Your SlideShare is downloading. ×
Imagem: www.sxc.hu (1136537_77195808)             Primeira Palavra                                                    PALA...
Sumário   Revista da Bíblia                           ISSN 1984-8692                                                      ...
Comentários sobreo Tema do Trimestre (I)Epístola aosGálatasO uso da liberdade cristãTexto bíblico – Gálatas 1 a 6 • Texto ...
Comentários sobre o Tema do Trimestre (I)então, pelo espanto que tinha o apóstolo em saber que         conhecimento bíblic...
Epístola aos Gálatas   6. A defesa da graça divina - 3.1 a 4.31;                      IV - Os pontos principais em destaqu...
Comentários sobre o Tema do Trimestre (I)carne leva a situações terríveis de dor e sofrimento. Em        V - Sua contextua...
Epístola aos Gálatasdessas atitudes e hábitos indevidos, enquanto nós, so-      sas mundanas, o lazer, o entretenimento, o...
Comentários sobreo Tema do Trimestre (II)Epístola aosEfésiosA santidade cristãTexto bíblico – Efésios 1 a 6 • Texto áureo ...
Epístola aos Efésiosvário. Indo além, menciona mesmo que o Espírito Santo          como se verifica em outras, deve ter si...
Comentários sobre o Tema do Trimestre (II)mens sob a sua bênção salvadora, e a necessidade da san-               4.3 - Os ...
Epístola aos Efésioseste soldado de todos os recursos indispensáveis para que            crente deve estar revestido em se...
Comentários sobreo Tema do Trimestre (III)Epístola aosFilipensesO poder que Deus dáTexto bíblico – Filipenses 1 a 4 • Text...
Epístola aos Filipenses    A Macedônia, ficava na chamada região dos balcãs eu-         pelo menos sete delas foram escrit...
Comentários sobre o Tema do Trimestre (III)contribuindo para o progresso do Evangelho. Paulo                     IV - Os p...
Epístola aos Filipenses    4.2 - O elogio a Epafrodito: Um outro ponto de realce       dele enviando recursos para a obra ...
Comentários sobre o Tema do Trimestre (III)“     Não negamos o poder da féem vencer desafios, no entanto,                 ...
Comentários sobreo Tema do Trimestre (IV)Epístola aosColossensesA vivência cristãTexto bíblico – Colossenses 1 a 4 • Texto...
Comentários sobre o Tema do Trimestre (IV)vemos a citação do apóstolo dos seus diversos compa-              depois da époc...
Epístola aos Colossenses    Vale a pena ressaltar o que escrevem os comenta-                4.3 - Cristo é o cabeça da igr...
Comentários sobre o Tema do Trimestre (IV)apóstolo um manual para “aprender a crescer”. Vamos          abrangente que o Se...
Epístola aos Colossensespela leitura da Bíblia, pela oração), frutificaremos emnosso viver. Os frutos da vida cristã e do ...
Viagem a IsraelTerras bíblicas, onde o passadoconvive com o presente    Para quem lê a Bíblia, andar pelo palco onde a his...
israel belo de azevedo   Fomos vê-las, então.                                        Antes de deixar o Cairo, conhecemos u...
Viagem A Israel   RUMO AO SINAI                                            trou com o grande Eu sou-o-que-sou. As montanha...
israel belo de azevedo   NOS DOMÍNIOS DOS                                        lugar é deslumbrante. As fotos também não...
Revista da biblia2t 2012
Revista da biblia2t 2012
Revista da biblia2t 2012
Revista da biblia2t 2012
Revista da biblia2t 2012
Revista da biblia2t 2012
Revista da biblia2t 2012
Revista da biblia2t 2012
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Revista da biblia2t 2012

817

Published on

Published in: Spiritual
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
817
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
53
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Transcript of "Revista da biblia2t 2012"

  1. 1. Imagem: www.sxc.hu (1136537_77195808) Primeira Palavra PALAVRA PURA, REFINADA SETE VEZES (Salmo 12.6) Na leitura da Bíblia, peço sua atenção para os seguintes cuidados: 1. Leia primeiro a Bíblia; depois, compreenda-a – A primeira tarefa é simples: simplesmente leia a Bíblia. Compreender vem de- pois. Leia-a sempre. Leia-a muito. Leia-a sabendo que é inexaurí- vel. Gaste tempo com ela. Quanto mais tempo gastar com ela, mais riqueza vai tirar dela. 2. Leia a Bíblia sem pressa – Leia-a como se apreciasse a paisa- gem numa viagem. Imagine que você vá do Rio de Janeiro a Vitória de carro. Você pode gastar seis horas ou doze. Você pode chegar logo e saborear a cidade. Você pode ir devagar e saborear as lindas paisa- gens de parte dos estados do Rio de Janeiro e do Espírito Santo. 3. Leia a Bíblia como tendo autoridade sobre você e não o con- trário – Não imponha suas idéias a ela; deixe que Deus lhe impo- nha as ideias dele por meio da sua Palavra. Não leia a Bíblia para provar suas teses; leia a Bíblia para Deus mudar o seu coração. Leia a Bíblia para ela abrir, não para para fechar, a sua mente. 4. Leia a Bíblia com o desejo de conhecê-la – Leia a Bíblia para conhecê-la cada vez mais e de modo cada vez vez mais profundo. Não se contente com um conhecimento superficial a respeito do Deus revelado na Bíblia. Não se satisfaça com uma visão vaga do que a Bíblia diz. 5. Leia a Bíblia, procurando responder a cinco perguntas bem claras: • O que o texto diz? • O que significa o que o texto diz? • O que o texto me diz? • O que o texto me diz é verdade? • Que farei com que o texto me diz? ISRAEL BELO DE AZEVEDO LINHA DIRETA Para qualquer sugestão, comentário ou pergunta, contate direto com a Redação da revista acessando: Pr. Israel Belo de Azevedo em www.prazerdapalavra.com.br/revistadabiblia. As melhores contribuições serão publicadas, também, na versão em papel da REVISTA DA BÍBLIA. Escreva para revistadabiblia@prazerdapalavra.com.br1 • Revista da Bíblia • 2T12 • Ano XVII • No 66 Revista da Bíblia • 2T12 • Ano XVII • No 66 • 1
  2. 2. Sumário Revista da Bíblia ISSN 1984-8692 O QUE VOCÊ VAI APRENDER NESTA EDIÇÃO IMPRENSA BÍBLICA BRASILEIRA Ano XVII – Nº 66 – 2T2012 Publicação trimestral da Junta de Educação Religiosa e Publicações da Convenção Batista 03 COMENTÁRIOS SOBRE O TEMA DO TRIMESTRE (i) Brasileira, dirigida a pastores, educadores EPÍSTOLA AOS GÁLATAS religiosos, professores, estudantes, líderes, ao O uso da liberdade cristã povo evangélico e ao público em geral 08 CGC (MF): 33.531.732/0001-67 COMENTÁRIOS SOBRE O TEMA DO TRIMESTRE (iI) Registro Nº 810873788 no INPI EPÍSTOLA AOS EFÉSIOS Endereços Caixa Postal 320 A santidade cristã 20001–970 – Rio de Janeiro, RJ Telefone: (21) 2298-0960 e 2298-0966 Endereço telegráfico: BATISTAS Correio eletrônico: editora@juerp.org.br 12 COMENTÁRIOS SOBRE O TEMA DO TRIMESTRE (iI) EPÍSTOLA AOS FILIPENSES Site: www.juerp.org.br O poder que Deus dá Direção Geral Almir dos Santos Gonçalves Júnior Conselho Editorial Carrie Lemos Gonçalves, Celso Aloísio Santos 17 COMENTÁRIOS SOBRE O TEMA DO TRIMESTRE (iV) EPÍSTOLA AOS COLOSSENSES Barbosa, Ebenézer Soares Ferreira, Francis- co Mancebo Reis, Gilton M. Vieira, Ivone Bo- A vivência cristã echat de Oliveira, João Reinaldo Purim, José A. S. Bittencourt, Lael dAlmeida, Margarida Lemos Gonçalves, Pedro Moura, Roberto A. Souza e Silvino C. F. Netto 22 VIAGEM A ISRAEL TERRAS BÍBLICAS, ONDE O PASSADO Coordenação Editorial CONVIVE COM O PRESENTE Solange Cardoso Abreu d’Almeida (RP/16897) Redação Israel Belo de Azevedo Conselho Geral da CBB Sócrates Oliveira de Souza Produção Editorial Studio Anunciar Imagens: www.sxc.hu e freedigitalphotos.net Produção Gráfica Willy Assis Produção Gráfica Distribuição EBD–1 Marketing e Consultoria Editorial Ltda. Tel.: (21) 2104-0044 – Fax: 0800.216768 distribuidora@ebd–1.com.br pedidos@ebd–1.com.br Nossa missão: “Viabilizar a coo- peração entre as igrejas batistas no cumprimento de sua missão como comunidade local”2 • Revista da Bíblia • 2T12 • Ano XVII • No 66
  3. 3. Comentários sobreo Tema do Trimestre (I)Epístola aosGálatasO uso da liberdade cristãTexto bíblico – Gálatas 1 a 6 • Texto áureo – Gl 6.17 “Daqui em diante ninguém me moleste; Galácia, região ao norte da Turquia de hoje, cujas ci- porque eu trago no meu corpo as marcas dades foram visitadas por Paulo em suas três viagens e de Jesus.” que deve ter sido também visitada por Pedro, pois em sua primeira carta o discípulo de Cristo os identifica também. Introdução A defesa de Paulo se explica. Para muitos, esta car- Esta carta de Paulo é vista por muitos de seus co- ta é o primeiro escrito do Novo Testamento. Antecedementaristas como uma apologia, ou seja, uma espécie até mesmo, cronologicamente, aos quatro evangelhosde discurso feito por alguém para defender, elogiar ou que foram escritos bem depois. Se Paulo realizou alouvar a outrem ou a si mesmo, numa espécie de auto- sua primeira viagem em torno do ano 49 de nossa eradefesa. No caso desta carta, é como se Paulo estivesse cristã, esta carta deve ter sido escrita logo depois, pos-fazendo a sua defesa diante dos gálatas, os crentes da sivelmente em 51/52, talvez. A apologia paulina se faz, Revista da Bíblia • 2T12 • Ano XVII • No 66 • 3
