Your SlideShare is downloading. ×
Ilhas e Pontes
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Introducing the official SlideShare app

Stunning, full-screen experience for iPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Ilhas e Pontes

1,072
views

Published on

Uma visão sobre a interculturalidade, na metáfora de Ilhas e de Pontes

Uma visão sobre a interculturalidade, na metáfora de Ilhas e de Pontes

Published in: Education, Technology

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
1,072
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
24
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Ilhas e Pontes Desafios para uma sociedade intercultural
  • 2. ILHAS ?
  • 3. John Donne (1572-1631)
    • A humanidade inteira tem um único Autor, e é um Volume único (..) Nenhum homem é uma ilha, completa em si ; todos os homens são fragmentos de um Continente, partes de um todo(...) a morte de qualquer homem diminui-me; porque eu sou parte da Humanidade; por isso nunca queiras saber por quem os sinos dobram; é por ti que dobram”
  • 4. Amos Oz, Contra todos os fanatismos
    • “ Nenhum homem é uma ilha, disse John Donne, mas atrevo-me humildemente a acrescentar: nenhum homem e nenhuma mulher é uma ilha, mas cada um de nós é uma península , com uma metade unida a terra firme e a outra a olhar para o oceano – uma metade ligada à família, aos amigos, à cultura, à tradição, ao país, à nação, ao sexo, e à linguagem e a muitas outras coisas, e a outra metade a desejar que a deixem sozinha a contemplar o oceano. Penso que nos deviam deixar continuar a ser penínsulas. Todo o sistema político e social que converte cada um de nós numa ilha e o resto da humanidade em inimigo ou rival é uma monstruosidade. Mas ao mesmo tempo, todo o sistema ideológico, político e social que apenas nos quer transformar em moléculas do continente, também é uma monstruosidade.”
  • 5.
    • “ Ao contrário das árvores, as estradas não surgem da terra, ao acaso das sementes. Tal como nós, têm uma origem. Origem ilusória já que uma estrada nunca tem um verdadeiro começo; antes da primeira curva, lá para trás, já havia outra curva e ainda outra. Origem inatingível, pois que a cada encruzilhada se juntam outras estradas, que vêm de outras origens...”
    • Amin Malouf, Origens,2004
  • 6.
    • " Há portugueses pobres e portugueses ricos; portugueses que não sabem ler e portugueses de cultura; portugueses exploradores e portugueses explorados, portugueses cuja vida na América é uma miséria e portugueses que só na América encontram dignidade. Há americanos obtusos e americanos compreensivos, americanos que exploram o português e americanos que o ajudam, americanos que odeiam o português e americanos que o admiram, americanos estúpidos e americanos inteligentes. Não concluam, portanto, o que são os portugueses e o que são os americanos. Falem-me do João e da Teresa. da Susan e da Mary..."
    • Pedro D´Orey da Cunha, “Entre dois mundos”
  • 7. Demasiado diferentes? Ou “demasiado” iguais?
  • 8. “ como são muitos dos seus costumes tão remotos, peregrinos e alongados dos nossos que quasi parece incrível poder haver tão opósita contradição em gente de tanta polícia, viveza de engenho e saber natural como têm. (..)nós usamos do preto por dó; e os japões do branco ”. Fróis, L. “Europa , Japão – Um diálogo civilizacional no séc. XVI” , CNCDP, pag. 61 Demasiado diferentes?....
