A Caricatura

6,365 views

Published on

Published in: Business, Art & Photos
1 Comment
2 Likes
Statistics
Notes
  • Olá meu nome é Ricardo, sou Promotor Digital Ativo da FR Promotora desde outubro de 2013. A FR Promotora tem mais de 15 anos no mercado, atuando em soluções financeiras, disponibilizando plano de saúde, empréstimo, hospedagem de site, lojas virtuais entre outros. E além disso existe o sistema de renda extra, o qual nos dá a possibilidade real de ganhos na internet, conheça e cadastre-se na FR PROMOTORA!
    Entre no sistema de renda extra, cadastre-se e ative o seu cadastro:
    https://www.frpromotora.com/44943033
    Se quiser conhecer mais sobre os serviços da FR Promotora, acesse o link:
    https://www.frpromotora.com/servicos.php?id=44943033
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
No Downloads
Views
Total views
6,365
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
132
Actions
Shares
0
Downloads
98
Comments
1
Likes
2
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

A Caricatura

  1. 1. A caricatura: origem, características e circulação O fotógrafo Félix Nadar no desenho de Honoré Daumier
  2. 2. Materiais e técnicas A caricatura é uma forma de desenho que valoriza o traço. Superfície : O papel é a mais disponível a partir da industrialização. A primeira fábrica de papel surgiu no Cairo, séc. X. Em 1150 chegou na Espanha e em 1276 na Itália onde a indústria floresceu. Em 160 o primeiro moinho de papel da América surgiu na Pensilvânia. Em 1840, Godofredo Keller transformou a madeira em pasta e logo em seguida surgiu a pasta química que deu impulso à indústria moderna do papel. Materiais : Carvão é o mais antigo e usado em todos os tempos; além dele há giz, pastel, crayon (a partir do XVIII), lápis (a partir de 1564), pena e tinta, canetas-tinteiro, pincel.
  3. 3. A caricatura e a reprodução gráfica Xilogravura – a arte de gravar imagens e letreiros em relevo, num bloco de madeira, que depois vai ser copiado por meio de estampas. O nome vem de Xylon , madeira, lenho em grego.
  4. 5. Gravura em metal – é chamada também de talhe doce. Gustave Doré foi exímio na gravação em metal. Ponta seca – consiste na técnica de gravar sulcos com instrumento de ponta afiada, de aço ou diamante, diretamente no metal polido, em geral o cobre, sem auxílio de ácidos ou verniz. Sua origem está ligada à arte medieval de decoração de armaduras. Água-Forte – variação do processo de gravura em metal, por ação indireta. A placa é coberta de cera ou resina resistente ao ácido, e depois raspada. Daí a placa é submersa no ácido e ficam os sulcos abertos para receber a tinta. Os metais mais usados para isso são o cobre, o zinco e o aço. Água-Tinta – outra variação mais complexa para efeitos de textura e tonalidade, combinando linhas e tons. Pode-se usar grãos de areia ou açúcar. Usada por Goya que inovou a técnica.
  5. 6. Audiência alegre William Hogarth (1697–1764) O artista inglês que incorporou a sátira social em cenas humorísticas sem efeitos grosseiros ou deformações físicas. O primeiro cartunista e precursor dos HQs.
  6. 7. Francisco de Goya Y Lucientes (1746-1828) Auto retrato do artista Maior figura da arte satirista no séc. XIX. Pintor e gravador espanhol. Fez uma série de desenhos de humor negro, 80 gravuras em metal com técnica em água-tinta. Los Caprichos - 1799
  7. 9. Litografia ou Litogravura – processo de impressão com matriz em superfície plana, sem relevos ou sulcos. Do grego Lythos (pedra) e Graphein (escrever). Escrever na pedra ou por meio de pedra. Inventada em 1796 por Alois Senefelder, dramaturgo de Munica que procurava um meio barato para imprimir peças e partituras musicais. Litográfica – pedra calcária, com grânulos finos, marcada ou decalcada com tinta gordurosa na superfície lisa, e em seguida ensopada em água. A água ficava retida na parte não coberta pelo desenho. O princípio era de que água e gordura não se misturam. Os caricaturistas encontram nesse processo o meio ideal para sua expressão criativa. Surgem jornais litografados, como o Le Charivari
