim mensageiro do_algarve _ii
Boletim mensageiro do_algarve _ii
Boletim mensageiro do_algarve _ii
Boletim mensageiro do_algarve _ii
Boletim mensageiro do_algarve _ii
Boletim mensageiro do_algarve _ii
Boletim mensageiro do_algarve _ii
Boletim mensageiro do_algarve _ii
Boletim mensageiro do_algarve _ii
Boletim mensageiro do_algarve _ii
Boletim mensageiro do_algarve _ii
Boletim mensageiro do_algarve _ii
Boletim mensageiro do_algarve _ii
Boletim mensageiro do_algarve _ii
Boletim mensageiro do_algarve _ii
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Boletim mensageiro do_algarve _ii

1,017

Published on

Já lá vão três meses desde o aparecimento do primeiro número de “O Mensageiro do Algarve”, desde então não ficámos parados, alguns acontecimentos filatélicos aconteceram no Algarve e dos quais …

Já lá vão três meses desde o aparecimento do primeiro número de “O Mensageiro do Algarve”, desde então não ficámos parados, alguns acontecimentos filatélicos aconteceram no Algarve e dos quais daremos aqui notícia neste número.

Visitamos os locais das exposições, foi agradável ver caras novas e foi também agradável ver novas coleções. Nova gente tem sido atraída para a filatelia, mas ainda sem aderir à sua militância. Gostam, apreciam, perguntam, e dizem que também têm “alguma coisa” em casa, mas quando os incentivamos a expor, dizem que não têm nada pronto. O simples facto de aparecerem a mostrarem-se interessados, alguns dos quais sabemos serem repetentes, levam-nos a crer que mais tarde ou mais cedo teremos novas coleções a expor e com novos intérpretes, não para competir, mas apenas mostrar por mostrar, até porque há ainda o aliciante de dizer – aquilo é meu.

Published in: Entertainment & Humor
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
1,017
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
23
Actions
Shares
0
Downloads
4
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Editorial Já lá vão três meses desde o aparecimento do primeiro número de “O Mensageiro do Algarve”, desde então não ficámos parados, alguns acontecimentos filatélicos aconteceram no Algarve e dos quais dare- mos aqui notícia neste número. Visitamos os locais das exposições, foi agradável ver caras novas e foi também agradável ver novas coleções. Nova gente tem sido atraída para a filatelia, mas ainda sem aderir à sua militância. Gostam, apre- ciam, perguntam, e dizem que também têm “alguma coisa” em casa, mas quando os incentivamos a expor, dizem que não têm nada pronto. O simples facto de aparecerem a mostrarem-se interessados, alguns dos quais sabemos serem repetentes, levam-nos a crer que mais tarde ou mais cedo teremos novas coleções a expor e com novos intérpre- tes, não para competir, mas apenas mostrar por mostrar, até porque há ainda o aliciante de dizer – aquilo é meu. Também a juventude nos tem visitado, aos magotes, dizemos nós, também eles gostam de ver, permanecendo mais nas peças filatélicas adequadas às suas idades. É por aí que os teremos de cativar se que- remos que haja filatelistas amanhã. A filatelia tem-se distribuído desde o Sotavento até ao Barlavento, e não é só nos locais aonde estão sedeados os agrupamentos filatélicos, há pois a preocupação de procurar novos espaços para ampliar o leque de visitantes, chamando-os para a causa, pena é que a divulga- ção não chegue a todo lado pese embora os esforços que fazemos nesta matéria. Vamos entrar no Verão, tempo que não é de “colheita” filatélica, mas que será com certeza tempo de preparação filatélica, já que se avizinham exposições para breve. Boletim das Agremiações Filatélicas e de Coleccionismo do Algarve Publicação Trimestral Abr, Mai, Junho 2013 Ano I, Número 2  Associação Filatélica Alentejo-Algarve (Portimão)  Núcleo de Filatelia de Faro – ATAF (Associação de Trabalhadores Autár- quicos de Faro)  Núcleo Filatélico Juvenil “Os Amigui- nhos dos Selos” (Estoi)  Secção Filatélica do Lions Clube de Portimão  Secção de Coleccionismo da Associa- ção Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Vila Real de Santo António Edição: Nesta edição: Página Quem sabe? 2 Segura(mente) que existe 3 O Algarve visto através de peças do CNM 4 Atividades filatélicas no Algarve de Abril a Junho 10 Próximos eventos 21 Outras notícias 23 Selos colocados em circulação no 2.º trimestre 26
  • 2. Página 2O Mensageiro do Algarve “postal ilustrado (…) endereçado a Anvers (…) obliterado com o carimbo «Comissariado da Polícia Civil de Faro» e marca de chegada de Antwerpen” Quem sabe? O Mensageiro do Algarve abre este rúbrica "Quem sabe?" aos colecio- nadores que tenham dúvidas sobre qualquer peça filatélica e que queiram ter resposta a essa mesma dúvida. Para isso, apelamos a quem saiba, o favor de nos enviar um esclarecimento, que será publicado no número seguinte. Pensamos que, com isto, poderemos prestar um bom serviço aos colecionadores em particular e à Filatelia em geral. Esperamos contar com a boa participação de todos. Um colecionador enviou-nos a reprodução de um postal ilustrado da Igreja do Carmo (Edit. Sera- phim), com data de 22-3-1920, endereçado a Anvers, com dois selos Ceres, de 1c verde e 2c laranja, obliterados com o carimbo "Comissariado da Polícia Civil de Faro" e marca postal de che- gada de Antwerpen a 10-4-1920. Pergunta-se, qual a razão da utilização deste carimbo da Polícia a obliterar correspondência ? António Borralho Pormenor do carimbo da polícia Polícia de Faro fez serviço de Correios?