  4. 4. Comentários sobre o Tema do Trimestre (I)então, pelo espanto que tinha o apóstolo em saber que conhecimento bíblico para dar continuidade aos esfor-tão pouco tempo depois de sua estada entre eles já hou- ços organizadores, esta obra tão promissora em seu iní-vesse desânimo, retorno ao passado de pecados, perda cio tende a fracassar em pouco tempo.de aspectos fundamentais que haviam alcançado com aliberdade cristã que receberam. Foi isto que aconteceu com Paulo e nas igrejas da Galácia. Depois que ele dali saíra na continuidade de A epístola aos gálatas é escrita por Paulo a uma co- sua viagem com Barnabé, a igreja começou a caminharmunidade de crentes gentios da região especificamente sozinha. Seus líderes naturais, por uma questão de assi-chamada de Galácia do Sul, onde podemos vislumbrar milação vinham a ser os judeus convertidos ao cristia-as cidades citadas no percurso de Paulo em Atos 13 nismo, pois tinham raízes históricas que os conduziame 14, após a sua passagem por Antioquia da Pisídia. ao melhor conhecimento da revelação de Deus, o queIcônio, Derbe, Listra, Panfília, seriam cidades dessa não acontecia com os gentios, os nativos da região, queregião. Havia também uma região reconhecida como por serem de origem cultual pagã, não tinham víncu-Galácia do Norte, com as cidades citadas por Pedro em los anteriores algum com o Evangelho de Cristo. Osua primeira epístola, Ponto, Bitínia e Capadócia. Am- problema é que esses judeus, embora convertidos, co-bas as regiões, compondo as terras que dariam origem meçavam, sem a direção de Paulo, a querer impor al-à Turquia moderna, até ao seu norte separado do que guns dos ritos e procedimentos do judaismo. No casoviria a ser a Rússia de hoje pelo Mar Negro. Esses novos desta carta, é este problema que é o alvo de Paulo. Oscrentes estavam sendo conturbados por judeus legalis- judeus convertidos quando por ali passara em 49 a.C.,tas que antepunham à liberdade cristã, os ritos do ju- ficando na liderança dos trabalhos, um ou dois anos de-daismo. Paulo deseja então assegurar a eles a liberdade pois, queriam conduzir a igreja às práticas judaizantes,cristã que os crentes passam a desfrutar em Cristo Jesus. especialmente à prática da circuncisão. Eles estavamComo sua autoridade apostólica fora posta em dúvida, querendo comprovar para os crentes da Galácia que osele também procura restabelecer na carta, essa sua au- ritos do judaísmo ainda eram válidos, e que para se tor-toridade, mostrando que aquilo que ensinava e pregava narem crentes em Cristo, os gálatas precisavam anteslhe fora revelado pelo próprio Senhor Jesus. circuncidar-se. Daí, sua admiração negativa, expressa bem no início de sua carta (1.6): “Estou admirado de A carta foi aceita no cânon bíblico desde cedo. Já que tão depressa estejais desertando daquele que vos cha-em 144 d.C. era citada pela maioria dos pais da igreja. mou na graça de Cristo, para outro evangelho”.Vai maisPolicarpo a citou. Irineu também. Ela foi muito usada longe ainda quando afirma, chamando-os à razão: “Ónos séculos II e III da era cristã, por sua clara definição insensatos gálatas! quem vos fascinou a vós”.da liberdade cristã em oposição aos princípios judaicosque os judeus recém-convertidos ao cristianismo pro- II - Esboço básico do livro – Sua divisãocuravam, de certa forma preservar dentro da igreja deCristo. Em seus 6 capítulos e 149 versículos, podemos vis- lumbrar a seguinte divisão básica nesta carta: I - Dados históricos e preliminares 1. Saudações iniciais - 1.1-5; O grande problema até hoje, quando igrejas sãocriadas em regiões adversas ou onde ainda não havia 2. A defesa do verdadeiro Evangelho - 1.6-10;trabalho evangélico é o da manutenção da atuação deladentro dos princípios em que e para que foram criadas. 3. A defesa de sua missão como apóstolo - 1.11-17;Com a saída do líder, quase sempre carismático e in-fluente, os novos crentes são como que obrigados a ca- 4. O relacionamento com outros apóstolos - 1.18 a 2.10;minhar por suas próprias pernas como igreja de Cristo.Se não houver alguém com segurança espiritual e bom 5. A defesa da liberdade cristã - 2.11-21;4 • Revista da Bíblia • 2T12 • Ano XVII • No 66
  5. 5. Epístola aos Gálatas 6. A defesa da graça divina - 3.1 a 4.31; IV - Os pontos principais em destaque 7. A responsabilidade do crente no exercício de sua Vamos destacar quatro dos pontos que considera-liberdade - 5.1 a 6.18 mos fundamentais nos comentários de Paulo aos cren- tes da Galácia: III - A visão global do texto 4.1 - A liberdade cristã X A lei judaica: O que ele es- O texto de Paulo em Gálatas é uma defesa ao seu tava ensinando aos gálatas e por extensão a nós é que seministério naquela igreja e entre os crentes da região. quisermos viver longe da vida de pecado, não andemosEsta é a visão geral que podemos retirar da carta. Suas buscando cumprir programas, regulamentos, regras,afirmações são de modo a não deixar dúvida sobre a sua “isto posso, aquilo não posso”, a lei, enfim, mas vivamosautoridade apostólica. Era fariseu. Dos mais fervoro- guiados pelo Espírito de tal forma que não precisare-sos. Filho de fariseu. Educado aos pés de Gamaliel, o mos nos preocupar com tais itens, porque simplesmen-mais prestigiado mestre da época. Zeloso ao extremo te o Senhor nos guia e nos faz evitar o pecado. Daí apelas coisas judaicas. Chamado, diretamente, por Cris- palavra tão categórica dele: “Mas, se sois guiados peloto para a obra do evangelho. Conviveu de alguma for- Espírito, não estais debaixo da lei...”, para completar so-ma com os apóstolos que conheceram pessoalmente a bre a diferença de vida na liberdade cristã em face doCristo, Pedro e Tiago, principalmente. De perseguidor jugo da lei: “Se vivemos pelo Espírito, andemos tambémdo evangelho passou a pregador do evangelho de Cris- pelo Espírito”. O que Paulo estava querendo ensinar aosto. Foi separado para a obra de missões pela igreja de crentes na Galácia, especialmente aos crentes egressosAntioquia da Síria, aquela que se tornou célebre, pois, do judaísmo é que com a conversão a Cristo, eles ha-foi ali onde os crentes pela primeira vez foram chama- viam deixado a escravidão do ritualismo e do sacrifíciodos de cristãos. Viajou pelo mundo conhecido da épo- para abraçarem a liberdade do evangelho e da salvaçãoca, acompanhado de Barnabé, pregando o evangelho em Cristo. Não há comparação entre esses dois estados:e realizando maravilhas. Depois da conversão, passou perdido ou salvo, morto ou vivo, inferno ou céu.três anos em Damasco e ao final de outros catorze anosde um retiro pelas terras da Síria e da Cilícia, vai a Jeru- 4.2 - A autoridade apostólica dele: Paulo estavasalém e participa com os líderes da igreja, do primeiro querendo comprovar a autenticidade de sua mensa-concílio das igrejas de Cristo. Estava com isto, como gem. Ela vinha de alguém que a tinha recebido daque afirmando: Tudo o que preguei tem autoridade di- própria fonte, Jesus Cristo. Tal como os discípulos devina, pois do Senhor me foi transmitido. Cristo que foram pessoalmente chamados por ele mes- mo para o apostolado, Paulo assim se considerava, pois Sem dúvida, o que salta aos olhos do estudioso é o recebera também o evangelho do próprio Senhor Jesusgrau de surpresa com que o apóstolo, em sua primeira que de forma especial e extraordinária lhe aparecera noincursão como escritor de epístola, demonstra ao veri- caminho de Damasco, daí afirmar: “Porque não recebificar como os crentes sem uma segura direção e melhor de homem algum, nem me foi ensinado; mas o recebi porconhecimento doutrinário se tornam facilmente leva- revelação de Jesus Cristo”. Como passou de perseguido ados por novas lideranças em prol de procedimentos e pregador ele afirma que a transformação pela qual pas-ações que contrariavam inteiramente aquilo que lhes sou foi resultante da intervenção do Espírito de Deushavia sido ensinado na origem de suas conversões. Daí, em sua vida. Tudo mudou para ele depois que conhe-as suas expressões de surpresa e desagrado como tônica ceu a Cristo. Ele queria que isto também acontecessena carta: “Estou admirado...Ó insensatos gálatas... Sois aos seus discípulos na Galácia.vós tão insensatos?... Será que padecestes tantas coisas emvão?...Temo a vosso respeito não haja eu trabalhado em 4.3 - As obras da carne: A listagem que Paulo fazvão entre vós...Para a liberdade Cristo nos libertou; per- aos gálatas das obras da carne é enorme e execrável. Elemanecei, pois... Porque estou perplexo a vosso respeito... quer mostrar aos seus leitores que a vida conduzida na Revista da Bíblia • 2T12 • Ano XVII • No 66 • 5
  6. 6. Comentários sobre o Tema do Trimestre (I)carne leva a situações terríveis de dor e sofrimento. Em V - Sua contextualização5.19, ele aponta para elas: prostituição, impureza, lascí-via, idolatria, feitiçaria, inimizades, contendas, ciúmes, Como estaremos melhor contextualizando a liber-iras, facções, dissensões, partidos, invejas, bebedices, dade que o Senhor nos deu, em meio a tanto libera-orgias e coisas semelhantes a essas, cerca de 16 atitudes lismo que chega mesmo ao campo da libertinagem ee procedimentos que não deviam fazer parte do recei- promiscuidade dos nossos tempos? Este era também otuário de vida do crente. problema dos crentes na região da Galácia, a Turquia de hoje, para onde Paulo escreve ensinando sobre os 4.4 - As obras do Espírito: Antagonizando a relação obstáculos que temos que evitar no viver da liberdadeacima, Paulo faz uma listagem que deve ser um paradig- que Cristo nos deu.ma para todos os crentes da Galácia ou dos tempos dehoje. São nove virtudes que devem ornar o nosso caráter 5.1 - Fazendo bom uso da liberdade que recebe-e ser ponto de referência em nosso viver (5.25): amor, mos: Você já notou que em geral as pessoas têm umagozo, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fide- visão totalmente distorcida do que nós chamamos delidade, mansidão e domínio próprio, e, para concluir liberdade que gozamos como crentes?... Porque vocêcategoricamente a questão da diferença entre o fruto não pratica as mesmas coisas que eles fazem... Não vaido Espírito que se transforma em 9 obras positivas, e as aos mesmos ambientes que eles freqüentam... Não usaobras da carne, em suas 16 resultantes negativas, ainda as mesmas palavras que eles falam... - Eles passam aacrescenta: “Contra estas coisas não há lei”. Como são considerar-nos como “bitolados”, presos a um esquematodas elas conseqüências da operação do Espírito no rígido, sem liberdade para nada, quando, nós sabemos,coração do crente a lei nada pode contra elas. que é exatamente o contrário. Eles é que são escravos Mapa da Europa em 117 A.D. com área de domínio do Império Romano em cinza claro e destaque para a área da Galácia em cinza escuro6 • Revista da Bíblia • 2T12 • Ano XVII • No 66