  8. 10. Paul Gavarni – pseudônimo do caricaturista Sulpice Guilhaume Chevalier (1804-1866) que gravou cerca de 8.000 litografias. Passou por revistas como La Mode , L´artiste , Le Charivari. Gravura A lanterna Mágica (seus temas favoritos foram moleques de rua, boêmios, mulheres da vida, aventureiras.
  9. 11. George Cruikshank (1792-1878)
  10. 12. As revistas ilustradas – A caricatura na imprensa La Silhouette (1829 -1930), La Caricature (1830 -1835) Honoré de Balzac Charles Philipon) Le Charivari – “A Algazarra” (1832 -1872) Le Magasin Pittoresque (“encyclopédie populaire” a partir de 1833, tiragem de 100.000 exemplares) Le journal pour rire (1848 -1855) Le Musée pour Rire (1838-1840) sua diagramação será reproduzida na revista brasileira A Lanterna Mágica (1838) de Manoel de Araújo Porto-Alegre Le journal amusant (1856) Charles Philipon (188-1861) principal editor de revistas com caricaturas
  11. 17. A sátira social pela gravura – circulação e coleção Giuseppe Arcimboldo (1530 -1593) Italiano
  12. 20. Cena da vida pública e privada dos animais. Ilustrou também Fábulas de La Fontaine, Robinson Crusoe, Don Quixote. As metamorfoses do dia (1829) Jean Isidore Gérard, pseudônimo - Grandville (1803 – 1847 Tematizou os vícios e paixões do homem de seu tempo, representando-o como animais, plantas e frutas.
  13. 21. Honoré Daumier (1808- 1879)
  14. 22. Les Cent-et-Um Robert Macaire Honoré Daumier (entre 1836 -1838) <ul><li>primeira edição encadernada em 1837 contendo 50 caricaturas Publicação em dois volumes saiu em 1839, pela editora Aubert, genro de Philipon </li></ul><ul><li>“ Robert Macaire desapareceu dos teatros. M. Thier não o quer mais encenado. Mas este personagem permanece como a personificação mais fidedigna da época. Na bolsa, na política, na literatura, e mesmo na filosofia encontramos Robert Macaire e Bertrand por toda parte, o trapaceiro e seu cúmplice. Por toda parte florescem os bônus, o monumento público, a expectativa de dividendos, o contrato, os jornais econômicos, a coleta em benefício dos pobres e, acima de tudo, a coleção de carneiros sempre prontos a oferecerem seus traseiros para serem tosquiados. Mas, desde que a censura, instituída para proteger a virtude e a moralidade, nos proíbe satirizar os Robert Macaire políticos, ela nos impele a pegar os Macaire sociais. </li></ul><ul><li>Nós nos propomos agora a publicar uma galeria na qual as inúmeras variedades destas últimas espécies irão aparecer sucessivamente. Nossa estampa de hoje é o início. Ela é dedicada aqueles banqueiros, filantropistas ou fornecedores, cujos cofres, como as prisões, estão sempre prontos a receber, mas nunca a dar de volta.” </li></ul>
  15. 26. Um candidato
  16. 27. Escritório de recrutamento militar
  17. 28. Exploração da amizade
  18. 29. Fazendo asfalto
  19. 30. Mais queijo, garçom...
  20. 31. Robert Macaire dono de restaurante
  21. 32. O farmacêutico
  22. 33. O honesto
  23. 34. Robert Macaire Industrial
  24. 35. Um proprietário
  25. 36. O oculista
  26. 37. Robert Macaire pedinte
  27. 38. O artista Robert Macaire
  28. 39. Robert Macaire dentista
  29. 40. O proprietário
  30. 41. Recipiente para cólicas
  31. 42. Robert Macaire diante de seus juízes
  32. 43. Robert Macaire no restaurante
  33. 44. Um bom homem por um preço justo
  34. 45. Robert Macaire professor de indústria
  35. 46. Robert Macaire homem de negócios
  36. 47. Um bom marido
  37. 48. Robert Macaire vendedor de Bíblia

×