  • 3. Página 3Ano I, Número 2 Segura(mente) que existe Estava no outro dia a ler a excelente publicação :”Pré Filatelia Portuguesa - Estudo das Marca Postais Pré adesivas de Portugal” (2012) do Dr. Luís Fra- zão para proceder à reorganização da minha coleção, quando reparei numa marca nominativa que era referenciada como podendo ter sido utilizada no final da época pré adesiva. A marca que me refiro trata-se do carimbo “SEGURA - CASTRO MARIM”. Face ao exposto, fui continuando a reorganizar a coleção tendo sempre em mente que na minha coleção tinha a supra referida peça. Realmente, a primeira ideia que tive estava correta e tinha nos meus arqui- vos uma carta que foi expedida pelo Presidente da Câmara Municipal de Castro Marim para o Governador Civil do Distrito de Faro através do Serviço Nacional do Reino e no qual foi aposto a marca nominativa “SEGURA - CAS- TRO MARIM”. Em baixo poderão apreciar a peça filatélica a que me refiro. Luís Brás “(…) reparei numa marca nominativa que era referencia- da como podendo ter sido utilizada no final da época pré adesiva (…) “SEGURA - CAS- TRO MARIM.” Pormenor da marca nominal
  • 4. O Algarve visto através de peças do CNM Página 4O Mensageiro do Algarve Com quatro anos de actividade, o Clube Nacional de Maximafilia já tem no seu palmarés um apreciável lote Postais Máximos produzidos com selos correntes, série base e comemorativos, mas também com selos personali- zados. Destes últimos PMs, extraímos um pequeno lote dedicados ao Algarve, que, pela sua qualidade, pese embora a indefinição destes PMs quanto à legalidade, assunto que aqui não iremos abordar, não ficariam mal em qualquer colecção de maximafilia. Igualmente incluímos alguns sobres- critos, estes sim, pela sua composição poderão ser enquadrados em expo- sições competitivas sem qualquer penalização. Estamos certos que outras peças filatélicas aparecerão com a mesma qualidade e oportunidade, versando temas que dificilmente serão incluídos no Plano Anual de Emissões dos CTT. ALGARVE – LEITEIRA O Traje é a forma de vestir do povo e, o povo algarvio habituado que está a luz do sol sempre trajou de forma alegre, onde a monotonia das cores contrasta com o colorido de todo o meio envolvente. Em oposição dos trajes do norte, a mulher algarvia escolhe corres frias, mas como adep- ta e amiga do luxo, acompanha o seu gosto com as extravagâncias normais da idade, onde a escolha dos tecidos tão bem se enquadra na forma de estar do povo algarvio. A maneira de vestir é condizente com a sua forma de estar em sociedade. Por natureza muito faladora, a mulher do Algarve torna-se muitas vezes o centro das atenções, daí o seu traje apelativo. A monotonia das cores da saia, contrasta com o colorido do avental, a duas ou mais cores, debaixo da saia e não tão visível usam o saiote, a uma só cor, variando do branco aos encarnados dando mais volume ao rodado da saia. O xaile, mais de adorno do que aconchego é quase sempre monoco- lor nas mulheres enquanto que as raparigas optam por xailes multicolori- dos, tapando-lhe parte da blusa de um estampado de chita, optando-se por tecidos mais nobres nos domingos e em dias de festa. O lenço de seda que lhe segura o cabelo é atado na parte superior, de cores claras nas rapari- gas é mais escuro à maneira que a sua idade avança, mas sempre multico- rido. As meias, de algodão, são brancas com bordados simples e garridos. As botas de meio cano e salto avantajado, tem o atamento lateral e presilha posterior, são de cor castanha. Ausência quase total de adornos femininos. Os utensílios variam consoante a actividade que exerce, que, no caso da Leiteira do Algarve, são o cântaro de latão com tampa e medidor acopla- dos. Artigo de: Francisco Galveias
  • 5. Página 5Ano I, Número 2 “Cresce selvatica- mente em Portugal e podendo ser encontrado por todo o país, com maior predominân- cia no Algarve” Selo: Selo Personalizado N20grs. Algarve – Leiteira. Portugal CTT 2010 Primeiro dia de circulação 2010.05.14 Número de exemplares: 100 Postal Máximo: Postal: Algarve – Leiteira, de Arqº Joa- quim Cortes, Kronos- Edições, M-40. Selo: Selo Personalizado N20grs, Algarve – Leiteira, Portugal CTT 2010 Carimbo: Marca de Dia de São Brás de Alportel de 2010.05.14 Sobrescrito: Edição do Clube Nacional de Maximafilia Registo Simples com o Selo Personalizado N20grs, Algarve – Leiteira, Portugal CTT 2010, completado com etiqueta NAVE do valor de 1,30€ de São Brás de Alportel MEDRONHO O medronheiro (Arbutus unedo) é uma árvore frutífera e ornamental da família Ericaceae. É uma planta mediterrânica, podendo ser encontrada em toda a orla ocidental da Europa que vai da Turquia até à Irlanda. Cresce selvaticamente em Portugal e pode ser encontrado em todo o país, com maior predominância no Algarve e, em particular na serra algarvia de Mon- chique. Atinge a altura de cerca de cinco metros, com ramos erectos que brotam de um tronco a partir de 0,5 metros do solo, bastante espaçados entre si. Tem uma copa arredondada de folhas persistentes de formato elíp- tico que assumem a cor verde escura, possuindo um brilho ceroso na face superior. As flores são de cor branca ou levemente rosadas, razão pela qual é classificada também como planta ornamental. Produzem um fruto comestível e bastante doce – o medronho, usado na produção de aguar- dentes e licores. A aguardente obtida a partir do medronho é uma aguar- dente frutícola tradicional portuguesa. O medronho é uma baga redonda e verrugosa de aproximadamente 3 centímetros de diâmetro. Nascem amarelos e vão tomando o tom averme- lhado ou avermelhado rosáceo, surgem em cachos pendentes de pequenos raminhos verdes.
  • 6. Página 6O Mensageiro do Algarve “encontrando-se presentemente em avançado estado de deterioração, o que não será estra- nho o tempo e o vandalismo” Selo: Selo Personalizado N20grs- Medronho. Portugal CTT 2010 Primeiro dia de circulação 2010.09.07 Número de exemplares: 100 Postal Máximo: Postal: Medronho, Medronheiro com medronhos, Kronos- Edições. Selo: Selo Personalizado N20grs, Medronho, Portu- gal CTT 2010 Carimbo: Marca de Dia de Monchique de 2010.09.07 Sobrescrito: Edição do Clube Nacional de Maximafilia Registo Simples com o Selo Personalizado N20grs, Medro- nho, Portugal CTT 2010, completado com etiqueta NAVE do valor de 1,30€ de Monchique. CRUZ DE PORTUGAL Classificado como Monumento Nacional desde Maio de 1910, o Cruzeiro quinhentista em calcário branco existente em Silves, é um dos monumentos mais visitados daquele concelho. Situado a nascente daquela cidade algar- via, mede cerca de 3 metros de altura e ostenta um elaborado trabalho escultórico. Do lado poente apresenta Cristo crucificado, opondo-se a Pietá. No lado oposto, está Cristo descido da cruz nos braços de sua mãe. O tron- co da cruz é ornado por lenhos entrelaçados e podados. Este monumento está classificado como uma das esculturas da arte gótica em Portugal, razão pela qual foi classificado como Monumento Nacional. Esta peça, tan- to quanto estudos já avançados, deverá remontar ao século XV, encontran- do-se presentemente em avançado estado de deterioração, o que não será estranho o tempo e o vandalismo, devendo merecer das entidades compe- tentes uma especial atenção com vista à sua preservação.