  7. 7. Epístola aos Gálatasdessas atitudes e hábitos indevidos, enquanto nós, so- sas mundanas, o lazer, o entretenimento, os esportes, osmos livres, porque podemos praticá-los, mas não o fa- shows, tudo aquilo que se volta para a nossa carnalida-zemos, simplesmente porque não os aceitamos como de, mas sim, ainda que tenhamos que conviver de for-adequados para a vida cristã. Alias, nisto mesmo é que ma comedida e dosada com tais ingredientes que fazemse situa a diferença da liberdade cristã diante da que o parte da vida hoje temos espaço em nosso viver, para amundo entende como verdadeira liberdade. Temos a li- oração, para a leitura da Bíblia, para a meditação naqui-berdade para fazer o que quisermos. Não há regras que lo que o Senhor Jesus deseja para cada um de nós. Nãonos impeçam de fazer isto ou aquilo, mas simplesmente andar segundo o mundo nos impõe, mas sim, segundoa nossa consciência cristã nos impõe o que é certo ou aquilo que o Senhor Jesus espera de mim e de você.errado, e assim então, agimos. 5.4 - Olhando para as conseqüências: Mais um 5.2 - Entendendo bem essa liberdade: Os crentes pouco e Paulo encerra a questão mostrando as conse-daquela época e daquela região não estavam entenden- qüências de um caminho e do outro. O caminho que odo bem esta liberdade que o Senhor nos deu. Como mundo oferece e o caminho a que Cristo nos convida.não tinham mais que se sujeitar aos ritos judaicos e às Ele faz isto de maneira muito objetiva e direta. Se vocêexigências da religiosidade do templo em Jerusalém, quiser ver o que acontece àquele que trilha o caminho daachavam que podiam dar vazão a tudo que quisessem liberdade como o mundo a entende, você vai ver apenasfazer segundo a sua própria vontade. Paulo teve que “prostituição, impureza, lascívia, idolatria, feitiçaria, ini-lhes ensinar que não era bem assim. Realmente, não mizades, contendas, ciúmes, iras, facções, dissensões, parti-havia mais necessidade da sujeição ao tradicionalismo dos, invejas, bebedices, orgias”, coisas que levam a fins trá-religioso do passado, mas agora, cada um, intimamente, gicos em geral. Se você quiser ver o que acontece àqueledeveria estabelecer o seu procedimento segundo Cristo que segue o caminho a que Cristo nos convida, você veráo faria. Daí escrever-lhes dizendo: “Vós, irmãos, fostes “amor, gozo, paz, longanimidade, benignidade, bondade,chamados à liberdade. Mas não useis da liberdade para fidelidade, mansidão, domínio próprio”, coisas que levamdar ocasião à carne”. Carne aí, significando a vontade a situações de harmonia, boa vontade e compreensão en-própria e egoísta do ser humano. Como eram livres, tre os homens. A liberdade cristã nos conduz a estes está-pensavam os gálatas, poderiam fazer o que quisessem, gios aos quais Paulo chama de “frutos do Espírito”, pois éinclusive, prejudicar o irmão ou amigo com que tives- isto que resulta na sua vida e na minha vida se vivermossem alguma diferença. E, aplicavam, então, este pensa- segundo a vontade de Cristo.mento a tudo o mais: podiam beber o que quisessem...podiam falar o que quisessem... podiam fraudar quanto Conclusãoquisessem... podiam praticar o sexo livremente... – Não,Paulo vai ensinar-lhes que não é assim! Você é livre Para vivermos a verdadeira liberdade cristã temospara praticá-las, mas tendo Cristo como seu exemplo que cuidar dos obstáculos que o mundo nos coloca àde vida, você não as pratica, porque o seu coração não frente. Evitá-los com atenção e inteligência, primeiro,aceita tais procedimentos para o viver. entendendo a verdadeira liberdade que Cristo nos dá; segundo, procurando andar sempre no caminho certo, 5.3 - Andando no caminho certo: Logo a seguir o caminho do Espírito como ele nos recomenda; e, ter-Paulo vai explicar como esta liberdade deve ser vivida. ceiro, olhando as conseqüências que estão à nossa frente,Numa frase pequena e simples, ele resume tudo: “Andai vendo a diferença na vida daqueles que trilham os cami-pelo Espírito e não haveis de cumprir a cobiça da carne”. nhos do mundo e na vida daqueles que trilham os cami-Sim, se queremos viver a verdadeira liberdade, aquela nhos de Deus. Isto fazendo vamos avaliar com segurançaque, Cristo traz ao nosso coração, não devemos viver a referência do caminho que deveremos tomar. E assimsegundo o império das coisas do mundo, mas sim, se- fazendo, vivamos eu e você a verdadeira liberdade cristã,gundo o império do Espírito de Deus em nossos cora- livres da escravidão do pecado e livres para fazer aquiloções. Ou seja, não ficamos subjugados apenas pelas coi- que o Senhor espera de nós como crentes que somos. Revista da Bíblia • 2T12 • Ano XVII • No 66 • 7
  8. 8. Comentários sobreo Tema do Trimestre (II)Epístola aosEfésiosA santidade cristãTexto bíblico – Efésios 1 a 6 • Texto áureo – Efésios 4.23,24 “... a vos renovar no espírito da vossa mente; Éfeso era a capital da província romana na Ásia. e a vos revestir do novo homem, que segundo Deus Acidade mais importante e influente na região da Tur- foi criado em verdadeira justiça e santidade.” quia moderna. Era famosa por ser a sede do culto a Diana, uma deusa da mitologia grega (Ártemis), absor- Introdução vida agora pela mitologia romana. Além do templo de Diana, com suas sacerdotisas virgens e eunucos (jovens A carta de Paulo aos efésios é tida como uma daquelas emasculados), era também um grande centro comer-que foram escritas da prisão em Roma. Segundo o costu- cial. Como igreja cristã se tornou também referênciame do império, naquela época, sendo ele um prisioneiro no NT, pois, o apóstolo João deve ter ali encerrado odomiciliar, deveria ter ao seu lado, permanentemente, seu ministério, e ela mesma viria a ser a destinatária deum soldado romano de guarda para impedi-lo de deixar uma das sete cartas do Apocalipse.a residência que lhe fora alugada para isto. Por isso é queos historiadores explicam o final desta carta quando Pau- A carta trata do plano de Deus para propiciar a uniãolo vislumbra a armadura do cristão. Ele estaria por certo em um tempo certo, sob a autoridade de Cristo, de tudono seu reduto de prisioneiro contemplando a sentinela aquilo que exista no céu e na terra. Na primeira parteromana ao seu lado, quando então se apropriou da visão o apóstolo fala do povo de Deus, os cristãos, como umde seus apetrechos de vestimenta para aplicá-los à men- povo só, independentemente de raça ou nacionalidade,sagem que desejava transmitir como lemos no capítulo 6. unidos que foram pela morte de Cristo na cruz do Cal-8 • Revista da Bíblia • 2T12 • Ano XVII • No 66
  9. 9. Epístola aos Efésiosvário. Indo além, menciona mesmo que o Espírito Santo como se verifica em outras, deve ter sido escrita assimlhes dá o poder para continuarem a viver unidos no amor pelo apóstolo com a finalidade de que a sua leitura, taldo Pai. A seguir, aborda a nova vida que os discípulos como a escrita aos colossenses (Cl 4.16), fosse lida tam-de Cristo, os seguidores do Caminho, deveriam tomar bém entre as demais comunidades cristãs que visitoupor estarem unidos nele. Esta nova vida se exterioriza no nesta sua última viagem missionária.melhor relacionamento que tenham uns com os outros.Esta carta, dizem alguns historiadores, como a que foi II - Esboço básico do livro - Sua divisãoescrita aos crentes em Colossos, também pode ter sidopreparada para ser levada a outras igrejas da região. Aliás Em seus 6 capítulos e 155 versículos podemos per-são três as cartas que tomam o título de “cartas da prisão”, ceber claramente a seguinte divisão do seu conteúdo:pois, devem ter sido escritas na mesma época de Roma:aos efésios, aos colossenses e a Filemom. 1. Saudação e hino de louvor e exaltação a Deus - 1.1-23 Éfeso vai-se tornar um dos maiores centros primiti-vos do cristianismo, principalmente depois da queda de 2. A supremacia da graça sobre o pecado - 2.1-22;Jerusalém em 70 a.C. Paulo, passou ali três anos, evan-gelizando a cidade e as regiões vizinhas, ocasião em que 3. O apostolado de Paulo entre os gentios - 3.1-21;teve que “combater com as feras” como menciona em1Coríntios 15.32. Aliás foi durante sua estada aí que 4. A unidade da fé e a santidade cristã - 4.1 a 5.21;ele escrever suas cartas à igreja em Corinto. 5. Os relacionamentos dos crentes em Cristo - 5.22 a 6.9; Mais tarde, João, o apóstolo deve ter sido pastordesta igreja, fato este que Irineu e Eusébio confirmam 6. A armadura de Deus para o crente e despedidasnnos séculos II e III da era cristã. Foi daí que ele teria - 6.10-24;sido exilado para Patmos onde escreveria a revelação de Deus a ele, o livro Apocalipse. III - A visão global do texto I - Dados históricos e preliminares Embora possamos retirar diversos temas como assuntos principais desta carta, ela dispõe, no entanto, de uma singu- Paulo vai passar por Éfeso em sua segunda viagem laridade interessante. Em geral todos os que se voltam parabem ao final dela, mas de maneira rápida (At 18.19- escrever, deixam para o fim de seus escritos aquelas aborda-21). Porém, logo no início da terceira viagem ele chega gens mais marcantes. Paulo, nesta carta aos efésios, faz exata-a Éfeso (At 19.1), e deverá então nela ficar os três anos mente o contrário. O início desta epístola é uma verdadeiracitados por ele mesmo (At 20.31) fazendo dela o cen- apoteose. Somos levados a ler, quase sem respirar, do versícu-tro propulsor de suas andanças pela região da Ásia e da lo 3 ao versículo 14, tal a beleza das palavras, a profundidadeprópria Europa: Macedônica, Grécia, Filipos, Trôade, do assunto que aborda, a riqueza do conteúdo que traz paraMileto, Samos e outras menores, conforme nos registra nós. Nele, o apóstolo aborda uma das maiores preciosidadesAtos 19.1 a 20.38. Sua despedida dos crentes em Éfeso da vida cristã, o grande mistério da vida do homem, o maioré dramática e muito emotiva, por onde podemos ter milagre reservado para a humanidade: a revelação de Deusuma idéia do seu grau de afinidade com aquela igreja. à criatura humana para sua redenção. E ele faz isto com tal propriedade e riqueza de palavras que somos obrigados a ler Isto deve ter ocorrido em torno de 54 a 57 a.C. en- o texto quase que de um fôlego só, de tal maneira as idéias sequanto a carta para a igreja teria sido escrita um pouco complementam e se sobrepõem.mais tarde entre 59 e 61 a.C., tempo que se supõe ocor-re a prisão do apóstolo em Roma. Esta carta, por sua Além deste aspecto inicial, a carta se destaca tambémcomposição bem genérica, sem muitas citações pessoais pela ênfase que dá à graça de Cristo unindo todos os ho- Revista da Bíblia • 2T12 • Ano XVII • No 66 • 9
