A morte-e-a-morte-e-quincas-berro-dagua

569 views

Published on

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
569
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
11
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

A morte-e-a-morte-e-quincas-berro-dagua

  1. 1. A morte e a morte de Quincas Berro D´Água – Jorge Amado PROF. ALEX ROMERO Literatura  UFPI/2003 – Prof. Alex Romero 1 A morte e a morte de Quincas Berro D´Água Jorge Amado I-RESUMO BIOGRÁFICO: Jorge Amado de Faria nasceu em 1912, em Ferradas, hoje município de Itabuna, Bahia. Filho de comerciante sergipano que se tornou produtor de cacau, fez seus estudos em Ilhéus, Salvador e Rio. Nos fins da década de 20, levou vida de jornalista boêmio, na capital baiana, onde participou de grupos literários e da efêmera "Academia dos Rebeldes", uma das primeiras manifestações de oposição ao Modernismo, no nordeste. Em 30, foi para o Rio estudar Direito. Nessa cidade, colaborou em jornais, fez parte de grupos literários e publicou, em 1931, O País do Carnaval, o que o tornou conhecido. “Sou apenas um baiano romântico e sensual”. A notoriedade chegou com os dois romances seguintes: Cacau e Suor, publicados em 33 e 34. Em 1932, aproximou-se dos grupos políticos de esquerda, apresentado por Rachel de Queiroz. Participou do movimento de frente popular da Aliança Nacional Libertadora, conhecendo as agruras da prisão, em 36 e 37. Perseguido, exilou-se em Buenos Aires, Argentina, de 1941 a 1943, período em que publicou a biografia de Carlos Prestes e escreveu Terras do Sem Fim. Em 1946, com a redemocratização, elegeu-se deputado federal pelo Partido Comunista Brasileiro. No ano seguinte, perdeu o mandato, quando o partido foi considerado ilegal. Em 1947, deixou o país por alguns anos, morando na França e em vários países socialistas da Europa. A partir de 1958, sua produção metódica tem- lhe permitido viver exclusivamente de literatura. Em 1959, foi eleito para a Academia Brasileira de Letras. É, sem dúvida, o autor mais popular da literatura brasileira; seus livros foram traduzidos para mais de 40 línguas, sendo por isso conhecido mundialmente. É o escritor mais amado pelo público e o menos amado pela crítica. II-OBRA: Romance O País do Carnaval (1931); Cacau (1933); Suor (1934); Jubiabá (1935); Mar Morto (1936); Capitães da Areia (1937); Terras do Sem Fim (1943); São Jorge do Ilhéus (1944); Seara Vermelha (1946); Os Subterrâneos da Liberdade (1954); Gabriela Cravo e Canela (1958); Os Pastores da Noite (1964); "As Mortes e o Triunfo de Rosalinda" in Os Dez Mandamentos (1965); Dona Flor e Seus Dois Maridos (1966); Tenda dos Milagres (1970); Teresa Batista Cansada de Guerra (1972); Tieta do Agreste (1977); Farda, Fardão e Camisola (1979); O menino Grapiúna (1982); Tocaia Grande -A Face Obscura (1984); O Sumiço da Santa (1988); A Descoberta da América pelo Turcos (1994). Novela Os Velhos Marinheiros: A Morte e a Morte de Quincas Berro D'água, A Completa Verdade Sobre as Discutidas Aventuras do Comandante Vasco Moscoso de Aragão, Capitão-de- Longo-Curso (1961); O Compadre de Ogun (1995). Teatro O Amor de Castro Alves (1947) reeditado como O Amor do Soldado.