  • 7. Página 7Ano I, Número 2 A sua origem está envolta em mistério já que não é totalmente conheci- da, alvitrando a hipótese de ter sido encomendada em França ou Bélgica, devido ao período áureo do “gótico flamejante” existente nas catedrais, aba- dias e colegiadas daqueles países. Também o seu nome – Cruz de Portu- gal, leva-nos a crer que é uma peça encomendada no estrangeiro, aliada ainda ao facto deste tipo de pedra, o calcário branco, não existir no Algarve. Por tudo isto, vale a pena visitar a Cruz de Portugal Selo: Selo Personalizado N20g Silves – Cruzeiro. Portugal CTT 2011 Primeiro dia de circulação 2011.05.17 Número de exemplares: 150 Postal Máximo: Postal: Francisco Mas, Lda – Amadora, Editores e Artes Gráficas. Selo: Selo Personalizado N20grs, Silves – Cruzeiro, Portugal CTT 2011 Carimbo: Marca de Dia de Silves de 2011.05.17 Sobrescrito: Edição do Clube Nacional de Maximafilia Registo Simples com o Selo Personalizado N20grs, Silves – Cruzeiro, Portugal CTT 2011, completado com eti- queta NAVE do valor de 1,30€ de Silves. CHARRETE TÍPICA DO ALGARVE Desde a pré-história que o homem tem vindo a utilizar animais, domesti- cando-os, para seu uso pessoal, há provas de cavalos domesticados há mais de cinco mil anos, quer carregando os seus pertences quer como meio de transporte copulado ou não a carroças. Estas carroças têm sofrido grandes alterações dando uma comodidade ao seu utente, divergindo nas suas características de local para local. A charrete é um meio de transporte rural de tracção animal, geralmente o cavalo, e de amiúde era encontrado nos meios habitacionais quando para efectuar pequenas viagens. Com a evolução do transporte de pessoas caiu
  • 8. Página 8O Mensageiro do Algarve em desuso, sendo substituído por outros meios de transportes mais rápi- dos, eficientes e cómodos. Hoje raramente a encontramos e, não fosse utilizada para fins turísticos ou em manifestações lúdicas já há muito teria desaparecido. No Algarve, adquiriu as características do clima, a capota para protec- ção do sol ou da chuva, as cores alegres e o florido no dorso no animal dão -lhe um aspecto campesino. É fácil encontrá-la, adaptou-se ao transporte de turistas em curtos passeios de circuitos pré-definidos tornou-se no ganha-pão do seu proprietário Selo: Selo Personalizado N20grs. Charrete típica do Algarve. Portugal CTT 2011 Primeiro dia de circulação 2011.09.09 Número de exemplares: 325 Postal Máximo: Postal: Charrete típica do Algarve, foto de Francisco Matoso Galveias, Kronos- Edições. Selo: Selo Personalizado N20grs, Charrete típica do Algarve, Portugal CTT 2011 Carimbo: Carimbo Comemo- rativo do CNM – Clube Nacional de Maximafilia – 2º Aniversário, Vila Real de San- to António, 2011.09.09 Sobrescrito: Edição do Clube Nacional de Maximafilia Registo Simples com o Selo Personalizado N20grs, Charre- te típica do Algarve, Portugal CTT 2011, completado com etiqueta NAVE do valor de 1,30€ de Vila Real de Santo António. BORBOLETA – Papillio machaon Popularmente conhecida como Borboleta Cauda de Andorinha (Papilio machaon), não sendo a mais frequente é seguramente uma das mais visto- sas, aparecendo até final do Verão, apesar da escassez de flores. Conheci- da ainda por Rabo de Andorinha, é vista por toda a Europa, Ásia e América do Norte. Em Portugal escolhe as zonas de maior luminosidade e calor. As cores predominantes, com asas amarelas e pretas e uma envergadura de 8 a 10 centímetros.
  • 9. Página 9Ano I, Número 2 Variando de região para região, os ovos são postos separadamente, entre o final da Primavera e por quase todo o Verão, são depositados nas folhas da planta alimentadora, normalmente as folhas da cenoura, quando isentas de insecticida, fazendo a eclosão cerca de uma semana após a postura dos ovos. O desenvolvimento das lagartas prolonga-se por cerca de um mês, sendo a actividade destas apenas diurna, afastando os seus predadores levantando as suas pequenas antenas e libertando grande odor para os afastar. As crisálidas são envoltas por uma cintura de seda, perma- necendo neste estado por três semanas. Selo: Selo Personalizado N20grs. Borboleta – Papillio machaon. Portugal CTT 2013 Primeiro dia de circulação 2013.03.25 Número de exemplares: 125 Selo Personalizado N20grs. Borboleta – Papillio machaon. Portugal CTT 2013 (descolorida) Primeiro dia de circulação desconhecido (foi só utilizado para correspondência da CNM) Número de exemplares: 100 Postal Máximo: Postal: Forways. Lda. Portugal. Selo: Selo Personalizado N20grs, Borbo- leta – Papillio machaon., Portugal CTT 2013 Carimbo: Marca de Dia de Portimão (Teixeira Gomes) de 2013.03.15 Sobrescrito: Edição do Clube Nacional de Maximafilia Registo Simples com o Selo Personaliza- do N20grs, Borboleta – Papillio machaon., Portugal CTT 2013, completa- do com etiqueta NAVE do valor de 1,30€ de Portimão (Teixeira Gomes) Sobrescrito: De correspondência do Clube Nacional de Maximafilia Carta simples com o Selo Personalizado N20grs, Borboleta – Papillio machaon., Portugal CTT 2013 (descolorido), com- pletado com etiqueta NAVE do valor de 0,21€ de Reboleira (Amadora) e Marca de dia do PC Reboleira de 2013.06.18 Consultas: Joaquim Cortes & Vários sítios da Internet Francisco Galveias