  10. 10. Comentários sobre o Tema do Trimestre (II)mens sob a sua bênção salvadora, e a necessidade da san- 4.3 - Os dons do Espírito, segundo a carta aos Efésios:tidade cristã em oposição aos costumes mundanos, o que Um outro destaque desta carta é a descrição que Paulo fazé ressaltado com a belíssima imagem final da armadura nela dos dons outorgados por Deus aos seus servos, porespiritual que Deus disponibiliza aos seus santos. meio da ação do Espírito Santo em suas vidas. Em nossos estudos já vimos que Paulo fez esta mesma descrição em IV - Os pontos principais em destaque Romanos 12 e em 1Coríntios 12. Ele volta a fazê-lo aqui. Nas três vezes em que entra neste assunto, Paulo o faz de Vamos ressaltar alguns dos passos contidos nesta maneira mais ou menos uniforme, com poucas diferenças.carta como pontos de alerta e de advertência que de- Em Romanos são sete: profetizar (pregar), ministrar (ser-vem ser por nós refletidos: vir), ensinar, exortar, repartir (solidariedade), presidir e usar de misericórdia; Em 1Coríntios são oito: sabedoria, ciên- 4.1 - Um hino de louvor em sua vida: Muitas vezes nossas cia, fé, curas, milagres, profecia, discernimento, línguas (fa-vidas cristãs se tornam tranqüilas e tão normais que perde- lar e interpretar); e. finalmente, aqui em Efésios, ele volta amos a inspiração para o louvor e a adoração. Mecanicamente, mencioná-los, mas de maneira mais objetiva, pois aborda aspensamos que “não há porque fazê-lo”, pois nada acontece de funções que os dons criariam na igreja. São cinco os donsespecial ou diferente. Ou seja, acostumamo-nos às revelações que ele aponta e que devem estar presentes na vida dessesdo Pai de tal forma já conhecidas que, não experimentamos ministros: apóstolos, profetas, evangelistas, pastores e mes-mais, em nosso viver, momentos de êxtase ou gozo espiritual. tres. O que chama atenção nesta descrição de Paulo aos efé-Somos como que levados a vivenciá-la em monotonia e pas- sios é a forma especial como ele a finaliza, como que dizen-sividade. Paulo nos dá um exemplo fulgurante de uma pessoa do: - Todos esses dons têm que ser praticados em conjuntoque embora, vivendo com intensidade a vida cristã e passan- pelos ministros de Deus “tendo em vista o aperfeiçoamentodo até por dissabores e tristezas em muitos instantes, ainda dos santos, para a obra do ministério, para edificação do corpoassim, sabia cultivar o momento do louvor e da adoração em de Cristo; até que todos cheguemos à unidade da fé e do plenosua intimidade. Este início do primeiro capítulo desta carta é conhecimento do Filho de Deus, ao estado de homem feito, àum belíssimo hino de louvor e exaltação a Deus. Vale a pena medida da estatura da plenitude de Cristo”.lê-lo em reverência, de joelhos até, para que a sua beleza e suaprofundidade impregnem a nossa vida e nos transforme em 4.4 - O relacionamento humano diante de Deus: Pau-pessoas que vibrem sempre com sa salvação alcançada e com lo com muita propriedade nos aponta para os cuidadoso poder do Senhor que nos salvou. que devemos ter em nossos relacionamentos como cren- tes. Dos versículos 5.22 a 6.9, ele como que expõe todas 4.2 - A supremacia da graça de Deus sobre as obras: as formas de relacionamento que podemos ter, e de comoOutro texto de grande realce na carta é quando o após- devemos cuidar para que o nome de Cristo seja honrado etolo se dedica a exaltar a soberania da graça de Deus. O preservado em meio a esses contatos em que nos inserimoscapítulo 2 contém textos de grande esplendor teológico e como pais, cônjuges, filhos, irmãos, servos, empregados eque nos devem servir de paradigmas para a vida em meio senhores, de forma a não macular o nome da igreja.à sociedade em que vivemos presentemente: “Porque pelagraça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom V - Sua contextualizaçãode Deus; não vem das obras, para que ninguém se glorie”.Ainda visando demonstrar o grau infinito dessa graça para Efésios é uma carta de muitas possibilidades de aplica-a salvação do ser humano, ele declara no mesmo capítulo: ção para os dias presentes. Quando Paulo escreveu aos cren-Mas Deus, sendo rico em misericórdia, pelo seu muito amor tes na cidade de Éfeso, ele ensinou-lhes a como combatercom que nos amou, estando nós ainda mortos em nossos deli- as situações adversas da vida. Parece que ele estava sabendotos, nos vivificou juntamente com Cristo (pela graça sois sal- que hoje nós seríamos inspirados por ele, pois a sua mensa-vos), e nos ressuscitou juntamente com ele”. Ou seja, as obras gem é plena de utilidade para nós também. Para isto ele nosde nada valem para a salvação. Apenas a graça que nos foi aconselhou sobre as sete armas que estão à nossa disposição.dada por Deus antes mesmo que nascêssemos (Gn 3.15), Vamos conferi-las na figura que o apóstolo nos apresenta depode-nos dar a certeza da ressurreição eterna. um soldado que se apresenta para a batalha. Ele vai vestir10 • Revista da Bíblia • 2T12 • Ano XVII • No 66
  11. 11. Epístola aos Efésioseste soldado de todos os recursos indispensáveis para que crente deve estar revestido em seus pés, com o evangelho daseja bem sucedido na luta. Se a luta será incessante, ele tem paz, isto é, a mensagem de Cristo sendo levada por nossosque estar bem preparado para enfrentá-la, em todos os as- pés a todos os que estão ao redor. Mas não somente os pés,pectos do viver. Este soldado, espiritualmente, somos eu e mas o corpo também deveria estar protegido, por isso elevocê, diante das lutas que enfrentamos no mundo. aconselha o uso também do escudo da fé. A fé em Cristo nos protege, o corpo todo, das investidas do mal. Ela, a fé em 5.1 - Enfrentando as adversidades da vida: Lutando Cristo, é o nosso escudo a preservar-nos do mal.sem cessar contra elas foi o que ele recomendou quan-do escreveu para os efésios dizendo “revesti-vos de toda 5.4 - Quinta e sexta armas – Salvação e Bíblia: Paraa armadura de Deus, para poderdes permanecer firmes completar a armadura que ele nos indica como necessá-contra as ciladas do Diabo”. Sim, esta luta pela eficácia ria para que lutemos sem cessar diante das artimanhasda vida cristã deve ser travada por mim e por você, sem do pecado, o apóstolo nos apresenta mais dois equipa-cessar. Em todos os momentos de nosso viver. No colé- mentos essenciais para esta nossa preparação para a ba-gio, no trabalho, no lar, na condução, todos nós temos talha: “Tomai também o capacete da salvação, e a espadade lutar sem cessar para que o nosso testemunho cristão do Espírito, que é a Palavra de Deus”. Com esta frase eleseja luz para os que estão ao nosso redor. nos ensina que a salvação obtida pelo crente desde que creu em Cristo, é a sua principal arma. Como o capace- 5.2 - Primeira e segunda armas – Verdade e justiça: Para te envolve a cabeça do soldado, assim o sentimento dacomeçar ele aponta para duas virtudes indispensáveis ao cará- salvação deve envolver toda a mente do crente, isolando-ter cristão. Não se pode imaginar alguém que se diga crente -o deste mundo tenebroso em que vive. Ou seja, mesmoe que não demonstre em seu viver estar de posse dessas duas diante das piores situações lembremo-nos sempre, quequalidades morais imprescindíveis. Elas não são exigidas ape- somos salvos por Jesus, não pertencemos a este mundo,nas do crente. O cidadão comum é delas cobrado pela socie- fazemos parte do reino de Deus. Vocês devem ter perce-dade civil. O apóstolo Paulo vai-se referir a elas como as duas bido que todas essas cinco armas mencionadas até aquiprimeiras armas de que devemos estar equipados para enfren- pelo apóstolo são apenas armas defensivas. Ele deixoutar o mundo: “Estai, pois, firmes, tendo cingidos os vossos lombos para a última indicação, a única arma de ataque, a maiorcom a verdade, e vestida a couraça da justiça”. O dorso do sol- e melhor arma ofensiva do crente: a Bíblia, a Palavra dedado naquela época era envolvido por uma espécie de malha Deus que ele apresenta como a espada do Espírito. É afina (para o crente esta malha seria a verdade), sobre a qual, Bíblia Sagrada que nos inspira na luta, que nos aponta oscolocava-se depois a couraça, uma espécie de armadura para pontos fracos do inimigo, que nos ensina o caminho daproteção dos golpes mais duros (para o crente esta couraça se- vitória, que nos dá a condição de derrotá-lo, finalmente.ria a justiça). O viver na verdade e o buscar a justiça deviam serduas evidências para o mundo da pessoa do crente. O que o Conclusãoapóstolo está nos requerendo é que pratiquemos a retidão emtodos os nossos atos, a dignidade em nossa maneira de viver, Vivendo digna e retamente (praticando a verdade e jus-enfim, integridade enfim. tiça em nossos atos)... Testemunhando do evangelho e resis- tindo ao mal (pregando a paz de Cristo e a fé nele)... Mos- 5.3 - Terceira e quarta armas – Paz e fé: Mas o apóstolo trando ao mundo a bênção do ser cristão (demonstrando aprossegue e nos apresenta a seguir mais duas armas. Agora alegria da salvação)... estaremos preparados para enfrentarmais diretamente vinculadas ao crente. Verdade e justiça são sem cessar a luta contra o pecado, defendendo-nos assimvirtudes esperadas de todos os seres humanos. Paulo agora de todos os seus dardos inflamados, até que, possamos des-começa a particularizar aquilo que só se pode esperar de al- fechar o golpe final com o nosso contra-ataque: o bom usoguém crente em Jesus, de mim e de você: “Calçados os pés da Palavra de Deus (a espada do Espírito), vencendo entãocom a preparação do evangelho da paz, tomando sobretudo, a batalha. Porém, mesmo assim, para finalizar, Paulo noso escudo da fé, com o quais podereis apagar todos os dardos do recomenda que sobretudo, mesmo que armados com estasMaligno.” Os pés tinham que ser bem protegidos para a ba- seis equipagens acima descritas, devemos viver sempre “emtalha. De forma figurada então, o apóstolo nos fala que o oração e súplica”, pois só assim, a vitória será alcançada. Revista da Bíblia • 2T12 • Ano XVII • No 66 • 11
