Your SlideShare is downloading. ×
Encontro com Cristo
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Encontro com Cristo

5,043
views

Published on


0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
5,043
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
71
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Esquema da palestra: Encontro com Cristo 1. Olhando a realidade 1.1. Realidade social 1.2. Realidade religiosa 1.3. Importância do encontro 1.4. O discípulo nasce do encontro 2. Encontro pessoal com Jesus Cristo: o caminho da missão 2.1. Adesão dos primeiros discípulos de Jesus (Jo 1,35-51) 2.2. Exemplos de encontros de Jesus com as pessoas 2.3. Exemplos de encontros que não resultavam em conversão 3. Como e onde podemos fazer um encontro pessoal ou comunitário com Jesus Cristo? 3.1. Escuta da Palavra de Deus 3.2. Liturgia, principalmente a Eucaristia 3.3. Oração pessoal e comunitária 3.4. Os pobres, aflitos e enfermos 4. Conclusão
  • 2. Encontro com Cristo “Não se começa a ser cristão por uma decisão ética ou por uma grande idéia, mas através de um encontro... com uma pessoa, que dá um novo horizonte à vida e, com isso, uma orientação decisiva” (DCE, 12) 1. Olhando a realidade 1.1. Realidade social Grande número de pessoas perdeu o sentido de sua vida e agora tenta reconstruir sozinho, num individualismo decepcionado, algum sentido, o que contribui para o crescimento do desinteresse político de muitos, do relativismo, do consumismo desenfreado na vida quotidiana, do cinismo diante da vida, do “cuide cada um de si mesmo”, da corrupção na política e portanto da desvalorização da ética. A fragmentação da sociedade cresceu, com a consequência do desgaste das grandes instituições públicas, incluídas as grandes religiões. 1.2. Realidade religiosa É neste contexto que hoje a sociedade consumista oferece também uma espécie de supermercado de religiões, principalmente nas áreas urbanas, onde os indivíduos isolados e decepcionados, até mesmo com sua própria religião, buscam novos refúgios e novos coletivos. Mas, há também um outro movimento: muitas religiões ou igrejas, especialmente as de origem mais recente, vão em busca dessas pessoas isoladas. Trata-se de pessoas de todas as classes sociais, que se sentem sem amparo e sem rumo, mas sobretudo nas grandes periferias urbanas pobres, onde além da falta de um claro objetivo para suas vidas as pessoas e famílias sofrem sozinhas toda sorte de carências, como falta de trabalho, de escola, de saúde, de moradia, chegando a passar fome e miséria extrema. 1.3. Importância do encontro Essas religiões, aqui entre nós principalmente as chamadas igrejas de crentes ou evangélicas- pentecostais e neo-pentecostais, vão ao encontro dessas pessoas, de todas as classes sociais, mas, sobretudo das pessoas pobres, e procuram levá-las a suas comunidades. Vão visitar as famílias, fazem um encontro com as pessoas e assim convertem a muitos. Percebemos facilmente que o fator “encontro com as pessoas” é decisivo. 1.4. O discípulo nasce do encontro De fato, o discípulo nasce do encontro. Encontrar as pessoas e levá-las a ter um encontro forte e pessoal com Jesus Cristo. Este é o caminho da missão, que Jesus entregou aos seus apóstolos e a nós, hoje, quando disse: “Ide por todo o mundo, proclamai o Evangelho a toda criatura. Aquele que crer e for batizado será salvo”(Mc 16,15-16); “fazei que todas as nações se tornem discípulos, batizando-as em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo” (Mt 28,19). 2. Encontro pessoal com Jesus Cristo: o caminho da missão Nos Evangelhos vemos como o próprio Jesus converte as pessoas em discípulos seus através de encontros fortes com elas. 2.1. Adesão dos primeiros discípulos de Jesus (Jo 1,35-51) No texto de Jo 1,35-51se narra como ocorre a adesão dos primeiros discípulos de Jesus. Jesus havia sido batizado por João, no rio Jordão. No dia seguinte, João Batista estava de novo ali com dois de seus discípulos. Acontece que também Jesus naquele momento passou novamente por lá. João ao vê-lo, o proclamou, dizendo: “Eis o Cordeiro de Deus”. Ouvindo isso, os dois discípulos de João Batista se aproximam de Jesus e lhe perguntam: “Onde moras?”. Disse-lhes