  • 10. Página 10O Mensageiro do Algarve “(…) por altura da realização do “Fórum Europeu de Lions”, realizado no Porto em 2001, foi emitido um selo de 85$00/0,42 € com uma tiragem de 300 mil exemplares.” Atividades Filatélicas no Algarve de Abril a Junho Através da Filatelia o Lionismo têm sido noticia e muitos cidadãos anóni- mos que sendo somente filatelistas acabam por absorver aquilo que através dos selos podemos adquirir – conhecimento. Desde a segunda metade do século XIX o sistema postal nacional passou a ser estabelecido através de um papel pré-pago, em forma de estampa ade- siva – o selo. Os primeiros selos postais foram emitidos em 1 de Julho de 1853,com o porte de 5 r e 25 r e com a efigie da Rainha D. Maria II, Portugal tornou-se o 45º País a adoptar o selo postal. O aparecimento do selo postal é atribuído a Sir Rolland Hill em Inglaterra em 6 de Maio de 1840. Para além da sua principal função, franquiar a correspondência, o selo tornou-se um veículo de informação e um hobby para aqueles que viram nele, para além de um passatempo uma maneira de “conhecer de tudo um pouco, sem sair do mesmo lugar”. Portugal sempre produziu emissões de selos de grande qualidade, tendo sido premiado por isso diversas vezes. O tema do Lionismo também mereceu honras de emissão de selos em diversos Países, sendo que em Portugal por altura da realização do “Fórum Europeu de Lions”, realizado no Porto em 2001, foi emi- tido um selo de 85$00/0,42 € com uma tiragem de 300 mil exemplares. Nessa altura os Correios de Portugal, para além da emissão do selo, produziram diverso mate- rial filatélico colecionável, que permitiu a todos aqueles que o adquiriram conhecerem melhor a nossa Associação, como Grande Movimento de Serviço espalhado por todo o Mundo e que em Portugal como é sabido, teve o seu início em 1953. Mas nem só através do selo, o Lionismo têm sido dado a conhecer filateli- camente, pois vários acontecimentos ficaram assinalados através da emis- são de carimbos comemorativos alusivos a esses eventos. Assim Conven- ções, Exposições Filatélicas, Aniversários, etc. ficaram perpetuadas no Mun- do Filatélico através da emissão de carimbos comemorativos. O Clube Lions que mais têm contribuído para tal é o Lions Clube de Porti- mão, único Clube no universo Português que possui uma Secção Filatélica e que ao longo da sua existência têm feito questão em deixar assinalado filate- licamente os seus eventos. Mostra Filatélica “Fórum Turismo”
  • 11. Página 11Ano I, Número 2 O Fórum Turismo na cidade de Faro, ficou assinalado filatelicamente no dia 18 de Abril, através de um carimbo comemorativo. Iniciativa dos Clubes Lions do Algarve pretendeu o mesmo debater a temática “Turismo” nas suas várias vertentes, quer na sua interligação com as actividades náuticas, des- portivas, desportos motorizados, golfe, quer a sua relação com a Saúde, os Congressos e Actividades hoteleiras. Paralelamente esteve presente uma Mostra Filatélica com algumas colecções de Companheiros dos Lions de Por- timão e Lagoa. Certamente que muitos filatelistas, ainda não conhecedores deste nosso Movi- mento, tentarão aprofundar o seu conhecimento e de tal nascerá, quem sabe, mais um Companheiro Lions, pronto a SERVIR quem mais necessita. Assim, de mãos dadas, o Lionismo através da Filatelia é dado a conhecer-se, é falado e cumpre um dos seus Objectivos: - “Promover um Fórum para a livre discussão dos assuntos de interesse público, exceptuando-se os assuntos de ordem política e religiosa, os quais não devem ser discutidos pelos sócios do clube.” António Cavaco Sobrescrito comemorativo Pormenor da mostra filatélica Abertura da Mostra Filatélica “O Fórum Turis- mo na cidade de Faro, ficou assi- nalado filatelica- mente no dia 18 de Abril, através de um carimbo comemorativo.”
  • 12. Página 12O Mensageiro do Algarve “(…) estiveram paten- tes dez colecções filatélicas pertencen- tes a coleccionadores de Portugal e de Espanha, em que algumas das colec- ções mereceram especial atenção, não só pelo seu pal- marés, mas também pela qualidade de peças que estas colecções conti- nham.” Decorreram em Vila Real de Santo António as comemorações do Dia da Cidade, que este ano coincidiram com as comemorações da atribuição da Carta de Privilégio concedida por D. Manuel, em 8 de Fevereiro de 1513 a António Leite, cujo documento régio determinou a construção de Arenilha e que diz textualmente “nossa villa de d’Arenilha que hora mandamos fazer e edifycar (…) e que nos praz que há dita Villa seja couto assy e de maneira que ho he a nossa Villa de Castro Marym”. A Secção de Coleccionismo não poderia deixar de assinalar esta dupla data – Dia da Cidade e dos 500 Anos de Santo António de Arenilha – dignifi- cando-a com uma Mostra Filatélica que decorreu de 11 a 30 de Maio, uma feira de floricultura, a I Feira Internacional de Floricultura de Vila Real de Santo António, que decorreu nos dias 8 e 9 de Junho e finalmente o I Encontro Internacional de Coleccionismo de Vila Real de Santo António, no dia 9 de Junho. Se, a primeira e última manifestações se realizaram no Centro Cultural António Aleixo, já o encontro de floricultura teve lugar na Praça Marquês de Pombal sendo que no seu conjunto estas manifestações foram visitadas por quase quinze mil pessoas dos quais cerca de um terço se deslocaram ao Centro Cultural para presenciar as duas manifestações de coleccionismo que ali se realizaram. Na Mostra Filatélica estiveram patentes dez colecções filatélicas perten- centes a coleccionadores de Portugal e de Espanha, em que algumas das colecções mereceram especial atenção, não só pelo seu palmarés, mas também pela qualidade de peças que estas colecções continham. Foi con- feccionado um Carimbo Comemorativo representando a primeira marca de Vila Real de Santo António ( ), e produzido um Selo Personaliza- do baseado num desenho do pintor Luís Mansinho Afonso e que representa o que poderá ter sido a Vila de Arenilha. Com estes dois elementos foram confeccionadas as peças filatélicas, Sobrescrito da Mostra Filatélica, Postal Mostra Filatélica “500 Anos da Santo António de Arenilha” Inauguração da Mostra Filatélica. O Vice- presidente da edilidade vilarrealense que presidiu à inauguração da exposição apre- ciando uma das colecções