  12. 12. Comentários sobreo Tema do Trimestre (III)Epístola aosFilipensesO poder que Deus dáTexto bíblico – Filipenses 1 a 4 • Texto áureo – Filipenses 4.13 “Posso todas as coisas Nascido em 382 a.C. em Pela, Macedônia, foi educa- naquele que me fortalece.” do em Tebas na Grécia, afeiçoando-se à cultura clás- sica grega a ponto, de, logo que chegou ao poder em Introdução seu Estado macedônico, tentar e conseguir unificar as cidades-estados gregas, sob a direção da Macedônia, o A cidade de Filipos tinha sido uma das mais impor- que iria dar base para a expansão posterior que seu filhotantes no período interbíblico, pois fora construída em iria alcançar. Depois de incorporá-los todos, organizouhonra a Filipe, o Grande, o pai de Alexandre, aquele a chamada Liga Helênica e lançou-se às outras conquis-que viria a ser o maior conquistador da Antigüidade. tas, principalmente, a Pérsia vindo a falecer, então, emDizem alguns historiadores que o poder de Filipe se 336 a.C., abrindo espaço para a hegemonia de seu filho,expandia de tal forma que, seu filho, Alexandre recla- Alexandre. A cidade vai continuar com importânciamaria com os amigos que assim continuando, quando histórica por muito tempo, até se tornar colônia roma-ele chegasse a reinar, não haveria mais o que conquistar. na a partir de 42. a.C.12 • Revista da Bíblia • 2T12 • Ano XVII • No 66
  13. 13. Epístola aos Filipenses A Macedônia, ficava na chamada região dos balcãs eu- pelo menos sete delas foram escritas de prisões, pelos ele-ropeus, sendo a cidade de Filipos aquela que ligava-se mais mentos que nos apresentam em sua construção Filipenses,de perto com a Ásia, pela travessia do Estreito de Bósforo. Efésios, Colossenses, Filemom, 1/2Timóteo e Tito, ficamEmbora situada dentro de uma planície a 16 quilômetros eles sem saber de onde seguramente teriam sido enviadas,de distância do mar, foi para lá que Paulo se dirigiu logo pois, Paulo, esteve preso em pelo menos três cidades di-que atendeu à visão que recebeu em Trôade, conforme ferentes: Jerusalém, Cesaréia, Roma, e, possivelmente, empodemos ler em Atos 16.12: “e dali para Filipos que é a pri- Éfeso onde ele menciona ter sido “entregue às feras”. Emmeira cidade desse distrito da Macedônia, e colônia romana; outros lugares ele esteve momentaneamente também eme estivemos alguns dias nessa cidade”. Paulo esteve ali por- prisões, como por exemplo, Filipos, mas em passagens tãotanto em sua segunda viagem, e passa depois por lá na 3a. rápidas que não dariam ensejo à escritura de uma carta.viagem também como podemos ler em Atos 20.6. No caso de Filipenses, as evidências contidas no tex- A passagem de Paulo por Filipos é uma das páginas to levam a grande maioria dos historiadores a advogarmais esplendorosas do trabalho evangelístico do apósto- a prisão em Roma e os anos de 58 a 60 da era cristã,lo acompanhado, no caso, por Silas. Ela está narrada em como o local de origem e a data aproximada da carta,Atos 16.12-40, quando o apóstolo inicia a evangelização no primeiro aprisionamento de Paulo.da Europa conforme lhe determinara a visão. Nesta cidadeele trabalha objetivamente em duas casas, primeiramente II - Esboço básico do livro - Sua divisãocom Lídia, a fabricante de púrpura da cidade e depois nacasa do anônimo carcereiro da prisão em Filipos, onde ele Em seus 4 capítulos e 104 versículos, podemos en-se hospeda após o martírio, é tratado, alimentado e prega trever a seguinte divisãoo evangelho a ele e a toda a sua família. Desses dois núcleosfamiliares, deve ter surgido então a igreja cristã em Filipos, 1. Uma palavra de introdução e saudação - 1.1-11;à qual Paulo vai escrever mais tarde. 2. Sua palavra de conforto mesmo em meio a tribu- Esta é mais uma das cartas chamadas “da prisão”. Tudo lação – 1.12-26;faz crer que, tomando conhecimento em Roma de queaquela igreja estava recebendo pessoas que ensinavam certas 3. Sua exortação à santidade de vida - 1.27 a 2.18;heresias e, que, também, alguns dos líderes da igreja teriamse voltado contra ele em sua liderança, o apóstolo resolve 4. Sua recomendação sobre seus emissários - 2.19-30;escrever a carta, onde aconselha, responde e adverte. Noentanto, apesar disto,vemos que a igreja o amava pois ele 5. Seu zelo apostólico e sua palavra sobre os legalis-agradece a ajuda que dela teria recebido expressando o seu tas - 3.1-21;amor pelos crentes ali. Nesta carta, ele expressa também al-guma características que devem marcar a vida do crente, fa- 6. Sua gratidão e saudações finais - 4.1-23lando da confiança, alegria, amor, comunhão e firmeza quedeveriam estar presentes neles. Finaliza mencionando que III - A visão global do textotodos deveriam seguir o exemplo de Cristo em suas vidas,pois, “meu Deus, suprirá todas as vossas necessidades segundo Mesmo ao leitor superficial da epístola, saltam aosas suas riquezas na glória em Cristo Jesus”. olhos dois temas essenciais em seu conteúdo, e que de- vem merecer toda a nossa atenção, como mensagens I - Dados históricos e preliminares globais da carta aos Filipenses: Uma das dificuldades dos estudiosos históricos da Bí- Primeiro, a segurança do apóstolo em continuar tes-blia é situar adequadamente em termos de data e origem temunhando do Evangelho mesmo em cadeias. Impres-as cartas chamadas “da prisão”. Tendo-se como certo, que, sionante verificar que ele considera que a sua prisão está Revista da Bíblia • 2T12 • Ano XVII • No 66 • 13
  14. 14. Comentários sobre o Tema do Trimestre (III)contribuindo para o progresso do Evangelho. Paulo IV - Os pontos principais em destaquetinha como objetivo transformar a sua prisão em umaespécie de exemplo para que os demais crentes tivessem Uma carta como esta é plena de pontos que pode-mais coragem em testemunhar do Evangelho. Ela de- mos destacar como instrumentos de inspiração e entu-veria servir de estímulo para que os crentes em todo o siasmo em nossa vida cristã hoje:mundo se sentissem dispostos a passar por tribulaçõesem benefício do Evangelho: “a maior parte dos irmãos 4.1 - A oração pela igreja: A palavra inicial de Paulono Senhor, animados pelas minhas prisões, são muito na carta é uma mensagem que nos evoca a necessidade demais corajosos para falar sem temor a palavra de Deus”. estarmos sempre orando por nossas igrejas. Quase todas as cartas paulinas começam com um intróito neste sentido. Segundo, a sua exortação à perseverança na vida cristã O apóstolo orava pelas igrejas que conhecia e às quais empor parte dos crentes em Filipos. Sua palavra aos filipenses algum momento do passado tinha ajudado. Algumas de-nos capítulos 1 e 2 é plena de inspiração e desafio para que las se mostravam, por sua conduta cristã, dignas desta pre-aqueles crentes buscassem mais e mais uma devoção maior ocupação do apóstolo em orar por elas. É o caso por exem-na vida cristã: “portai-vos de um modo digno do Evangelho... plo desta igreja em Filipos: dou graças a Deus todas as vezesem nada estais atemorizados pelos adversários... nada façais que me lembro de vós... fazendo sempre, em todas as minhaspor contenda... tende em vós aquele mesmo sentimento que orações, súplicas por todos vós.” Ou seja, o apóstolo tinhahouve em Cristo Jesus... fazei todas as coisas sem murmura- prazer em colocar em suas orações os nomes e os desafiosções... para que vos torneis irrepreensíveis...” Enfim, palavras que porventura estivesse enfrentando. Esta oração não erae mais palavras exortando aos crentes de todas as épocas tristonha ou negativa. Paulo chega a mencionar que faziaque ontem, como hoje, a vida cristã deve ser pautada por as “súplicas por todos vós com alegria”. Será que os nossosesta busca sempre pelo melhor. pastores estào orando por nossas igrejas “com alegria”? Ilustração de Paulo, mesmo preso, escrevendo uma de suas cartas (Gustave Doré)14 • Revista da Bíblia • 2T12 • Ano XVII • No 66
  15. 15. Epístola aos Filipenses 4.2 - O elogio a Epafrodito: Um outro ponto de realce dele enviando recursos para a obra e orando por seu tra-nesta carta é o elogio de Paulo a um de seus auxiliares. Epa- balho missionário. Agora, quando chega ao final da car-drodito ou Epafras são dois nomes para uma mesma pes- ta, o mesmo tinha se dado e Paulo agradece as últimassoa, embora alguns comentaristas considerem que possam dádivas: “fizestes bem em tomar parte da minha aflição...ter sido duas pessoas já que são citadas diferentemente, o nenhuma igreja comunicou comigo no sentido de dar e deprimeiro nesta carta aos filipenses, enquanto o segundo receber, senão vós somente... não uma só vez, mas duas,nas cartas aos colossenses e a Filemom. O que converge mandastes suprir-me as necessidades”. Será que nos dias depara uma mesma pessoa é que em todas as citações as pa- hoje, com tantos recursos a mais disponibilizados paralavras de Paulo são elogiosas e não fazem distinção entre as nossas igrejas estamos participando com este mesmoum e outro. No grego, esse nome, tem um bonito signi- empenho da obra missionária? Será que estamos aman-ficado: “belo, encantador”, sendo Epafras, então, uma es- do os nossos missionários e participando de suas lutas?pécie de contração ou diminutivo de sua forma completa.O que nos deve marcar é que sendo o apóstolo Paulo algo V - Sua contextualizaçãotão severo em suas avaliações pessoais, quanto a esse per-sonagem ele o enaltece grandemente: “Epafrodito, meu Todas as cartas de Paulo são eminentemente con-irmão... cooperador... companheiro nas lutas... meu socorro textualizadas ao nosso tempo. Aliás, é impressionantenas minhas necessidades... preocupado com os amigos...” Sua verificar como seus conselhos e palavras de advertência,apreciação vai a tal ponto que demonstra o sentimento originadas de um texto de pelo menos dois milêniosque ele e os crentes de Filipos tiveram quando souberam atrás, ainda são válidos e positivos para hoje.da enfermidade que o atingiu. Será que nos dias de hojeestamos sendo dígnos, por parte de nossos líderes, de ava- 5.1 - Ensinando-nos a ter um alvo: Na vida cristã,liações assim tão positivas e nobres? você tem que ter um alvo a atingir. Você deve ter um objetivo a acertar. Você tem que fazer todo um esfor- 4.3 - O convite ao regozijo cristão: Outro ponto de ço de concentração para isto. O objetivo da nova vidadestaque nesta carta á a importância que o apóstolo Pau- que alcançamos em Cristo deve ser sempre o de melhorlo confere à vivência cristã em alegria e regozijo. Parece possível