  2. 2. A morte e a morte de Quincas Berro D´Água – Jorge Amado PROF. ALEX ROMERO Literatura  UFPI/2003 – Prof. Alex Romero2 Poesia A Estrada do Mar (1938). Outras ABC de Castro Alves (1941); O Cavaleiro da Esperança (1942); O Mundo da Paz (1951); O Gato Malhado e Andorinha Sinhá (1976); O Milagre dos Pássaros (1997). Guia Bahia de Todos os Santos (1945) (guia da cidade de Salvador). A morte e a morte de Quincas Berro D'Água 1-INTRODUÇÃO: A obra de Jorge Amado está inserida na segunda fase do Modernismo (o intitulado “Romance da Seca”). Os autores desta geração priorizaram a problemática ruralista do Nordeste, evidenciando os contrastes e as explorações sociais sofridas pelos sertanejos. Jorge Amado popularizou-se em criar tipos sociais, abusando da espacialidade e exotismo da Bahia, gerando um ambiente propício para que seus personagens possam agir livres, entregues ao universo que os circunda. É neste universo que esta novela de Amado se desenvolve. Os becos, as ruas, os espaços habitados pela gente pobre, humilde, feliz e excluída da velha São Salvador são dissecados aos olhos do leitor que necessita de uma certa malícia, ironia e humor para compactuar com o escritor que lida de forma divertida, dolorida e irônica com a morte. Autor dos mais respeitados na literatura brasileira, desde os anos trinta, Jorge Amado tem pontificado e feito sucesso de crítica e de público. Sua obra explora os mais diferentes aspectos da vida baiana: a posse violenta da terra, com as conseqüências sociais terríveis, como ocorreu na colonização da zona cacaueira do Sul da Bahia, está magistralmente imortalizada em Cacau, São Jorge de Ilhéus, Gabriela, Cravo e Canela e Terras do Sem Fim. Os tipos folclóricos das ladeiras de Salvador estão presentes em Tenda dos Milagres, Capitães da Areia, Mar Morto. A literatura engajada, comprometida com a ideologia política do Autor faz-se presente em Os Subterrâneos da Liberdade, O Cavaleiro da Esperança. Os perfis de mulheres extraordinárias que comovem e seduzem estão em Tieta do Agreste, Dona Flor e seus Dois Maridos, Gabriela e muitos outros... Primeiro é preciso que se tenha em mente o "descompromisso" do Autor com o registro formal culto, para se entender melhor o comentário que se faz constantemente sobre seu "estilo". Jorge Amado já se autoproclamou "um baiano romântico e sensual". É o que a crítica costuma rotular de contador de estórias. Não segue, intencionalmente, o rigor da técnica de construção literária e nem dá a mínima para as normas gramaticais e ortográficas. Incorpora, com a maior naturalidade, à língua escrita, termos e expressões típicas da língua oral e de sua Bahia idolatrada. Não espere o leitor, portanto, defrontar-se com um texto primoroso, regular, pausterizado. Entretanto, quem se aventurar nos meandros de suas páginas, esteja preparado para o deguste de um texto saboroso e suculento que transpira a trópico, a calor, a vida. Suas histórias são tramadas sobre o povo simples e rude, numa língua que esse povo fala e entende. A morte e a morte de Quincas Berro D'água é, antes de tudo, uma crítica azeda aos comportamentos burgueses. A par disso, Jorge Amado soube colocar sua imaginação a serviço do humor e da ironia: criou, nas 12 partes da novela, um homem, Quincas, que, mesmo morto, vai ter sua noite de almirante. 2. ENREDO COMENTADO A novela, dividida em 12 capítulos, retrata a morte do rei dos malandros Quincas Berro Dágua e toda a magia do ambiente baiano que circunda as histórias fantásticas dos cantadores de feira, do povo humilde que se utiliza da oralidade, da notícia que ainda se leva de boca em boca. No primeiro capítulo, o narrador nos antecipa os mistérios e as lacunas que permaneceram sem explicação na morte de Quincas Berro Dágua. Também ficamos sabendo que Quincas já teria outra morte, o que aconteceu quando abandonou a família para viver de malandragem. A filha e o genro anteciparam para a próxima geração que o avô Joaquim, homem respeitável, já havia falecido. Então, Joaquim, ao se transformar em Quincas, teria a sua primeira morte, ao se desligar da família. Se a morte não foi física, pelo menos foi moral. Quincas era uma vergonha para a família. Ficamos sabendo também que de fato o personagem seria um recordista de morte, somando ao todo pelo menos três. E o narrador nos adverte: "Não sei se esse mistério da morte ( ou das sucessivas mortes) de Quincas Berro Dágua pode ser completamente decifrado. Mas eu o tentarei, como ele próprio aconselhava, pois o importante é tentar, mesmo o impossível."