  • 13. Página 13Ano I, Número 2 Máximo em que, na harmonia de cores e desenhos se transformaram em excelentes veículos de propaganda filatélica. Foi editado um sugestivo Catá- logo com dois artigos versando o mesmo tema – Santo António de Arenilha – sendo um de carácter filatélico e outro de carácter histórico. No encontro de Floricultura, compareceram, por convite, catorze produto- res e comerciantes de flores, de Portugal e de Espanha, destacando aqui um significativo número de coleccionadores de cactos agrupado numa Associa- ção espanhola a ACYSA, Associación Amigos Plantas Suculentas y Cactus de Andaluzia, grande impulsionadora deste tipo de cultura no outro lado da fronteira e, que em Huelva está muitas associado a exposições filatélicas. “Foi editado um sugestivo Catálo- go com dois arti- gos versando o mesmo tema – Santo António de Arenilha – sendo um de carácter filatélico e outro de carácter histó- rico.” Postal Máximo da Mostra Filatélica Sobrescrito da Mostra Filatélica Um Aspecto do I Encontro Internacional de Coleccionismo
  • 14. Página 14O Mensageiro do Algarve Para o I Encontro Internacional de Coleccionadores inscreveram-se 95 coleccionadores dos mais diversos artigos, destacando-se aqui os pacotes de açúcar a filatelia, a numismática e os pins entre muitos outros artigos de colecção, trazendo como acompanhantes cerca de duas centenas de pes- soas. O Centro Cultural António Aleixo estava repleto, as pessoas cruza- vam-se pelos corredores existentes nas mais de uma centenas de bancas, praticando não só a troca directa mas aproveitando também para fazer algum negócio. Para este encontro deslocaram-se coleccionados do norte do país e também do país vizinho, que fizeram deslocações de mais de setecentos quilómetros. Para este encontro foi também emitido um selo personalizado, igualmen- te de desenho do pintor Luís Mansinho Afonso e confeccionado um sobres- crito comemorativo e um Postal Máximo, sobre os quais foi aplicada a Mar- ca-de-dia de Vila Real de Santo António, aplicando-se a data anterior e pos- terior ao encontro, já que o dia 9 coincidiu com um domingo, dia em que a Estação de Correios de Vila Real de Santo António estava fechada. Como dissemos, todas estas manifestações contaram com milhares de visitantes de nacionalidades variadas e, todas elas foram inauguradas pelas entidades oficiais da cidade, que visitaram demoradamente as exposições assistindo às explicações que lhes foram dadas no decorrer na inaugura- ção. Francisco Galveias Sobrescrito do I Encontro Internacional de Coleccionismo de Vila Real de Santo António “(…) estas mani- festações conta- ram com milhares de visitantes de nacionalidades variadas e, todas elas foram inau- guradas pelas entidades oficiais da cidade”
  • 15. Página 15Ano I, Número 2 No âmbito das atividades desenvolvidas pelo Núcleo Infanto-Juvenil “Os Amiguinhos dos Selos”, foi levada a cabo mais uma mostra filatélica. Desta vez o tema escolhido foi “Sou criança”. A mostra filatélica teve como finalidade dar a conhecer à comunidade edu- cativa as coleções que os alunos do 2.º e 4.º ano de escolaridade elaboraram durante o ano letivo e dar a conhecer aos alunos da EB 1 de Conceição de Faro o colecionismo de selos e a importância da organização dos materiais que se coleciona. Paralelamente aos objetivos referidos saliente-se ainda que o carimbo comemorativo desta mostra filatélica foi o primeiro carimbo comemorativo da localidade de Conceição de Faro. Postal Máximo elaborado com selo personalizado Mostra Filatélica “Sou Criança” Visita dos alunos à mostra filatélica (2.º ano escolaridade) Encenação de um posto de correio pelos alunos do pré-escolar “(…) dar a conhe- cer à comunidade educativa as cole- ções que os alu- nos do 2.º e 4.º ano de escolari- dade
  • 16. Página 16O Mensageiro do Algarve “(…) para além das visitas à mostra fila- télica foram dinami- zadas atividades com um duração aproximada de uma hora com cada gru- po turma com jogo lúdico/pedagógicos” Sobrescrito comemorativo Selo personalizado com desenho Sofia Bilanyuk do 4.º ano de escolaridade A mostra filatélica foi visitada por mais de 250 crianças envolvendo os alunos do pré escolar e 1.º ciclo da EB 1 de Conceição de Faro, sendo que no dia 03 e dia 04 para além das visitas à mostra filatélica foram dinamizadas atividades com uma duração aproximada de uma hora com cada grupo turma com jogo lúdico/pedagógicos que durante o ano letivo já haviam sido desenvolvidos com os alunos da Escola EB 1 de Estoi. Para consulta de algumas dessas atividades recomenda-se que visio- nem o blog (http://umlugarparaocoleccionismo.blogspot.com). Por fim refira-se que foram elaborados dois selos personalizados para assinalar o fim das atividades, sendo que os alunos do 2.º ano escolaridade da EB 1 de Estoi elaboraram um desenho sobre o tema “sou criança” e os alunos do 4.º ano de escolaridade elaboraram um desenho sobre o tema sobre o tema “água um recurso precioso”. Desta- que-se que o ultimo tema surgiu na sequência do trabalho que os alunos elaboraram para participar no concurso dos CTT para a melhor carta do ano. Sérgio Pedro Selo personalizado com desenho de Margarida Sousa do 2.º ano de escolaridade
  • 17. Feira Filatélica “1.ª Mostra de Associativismo” Página 17Ano I, Número 2 Realizou-se em 7 e 8 de Junho a 1.ª Feira do Associativis- mo de Portimão (FAP), uma ini- ciativa do Teatro Infantil de Porti- mão (TIPO), Teia D’Impulsos (TDI) e Alvorecer, em parceria com a Câmara Municipal de Porti- mão, com os objetivos de:  Dinamizar e promover o movimento associativo de Portimão;  Promover a inter-relação entre as associações do município de Portimão;  Promover as atividades desenvolvidas em cada instituição, criar animação social e cultural em Portimão e enriquecer a oferta turís- tica do concelho. “Aderiram à iniciativa 26 Associações, culturais, desportivas e de Soli- dariedade Social e os eventos desenrolaram-se em vários locais da cidade, no Jardim do Largo 1.