para isto. Paulo nos aponta para isto em suaque ele quer evidenciar que o crente mesmo enfrentando carta aos filipenses. Este grau de dedicação de Paulo asituações adversas tem do que se alegrar. Por duas vezes determinado objetivo é demonstrado na carta. Na suaele chega a mencionar isto aos filipenses: “Regozijai-vos vida cristã, você tem que ter esses cuidados. Mirar comsempre no Senhor; outra vez digo, regozijai-vos.” O que o precisão um alvo a ser atingido segundo a vontade deapóstolo destaca para nós é que, como crentes, embora Deus. Para isto, outros interesses terão que ser deixadosestejamos, às vezes, diante de problemas e dificuldades, para trás, de forma que você se concentre unicamen-devemos “regozijar-nos no Senhor”. Isto é, ele não nos te naquilo que está pretendendo alcançar. Podemosestá sugerindo uma alegria vazia e fugidia como se qui- aprender com Paulo sobre isto quando ele disse “massesse nos impor uma simples fórmula de terapia contra o que para mim era lucro passei a considerá-lo como per-a dor ou o sofrimento. Não! O que ele nos ensina é que da por amor de Cristo”. Isto quer dizer que Paulo tinhaeste regozijo deve vir da pessoa de Cristo em nós. O cren- outras atrações em sua vida, mas passou a considerá-te que possui o Espírito de Deus em seu interior, mesmo -las com secundárias (como perda), diante da primei-diante do maior tormento, dispõe da alegria íntima e ra e maior atração que passou a predominar seu viver:pessoal que só a pessoa de Cristo, nosso Senhor e Salva- tornar-se verdadeiramente um crente no Senhor Jesus.dor, dentro de nós, pode nos proporcionar. 5.2 - Firmando-se em direção ao alvo: Para alcan- 4.4 - A gratidão à beneficência: Algo que nos cha- çar então o alvo, além de fixá-lo com precisão, temosma atenção nesta carta é também a predisposição dos que firmar bem a direção que estamos trilhando. Nafilipenses em ajudar e participar das lutas do apóstolo. vida cristã, não basta mirar com precisão o alvo (que-Desde o princípio esta igreja tinha se colocado ao lado rer ser um crente fiel). É preciso também firmar bem Revista da Bíblia • 2T12 • Ano XVII • No 66 • 15
  16. 16. Comentários sobre o Tema do Trimestre (III)“ Não negamos o poder da féem vencer desafios, no entanto, 5.4 - Prosseguindo sempre em busca do melhor: A caminhada com Paulo em busca da melhor vida cristã não chega ao fim. Observem que mesmo de- pois de já ter dito o que poderíamos chamar de tudodevemos entender que o contexto do possível sobre a necessidade de um alvo na vida, a firmeza necessária para alcançá-lo, e a satisfação de,versículo é extremamente negativo. enfim, atingi-lo, Paulo vai mais longe e acrescentaPaulo não está se vangloriando de ainda: “Mas, naquela medida de perfeição a que já chegamos, nela prossigamos”. Isto é, a jornada cristã“poder vencer todas as lutas” que não tem fim. Ainda que já tenhamos alcançado vi-viesse a enfrentar, mas sim, que, tórias, na realização daquilo para que o Senhor nos chamou, não nos contentemos com os “louros da vi-diante das dificuldades terríveis tória”. Outros desafios existem à frente. E o Senhor espera a nossa continuidade na luta. Mesmo presoque vinha passado, o Senhor lhe em Roma, Paulo vislumbrava voltar a Colossos, visi-dava poder para resistir a elasa direção, concentrar-se em todos os momentos, não ”perder a atenção e estar bem preparado, pois senão, al- tar Filemom, ir à Espanha. Sim, a vida cristã deve ser sempre um estímulo ao melhor. Conclusãogum obstáculo pode nos atingir em nosso caminhar edesviar-nos inteiramente do alvo. Com Paulo podemos O texto fundamental desta carta, recitado comoaprender também a respeito desta firmeza de direção texto áureo em muitos momentos em nossas igrejasna hora da jornada: “vou prosseguindo, para ver se pode- é, sem dúvida, o versículo 13 do capítulo 4: “Possorei alcançar aquilo para o que fui também alcançado por todas as coisas naquele que me fortalece”. Esta palavraCristo Jesus”. Sim, a primeira lição para termos firmeza de Paulo, às vezes, pode ser vista numa ótica muitona caminhada cristã é esta. Embora surjam problemas, otimista, quando a lemos isoladamente, e há pessoashoje difíceis, amanhã menores, e dias tranqüilos à fren- que assim o fazem no objetivo de diante de obstácu-te, vamos prosseguir. Nada nos deve desviar de nossa los tidos como intransponíveis contar com a ajudacarreira. Devemos dia-a-dia firmar a nossa direção em do Senhor para superá-los. Não negamos o poder dabusca do alvo a ser atingido: a perfeição da vida cristã. fé em vencer desafios, no entanto, devemos entender que o contexto do versículo é extremamente negati- 5.3 - Acertando o alvo, enfim: Na vida cristã, esse, vo. Paulo não está se vangloriando de “poder vencerdeve ser o nosso objetivo. Acertar, acertar sempre. Mes- todas as lutas” que viesse a enfrentar, mas sim, que,mo que erremos hoje ou amanhã em algum momento diante das dificuldades terríveis que vinha passado,de nossa vida, vamos prosseguir: mirando com precisão, o Senhor lhe dava poder para resistir a elas. Senão,firmando a direção de nosso projeto e procurando assim vejamos o versículo 12: “Sei passar falta, e sei tam-acertar no alvo, atingir o objetivo em mira. Paulo nos dá bém ter abundância; em toda a maneira e em todas asa verdadeira imagem desta caminhada cristã quando es- coisas estou experimentado, tanto em ter fartura, comocreve que não importando os desafios e as falhas de hoje, em passar fome; tanto em ter abundância, como emos passos errados que tenhamos dado em nossa vida, padecer necessidade...” e, então, em face desse quadroeu e você, devemos, como ele afirmou: “prossigo para o negativo, ele exclama que tem capacidade para re-alvo pelo prêmio da vocação celestial de Deus em Cristo sistir às intempéries, aos problemas, às dificuldades,Jesus”. Devemos então, aprender com ele. Prosseguir e pois, “pode todas as coisas naquele que o fortalece, onunca desanimar. O prêmio a ser ganho é muito grande Senhor Jesus Cristo”. Por isso, o título de nosso estu-e valioso. A vida eterna com Cristo é algo de supremo a do: “O poder que Deus dá”. Ele dá poder para resistirser atingido e devo fazer sempre o melhor para isto. também.16 • Revista da Bíblia • 2T12 • Ano XVII • No 66
  17. 17. Comentários sobreo Tema do Trimestre (IV)Epístola aosColossensesA vivência cristãTexto bíblico – Colossenses 1 a 4 • Texto áureo – Colossenses 3.16 “A palavra de Cristo habite em vós ricamente, um pouco depois disto, porque Roma construindo asem toda a sabedoria; ensinai-vos e admoestai-vos uns suas estradas deu preferência à passagem no caminho aos outros, com salmos, hinos e cânticos espirituais, de Éfeso para o Oriente, pela cidade de Pérgamo e não louvando a Deus com gratidão em vossos corações.” por Colossos. Introdução Segundo podemos depreender do texto bíblico Pau- lo não foi o fundador desta igreja, nem mesmo deveria A cidade de Colossos era uma das mais importan- conhecer muitos de seus membros, composta que erates da região da Frígia, uma província da Ásia Menor ela de maioria provavelmente gentia. Os comentaristasnos tempos do Novo Testamento, a Turquia de hoje. acreditam que o Evangelho chegou ali quando PauloFicava a 120 quilômetros de Éfeso e próxima aos ca- se encontrava pregando em Éfeso, por intermédio deminhos que levavam a outras cidades citadas como “as Epafras, que seria um dos líderes daquela igreja. Comoigrejas da Ásia”, no Apocalipse de João: Sardes, Pérga- essa carta é uma daquelas conhecidas como “da prisão”,mo e principalmente Laodicéia, que ficava mais perto os estudiosos apontam o aprisionamento de Paulo emdela, no vale do rio Lico. Foi muito importante nos pe- Roma como o local de onde teria sido a carta escrita.ríodos que antecederam o Império Romano, decaindo Seu final aliás, testemunha muito bem isto, quando Revista da Bíblia • 2T12 • Ano XVII • No 66 • 17
  18. 18. Comentários sobre o Tema do Trimestre (IV)vemos a citação do apóstolo dos seus diversos compa- depois da época desta carta (58/60 d.C. data provável donheiros de prisão em Roma. aprisionamento de Paulo em Roma), Colossos foi destruí- da por um terremoto, em torno dos anos 66/68. Para muitos historiadores esta carta tem que ser lidaem conexão com a carta a Filemom, pois tudo nos in- A carta foi escrita para combater algumas falsasdica que seria Arquipo, o filho de Filemom, o pastor doutrinas que haviam se introduzido na igreja, o queou pelo menos o responsável pelos trabalhos naquela deve ter sido informado a Paulo, pela chegada de Epa-igreja. Quando Paulo chega ao final da carta mencio- fras a Roma. Paulo vai insistir que somente por Cristo énando que “dizei a Arquipo: Cuida do ministério que que Deus perdoa e salva a criatura humana. Os crentesrecebeste no Senhor, para o cumprires”, é como se esti- de Colossos devem estar unidos a ele, Jesus, numa novavesse atribuindo a ele a responsabilidade pelo trabalho forma de vida, em que se manifesta o amor mútuo epastoral ali. Outrossim, na própria carta a Filemom, ele solidário da igreja de Cristo.se refere, como “o nosso companheiro de lutas”. (Fm 2). II - Esboço básico do livro - Sua divisão Das treze cartas de Paulo, sete são reconhecidascomo “as da prisão”: Filipenses, Efésios, Colossenses, Em seus 4 capítulos e 95 versículos, podemos distin-Filemom, 1/2Timóteo e Tito. Esta que estamos estu- guir a seguinte divisão do seu conteúdo:dando se caracteriza bem como escrita em seu aprisio-namento, pois além da citação de diversos companhei- 1. Saudação do apóstolo e apreço dele pelos colos-ros que se hospedavam com ele na casa-prisão alugada senses - 1.1-8;em Roma, vemos três outras citações que nos remetemparticularmente à situação da igreja em Colossos: pri- 2. Oração do apóstolo em favor dos crentes em Co-meiramente a indicação de que Onésimo, voltando lossos - 1.9-23;para casa como lemos na carta a Filemom, seria o com-panheiro de Tíquico levando a carta em mãos; em se- 3. Menção às suas lutas e trabalhos pelo Evangelhogundo lugar a citação bem clara de Epafras como “um - 1.24 a 2.23;de vós, servo de Jesus Cristo, e que sempre luta por vós emsuas orações, para que permaneçais perfeitos e