  3. 3. A morte e a morte de Quincas Berro D´Água – Jorge Amado PROF. ALEX ROMERO Literatura  UFPI/2003 – Prof. Alex Romero 3 O capitulo II vemos o perfil de Joaquim Soares da Cunha, segundo a família: de boa família, exemplar funcionário da Mesa de Rendas Estadual, ouvido com respeito, todo burguês, jamais visto em botequim. Este é o Quincas que existia, quando resolveram decretá-lo morto para a sociedade. Quando a filha Vanda ou o genro Leonardo sabiam alguma notícia de Quincas através de vizinhos ou terceiros era como se um morto se levantasse do túmulo. Neste capítulo, também a família fica sabendo através de um santeiro que Quincas estava espichado, morto em uma pocilga miserável. A família suspirou com alívio, poderia falar do Joaquim exemplar: bom pai, bom esposo. Fora encontrado por uma nega vendedora de mingau. Encontrou-o com o dedão do pé direito fora da meia rasgada e de sapato roto no chão. O santeiro espanta-se ao ver onde a família de Quincas morava e pergunta o motivo dele se encontrar naquela miséria: se foi traição da mulher. O genro retruca que a sogra, a Dona Otacília, era uma santa. Porém, na fotografia de Otacília, o santeiro vê um osso duro de roer. A família começa a tomar as providências para o velório. No capítulo III, a filha Vanda chega à pocilga, e recorda do quanto tentara trazê-lo de volta em vão. O defunto "era um morto pouco apresentável, cadáver de vagabundo falecido ao azar, sem decência na morte, sem respeito, rindo-se cinicamente, rindo-se dela (...) Cadáver para necrotério, para ir no rabecão da polícia servir depois aos alunos da Faculdade de Medicina(...) Era o cadáver de Quincas Berro Dágua, cachaceiro, debochado e jogador, sem família, sem lar, sem flores e sem rezas. Não era Joaquim Soares da Cunha, correto funcionário da Mesa de rendas Estadual(...)", aposentado, bom esposo. Vanda indaga-se como pode um homem, aos cinqüenta anos, abandonar tudo e começar nesta idade "a vagabundear pelas ruas, beber nos botequins baratos, freqüentar o meretrício, viver sujo e barbado, morar em infame pocilga, dormir em um catre miserável?" Por mais que tentasse não conseguiria compreender. Loucura de hospício não era. Assim, nem Quincas havia dado o último suspiro, a família já o iria transformar em Joaquim Soares da Cunha. No capítulo IV, a família vê-se às voltas com a vergonha e como evitá-la. Para isso, qual seria a melhor forma de se livrar do defunto? Neste capítulo também tem a chegada do médico para o óbito. E o médico conclui: "- Ele está rindo, hein! Cara de debochado. Vanda fechou os olhos, apertou as mãos, o rosto vermelho de vergonha." No capítulo V, a família entrega o corpo para uma funerária, tentando gastar o mínimo possível: compram tudo novo, menos a cueca, pois é desnecessária. Em um almoço de família, comendo uma peixada, Vanda, Leonardo, o irmão de Quincas, Eduardo, e a gordíssima tia Marocas, encontravam um solução para se livrar do incômodo da forma mais barata, rápida e discreta possível. Decidiram velá-lo na pocilga mesmo e diriam que ele morreu no interior. Convidariam para a missa de sétimo dia. O capítulo VI está às voltas com as soluções práticas da família para resolver o problema. Iriam velar o defunto só os quatro familiares, revezando-se em turnos. E lá estava Quincas na esquife, severo e nobre. "Duas velas enormes (...) lançavam uma chama débil, pois a luz da Bahia entrava pela janela (...) Tanta luz do sol, tanta alegre claridade, pareceram a Vanda uma desconsideração para com a morte, faziam as velas inúteis, tiravam-lhe o brilho augusto. Vanda, velando o pai, começa a restaurar o homem bom da infância ." Neste capítulo também somos informados como Quincas abandonou tudo: "A verdade é que Joaquim só começara a contar em suas vidas quando, naquele