  • 3. Jesus: “Vinde e vede”. Eles então foram com Jesus, viram onde morava e permaneceram com Ele o resto do dia. Foi um encontro pessoal muito forte dos dois com Jesus. Um encontro que Jesus espera que também nós façamos e renovemos, um encontro forte e pessoal com Ele, para renovar nosso discipulado. Foi um encontro face a face, de tu a tu. De fato, os dois discípulos de João que se encontraram com Jesus, deixaram-se atrair e envolver pessoalmente. Saíram deste encontro transformados, iluminados, entusiasmados. Haviam-se deixado alcançar por Jesus e este os havia impressionado intensamente. Eles creram em Jesus. Aderiram a Ele com todo seu ser. Tinham a certeza de que este era o enviado de Deus, o Messias prometido, e isto os fazia vibrar de emoção e alegria espiritual. Estavam prontos a segui-lo e investir tudo nele. Ele seria daqui para frente seu Mestre e seu caminho, sua certeza e sua felicidade. Tornaram-se seus discípulos, para nunca mais o deixarem. O texto do Documento de Aparecida sublinha este aspecto quando diz que Jesus “despertava as aspirações profundas de seus discípulos e os atraía a si, maravilhados. O seguimento é fruto de uma fascinação que responde ao desejo de realização humana, ao desejo de vida plena. O discípulo é alguém apaixonado por Cristo, a quem reconhece como o mestre que o conduz e acompanha” (DAp 277). Como o apóstolo Paulo dirá mais tarde, também eles podiam dizer: “Quem nos separará do amor de Cristo? A tribulação, a angústia, a perseguição, a fome, a nudez, os perigos, a espada? ... Estou convencido de que nem a morte nem a vida, nem os anjos nem os principados, nem o presente nem o futuro, nem os poderes, nem a altura, nem a profundeza, nem qualquer outra criatura poderá nos separar do amor de Deus manifestado em Cristo Jesus, nosso Senhor” (Rm 8, 35 e 38-39). Essas também devem ser as palavras que devem brotar de nosso coração quando nos encontramos com Cristo. Mas para isso é preciso sempre de novo deixar-nos alcançar por Ele, de coração aberto e disponível. Devemos poder dizer com o apóstolo Paulo: “Eu já fui alcançado por Cristo Jesus” (Fip 3,12). Quando é que eu me senti alcançado por Cristo? Diz o Documento de Aparecida: “Conhecer Jesus é o melhor presente que qualquer pessoa pode receber; tê-lo encontrado foi o melhor que ocorreu em nossa vida, e fazê-lo conhecido com nossas palavras e obras é nossa alegria” (DAp 29). O evento da adesão dos dois primeiros discípulos continua narrando como eles saíram deste encontro para contar a seus companheiros tudo o que experimentaram e levá-los, por sua vez, a fazer um encontro com Jesus. Diz o texto que André era um dos dois. Ele saiu do encontro com Jesus e foi depressa procurar seu irmão Simão Pedro, para dizer-lhe ainda emocionado e feliz: “Encontramos o Messias”. Esta afirmação simples e entusiasmada de André deve ter surpreendido profundamente Simão Pedro. Sim; toda Israel esperava o Messias há séculos. Os profetas de época em época lembravam isso ao povo. Mas agora, ouvir tão abruptamente da boca de seu irmão: “Encontramos o Messias”, deve ter sido um abalo muito intenso. Pedro aceita ir com André para encontrar-se com Jesus. Ao chegarem, Jesus fita Pedro nos olhos e penetra todo o seu íntimo e depois diz: “Tu és Simão, filho de Jonas; chamar-te-ás Cefas (que quer dizer Pedra)”. O encontro com certeza se prolongou. Ao saírem de junto de Jesus, Pedro e André haviam sido conquistados para sempre. Suas vidas daqui para frente mudariam totalmente. Serão discípulos deste Jesus, em quem reconheceram o Messias. No dia seguinte, Jesus encontra Felipe, que – como diz o texto - morava na mesma cidade que Pedro e André. De novo se repete esta extraordinária transformação, que faz de Filipe mais um discípulo. E ele, também, assim como André fez com seu irmão Pedro, Felipe vai em busca de alguém que possa ouvi-lo e a quem possa transmitir a maravilhosa experiência, o forte encontro