º Dezembro, Casa Manuel Teixeira Gomes, Clube União Portimonense, Clube de Ténis Portimão e Rocha, Clube Naval, Delegação da Cruz-Vermelha de Portimão, pontão fluvial e rio Arade. De entre as atividades desenvolvidas destacamos: Sessões e Encon- tros de Poesia, Teatro de Fantoches, Oficinas de Fantoches e de Mode- lagem de Balões, Espetáculos de Música diversa, Danças diversas de Portugal, da Guiné Bissau e de Cabo Verde, Workshop de Dança, Work- shop de Jazz Styles, Workshop de Culinária e Degustação de um Prato Algarvio, Judo, Karaté, Torneio de Mini Ténis, Vela Solidária, “Quiz”, Passeios de Barco, canoagem no Rio, Interação com Póneis, Torneio de Sueca, Rastreios de Glicemia e Colesterol, Medição da Tensão Arterial, Exposição de Filatelia, Posto de Correios, Recolha de produtos alimen- tares – (Para entrega no Refeitório Social da Nossa Senhora do Ampa- ro).” A AFAL aderiu à 1.ª Feira de Associativismo de Portimão participando com uma Exposição na Casa Manuel Teixeira Gomes, integrada no Pla- no Filatélico Anual da Federação Portuguesa de Filatelia para 2013, com o espírito de colaboração e de mostrar um pouco da atividade que tem desenvolvido ao longo de 32 anos. “A AFAL aderiu à 1.ª Feira de Asso- ciativismo de Porti- mão participando com uma Exposi- ção na Casa Manuel Teixeira Gomes”
  • 18. Página 18O Mensageiro do Algarve “Os correios concede- ram uma marca postal comemorativa com a reprodução do logóti- po da Feira.” Foram expostas peças filatélicas da AFAL, de uma sele- ção de Carimbos Comemorativos e de material que tem edi- tado, constituído por catálogos, livros, revistas, cartazes etc. Também presente uma participação sobre os 150 Anos do 1.º Selo Português 1853-2003 que a Associação preparou no âmbito destas comemorações e que se integram nos 160 anos que se comemoram este ano. Os correios concederam uma marca postal comemorativa com a reprodução do logótipo da Feira. Embora o Posto de Correio tivesse fun- cionado apenas uma hora, devido à greve dos CTT, o serviço foi asse- gurado, posteriormente, aos colecionadores não atendidos neste curto espaço de tempo. António Borralho Como noticiámos no último número, começou a funcionar na Escola EB 2/3 Dr. António da Costa Contreiras de Armação de Pêra, do Agrupa- mento de Escolas Silves Sul. Foi pedida a sua filiação na Federação Portuguesa de Filatelia. Tem funcionado nas manhãs de quinta-feira, registando uma adesão crescente sob a orientação da filatelista e dirigente do CNE Manuela Lourenço. Na última semana de aulas esteve patente, nas vitrinas do átrio da escola, uma mostra filatélica de divulgação com as temáticas de "Escutismo" e "A criança na escola e na sociedade". Despertou o inte- resse dos alunos e foram dadas informações pertinentes aos interessa- dos. O Núcleo participará no plano de atividades do Agrupamento para o próximo ano letivo destacando-se desde já a realização de uma maquete para a emissão de um selo e um carimbo comemorativo. Manuela Lourenço Mostra Filatélica de divulgação Escola EB 2/3 de Armação de Pêra Sobrescrito comemorativo
  • 19. Mostra Filatélica “A Cortiça” Página 19Ano I, Número 2 Dia 08 de Junho abriu ao público mais uma mostra filatélica organizada pelo Núcleo de Filatelia de Faro, desta vez em S. Brás de Alportel (Museu do Trajo). Apesar do espaço não ser o melhor e a afluência de visitantes à inaugu- ração ter sido diminuta poderá dizer-se que abertura da mostra correu mui- to bem sendo precedida de um almoço convívio entre colecionadores . Na mostra entre muitos outros pormenores destaque-se, a presen- ça de uma coleção "Portugal um pequeno país muito especial" de Dr. Romano Caldeira Câmara (destacado filatelista nacional fale- cido em 2012) que nesta exposição foi representado pelo seu filho Arqt.º Octávio Câmara. Refira-se ainda a coleção temática do Dr. Jorge Bomba "Blocos n.º 1", no qual se pode apreciar os primeiros blocos emitidos em todo o mundo. Bloco n.º 1 de França Pormenor do local da mostra filatélica “Na mostra entre muitos outros por- menores destaque- se, a presença de uma coleção "Portugal um pequeno país muito especial" de Dr. Romano Caldeira Câmara ”
  • 20. Página 20O Mensageiro do Algarve A coleção de Luís Brás denominada História Postal do Algarve, no qual se pode apreciar peças de filatelicas do período pré adesivo com marca nominais do Algarve, no qual podemos destacar uma carta no qual foi aposto a marca nominal de "Segura - Castro Marim", que na recente publicação do Dr. Luís Frazão é mencionada como sendo um peça des- conhecida. Foi produzido um selo personalizado de taxa N com uma tiragem de 100 unidades. Foram elaboradas diferentes peças filatélicas de acordo com a criatividade dos filatelistas / coleccionadores, onde deixamos aqui as imagens de alguns desses exemplares. Sérgio Pedro Carta com marca nominal “SEGURA - CASTRO MARIM Sobrescrito comemorativo com selo personalizado Sobrescrito registado com AR com bloco “Europa 2011 - Florestas” À esquerda: Bilhete Postal dos CTT Ano Internacional das Florestas 2011; Ao centro: Postal ilustrado de cortiça com selo de cortiça; À direita: Postal ilustrado com selo “Europa 2011 - Florestas” (Continente)
  • 21. Página 21Ano I, Número 2 “As Missões Lai- cas foram uma criação da Repúbli- ca, que tiveram a sua origem na Lei da Separação da Igreja do Estado de Abril de 1911” Vai realizar-se na Biblioteca da Universidade do Algarve uma exposi- ção sobre as Missão Laicas na 1ª República. As Missões Laicas foram uma criação da República, que tiveram a sua origem na Lei da Separação da Igreja do Estado de Abril de 1911, e tinham como objectivo resolver o grave problema missionário, que existia nas nossas colónias africanas, onde a desnacionalização do território era uma realidade. Esta exposição iniciar-se-á a 8 de Setembro de 2013 na Biblioteca da Universidade do Algarve, e permanecerá até 24 do mesmo mês. No dia 24 de Setembro será apresentado o livro sobre este tema, de autoria de Pedro Marçal Vaz Pereira. As Missões Laicas em África durante a 1ª Repúbli- ca, trata-se de um trabalho que foi desenvolvido duran- te 7 anos e que deu origem a dois volumes com 1040 páginas, profusamente ilustradas com fotos e docu- mentação da época. Nesse mesmo dia o autor do livro dará na Universi- dade do Algarve uma conferência sobre este interessante tema. Pedro Vaz Pereira Exposição sobre Missões Laicas na 1.