dia absurdo, depois de ter tachado Leonardo de 'bestalhão', fitou a ela e a Otacília e soltou-lhes na cara, inesperadamente: - Jararacas! E, com a maior tranqüilidade desse mundo, como se estivesse a realizar o menor e mais banal dos atos, foi-se embora e não voltou." Contava Quincas com cinqüenta anos, perambulou pela felicidade durante dez anos. No silêncio fúnebre, Vanda ouvia o pai dizer jararaca, ela empalideceu. A tia chega. O defunto alegra-se com a brisa do mar que entra e apaga as velas, sorrindo e ajeitando-se melhor no caixão. O capítulo VII esta todos às voltas com a tristeza causada em todos os miseráveis da cidade. Passamos a conhecer o Quincas Berro D’água e o quanto era querido. Os amigos estavam inconformados por ter morrido em terra, um homem que se dizia velho marinheiro, mesmo sem nunca tê-lo sido. Era herança que herdara de família, dizia. Seu corpo, por sua vontade, pertencia ao mar. Também neste capítulo somos informados do apelido Berro D’água, agregado a Quincas. O espanhol o enganou e ofereceu-lhe água, em lugar de cachaça. Ao perceber o engodo, Quincas deu um berro fenomenal "- Äguuuuua!", chamando a atenção de meio mundo, sendo ouvido até no elevador Lacerda. A partir de então, transformou-se em Quincas Berro D’água. Todos sofriam a morte de Quincas. O povo estava de luto. Começa a aparecer as bondades do velho e bom malandro Quincas Berro D’água. No capítulo VIII, conhecemos os quatro melhores amigos de Quincas: Curió, Negro Pastinha, Cabo Martim e Pé-de-vento. Também estes personagens são caracterizados. O capitulo XIX faz-se pelo enfrentamento dos amigos da malandragem, citados no capítulo anterior e a família de Quincas. No capítulo X, continua o velório e os quatro amigos em voz baixa disputam o amor da amante de Quincas, a Quitéria do Olho Arregalado. Agora, era turno do irmão de Quincas, o Eduardo, que iria passar a noite, mas decide deixar o irmão com os amigos e ir descansar um pouco. Aí os amigos eram os verdadeiros donos do defunto. Organizaram um velório decente, com cachaça, salame. Tentaram rezar, começaram a beber e
  4. 4. A morte e a morte de Quincas Berro D´Água – Jorge Amado PROF. ALEX ROMERO Literatura  UFPI/2003 – Prof. Alex Romero4 dar bebida ao defunto que sorria e devolvia um pouco da cachaça, lambuzando o paletó. Os amigos tiraram as roupas artificiais de Quincas e colocaram os velhos trapos e o defunto ficou deles. Levaram cada um uma peça para si, pois defunto não precisa dessas coisas. E saíram agora com o defunto vivo para a peixada no saveiro: "Curió e Pé-de-vento saíram na frente. Quincas, satisfeito da vida, num passo de dança, ia entre Negro Pastinha e Cabo Martim de braço dado. No capítulo XI, a cidade neste dia está de luto e quieta. Nem as prostitutas abriram para o ofício. Os amigos e Quincas saíram acordando todo mundo para a peixada, pois era aniversário do Quincas. Fizeram o que faziam todas as noites: farra, bebedeira, confusão... Até chegarem ao saveiro e saírem para a peixada no mar. Em alto mar, Quitéria do Olho Arregalado e Quincas não comiam. Quincas olhava o céu, ouvindo Maria Clara cantar. De repente, o anúncio de tempestade, mas não respeitaram, retardaram a volta, aproveitando mais o momento. A tempestade chegou e ninguém sabe como Quincas pôs-se de pé e "no meio do ruído, do mar em fúria, do saveiro em perigo, à luz dos raios, viram Quincas atirar-se e ouviram sua frase derradeira. Penetrava o saveiro nas águas calmas do quebra-mar, mas Quincas ficara na tempestade, envolto num lençol de ondas e espuma, por sua própria vontade. "No capítulo XII, sabemos que o caixão encontra-se na loja de Eduardo, esperando um defunto de segunda mão. "Quanto à frase derradeira há versões variadas." Afinal, quem poderia ouvir direito no meio de tamanho temporal? "Segundo um trovador do Mercado, passou-se assim: No meio da confusão ouviu-se Quincas dizer: ”Me enterro como entender na hora que resolver. Podem guardar seu caixão Pra melhor ocasião. Não vou deixar me prender Em cova rasa no chão.' E foi impossível saber O resto de sua oração." Talvez a frase derradeira possa ser a que abre a obra: "Cada qual cuide de seu enterro, impossível não há”.