  • 4. que mudou sua vida e seu futuro. Vai buscar Natanael e lhe diz: “Encontramos aquele de quem escreveram Moisés, na Lei, e os profetas: Jesus, o filho de José, de Nazaré”. Também Natanael se sente sacudido pela surpreendente declaração de Felipe e acaba indo com ele ao encontro de Jesus. Este o recebe com uma declaração que faz Natanael sentir-se imediatamente acolhido como se fosse um familiar, um conhecido e amigo. Jesus lhe diz: “Eis verdadeiramente um israelita em quem não há falsidade”. No transcorrer deste encontro, também Natanael se sente transformado, atraído e iluminado. Sente-se envolvido pessoalmente e percebe que Jesus o vincula a si para sempre. Natanael adere a Jesus e crê que este Jesus é o Messias prometido e exclama: “Mestre, tu és o Filho de Deus, tu és o Rei de Israel”. “Quando o discípulo está apaixonado por Cristo, não pode deixar de anunciar ao mundo que só Ele nos salva (cf. At 4,12). De fato, o discípulo sabe que sem Cristo não há luz, não há esperança, não há amor, não há futuro” (DAp 146). 2.2. Exemplos de encontros de Jesus com as pessoas Os Evangelhos trazem muitos exemplos destes encontros de Jesus com pessoas, que acabam crendo em Jesus, aderindo a ele totalmente, tornando-se seus discípulos e discípulas, capazes de investir toda sua vida nele e no seu Reino. Podemos citar os encontros com: • os irmãos Lázaro, Marta e Maria, de Betânia (Lc 10,38-42; Jo 11,1-45), • Nicodemos (Jo 3,1-21; 19,38-42) • a Samaritana (Jo 4,5-42) • Mateus (Levi) (Mt 9,9), • o cego de Jericó (Lc 18,35-43), • o rico Zaqueu (Lc 19,1-10). Em todos, ocorre aquela extraordinária transformação interior, a adesão, a fé, a prontidão em seguir Jesus e ser seu discípulo. Não podemos deixar de mencionar os encontros que ocorreram depois da ressurreição de Jesus Cristo. Esses encontros renovaram e aprofundaram a adesão dos discípulos e discípulas, os quais são então fortalecidos e consolidados na sua fé e discipulado com o dom do Espírito Santo. Lembremos os encontros de Jesus ressuscitado com: • Maria Madalena (Jo 20,11-18), • as outras mulheres (Lc 24,1-11), • Simão Pedro (Jo 21,15-19), • os apóstolos reunidos (Jo 20,19-23; Lc 24,36-49), • Tomé (Jo 20,24-29), • os discípulos de Emaús (Lc 24,13-35), • a multidão de discípulos reunidos na hora de sua ascensão ao céu (Lc 24,50-53), • o apóstolo Paulo, no caminho de Damasco (At 9,1-19; 22,6-21; 26,12-18). Sempre de novo trata-se de encontros pessoais e agora também comunitários, ou seja, com a comunidade que Jesus fundara e agora se consolidara com sua ressurreição e o dom do Espírito Santo. 2.3. Exemplos de encontros que não resultavam em conversão Mas quando faltavam certas condições de disponibilidade interior e de desapego, quando outros interesses de poder, dinheiro ou prestígio continuavam prevalecendo, o encontro não resultava em conversão, como aconteceu no caso do jovem rico (Mt 19,16-22; Mc 10,17-22), a quem o apego à riqueza impediu de seguir o Mestre. O inverso aconteceu com Zaqueu, que também era rico, mas se converteu, devolveu ao quádruplo tudo que havia adquirido ilicitamente e do que lhe sobrou deu a metade aos pobres. Mesmo um dos Doze, Judas Iscariotes (Jo 12,1-8; 13 21-30; Mt 27,1-10), nunca se converteu de verdade. João o acusa de ser ladrão.