ª República Próximos eventos Capa do livro Vai ser lançado no próximo dia 9 de Agosto na Biblioteca Municipal Vicente Campinas, em Vila Real de Santo António o livro “Os Bombeiros na Filatelia Portuguesa” da autoria de Francisco Matoso Galveias. Esta obra está dividida em seis capítulos: Um pouco de história; As fór- mulas de franquia; As obliterações; Os santos padroeiros; As peças filatéli- cas e a montagem de uma colecção; Os grupos de filatelia em Associa- ções de Bombeiros e retrata tudo quanto se emitiu sobre a temática de Bombeiros em Portugal, embora se reconheça poder haver peças filatéli- cas importantes e não referenciadas. Este livro foi prefaciado por Jaime Marta Soares, Presidente do Conse- lho Executivo da Liga dos Bombeiros Portugueses e por Pedro Vaz Pereira Presidente da Federação Portuguesa de Filatelia – APD Francisco Galveias Lançamento do Livro “Bombeiros na Filatelia Portuguesa
  • 22. Página 22O Mensageiro do Algarve ”[A secção Filatélica do Lions Clube de Portimão] É a única existente em Clubes Lions em Portugal” ALGARPEX 2013 O Lions Clube de Portimão, fundado em 1980, tem desenvolvido ao longo dos anos uma intensa atividade ao serviço da comunidade no Concelho de Portimão. Na parte cultural criou, em 1981, uma Secção Filatélica. É a única existente em Clubes Lions em Portugal. Possuí uma importante coleção se selos sobre o Lionismo, tem levado a efeito inúmeras manifestações filatélicas e mantem em perma- nência, na Sede do Lions, uma Mostra Filatélica de 3 quadros. Cabe-lhe, este ano, de 23 a 27 de Outubro a organização da ALGARPEX 2013 - IV Exposição Filatélica do Algarve com a colaboração da AFAL - Associação Filatélica Alentejo Algarve, da Secção Filatélica da Associação dos Trabalhadores Autárquicos de Faro - ATAF e da Secção Filatélica dos Bombeiros de Vila Real de Santo Antó- nio, patrocínios e apoios da Federação Portuguesa da Filatelia, CTT - Correios de Portugal, Município de Portimão e Hotel Júpiter. As "ALGARPEX" - Exposições Filatélicas do Algarve são exposi- ções a levar a efeito, anual e alternadamente, pelo conjunto de Agremia- ções Filatélicas sediadas no Algarve, destinada a colecionadores naturais ou residentes no Algarve, com os seguintes objetivos: - Divulgar e promover a filatelia na Província do Algarve incentivando novos colecionadores; - Despertar o interesse dos filatelistas pela participação em certames fila- télicos; - Mostrar que, para ser colecionador, não é obrigatório obedecer a crité- rios rígidos de apresentação; - Dar a possibilidade a todo o colecionador de apresentar as suas cole- ções tal e qual como as idealizou; - Incentivar e orientar o colecionador a enveredar pela competição; - Desenvolver os laços de amizade e colaboração entre os filatelistas, dando uma valiosa contribuição para a melhor compreensão entre todos; - Procurar difundir, principalmente entre a juventude, a atividade filatélica no que respeita ao seu valor cultural e ao seu interesse para a educação e ocupação de tempos livres; - Promover, anualmente, um grande encontro entre colecionadores, com ampla participação de todos, onde possam mostrar as suas coleções, possam receber sugestões e criar amizades. Solicite o regulamento no email algarpex2013.lions@gmail.com ou no Tel: 933256835 / 282 418 345 CONTRIBUA PARA O DESENVOLVIMENTO DA FILATELIA NO ALGARVE Secção Filatélica do Lions Clube de Portimão
  • 23. Página 23Ano I, Número 2 “A AFAL organizou uma destas Nation's Cup em Lagoa, no ano de 2002, entre Portugal, Espanha e Republica Checa.” Outras Notícias Com o aparecimento do selo postal, em 1840, na Inglaterra, logo apare- ceram os primeiros colecionadores, Clubes, revistas e catálogos. Os colecionadores de selos, que passaram a designar-se por filatelistas são aqueles que juntam, pesquisam, identificam e classificam, segundo determi- nada ótica, todo e qualquer documento que serviu ou serve para a utiliza- ção de um serviço postal. Os filatelistas deram origem ao nascimento da Filatelia, cuja palavra foi empregue pela primeira vez em 15 de Novembro de 1864 na revista "Le collectioneur de Timbre-Poste". As reuniões em Clubes e Exposições multiplicaram-se, as Federações Nacionais Europeias começaram a surgir e, em 1926, deram origem à cria- ção da Federação Internacional de Filatelia, com os objetivos de promover o colecionamento de selos, manter relações amistosas entre todos os povos, estabelecer e manter relações estreitas com o comércio filatélico e as administrações postais e promover exposições filatélicas. A filatelia começa a organizar-se, as Exposições começaram a ser regula- mentadas e competitivas com as atuais Classes Filatélicas, Tradicional, História Postal, e Inteiros Postais. A partir de 1950 surgiram novas classes, Filatelia Temática, Aerofilatelia, Astrofilatelia, Maximafilia, Filatelia Juvenil, Literatura Filatélica, Fiscais. Em finais do século passado e início do terceiro milénio com vista a incentivar os filatelistas a expor apareceram as classes Aberta e de Um Quadro que foram devidamente regulamentadas. Iniciaram-se em 2001 as Nation´s Cup, uma espécie de Campeonatos de Filatelia entre 3 países. Um projeto da FIP que era promissor. A AFAL organizou uma destas Nation's Cup em Lagoa, no ano de 2002, entre Por- tugal, Espanha e Republica Checa. Filatelia Moderna (do século XXI) Nova Classe Filatélica FIP na Brasiliana 2013