(frase derradeira de Quincas Berro D’água segundo Quitéria que estava ao seu lado.) 3 - PERSONAGENS: Quincas Berro D’água antes era o respeitável Joaquim Soares da Cunha, exemplar funcionário público; depois de aposentar-se tornou Quincas Berro D’água, cachaceiro, debochado e jogador por dez anos; a alcunha Berro D’água deu-se ao beber um gole de cachaça e gritar por água; Vanda “a filha envergonhada”; religiosa; Leonardo Barreto humilhado genro de Quincas; Tia Marocas gordíssima; “Saco de peidos”. Tio Eduardo irmão de Joaquim; deixa o velório e dá dinheiro aos amigos de Quincas. Quitéria do Olho Arregalado prostituta que mantinha relações com Quincas (Berrito); Curió, Negro Pastinha, Cabo Martim e Pé-de-Vento amigos íntimos de Quincas; beberam e fumaram no velório; levaram Quincas para passear na velha Salvador; depois foram para o veleiro onde Quincas em meio a uma tempestade atirou-se no mar. 4-TEMPO: Cronológico. A narrativa se dá em 20 horas. 5-ESPAÇO: A velha Salvador – a cidade baixa - seus bêbados, vagabundos e suas prostitutas. 6-NARRADOR: 3º pessoa – onisciente.
  5. 5. A morte e a morte de Quincas Berro D´Água – Jorge Amado PROF. ALEX ROMERO Literatura  UFPI/2003 – Prof. Alex Romero 5 III- CONSIDERAÇÕES FINAIS: A Morte e a Morte de Quincas Berro d'Água é uma das melhores narrativas publicadas por Jorge Amado. Veio a lume em 1958 e conquistou desde logo a admiração de quantos dela se aproximaram. Nitidamente imbricada no Realismo Mágico, mistura sonho e realidade; loucura e racionalidade; amor e desamor; ternura e rancor, de forma envolvente e instigante: Joaquim Soares da Cunha foi funcionário público, pai e marido exemplar até o dia em que se aposentou do serviço público. A partir daí, jogou tudo para o alto: família, respeitabilidade, conhecidos, amigos, tradição. Caiu na malandragem, no alcoolismo, na jogatina. Trocou a vida familiar pela convivência com as prostitutas, os bêbados, os marinheiros, os jogadores e pequenos meliantes e contraventores da ralé de Salvador. Sua sede era saciada com cachaça e seu descanso era no ombro acolhedor da prostituta. Fez-se respeitado e admirado entre seus novos companheiros de infortúnio: era o paizinho, sábio e conselheiro, sempre disposto a mais uma farra ou bebedeira. Sua opção pela bandalha representa o grito terrível do homem dominado e cerceado por preconceitos de toda sorte e que um dia rompe as amarras e grita por liberdade. Morreu solitariamente sobre uma enxerga imunda e sua morte detonou todo o processo de reconhecimento/desconhecimento por parte da família real e da família adotada. Os amigos durante o velório se embriagam e resolvem, bêbados, levar o defunto para um último "giro" pelo baixo-mundo que habitavam. O passeio passa pelos bordéis e botecos, terminando em um saveiro, onde há comida e mulheres. Vem uma tempestade e o corpo de Quincas cai ao mar. Ao renunciar à família, mudar de ambiente e de costumes, Quincas morreu pela primeira vez; na solidão de seu quartinho imundo, envolvido por farrapos e curtindo a última bebedeira, morreu pela segunda vez; ao cair ao mar, não deixando qualquer testemunho físico de sua passagem pela vida, morreu pela terceira vez. A narrativa poderia chamar-se A morte e a morte e a morte de Quincas Berro D'Água, acrescentando-se uma morte ao protagonista, que ficaria bem de acordo com a progressão da trama.

×