  • 5. Alguns pensam que ele tinha outro projeto de poder e dominação, que não coincidia com o projeto de Jesus. Acabou traindo o Mestre e entregando-o para ser morto, recebendo em troca trinta moedas. Por fim, desesperado, enforcou-se. 3. Como e onde podemos fazer um encontro pessoal ou comunitário com Jesus Cristo? O papa João Paulo II, na Ecclesia in América (n.10), orienta como fazer o encontro com Jesus Cristo após sua ascensão ao céu, no tempo da Igreja, portanto, também hoje. Encontrar a Cristo é um dom de Deus e não simplesmente resultado de nossos esforços humanos. Na verdade, é Ele quem nos busca e nos amou primeiro. Ele bate à nossa porta. Mas somos nós que devemos acolhê-lo livremente. O apóstolo Paulo, por isso, diz com razão: “Eu já fui alcançado por Jesus Cristo” (Fl 3,12). Jesus Cristo o buscou e Paulo lhe abriu a porta. Onde pode dar-se hoje este nosso encontro ou re-encontro? Devemos sempre de novo re- encontrar-nos. Reconstruir e consolidar nossa adesão de discípulos de Jesus Cristo. João Paulo II, na Ecclesia in América (n.10), e o Documento de Aparecida (DAp 246-257) nos indicam algumas situações privilegiadas, em que isso pode acontecer. Entre os lugares do nosso encontro ou re-encontro com Jesus Cristo podemos destacar: 3.1. Escuta da Palavra de Deus O encontro com Jesus Cristo pode acontecer na escuta da Palavra de Deus, seja ouvindo de novo a pregação do querigma fundamental, pois, como escreve Paulo: “a fé nasce da pregação” (Rm 10,17), seja lendo a Palavra de Deus. Desconhecer a Bíblia é desconhecer Jesus Cristo e renunciar a anunciá-lo. Daí o convite de Bento XVI: “Ao iniciar a nova etapa que a Igreja missionária da América Latina e do Caribe se dispõe a empreender [...] é condição indispensável o conhecimento profundo e vivencial da Palavra de Deus. Por isto, é necessário educar o povo na leitura e na meditação da palavra: que ela se converta em seu alimento para que, por experiência própria, vejam que as palavras de Jesus são espírito e vida (cf. Jo 6,63). Do contrário, como vão anunciar uma mensagem cujo conteúdo e espírito não conhecem profundamente? É preciso fundamentar nosso compromisso missionário e toda nossa vida na rocha da Palavra de Deus” (DAp 247). Entre as muitas formas de se aproximar da Sagrada Escritura, a Lectio divina ou exercício de leitura orante da Sagrada Escritura é a mais recomendada. Esta leitura orante conduz ao encontro com Jesus-Mestre, ao conhecimento do mistério de Jesus-Messias, à comunhão com Jesus-Filho de Deus e ao testemunho de Jesus-Senhor do universo. Com seus quatro momentos (leitura, meditação, oração, contemplação), a leitura orante favorece o encontro pessoal com Jesus Cristo semelhante ao modo de tantos personagens do evangelho. Todos eles, graças a este encontro, foram iluminados e recriados porque se abriram à experiência da misericórdia do Pai que se oferece por sua Palavra de verdade e vida. Não abriram seu coração para algo do Messias, mas ao próprio Messias. 3.2. Liturgia, principalmente a Eucaristia Outro lugar em que posso fazer o encontro com Cristo é na liturgia, diz João Paulo II. A Eucaristia é o lugar privilegiado do encontro do discípulo com Jesus Cristo. “Com este Sacramento, Jesus nos atrai para si e nos faz entrar em seu dinamismo em relação a Deus e ao próximo. Há um estreito vínculo entre as três dimensões da vocação cristã: crer, celebrar e viver o mistério de Jesus Cristo, de tal modo, que a existência cristã adquira verdadeiramente uma forma eucarística. A Eucaristia, fonte da vocação cristã é, ao mesmo tempo, fonte do impulso missionário. Ali, o Espírito Santo fortalece a identidade do discípulo e desperta nele a vontade de anunciar com audácia aos demais o que tem escutado e vivido” (DAp 251).