plenamente 4. Conselhos à melhor vida cristã - 3.1 a 4.6;seguros em toda a vontade de Deus”; em terceiro lugar,a citação já mencionada acima do nome de Arquipo 5. Notícias pessoais e despedidas - 4.7-18.como ministro ali, e especialmente, a solicitação doapóstolo de que a carta, após ser lida em Colossos, fosse É de se registrar ao final da carta, a dificuldade dodepois lida também na igreja em Laodicéia. apóstolo em escrever, pois apenas a saudação final é es- crita “de próprio punho”. I - Dados históricos e preliminares III - A visão global do texto Não há indicações seguras para que os comentaristasapontem a razão de ser do nome daquela cidade. Colos- O grande propósito da carta de Paulo aos crentes emsos, do grego “kolossai”, quer dizer isto que exatamente Colossos é contribuir para o crescimento espiritual deles.depreendemos (colosso, algo grande e magnífico). Para os Por isso demos o título deste estudo, como “a vivência cris-historiadores a única razão plausível para o nome, pois a tã”. Paulo está chamando os crentes em Colossos a umacidade não seria tão grande para justificar tal título, seria a vida de comunhão fraterna entre eles, e especialmente, desua posição num vale bem extenso, o vale do rio Lico, de comunhão com o Senhor de tal forma, que esta carta, jun-onde no horizonte, se deveria avistar uma grande cadeia tamente com a que foi escrita aos Efésios, é tida por muitosmontanhosa (os montes Taurus, talvez). Esses dados não comentaristas como a mais avançada teologia do apóstolo,são precisos, pois, pelo que a história nos registra, pouco com centralidade na pessoa de Cristo.18 • Revista da Bíblia • 2T12 • Ano XVII • No 66
  19. 19. Epístola aos Colossenses Vale a pena ressaltar o que escrevem os comenta- 4.3 - Cristo é o cabeça da igreja, é o alvo de toda aristas sobre o tema central desta carta: “O seu grande busca pela perfeição, é o mistério de Deus: Impressio-tema é Cristo... Cristo é o cabeça do cosmos... Ele é o nante como o apóstolo consegue consolidar em frasesMistério de Deus... ele é divino, mas é humano, pois soltas, verdades tão sublimes sobre a pessoa e a razão deefetuou autêntica expiação, mediante sua morte genu- ser do Senhor Jesus: “... porque nele habita corporalmen-ína...”, são algumas das expressões que podemos retirar te toda a plenitude da divindade... tendo sido sepultadosdo texto bíblico e ressaltadas pelos estudiosos. As gran- com ele no batismo... quando estáveis mortos nos vossosdes doutrinas da epístola são todas apoiadas sobre a na- delitos... vos vivificou juntamente com ele, perdoando-nostureza de Cristo, Filho de Deus, Salvador dos homens. todos os delitos... Se, pois, fostes ressuscitados juntamente com Cristo, buscai as coisas que são de cima, onde Cristo IV - Os pontos principais em destaque está... Pensai nas coisas que são de cima e não nas que são da terra.” Observem que praticamente todos os textos Para destacar alguns pontos da cristologia que Pau- do apóstolo são apontando para algo melhor. Os con-lo evidencia no texto da carta, e que podemos ir reti- selhos são pró-ativos. Dinâmicamente apontam pararando de diversos versículos muito explícitos em sua um futuro mais positivo e santo para a vida do crente.exposição: 4.4 - Cristo é o vencedor de todo o mal e com seu 4.1 - Cristo é o doador da graça, associado ao Pai, o exemplo regulamenta a vida cristã para nós: No en-verdadeiro objeto da fé dos crentes: - o texto aos colos- tanto, percebe-se em todo o texto que existe um ide-sensses é rico de expressões significativas a respeito da al paulino, estribado em Cristo, para a vida do crente.pessoa de Cristo: “... sejais cheios do pleno conhecimento Este ideal é o do crescimento espiritual que a nova cria-de sua vontade, em toda a sabedoria e entendimento es- tura deve buscar desde que se converteu. A ênfase dopiritual; para que possais andar de maneira digna do Se- apóstolo é neste sentido. O ser humano pode crescernhor, agradando-lhe em tudo, frutificando em toda boa em vários aspectos do seu viver, moral, material, físico,obra, e crescendo no conhecimento de Deus...” Ou seja, a traçando para isto caminhos próprios e alvos ou obje-vida cristã há que ser vivida em prol do melhor amanhã. tivos seguros. Este é o processo de crescimento em queNão podemos nos acomodar àquilo que somos ou que podemos atuar, como seres humanos com o nosso ra-já alcançamos. A fé em Cristo deve nos levar sempre a ciocínio e a nossa lógica: - no crescimento físico temosobjetivos maiores amanhã do que hoje. É ele, o Senhor que nos ajustar àquilo que a nossa genética e naturezaJesus que, agindo em nós vai fazer-nos trilhar os cami- nos impõe; - no crescimento intelectual e moral, nósnhos deste crescimento; podemos agir de forma a obter um melhor resultado amanhã, estudando e lendo, ouvindo conferências e 4.2 - Cristo é o doador da herança, o reconciliador, preleções. Isto é o que humanamente podemos fazera imagem do Deus invisível: Diante de realidades tão em prol de um crescimento humano que contribuaexcelsas, o apóstolo prossegue: “Ele é antes de todas as para uma melhor vivência cristã. Daí, os conselhos tãocoisas, e nele subsistem todas as coisas... tudo foi criado comuns e simples como que regulamentando uma novapor ele e para ele... ele é a cabeça do corpo, da igreja... o forma de viver para o crente: “... exterminai as vossasmistério que esteve oculto dos séculos, e das gerações; mas inclinações carnais... a impureza, a ira... não mintais...agora foi manifesto aos seus santos... a quem Deus quis não pronuncieis palavras torpes.”fazer conhecer quais são as riquezas da glória deste mis-tério entre os gentios, que é Cristo em vós, a esperança da Mas, Paulo, nesta carta, vai escrever sobre a neces-glória”. Que podemos acrescentar a textos tão profun- sidade do crescimento espiritual, aquele que não podedos como estes? Somente pela intensa meditação neles ser alcançado isoladamente. Somente contando com ae pelo maior e melhor espírito de oração que tenhamos participação do Santo Espírito de Deus neste processoé que poderemos penetrar um pouco nas verdades mag- é que poderemos galgar posições melhores em nossoníficas que o apóstolo escreve para nós nesta carta. viver cristão. Os crentes em Colossos vão receber do Revista da Bíblia • 2T12 • Ano XVII • No 66 • 19
  20. 20. Comentários sobre o Tema do Trimestre (IV)apóstolo um manual para “aprender a crescer”. Vamos abrangente que o Senhor deseja de todos nós. Paulo vai-conhecê-lo, para também fazer uso dele em nosso viver, -nos ensinar isto quando escreve: “que sejais cheios do ple-no item seguinte. no conhecimento da sua vontade, em toda a sabedoria e en- tendimento espiritual”. O apóstolo não separa uma coisa V - Sua contextualização da outra. O crescimento mental (sabedoria, que envolve o crescimento intelectual e moral) deve ser acompanha- Vamos dividir este manual também em quatro partes: do também do crescimento espiritual. Nós não podemos nos dedicar àqueles e esquecer deste. Ao tempo que nos 5.1 - Crescendo no conhecimento intelectual e es- debruçamos sobre os livros para mais conhecer e saber,piritual: A primeira motivação que deve levar o crente a devemos também nos debruçar sobre a Bíblia para delabuscar o crescimento de sua vida cristã, é a do reconhe- aprender a crescer espiritualmente.cimento de que precisa crescer nela tanto intelectual emoral, como espiritualmente também. Muitos pastores, 5.2 – Crescendo no conhecimento de Deus: Pauloeducadores e líderes cristãos, exigem muito de seus dis- destaca então a conseqüência natural deste aprendiza-cípulos no que diz respeito ao crescimento intelectual do espiritual. Aquele que se dedica ao conhecimento dae moral, dando-lhes os melhores conselhos, sugerindo Palavra de Deus, da história dos grandes personagensdeterminadas matérias, indicando livros, recursos de in- bíblicos, dos temas de destaque da Bíblia, acaba natu-formática etc. Isto é bonito e bastante válido, mas não ralmente “agradando ao Senhor em tudo, frutificandoé tudo. Lembremo-nos de que, Jesus Cristo, segundo em toda boa obra, e crescendo no conhecimento de Deus”.Lucas 2.52, “crescia em sabedoria, em estatura e em graça É natural que isto aconteça. Na medida em que vivamosdiante de Deus e dos homens”. Este é o crescimento total e uma vida que agrade ao Senhor (pela obediência a ele, Ilustração de Paulo em pleno exercício ministerial testemunhando perante Festo. Apesar de todas as lutas, sofrimentos e prisões, o apóstolo testemunhava com coragem, fé e alegria (Gustave Doré)20 • Revista da Bíblia • 2T12 • Ano XVII • No 66
  21. 21. Epístola aos Colossensespela leitura da Bíblia, pela oração), frutificaremos emnosso viver. Os frutos da vida cristã e do testemunhocomeçarão a surgir aqui e ali, e em conseqüência disto,estaremos crescendo no conhecimento de Deus. Este é “ O que ele nos está recomendando é que devemos viver com alegria ao maior nível de conhecimento que podemos alcançar vida cristã evidenciando para o mundona vida cristã de qualquer um de nós: - Saber quem é a salvação que temos, pois, o SenhorDeus em nossa vida, o lugar que ele ocupa em nossoviver, o que ele pode fazer por nós, e, especialmente, o Deus nos fez dignos para ela, porque nós devemos fazer em honra e serviço a ele. meio da morte de seu Filho. Esta 5.3 – Crescendo no conhecimento da salvação: herança que começa aqui vai se projetarUma das coisas mais comuns em nosso viver é a acomo- na sua vida eterna “na luz”. Que odação às situações que nos cercam, principalmente seboas são, e passarmos a não valorizá-las devidamente. mundo veja em cada um de nós a graçaDe tal maneira nos acostumamos à amizade e carinho que alcançamos com a salvação ”dos amigos e parentes, achando tão natural a atençãodeles, que nos esquecemos de abraçá-los e dizer-lhes em Cristoque somos gratos pelo companheirismo deles. E isto seaplica a diversos outros aspectos de nossa vida. Paulo cendo no conhecimento intelectual! - Crescendo nosabia que isto podia acontecer com respeito à salvação. conhecimento espiritual! Mas, sobretudo, que apren-Ela é algo tão especial para nós, principalmente quan- damos mais e mais a crescer