  • 9. “ Ele humilhou-me, impediu-me de ganhar meio milhão, riu dos meus prejuízos, zombou dos meus lucros, escarneceu de minha nação, atravessou-se-me nos negócios, fez que meus amigos se afastassem, encorajou meus inimigos. E tudo, por quê? Por eu ser judeu. Os judeus não têm olhos? Os judeus não têm mãos, órgãos, dimensões, sentidos, inclinações, paixões? Não ingerem os mesmos alimentos, não se ferem com as armas, não estão sujeitos às mesmas doenças, não se curam com os mesmos remédios, não se aquecem e refrescam com o mesmo verão e o mesmo inverno que aquecem e refrescam os cristãos? Se nos espetardes, não sangramos? Se nos fizerdes cócegas, não rimos? Se nos derdes veneno, não morreremos? E se nos ofenderdes, não devemos vingar-nos? Se em tudo o mais somos iguais a vós, teremos de ser iguais também a esse respeito. Se um judeu ofende a um cristão, qual é a humildade deste? Vingança. Se um cristão ofender a um judeu, qual deve ser a paciência deste, de acordo com o exemplo cristão? Ora, vingança. Hei-de pôr em prática a maldade que me ensinaste, sendo de censurar se eu não fizer melhor do que a encomenda”. "O Mercador de Veneza", de Willian Shakespeare - Acto III, Cena I ...ou demasiado iguais?
  • 10.
    • Pontes!
  • 11.
    • Pontífice vem de Pontifex que significa "construtor de pontes" ( pons + facere ). Na Roma antiga , era o funcionário que tinha a seu cuidado a ponte sobre o rio Tíber . Mais tarde a expressão tomou outro significado, referindo-se aos homens que pertenciam ao conselho religiosos supremo da antiga Roma, o Colégio dos Pontífices.
    • In Wikipedia.pt
  • 12.
    • São Bento (Bénézet), o Construtor de Pontes (1163-1184), - Santo da Igreja Católica, considerado o fundador da Irmandade dos Construtores de Pontes. Segundo a lenda, teve uma inspiração divina para construir a Ponte sobre o Reno em Avignon.
  • 13. Ponte S. Benezet, Avignon (antes da destruição no sec. XVII e actual)
  • 14. Ponte de Mostar, construída em 1556
  • 15. 9 Novembro 1993
  • 16.  
  • 17. Esta cidade é famosa pela sua ponte velha ( século XVI ) sobre o rio Nereteva , situada na parte velha da cidade, que foi reconstruída em 2004 após a sua destruição em 1993 devido à guerra sentida na região. A reconstrução e reabertura da ponte é tida para os habitantes de Mostar como um sinal de esperança para o futuro de uma cidade dividida entre croatas e muçulmanos , que têm tido uma relação conturbada ao longo dos tempos. A ponte velha e o centro histórico de Mostar foram classificados como Património Mundial da UNESCO em 2005 .
  • 18. Sete regras dos Pontífices
    • 1. Reconhecer a existência de margens e os obstáculos a ultrapassar - O ponto de partida exige o prévio reconhecimento da existência de margens e a ter a intenção de as unir, ultrapassando os obstáculos que as separam.
  • 19.
    • 2. Conhecer bem as margens a unir : cada margem tem as suas características, que condicionam todo o plano de construção. A sua geologia, a orografia, os locais certos para construir, os terrenos sensíveis,...
  • 20.
    • 3 - Planear bem a construção : definir o objectivo a alcançar, desenhar as etapas a percorrer e estratégias referentes a cada uma delas..
  • 21.
    • 4 - Competência técnica (e relacional) de arquitecto e engenheiro : construir pontes não é simples, um erro pode deitar tudo a perder...
  • 22.
    • 5 - Respeito das regras da “mecânica” e da “física” , não inventar; a gravidade é sempre gravidade..
  • 23.
    • 6 - A polinização das margens após a construção da ponte : estimular a utilização bidireccional da ponte, com a troca interactiva de saberes e a partilha de tradições e costumes. A hibridação de culturas..
  • 24.
    • 7 - A manutenção da ponte : não chega construir, nem utilizar bem – é necessário cuidar da manutenção….
                                             <      
  • 25.   Adaptado de Fleras, A; Elliot, J. L. 2002 Unequal relations: An introduction to race and ethnic relations in Canada . Prentice Hall. Toronto Evolução do modelo multicultural canadiano Tipo de multiculturalismo Etnicidade (anos 70) Equidade (anos 80) Cívico (anos 90) Focalização Exaltação das diferenças Fomento da igualdade Convivência Ponto de referência Cultura Estrutura Construção da sociedade Mandato   Etnicidade Relações raciais Cidadania Problemática Preconceitos Discriminação sistemática Exclusão Solução da problemática Sensibilidade cultural Igualdade no emprego Inclusão Metáfora chave   “ mosaico” “ nivelação” “ Pertença”