  • 6. Em consequência, também as visitas ao Santíssimo Sacramento, fora da Missa, são oportunidades excelentes de um encontro com Cristo. Os fiéis que não têm a oportunidade de participar da Eucaristia dominical, também eles podem e devem viver “segundo o domingo”, participando da celebração dominical da Palavra, que faz presente o Mistério Pascal no amor que congrega, na Palavra acolhida e na oração comunitária. O sacramento da reconciliação é o lugar onde o pecador experimenta de maneira singular o encontro com Jesus Cristo, que se compadece de nós e nos dá o dom de seu perdão misericordioso, faz-nos sentir que o amor é mais forte que o pecado cometido e nos devolve o entusiasmo de anunciá-lo aos demais com o coração aberto e generoso. 3.3. Oração pessoal e comunitária Outro lugar de encontro é certamente a oração tanto pessoal como comunitária. A oração pode constituir-se em um tempo de profunda intimidade com Cristo e de compromisso. A oração é o lugar onde o discípulo, alimentado pela Palavra e pela Eucaristia, procura assumir a vontade do Pai. A oração diária é um sinal do primado da graça no caminho do discípulo missionário. “Também hoje o encontro dos discípulos com Jesus na intimidade é indispensável para alimentar a vida comunitária e a atividade missionária” (DAp 154). Jesus está presente também em meio a uma comunidade que se reúne na fé e no amor fraterno. Nela, Ele cumpre sua promessa: “Onde estão dois ou três reunidos em meu nome, ali estou eu no meio deles” (Mt 18,20). Os discípulos experimentam a força de sua ressurreição até se identificar profundamente com Ele: “Já não vivo eu, mas é Cristo que vive em mim” (Gl 2,20). Por isso, estar em comunidade, participar dela, rezar e celebrar com os irmãos, pode se tornar um lugar de uma forte experiência de encontro com Cristo. 3.4. Os pobres, aflitos e enfermos Segundo o papa João Paulo II e o Documento de Aparecida, os pobres, nos quais Cristo quer ser identificado, são também lugares de encontro com Cristo. O amor aos irmãos é sempre uma forma de amar a Deus e unir-se a Jesus Cristo como discípulo. Ele mesmo disse: “Nisto reconhecerão todos que sois meus discípulos, se vos amardes uns aos outros” (Jo 13,35). Mas entre os irmãos, os pobres e sofridos de todo tipo devem ter a prioridade em nosso amor e solidariedade. Contudo, só veremos Jesus nos pobres, se tivermos conseguido construir um relacionamento pessoal muito forte e consciente com Cristo. “O discípulo missionário é chamado a contemplar nos rostos sofredores de nossos irmãos, o rosto de Cristo que o chama a servi-lo neles. Os rostos sofredores dos pobres são rostos sofredores de Cristo. Tudo o que tenha relação com Cristo, tem relação com os pobres e tudo o que está relacionado com os pobres reivindica a Jesus Cristo: ‘Quando fizeram a um destes meus irmãos menores, fizeram a mim’ (Mt 25,40)” (DAp 393). Da contemplação do rosto sofredor de Cristo nos pobres e do encontro com Ele nos aflitos e marginalizados surge nossa opção por eles. A mesma união a Jesus Cristo é a que nos faz amigos dos pobres e solidários com seu destino. 3.5 A piedade popular A piedade popular é indispensável ponto de partida para conseguir que a fé do povo amadureça e se faça mais fecunda. Entre as expressões dessa piedade encontramos: as festas patronais, as novenas, os rosários, via-sacras, as procissões, as danças, carinho dos santos e aos anjos, as promessas, as orações em família. A forte experiência de Cristo acontece nas peregrinações para os Santuários. A peregrinação é uma confissão de fé onde os peregrinos experimentam a presença de Cristo na fraternidade, no
  • 7. caminhar juntos. Nos Santuários, muitos peregrinos convertendo-se tomam decisões que marcam suas vidas. 4. Conclusão O discípulo nasce do encontro forte e pessoal com Cristo. É preciso que sempre de novo renovemos este encontro para consolidar-nos como discípulos seus. Contudo, os discípulos não vivem isolados, mas Cristo os reúne em comunidade, a partir da comunidade dos Doze Apóstolos. Assim, por sua vez os apóstolos, após a volta de Cristo ao Pai, quando fazem novos discípulos por sua pregação e testemunho, formam novas comunidades. Desse modo, o encontro com Cristo, na Igreja, deve também sempre acabar tornando-se um encontro comunitário.