no conhecimento de Deusdo acabamos de nos converter, mas, depois de algum e de sua vontade para a minha vida e para a sua vida.tempo, acostumamo-nos a saber-nos salvos e passamosa não dar mais o devido valor ao seu significado eterno Conclusãopara nós. Paulo vai ensinar que, se quisermos crescer emnossa vida cristã, precisamos conhecer mais e mais do A carta aos Colossenses não tem como objetivosentido e significado dela para nós. Foi isto que ensi- principal, como verificamos em várias das outras escri-nou aos colossenses quando disse: “dando graças ao Pai tas por Paulo, rebater a presença do legalismo judaico.que vos fez idôneos para participar da herança dos santos Depreende-se daí, que embora pudesse ter a sua co-na luz”. O que ele nos está recomendando é que deve- lônia de judeus, a igreja em Colossos deveria ter umamos viver com alegria a vida cristã evidenciando para o minoria deles como membros. Pelo que podemos de-mundo a salvação que temos, pois, o Senhor Deus nos preender da carta, a razão principal da argumentaçãofez dignos para ela, por meio da morte de seu Filho. de Paulo em seu conteúdo é contra o gnosticismo, queEsta herança que começa aqui vai se projetar na sua talvez, por informação de Epafras que chegara a Roma,vida eterna “na luz”. Que o mundo veja em cada um de tenha se introduzido na igreja. A ênfase que Paulo dánós a graça que alcançamos com a salvação em Cristo. à pessoa de Cristo, a teologia cristã que dela vai se ex- trair é exatamente a resposta do apóstolo aos gnósticos 5.4 – Crescendo no conhecimento integral: Como que não viam Cristo como a encarnação divina, o Fi-crentes somos chamados ao crescimento. Crescimento lho de Deus enviado para a salvação do mundo. Parafísico. Crescimento mental (envolvendo o moral e o eles, Cristo era apenas uma emanação divina, um dosintelectual). Crescimento espiritual. Nossos pastores mediadores e salvadores, um pequeno deus, dotado deesperam isto de nós. Nossos amigos e parentes idem. O alguma missão terrena. Devemos dar graças a Deus porSenhor Deus muito mais. Que nas áreas da vida em que tal situação, pois foi por meio dela que o Senhor nospodemos agir (estudo, leitura, meditação) possibilitan- brindou com um texto tão poderoso e inspirativo comodo este crescimento, possamos prosseguir aprendendo este da carta aos colossenses. Que saibamos retirar delea crescer: - Crescendo no conhecimento moral! - Cres- todo o tesouro espiritual que contém. Revista da Bíblia • 2T12 • Ano XVII • No 66 • 21
  22. 22. Viagem a IsraelTerras bíblicas, onde o passadoconvive com o presente Para quem lê a Bíblia, andar pelo palco onde a histó- gamos, com uma tranquila passagem pela alfândega. Noria se desenvolveu é fazer uma viagem cujo valor ultra- hotel, nossas malas passaram pelo detetor de metais. Nopassa o seu valor turístico. Com este sentimento, junto Pentateuco, o nome do rio Nilo não aparece, mas está pre-com um grupo, decidi percorrer alguns cenários no Egi- sente. Não é preciso seu nome. Ele é majestoso e único. Deto, na Jordânia e em Israel. dia e de noite. O Cairo se curva diante dele. O país inteiro, todo ele um verdadeiro sitio arqueológico, se curva diante Eu tinha algumas expectativas: orar no jardim do do rio. Os egípcios dizem que devem tudo ao Nilo. ComoGetsêmani e perceber as distâncias dos eventos bíbli- praticamente não chove, é dele que vem a vida.cos. A primeira era uma expectativa de natureza espiri-tual e a segunda tinha a ver com conhecimento. Cairo é uma cidade moderna, construída no século 10, cheia de cores e contradições. As músicas chamam para as re- Começamos, levados pela Hometour, uma sólida zas a partir dos milhares de minaretes espalhados pela cidade,empresa do ramo, sediada em São Paulo, pelo Egito. como torres de vigia. O que mais impressiona é que as pirâmi- des parecem muito próximas, visíveis de vários pontos. NA CIDADE DAS PIRÂMIDES Não parecem próximas; estão mesmo, como os aero- Cairo é uma cidade imensa, com um trânsito ditado portos brasileiros, um dia construídos longe das aglome-pela inexistência de semáforos. Já era noite quando che- rações humanas.22 • Revista da Bíblia • 2T12 • Ano XVII • No 66
  23. 23. israel belo de azevedo Fomos vê-las, então. Antes de deixar o Cairo, conhecemos uma área cop- ta (o nome da igreja católica ortodoxa no país: copta Quéops, Quéfren e Miquerinos, aqueles nomes que é o nome da antiga língua dos egípcios). Os cristãosaprendemos desde a infância, são mesmo imponentes, mantêm um templo muito antigo e alguns deles mo-sobretudo pelo tamanho e pela antiguidade, levanta- ram neste pequeno bairro. Eles afirmam que Marcosdas seis séculos antes de Abraão ou 26 séculos antes de fundou a igreja no país no ano 61.Cristo. Um momento deslumbrante é o passeio (esta tem Certamente todos as conhecemos pelas fotos, mas, que ser a palavra, diante do número colossal de peçasde perto, são ainda mais extraordinárias. Na entrada da expostas) pelo museu do Cairo, com suas inscrições,sua esplanada, em colina elevada sobre a cidade do Cai- estátuas e sarcófagos. Também aqui as fotos são pálidasro, está a grande esfinge de Gizé, como um leão a vigiar representações diante de tanta beleza e riqueza, porqueas sepulturas do reis do Egito. não captam os detalhes das peças nem as emoções de quem as vê, mesmo a passos largos, porque há muita Fomos também a outro sítio arqueológico. Menfis. coisa para ver.São muitas as inscrições, daquelas que Champoliondecifrou, e enormes as estátuas. Algumas delas o faraó Visitamos também uma loja que mostra como éestá com o pé esquerdo à frente, para indicar que estava a fabricação do papiro, a partir da planta do mesmovivo quando foi representado. Há também estátuas ina- nome, tirada das margens do Nilo. Depois de ver maiscabadas, indicando que ali era uma área de fabricação uma vez a praça Tahir, palco da revolta egípcia moder-de tumbas. na, seguimos para a península do Sinai. Revista da Bíblia • 2T12 • Ano XVII • No 66 • 23
  24. 24. Viagem A Israel RUMO AO SINAI trou com o grande Eu sou-o-que-sou. As montanhas impressionam, menos por sua altura, e mais por suas Nosso caminho se deu no mesmo sentido dos antigos cores avermelhadas em meio ao deserto. No invernohebreus, pelo deserto, que começa nas cercanias do Cairo. praticamente não ha vegetação. Em torno das poucas existente, ergue-se um mosteiro. Seguindo para o leste, passamos pelo mar Vermelho,sem o ver, primeiro por que está militarizado, dada a Em todos os lugares bíblicos, há uma igreja ou umsua posição estratégica e, segundo, porque a travessia se mosteiro. Nossa guia em Israel, Ziva, nos ajudou a serdá por um túnel sob o canal de Suez, que não existia ao menos duros com o passado. Se não fossem estas edifi-tempo de Moisés. Depois de atravessar o mar Vermelho, cações, feitas a mando de Helena, a mãe do imperadorseguimos por uma rodovia às suas margens, rumo ao sul. Constantino, no século 4, muitos destes sítios seriamParamos rapidamente num acampamento beduíno, em completamente ignorados.Mara (Êxodo 15.23 e Números 33.9), e passamos, já denoite, por Elim (Êxodo 15.28 e 16.1; Números 33.9-10), No mosteiro (de santa Catarina) do Sinal, há um ar-onde ainda há palmeiras. Então, chegamos ao coração do busto, chamado ainda de sarça, o que indica um poucoSinai. Já era noite. Rogério Enachev, o coordenador geral da experiência de Moisés. Não fossem tantos os destinos,da viagem, ofereceu uma passeio pelo pico da revelação, ali seria um lugar para oração e meditação. A emoção éo lugar onde se acredita que Moisés tenha recebido as forte quando lemos os textos bíblicos associados ao lu-tábuas da lei. A caminhada seria longa, de meia noite às gar. Fizemos isto sempre quando estivemos em Israel.sete da manhã, pelo que ninguém se arriscou, pelo cansa-ço e pela temperatura, embora todos desejassem. Ainda estávamos no Egito e precisávamos rumar para o sul do Sinai. Ainda paramos às margens do Quando acordamos, pudemos ver, ainda durante mar Vermelho, para uma caminhada pela praia, anteso café, as montanhas do Sinai. São muitas e nunca sa- de atravessar em Taba (a 500 quilômetros do Cairo) aberemos com certeza absoluta onde Moisés se encon- fronteira para Israel.24 • Revista da Bíblia • 2T12 • Ano XVII • No 66
  25. 25. israel belo de azevedo NOS DOMÍNIOS DOS lugar é deslumbrante. As fotos também não dão conta EDOMITAS E MOABITAS da beleza construída por mãos humanas. A primeira cidade israelense é Eilat ou Elate (Deu- Dali seguimos pela terra igualmente desértica eteronômio 2.8, 2Reis 14.22, 2Reis 16.6), por onde montanhosa dos moabitas e dos amonitas. Entre aspassaram os hebreus, no extremo norte do mar Ver- montanhas, está o monte Hor, no cimo do qual se vê omelho, no golfo de Ácaba. Eilat é uma cidade total- que os jordanianos dizem ser o sepulcro de Arão, locali-mente moderna, com muitos centros comerciais e lo- zado, segundo os egípcios, na península do Sinai.jas de gripes internacionais. Nada nela lembra temposantigos. Disputas à parte, chegamos a Amã (2Samuel 11.1), habitada por várias civilizações. Há uma antiquíssima Entramos na Jordânia, passando pelos primevos cidadela, de onde se vê as sete colinas sobre as quais sedomínios dos edomitas, dos moabitas e dos amonitas. ergue a capital da Jordânia.Voltamos ao deserto, com a estrada cortando as mon-tanhas, habitadas pelos beduínos em suas tendas, algu- Então, preparamo-nos para voltar a Israel.mas com carros à porta, em meio ao rebanho que buscaágua e pasto. Antes de entrar, pudemos ver Israel, tal como Moi- sés, com a diferença que ele não atravessou o Jordão. Na antiga terra dos edomitas, conhecemos Petra, Subimos o monte Nebo (Deuteronômio 34.1). Nãoconstruída nas rochas pelos nabateus, a partir do século há como resistir às làgrimas. Se o tempo estiver claro (e6 antes de Cristo. Segundo a emissora BBC, de Lon- não foi o caso, nesse dia), do alto é possível ver a terradres, Petra, descoberta em 1812, é um dos 40 lugares de Israel, do mar Morto ao mar da Galileia. Jericó estáque todos devemos ver antes de morrer. Já vi. De fato, o quase em frente, um pouco ao norte. Revista da Bíblia • 2T12 • Ano XVII • No 66 • 25

×