  • 24. Página 24O Mensageiro do Algarve ”Os objetivos invoca- dos são os de incen- tivar os filatelistas mais novos a expor ao mais alto nível e demonstrar às admi- nistrações postais que há muitos cole- cionadores a colecio- nar e a estudar os materiais emitidos a partir de 2001.“ Este tipo de Campeonatos teve duração efémera e poucos se realiza- ram. Não se impôs, infelizmente, no panorama filatélico mundial. Surge agora a Filatelia Moderna (do século XXI), na Brasiliana 2013, como classe promocional, curiosamente a classe 13 da Exposição. Vinga- rá, certamente. No futuro próximo há que a regulamentar para que o fila- telista saiba organizar convenientemente a sua participação. Os objetivos invocados são os de incentivar os filatelistas mais novos a expor ao mais alto nível e demonstrar às administrações postais que há muitos colecionadores a colecionar e a estudar os materiais emitidos a partir de 2001. As participações de Filatelia Moderna serão analisadas com base nos regulamentos da Tradicional, História Postal e Inteiros Postais. Há que ter em atenção ao material filatélico moderno emitido no século XXI digno de estudo. Por vezes difícil de conseguir, tratar e apresentar e ainda sem indicações precisas sobre a sua importância ou raridade. Está lançado o repto aos colecionadores, sobretudo aos jovens. Pode-se colecionar com material moderno sem grande dispêndio desde que haja génio e imaginação. António Borralho Selos Personalizados na hora Durante este verão os colecionadores que estiverem no Algarve e queiram fazer um selo personalizado poderão dirigir-se à loja dos CTT Cerro Alagoa em Albufeira que dispõe do serviço “Meu selo” na hora. Este serviço permite que os clientes que se dirijam à loja possam através dos suportes digitais comummente utilizados elaborar o seu selo persona- lizado e tê-lo disponível na hora, uma vez que a supra referida estação tem o equipamento necessário para fazer a impressão do selo personali- zado. Ricardo Brito
  • 25. Otimização de Lojas CTT no Algarve Página 25Ano I, Número 2 “Estiveram presen- tes os portugueses Pedro Vaz Pereira e António Borralho que receberam a medalha entregue pelo Presidente da Federação Espa- nhola” 50.º Aniversário da FESOFI No passado dia 29 de Abril comemorou-se, em Madrid, o 50.º Aniver- sário da FESOFI - Federação Espanhola de Filatelia, com a emissão de um selo comemorativo, a publicação de vários livros de que destacamos a Enciclopédia de Selos de Espanha e o Catálogo de Selos Comemorati- vos a entrega da Medalha dos 50 Anos a filatelistas espanhóis e estran- geiros distinguidos pela Federação Espanhola assim como a várias enti- dades filatélicas. Ocorreu em Madrid, no auditório do Museu da Casa da Moeda de Espanha. Estiveram presentes os portugueses Pedro Vaz Pereira e António Bor- ralho que receberam a medalha entregue pelo Presidente da Federação Espanhola, Fernando Aranaz del Rio. António Borralho Na sequência da optimização da sua rede de Estações de Correio (atualmente chamadas de lojas CTT), durante o segundo trimestre fecha- ram ao público mais algumas lojas dos CTT, nomeadamente, Paderne a 23 de Maio, Boliqueime e Alte a 24 de Maio, e por fim Santa Barbara de Nexe a 30 de Maio. Refira-se que nas localidades acima mencionadas o serviço de correio passou a ser assegurado por um posto de correio. Sérgio Pedro
  • 26. Página 26O Mensageiro do Algarve ”Selos colocados em circulação no 2.º trimestre Vultos da História e da Cultura Festas Tradicionais Portuguesas 500 anos Portugal - China Europa 2013 - Veí- culos Postais” Selos colocados em circulação pelos CTT no 2.º trimestre Vultos da História e da Cultura Emissão: 2013 / 04 / 15 Selos €0,36 €0,60 €0,70 €0,80 €1,00 - Festas Tradicionais Portuguesas (3.º grupo) Emissão: 30/04/2013 Selos €0,03 €0,04 €0,36 €0,50 €0,70 €0,80 €1,00 €1,70 - 500 Anos Portugal - China Emissão: 08/05/2013 Selos €0,36 €0,80 Bloco com 1 selo € 3,00 - Europa 2013—Veículos Postais Emissão: 09/05/2013 Selos 3 x €0,70 Blocos 3 x com 2 selo €1,40 (cada selo €0,70)
  • 27. Página 27Ano I, Número 2 - Centenário das Missões Laicas em África Emissão: 13/05/2013 Selos €0,36 €0,80 Bloco com 1 selo € 3,00 - Apicultura - Madeira Emissão: 17/05/2013 Selos €0,36 €0,70 €0,80 €1,70 Blocos 2 x com 1 selo €1,90 - 2013 – Ano Internacional das Probabilidades e da Estatística Emissão: 24/05/2013 Selos €0,36 €1,00 Bloco com 1 selo € 2,00 - Rota das Catedrais (2.º grupo) Emissão: 06/06/2013 Selos 6 x €0,36 2 x €0,80 - Ourivesaria Arcaica Emissão: 21/06/2013 Selos €0,36 €0,70 €0,80 €1,70 Bloco com 1 selo €1,00 ”Selos colocados em circulação no 2.º trimestre Centenário da Mis- sões Laicas em Africa Apicultura - Madei- ra 2013 - Ano Interna- cional das Probabi- lidades e da Esta- tística Rota das Catedrais Ourivesaria Arcai- ca”
  • 28. Endereços das Agremiações: AFAL - Associação Filatélica Alentejo Algarve Avenida 25 de Abril, Bloco 2, r/c 8500-610 Portimão Núcleo de Filatelia de Faro - ATAF Beco do Arco 8000 Faro Núcleo Infanto Juvenil “Os Amiguinhos dos Selos” Escola EB 2/3 Poeta Emiliano da Costa - Estoi Rua Prof. Amilcar Quaresma - Estoi 8005-479 FARO Secção Filatélica do Lions Clube de Portimão Auditório Municipal Rua Miguel Bombarda 8500-299 Portimão Secção de Colecionismos da Associação Humantários dos Bombeiros Voluntários de Vila Real de Santo António Rua Francisco Sá Carneiro S/N 8900-307 Vila Real de Santo António Boletim das Agremiações Filatélicas e de Coleccionismo do Algarve Divulgando a filatelia e o coleccionismo do Algarve. Colaboraram neste número: António Borralho António Cavaco Francisco Galveias Luís Brás Manuela Lourenço Pedro Vaz Pereira Ricardo Brito Secção Filatélica do Lions Clube de Portimão Sérgio Pedro Paginação e Montagem: Sérgio Pedro Os artigos publicados são da inteira responsabilidade dos seus autores. - Missões católicas em Africa - Apicultura - Açores - Joana Vasconcelos no Palácio Nacional da Ajuda - Prémio de arquitetura Aga Khan Próximas emissões filatélicas (Julho a Setembro) Entidades responsáveis pelo boletim Email: omensageirodoalgarve@gmail.com

×